O ARY QUE RECORDAREI…

Foi em Brasília, durante o Sul Americano de clubes que tive uma das últimas oportunidades de estar com o Ary, da forma como sempre convivemos nos últimos 50 anos (fizemos este ano cinqüenta anos de formados em Educação Física pela EEFD/UFRJ), em torno de uma farta mesa após jogos e até treinos. O Ary, além do excelente técnico que foi, era um festeiro de mão cheia, sempre pronto a uma conversa sobre o grande jogo sob qualquer pretexto, fizesse sol ou chuva.

Mas além do amor ao basquete, algo nos aproximava sobremaneira, o impulso de descobrirmos novos talentos e encaminhá-los às quadras, preparando-os desde muito cedo. Foi uma época de grande brilho aqui no Rio e no restante do país, onde a formação de base era uma realidade de fato, onde conviviam grandes técnicos formadores, onde vicejavam sistemas e valores dos mais variados matizes, onde a criatividade era a palavra de ordem.

O Ary foi mais longe na busca do basquete de elite, das seleções, das grandes conquistas, mas nunca perdemos o contato e o gosto pela discussão sadia e inteligente, recheadas de “causos” e de reminiscências imorredouras, hoje praticamente varridas para baixo do tapete da história. Um pedaço importante dela se foi com ele, mas os verdadeiros amigos não deixarão que a esqueçam, o que seria, ai sim, uma perda irreparável.

Nas fotos acima, junto ao Alcir Magalhães, o Heleno Lima, o Bruno Lima, o Pedro Rodrigues e a mim, muitas passagens sérias, pitorescas e até brincalhonas, eram desfiadas e sempre relembradas, como um preito às tradições e princípios que sempre nortearam o grande jogo junto àqueles que o amavam de verdade, integralmente, dando a ele mais do que recebíamos, quando recebíamos, mas nunca o renegando, o traindo por outros interesses que não a perene busca de sua grandeza. E foi o que fizemos, o que ele fez, legando um tesouro de inestimável, inesgotável valor.

Logo mais irei me despedir do amigo, e das profundezas do mais absoluto silencio nos comunicaremos através as imorredouras lembranças de um tempo glorioso e gostoso em que vivemos, pela amizade, o respeito, e acima de tudo, pela imensa saudade. Até mais amigo Ary, até.

Amém.

Fotos – Clique nas mesmas para ampliá-las.

UMA ESPERANÇA…

Cheguei cedo ao ginásio, e pude ver o primeiro jogo na íntegra, o que reforçou definitivamente a certeza de que muito em breve já não farei muita questão de me deslocar de Jacarepaguá para a Tijuca para assistir o mesmo do mesmo, pois afinal de contas, pesa bastante perder tempo na minha idade.

E foi esta a impressão que me passou o primeiro jogo, onde a imagem  burocrática do sistema único se fez mais do que presente, e que apesar da tremenda superioridade da equipe do Paulistano sobre um combalido Tijuca, se mantinha irretocável em sua forma e nas sinalizações de praxe. Mas num setor havia uma substancial discrepância, a defesa muito forte dos paulistas, fora e dentro do perímetro, que somente permitiu 5 pontos aos cariocas no segundo quarto, mas que estranhamente não se estendeu nos números finais do placar, que deveria ter sido mais elástico. A comentar a atuação do armador Muñoz em sua segunda participação no Paulistano, defendendo e atacando com uma precisão elogiável, abrindo grandes perspectivas de num breve futuro se firmar de forma definitiva na equipe, principalmente se puder contar com o bom armador Elinho ao seu lado na armação dos bons pivôs paulistas.

Ao final do jogo, pude conversar e abraçar o excelente panamenho, desejando a ele o máximo de sucesso, agora que conseguiu se alçar a uma das grandes equipes da liga, por mérito e justiça ao seu grande talento e caráter. Sei que alcançará um grande sucesso no grande clube da paulicéia.

E veio o jogo final, quando poderíamos ver duas equipes altamente nominadas, apesar do grande desfalque dos paulistas que não poderiam contar com seu armador e pontuador, o Boracin.

Então a grande surpresa se estabeleceu, com a dupla armação do Flamengo, mais solta e criativa, penetrando e servindo os pivôs, e contra atacando de forma devastadora. Defensivamente soube manter o nível apresentado nas partidas anteriores, fator básico para se manter invicto na competição. Não fosse a proverbial lentidão do enorme Caio, e a equipe deslancharia com mais precisão, pois a discrepância entre a velocidade da equipe e a de seu cincão é desproporcional, razoavelmente compensada pela precisão do mesmo nas conclusões de curta distância. Pena a saída do Teichman, que comporia essa nova forma de jogar de maneira realmente eficiente.

Enfim, pudemos constatar que o sistema único começa a ser contestado em sua forma mais rígida, dando, aos poucos, lugar a um sistema mais flexível, criativo e evoluído. Aposentada a prancheta e seus absurdos hieróglifos, vejo nas equipes do Flamengo, Franca  e possivelmente Uberlândia (vamos vê-la hoje contra o líder Flamengo) uma saudável abertura, e por que não, ruptura de um sistema de jogo anacrônico e coercitivo.

Torço efetiva e fortemente para que consigamos evoluir técnica e taticamente, principalmente após abraçar e desejar sucesso ao jogador que melhor representou aquele passo decisivo na evolução do grande jogo em nosso país, após sua brilhante participação na equipe do Saldanha da Gama no NBB2, quando sedimentou a dupla armação na liga, e que agora encontra eco em algumas das grandes equipes da mesma. O Muñoz merece nossa admiração e respeito, e torço pelo seu merecido sucesso, como torço mais ainda para que alcemos novos e arejados vôos rumo a um futuro mais criativo e vencedor, que afinal de contas reflete o desafio que faço a mais absoluta questão de perder.

Amém

Foto – Ginasio repleto do Tijuca, que aos poucos vai se tornando pequeno para os grandes jogos. Clique na mesma para ampliá-la.

EQUIVOCADAS ATITUDES…

Chego ao ginásio, com enormes filas para a compra de ingressos, dirijo-me à porta dos jornalistas e dou-me conta que esqueci minha credencial em casa, mas como tenho 73 anos…

O primeiro jogo já se encontrava no quarto final, e pelo placar parecia estar muito disputado. Mas, ao reencontrar os técnicos Aristônio, Miguel Palmier e o José Geraldo, perco-me num papo animado e basqueteiro de costas para a quadra, e quando me dou conta do jogo o Pinheiros já estava doze pontos à frente a dois  minutos do  final, e um armador tijucano investindo por três ataques sucessivos em busca de uma cesta de doze pontos, quando poderia coordenar ataques de dois e até três pontos, quando aumentariam as chances de sua equipe tentar igualar o jogo. Despeço-me dos amigos, e me refugio numa afastada cadeira para o segundo jogo.

O ginásio já estava abarrotado, calorento, húmido e poeirento, mas animado como num jogo de futebol, cânticos inclusive. Engraçado, bem ali perto dormitava um maracãnanzinho, justa casa do basquete brasileiro, local que foi construído para o Mundial de 53, e onde dez anos depois conquistou nosso basquete o bi campeonato mundial. E vem o vôlei reivindicar o templo para eles, enviando o basquete para uma arena perdida num canto da Barra, inacessível para a maioria…

Jogo por começar e o que vejo incrédulo, a repetição (que ameaça virar rotina, e se tiver transmissão de TV então…) de um petit comitê entre juízes, técnicos e diretores das franquias, para discutir o que, meus deuses, o que? Como vai ser a arbitragem, os critérios, etc e tal? Que tal suspender a bola e dar início a um jogo com regras definidas desde sempre, que tal? Quem não as cumprir penalizado será, simples assim. Mas não vi um único policial presente, ou ser requisitado, a não ser em frente ao ginásio…  Saem da reuniãozinha os dois técnicos às gargalhadas, como prefaciando o lamentável espetáculo de vedetismo que veríamos dali para diante. E foi tanto exibicionismo gratuito, com invasões descabidas de quadra, que um dos comandantes acabou justamente excluído do jogo, deixando em seu lugar um pacato e comedido assistente que lá pelas tantas começou, “contagiado” pela massa ululante, o tradicional balé gestualistico de praxe. E o excluído comandante, parece não se dar conta de que está à frente de uma torcida de…FUTEBOL, em sua esmagadora maioria, mordida com os fracassos de sua básica e primaria paixão, isso mesmo, o FUTEBOL, e que se não for muito bem administrada de dentro para fora da quadra, poderemos ver, em breve, invasões altamente perigosas, haja vista que o respeito a não existência histórica e tradicional de uma barreira física que a separa do recinto de jogo pode ser rompida num piscar de olhos, com resultados muito graves.

No outro banco, mais um representante da genial geração de novos técnicos, pressionando ao extremo juízes nitidamente coagidos por eles e pela ensurdecedora massa humana, nervosa e comprimida, perdendo um tempo precioso para perceber que a dupla armação do adversário, forçando o jogo interior, não encontrava balanceamento pela utilização de um único armador, e olhe que um dos melhores jogadores para operar uma dupla armação estava no banco, o Munõz que estreava na equipe, e que só foi utilizado em revezamento com o Elinho, quando ante a opção de seu adversário pela dupla armação não respondia à altura, principalmente quando cabia a um jogador inábil na defesa exterior, o Eddy, exercer, por sua estatura, as anteposições aos arremessos de três, nitidamente batido em todas as tentativas, por sua lenta recuperação nas coberturas. Mas o importante era a pressão na arbitragem, numa atitude que relatei tempos atrás sobre a inconsciente síndrome do álibi às possíveis derrotas, que foi um dos mais sérios problemas que consegui contornar e erradicar de alguns jogadores do Saldanha. Nosso jovem técnico precisa descer rapidamente do enganoso pódio da hipnotizante exposição pública, para se concentrar única e exclusivamente nas minúcias do jogo, fugidias e excludentes se não captadas rápida e pacientemente (o binômio Diagnose/Retificação), e que não se coadunam com exibicionismos gratuitos, inócuos e equivocados. Fiquei desapontado vendo o excelente Muñoz fazendo sinais de jogadas, dando passes lateralizados e profundos, e correndo por trás de uma gigantesca defesa, no mais puro padrão do sistema único, quando deveria se encontrar permanentemente no foco das ações, preferencialmente dividindo o perímetro com o outro bom armador da equipe, assim como agiu seu oponente, que por isso venceu com maestria e precisão.

Pelo que vejo, e com alguma satisfação, já começamos a entender como válida a dupla armação, e o jogo interno sucedâneo à mesma, com a utilização inteligente dos rápidos alas pivôs que já temos, que quando aprenderem (ou forem ensinados…) a marcar pela frente, e se movimentar com mais velocidade no perímetro interno, jogando de frente para a cesta, originando o quase completo desaparecimento dos paquidérmicos cincões, estaremos dando um estratégico salto de qualidade na arte de praticar o grande jogo, e mesmo que o desafio que lancei caia no conveniente esquecimento de vaidosas mentes, já me permite constatar que a “descoberta” de que existem formas de jogar diferentes do sistema único, coercitivo e castrador, se faz presente, o que é inspirador e altamente esperançoso. Que sigam as novas conquistas, sem vedetismos, e com mais precisas e sutis ações criativas e ousadas.

Amém.

Foto – Divulgação CBB. Clique na mesma para ampliá-la.

OS PREOCUPANTES ERROS…

Tem-se escrito e falado muito na melhoria defensiva de algumas poucas equipes no NBB, principalmente as do Flamengo, Franca, Paulistano e Bauru, conotando às mesmas vitórias até certo ponto acachapantes neste primeiro turno.

Sábado passado, a dupla de técnicos espanhóis, contratados exatamente para melhorar nossos sistemas de jogo, os defensivos em particular, levaram duas surras memoráveis, com 36 e 45 pontos de diferença para cada uma das equipes que dirigem, exatamente contra Franca e Flamengo, que pressionando fortemente na defesa levaram de roldão Mogi e Palmeiras.

Mas algo realmente incomoda, não o fato de assistirmos defesas fortes e pressionadas num campeonato tradicionalmente aberto desde sempre à permissividade defensiva, daí o reinado das bolinhas de três, mas sim, e pelo fato das mesmas ao estarem na moda, sejam individuais, zonais ou toda a quadra, gerarem o aparecimento escancarado da indigência nos fundamentos de jogo, nosso real e inconteste fratura, haja vista a enorme e progressiva quantidade de erros de fundamentos que se avultam a cada rodada jogada, atingindo médias assustadoras e preocupantes. Pivôs perdendo bisonhamente a bola ao tentar driblar dentro do perímetro, alas praticamente tropeçando na bola ao partir para a cesta, armadores enredados em dobras laterais e enrolados na concepção, preparação e desenvolvimento de corta-luzes da forma mais bisonha possível, e técnicos a tudo assistindo e insistindo em jogadas que vão dos chifres aos punhos, obrigatoriamente falhadas pela primariedade de seus jogadores no domínio dos fundamentos. Pensar e agir na melhoria da técnica individual de seus jogadores, nem pensar para alguns, pois para isso ai estão os verdadeiros donos das equipes, os agentes e empresários, trocando peças insatisfatórias no teclar de um smartphone recheado com os currículos,  imagens e videos de “astros”, como numa terrível linha de montagem, “facilitando” os estrategistas, seguidores sôfregos da máxima- “Jogou mal, não pontuou, troca por outro, porque um dia se encaixam na minha filosofia de jogo”…

Agora mesmo estamos próximos das finais da LDB, e convido a todos os basqueteiros a acompanharem com atenção os estarrecedores números de erros de fundamentos nos jogos, pois talvez se convençam de que para irmos adiante, quem sabe rumo a 2016, teremos de investir pesado, muito pesado, mas responsável e diligentemente no ensino dos fundamentos, da base ao adulto (por que não?…), como um bom começo, para um pouco mais adiante estabelecermos confiáveis e eficientes sistemas de jogo, ofensivos e defensivos também. Mas tem um problema a ser resolvido, o de que para ensinar fundamentos não basta gostar do grande jogo, nem se considerar um estrategista do mesmo, e sim conhecê-lo em profundidade, e não na superficialidade medíocre em que nos encontramos, pranchetas inclusas…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.

O COBRADO WORKSHOP…

Inicialmente peço que me perdoem o longo intervalo nos artigos, motivado por um bom motivo. Estive durante toda a semana envolvido na elaboração de um projeto de longa data cobrado por muitos leitores, e mais especificamente, pelos meus filhos André Luis, Andrea e João David, para que organizasse um workshop sobre o pouco que sei sobre o grande jogo, de uma forma teórico prática, voltado aos novos técnicos, e por que não, aos veteranos também, afinal foram mais de 50 anos dedicados ao ensino, estudo, pesquisa, direção de equipes, em todas as categorias, da base ao adulto e seleções, em escolas, clubes, federações, universidades e fundação de associações  de técnicos, culminando com a edição e elaboração deste blog, o Basquete Brasil.

 

Durante muito tempo percorri o país dando cursos de técnica para professores e técnicos, sempre propugnando pelo ensino maciço dos fundamentos, e pela abordagem generalista dos sistemas de jogo, jamais ousando estabelecer padrões e formatações, que são ações coercitivas e unilaterais, responsáveis pela ausência da criatividade que tanto nos limita nos dias de hoje.

 

Sem dúvida alguma acumulei muito conhecimento num universo tão amplo que o torna ínfimo ante o muito que ainda terei de aprender, mas em seu mínimo sempre o repassei aos mais jovens, como um pacto de mim para comigo mesmo de sempre estar aberto ao novo, ao instigante, aos novos saberes, mas fortemente fundamentado nos grandes mestres, na tradição, no respeito absoluto pelo histórico do grande jogo, criado no final do século 19.

 

Por tudo isso, e após postar mais de 1000 artigos neste humilde blog, aceitei o desafio de organizar um workshop para o final de março, nas datas que antecedem a páscoa (de 28 a 31 de março), num local que ainda não posso revelar, mas que guarda todo um simbolismo na história e ensino do basquetebol no Rio de Janeiro.

 

Não se tratará de um curso de formação (seria ridículo em 4 dias…), mas sim um encontro de basqueteiros onde se discutirá, estudará e praticará formas de ensino, controle, progressão e sistemas de jogo, com todos de posse de uma bola, dentro da quadra, participando e discutindo as melhores formas de ensinar e administrar técnica e taticamente o grande jogo, e sem pranchetas…

 

Bem, isso é tudo por enquanto, e espero ter tudo organizado até o fim desta semana, quando iniciaremos as inscrições para o mesmo.

 

Amém.

Fotos – Um pouco do muito que dirigi, e onde muito aprendi, muito mais do que ensinei. Clique nas fotos para ampliá-las.

– Escola Carioca de Basquetebol (1962)

– CPP Brasilia-Jogos da Primavera do Jornal dos Sports (1968)

– CRF-Juvenil (1965)

– FFC – Infanto-Juvenil (1973)

– OAC -Infantil (1981)

– Brasilia – Seleção Juvenil (1969)

– OAC – Principal (1982)

– Guanabara -Seleção Juvenil (1972}

– Guanabara – Seleção Feminina (1966)

– AAVI – Principal (1963)

– BTBC – Juvenil (1996)

– Saldanha da Gama – NBB2 (2010)

 

SENTADO DE FRENTE PARA O COMPUTADOR…

Na ausência do que realmente comentar, frente à pétrea mesmice técnica e  tática que caracteriza o nosso basquetebol, uns poucos, porém importantes tópicos podem ser mencionados, como a entrevista dada pelo técnico Aloizio Ferreira, o Lula, ao blog Bala na Cesta, em 8/1/13, da qual destaco uns parágrafos interessantes para uma analise bem superficial, já que o entrevistado critica ao fim da entrevista o fato de que –  “A tecnologia atual melhorou enormemente muita coisa, mas também viabilizou a possibilidade de qualquer interessado fazer análises profundas apenas sentado a frente do computador, sem ao menos sentir as condições reais do campo de trabalho e dos jogos.” Bem, como além de profundamente interessado no grande jogo, sendo também professor e técnico do mesmo, e de estar, por falta de opção na direção de equipes, sentado à frente de um computador, redigindo e editando o Basquete Brasil, do qual não me afastaria mesmo atendida a opção acima, é que passo às análises das matérias publicadas na semana.

Comecemos por alguns parágrafos da entrevista do técnico Lula:

(…) Temos também a participação dos técnicos da base nestes treinos, para que todos nós tenhamos a mesma filosofia de jogo, respeitando as características de desenvolvimento de cada idade. Outro fator que cuidamos com atenção é a carga de treino de cada atleta, procurando respeitar que a soma total de todos os treinos semanais seja compatível com a capacidade de cada atleta. (…)

Como vemos, uma boa idéia como essa tropeça na imposição da famigerada “filosofia de jogo”, que trocada em miúdos quer dizer que o sistema único, com suas definições de posições e jogadas marcadas têm de ser preservado desde a formação, preterindo o livre jogar e pensar lastreados pelos fundamentos do jogo, que obrigatoriamente deveriam ser os focos abordados na idade de formação, e não filosofias de jogo.

(…) Hoje quem quiser ser campeão do NBB5 certamente terá que evoluir técnica e taticamente em relação ao NBB4. As mesmas estratégias que deram certo na temporada anterior com certeza não serão suficientes para o sucesso nesta. (…)

Como isto é possível se desde o NBB2 nenhuma forma diferente de jogar o grande jogo sequer foi tentada? Porque confundir propositalmente estratégias com técnicas e táticas de jogo que são fatores dispares?

(…) Outra medida importante que a LNB adotou no NBB5, e que abre portas enormes para as análises técnicas e táticas, é que todos os jogos realizados são lançados num arquivo virtual com acesso para todos os técnicos. Isto viabiliza, para todos os treinadores, a oportunidade de estudar seu adversário acessando os jogos da última rodada. (…)

Todos os técnicos, como? Na realidade para a elite diretiva do NBB/ LNB, ou não? Caso esteja enganado, onde está publicado o link de tão importante arquivo, que se realmente público faria evoluir a modalidade em seu todo, e não uma elite fechada, onde? Público mesmo são os jogos que veiculei aqui nesse humilde blog…

(…) Acredito que é uma questão de tempo e teremos uma boa evolução técnica e tática no NBB. Claro que precisamos de outras ações, pois o NBB trabalha com a elite da modalidade, e o trabalho de base é fundamental. Vamos precisar muito que ENTB continue no seu projeto de formação dos técnicos, e que cada entidade do esporte, ministério, COB, Confederação, federações, secretarias estaduais e municipais façam sua parte e se integrem para um trabalho harmonioso. (…)

Eis um bom ponto da abordagem feita pelo técnico Lula, com uma restrição, o papel da ENTB na efetiva formação de técnicos, que em hipótese alguma pode ser pautada em cursos de 4 dias de palestras e prática insuficiente. Pensar, planejar e inserir conhecimentos práticos e teóricos demanda tempo e paciência, além de acompanhamento permanente e persistente. Uma escola não é balcão de apostilas.

(…) Em contrapartida, técnicos brasileiros que formam pólos de desenvolvimento do basquete, ou mudam o perfil de equipes de ponta do basquete brasileiro, como vemos claramente em equipes do NBB, não recebem o mesmo destaque por parte de quem julga. Nós, técnicos brasileiros, temos enormes defeitos e vícios que devemos correr atrás para melhorarmos, mas há um enorme problema na forma que somos analisados. A tecnologia atual melhorou enormemente muita coisa, mas também viabilizou a possibilidade de qualquer interessado fazer análises profundas apenas sentado a frente do computador, sem ao menos sentir as condições reais do campo de trabalho e dos jogos. (…)

Fora a equipe dirigida pelo entrevistado e pela do Paulistano e Minas, que investiram nos jovens, mas mantendo o sistema único de jogo, que perfil técnico tático originou qualquer pólo de desenvolvimento em nosso basquetebol a não ser a adequação de uma bem vinda dupla armação dentro do referido sistema ? Como explicar o altíssimo número de erros de fundamentos nas equipes de elite?

Outro impactante tópico se originou de uma matéria publicada no blog Bala na Cesta de 7/1/13, onde o jogador Fúlvio declarou:

(…) Peço desculpas à torcida de SJC por ter sido expulso de jogo “injustamente”. É muita blindagem para uma arbitragem despreparada. Não pode gesticular, falar, reclamar! E eles fazem o que querem sem consequência por seus atos” (…)

Que outra desculpa poderia ter sido dada pelo jogador, assim como a maioria dos jogadores brasileiros, quando vêem jogo após jogo seus técnicos gesticularem, falarem e reclamarem permanentemente das arbitragens, numa pressão inconcebível e indesculpável em uma divisão de elite. Com exemplos assim, por que não adotá-los ?

Finalmente, uma definição lapidar do momento político por que atravessa o basquetebol na fase pré-eleição em que se encontra, feita pelo professor e técnico José Medalha em carta aberta enviada ao Clipping do Basketball  do jornalista Alcir Magalhães em 9/1/13:

Amigos do basquetebol.
Estamos as vésperas de mais uma eleição para CBB. Conheço bem o processo. Fui ate candidato em 2004 iniciando um movimento chamado MUDA CBB.  Na época tinha o apoio de 04 presidentes considerados independentes, Maués do Pará,  Admilson do Piauí , Carlinhos de Alagoas e Cel. Julião do Ceará.. Com a candidatura mais forte então de outro opositor, Helio Barbosa, tentamos nos unir para promover a mudança tão esperada desde aquela época. Aprendi uma coisa, no atual processo não adianta entrevista, planos, projetos, etc. Os 27 donos dos votos é que decidem. A adesão de Chakmati tem tanto valor quanto a de outro presidente de uma federação menor. Analisando o atual momento tenho certeza de uma coisa, Carlos Nunes será reeleito, para o bem ou para o mal do nosso basquetebol, ou para continuar do jeito que está.

Jose Medalha

Perfeito, simplesmente disse tudo. Então o que se esperar de tal pleito?

 

Ah, ia me esquecendo uma declaração inédita de um técnico da elite, no Globo Esporte de 9/1/13, contratado para elevar sua equipe a novos e vencedores patamares, explanando detalhes de seu planejamento:

(…) No nosso planejamento inicial, quando apontamos os jogos em que podemos vencer, nós não colocamos nem esse jogo contra o Franca, nem o próximo contra o Uberlândia (no sábado, dia 12) na nossa lista. Claro que a gente fica esperançoso em fazer bons jogos, mas é realmente muito complicado vencer adversários desse porte. Essas equipes têm um grupo de trabalho de, pelo menos, quatro anos e o nosso trabalho está começando agora, então é complicado querer algo desse nível – (…)

Mesmo sentado à frente de um computador, dizer mais o que, em qualquer plano ou profundidade ?

Amém.

Fotos – Sites Bala na Cesta e GloboEsporte. Clique nas mesmas para ampliá-las.

UMA TÊNUE ESPERANÇA…

Queria começa o ano publicando algo positivo, alentado, progressista, e acima de tudo, realmente novo, como o ano que se inicia, repleto de esperanças em dias melhores.

Leio então tudo que posso sobre o nosso basquetebol, deixando de lado o que nos chega de fora, antítese de nossa realidade, desde a organização ao jogo em si, pois somente vejo uma maneira de irmos além, concentrando nossos esforços no soerguimento do grande jogo, aqui, bem aqui em terras tupiniquins, e não no eldorado quimérico e fantasioso que alguns teimam em nos empurrar goela abaixo, certos do continuísmo colonialista a que nos acostumaram e impuseram desde sempre.

Centro então na LDB recém finda em sua rodada classificatória inicial, afinal estaremos focando o futuro da LNB, de nossas seleções, de novas concepções de jogo, do amanhã, do 2016 enfim.

Mas algo de muito sério aconteceu, nenhuma imagem foi vinculada, nenhum jogo foi visto por quem lá não estiveram, em Brasília ou em Belo Horizonte, somente relatos de alguns blogueiros, e as indefectíveis estatísticas.

E os relatos e analises beiravam o ufanismo, afinal de contas se tratava da juventude em quadra, com tempo apreciável de jogo, muitos dos jogadores já participantes do NBB, numa demonstração de técnica e bons fundamentos, coletivismo e brilhantismo individual.

Nada pude ver, somente ler e olhar para tabelas estatísticas tão frias, quanto a dureza que passavam. Por que não veicular os jogos na mídia, ou no You Tube e o Vimeo que se prestariam muito bem para isso, sem narrações, comentários e afins, somente as imagens de todos aqueles jovens em ação, a fim de que pudéssemos realmente aquilatar a quantas andam nossas promessas do amanhã, que a essa altura de suas vidas, já deveriam ser donos de uma boa e apreciável técnica e um quase pleno domínio dos fundamentos, já que na ante sala da liga maior, ou não?

Então, peguei lápis e papel e fui perscrutar as ditas cujas, e olha que deu um trabalhão, mas teimoso que sou fui até o fim. O que encontrei? Olha minha gente, foi de assustar, tanto quanto aquele estrangeiro que decidiu ser técnico aqui na terrinha, bolou um magnificente projeto para estar na elite em 3 anos, conseguiu o registro de técnico (provisionado?…), fato que seria absolutamente impossível de um estrangeiro conseguir em sua terra natal, malhou sem piedade o sistema educacional brasileiro, embarcou para BH, xingou seus próprios jogadores em português e na língua dos bálcãs, se enroscou com os juízes, foi expulso e tomou a primeira suspensão de 4 jogos pela LNB, num recorde a partir de agora imbatível, numa atuação lastimável e comprometedora. E não me venham falar que estou faltando à ética, pois não o considero técnico de coisíssima alguma, sequer aspirante, quanto mais do grande jogo.

Voltando às estatísticas, pude colher algumas pérolas, formidáveis pérolas, e que explicitam não estarmos tão bem como apregoaram analises de jogos que poucos assistiram, numa falha imensa, pois não espelhava uma realidade soprada aos ventos, a de que nossa renovação estaria garantida, etc e tal…

Vejamos algumas delas:

– Arremessos de 2 pontos: Classificadas: 651/1264 (51.5%)

Não classificadas:  140/502  (27.8%)

– Arremessos de 3 pontos: Classificadas: 181/589  (30.7%)

Não classificadas:  145/600   (24.1%)

 

– Lances livres:                   Classificadas: 441/739   (59.6%)

Não classificadas:   356/588   (60.5%)

 

– Rebotes:                          Classificadas: 1036 (média de 129.5)

Não classificadas:   1007 (média de 111.8)

 

– Assistências:                     Classificadas:  372  (média de 46.5)

Não classificadas:    233  (média de 25.8)

 

– Erros:                               Classificadas:  375  (média de 46.8)

Não classificadas:     527  (média de 58.5)

Como podemos observar, jogadores de uma divisão sub 22 ainda estão muito aquém, em sua grande maioria dos padrões básicos necessários à divisão superior, onde as marcas de 70% nos arremessos de 2 pontos, 60% nos de 3, 80% nos Lances livres são, ou deveriam ser exigidas, com um numero bem parelho nos rebotes e uma desproporção acentuada nas assistências, demonstrando divergências no jogo interior, e mais grave e emblemático no número astronômico de erros de fundamentos básicos, pois deveríamos computar também os arremessos nessa conta, afinal é o primeiro deles, o ato de arremessar à cesta.

Pode parecer incrível, mas tivemos um jogo, Minas e Vitoria, com 54 erros de fundamentos, 43 entre Bahia e Palmeiras e Suzano e Vitoria, ou mesmo 38 entre São José e Bauru, e uma grande quantidade de jogos que ultrapassaram os 30 erros. Tais números são incompatíveis numa divisão anterior à elite, comprometedora mesmo, demonstrando um ainda pouco apreço que muitas equipes destinam ao preparo básico e necessário dos fundamentos do jogo, e não estamos falando da formação de base bem mais atrás.

Por outro lado, tivemos equipes bem preparadas nos mesmos, como Flamengo e Pinheiros, respectivamente cometendo 25 e 29 erros entre as classificadas e Paulistano (36), Londrina (36) e LSB (37) entre as não classificadas.

Esperamos que nas chaves finais, as equipes reservem um bom tempo no preparo dos fundamentos, na redescoberta do DPJ, substituíndo as aventuras arrivistas dos arremessos despropositados de três pontos, e que também se aprimorem nas técnicas de defesa, de rebote e, principalmente, na leitura de jogo, não aquela visando obedecer coreografias de chifres, punhos e congêneres, e sim as que denotam os verdadeiros talentos, sabendo utilizar suas habilidades, ato contínuo às situações de jogo que se lhes apresentam, com presteza, velocidade e inteligência, bases postulares da criatividade, e do livre pensar., e que os técnicos, os verdadeiros, respeitem essa linha limítrofe, que bem separa o verdadeiro jogador do repetidor de esquemas e jogadas, formatado e padronizado, inanimado enfim.

Torço para que nessa fase, a LNB possa se livrar das amarras globais, veiculando em Stream ou pelo You Tube ou Vimeo, jogos da LDO, a fim de que todos possam aquilatar, analisar e divulgar o grande jogo por todo esse enorme, desigual e ainda muito injusto país. E por que não, o NBB também, como fiz com o Saldanha no NBB2 (videos alocados no espaço Multimidia deste blog), estando esses importantes documentos para analise, estudo e sugestões a todos aqueles que realmente o amam e o querem bem.

Amém.

Foto – Divulgação LNB. Clique na mesma para ampliá-la.

 

 

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8