14/11/16, UMA ICÔNICA ENCRUZILHADA…

nunes2-301

14/11/16 é uma data especial para mim, pois é meu aniversário, que ao longo dos anos sempre comemorei junto a família e aos amigos, todos como eu, apaixonados pelo grande jogo, pelo basquetebol querido e amado…

14/11/16 é a data da queda brutal do grande jogo entre nós no aspecto confederativo, afastado da comunidade internacional pelos desmandos e corrompida administração nas duas últimas décadas, fruto do mais deslavado e criminoso corporativismo que foi implantado ao preço do escambo político e de  interesses pessoais…

14/11/16 fratura uma ossatura doente e carcomida pela desfarçatez e insensibilidade clubística, federativa e associativa, integrantes de uma corrente eletiva de mútua ajuda e permanente colaboração interesseira, todos voltados ao bem comum da “comunidade”…

14/11/16 escancara a dura realidade negada, omitida, aviltada, postergada desde sempre, e que terá continuidade garantida pelo processo eletivo existente, onde 27 presidentes de federações, eleitos pelos clubes de cada uma delas, acrescidos do presidente da associação de jogadores elegem o poder confederativo (na maioria das vezes por aclamação), que continuará a ser determinado à luz de seus mais recônditos interesses, a não ser que sejam mudados radicalmente os meios que o exequibilizam…

14/11/16, quem sabe, se transforme no marco do efetivo soerguimento do grande jogo neste imenso e desigual país, na medida em que se faça valer o mérito e a competência, bens muito acima da politicagem arrivista e criminosa que imperou até agora. Quem sabe  se vislumbre uma nova era, quem sabe…

Amém.

Foto – Divulgação CBB.

O OUTRO CICLO…

 

Foram-se dois ciclos olímpicos, perdidos na busca do “alto nível”, em vez do investimento maciço na base, coroados nas últimas olimpíadas na terra tupiniquim, pela busca dos ouros redentores, aqueles que absolveriam a ganância megalópica de uma elite diretiva compromissada com as empreiteiras e os altos e vultosos negócios na informação, nos transportes, no turismo, nos serviços e na segurança, pagos por bilionárias verbas que deveriam ter sido canalizadas para a educação, a saúde e a segurança de uma e das futuras gerações de jovens, abandonadas e entregues a ignorância, a marginalidade, e a um incerto e covarde futuro…

 

Inicia-se um outro, onde de saída se propugna pela negativa ao ensino das artes e da educação física no ensino médio, exatamente a meta que deveria ter sido exaltada uma geração e dois ciclos atrás, para, quem sabe, colhermos alguns frutos em Tóquio, e não em Los Angeles, que será o nosso destino se iniciarmos algo neste exato momento do país, que só se soerguerá através do mais profundo e completo projeto de educação jamais sequer tentado nesse imenso e injusto país continente…

 

Na minha caminhada de professor, talento que se manifestou desde muito cedo, poderia ter escolhido estudar, pesquisar e lecionar História, Geografia, Filosofia, Idiomas, disciplinas que muito me atraíam pelos seus extensos conteúdos cognitivos e afetivos, mas algo ainda ficavam a dever, o psicomotor, que só encontrei na Educação Física, senhora dos três conteúdos geradores dos mais completos objetivos voltados a educação dos jovens, tendo ao lado somente a Dança como proprietários da tríade básica. Cognição, afetividade e psicomotricidade, somente são encontrados juntos naquelas duas disciplinas, tornando-as fundamentais em qualquer programa educacional voltado aos jovens, e porque não, aos adultos também…

 

Claro, claríssimo para qualquer legislador que propugne pelo controle absoluto do processo educacional, que alija de seus projetos os fantasmas da independência e livre arbítrio de pensamento, assim como a criatividade liberta das amarras impositivas dos centrismos, políticos ou religiosos, pseudos patamares da educação integral, transparente e democrática que tanto ansiamos para nossos jovens, tornando-os aptos ao questionamento responsável e ao envolvimento nos projetos de grandeza nacional, muito ao contrário da obediência cega e retrógrada fundamentada em dogmas e interesses hegemônicos de fora, haja vista a imposição do inglês como idioma estrangeiro prioritário, esquecendo o espanhol totalmente falado e escrito por nossos vizinhos, a quem deveríamos estreitar cada vez mais os laços que nos unem pela latinidade que nos é comum, exceto as guianas, mantidas pela proximidade estratégica às incomensuráveis riquezas amazônicas…

 

Então, nesta semana que passou, o jornal O Globo em sua edição de 30/9/16, publicou duas matérias correlatas ao momento pós olimpíadas que estamos vivendo (matérias ilustradas nas fotos), onde o professor universitário Pedro Hellal discorre com bastante propriedade sobre o tema – “ O estudante fisicamente ativo aprende melhor”, que deveria ser bastante divulgada e discutida, principalmente frente aqueles que desejam ardentemente alijar as duas disciplinas aqui descritas, dos currículos do ensino médio, como obrigatórias, tornando-as optativas, eximindo dessa forma as escolas de se aparelharem para desenvolvê-las, em flagrante contraste com a cornucópia financeira derramada na organização da Rio 2016 e do Pan 2007, com seus prometidos legados, perfeitos para o empresariado bilionário nacional, e catastrófico para as tarefas básicas educacionais e de saúde de nossas sempre criminosamente esquecidas crianças…

 

A segunda matéria, “Arremesso futuro – Assistência” , trata da solidificação da franquia NBA em nosso país, da qual retiro algumas afirmações do entrevistado Arnon de Mello, vice presidente da mesma para a América Latina, que considero verdadeiras pérolas a serviço de uma entidade, que segundo ele – (…) o Brasil é importante para os dois vetores principais de crescimento da NBA hoje, que são o mercado internacional e a participação digital (…). (…) E tem seu principal foco no apoio a programas em mais de 70 escolas públicas de Rio e São Paulo, abrangendo 8 mil alunos – Nossos esforços estão em fazer com que a criança goste de basquete desde cedo – Quando entrei na NBA, achava que teríamos que construir mais quadras pelo país. Mas não precisa de nada disso, qualquer pracinha ou escola já tem uma quadra. Nosso desafio, então, é com os professores. A gente tenta incentivar, através de projetos esportivos, que o professor escolha dar o basquete na aula de educação física, e não o handebol ou o queimado (…).

 

Ou seja, temos uma NBA ousando interferir nos currículos e conteúdos das escolas públicas, definidas em seus projetos num país onde existem somente Rio  e São Paulo, onde professores municipais e estaduais priorizariam o basquete em vez do handebol, ou outra atividade desportiva, numa ingerência passível de sanções bem mais sérias do que seus projetos de caráter eminentemente mercadológico, segundo as próprias palavras do entrevistado, que aliás, confessa candidamente ter conseguido o cargo na maior cara de pau, segundo relato seu contido na matéria abaixo reproduzida…

 

Mas a cereja do bolo são os dois últimos parágrafos, que prefiro que o leitor leia diretamente, nos quais somente aponho uma ressalva, quando diz que – (…) O que talvez ainda falte é melhorar a seleção, para atrair mais gente. Esperamos contribuir (…).,,

 

Bem, será que melhorando os espetáculos, como vimos na olimpíada, com malabarismos, dançarinas, bonecos inflados, mascotes insossas, música bate estaca ensurdecedora,  apresentadoras inconvenientes, distribuição dirigida de brindes à imagem e semelhança das arenas romanas, ah, e beijaços ridículos pelo oportunismo midiático, teremos de volta nossa pujante herança de jogar o grande jogo, ou o que valeria para nós seria a volta de um público perdido para a pobreza técnico tática que nos abraçou, e fez se tornar passado uma época em que realmente formávamos excelentes jogadores, melhores ainda professores e técnicos, arrastando multidões para assistirem basquetebol de verdade, e não essa mixórdia que aí está, emulada na liga que ele hoje preside na AL, esquecendo de mencionar que, a grandeza do voleibol se deveu a expropriação política do patrocínio do BB, conseguida nos porões da ditadura, e que o tornou suficientemente poderoso até o apogeu de comandar o COB, a toda poderosa organização que tudo faz para manter a CBB no estágio do que aí está, facilitando e intermediando verbas do ME para manter a politicalha lá entranhada, pois dessa forma não correm o perigo de voltar a ser o quinto ou sexto esporte na preferência do torcedor brasileiro desde sempre. E se foram campeões olímpicos, deveu-se aos excelentes técnicos que floresceram à margem das vultosas verbas públicas, roendo as bordas das demais modalidades, ai o basquetebol incluso, infeliz e politicamente…

 

E não me venham dizer que a NBA salvará o triste atual basquetebol que tanto amamos, voltada às megastores que começa a implantar pelo país, alimentada por muitos dólares que propiciam a transmissão e divulgação midiática de praticamente toda a temporada da matriz, tão distante da nossa realidade, que se funde e talvez se explique nas duas matérias acima discutidas, mas relativamente perto de uma solução que depende de uma única saída, a de tomarmos verdadeira e definitivamente vergonha na cara, simples assim, vergonha na cara…

 

Amém.

Fotos – Reproduções do O Globo (30/9/16). Clique nas mesmas com as teclas control-maiúsculas-+ simultaneamente para ampliá-las, e control-maiúsculas-_ para voltarem ao normal.

 

P1140078-001P1140077-001

O REINO DA PRANCHETA…

P1130045-003

“Estava com saudade das pranchetas, aliás, o público amante do basquete também deve estar”… ( Comentário do narrador da TV, na rodada inaugural do torneio de Fortaleza ontem).
Realmente preocupante tal comentário, onde inermes pedaços de plástico são requestados como protagonistas midiáticos do grande jogo, quando na realidade não passam de soturnos biombos, fortemente situados entre técnicos (?) e jogadores, encobrindo a mais absoluta ausência de conteúdo técnico tático produto de treinamento, ensino e coesão, a não ser aqueles padronizados e formatados em décadas de mesmice e deslavada cópia inter pares, numa espiral que não cessa de ascender, com intervalos catastróficos, como nos recentes e caseiros jogos olímpicos, onde, pela enésima vez, foram grafadas nas mesmas os herméticos hieróglifos advindos de mentes desprovidas do mais comezinho conhecimento do que venha a ser formar,organizar, treinar e fazer competir uma verdadeira, coesa e unida equipe de basquetebol, cujo coletivismo é algo abstrato para a grande maioria dos que ai estão pousando arrogantemente de estrategistas supremos…
Me envergonham os pedidos de tempo, vazios nas mensagens e correções coerentes e fundamentadas, mas repletas de palavrões, esgares e falsas indignações, fruto do acordo comum e corporativo de uma classe que simplesmente emula uns aos outros, nas poses, nas coreografias ao lado e dentro das quadras, nas reclamações, pressões e coerções nas arbitragens, nos discursos, sendo todo esse lastimável espetáculo circense, aprovado e até incensado por comentaristas e narradores compromissados, em sua maioria, com a falsa imagem que passam, de ser todo esse pastiche, pertencente ao espetáculo, que deve ser preservado e ampliado, para incrementar a popularização da modalidade junto aos futuros assistentes e consumidores, no que me parece estar falhando rotundamente, haja vista as ridículas plateias que se perdem nas vastidões de bancadas vazias nas monumentais arenas, de padrão NBA, como apregoam colonizadamente, gerando o eco que nos tem avisado do ridículo posicionamento pelo marketing de uma atividade desportiva que nos fez grandes internacionalmente, não por toda essa enganação marqueteira, e sim pelos altos índices técnicos que ostentávamos na preparação de base, e nas seleções dirigidas e orientadas por técnicos de verdade, e não papagaios osmóticos de pirata, todos ostentando um saber que imaginam possuir, e tendo em seus sovacos pranchetas, que aqui para nós, acredito saberem mais do que eles todos, juntos e corporativados, em torno da capitania hereditária que dominam desde sempre…
Agora mesmo, nascem duas chapas que tentarão assumir a CBB para o ano, sendo que uma delas já desfila com o apoio de 14 federações e mais a associação de jogadores, voto certo na aprovação de contas da mentora, e vagas em seleções, todas elas eleitoras dos que ai estão a décadas, e que, de forma alguma mudarão alguma coisa administrativa e tecnicamente, ainda mais com as verbas governamentais se ausentando, e dívidas a não mais poder, formada pela turma que pratica o principio dos “ cargos de sacrifício” (será?…), e que avalizaram tudo o que ai está, mas preocupada com os excessos da atual e aceita administração, que está pondo em sério risco seu mandatário e exclusivo controle político, não fossem os candidatos a presidente e vice, parte da engrenagem. E nesse ponto urge uma pergunta – Se uma associação de jogadores tem poder de voto, por que não as de treinadores? Já imaginaram 27 associações estaduais e uma nacional incidindo no colégio eleitoral confederativo? Creio que muita coisa mudaria no universo do basquetebol tupiniquim, ou não?…
Mas o preocupante não se refere a administração, que continuará a mesma na atual conjuntura, já que se tornou rotina o que promulgavam nas assembleias para acertos de contas, mas sim o aspecto técnico, que na acepção de termo, é o fator que define em essência a existência de uma confederação esportiva, que justifica a essência do próprio jogo, que muitos aventureiros e arrivistas teimam em transformar em meio de vida, com seus projetos mirabolantes de gestão e publicidade profissional, marqueteiros circenses que são, e que esquecem que na matriz, essas benesses são lastreadas por princípios e bases educacionais voltadas desde sempre a juventude, nas escolas, colégios e universidades, com verbas próprias, berço acadêmico e político de seu inegável poder, assim como em outros países desenvolvidos na Europa e na Ásia. Aqui, o poder do QI ainda impera solene, onde a burocracia partidária e econômica asfixia o mérito, por mais sadio e genuíno que seja, e que não poderia ser diferente no meio sócio desportivo em que estamos doentiamente inseridos…
Entendendo e compreendendo essa estratégica verdade, podemos avaliar com alguma precisão os porquês de nossos repetidos fracassos no mundo do basquetebol internacional, e desde já aceitar o princípio imutável de que, qualquer mudança conjuntural somente será factível pela influência e introdução exógena, pois a endógena está corroída e agônica, sem perspectivas, ao menos, de salvação. A outra chapa será mais do mesmo, apesar de ser liderada por um técnico, que não acredito alcançar a receptividade necessária…
No meu eterno ponto de vista, maturado por meio século de atividade técnica e professoral, o grande nó górdio de nosso basquetebol, ata e desata no fator técnico, em sua concepção e divulgação, tanto na base, como na elite, que é a resultante daquela. Ao nos desvincularmos da influência do hemisfério do norte, com sua política hegemônica, numa realidade antítese da nossa, daremos um enorme passo para reencontrarmos nossa origem desportiva no grande jogo, assim como, ao lutarmos pelo aprimoramento do ensino desportivo nas escolas de educação física, com a reintrodução massiva de conteúdos técnicos e de formação em seus currículos, numa inversão do que ocorreu quando substituídos pelos da área da saúde, resgatando somatoriamente as disciplinas técnicas e didático pedagógicas, onde o ensinar a ensinar retome sua importância perdida nos últimos 30 anos, consubstanciando a real formação do professor e do técnico, teremos de volta a qualidade olvidada e quase perdida para os atuais “ profissionais da educação física”, bacharelados e provisionados por conselhos estaduais e federal, braços armados para o culto ao corpo, viabilizado pelos mesmos em holdings bilionárias que se avolumam por todo o país, a quem não interessa educação física e desportiva nas escolas, principalmente na faixa do ensino médio, clientela a alto, médio e baixo preços oferecidos a mesma, numa cornucópia financeira de valores estratosféricos…
Como descrevi no artigo anterior, somente acredito em alguma substancial mudança, se a mesma vier de fora para dentro, eivada de personagens advindos do grande jogo, como jogadores, técnicos, professores e mesmo dirigentes, todos beneficiários dos aspectos educativos que amealharam em suas formações junto ao mesmo, vivenciando-o e aprendendo a amá-lo desde sempre, e compromissados na tarefa de estender às futuras gerações, os mesmos princípios éticos, morais e físicos de que foram regiamente beneficiados, mesmo que no caminhar por sobre as pedras do sacrifício e da renuncia…
Quem sabe mais tarde, bem mais a frente, saudemos a volta de mais uma temporada, não pela saudade das pranchetas e seus contumazes seguidores, e sim pelo fato de irmos as quadras para testemunharmos a cada dia o surgimento de algo realmente novo, instigante, provocativo, inédito e verdadeiro, nosso, proprietário, e não uma canhestra copia impingida coercitivamente por aqueles que no fundo, bem lá no fundo, odeiam o basquetebol, por não conhecê-lo em toda sua magnitude e profundidade, como se preza a um grande, grandíssimo jogo que é.
Que algum dos deuses em seu eterno plantão, talvez aquele que gostou praticá-lo, inspire um grupo de notáveis (e os temos, com certeza), saídos do anonimato, para formar uma chapa de real qualidade e compromisso, para tentar, ao menos tentar, junto ao mandarinato eleitor, uma terceira via, que nos guie a dias melhores, ao caminho que desaprendemos a trilhar…
Mas também, lá no fundo, tenho a certeza de que dificilmente conseguiremos mudar, pois torna-se inumano lutar contra leis injustas e de caráter unilateral, o que é um eterno desastre, assim como o sistema e a forma única que jogamos…e claro, o império das pranchetas…
Amém.

Foto – Reprodução da TV.

Nota do Editor – Continuamos a lamentar profundamente que uma das chapas mantenha um pretenso vínculo em seu nome promocional com o Basquete Brasil, esse humilde e democrático espaço, mas que nunca se uniu politicamente a quem quer que fosse, e por isso mantendo sua irrevogável independência jornalística e técnica. PM.

FALAR O QUE?…

 

10801580_416056811852694_60297652605880243_n-00210469855_416056868519355_4279503050350214203_n-001

– O basquete chegou ao fundo do poço Paulo, afundou de vez, e até intervenção da FIBA vem por ai, que vergonha, que fracasso, que…

Calma amigo, calma. Para começar, a FIBA não tem poder intervencionista em nosso país, nossas leis comuns e desportivas não o permitem, quando muito vêm se informar “quando” a grana devida deverá ser paga, se o for, e se a nossa gloriosa CBB ainda ostenta um resquício de seriedade para organizar e se responsabilizar por campeonatos internacionais, ou mesmo, simples torneios. E aí é que se espantarão, pois de há muito a irresponsabilidade e incompetência se instalaram solidamente por aquelas bandas, terreno fértil para arranjos, escambos e protecionismos descarados, tudo avalizado por federações que mantêm o grupelho diretivo com seus votos “desinteressados”, pois estão todos auferindo “cargos de sacrifício”, masoquistas que aparentam ser, mas não o são, mesmo!…

Nada, caro amigo, que eu não tenha publicado à exaustão nesse humilde espaço, nesse Basquete Brasil, que um já proclamado candidato à próxima eleição na falida confederação, anexou a seu nome de campanha, numa clara e indevida apropriação de uma marca que a treze anos se dedica ao grande jogo. a fim de ajudá-lo em seu soerguimento no país, através artigos e discussões técnicas, táticas, pedagógicas, didáticas e comentários democráticos desde sempre, e jamais se associando a candidaturas e pretensões políticas…

Mas no fundo, há males que vêm para bem, e quem sabe, essa vergonheira que uns poucos nos impõem venha nos redimir de tanta incúria e omissões, inclusive a de todos aqueles que poluem os blogs da modalidade com suas “abalizadas opiniões”, lastreadas sordidamente pelo anonimato, covardes que são ao não exporem suas “honradas e impolutas” identidades, protegidas e encobertas por trás dos diáfanos véus da pior e mais danosa política de bastidores…

Por isso, muito pouco podemos almejar no campo diretivo, que se repete e perpetua através das últimas décadas, até o dia em que leis forem estudadas, deliberadas e discutidas no intuito de aprimorarmos a legislação desportiva no país, ensejando políticas eficientes e factíveis para seu desenvolvimento harmônico e democrático junto a juventude brasileira nas escolas, clubes…

No entanto, mesmo frente a essa dolorosa realidade, um aspecto de formidável relevância ainda pode ser discutido, estudado, desenvolvido e aplicado com boas perspectivas de sucesso, a discussão técnico tática, que tanto nos empenhamos nos últimos anos nesse humilde espaço, e que de alguma forma balizou alguns comportamentos, algumas modificações, algum e bem vindo progresso, pois depende de todos nós, professores e técnicos, que em todas as passadas épocas, sob bons e maus comandos administrativos, sempre propugnaram pela troca de saberes e informações, propiciando belos trabalhos, excelentes equipes, mais excelente ainda trabalho de base, preparando jogadores bem treinados nos fundamentos, num processo interrompido a vinte e poucos anos atrás, quando foi instalado em nosso infausto grande jogo o domínio do sistema único, emanado de uma NBA, emergindo na mente acomodada de uma geração de técnicos voltados ao “alto nível”, abandonando a formação de base, abdicando dos fundamentos, e aderindo em massa às pranchetas, com sua jogadas de passo marcado, marca registrada dessa geração de “estrategistas”, dessa geração de marqueteiros e oportunistas em sua grande maioria, claro que as exceções, que são muito, muito poucas, não contam, mas também, pouco somam no frigir dos ovos…

E uma cabal prova do que exponho está publicado no site da LNB, onde as estatísticas finais de uma LDB jogada para bancadas desertas oferece uma trágica realidade sobre a última etapa de acesso de nossos jovens jogadores ao desporto de alto nível, e que posso exemplificar de maneira simples e objetiva, a seguir:

– Em 40 jogos de suas etapas, foram cometidos 1510 erros de fundamentos ( sem contar os arremessos), numa média de 37,75 erros por partida, o que demonstra o abissal fosso no preparo dos fundamentos de uma faixa etária que os deveria ter sob controle, como os grandes países que lideram o basquetebol internacional;

– Aconteceram 7 jogos com mais de 50 erros de fundamentos (uma catástrofe), 9 jogos com 40/49 erros (uma aberração), 18 com 30/39 (constrangedor), 6 com 20/29 (nível infanto juvenil), e absolutamente nenhum, zero, entre 10/19 erros, que seria a razoável meta a ser atingida, numa tácita demonstração de incúria e irresponsabilidade no preparo fundamental dos jovens jogadores, alguns já apontados como grandes craques que garantirão o futuro do nosso basquetebol, o que duvido muito. Mas não faltaram rabiscos ininteligíveis nas midiáticas e ridículas pranchetas, onde “sistemas e filosofias” de jogo eram demonstradas aos olhares atônitos de uma jovem geração incapaz de exequibilizá-las, por desconhecimento prático e fundamental de como fazê-lo, pois o que importava era a sapiência tática de uma turma que necessita urgentemente voltar ao estudo, a pesquisa, ao preparo didático pedagógico, ao estágio supervisionado, e não ao princípio de aprendizagem osmótica a que se acostumaram, como todo papagaio de pirata que se preza. Se as escolas de educação física substituíram a maioria dos créditos das disciplinas desportivas pelas da área biomédica, despreparando-os ao ensino das mesmas, transformando-os em paramédicos de terceira categoria, ases de manga da indústria do corpo, torna-se estratégica e urgente a reformulação curricular, claro, sem os entraves e ingerências de um comprometido sistema confef/cref com a mesma…

Mas uma sobrinha restou, a ENTB, que mesmo implantada da forma mais precária possível, ainda poderia reverter sua obscura origem, e se transformar em um veículo realmente eficiente, desde que entregue a uma direção e coordenação voltada a diversidade técnica presente neste país continente, mas profundamente ancorada no ensino dos fundamentos, fruto de uma ampla discussão entre os verdadeiros formadores existentes no país, hoje afastados pelo corporativismo implantado coercitivamente desde muito, muito tempo…

Muitos outros fatores poderiam, e deveriam ser discutidos, mas por quem realmente se dispusesse a discuti-los, de cara lavada, em torno de uma gigantesca mesa, no intuito maior de soerguer o grande jogo entre nós, com lisura, conhecimento, responsabilidade e, acima de tudo, vontade de acertar o que aí está, vilipendiado, carcomido, mal cheiroso, corrompido a não mais poder…

Falar sobre olimpíadas, para que, e por que, se refletiu o que temos e o que somos? Quem sabe para nos penitenciarmos pela ausência de verdadeiros e bem planejados objetivos, omitidos pela pobreza cultural e técnica daqueles que deveriam planejá-los e executá-los, mas que não o fizeram, exatamente, por não saberem como…

Falar mais o que, o que? Fico por aqui.

Amém.

Fotos – Autorais feitas no Congresso Brasileiro de Justiça Desportiva, realizado em Florianópolis em setembro de 2015, onde expus alguns dos pontos aqui abordados nesse artigo. Clique nas mesmas para ampliá-las.

 

UMA INJUSTA APROPRIAÇÃO…

Um candidato a eleição na CBB no próximo ano, criou uma página no facebook associando seu nome ao Basquete Brasil, o que venho a lamentar profundamente, pois não o conheço pessoalmente, somente sabendo ser o mesmo presidente de uma das federações que vem apoiando o atual presidente da CBB em sua prolongada legislatura, cuja administração critico a longo tempo, e que somente tem se mantido no poder pelo apoio inconteste dos mesmos, inclusive ele próprio.

Então, apesar de nada poder fazer para evitar tal apropriação, pois não tenho a exclusividade da marca, somente declaro estar a mesma, absolutamente dissociada de sua campanha ao pleito, respeitando o posicionamento que esse humilde blog se fez presente e independente na cena do grande jogo, nos já doze  anos de constante e profícua existência técnica e jornalistica em nosso enorme, desigual e injusto país.

Amarildo Rosa Basquete Brasil

 

A FLUIDEZ CONCEITUAL…

DSCN4864DSCN4844DSCN4858

(…)- Ele é um dos técnicos que mais me ajudaram na carreira. Ele me deu liberdade, que era o que eu precisava. Temos uma ótima relação, uma ótima conexão, e fico muito feliz por ter a chance de trabalhar com ele. Ele tem esse sucesso porque é louco. Ele acredita em coisas que ninguém mais vai acreditar. Ele é um motivador incrível. Em seus olhos, você pode ver essa força que o incentiva a cada segundo. Ele dá uma energia incrível. Ele não falou nada (sobre a importância de se chegar a uma final olímpica). Talvez não quisesse colocar muita pressão em nós. Mas você pôde ver em quadra que ele planejou o jogo de forma perfeita. O jeito que jogamos é responsabilidade dele. E ele preparou o time de forma ótima.(…)

( Trecho de uma entrevista dada ao Globoesporte em 20/8/16)

Lendo o depoimento do Teodosic acima, sobre o seu técnico Sacha Djordjevic na seleção da Servia, podemos entender com clareza os porquês da esplêndida fluidez que marca uma equipe que se destaca junto a da Croácia pela ininterrupta movimentação ofensiva, acompanhada de uma forte e combativa defesa, dotando as duas de sistemas de jogo sem similares na competição, exceto pela equipe americana, com seu jogo extremamente atlético e dominadora dos fundamentos básicos do grande jogo…

Os balcânicos também dominam com maestria os fundamentos individuais, e mais ainda os coletivos, dotando-os do instrumental necessário a implantação de sistemas de jogo, onde a movimentação contínua de todos os jogadores se torna fluente, exatamente pela naturalidade e firmeza com que manuseiam a bola, em qualquer situação tática que se apresente no transcorrer de uma partida, seja qual for o adversário, pois sempre terá sob controle uma movimentação consciente e espontânea de todos os jogadores em quadra, numa fluidez técnica admirável, fruto de uma coerente preparação de base…

P1040866P1040868

Enquanto essas mudanças ocorrem em muitos países, ainda teimamos nos “espaçamentos” ofensivos, estratagema utilizado exatamente por aqueles que falham nos fundamentos, quando precisam de muito espaço para tentarem efetuar dribles e fintas em movimento, incapazes que são de os conseguirem em espaços diminutos, onde a técnica se impõe, e nos quais os arremessos mais seguros, pela proximidade com a cesta, são alcançados, dai a preferência pelas longas tentativas, altamente imprecisas quando efetuadas por não especialistas ,e mais ainda quando contestadas fora do perímetro…

No entanto, a fluidez contínua exige uma alta interação tempo/espaço, onde deslocamentos com e sem a bola atingem limites críticos de coordenação e precisão, que são fatores diretamente proporcionais ao maior ou menor domínio que tenham sobre os fundamentos do jogo, e de como são ensinados e treinados a executá-los, e sem os quais a fluidez inexistirá por conceito implícito, gerando um outro de maior e decisiva amplitude, o da fundamentação básica, introduzida nas divisões formativas, nos mais jovens, como o instrumental de seu trabalho e evolução no grande jogo…

P1040869P1040872

Agora mesmo a equipe sérvia acaba de ser severamente derrotada pelos americanos na final olímpica, exatamente por ter abdicado de seu jogo controlado, paciente e fluido após um primeiro quarto onde o utilizou, equilibrando a partida. Tentando duelar nos longos arremessos (foram 4/24 contra 10/31 dos americanos), estranhamente deu a seu adversário o acesso direto a duas de suas maiores armas, o domínio dos rebotes ante os falhados longos arremessos, e os contra ataques mortais, convertidos impiedosamente dali para frente. Mesmo assim, não devemos e nem podemos conceituar mal sua forma de atuar, que para o mundo Fiba tem sido exemplar, haja vista sua colocação no âmbito das grandes competições internacionais em que tem participado. Croácia, Espanha e Austrália seguem seu exemplo de uma forma de atuar, onde a permanente dupla armação, e a utilização de três homens altos, atléticos, ágeis e velozes, muito tem feito pela evolução técnico tática do grande jogo, fator que se fez presente em nosso basquete no NBB2, prontamente banido em favor da mesmice endêmica que nos sufoca desde sempre Os americanos, num outro e superior patamar, se beneficiam de uma estrutura exemplar de formação de base em suas escolas, colégios e universidades, alimentando continuamente suas equipes de alto nível no âmbito profissional, de uma maneira única e exclusiva…

P1040874DSCN4638-001

Num outro extremo, nossa  seleção travou exatamente na fluidez, com seu basquete tatibitate, praticado em arranques pontuais, jamais no coletivismo que vem sendo apregoado a cinco anos por uma comissão técnica que, de forma alguma, pode dar continuidade a um projeto falho em todos seus aspectos, do convocatório eivado de equívocos, ao técnico tático, ausente nas correções dos fundamentos (sim,selecionáveis também devem se exercitar profundamente neles, principalmente na elite…), fator básico para a consecução de qualquer sistema de jogo planejado para ela, e que no caso de dissolução, deve atingir a sua totalidade (mesmo!!!), pois em caso de uma passagem de bastão do hermano para um de seus assistentes (ou todos), ficará caracterizada a continuidade do que ai está, escancarada a todos, e mais, se acontecerem “mudanças” no percurso técnico tático por parte do(s) escolhido(s), ficará provada que a comissão não era tão uníssona como se autodefinia, aguardando somente o momento propício para efetuarem o notório tapetebol.*  Num projeto sério e comprometido, iniciam todos, vencem todos ou caem todos, pois irmanados pelo projeto comum, fator indissociável na vitoria e na derrota.

Precisamos realmente mudar esse cenário de uma mesmice aterradora, obtusa, doentiamente repetida, suicida…

DSCN4745

E como tudo tem um começo, que tal voltarmos a envergar a gloriosa e histórica camiseta listrada de verde e amarelo, nossa marca vitoriosa, pois se os argentinos podem numa olimpíada usar a sua listrada azul e branca, por que não podemos, por que? Pelo menos ela jamais foi desrespeitada, abjurada, negada, e sim glorificada pelos verdadeiros campeões, mantendo a mística do mérito e do merecimento para vestí-la, como deveria ocorrer desde sempre…

Mas só a camisa, Paulo?

Bem, tudo do que é errado no basquetebol brasileiro já comentei à exaustão aqui nesse humilde blog, principalmente nas abordagens na formação de base, quando os formandos das escolas de educação física cursam hoje um semestre de cada modalidade esportiva, quando até os anos setenta cursavam quatro, agora substituídas pelas disciplinas biomédicas, influenciados pela ascendência dos centros de ciências da saúde nesses cursos, em vez dos centros de preparação de professores, que foi uma política naquela década implantada visando a fortíssima e bilionária industria do corpo de hoje…

Com professores e técnicos assim preparados, fica comprometida a formação de base desportiva, inclusive na escola, e que muitas vezes são substituídos por ex atletas e jogadores sem o preparo didático pedagógico mínimo exigido, na tarefa especializada de ensinar jovens desportistas. Sem especialistas bem treinados, nada é possível fazer nas divisões de base, e que no caso do basquetebol, muito se esperava da ENTB, que infelizmente se fundamentou nos conceitos técnicos vigentes, negando o novo, o contraditório, no que seria uma verdadeira escola onde a criatividade e o desafio forjaria técnicos e técnicas realmente inovadoras, corajosas, ousadas, proprietárias…

Comando central da modalidade? Não creio que possa ocorrer com brevidade, a não ser que 14 federações resolvam aderir a algo que possa , realmente, mudar um cenário a que todas (ou quase) se acostumaram, nas benfeitorias e escambos, não arriscando uma posição política corporativamente conquistada, logo…

Com a mesmice cronica estabelecida, e fortemente defendida por um corporativismo retrogrado e imune a “novidades”, pouco, ou quase nada podemos esperar acontecer no âmago de uma modalidade que, para alguns, tem de se manter onde está, não oferecendo perigo de voltar a ser a segunda opção desportiva do brasileiro, cujo amor pelo grande jogo vem sendo orientado, canalizado comercial e economicamente para a liga maior, aquela que joga outro jogo, um tanto parecido com o que se pratica no resto do mundo, ao qual estamos sendo tragados, sugados, tendo como ponto central o ganho financeiro, num universo promissor de mais de 200 milhões de habitantes, com as maiores reservas mundiais de petróleo e água, as duas riquezas que pautarão as disputas sócio políticas deste século, amalgamadas pela força incontrolável da informação, onde o domínio, a influência cultural e desportiva tentarão amaciar seus projetos de conquistas no seio de nossa  juventude, órfã de políticas educacionais absolutamente necessárias a manutenção de sua independência como nação…

P1040909-001P1040913-001

É duro constatar em entrevistas televisivas, que a turma do volei de quadra que comanda o esporte de alto nível no país, teima a não mais poder pela segunda preferência junto a população tupiniquim, mesmo sendo desmentida por matérias na imprensa, como no O Globo de hoje (vide reprodução anexa), onde sequer ocupa uma das cinco primeiras colocações na pesquisa, coerente na liderança do futebol, do handebol, desporto colegial por excelência teimosamente existente, até mesmo na forma da “queimada”, da tradição do lazer praieiro das redes de volei, do histórico basquete, o concorrente a ser afastado a qualquer custo, que foi surrupiado politicamente do patrocínio do Banco do Brasil, sem o qual não teria atingido o nível atual que ostenta, mesmo sem investimentos na formação massiva de base, e da ginástica, o patinho feio e abandonado da escola pública, em benefício da industria do corpo milionariamente inserida nas holdings de academias espalhadas pelo país, para as quais não interessa a perda da clientela jovem, se atendidas pela ed.física escolar, tendo o suporte “regulador” dos confef’s e cref’s da vida…

Enfim, abre-se, por mais um ciclo, os tortuosos caminhos para uma modalidade impar em sua complexidade, profunda e das mais inteligentes, e por isso mesmo criativa e libertadora de mentes e personalidades, quase única na formulação consciente de lideres, que por conta desses atributos sempre sofrerá o combate direto, e nem sempre pautado pela lisura e a ética, para seu controle, e se possível submissão, mas que em pequenas ilhas de excelência sempre se manterá vivo o derradeiro sentimento da indignação, grito primal dos quem tem algo a dizer e somar, e não somente tomar e postergar, e mesmo evitar a constitucional obrigação de educar competentemente a nossa juventude.

Que os piedosos deuses nos ajudem…

Amém

(*) Tapetebol, a arte de puxar o tapete dos pés dos inimigos, e dos amigos também…

Fotos – Autorais e reproduções da TV e da mídia impressa. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

VELEIDADES E VAIDADES OLÍMPICAS…

RecuperaImagemRecortada-003P1010350P1010246-1P1010002-1

 

Um recorde, um mês sem postar artigo, algo inédito para mim em doze anos de Basquete Brasil, mas, honestamente, não me abalei, pois pude avaliar com calma e sem injunções, o quanto esse humilde blog influenciou, ou não, o grande jogo em nosso imenso e injusto país…

País este que se deparará com uma realidade da grandeza de uma olimpíada, para a qual, jamais deveria ter empenhado seus parcos recursos desviados de suas mais urgentes necessidades, a saúde, a educação, a segurança, básico tripé para a formulação de políticas voltadas ao futuro das gerações necessárias ao progresso sustentado, democrático e justo das mesmas…

Uma base que será gravemente atingida em nome de uma aventura irresponsável, totalmente voltada aos interesses de empreiteiras, empresários, políticos e falsos desportistas, mancomunados a um corporativismo absurdo e criminoso no avanço por sobre suadas verbas públicas, fruto de nossos mais suados ainda impostos, os mais altos do mundo…

Porém, foi um mês profícuo, pois pude atestar a ainda grande procura pelos artigos antigos do blog, principalmente os de fundamentação técnica, os fundamentos individuais  e coletivos, provando mais uma vez o quanto carente de informações se mantêm no âmbito dos técnicos e professores mais jovens, num universo praticamente voltado ao desporto de alto nível, numa inversão proposital, que omite e esconde tal carência em nome de um corporativismo abjeto pela continuidade do que ai está escancarado, na defesa de um nicho econômico de domínio de poucos apaniguados e protegidos…

Também pude acompanhar decisões na Liga Ouro, NBB e NBA, quando pude atestar nunca ter estado afastado do que aqui venho publicando a mais de uma década, após ter estado “lá dentro” por outras cinco, estudando, pesquisando e trabalhando arduamente em todas as faixas etárias, no feminino e masculino, onde sempre propugnei pelo inusitado, ousado e realmente diferente do que ai está, pasteurizado, formatado e padronizado, num processo autofágico que só apresentou um mérito, a mediocridade, a mesmice endêmica que nos esmaga e humilha…

Agora mesmo a nova geração feminina, a sub 17, disputa um 13o lugar num Mundial onde perdeu até para o africano Mali, utilizando os mesmos sistemas de jogo emanados das elites, muito mais voltadas à preparação física “científica”, do que os básicos fundamentos individuais e coletivos, que por si só, se bem planejados e executados valem muito mais em esforço do que testes e exercícios com aparelhos e geringonças importadas, que roubam um tempo precioso na aprendizagem efetiva do grande jogo, principalmente nas seleções de formação, relevando consensualmente o verdadeiro papel dos técnicos, que se curvam a esses falsos messias que teimam em induzir o conceito de que antes do jogador vem o atleta, transformando-os em robôs velozes, saltadores e bitolados, em vez de dominadores da arte de jogar, dominar e compreender as sutis nuances de uma esfera inquieta e escorregadia, e os mais sutis ainda  princípios do drible, do passe, da finta, da defesa, do rebote, e da arte maior do arremesso, princípios colimados e irmanados pelo coletivismo tático, onde o correr como velocista, saltar para enterradas, e trombar (a moda atual) define o avatar proposto pela comunidade da preparação física, que aufere a si a chave do jogo, para vermos os resultados expostos nas modalidades coletivas, onde atletas substituem os jogadores de verdade, aqueles que encestam, chutam, cortam, lançam, defendem e vencem usando muito mais o cérebro do que os músculos, incutidos, no caso de nossa seleção olímpica masculina, através uma comissão de dezenove (19!!) membros (4 técnicos, 3 médicos, 1 fisiologista, 2 fisioterapeutas, 3 preparadores físicos, 1 nutricionista, 1 psicóloga, 2 mordomos, 1  supervisor), fora os dirigentes e aspones de praxe, advindos de uma confederação rica, ou querendo parecer rica (Esse artigo do Balassiano destrincha essa pretensão), destinando ao técnico chefe uma missão que eu, honestamente, jamais admitiria, como detentor do real objetivo do jogo, de seus conceitos, de sua estratégia. Aliás, creio ser esse o real motivo da minha covarde e pusilâmine marginalização no grande jogo…

No NBB vimos algum progresso pela já difundida utilização da dupla armação e dos três homens altos transitando pelo perímetro interno (minha luta desde sempre, no blog e nas quadras), levando o Flamengo, reforçado por uma defesa mais presente nos dois perímetros a uma vitória inconteste, frente a um Baurú travado pela mesmice emanada por sua prancheta midiática e repetitiva, num discurso de via única…

Na Liga Ouro, a mesmice do sistema único imperou absoluta, sem maiores comentários técnicos, a não ser a entrevista do diretor vascaíno discorrendo sobre suas contratações para o NBB, posicionamento de jogadores e formas de atuação, seguido pelo candente agradecimento do técnico escolhido pela magnanimidade do dirigente, pois afinal de contas, o sistema vigente, o único que conhece, será mantido, comportadamente…

Na NBA, foi risível o desnorteio geral dos torcedor.. digo, narradores e comentaristas abalizados, frente a uma possibilidade que desde sempre descrevi nas muitas laudas desse humilde blog, concisas num principio lógico, a de que ante uma supremacia ofensiva sempre emerge uma resposta defensiva, e vice versa, e que essa alternância delega o progresso ao jogo, depreendendo a certeza de que o Curry, com toda sua fabulosa velocidade de arremesso, encontraria uma resposta contestatória no devido tempo, que foi o que ocorreu mais cedo do que pensava, ao se ver travado no solo pela extrema proximidade defensiva em seu quadril, que impossibilitado de girar livremente anulou em muito sua capacidade de concluir os arremessos, obrigando-o às penetrações, onde foi vitima de bloqueios impiedosos, principalmente através um enraivecido LeBron. A turma midiática, que já havia estabelecido “a era de um novo jogo”, literalmente ficou pendurada na broxa, mas quem sabe, para 2017?  Aliás, nem Curry, nem LeBron aparecerão por aqui, para tristeza e muchocho de uma turma que sequer desconfia do enorme amor que os dois, e os demais americanos tem pelo Brasil, para os quais a capital é B.Aires…

No Sul Americano vemos um Alexandre se impor, como o fez na decisão do NBB, no entanto, quem mandou não ser o presidente da associação dos jogadores, que é passaporte cardinalício olímpico?

Nunca estive ou fui a uma olimpíada, e nesta em nosso país somente contará com minha presença em alguns jogos que consegui entradas, caríssimas (mesmo as de idoso), que irei com meu filho, como num torneio da FIBA, e não de um COB, que me negou credencial de jornalista que sou, academicamente, mas que jamais calará meu permanente e perene combate ao que pretendem estabelecer como algo que fará evoluir o desporto nacional, afastado coercivamente da iniciação básica, nas escolas, principio atendido pelas maiores nações que aqui comparecerão, para abiscoitar os prêmios e curtir a festança patrocinada por nossa ambiguidade e profundo equivoco do que venha a ser desporto, como produto na formação de um povo, e não instrumento de veleidades e vaidades regadas e alimentadas pela pobreza imposta pela ignorância  aos jovens deste desassistido e desigual país…

Que os deuses (olímpicos ou não) nos protejam.

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

ALICERCES…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

O Basquete Brasil já se encontra no seu milésimo trigésimo sétimo artigo  nos doze anos de sua sacrificada existência, e assunto é que não falta, apesar de me sentir um tanto cansado de trombar com a mesmice endêmica que se instalou na modalidade de forma devastadora…

E pensar que logo em seu início já vislumbrava o que haveria de acontecer, fundamentado em argumentos publicados no artigo que hoje repriso, os mesmos que explicam um hoje absolutamente inaceitável, frente ao que sempre representou o grande jogo no cenário desportivo e educativo de uma pátria que cada vez mais se apequena à sombra de uma farsa educadora, pátria educadora, mentirosa e corrompida…

Segue o artigo.

O QUE NOS FALTA REALMENTE?

sábado, 13 de novembro de 2004 por Paulo MuriloSem comentários

Este é vigésimo primeiro artigo que publico,e depois de abordar diversos assuntos técnicos e situações politico administrativas creio que apresentei alguns,porém sólidos argumentos para, de uma forma objetiva apresentar conclusões e sugestões visando a melhoria técnica e administrativa de nosso combalido basquetebol.

Falta-nos,prioritariamente união. Quando técnicos aceitam influência,orientação,método, sistemas e técnicas de uma única matriz,tomando-a como verdade absoluta, e impondo-a, inclusive, na formação das divisões de base, estereotipando as ações dos futuros jogadores em modelos voltados à especialização (jogador 1,2,3…etc), limitando-os a papeis manipuláveis de fora da quadra, escravizando-os em coreografias que se tornaram padronizadas pelas equipes brasileiras,repito,quando os técnicos agem dessa forma, prevejo poucas chances de fugirmos a médio prazo da mediocridade em que nos encontramos. Torna-se urgente o desligamento da matriz NBA, do sonho subserviente de lá vencer como jogador, ou de lá se especializar como técnico ou dirigente,e mesmo se espelhar como torcedor de um esporte que somente eles praticam, e que inteligentemente importam estrangeiros para torná-los propagadores de suas ideias absolutistas em seus países de origem. Agora mesmo os brasileiros que lá jogam estão relegados à reserva de suas equipes, de onde dificilmente sairão. No entanto são festejados como aqueles craques que levarão a seleção brasileira ao patamar olímpico.     Da equipe argentina, campeã olímpica, somente um dos jogadores atuava na NBA,e como estrela absoluta, e os outros o faziam na Europa, principalmente na Itália, onde, pela força da dupla cidadania de seus jogadores aperfeiçoavam um método de jogar antagônico ao da NBA,  e totalmente condizente à realidade das regras internacionais negadas pelos norte americanos. Foram campeões por sua extraordinária inteligência ao perceberem que venceriam se explorassem a fragilidade dos americanos perante a crueza das regras internacionais.  Para nos restou a pseudo e estúpida aceitação do que chamam”basquete internacional”,numa prova cabal de quase total ausência de amor e respeito por nossas raízes culturais e passado brilhante na forma de jogar, forma esta que nos fez imbatíveis em nosso continente. Hoje nem em divisões de base vencemos os irmãos argentinos, que fugiram do exclusivismo perante o modelo NBA. Resta-nos a união pela discussão, pelo embate das ideias, pela fundação de associações estaduais de técnicos, que discutam a modalidade em função de suas regionalidades para, ai sim,em torno de uma associação nacional reencontrar o caminho perdido nos últimos 20 anos. Caberia a CBB encorajar esse caminho,e não se situar como principio, meio e fim na busca das soluções para os graves e terminais problemas que nos afligem.Houve uma época em que fundávamos uma ANATEBA, uma BRASTEBA, que nos reuníamos em pequenos, porém encontros técnicos para técnicos, onde discutíamos e discordávamos, mas sempre concluíamos algo de interesse do basquetebol. Divergíamos porque não utilizávamos em nosso trabalho uma única fonte inspiradora. Tinhamos até”escolas”como a paulista,a carioca,a mineira, como outras,que ao se enfrentarem nos campeonatos nacionais definiam os caminhos de evolução técnica a serem percorridos. Hoje o que apresentamos é uma única forma de atuar, calcada no modelo NBA, que nos chega de enxurrada pela TV,pelos jornais e revistas, em matérias regiamente pagas, em contraponto à nossa pobreza. Só sairemos dessa penúria no momento que nos reunirmos em encontros como os que aconteciam aos sábados na USP, onde mais de 100 técnicos assistiam palestras de colegas, e depois as discutiam, ou aqueles que aconteciam no Rio, no RGS e em Minas, dos que tenho conhecimento, e que eram levados a sério pela CBB, que hoje simplesmente omite qualquer manifestação que não compactue com suas orientações exclusivamente de cunho político continuístas, onde inexiste discussão aberta sobre as técnicas da modalidade que representam. Um exemplo? Em 1971,quando exerci a função de coordenador do Laboratório de Tecnologia do Ensino da EEFD/UFRJ  propus a realização de um filme de média metragem semi profissional em 16mm sobre o Campeonato Mundial Feminino realizado aqui no Brasil. Juntos,EEFD e CBB levantamos uma pequena verba para a compra e a revelação dos negativos, e realizei, filmando, roteirizando, editando e gravando o único filme técnico sobre basquetebol feito em nosso país. Cópias foram distribuídas até no exterior, como Austrália e Portugal,e outras que até recentemente faziam parte do acervo de duas escolas de Ed.Fisica quando se deterioraram pelo passar do tempo.Quatro anos atrás descobri os negativos de imagem e de som do mesmo e corri para um laboratório especializado de cinema para tentar salvá-lo.O orçamento foi de seis mil reais aproximadamente. Como não dispunha dessa quantia fui a CBB tentar que me ajudassem a salvar aquele único documento da extinção. Resultado? Até hoje o material mofa em um refrigerador da LABOFILMES,e nem sei se ainda existem.O único filme de basquetebol feito no Brasil e documento de um Mundial aqui realizado, patrocinado pela CBB não teve dela a menor ajuda em sua restauração.Uma entidade esportiva que não preserva sua história não está cumprindo sua função de guardiã das técnicas do passado, quiça as do futuro. O que resta? A reação daqueles que são os verdadeiros artífices do jogo, aqueles que em suas funções de professor e técnico mantêm viva a modalidade.Enfim,  aqueles que compõem o cerne e a alma do basquetebol, os Técnicos. Unamo-nos e levaremos o basquetebol de volta ao cenário mundial.

Em tempo – Consegui salvar o filme, relatado no artigo Enfim Salvo aqui publicado.

Amém.

 

VERGONHA NA CARA…

basquete3-001

 

Tenho visto jogos, alguns jogos pelo NBB, mais por teimosia, e uma vaga esperança de que algo de novo exploda de uma vez por todas essa mixórdia implantada pelo sistema único, com seus chifres, polegares, punhos, ombros, camisas, tudo misturado e unificado por jogadores destituídos de criatividade, algemados que estão pelas exigências táticas de pranchetas midiáticas, empunhadas por técnicos veteranos e novatos, como lanças medievais que os caracterizam, a ponto de vermos armadores superarem seus marcadores na armação inicial de jogadas, e absurdamente retornarem para viabilizarem os sonhos quiméricos dos estrategistas que os comandam (?), quando estabeleciam superioridade numérica de 5 contra 4, uma das bases fundamentais do grande jogo, claro, aquele bem pensado e jogado, e não esse que aí está, preso a uma mesmice endêmica de se lamentar desde sempre…

Como no jogo de ontem entre Flamengo e Bauru, classificado de exemplar pelo técnico vencedor, mas que contou com com uma enchente de 20/49 nos arremessos de três e nada menos que 25 erros de fundamentos, entre outros senões, como a mais completa inabilidade ofensiva da equipe paulista, que lastima ter sido forçada ao jogo 5 x 5 (como denominam os ataques coletivos de meia quadra), quando seu forte é o contra ataque e o jogo 1 x 1, omitindo entretanto sua maior falha, a ausência defensiva nos perímetros, o que liquidou suas pretensões…

E capitaneado pela sempre mencionada mesmice endêmica, vai nosso basquete se afundando cada vez mais, tática e tecnicamente (principalmente nos fundamentos individuais e coletivos), no momento em que deveria estar convincentemente lastreado e preparado, a fim de enfrentar as agruras de uma olimpíada caseira que se avizinha celeremente…

Foi então que relendo alguns artigos aqui publicados, sugiro um em especial, pois bem poderia ter sido escrito hoje, sem perder um parágrafo, uma simples vírgula, na confirmação do que passamos, continuamos a passar, e passaremos até um dia que reconheçamos que o que nos falta é vergonha na cara, até quando?…

Amém.

Foto – Divulgação LNB

 

O INÍCIO PROMISSOR (?)…

IMG_0130-002

CapaCoaches-148x84

 

Paulo, para variar, uma pergunta inédita – Como você projeta o nosso basquete para 2016, o ano olímpico aqui em nossa casa?

Olha cara, não o projeto, e sim prevejo densas nuvens de continuidade do que ai está, desde sempre…

Claro, com algumas novidades no pedaço, como a enxurrada de novos head coaches credenciados no nível III pela exigente e qualificada ENTB (aquela dos cursos de 4 dias…), no comando de equipes da elite do LNB, e que após observar a maioria deles em alguns jogos do NBB, posso, com alguma precisão, defini-los como reais continuadores da atual escola brasileira, a do sistema único formatado e padronizado em todas as faixas etárias do basquetebol em nosso país, onde:

– Os jogadores continuam a ser definidos em posicionamentos de 1 a 5, vício enraizado unilateralmente pelos “conhecedores” da modalidade, avalizada por uma mídia especializada que teima em rotular posições e habilitações técnico táticas sobre algo que definitivamente pouco entendem, nem poderiam, pois quase nada conhecem do verdadeiro grande jogo, atrasando, bloqueando até, o seu natural desenvolvimento, já que influentes na formação de opiniões “conceituais” junto aos que se iniciam na prática, ou mesmo na apreciação da modalidade;

– Jogadas padrão formam o arsenal de todos eles, onde chifres pluridirecionais, punhos idem, camisas, picks com ou sem rolls, infinitos passes lateralizados, polegares para cima e para baixo, bloqueios afastados do perímetro, defesas 2-3, 3-2, algo que definem como mistas, transições que não encontram qualquer embasamento técnico que as definam, ah, e as pranchetas midiáticas que tudo espoem a uma boquiaberta plateia de incautos jogadores e telespectadores a pretensiosa magia que julgam possuir através os equivocados e ininteligíveis garranchos nelas grafados,e tudo isso envolto pelo ridículo e comprometedor gestual ao lado da quadra, acompanhado pela sempre presente pressão aos árbitros, numa ode aos que os antecederam na nobre posição de líderes e comandantes que todos julgam ser e  merecer por mérito (?);

– Nos jogos assistidos, nada, absolutamente nada de inovador nos sistemas táticos foi sequer esboçado, nos levando à constatação óbvia de que, por força do corporativismo vigente, nada mudará, nada evoluirá no nosso indigitado basquetebol, a não ser a colossal mesmice em que se debate;

Então, como nada mudou , tanto de fato, como de direito, continuamos na tentativa de implantar um autofágico reinado, o das bolinhas, uma tendencia exercida por muito poucos especialistas nas grandes equipes mundiais, inclusive na NBA, mas que em terras tupiniquins se tornou regra geral, em que todo jogador, desde a base (?), se auto define como expert no mais difícil e seletivo dos fundamentos, o longo arremesso, aquele que exige o mais alto, preciso e estrito grau de direcionamento, com tolerância próxima aos 0,2 graus de desvio, fator que define o especialista do arrivista…

Quanto aos técnicos atuantes, veteranos e novos, sugiro a releitura do artigo 1000 publicado nesse humilde blog, onde os desafiei, e continuo a desafiar (lastimavelmente não me é permitido competir com os mesmos…), a mudarem algo no grande jogo que teimam em manter, numa aterradora mesmice técnico tática, que, infelizmente se fará representar na competição olímpica desse ano, na qual nossos experientes representantes na  liga maior, a NBA, mais trajam elegantes ternos ao lado dos bancos do que atuam, e os mais jovens são remetidos à Liga D, todos com muito poucos minutos de quadra, exatamente quando necessitariam estar em forma para a competição olímpica caseira. O hermano vai ter uma trabalheira daquelas, fator que os agentes da turma estrelada se lixam, na medida que os dólares 4/1 encham seus bolsos…

No feminino, no qual atuei a muitos anos atrás, tendo sido técnico campeão nacional de seleções adultas e formação de jovens, optei pelo masculino por ter sido no mesmo toda minha formação básica, teórica e prática, o que não retirou de mim a capacidade analítica em ambas as categorias, tornando-me perfeitamente apto a tecer comentários sobre as mesmas. Então, posso dizer o seguinte sobre a crise que se abateu entre a CBB e a LFB –  Trata-se de uma antiga disputa de egos, onde uma comunidade especialíssima, a da formação de base feminina, trabalhando a décadas nas condições mais precárias, se vê,mais uma vez (lembrem-se da imposição técnica da CBB do Brito Cunha no Mundial 94 e sucedânea Olimpíada) submetida aos caprichos políticos e de escambos, justamente na vitrine olímpica caseira, onde resultados cedem espaço precioso a currículos de técnicos com fortíssimos QI, garantidores de bons empregos quando cessam os esgares pós olímpicos, pois mais adiante outros acontecerão, e se repetirão as injustiças, até um dia que se unam de verdade, todos os responsáveis pelo feminino, todos os responsáveis pelo masculino, a fim de botar para correr esse insidioso corporativismo que esmaga e humilha o grande jogo em nosso país, e para o qual, mérito é algo a ser combatido e posto de lado, desde sempre…

Amém.

 Fotos – Reprodução LNB e arquivo pessoal.