OS DOGMAS E A FORÇA DO HÁBITO…

P1000553P1000555P1000556P1000558

André Raw: oi pai, foi mal tinha um amigo meu aqui e não pude ver suas mensagens.

 Sim, eu vi o jogo, achei a sportv online.

 Achei que o Murilo bobeou em uma falta e a outra não foi. Ficou com 4 e o  técnico deixou ele no banco com medo de perdê-lo,

 dai o time desestabilizou.

 Deveria ter colocado ele mesmo com 4

 e proibido de fazer a 5.

 

Pelo Skype, desde Los Angeles, meu filho André teceu os comentários acima sobre o quinto jogo do playoff entre o Flamengo e o São José, e que se encaixa com precisão ao comentário que farei daqui para diante.

Bem, comecemos lembrando que a existência de alguns conceitos dogmáticos seguidos pelos técnicos nacionais, oriundos de uma unanimidade sobre a utilização do sistema único, com suas imutáveis posições de 1 a 5, gerou alguns comportamentos táticos padronizados e formatados como verdades absolutas, que têm de ser praticados sem discussões, entre os quais se encontra aquele que retira de quadra jogadores que cometem 2, 3 ou 4 faltas, para serem relançados mais adiante, quando seriam(?) importantes para a equipe, como nos minutos finais, ainda mais quando são os craques do time.

Em muitas ocasiões importantes subverti tal comportamento, e inclusive publiquei um artigo onde consta tal decisão (veja aqui), pois, como afirmo no mesmo, jogador no banco não marca pontos, ainda mais se for um dos principais pivôs da equipe, e o fato da mesma se tornar alvo de uma facilitação defensiva por sua limitação em faltas, fazê-lo marcar o pivô adversário pela frente (mas, na frente mesmo!), cobrindo-o quando necessário (atividade que deve ser treinada à exaustão, mesmo!), por uma equipe exercendo uma defesa linha da bola com flutuações lateralizadas (detalhes aqui), permitiriam que o mesmo se mantivesse em jogo por um longo período, principalmente naquele em que a supremacia no placar estivesse presente.

Mas não, como dogmaticamente nossos pivôs têm de marcar por traz, o destino do banco por faltas é inexorável, numa pobreza de atitude técnica, e principalmente tática, lamentável.

Talvez, tenha sido esse fator aquele que determinou a derrota de São José, que enfrentava um adversário duro, e jogando dentro do perímetro também, onde a velocidade do Murilo e do Jefferson colocava o Caio em maus lençóis na defesa, compensada em parte por sua boa presença no ataque.

Com as duas equipes priorizando o jogo interno, o que transformava o jogo num duelo empolgante, e o mais importante, próximo às cestas, os dois períodos iniciais transcorreram com equilíbrio e indefinição quanto ao resultado final do jogo.

A partir do momento em que o Murilo foi retirado por um longo período, e a equipe carioca passou a priorizar o jogo externo, frente à completa ausência de contestações aos longos arremessos, principalmente através o Duda (6/11 nos três), o destino da partida foi decidido ironicamente, pois um jogo que vinha sendo disputado arduamente no perímetro interno foi decidido “lá de fora” com bolinhas a granel, desmarcadas e nunca contestadas, demonstrando que esse outro dogma, o das bolinhas, segue incólume, porém alimentado pela dolorosa e irresponsável ausência defensiva às mesmas.

Mas como a turma “do que o que importa é a vitória” não está nem aí para técnicas, táticas e estratégias, segue o barco das “individualidades” bem acima do coletivo, numa caminhada que fatalmente desembocará em nossas seleções, onde um bom técnico argentino terá, ou continuará tendo, um trabalho hercúleo para convencer “especialistas” a marcar e a interagir coletivamente no ataque, tarefa que se choca com o maior dos dogmas, o de que para a maioria esta é a forma e o estilo do nosso jogo, para gáudio daqueles que nos enfrentarão lá na frente, certamente em 2016…

No próximo sábado teremos a grande decisão, incompreensivelmente em um único jogo, onde o menor erro, a mais tênue indecisão acarretará uma derrota irrecuperável, fazendo com que o jogo em si ceda precioso espaço ao nervosismo e a erros em profusão, fator que seria amenizado numa decisão de cinco jogos, como deveria ser num campeonato dessa dimensão.

Tempos atrás sugeri, por escrito, à LNB, que numa situação como essa, onde uma emissora de TV exige que a decisão seja em jogo único, que os dois finalistas participassem de um playoff de três jogos, cujo vencedor garantiria jogar a decisão no seu ginásio, numa formula que se não perfeita, daria ao menos, oportunidade das equipes se enfrentarem frente a seus torcedores, ajustassem seus sistemas, e se preparassem para a final televisiva com um razoável domínio tático e psicológico ante uma decisão de tal envergadura. Infelizmente não foi a sugestão levada em consideração, o que foi uma pena.

Torço para que essa partida represente e projete algo de novo para o nosso basquetebol, principalmente no aspecto tático, já que Uberlândia, com seu hoje equilibrado jogo interior e exterior, enfrentará uma equipe forte no jogo externo e apenas razoável no interno, porém com forte contra ataque, e contando com o apoio de uma torcida que deverá se aproximar dos 15 mil pagantes, fator importante numa decisão. Espero que tudo corra bem, e em paz.

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.

Fotos – Do jogo interior (1 e 2), ao reinado das bolinhas (3 e 4).

“PERÚ DE VÉSPERA”…

bas_confusao_flamengo4_saojose_joaogabriel.jpg_95

Nossos jogadores de ponta quase sempre apresentam comportamentos dúbios e surpreendentes, num cadinho onde se misturam extremos, que oscilam do certo ao errado, da correta tática ao equivoco técnico, numa gangorra incoerente e muitas vezes irresponsável.

Num jogo decisivo como esse quarto confronto, São José iniciou sua defesa ao direito de uma quinta partida, atuando num admirável jogo interior, oposto ao seu costumeiro modo de agir jogando fora do perímetro, abusando dos longos tiros, trocando tão nefasto hábito por uma ação contundente jogando “lá dentro”, fazendo luzir seus velozes pivôs, que confrontados pelo lento miolo defensivo do Flamengo, oportunizou um placar elástico frente a uma equipe batida nesse pormenor, e que ainda por cima, sofria uma eficiente marcação contestatória a seus arremessos de três, sua arma poderosa e decisiva durante toda a competição.

Mas, eis que aflora a incoerência e o equivoco de alguns de seus principais jogadores, quando abandonam tão eficiente ação interior, para volverem ao seu usual estilo das bolinhas, como tentando afirmar que “confiavam em seus tacos”, quando deveriam referenciar prioritariamente que “confiavam no taco da equipe”, cometendo um erro que quase custou uma vitoria mais tranquila se mantivessem a estratégia inicial de jogo.

Nesse momento de errada e irresponsável opção, coube à equipe carioca usar do mesmo estratagema de seu oponente, investindo no jogo interior e se aproximando decisivamente no placar, que não reverteu a seu favor pelo mesmo motivo apresentado pelo seu adversário quando dominavam o jogo, a insistência de alguns de seus jogadores em decidirem através as famigeradas bolas de três.

Mas, num derradeiro rasgo de bom senso, a equipe paulista voltou à defesa contestatória, e retornou ao jogo interior, comprovando sua superioridade perto da cesta.

Foi uma partida lapidar pelo aspecto comportamental dúbio de alguns jogadores de ambas as equipes, que se manifestou em momentos diferentes, mas não opostos de uma partida,  comprovando serem nossos melhores jogadores pouco afeitos a leituras de jogo, agindo por impulsos, na maioria das vezes voltados ao seu desempenho particular, esquecendo o fator primordial que os levam às vitorias, o coletivismo e os interesses da equipe da qual fazem parte, integrados, e não a utilizando como plataforma de suas  personalíssimas ambições.

No jogo decisivo de hoje, vencerá aquela equipe que agir como tal, um grupamento de jogadores voltados ao todo, ao eficiente jogo interno, ao possível, quando muito bem trabalhado e tramado jogo externo, à defesa solidaria e contestatória, e principalmente, à saudável tentativa de vencer dentro do espírito democrático das regras, onde preparar ambiente hostil visando vantagens técnicas e psicológicas, através coerções e ameaças, não encontrem guarida sob o manto das regras do jogo, pois “peru é o que morre de véspera”…

Que o vergonhoso final desse jogo, sendo propositalmente preparado ao encontro de uma situação conflituosa e hostil ao representante paulista no majestoso palco da arena carioca, não seja consumado, dando lugar a uma decisão que honre a tradição basqueteira, e não a imposição comportamental de origem futebolística, tão oposta às tradições do grande jogo. Que assim seja.

Amém.

Foto – Divulgação LNB. Clique na mesma para ampliá-la e esquecê-la.

COMPLICANDO O SIMPLES E O ÓBVIO…

P1000540P1000547P1000545P1000548

Outro jogo do playoff semifinal jogado da forma mais simples e óbvia possível, ou seja, priorizando o jogo interno, comprimindo as defesas (sim, ambas as equipes jogaram “lá dentro”), até o ponto em que passes de dentro para fora do perímetro encontrasse jogadores livres e equilibrados para os arremessos, mas nem sempre direcionados às mãos dos mais competentes na arte dos longos arremessos.

Dígitos como 29/47 de dois pontos, e 10/18 para três por parte do Flamengo, e 20/42 e 6/21 respectivamente, para São José, atestam com precisão a opção pelo jogo interno, mas que encontrou a equipe paulista numa péssima jornada quanto à precisão de todos os arremessos, incluindo os lances livres (28/36) e até prosaicas bandejas, o mesmo não acontecendo com a equipe carioca, apesar de seus 10 erros de fundamentos.

Defendendo um Caio muito forte e técnico, apesar de sua notória e permanente (até quando?) rotunda lentidão, por trás e sem qualquer dobra eficiente, o pivosão fez a festa, abrindo caminho para o jogo interno de seus armadores, principalmente o Kojo, que o assistiu permanentemente, já que o Marcos, bem marcado por sinal, não concluía seus petardos com a constância costumeira.

Defendendo razoavelmente, e trabalhando com firmeza dentro do perímetro, a equipe rubro negra dificilmente perderá a série (poderá até perder, se retornar ao jogo eminentemente externo), para encontrar mais adiante uma equipe que joga melhor ainda no interior do que ela, e se equivalendo  no jogo externo. Aquela que se impuser ofensivamente “lá dentro”, e priorizar a defesa antecipativa, principalmente nas linhas de passes aos pivôs, levará uma enorme vantagem, mais ainda em se tratando de um único jogo.

Mas o que não está sendo simples, e muito menos óbvio, é a tendência galopante em direção ao exibicionismo midiático de técnicos e juízes, antenados e seguidos sofregamente por câmeras e microfones não tão indiscretos assim, com a desculpa de que promove o espetáculo, sendo que inclusive já se insinua uma “facilitação” às regras para não prejudicá-lo, promovendo uma farsa indesculpável e anacrônica.

Com as regras sendo cumpridas e obedecidas por todos os integrantes do “espetáculo”, imagens como a que mostro nesse artigo inexistiriam, pois as regras de um jogo foram elaboradas para serem seguidas, se constituindo numa das bases formativas dos futuros jogadores, que deveriam ser poupados de verem e ouvirem as sandices que, absurda e lamentavelmente, estamos testemunhando a cada rodada do NBB5.

Precisamos encerrar esse capitulo que tanto denigre o grande jogo.

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.

O EFICIENTE E PRECISO JOGO INTERIOR…

P1000526P1000531P1000534P1000535P1000538

Talvez tenha sido o jogo mais fluido deste playoff semifinal, com as equipes imprimindo um ritmo veloz e sem descontinuidade, ou seja, muito poucos momentos de indecisão ofensiva, que infelizmente não apresentou nas defesas o mesmo comportamento, e a prova foram os 50 arremessos de três pontos (9/27 para Uberlândia e 10/23 para Bauru) sem as devidas e obrigatórias contestações, que por conta da extrema facilidade para os lançamentos permitiu que as bolinhas contabilizassem 27 e 30 pontos na contagem final de 80 a 77 para Uberlândia.

Acrescentando-se a estes pontos os lances livres convertidos (15/19 para os mineiros e apenas 7/13 para os paulistas), tivemos 38 pontos obtidos no perímetro interno para Uberlândia e 40 para Bauru, onde ambos trabalharam muito bem, principalmente na utilização dos rápidos pivôs que possuem (observem as movimentações internas nas fotos), muito bem lançados pelas competentes duplas armações, que contam em suas escalações, talvez os melhores armadores em ação na Liga.

Se formos um pouquinho mais além nas análises, podemos constatar o quanto de falhas nos lances livres e nos fundamentos (Bauru perdeu 6 e cometeu 8 erros) resultam em derrotas, principalmente em jogos parelhos e muito intensos.

Entretanto, algo de muito instigante se observa na equipe mineira, e que deveria ser explorado crescentemente, o seu poderio interno e externo exercido por uma parelha de alas pivôs única na liga, onde o Cipolini e o Gruber produzem com igual força e intensidade, ações internas e externas, com altos índices de acerto, graças ao seu biótipo atlético, flexível e veloz (Teischmann, Murilo, Lucas, Marcos, Jefferson e Gui se aproximam muito desse formato), e que os tornam também, eficientes na defesa, que atingiria um mais alto grau de eficiência se fossem treinados e utilizados na marcação explicita dos pivôs adversários à frente, e não por trás, numa posição que beneficia os massudos cincões ainda existentes, como o Caio em particular.

Mas acredito que esta será uma etapa a ser galgada, e somente espero que não demore em demasia para ser implantada, afinal, 2016 bate à porta.

Mas nada de eficiente seria atingido por parte destes homens altos trabalhando e se impondo dentro do perímetro, sem o suporte alimentador propiciado por uma competente e técnica dupla armação, fator que aos poucos vem se impondo dentro de nossas melhores equipes, e que deveria ser o espelho técnico tático de nossos jovens na formação, agilizando e interdependendo suas participações sob a égide da criatividade e da mais autêntica leitura de jogo, desacorrentados do impositivo e coercitivo sistema único, com suas jogadas sinalizadas, marcadas, coreografadas, e presos a cordões de controle como marionetes descerebrados e sem vontade própria,  a técnicos que ainda teimam em se auto promoverem como as estrelas centrais do espetáculo (e agora os juízes também…), quando na realidade o deveriam ser nos treinos, aqueles de verdade, realmente estudados à luz da realidade das equipes que dirigem, e não como clones de seus devaneios estéticos e ilusórios, transportados para suas mais ilusórias ainda pranchetas ( Um artigo esclarecedor poderá ser lido aqui).

Enfim, bons, apesar de ainda tênues, ventos ameaçam soprar em beneficio do nosso basquete, e que irônica, mas compreensivelmente (para uns poucos…) lógico, se estabelece através um veterano técnico, o mais idoso da liga, fator que devemos analisar com a devida atenção que merece o grande jogo em nosso país.

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.

AÇÕES E CONTRADIÇÕES…

P1000515P1000523P1000485

Bem acredito que aos poucos as equipes que compõem essa semifinal se conscientizam de que um basquete mais lógico e objetivo deva ser jogado, na ofensiva e principalmente na defensiva, onde a convergência nos arremessos seja amenizada e levada a padrões técnicos aceitáveis, apesar da incidência ainda relevante nos erros de fundamentos, como a desse jogo na Arena, com 31 erros, inadmissíveis nessa categoria.

Assim como no jogo em Uberlândia, onde os arremessos alcançaram as cifras de 16/34 nos arremessos de dois e 15/27 de três para os donos da casa, e 19/41 e 6/21 respectivamente para Bauru, na Arena da Barra a equipe rubro negra atingiu as marcas de 30/50 nos dois e 8/21 nos três, com a equipe de São José conseguindo 12/29 e 11/22 em conclusões bem distantes dos números convergentes até aqui alcançados durante a competição, numa retomada bem razoável e direcionada a um jogo, como mencionei a principio, mais lógico e objetivo, além de muito mais preciso, pelo menos nos arremessos.

Taticamente, algumas e bem vindas mudanças se fazem presentes nas quatro equipes, como a permanente utilização da dupla armação, e nos casos de Uberlândia, Flamengo e Bauru, uma retomada há muito esperada pelo jogo interior, maximizando a atuação de seus bons pivôs, apesar da lentidão bastante evidente do pivô carioca, algo compensada por sua boa técnica individual, e lamentando a teimosa manutenção do jogo externo por parte de São José, que ironicamente conta com o mais capacitado dos pivôs, o Murilo.

Hoje teremos o terceiro jogo em Uberlândia, no qual essas tendências acima apontadas podem se solidificar por parte dos mineiros, e quem sabe, tornar a ser empregada por Bauru, talvez como sua última chance de reverter a serie, muito difícil, mas não impossível.

Amanhã, o Flamengo poderá assumir a liderança da chave, na medida em que se mantenha direcionado a uma defesa forte e eficiente, e um ataque priorizando o jogo interno, frente a uma equipe que oscila demais, pela flagrante indecisão entre o jogo interior e o exterior, que na maioria das vezes  pende para o último, pretensamente seguro de sua superioridade nos longos arremessos, mas que se devidamente contestados a retira do naipe vencedor da competição.

E um último lembrete, ao recordarmos a classificação do Tijuca e de Macaé para a disputa do NBB6, e que, segundo algumas manifestações da mídia especializada, teria a equipe do Fluminense como convidada pela LNB, o que seria algo de lastimável e comprometedor, já que demeritaria a dura conquista dos dois classificados e o enorme e sacrificado trabalho das demais equipes, numa decisão absurda e censurável, pois jogos e classificações dentro das quadras seriam minimizadas por uma decisão eminentemente política, de péssima política aliás.

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.

O AUSENTE E DECISIVO BOM SENSO…

P1000503P1000510P1000512 P1000514

Fui dormir com a sensação de que deveria ser duro nas criticas, nas chamadas de atenção a falhas imperdoáveis nesse nível de competição, mas antes, selecionei algumas fotos feitas na transmissão da TV, mentalizei e anotei alguns comentários feitos pelo analista da mesma, voltei ao teclado, nada digitei e desliguei o Dell.

Foi boa a decisão de adiar para hoje cedo a elaboração do texto, pois reforcei a necessidade de endurecer ainda mais nas criticas, após um repouso onde qualquer resquício de equivoco pudesse ser dirimido, à luz do bom senso.

Foi logo no principio da transmissão que o narrador da TV comentou o fato de nunca ter visto o técnico do Flamengo tão nervoso e agitado, reclamando ostensivamente da arbitragem (que por sinal se comportou muito bem), e que ao proibir microfones em seus pedidos de tempo (numa ótima opção), privou a todos de suas bruscas e mais nervosas ainda admoestações ao grupo.

Sem duvida alguma o seu comportamento concorreu, e muito, na desestabilização da equipe em quadra (e muita atenção, pois dirigirá a seleção brasileira de novos, com seu assistente mais nervoso ainda, o técnico do Paulistano, numa faixa de idade e experiência, onde se exige acima de tudo, muita moderação e exemplos a serem seguidos…), ainda mais frente a erros técnicos visíveis, prejudicando decisivamente seu projeto tático para um jogo tão decisivo, onde a mais completa desordem no posicionamento dos rebotes foi o causador da débâcle defensiva, e até ofensiva, de sua equipe, vide os 45 rebotes conquistados pela equipe paulista, frente aos minguados 22 da sua (dêem uma olhada nas fotos), que por isso mesmo se viu freada numa de suas qualidades, os contra ataques ( que a turma moderna apelidou de “transições”…).

Outro fator importante, a desqualificação de seus longos arremessos pelo correto posicionamento defensivo de São José, muito mais atento aos movimentos lineares que precedem a ação de lançamento dos mesmos, travando-os, ou alterando suas trajetórias pelas anteposições defensivas exercidas, em contraponto à permissividade concedida aos arremessos de seu adversário, como bem atesta a primeira foto, onde o defensor carioca, antevendo um possível erro no lançamento de fora, se preocupa em iniciar um provável contra ataque, do que obstá-lo, como deveria fazê-lo. Situações como essa foram muitas, e deu no que deu, quando São José errou 26 lançamentos (13 de dois e 13 de três), contra 42 (25 e 17) de sua equipe.

Então contabilizando o prejuízo rubro negro, onde a perda e o domínio dos rebotes (seus pesados e lentos pivôs não foram páreo aos rápidos e ágeis pivôs paulistas) foi o fator decisivo, exigindo um treinamento acima do específico no posicionamento dos mesmos em quadra, assim como a mais tênue tentativa nas contestações aos arremessos paulistas inexistiu na maioria dos casos, além de alguns aspectos pontuais, mas importantes, como os equivocados lances livres cobrados pelo pivô Shilton (de longa data, sem correções eficientes), e a facilidade com que são batidos nas fintas de seus oponentes, e que nem os 17 erros de fundamentos (passes principalmente) dos mesmos foram motivos para um possível equilíbrio nas ações.

Se no segundo jogo da série, agora em terreno carioca, e jogado numa arena colossal (se der bom publico pode funcionar como apoio, senão…) a correção nos rebotes, nas contestações, e no melhor aproveitamento do jogo interior, não forem levados profunda e taticamente a serio, a equipe rubro negra enfrentará sérios problemas, já que seu adversário, incentivado pela primeira vitória e pelo bom momento técnico e tático que atravessa poderá estabelecer uma superioridade inalcançável em caso de uma nova derrota, e principalmente, que seu técnico ponha de lado sua faceta estelar e midiática, levando tranqüilidade à sua equipe, a fim de que a mesma atinja aquele grau de efetividade fundamentado no equilíbrio e na relação com seu líder, lastreado pelo equilíbrio, frieza e o velho e tradicional (tão esquecido nos dias de hoje) bom senso.

Amém.

 

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.

FATAL CONTRADIÇÃO…

P1000490P1000493P1000494P1000497

Mal iniciou o jogo e o técnico do Bauru pede um tempo e “descasca” o grupo, exigindo aos berros que cumprissem o combinado e treinado, e não ficassem nos arremessos de fora, principalmente o Gui. Voltam à quadra e no primeiro ataque o Gui queima de onde? Isso, bem lá de fora (as duas primeiras fotos), e erra mais uma vez. É retirado e vai para o limbo.

Bem, faz parte do jogo, mas lá pelo terceiro quarto, com sua equipe atrás, o mesmo Gui lança mais dois torpedos e os converte, numa ação individual, bem fora do sentido coletivista reclamado pelo técnico, e que vem se constituindo no ponto forte de seu adversário, que por isso mesmo lidera o placar com paciente controle do jogo, cadenciando-o ao largo da velocidade travada de Bauru. Mas nesse caso das longas bolas convertidas pelo sempre presente Gui, o técnico não se abala, mesmo sabendo-o transgressor do tão reclamado e cobrado jogo coletivo, e bem ao contrario de sua explosão no inicio do jogo mantém o jogador, numa flagrante contradição à sua atitude naquele momento.

Mas porque uma contradição? Pelo simples fato de que a atitude inicial do jogador foi a mesma no transcurso e mais para o final do mesmo, e que no caso de ter convertido as duas bolinhas em sequência o tenha absolvido, mesmo mantendo distância do espirito coletivista da equipe? Àquela altura do jogo, com o Uberlândia mandando com sobras no mesmo, jogando com um eficiente sentido coletivo, ritmado, paciente e utilizando o jogo interior e exterior com maestria (vide fotos), em oposição ao comportamento gregário e individualista de Bauru, fator que o levou a derrota em seus próprios domínios, tornado sua tarefa em Uberlândia nos próximos dois jogos bastante difícil.

Se nos jogos contra Franca a equipe de Bauru soube desenvolver o jogo interior intenso, vencendo a difícil série, porque não repetiu o sistema de jogo contra Uberlândia? Se a atitude fartamente repetida pelo Gui foi um dos fatores  preponderantes na quebra do coletivismo da equipe, porque então mantê-lo em quadra agindo daquela forma, e não proibindo-o (esse é o termo) de ir por aquele caminho, e exigindo do mesmo percorrer o das penetrações e assistências aos pivôs no jogo interno, ou mesmo interagindo com os armadores Fischer e Larry?

Sim, houve uma séria contradição técnica, e principalmente tática por parte de um jogador talentoso e muito jovem, que arrisca suas reais possibilidades ao negar jogar em equipe, e uma maior ainda por parte do técnico, que espaçou o binômio Diagnose/Retificação muito além do permissível, do aceitável, pois quanto menor for o espaçamento entre estas duas ações, maior o domínio de um outro binômio, o do Ensino/Aprendizagem, seu controle e seu aprimoramento.

Esperamos que na próxima partida a equipe paulista torne ao sentido grupal de seus jogos com Franca, enfrentando um adversário que já o tem estabelecido, pelo menos até esse importante momento do campeonato.

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.

PEQUENAS SUTILEZAS…

P1000460P1000461P1000471

Fechando o playoff, um grande jogo, disputado com muita energia e determinação por ambas as equipes, jogando dentro do perímetro de forma eficiente, e contestando os longos arremessos, propiciaram um dos mais equilibrados jogos desse playoff, que pendeu ao final para a equipe mais experiente e rodada do Bauru, mas que fez da jovem equipe de Franca uma real promessa, com bons valores individuais e um senso de equipe elogiável.

Os números do jogo atestam o equilíbrio e a qualidade apresentada por ambas as equipes, que arremessaram 38/77 bolas de dois (21/38 para Bauru e 17/39 para Franca), e 17/40 de três (7/19 e 10/21 respectivamente), sem os costumeiros arroubos dos três incrustado no modo de jogar da maioria de nossas equipes, demonstrando que de dois em dois podemos estabelecer bons e mais precisos placares, sem o desperdício de tempo e esforço pelo emprego desvairado dos longos arremessos de três.

Agora que ficaram conhecidas as quatro semifinalistas do NBB5, podemos estabelecer uns pequenos comentários sobre as mesmas, principalmente no aspecto tático, que diferem um pouco entre elas, mas o suficiente para definir seus passos no duro torneio que se avizinha.

Tentemos um pequeno esquema comparativo:

 

P1000488

 

 

Onde: DA – Dupla armação

JI    – Jogo interior

JE   – Jogo exterior

PL  – Pivôs lentos

PR – Pivôs rápidos

SJI – Sistema de jogo contra defesa individual

SJZ – Sistema de jogo contra zona

SJP – Sistema de jogo polivalente

JT   – Jogo de transição

RED- Relativa estabilidade defensiva

São características naturais das equipes, mas que poderiam sofrer adaptações na medida em que avançasse a competição, mas que denotaria mudanças significativas na forma de jogar e atuar, e principalmente no modo como defendem, o que duvido que pudesse acontecer no atual estagio do basquete no país, onde a grande maioria dos técnicos se acorrentam em torno de um sistema de jogo padronizado e formatado desde sempre, para nossa infelicidade.

Pelo pequeno quadro comparativo acima podemos prever alguns comportamentos ofensivos, e até defensivos, na medida em que as equipes se defrontem, não só com sua realidade, mas basicamente com a de seus oponentes, numa troca de experiências que pode definir o vencedor ao final. Pena que nenhuma delas tenha em seu poder um sistema de jogo polivalente, que propiciaria um salto gigantesco nos conceitos técnicos e táticos do grande jogo em nosso país, apesar da discordância do grande Wlamir Marques. Mas isso é outra história…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.

FECHANDO A CONTA…

P1000444P1000445P1000448

Foi ao mesmo tempo irônico e surpreendente, quando a equipe de Uberlândia, notória utente das bolinhas, vence um jogo arremessando somente um 11/21 de três e 21/36 de dois, numa clara opção pelo jogo interior, atuando em dupla armação por todo o tempo, confrontando um 11/27 de três e 18/31 de dois do Pinheiros, bem perto de suas costumeiras convergências , e perdendo um jogo naquele aspecto dominante em sua campanha, o poderoso rebote, que foi superado num 32/18 decisivo na vitoria mineira, confirmando o acerto pela opção do jogo interior, tanto ofensivo como defensivo.

 

Pelos números é o máximo de analise possível, o que torna lamentável a não transmissão televisiva do encontro, tão importante no momento atravessado pelo grande jogo no país.

 

Em Brasília, no jogo mais importante de sua campanha pelo tetra na Liga, os candangos foram obrigados ao jogo de penetração, pela intransigente contestação de seus notórios arremessos de três, por uma defesa disposta a alterá-los a todo custo, fazendo com que a equipe tri-campeã, depois de incontáveis rodadas não convergisse em seus arremessos, com 19/40 nos dois pontos e inéditos 10/23 nos três, rompendo a sua inquestionável força exterior, obrigando-a ao jogo interior através um lento Paulão, um pouco atlético Guilherme, e dois cansados e pesados de guerra, Atílio e Cipriano, que se viram em maus lençóis frente aos grandões e muito mais velozes, Murilo, Chico e Jefferson, que os dominaram com relativa facilidade em suas conclusões.

 

São José, convergiu (17/35 nos três e 10/30 nos três), mas sem a contestação enérgica que utilizou sobre os longos arremessos dos candangos, que permitiram o tradicional jogo exterior dos paulistas, pagando um alto preço por essa já sua tradicional opção. Não defendendo com precisão aqui, e recebendo forte oposição lá, se constituiu numa formula, bem simples aliás, que determinou a vitoria paulista, ante uma equipe desgastada, veterana e que se renova com jogadores bem aquém da qualidade dos mais antigos, principalmente optando por pivôs pesados e lentos, alas voltados aos longos tiros e armadores antagônicos ao sistema de jogo escolhido por seu técnico, as rápidas transições e o jogo exterior.

 

Enfim, uma era se esvaiu nos próprios erros, e na falsa suposição de que “nomes” sempre resolvem as situações, que se provou falha dessa vez, não pelos nomes em pauta, e sim pela evidência maior, a de que não são eternos…

 

Amém.

 

Fotos – reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.

 

 

P1000454

O JOGO INTERIOR…

P1000431P1000435 P1000437 P1000438

As duas equipes resolveram priorizar o jogo interno, no que fizeram muito bem, mas diferenciadas na forma como fazê-lo, e utilizando, ambas, dois armadores sempre em quadra. A do Pinheiros com quatro abertos, um pivô lá dentro, e os alas se deslocando para apoiá-lo nas ações de ataque (foto 1), e eventualmente concluindo de três ante a impossibilidade de conclusão do isolado pivô (foto 2). Uberlândia, variava de dois a três homens altos (alas e pivôs) transitando no perímetro interno, sendo alimentados por armadores tão ou mais afiados do que eles nas conclusões externas (Gruber e Cipolini usaram bastante, e com propriedade, os longos arremessos, como alas pivôs que são de formação), criando uma vasta possibilidade de jogadas decorrentes da confusa atitude defensiva dos paulistas, frente à uma movimentação intensa e veloz dos mineiros no âmago de sua defesa (fotos 3 e 4).

Neste cenário tático, a equipe mineira levou nítida vantagem dentro do perímetro (18/32 nos curtos arremessos), que quando contestados, propiciavam equilibrados e livres arremessos de três, pela compressão defensiva em torno dos três atacantes interiores mineiros, que atingiram a boa marca de 13/23 tentativas de fora, e um excelente 14/16 nos lances livres.

Do lado oposto, nem mesmo a boa atuação de ataque interno (19/30), a principio vindo de fora para dentro do perímetro, pode ser complementado pelo externo (9/27), onde mais se fez sentir a atuação contestatória da defesa mineira, além do sofrível desempenho nos lances livres (11/16).

Mais para o final do jogo, e a pedido do técnico paulista, foram ampliadas as tentativas de três, que convenientemente contestadas, geraram o grande acumulo de erros acima apontados.

Por mais uma e cansativa vez, vimos acontecer divergências e cobranças nervosas e até agressivas nos pedidos de tempo dos paulistas, mostrando tacitamente que os relacionamentos nas diversas esferas da boa equipe paulista não são das melhores, fato este que, com certeza, vem provocando as enormes oscilações que ocorrem no seio da mesma na competição.

O próximo jogo, o quinto, em terras mineiras, determinará o semi finalista desta série, vencendo aquela que apresentar a melhor proposta tática, e tão ou mais importante, o equilíbrio mental e psicológico dentro e fora da quadra de jogo, necessário e fundamental ao vitorioso fechamento da mesma, que nesse momento parece pender para os mineiros, mais unidos e determinados. Mas, pode acontecer o inverso, quem sabe…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8