ENFIM, O DRAMA TERMINOU, SERÁ?…

Classificados para as Olimpíadas, com mérito e justiça, apesar de sérios contratempos na formação da equipe.

Enfim o drama terminou, a classificação às olimpíadas foi alcançada com brilho e muita luta, com estreia já no próximo dia 27 contra a dona da festa, a França…

Foi uma árdua caminhada, complicada pela deficiência na composição de alguns setores da equipe, prejudicando em muitos e importantes momentos sua produção técnica, inclusive na derrota contra Camarões, quando as variações em sua composição básica, como os armadores e os pivôs, tornaram incompreensíveis determinadas escolhas no momento do corte final, quando jogadores melhores qualificados cederam espaço a outros de menor capacidade técnica, por motivos que ferem o bom senso, mas que podem ter sido  originados no campo político, onde a refrega entre a CBB e a LNB ganhou proporções altamente negativas ao futuro do basquetebol nacional em seu todo administrativo e desportivo… 

Jogadores como o Jaú e o Deodato não poderiam ceder seus lugares aos bons jogadores Felicio e Mãosinha, mas não suficientemente bons para uma seleção do mais alto nível, assim como armadores como o Elinho e o Alexei não poderiam ficar de fora em uma equipe com jogadores sem as condições físicas totalmente em ordem, fatores que inexplicavelmente ficaram no limbo de qualquer plausível explicação. Quem sabe a pendenga entre as entidades que gerem(?) o grande jogo neste imenso, desigual e injusto país, possam esclarecer os porquês nada esportivos que eventualmente forçaram a comissão técnica a tomar medidas tão infelizes e que poderiam ter ferido de morte a equipe…

A entrada do George compondo com o Huertas a armação da equipe, trouxe equilibrio e lucidez ao grupo como um todo.

A partir do momento em que o Petrovic optou corretamente pela dupla armação, perdendo por contusão o Raul, que já vinha de uma longa recuperação cirúrgica, assim como o Yago que se apresentou à seleção em condição física pouco confiável, a escolha de outros armadores bem condicionados para um torneio exigente e de tiro curto, se tornava inadiável, mas foram mantidos, resultando em uma equipe que se viu obrigada a atuar com oito jogadores, as vezes nove em determinados momentos de uma competição para lá de difícil e altamente exigente como esse pré olímpico…

Mas Paulo, venceram e se classificaram, não é o suficiente? Não, absolutamente não, pois daqui a três semanas estarão mergulhados até o último fio de cabelo na maior das competições, as Olimpíadas, que exigirão a maior força técnica que possamos reunir, com doze jogadores equivalentes técnica, tática e fisicamente aptos para o que der e vier, sem limites ou protelações, evitando a prioritária busca por jogadores que atuam no exterior, nem todos de alta qualidade, mas da alçada da CBB, em confronto com aqueles poucos como o Didi e o Lucas que atuam na LNB, além de um dos assistentes técnicos. Mãosinha e Raul, como Free Agents, estavam na alçada da CBB, e o George em trânsito da Alemanha para Franca também, sobrando o Lucas que jamais poderia ser preterido como o MVP do NBB nesta temporada, pois o Didi certamente foi escolha pessoal do Petrovic que sempre o elogiou publicamente…

A partir do momento que a equipe assumiu essa forma de atuar, ganhou em coesão e lucidez em suas ações ofensivas e defensivas.

No momento em que essa briga for solucionada, repito, com bom senso, acredito que possamos formar seleções bem mais representativas do que essa, que apesar de vencedora com justiça, terá de equacionar sua formação definitiva e altamente competitiva para daqui a pouco em Paris…

Após esse necessário preâmbulo, posso afirmar com a mais absoluta certeza que, com a escalação inicial para esse difícil jogo contra a Letônia, em sua própria casa, lotada e vibrante, onde o Petrovic formulou um quinteto equilibrado ofensiva e defensivamente lógico e coerente, com uma dupla armação composta pelo experiente e rodado Huertas, e o jovem atlético, canhoto e muito técnico George, alimentadores de uma trinca de alas pivôs composta pelo Meindl, Lucas e Caboclo, conseguiu colimar seus esforços para incutir o tão buscado coletivismo na mente de uma seleção refém por longos e longos anos, de uma forma de atuar dentro de um sistema único de jogo, que muito prejudicou nosso desenvolvimento. No entanto, muito do dinamismo desse quinteto arrefecia quando das substituições  naturais de seus componentes, por jogadores foco da discussão acima, e que se manterá atuante para Paris se não forem esses hiatos urgentemente corrigidos… 

De tal forma os letões se preocuparam em cercar o Caboclo, que provocaram inumeras brechas no seu perimetro externo, facilitando arremessos e penetrações.

Sem dúvida alguma, a forma de jogar apresentada por essa equipe quebrou e esfacelou a defesa da Letônia, a ponto de se ver praticamente vencida ao término do terceiro quarto, e por quase 30 pontos de diferença. Mesmo com esse progresso ofensivo, ainda mantivemos um excesso de arremessos de fora do perímetro, ocasionados, talvez, pela compressão defensiva dos letões na tentativa de anular o Caboclo, abrindo largas brechas  por onde arremessavam os brasileiros com a mais total liberdade de ação. Por conta dessa facilitação, praticamente convergiram seus arremessos (13/28 de 2 pontos, e 13/24 de 3, contra 15/33 e 8/29 respectivamente dos letões). Outrossim, arremessou a seleção 29/34 Lances livres, contra 15/18, demonstrando claramente a intenção da equipe letã no combate aos alas pivôs atuando dentro de seu perímetro interno…

Defensivamente a seleção se saiu muito bem, contestando com eficiência,
antepondo as linhas de passe, e marcando eventualmente o pivô frontalmente.

Defensivamente atuou a seleção de forma intensa e efetiva, contestando os longos arremessos letões, e antecipando os passes, inclusive com marcação frontal dos pivôs em muitas ocasiões. Meindl e Lucas foram felizes em grande parte de suas tentativas de 3, assim como o Caboclo em suas finalizações dentro do perímetro, num todo harmônico coletivismo, a muito ausente de nossas seleções, e que talvez, quem sabe, recobre seu brilho espelhada na excelente apresentação vencedora do pré olímpico de Riga.

A compressão defensiva dentro do garrafão propiciou relativa liberdade aos longos arremessos, porém, como de hábito, em demasiado número.

\

Preocupa-me somente, o fato de que esta seleção não tenha corrigida sua formação final e ideal para a grande competição olímpica, quando algumas modificações tenham de ser feitas, para que tenhamos doze jogadores equivalentes tecnicamente, sadios física e mentalmente, para que, enfim, atestemos o soerguimento de uma modalidade outrora brilhante e vencedora, hoje tão mal tratada em nosso país.

Que o hoje vencedor Petrovic, tenha mais opções nas necessarias e urgentes convocações, a fim de ter mais recursos técnicos em Paris;…

Que os magnânimos deuses nos ajudem.

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.   

UM SOPRO DE ESPERANÇA…

A proximidade entre os armadores George e Huertas mudaram o rumo do jogo, com firmeza e coerência…
George e Yago também funcionaram bem na armação…

Início de jogo, quinteto escalado: Huertas, Gui, Caboclo, Lucas e Léo. Jogo que segue, e ao final desse quarto, 22 a 12 para os filipinos, fruto da inexistência de armação consciente por parte de uma seleção descaracterizada neste mister, ou seja, numa concepção de quatro homens grandes, alas pivôs, e um solitário armador, tentando administrar o impossível…

Segundo quarto, a seleção ganha mais um armador, George, um outro, Benite, se reestrutura e pontua convincentemente, indo para o intervalo ainda perdendo por 33 a 27…

Volta revigorada com a forte presença do George, que compondo uma sólida armação, ora com o Yago, ora com o Huertas, acionavam o jogo interior, fazendo jogar os alas pivôs, como deveria ter sido feito desde o início da partida. Resultado? Vira a contagem para 51 a 39, liquidando a partida em 71 a 60 no quarto final…

Com a armação equacionada a equipe fluiu naturalmente na quadra…

Concluindo, uma seleção que vai para um jogo decisivo com um só armador de ofício, depois de uma campanha utilizando-os em  dupla armação, muito contestada pelos ferrenhos adeptos do sistema único de jogo, contra uma equipe veloz e perigosa, numa cartada ilógica, pois negava de saída sua proposta de jogo assumida desde o início da competição, correu o sério risco de perder um jogo que venceria em circunstâncias normais. Sem dúvida alguma, a tardia presença do George compondo duplas com o Huertas ou o Yago, depois de ser relegado nos jogos anteriores, provou sua importância tática ao se situar sempre próximo ao outro armador, gerando segurança nos passes, ajuda permanente nas levadas de bola, garantindo o equilíbrio defensivo, e por sua envergadura, um maior domínio sobre defensores, armadores como ele, porém mais baixos, além de reforçar o sistema defensivo, nos rebotes e no aspecto coletivo. Nos melhores momentos da partida, a dupla George e Huertas, fizeram os alas pivôs Lucas, Léo e Caboclo atuarem em pleno e com muita criatividade, projetando para o jogo decisivo de logo mais contra a Letônia, um sopro de certeza em uma atuação bem mais convincente das alcançadas até o jogo de hoje…

Jogadores como o Gui, Yago, Benite e Didi poderão complementar  a equipe no recorrente rodízio, e quem sabe poderemos ampliar as chances de alcançar um resultado bastante positivo visando uma classificação olímpica, fator importantíssimo para o futuro do grande jogo no país…

Ainda abusamos dos longos arremessos, fator negativo que deveria ser corrigido.

Mas para tanto, precisa se conter nos longos arremessos, priorizando o jogo interno, fragilizando a defesa letã, e tirando o máximo partido do posicionamento antecipativo da defesa…

Creio que, dentro das perspectivas atuais e limitativas dessa improvisada equipe, tanto no aspecto convocatório, como na indecisa opção por um sistema de jogo fundamentado numa dupla armação consistente e criativa, errando nas escalações iniciais, onde a omissão ao George ficou bem caracterizada, e corrigida no transcorrer deste jogo contra os filipinos, quando sua presença impactou a equipe e seu resultado prático…

E que a emoção do Huertas ao final da dura peleja, inspire o restante da equipe para a grande decisão.

Espero que o Petrovic mantenha o padrão a pouco duramente conquistado, como base para um encontro decisivo e perfeitamente alcançável, na medida em que se mantenha coesa, participativa, e profundamente solidária entre seus componentes.

E que o comando da equipe se mantenha uno e indivisível, que é a prerrogativa de quem o exerce.

Que os deuses, agora mais otimistas, os ajudem na medida do possível

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.     

A AUSÊNCIA DO BOM SENSO, LAMENTAVELMENTE…

O previsto sufoco:

Afogando a armação brasileira desde o início, os africanos comandaram com folgas a primeira metade do jogo…
Assim como anulando o jogo interior brazuca, foram duas ações defensivas brilhantes dos africanos.

Números comparativos de uma contradição gestada em 24hs:

Anteontem –

                Brasil    81          x            72    Montenegro

               (52%) 26/50        2              21/49 (43%)

               (40%)   6/15        3                7/23 (30%)

               (65%)  11/17       LL              9/9   (100%)

                             37         R            40

                             10         E            10

Ontem –

               Brasil    74          x            77   Camarões

            (50%)   12/24          2          15/27 (55.6%)

            (34.6%) 12/38       3            12/34  (35.3%)

            (77.8%) 14/18      LL           11/17  (64.7%)

                             40        R             37

                             14        E              10

Afinal, o que aconteceu?

E por aqui começamos, e da forma mais enfática possível – 

Em 24hs esqueceram tudo, saíram para o bang bang deslavado, e perderam, e com muita sorte, pois quando a diferença chegou aos 27 pontos para os africanos, resultado que eliminaria o Brasil das semifinais (bastavam 14 pontos para que isso acontecesse), a turma do continente negro amoleceu o duro embate defensivo, satisfeitos com a classificação, quem sabe mais chegados aos brazucas nas semis do que os também duros montenegrinos, sabe-se lá o que mais… O certo é o resultado nada alentador para a seleção brasileira, pois ficou mais do que exposto o erro grosseiro na formação final da equipe, onde capitanias hereditárias, protecionismos e interesseiras indicações moldaram uma falsa e fragilizada equipe nacional, relegando outros valores que vem faltando ante a realidade da competição, onde a contusão do armador Raul fez desmoronar o efetivo comando da equipe dentro da quadra, onde o Huertas se viu exigido ao maximo com a dura marcação africana, sem ter encontrado um auxilio mais efetivo por parte de um Yago ainda ressentido fisicamente, um Benite oscilando entre a armação e os arremessos de três, e um George necessitando de uma bússula no seu restrito emprego quando solicitado. Ficaram a meio caminho armadores em forma, como o Elinho, o Alexey, o eclético Deodato, assim como alas pivôs técnicos e de embate, como o Jaú, o Paranhos, e até o Lenz ainda preso ao seu afã de chutador de três de fácil correção, sem falar em novos valores como o Du Sommers, o Paulo Schoer, todos esquecidos em nome de “nomões” de QI super estimados…

Perdas de bolas por falência nos fundamentos foram fatais nos primeiros dois quatos do jogo…
Propiciando faceis contra ataques africanos.
Uma equipe com um sentido coletivista brilhante, mas sem a continuidade necessária para fechar positivamente os jogos.

\

Falhamos bisonhamente nas levadas de bola com fortíssimo assédio defensivo, pois no sistema único um dos armadores (sim, jogamos sempre com dois, fator altamente positivo, porém…) atua de frente para a cesta, e o outro se coloca num corner player, quando deveriam atuar permanentemente em linha, em paralelo a linha final, a fim de se ajudarem sob marcação severa, podendo originar, inclusive, dá e segues frontais, desequilibrado defesas agressivas, e originando supremacia posicional se um dos defensores fosse ultrapassado. Mas isso é outra conversa, nada compatível à realidade técnico tática que vem ocorrendo entre nós a mais de três décadas da mesmice endêmica que vem nos afundando irremediavelmente…

Somemos a tudo isso o fator mais desagregador que amargamos, o desleixo defensivo desde a formação de base, fator desencadeante da cultura dos longos arremessos, que de tal maneira se arraigou no âmago do grande jogo por nós praticado, que dificilmente será corrigido, e cujos reflexos hoje nos assombra, e continuará a assombrar por um longo tempo ainda. Sairemos deste círculo vicioso? Tenho sérias dúvidas, pois haveria a premente necessidade de mudanças na formação de nossos técnicos e professores, principalmente aqueles que lidam na formação de base, assim como uma coerente adequação de determinadas regras as necessidades da prática pelos mais jovens, que são aspectos longamente discutidos neste humilde blog, desde sua fundação vinte anos atrás…

Pouco tentamos o jogo interior nessa fase, esquecendo os efetivos ataques do jogo anrterior.
E voltamos a repetir uma disposição ofensiva em que um ataca e os restantes se posicionam para um arremesso de fora, negando o auxilio ao solitario companheiro.
Um corajoso Leo Meindl comandou a reação com muita disposição e técnica invejável.
Camarões matou o jogo ironicamente nos arremessos de fora, num confronto suicida em que levou a melhor na desenfreada e absurda artilharia…
Não se muda uma forma de jogar vencedora em 24hs, sem causar uma pane coletiva mortal, ainda mais em um plantel incompleto e desequilibrado como essa seleção.

Então, o que vimos e atestamos neste emblemático jogo, senão a dura constatação de que, se na véspera soube a seleção optar vantajosamente pelo aguerrido jogo interno, com evidentes vantagens para o sentido coletivista da equipe, um considerável avanço sem convergência nos arremessos, para 24hs depois regressar às origens, quando perpetraram 12/24 arremessos de 2 e 12/38 de 3, contra 15/27 e 12/34 respectivamente dos africanos, numa orgia descabida de 51 arremessos de 2 pontos, e absurdos 72 de 3 para ambas, duelando irresponsável e lamentavelmente num importante pré olímpico, realmente lamentável…

Se setorizarmos, como adoram fazer a maioria dos comentaristas televisivos e jornalistas ditos especializados, podemos, de saída, constatar a extrema pobreza na escolha ofensiva contra uma defesa interior agressiva, coercitiva, tentando anular os alas pivôs pela força, que perderam a oportunidade de pendurar em faltas os gigantes africanos, caindo na armadilha que propuseram a não intensificar a também dura e eficiente defesa externa, abrindo algum campo aos longos arremessos, que ao não caírem propiciavam intermináveis contra ataques, levando-os a liderar o placar em até  27 pontos, originados pela ausência do acionamento do jogo interno por parte da seleção…

Na segunda etapa do jogo, o incompreensível recolhimento da equipe de Camarões, propiciou uma revigorada reação capitaneada por um lutador Leo Meindl, que de fora para dentro conseguia abrir a forte defesa africana, incentivando com seu exemplo os companheiros a fazê-lo, mesmo desordenados, porém bem mais combativos do que os dois catastróficos períodos iniciais. A elástica contagem foi sendo diminuída, mais de 2 em 2 pontos do que os de 3, até o momento em que empataram na contagem, para ai sucumbirem em uma bola de 3 conseguida pelo jogador Hill, numa segunda tentativa na mesma jogada, sem sofrer a menor contestação, retratando com fidelidade a fraqueza defensiva que nos pune pela má formação de base, formatando e padronizando um comportamento praticamente padrão no seio dos mais jovens aos mais veteranos dos praticantes deste imenso, desigual e injusto país. Desta triste realidade emergiu triunfante, pela inexistente defensiva a entidade dos longos arremessos, as famigeradas bolinhas, aquelas que pretensamente nos transformaria em referência mundial, mas que, ironicamente, nos venceu no jogo de hoje…

Sábado será o dia da verdade do que aí está representando o país num pré olímpico, espelho fiel da forma como vemos e jogamos o grande jogo, flutuando numa falsa certeza de acertos e progressos, cultuados como a verdade absoluta, advinda de mais falsos ainda líderes administrativos, gerenciais, técnicos e estrategistas, todos, absolutamente todos, embarcados numa nau sem fundo, e que num futuro não tão distante assim, depositarão a derradeira pá de cal no insepulto basquetebol tupiniquim. Mas acredito com convicção que emergiremos para um novo tempo, onde o mérito vencerá a concretada instituição do Q.I., como fruto de um projeto verossímil de educação formal, desportiva e artística, no qual o grande jogo poderá ter a chance de um futuro melhor do que esse nauseabundo presente.

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.    

THE RIGHT WAY, UFA!!!

Parabéns pela efetiva e bem vinda mudança.

ALELUIA!!! Parece que começamos a aprender, e por conta disso, parabéns ao Petrovic, que na sua volta conseguiu estancar a hemorragia artilheira da turma tupiniquim, fazendo-a atuar com o cérebro, e não com a testosterona, o suficiente para vencer uma importante partida nessa competição de tiro curtíssimo…

Um inspirado Huertas atuando em dupla armação e exercendo efetivos DPJ’s brilhou.

Uma para lá de competente dupla armação, com seus dois integrantes atuando em proximidade, e não correndo maratonas por trás de uma dura defesa montenegrina, abasteceu a não mais poder a trinca de alas pivôs sempre em deslocamentos, e o mais importante, concluindo de média e curta distâncias, com eficiência e inteligência…

Os longos arremessos foram pontuais, alguns dos quais poderiam ter sido evitados, em função da alta qualificação dos próximos a cesta, acrescidos de seguidos DPJ’s por parte dos armadores, principalmente o Huertas, extremamente feliz em seu estratégico posicionamento, que quando em dupla com o Raul elevou o nível do jogo a um excelente patamar. Benite e Yago não conseguiram acompanhar a qualidade coletivista daqueles dois, pois ambos têm características finalizadoras, um pelas bolas de três, o outro nas penetrações, sobrando o bom Georginho, que com uma presença em quadra de somente 6:37 min, pouco ou nada pode apresentar de efetivo…

Duro embate entre a ofensiva brasileira e a defesa montenegrina…

Com a saída do Raul por contusão, tornou-se necessária uma grande rotação entre os armadores, na qual o Huertas canalizou para si a maioria das ações ofensivas, sendo apoiado razoavelmente pelos outros armadores, num momento da partida em que a preferência pelo jogo interior foi determinante para o sucesso da equipe, liderada pelas ações decisivas do Caboclo, Meindl, Gui e Lucas, que se fartaram de concluir arremessos curtos, médios, e até alguns longos, dada a compressão defensiva dos montenegrinos dentro de seu garrafão, no afã de conter os alas pivôs brasileiros… 

Dura defesa brasileira, como deve ser, sempre…

Neste ponto da análise, lamentamos as ausências do Jaú e do Deodato, ambos muito bons e ativos nas tabelas, no jogo interior, e até nos longos arremessos, no caso do Deodato. Está na hora da seleção deixar de ser vitrine para determinados jogadores, que apesar de bons não o são suficientemente para uma seleção nacional, onde os doze integrantes têm de estar em patamares próximos, e não distanciados dos mesmos…

Claro, uma última análise terá de ser feita, talvez devesse ter sido a primeira, o sistema de defesa, que foi bastante eficiente nesse jogo, principalmente no perímetro interno, onde os gigantes europeus sofreram fortíssimo combate e permanente anteposição aos seus incisivos movimentos  por parte dos homens altos da seleção, fator que propiciou alguns efetivos arremessos de fora, que os mantiveram no comando do placar até o terceiro quarto, quando os brazucas o assumiram até o seu feliz final…

No Quadro a seguir temos uma boa imagem gráfica do jogo:

               Brasil    81          x            72    Montenegro

               (52%) 26/50        2              21/49 (43%)

               (40%)   6/15        3                7/23 (30%)

               (65%)  11/17       LL              9/9   (100%)

                             37         R            40

                             10         E            10

Por fim, devemos atentar para um inédito e bem vindo fator, a adoção coerente e responsável de um novo pensar o jogo, por parte da direção técnica da equipe brasileira, fazendo-a atuar convincente e preferencialmente dentro do perímetro interno, no âmago da defesa adversária, dando preferência aos mais eficientes e precisos curtos arremessos, aos médios arremessos, tornando os longos em armas pontuais pelas mãos dos verdadeiro especialistas, como o Lucas e o Meindl, e não como uma festança irresponsável aberta a todos. Se em algumas situações fomos ultrapassados com facilidade por nossos adversários em progressão de dribles e fintas, deveu-se ao fato inconteste de nossa fragilidade neste básico e importante fundamento, negligenciado desde a formação de base, porém hoje razoavelmente compensado pela entrega e dedicação daqueles poucos que o exercem com mais competência, principalmente no perímetro interno, terreno pedregoso onde as partidas são verdadeiramente ganhas, e não soltando pombos voadores não contestados e arrivistas…

Defesa bem postada, contestando, marcando na linha da bola, fator altamente positivo.

Mais adiante toparemos com a Letônia, para aí sim, nos confrontarmos com a verdade verdadeira do grande jogo, aquele bem jogado, bem pensado, e melhor ainda, levado à exaustão, pela dedicação e entrega total, atacando e defendendo, preferencial e decisivamente ao encontro de uma possível classificação olímpica, de 2 em 2, de 1 em 1 pontos, como hoje o fizeram, provando que podem ser capazes de atuar diferenciadamente da mesmice endêmica que vem caracterizando essa geração, merecedora de sistemas eficientes de jogo, criativo, ousado, proprietário.

Jogo interior, forte, inteligente, deve ser desenvolvido ao máximo…

Creio que o deuzinho cansado e enfastiado de ontem, tenha se empolgado um pouquinho, e quem sabe, torne a nos ajudar, quem sabe…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.  

A FAMÍLIA…

Amanhã às 9:30hs, a seleção masculina inicia sua derradeira caminhada pela vaga olímpica, somente alcançada se vencer o torneio em Riga, capital de seu principal oponente, a Letônia…

Será uma caminhada espinhosa, suada, e terrivelmente incerta, dada a característica básica de uma seleção que atua a décadas da mesma forma, técnica e taticamente, com um grau elevadíssimo de previsibilidade ofensiva, e uma inconstância defensiva histórica…

Centrar e priorizar seu arsenal ofensivo na chutação desenfreada de fora do perímetro, sem dúvida alguma pautará a escolha defensiva de todo adversário a ser enfrentado, onde as contestações atingirão o mais alto grau de intensidade por parte de oponentes, tanto os mais fracos, como os mais fortes, chave mestra para nos vencer, a não ser que mudemos drasticamente o foco principal de ataque, centrando no jogo interior, intenso e constante, deixando as bolinhas de fora como um suplemento de luxo, jamais como prioridade ofensiva, hoje o centrado objetivo acalentado pela imensa maioria dos analistas e cronistas do grande jogo, que foi se apequenando gradativamente por conta desta não estancada hemorragia, que nos tem levado ladeira abaixo no cenário internacional, que se debelada fosse, começando na formação de base, poderia nos soerguer do imenso buraco em que nos encontramos hoje…

Irmanada a essa possível mudança, mesmo que   de uma forma mais forçada, o aumento substancial das funções individuais e coletivas de defesa, ajudaria muito na consecução de uma possível classificação olímpica, somente alcançada se atender aos requisitos acima descritos…

Mas Paulo, essa equipe formada às pressas, pouco treinada, e falhando em algumas convocações, com um comando atemporal, tem condições de atender tais requisitos? Talvez não, talvez sim, dependendo de um simples e tênue fator, a abdicação dos egos que a compõem, em troca de um espírito participativo e solidário, base inconteste do coletivismo formador de uma verdadeira equipe de alta competição, que é um degrau bem acima de uma composição “familiar”, como tem sido veiculada…

Seremos capazes de alcançar tal patamar? tenho sérias dúvidas, mas esperando estar enganado, torço para que o alcancem, bastando que cada um de seus componentes doem suas qualidades técnicas e táticas a serviço do bem comum, da equipe como um todo, e não tornando-a uma vitrine para projeção pessoal, como fizeram desde sempre  muitos de seus integrantes, tanto dentro, como fora das quadras, nos levando a vala comum em que nos encontramos, lastimavelmente… 

Precisamos jogar com intensidade defensiva, mesmo errando posturalmente, compensando com vigor e inteligência, velocidade e antecipação, e contestando os longos arremessos como um ato de fé…     Ofensivamente, jogando preferencial e duramente dentro do perímetro adversário, mesmo enfrentando defesa zonal  ou individual, tentando os curtos e médios arremessos, mais precisos, forçando os pivôs adversários às faltas pessoais, brigando incessantemente pelos rebotes, por todo o tempo, sem esmorecimento, retardando os contra ataques adversários, vencendo o inevitável cansaço, pois mais adiante, ao final da refrega o tempo de descanso advirá. Sugiro, por mais uma vez e veementemente que joguemos permanentemente em dupla armação, e três alas pivôs enfiados e transitando permanentemente no perímetro interno adversário, para de 2 em 2 e 1 em 1 somarmos um placar vencedor, com muito menor perda de tentativas, que normalmente doamos aos adversários nas vultosas falhas nos arremessos de fora, marca registrada de nossas equipes já a tempo demais…

Que ao menos um deuzinho, menos cansado e enfastiado com nossa mesmice endêmica, se predisponha a nos ajudar.

Amém.

Foto – Divulgação CBB. Clique duplamente na mesma para ampliá-la.