PARABÉNS CAMPEÃS, MAS…

-Que tal elogiar a seleção feminina vencedora do sulamericano, em vez das críticas contundentes que emanam de seus artigos, hein Paulo?

Recebo do amigo de longa data, crítico bem vindo e contumaz desse humilde blog, um email (ele jamais se expõe na rede, fato que não concordo, mas respeito), considerando o questionamento pertinente digno de resposta, o que farei a seguir.

Olha cara, precisei ir ao You Tube, para assistir a partida em sua totalidade, já que de posse das estatísticas todo um quadro realista deixa de ser devidamente analisado. E o que pude constatar após uma paciente visão de um jogo absolutamente medíocre, espelho fiel dos números apresentados pela estatística, que ambas as visões se encaixavam perfeitamente. Vamos aos fatos, gráficos e visuais:

Primeiro vamos aos números do jogo final contra a Argentina, pois frente aos resultados nas demais partidas, ficou mais do que claro, ter se tratado de um campeonato de um jogo só, pela mais do que evidente fraqueza das demais equipes participantes, com placares acima dos 100 pontos em algumas partidas. 

        Brasil   69 x 68   Argentina

              (40,0%) 20/50  2  19/43 (44.2%)

              (23,8%)  5/21   3    6/25 (24,0%)

              (58,3%)  14/24 LL 12,21 (57,1%)

                             48       R       46

                              12      E        15

Foi um jogo final eivado de erros, técnicos, táticos, estratégicos e acima de tudo, nos fundamentos, principalmente nos arremessos, curtos e médios, longos e lances livres, deixando no ar uma questão emblemática, a de que o fundamento do arremesso a cesta é caótico para essa geração mercosulista, pois, ante os referenciais números para competições do mais alto nível, como seleções nacionais adultas, de 90% para os lances livres, 70% para os arremessos de media e curta distâncias, e 50% para os de longa distância, basta um olhar primário nas estatísticas acima para se constatar a precariedade técnica no ato conclusivo de um ataque a cesta, com uma dedução óbvia, não sabem e nem dominam os arremessos, inclusive as prosaicas bandejas, perdidas em profusão, que no nosso caso se torna lamentável, pois uma vasta comissão técnica lá está, exatamente para corrigi-las ou mesmo, ensiná-las, no que fracassam redundantemente, como sempre o fazem, pois vem de longe essa ausência, e por que não desconhecimento, omissão no dever de empenho máximo no ensino dos fundamentos do jogo, e não se aferrando a sistemas de jogo que claudicam, exatamente pelo fraquissimo desempenho das jogadoras nos funadamentos básicos, onde os arremessos (que não são contabilizados nas relações estatísticas que medem o desempenho) recebem valores afastados dos demais fundamentos, sendo ironicamente, o mais importante de todos, pois exequibilizam e concluem os demais, sendo, enfim, a finalidade do grande jogo.

Arremessos de fora e de dentro descalibrados e inseguros, foi a rotina do jogo.

Estes fatores, expõem e determinam a falência dos sistemas “”exaustivamente” treinados, manipulados extra quadra através discursos ilustrados em pranchetas midiáticas, tela mágica (?) que explica e justifica atitudes estratégicas absolutamente furadas, frágeis perante qualquer análise primária de quem realmente conhece o caminho pedregoso de como, didática e pedagogicamente, se prepara uma equipe, fundamentando-a e  estruturando-a através sistemas proprietários,  desenvolvidos e compreendidos por todos os componentes de uma equipe, nos quais seus valores pessoais e técnicos sejam valorizados, desenvolvidos e aperfeiçoados, e não secundando pesquisas em preparação física, empenho prioritário em táticas e jogadas de passo marcado, fatores antítese ao desempenho lastreado na criatividade, na improvisação consciente, base estrutural de qualquer equipe fortemente balizada nos fundamentos e no empenho ao bem comum, o coletivismo egresso do conhecimento e aceitação de todos os envolvidos numa seleção de verdade…

Quatro abertas e uma pivô batalhando sozinha.
Continuidade na luta solitária da pivô.
Dando continuidade ao “sistema”.
A outra solitaria opção, o individualismo da Tainá, premiada com a cesta da vitória.

Voltando a partida, podemos visualizar através as fotos acima que, um detalhe tático ainda se mantém presente, quatro jogadoras abertas e uma pivô enfrentando sozinha a defesa argentina, porém com uma enorme vantagem, a estatura na casa dos 2 metros, estratagema largamente utilizado nas divisões iniciais de base quando muitos técnicos auferem títulos em seus currículos utilizando-o permanente e politicamente. Muitas carreiras de sucesso se estabeleceram dessa forma, sem os desagradáveis percalços do longo e penoso ensino dos fundamentos, assim como a perda de algumas gerações de jovens promissores, alguns dos quais chegam nas divisões superiores desprovidos dos fundamentos básicos, expondo a vitrine deficitária que os limitam tristemente, inclusive nas seleções. Recentemente um comentarista propunha a ida do Georginho para o exterior, a fim de poder adquirir melhores técnicas, que bem poderia usufruir aqui mesmo, como muitos outros, se ensinados e treinados por quem realmente entende do riscado…

Ofensiva argentina bem mais estruturada que a brasileira. Alguns centimetros a mais definiram a partida e o título.

Enfim, venceu a seleção brasileira uma seleção argentina melhor dotada de bons fundamentos e um sentido coletivo bem mais apurado que a nossa, porém claramente inferiorizada na estatura, perdendo de um ponto por essa decisiva razão. Tivessem as hermanas só mais uma pivô equivalente e venceria a partida, sem dúvida alguma, mas o que vale para o enriquecimento curricular da turma do banco, é a taça, testemunha eloquente de seu sucesso junto a midia, seus agentes, e dirigentes cúmplices da colossal vitoria.

Que se acautelem, pois frente a seleções estruturadas nem sempre somente a estatura é suficiente para outras taças, e sim a conquista e domínio de sistemas defensivos e ofensivos de qualidade e, acima de tudo, proprietários, mas isso é outra história, aquela que venho contando a décadas, sem que aprendam absolutamente nada, mas o que importa, as oportunas  taças a tudo redime e justifica…

Porém sejamos justos com uma bem vinda vitória, parabéns campeãs, mas…

Amém.

Fotos- Reproduções da TV/You Tube. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.

O GRANDE RUSSELL…

Lá se vão 66 anos, desde aquela noite no ginásio do Tijuca, ainda com o telhado azul de alumínio, quando aos 16 anos lá estive para assistir a melhor equipe amadora dos Estados Unidos, campeã da NCAA, a Universidade de São Francisco, os Dons, onde despontavam dois dos maiores jogadores da época, o armador K.C.Jones, e o grande pivô, Bill Russell. A equipe do Clube Sirio e Libanes, hoje inexistente, que junto ao Flamengo liderava o Campeonato Carioca seria seu adversário, num ginásio lotado e excitado com a rara oportunidade de assistir duas escolas tão diferentes atuarem. Russell estava com 22 anos, seu último ano universitário, assim como K.C.Jones, ambos draftados para a NBA, e eu, muito jovem, espremido numa arquibancada repleta, curtindo a oportunidade de testemunhar e aprender de um jogo que começava a se entranhar na minha mente, no meu coração…

Foi uma bela partida, bem jogada e aplaudida por todos, impressionando sobremaneira a figura esguia, elástica e muito veloz do Russell, assim como a maestria coletivista do armador Jones, deixando em mim uma embrionária certeza de que, mesmo sendo fisicamente inferior aos pivôs da época, Russell se imporia na NBA pelos atributos atléticos, técnicos e veloz raciocínio, num ambiente onde a massa muscular sobressaia nas franquias da liga. E não deu outra, seguindo numa carreira mítica na grande liga, cujo documentário aqui postado mostra um pouco de sua arte de jogar o grande jogo, conquistando 11 títulos como jogador e técnico…

Como eminente cidadão , lutou pelos direitos humanos em seu racialmente conflagrado pais, recebendo sua maior condecoração civil pelas mãos de um presidente afro americano como ele, e a maior medalha do esporte mundial, a olímpica em 1956 em Melburne..

Bill Russell faleceu no domingo passado aos 88 anos, deixando um incomensurável legado de uma vida brilhante e, acima de tudo, inspiradora para as gerações que partilharam de sua exemplar vida, assim com as futuras o reverenciarão para sempre.

Amém.