A MESMICE CONFRONTADA…

P1040088-001

E de repente já não me sinto tão sozinho nessa inglória luta, depois de garimpar o texto abaixo do técnico Marcus Hygino curtido pelo Miguel Palmier (dois que jamais se esconderam ou se camuflaram no anonimato) no Facebook, fazendo eco ao que publico a anos nesse humilde blog, apontando o verdadeiro fator que nos tem levado ladeira abaixo nas competições internacionais de relevo, e não esses torneios meia boca contra equipes que se encontram em aeroportos, jogando em ginásios semi desertos, num carrossel de mesmice técnica que bem reflete nossa realidade, da base a elite, onde a criatividade, o improviso consciente e o coletivismo baseado nos fundamentos, nos sistemas corajosos e inovadores, se perdem na mediocridade e ausência quase total de sólidos conhecimentos sobre o grande jogo, por parte de uma geração de estrategistas com suas midiáticas pranchetas que expõem o seu real, confiável e convincente domínio dessa complexa modalidade, ou seja, muito, muito pouco, quase nada…

Somemos a essa indiscutível evidência o apoio indesculpável de uma mídia surda e cega aos palavrões cada vez mais frequentes nos pedidos de tempo, acompanhados de gritinhos e esgares “motivacionais”, folclóricas dancinhas ao lado das quadras, insufladas e propositais pressões nas arbitragens, levando um perigoso e irresponsável recado a torcidas cada vez mais agressivas, completamente ao largo dos princípios éticos esportivos inerentes ao grande jogo desde sempre. E nesse ponto, vamos ao texto do Marcus:

O que acontece com os técnicos de basquete que atuam no Brasil? Pude ver, praticamente todos os jogos do NBB, tanto na Band, quanto no Sportv. Não sei se algum de vocês escutaram falar do termo, “TUDO JAPONÊS”, pois é, as equipes da NBB, com raríssima exceção por causa de um ou outro jogador, utiliza muito bem esse jargão! Que isto? Se mudar todas as equipes de camisa, vamos observar que todos, mas absolutamente todos fazem a mesma coisa. Não se vê um contra ataque, não se vê uma transição bem feita, não se vê nenhum jogo sem bola, não se vê nenhuma equipe abrindo espaço no 5 x 5, só se vê finalizações descabidas e totalmente erradas pro momento do jogo, equipes em quadra sem tesão de jogar, pivot toda hora saindo pro chute, feio, tudo muito feio! Com raras exceções( por isto que o Marcelinho Machado jogará até os 60 anos), jogador não sabe nem utilizar o passe adequado, driblam em demasia e todo final de ataque, digo TODOS OS FINAIS de ataque são fechados em 1 x 1! E para finalizar, avisem a todos os técnicos que a utilização da “PRANCHETA”, não é obrigatório, é um recurso de auxílio em situação especial! Passa a ser ridículo e cômico, como em todo tempo técnico, só passam orientações na dita cuja!

Creio que nada mais precisa ser dito…

Amém

Foto – A imagem do caos. Reprodução da TV.

 

O EDUCADO E AMÁVEL JOÃO ROSSI…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Terminado o jogo no Pinheiros pelo NBB2, quando na direção do Saldanha, após 19 dias de intenso treinamento, estando a equipe na lanterna da competição, apresentando uma forma totalmente diferenciada de atuar, na contra mão de todas as equipes da liga, e mesmo perdendo por 11 pontos depois de liderar os três quartos iniciais, estava recolhendo meus haveres no banco, sozinho, pois toda a equipe já se encontrava no vestiário, quando um senhor de camisa vermelha se aproxima e se apresenta – Sou João Rossi, dirigente esportivo do Pinheiros, e quero felicitá-lo pela bela apresentação de sua equipe, inclusive sou leitor de seu blog, e gostaria que soubesse que as portas do clube estarão sempre abertas para recebê-lo – Agradeci lisonjeado, ficando com a inteira certeza de que estava trilhando um caminho factível, mesmo sendo incomum, ainda mais pelo reconhecimento da figura maior da direção daquele mítico clube, que acabara de nos vencer…

Dois dias depois vencemos o Paulistano em seu ginásio, reforçando em mim e a todos a certeza de que reverteríamos aquela incômoda posição. No entanto, no retorno a Vitória vi acontecer um indesejado retrocesso com o afastamento compulsório de três dos mais importantes jogadores da equipe, nos lançando em três semanas de derrotas, a maioria das quais não teriam acontecido se o grupo tivesse permanecido coeso e unido, não mesmo…

Porém, com muita garra e empenho nos treinamentos conseguimos alinhar três vitórias seguidas, contra equipes já qualificadas nos playoffs, inclusive a que venceria a competição no mês seguinte, o poderoso Brasília…

Terminada a competição, tendo sido apontado em blogs basqueteiros como o técnico do ano, comparecí ao encerramento solene daquele NBB2 no Pinheiros, para a entrega dos prêmios concernentes a competição, para após o mesmo, acontecer o Congresso dos técnicos e assistentes num hotel fazenda em Campinas por três dias. Foi naquela solenidade que reencontrei o educado e amável João Rossi, estando eu acompanhado do diretor do Saldanha, Alarico Duarte. Foi então, que na presença do mesmo, o João Rossi reiterou o convite para me transferir para o seu clube, me parecendo pela transparência do momento que ambos já conheciam o teor da oferta, esperando somente a minha decisão, que não poderia ter sido outra que não reforçar o compromisso de enfrentar o grande desafio em Vitória, como havia prometido ao Alarico, a toda a equipe e torcida vibrante. O que aconteceu depois é de pleno conhecimento dos leitores, pois publiquei todos os fatos, que culminaram com meu afastamento do basquetebol da LNB…

Interessante recordar que durante os três dias do congresso, onde participei ativamente na formulação e questionamento de perguntas sobre os vários e importantes temas apresentados, inclusive com a presença do novo técnico nacional, Magnano, e onde sofri um grande afastamento da maioria da comunidade basqueteira ali presente (certamente pela existência do Basquete Brasil), com pouquíssimas exceções, entre elas a frequente presença do João Rossi, sempre atento às minhas intervenções, tendo inclusive discutido uma delas após as palestras dos técnicos…

Foi em um dos intervalos das palestras, que recebi a sugestão de um dos dirigentes da LNB de deixar de publicar esse blog, pois o mesmo não se coadunava com a função técnica, a qual discordei veementemente, apresentando como argumento o fato de ter publicado o dia a dia da minha função no Saldanha, como ajuda aos técnicos mais jovens em seu aprendizado, com enorme sucesso e repercussão, fator que de forma alguma conflitava com as funções de técnico daquela equipe…

Durante todos estes anos de compulsório afastamento, jamais encontrei uma explicação coerente e franca que a justificasse, ainda mais pelo inconteste fato de ter visto a imensa maioria de minhas convicções e práticas sistêmicas terem sido utilizadas por todos os técnicos da liga (vide a dupla armação, dois e até três pivôs ágeis dentro do perímetro, defesa linha da bola, etc.), abertamente na prática, solertemente negada no reconhecimento, com uma ou outra exceção, muito poucas que pudessem reverter o covarde e coercitivo limbo…

Agora, o João Rossi preside com justiça a liga maior, com a promessa de a elevar a patamares mais altos, principalmente o técnico, que sempre considerei o nosso exposto tendão de Aquiles, desde a base formativa até a elite, e quem sabe, poderei ter a chance de entender o castigo a que fui submetido depois de mais de 50 anos de profissão, como professor e técnico, hoje jornalista bissexto, papel honroso, mas não protagonista no exercício do grande jogo, nesse imenso, demeritado e injusto país…

Amém.

Foto – Autoral. Técnicos e Assistentes presentes ao Congresso de Técnicos do NBB2. Clique na mesma duas vezes em sequencia para ampliá-la.

A ARTE DE ENSINAR…

Falando de fluidez em ações e movimentos, situações que devem e podem ser treinadas, ensinadas por quem realmente as dominam didática e praticamente, eis um exemplo de alta qualidade na dança moderna, que pode e deve ser emulado, por exemplo, no ensino do drible, das fintas, dos passes, dos arremessos, da defesa, enfim, dos fundamentos no basquetebol, em vez de exigi-los através rabiscos desconexos numa primária e descerebrada prancheta. Que fique o exemplo de competência na arte suprema de ensinar.

https://www.facebook.com/andrea.raw/videos/10211329942546598/

Com a palavra os “estrategistas” de plantão…

Amém.

Video – Clique no link acima, amplie para a tele cheia e aprecie o que venha a ser um sequenciamento didático visando a fluidez de movimentos.

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8