SUTIS REALIDADES E LEMBRANÇAS…

 

– Começou a LDB, com verbas liberadas pela CBC (não mais o ME), e já na primeira rodada tivemos clube cometendo 32 erros de fundamentos, mas com as pranchetas e o sistema único afiados como nunca, ou seja, não aprendem, e o pior, não ensinam fundamentos, e fico por aqui…

Marcus-vinicius-002– Tivemos o ex-diretor executivo de esporte do COB numa entrevista dada ao O Globo de 20/10/17 dando uma de surpreso com a prisão (agora solto) do ex chefe Nuzman, afirmando num determinado ponto da mesma – (…) O problema é que hoje a gente tem uma mancha no que foi feito. Essa mancha pode ser muito maior ou não. Vamos ver. E para mim, manchou o país inteiro, principalmente Rio 2016 e governos(…), para mais adiante dizer – (…) Não tenho nada a ver com a Rio 2016, pelo amor de Deus!(…). E ainda rebate – (…) Para mim, ela (a dívida de 132 milhões) é muito maior do que estão falando. E não acho. O COB será o herdeiro dessa dívida.(…) Bem, para quem foi cuidado pelo chefe a pedido de seu pai aos 13 anos, convivendo profissionalmente com o mesmo por 18 anos, até alçar ao cargo de diretor executivo do COB, torna-se difícil aceitar sua inocência angelical, ou não?…

gettyimages-587859680– Num recado direto e sem firulas, a CBB anuncia o novo técnico para a seleção masculina, o croata Alecsandar  Petrovic, irmão do lendário jogador Drazen Petrovic, morto num acidente na Alemanha quando se firmava na NBA, recado direto a LNB na afirmação de que nenhum técnico do NBB tem competência para liderar a seleção, a não ser como possíveis assistentes, que provavelmente poderão ser os mesmos que dirigiram a seleção perdedora na Copa América do mês passado, que sequer se classificou para o pan americano do Peru, fato que discordo veementemente, pois deveria ter sido dado ao europeu a escolha de seu assistente, para não se repetir com ele o ocorrido com o Magnano, que somente trocava planos e idéias diretas nos jogos com seu conterrâneo Duró, destinando a trinca brazuca ao papel de assistentes privilegiados no banco atulhado de aspones.

Quanto ao croata, representante da mais evoluída escola do basquete europeu, antes a após a dissolução da Iugoslávia, temo que tenha enormes dificuldades por aqui, pois não encontrará a base sólida da força maior dos praticantes de seu país, os fundamentos em seu estado maior, encontrando jogadores falhos e claudicantes nos mesmos, evoluindo em torno de um sistema único de jogo, que mesmo sendo do total conhecimento dele, se defrontará com a impossibilidade real de desenvolvê-lo, frente a flagrante e limitativa realidade da pobreza de jogadores no domínio dos fundamentos básicos necessários para acioná-lo com alguma margem de sucesso, principalmente se direcioná-lo ao coletivismo, ponto fulcral para a consecução do mesmo, e tendo de se postar frontalmente com a praga arraigada em nosso pobre basquetebol, a da autofágica e já endêmica síndrome dos três pontos, largamente difundida e aceita como uma resultante da nossa fragilidade defensiva fora do perímetro ( ontem mesmo o Paulistano venceu o Mogi arremessando mais de três do que de dois no playoff paulista), realidade que  poderá assustá-lo se porventura quiser impor um sistema defensivo mais rígido, como a emblemática defesa linha da bola com flutuação lateralizada, magistralmente empregada nas históricas seleções da nação iugoslava que defendeu como jogador dirigida pelo mítico Mirko Novosel, hoje desfeita.petrovic_novosel

Some-se a tudo isso a dificuldade linguística, os novos hábitos, a mais completa ausência de uma política de preparação da base, com uma geração de técnicos moldados num modelo importado sem maiores adaptações e de formação deficiente, e acima de tudo, o custo que ele importará aos combalidos cofres da CBB, que não será baixo, gerando uma corrente de insatisfação num momento sensível por que passa o país, e que por conta desse fator cobrará fortemente resultados que, sem dúvida alguma, dificilmente poderá atingir num prazo menor, quando um novo ciclo olímpico se inicia sem as devidas e mencionadas políticas voltadas a formação correta de técnicos e consequente aprimoramento dos jovens praticantes em todo o país.

Mas o recado foi dado, numa má hora e na pior situação possível, quando um técnico nacional poderia ter sido escolhido, mesmo não sendo dos quadros do NBB, pois temos alguns muito bons, esquecidos pelas administrações anteriores de péssima memória, e que não o deveriam ser principal e coerentemente por essa também…

P1030919-002Finalmente refaço uma pergunta de  longa data (sete anos), agora que o ME (e seus nefastos dirigentes) não mais patrocina a LDB, com suas covardes e pusilânimes contrapartidas, e que passado tanto tempo desde o NBB2, quando tudo de diferenciado que lá desenvolvi não encontrou tática e tecnicamente continuidade em nenhuma das franquias desde sempre, a não ser e disfarçadamente a utilização da dupla armação e dos homens altos, ágeis e atléticos agindo esporadicamente (quando deveriam agir permanentemente como demonstrei) no perímetro interno, numa negação de algo real, comprovadamente válido, ousado e inovador, o que fica faltando para me ser devolvido o sagrado direito de exercer a técnica desportiva, para a qual destinei toda uma vida de sacrifício, honestidade, integridade e competência ao grande, grandíssimo jogo? O que falta meus deuses?

Bem, enquanto não se faz presente a justiça, continuo aqui nessa inexpugnável e democrática trincheira, desse humilde blog, onde continuo a exercer o também sagrado direito de, ao menos, me indignar, dando seguimento ao soerguimento do grande jogo neste imenso e injusto país.

Amém.

Fotos – Reproduções da internet. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.

HOJE SIM É O MEU DIA…

ABAA32EE-E1ED-45DE-9620-75A40E56E092

P1100653-002Quando lecionava para alunos da EEFD na FE/UFRJ, sempre lembrava que não se considerassem somente professores de educação física, e sim professores, na acepção maior do termo, que como os demais das diversas disciplinas, compõem o corpo docente escolar, num todo uníssono e afiado na nobre arte de ensinar, instruir, orientar a juventude deste país, e mais, com um bônus exclusivo de sua área de atuação, o de pautar seu ensino nas três áreas pedagógicas, a cognitiva, a afetiva e a psicomotora, motivo mais do que suficiente para pertencer e algumas vezes liderar o fator multidisciplinar de uma educação de qualidade, que é um direito constitucional dos jovens cidadãos deste enorme e injusto país…

Fiz esse intróito por um simples motivo, o da presente e insistente tendência de alguns pseudo líderes em situar a educação física em um outro patamar, inclusive auferindo a denominação de profissional de educação física aos que se graduam no bacharelato e na licenciatura superior, assim como aos provisionados sem graduação específica, todos obrigados a pertencerem aos Cref´s regionais e ao Confef federal, numa apropriação indevida que não encontra paralelo nas demais disciplinas, colocando o professor de educação física na situação única de ter de “prestar contas” a órgãos de fora do âmbito escolar, e o mais grave, tentando e ousando igualar uma formação superior a cursos provisionadores de qualidade inferior, numa nítida intenção de, aí sim, provisionar a crescente indústria do corpo, que movimenta bilhões anualmente, e para a qual o incremento maciço da educação física nas escolas torna-se indesejável, pela perda da clientela mais importante, a juventude adolescente, num comércio que já se prepara para inaugurar academias para crianças…

Por tudo isso é que propugno insistentemente também, que nos situemos como professores, exclusivamente professores, quanto às disciplinas tradicionais, às artes, à música, à dança, somando nossa qualificação ao todo curricular obrigatório, sem diferenciações e dúvidas de caráter ético e profissional, cabendo aqui muito bem o termo…

Enfim, considero, como sempre considerei ser hoje o meu dia, não o da semana ´passada, falso e usurpador, pois acima de qualquer denominação interesseira fui, sou e sempre serei um professor, simples assim.

Amém.

Foto de grupo – Professores Roberto Santos, Paulo Murilo Alves Iracema, Alfredo de Faria Jr., Léa Laborinha e Eugênio Corrêa, no I Seminário Regional sobre Prática de Ensino/Estágio supervisionado em Educação Física, quando fui agraciado com uma placa comemorativa. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.

O POLIGLOTA ORADOR…

RecuperaImagemRecortada-003

P1150624Espero que seu autoproclamado talento pela poliglota oratória, seja suficiente para explicar o inaceitável, o absurdo, o lesa pátria cometidos, muito bem e arrogantemente vividos, sufragando com sobras sua olímpica traição, banhada no ouro de nossas parcas economias. Que o forçado retiro lhe seja benéfico…

Amém

Fotos – Reproduções da TV e imprensa. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8