POR QUE NÃO POSSO TRABALHAR, POR QUE?…

P1030919-002

 

“Como posso contestar os árbitros se vocês não batem pra dentro provocando faltas, como?”

Eis o questionamento de um dos novos técnicos num pedido de tempo em recente jogo de campeonato estadual, a jogadores surpresos com a orientação do mais alto valor técnico e tático implícita na mesma, porém emanada com a “seriedade” de quem, absolutamente, sequer desconfia o que está ali fazendo na direção de uma equipe, da pseuda elite…

Pseuda porque recheada de “nominados” que trocam de camisa a cada ano, patrocinados por agentes e dirigentes “experts” nas entrelinhas do grande jogo, formando “equipes” ensacadas em uma camisa de peso (?), para serem magnanimamente entregues a técnicos, digo, estrategistas, que nada mais farão do que manter um sistema de jogo único, padronizado e formatado, facilitador do entrosamento inter pares, ainda muito mais se consubstanciado com classificações institucionais, como em matérias do site da LNB, nomeando os nove melhores de cada posição no país, divididos em armadores, alas armadores, alas, alas pivôs e pivôs, posicionamentos que embasam e sedimentam o sistema único implantado coercitivamente entre nós, em todas as categorias e divisões, desde a iniciação de base, o qual, com sua pobreza e a mais absoluta ausência de criatividade, a não ser por premiar perolas pinçadas eventualmente, como o questionamento que abriu este artigo, como que referendando a mesmice institucionalizada que se abateu tragicamente sobre nosso infeliz basquetebol…

Em continuidade, o festival de pranchetas, midiáticas, estrelas, mas sujeitas a algumas inovações, como a mais recente, a “introspectiva prancheta”, aquele  momento em que um dos mais notórios estrategistas se posta em silêncio, olhos pregados em sua superfície, vagarosamente rabiscando  linhas, num solene mutismo aos que o cercam, mudos também, até o momento em que o tempo pedido se esgota, e algo é dito aleatoriamente- vamos fazer a 2…

Mudar algo para quê, e porquê, se está tudo bem, dentro do que planejaram para nós, sombreados e tutelados pela matriz, que agora invade nossas TVs com temporada completa, lojas e sites de vendas, programas de entrevistas, e um punhado de especialistas na arte de comentar e divulgar uma irrealidade para nossos padrões sociais, econômicos, educacionais e culturais, enfim, numa entrega abjeta e colonizada. Claro, que alguns mais esclarecidos teimam em se contrapor a tanta interesseira e grotesca bajulação, como um comentário, infelizmente anônimo, que pincei em um dos blogs especializados, quando o assunto era o que deveríamos esperar dos brasileiros nessa temporada que se inicia:

(…)Não devemos esperar nada deles, pois são meros coadjuvantes que a NBA contrata só para divulgar a marca aqui no Brasil. É a maneira mais barata e eficiente que eles encontraram de alavancar a audiência. Alguém acha que os americanos iriam contratar brasileiros?? Seria a mesma coisa que contratar um jogador americano para ser centro-avante de um time da nossa série A. Será que ninguém percebe isso.(…)

E o mais emblemático e constrangedor é ver a transmissão de um jogo decisivo nosso, ao lado de um outro de início de temporada acima do hemisfério, com seu brutal confronto de realidades, públicos, poder e indiscutivelmente, hegemonia, como que dizendo (ou impondo) a nossos jovens qual o caminho a ser trilhado, lamentável e criminosamente falando…

Assisto a tudo isso conjugando um sentimento de pena, com outro de indignação, somados a um derradeiro, a tênue, porém real esperança de que algo ainda poderá ser feito pelo grande jogo entre nós, lamentando, no entanto, não me ser permitido ajudar nessa quase improvável possibilidade, pois afastado sem maiores e convincentes explicações após a curta permanência de onze jogos no NBB2, dirigindo o Saldanha da Gama do Espirito Santo. Por que o fizeram meus deuses, quais explicações, ponderações, avaliações, quais? Idade? Conhecimento? Experiência? Liderança? Comando? Quais? Quem sabe, contestação aberta e direta ao status quo vigente, à mesmice desenfreada que ainda impera, ou o temor infundado frente a mudanças técnico táticas ali sugeridas, será? Creio que sim, pois a utilização à larga da dupla armação e a preferência pelos pivôs ágeis e rápidos se impuseram, e aí estão implantados e aceitos, como resultante da intensa e incansável campanha iniciada por esse humilde blog desde sempre, porém, com uma decisiva e esclarecedora nuance, a de que provei com larga margem de resultados ser possível jogar o grande jogo fora do sistema único, quando naquela competição fiz a equipe atuar com dois armadores e três alas pivôs, tanto contra defesas individuais, como zonais, sem mudanças táticas, tendência que ora se espraia pelo mundo do basquetebol, inclusive na NBA…

Críticas, críticos, imprensa, blogs, entusiastas do grande jogo elogiaram muito aquele trabalho (alguns, inclusive, me colocando como o técnico do ano) de 49 dias em Vitória, que fiz questão de dividir com todos através artigos e vídeos no blog, contando e expondo cronologicamente o corajoso, sacrificado, e inovador trabalho ali realizado. O prêmio? A exclusão sumária, surpreendentemente antevista num congresso de treinadores do NBB após sua segunda temporada num hotel fazenda em Campinas, onde dois fatos foram pontuais e precisos. O primeiro quando um dirigente da LNB me sugeriu sutilmente acabar com o Basquete Brasil, como uma providência necessária de continuidade na direção de equipes da liga. O outro, mais esclarecedor ainda, quando no jantar do último dia o técnico Guerrinha se dirigiu a todos ali presentes dizendo – Tomem muito cuidado, pois se esse cara com uma equipe inferior (opinião dele, não minha…) e no pouco tempo que teve fez o que fez com equipes mais poderosas, imaginem o que fará em uma temporada completa? Proféticas palavras, pois o que se viu dali para diante foi o meu afastamento radical e proposital das quadras, impedindo o exercício profissional a que tenho direito, pela formação acadêmica, estudo, pesquisa e experiência de mais de cinquenta anos, impedindo ganhos salariais fundamentais na complementação de minha aposentadoria universitária,  necessários ao pagamento de dívidas bancárias assumidas oito anos atrás na luta de preservação da minha casa. Aguentei o violento tranco, e o Basquete Brasil ai está no seu décimo segundo ano de luta e perseverança, mantendo sua inquestionável e democrática  independência… 

Porém, muito além da brutal covardia a que fui submetido, maior ainda a perda de uma inusitada e corajosa tentativa de mudar o cenário monocórdio que asfixia progressiva e inexoravelmente o grande jogo em nosso imenso e injusto país, onde os incompetentes continuam no poder desportivo e educacional, onde o objetivo maior é dar continuidade ao progressivo domínio exógeno de insumos tecnológicos, técnicos, táticos, sociais, educacionais, culturais, que não nos dizem respeito, mas que auferem vultosos lucros a seus “cargos de sacrifício”…

No mês que vem farei 77 anos (no NBB2 tinha 70), logo, fora das quadras elitizadas a seis longos anos, porém, mais atual do que nunca, pois desde aquela época, nada, ou muito pouco, evoluiu técnica e taticamente por aqui, muito ao contrário, involuímos para algo impensável a quem ama o grande jogo, ou seja, briga-se num ginásio com torcida única, e briga-se sem torcida nenhuma, numa demonstração tácita de que na ausência de público que possa ser manipulado e jogado contra arbitragens brigam os estrategistas entre eles mesmos, numa atitude que professores e técnicos da minha geração (hoje são poucos, infelizmente, mas aí estão…) não o fariam, pois bem formados e alinhados com o progresso do grande jogo (como sempre estiveram), e não com o exacerbado corporativismo que aí está, atrasado, mafioso, granítico e inamovível…

Gostaria de trabalhar por mais dois anos, com temporadas completas, tendo a possibilidade de dar seguimento ao que iniciei a mais de 50 anos atrás em todas as categorias e divisões no país, e que de certa forma formalizei no Saldanha no NBB2, sendo interrompido num trabalho que, sem dúvida alguma, teria ajudado em muito o nosso basquetebol a evoluir de encontro a um caminho perdido para a mediocridade e pusilanimidade de muitos que aí estão, onde as poucas exceções não encontram apoio e incentivos à luta maior, o soerguimento do grande jogo no país…

E ao final de tudo, uma pergunta se impõe: Paulo, você realmente acredita ser possível na sua idade, num país que tanto maltrata seus idosos encarar tal desafio? Olha, desde que me aposentei na UFRJ, dedico as mesmas oito horas de trabalho diário ao blog, ao estudo, a pesquisa, ao livro, ajudo no que sou solicitado pelos filhos adultos, trabalho nas intermináveis obras da casa, e acima de tudo, tento assistir o máximo de jogos de basquetebol que possa aguentar, e muitas vezes, muitas mesmo, desligo ou troco de canal, pois assistir e escutar (escutar então, é de matar…) a mesma coisa repetidamente cansa, e como…Mas lá no fundo ainda me vejo na quadra, dando treinos, treinos, muitos treinos, ensinando, corrigindo, incentivando, e eventualmente ajudando jogadores nos jogos, que nada mais são do que o mais puro reflexo do treino, do exaustivo e sacrificado treino, onde as dúvidas e os medos são aplainados da melhor forma possível, onde a influência técnica do professor é profundamente exigida, discutida, conversada, pesquisada, e trabalhada a mais não poder, para que no fragor das importantes partidas sejam os jogadores os donos reais das ações, dos sistemas, das jogadas, das improvisações, da criatividade, enfim, do  espetáculo, onde um ou outro pedido de tempo se faça somente necessário no intuito de esclarecer e dirimir uma dúvida, e nada mais do que ficou estabelecido no treino. Contestar arbitragens, jamais, fora ou dentro da quadra, assim como exibicionismos coreográficos movidos pela síndrome da luz vermelha (aquela luzinha que se acende numa câmera em função), na ridícula intenção de mostrar “trabalho e dedicação”, e em tudo por tudo, jamais nomear uma prancheta como biombo obliterador da relação óculo manual entre técnico/jogadores, fator básico e primordial ao sentido coletivista de qualquer equipe que se considere séria e competitiva. Finalmente, me preparar para conter a preocupação dos filhos, a quem, de dedos cruzados atrás do corpo, prometi me dedicar a outros menos traumáticos interesses, promessa que quebraria na maior das satisfações, querendo eles ou não, que não têm exclusividade do meu amor, pois o grande jogo veio algumas décadas antes deles…

Mas engraçado mesmo foi ler um dos parágrafos de um artigo do Fabio Balassiano no seu Bala na Cesta de hoje – (…)Não posso terminar esse texto sem citar Jorge Guerra, o Guerrinha. Técnico de personalidade forte e bastante carismático, ele foi demitido de maneira bizarra antes do NBB passado por Bauru, ficou um ano estudando, tentando montar projetos, vendo a modalidade de longe. Era um desperdício para o basquete brasileiro tê-lo de fora por tanto tempo, mas sempre há um motivo para as coisas acontecerem, né?(…)

Amém.

Foto – Autoral. Última conversa com a equipe do Saldanha, ao término de sua participação no NBB2 em Londrina. Clique nesta e na subsequente imagem para vê-la ampliada.

A RESPONSABILIDADE DO COMANDO…

dede

 

(…)”Ser treinador é o meu sonho, vivo isso há apenas dois anos e sei que preciso mudar para continuar evoluindo”.

( trecho final da matéria do Fabio Balassiano no Bala na Cesta)

 Um ditado popular nordestino bem diz –  “quem faz um cesto faz um cento”, e o nosso candidato a treinador não fugiu ao mote popular, coerentemente…

Muito antes de evoluir, precisa aprender, estudar, pesquisar e praticar muito na base da pirâmide, na formação, onde os princípios fundamentais do grande jogo são sedimentados, principalmente para aqueles que afirmam o desejo de ser treinador…

Queimar, saltar essa básica etapa é se condenar a ser exatamente o que sonha, ser treinador, jamais professor, técnico, líder de verdade de uma equipe de alta competição, onde o “eu quero”que façam isso, o “eu quero” que façam aquilo, seja substituído pelo pleno conhecimento dos sistemas através a arte do treino, onde suas etapas são conveniente e profissionalmente treinadas, e ensinadas desde sempre, e não impostas unilateralmente numa midiática prancheta, antítese do que aprenderia junto a longa e laboriosa jornada na formação de base…

E lá chegando, é certo que os adquiridos comportamentos sócio desportivos educacionais não darão oportunidades a rompantes até agora exteriorizados, dando com sobras razão ao mote popular…

Amém.

Foto – Reprodução da TV. Clique na mesma para ampliá-la.

Vídeo – You Tube.

 

O PERIGO DE FORA DAS QUADRAS…

AB4P0946-660x408

 

O campeonato carioca terá jogos com torcida única, pelo fato de contar este ano com equipes de três dos maiores clubes de futebol do país. Numa troca de comentários pelo Facebook, Walter Carvalho e Paulo Murilo assim se manifestaram:

Walter Carvalho

1 de outubro às 15:44 ·

É incrível que no esporte profissional brasileiro, por falta de respeito à autoridade, à lei e ao próximo, os jogos entre equipes grandes são de torcida única. Quando é que a sociedade dará um basta a isso tudo e a falta de civilidade? É só Querer! O problema é educação, ou a falta de educação?

Paulo Murilo

Paulo Murilo Walter, se não há regras, cria-se uma bastante simples, só para os ginásios, ou seja, qualquer manifestação beligerante, invasiva ou predatória, perde o jogo uma ou as duas equipes, marcando zero pontos na tabela classificatória, simples assim. Garanto que os dirigentes logo, logo disciplinariam sua torcidas, em vez de colocá-las a serviço de seus interesses, como muitos o fazem, inclusive alguns técnicos, com suas agressivas e coercitivas pressões nas arbitragens, em vez de treinar e orientar conveniente e competentemente suas equipes. Incendiar o ” sexto jogador” como se referem as torcidas, é ativar uma bomba relógio advinda dos campos de futebol, numa atitude irresponsável e interesseira. Agrediu, invadiu, depredou, perda do jogo, e ponto final. Aliás, na década de 60 o juiz Afonso Lefever cansou de dar falta técnica contra as torcidas agressivas, refreando muitas situações de litígio. É isso aí caro Walter. Um abraço.

Walter Carvalho

Walter Carvalho eu lembro que os jogos entre times grandes do Rio – e olha que eram equipes de craques – eram jogados no Municipal, no Tijuca, no America, no Olaria e no Grajau e não tínhamos os problemas de hoje. Concordo que a perda dos pontos seria uma solução. Como é que os clubes podem vender e ter patrocínio nesta situação social que é um vexame – uma vergonha.

Como sugerimos, podemos realisticamente contornar e arrefecer arroubos de torcidas de futebol dentro dos ginásios, onde se realizam partidas de basquetebol, bastando penalizar as equipes que não souberem se comportar como manda a tradição do grande jogo, através comportamentos anti desportivos de seus torcedores, que pregam ardentemente fazerem parte do espetáculo, considerando serem o seu “sexto jogador”, logo, passíveis das regras inerentes aos outros cinco jogadores em quadra. Acredito firmemente que em bem pouco tempo teríamos de volta a paz entre as torcidas.

Amém.

Foto – Divulgação LNB.

 

O OUTRO CICLO…

 

Foram-se dois ciclos olímpicos, perdidos na busca do “alto nível”, em vez do investimento maciço na base, coroados nas últimas olimpíadas na terra tupiniquim, pela busca dos ouros redentores, aqueles que absolveriam a ganância megalópica de uma elite diretiva compromissada com as empreiteiras e os altos e vultosos negócios na informação, nos transportes, no turismo, nos serviços e na segurança, pagos por bilionárias verbas que deveriam ter sido canalizadas para a educação, a saúde e a segurança de uma e das futuras gerações de jovens, abandonadas e entregues a ignorância, a marginalidade, e a um incerto e covarde futuro…

 

Inicia-se um outro, onde de saída se propugna pela negativa ao ensino das artes e da educação física no ensino médio, exatamente a meta que deveria ter sido exaltada uma geração e dois ciclos atrás, para, quem sabe, colhermos alguns frutos em Tóquio, e não em Los Angeles, que será o nosso destino se iniciarmos algo neste exato momento do país, que só se soerguerá através do mais profundo e completo projeto de educação jamais sequer tentado nesse imenso e injusto país continente…

 

Na minha caminhada de professor, talento que se manifestou desde muito cedo, poderia ter escolhido estudar, pesquisar e lecionar História, Geografia, Filosofia, Idiomas, disciplinas que muito me atraíam pelos seus extensos conteúdos cognitivos e afetivos, mas algo ainda ficavam a dever, o psicomotor, que só encontrei na Educação Física, senhora dos três conteúdos geradores dos mais completos objetivos voltados a educação dos jovens, tendo ao lado somente a Dança como proprietários da tríade básica. Cognição, afetividade e psicomotricidade, somente são encontrados juntos naquelas duas disciplinas, tornando-as fundamentais em qualquer programa educacional voltado aos jovens, e porque não, aos adultos também…

 

Claro, claríssimo para qualquer legislador que propugne pelo controle absoluto do processo educacional, que alija de seus projetos os fantasmas da independência e livre arbítrio de pensamento, assim como a criatividade liberta das amarras impositivas dos centrismos, políticos ou religiosos, pseudos patamares da educação integral, transparente e democrática que tanto ansiamos para nossos jovens, tornando-os aptos ao questionamento responsável e ao envolvimento nos projetos de grandeza nacional, muito ao contrário da obediência cega e retrógrada fundamentada em dogmas e interesses hegemônicos de fora, haja vista a imposição do inglês como idioma estrangeiro prioritário, esquecendo o espanhol totalmente falado e escrito por nossos vizinhos, a quem deveríamos estreitar cada vez mais os laços que nos unem pela latinidade que nos é comum, exceto as guianas, mantidas pela proximidade estratégica às incomensuráveis riquezas amazônicas…

 

Então, nesta semana que passou, o jornal O Globo em sua edição de 30/9/16, publicou duas matérias correlatas ao momento pós olimpíadas que estamos vivendo (matérias ilustradas nas fotos), onde o professor universitário Pedro Hellal discorre com bastante propriedade sobre o tema – “ O estudante fisicamente ativo aprende melhor”, que deveria ser bastante divulgada e discutida, principalmente frente aqueles que desejam ardentemente alijar as duas disciplinas aqui descritas, dos currículos do ensino médio, como obrigatórias, tornando-as optativas, eximindo dessa forma as escolas de se aparelharem para desenvolvê-las, em flagrante contraste com a cornucópia financeira derramada na organização da Rio 2016 e do Pan 2007, com seus prometidos legados, perfeitos para o empresariado bilionário nacional, e catastrófico para as tarefas básicas educacionais e de saúde de nossas sempre criminosamente esquecidas crianças…

 

A segunda matéria, “Arremesso futuro – Assistência” , trata da solidificação da franquia NBA em nosso país, da qual retiro algumas afirmações do entrevistado Arnon de Mello, vice presidente da mesma para a América Latina, que considero verdadeiras pérolas a serviço de uma entidade, que segundo ele – (…) o Brasil é importante para os dois vetores principais de crescimento da NBA hoje, que são o mercado internacional e a participação digital (…). (…) E tem seu principal foco no apoio a programas em mais de 70 escolas públicas de Rio e São Paulo, abrangendo 8 mil alunos – Nossos esforços estão em fazer com que a criança goste de basquete desde cedo – Quando entrei na NBA, achava que teríamos que construir mais quadras pelo país. Mas não precisa de nada disso, qualquer pracinha ou escola já tem uma quadra. Nosso desafio, então, é com os professores. A gente tenta incentivar, através de projetos esportivos, que o professor escolha dar o basquete na aula de educação física, e não o handebol ou o queimado (…).

 

Ou seja, temos uma NBA ousando interferir nos currículos e conteúdos das escolas públicas, definidas em seus projetos num país onde existem somente Rio  e São Paulo, onde professores municipais e estaduais priorizariam o basquete em vez do handebol, ou outra atividade desportiva, numa ingerência passível de sanções bem mais sérias do que seus projetos de caráter eminentemente mercadológico, segundo as próprias palavras do entrevistado, que aliás, confessa candidamente ter conseguido o cargo na maior cara de pau, segundo relato seu contido na matéria abaixo reproduzida…

 

Mas a cereja do bolo são os dois últimos parágrafos, que prefiro que o leitor leia diretamente, nos quais somente aponho uma ressalva, quando diz que – (…) O que talvez ainda falte é melhorar a seleção, para atrair mais gente. Esperamos contribuir (…).,,

 

Bem, será que melhorando os espetáculos, como vimos na olimpíada, com malabarismos, dançarinas, bonecos inflados, mascotes insossas, música bate estaca ensurdecedora,  apresentadoras inconvenientes, distribuição dirigida de brindes à imagem e semelhança das arenas romanas, ah, e beijaços ridículos pelo oportunismo midiático, teremos de volta nossa pujante herança de jogar o grande jogo, ou o que valeria para nós seria a volta de um público perdido para a pobreza técnico tática que nos abraçou, e fez se tornar passado uma época em que realmente formávamos excelentes jogadores, melhores ainda professores e técnicos, arrastando multidões para assistirem basquetebol de verdade, e não essa mixórdia que aí está, emulada na liga que ele hoje preside na AL, esquecendo de mencionar que, a grandeza do voleibol se deveu a expropriação política do patrocínio do BB, conseguida nos porões da ditadura, e que o tornou suficientemente poderoso até o apogeu de comandar o COB, a toda poderosa organização que tudo faz para manter a CBB no estágio do que aí está, facilitando e intermediando verbas do ME para manter a politicalha lá entranhada, pois dessa forma não correm o perigo de voltar a ser o quinto ou sexto esporte na preferência do torcedor brasileiro desde sempre. E se foram campeões olímpicos, deveu-se aos excelentes técnicos que floresceram à margem das vultosas verbas públicas, roendo as bordas das demais modalidades, ai o basquetebol incluso, infeliz e politicamente…

 

E não me venham dizer que a NBA salvará o triste atual basquetebol que tanto amamos, voltada às megastores que começa a implantar pelo país, alimentada por muitos dólares que propiciam a transmissão e divulgação midiática de praticamente toda a temporada da matriz, tão distante da nossa realidade, que se funde e talvez se explique nas duas matérias acima discutidas, mas relativamente perto de uma solução que depende de uma única saída, a de tomarmos verdadeira e definitivamente vergonha na cara, simples assim, vergonha na cara…

 

Amém.

Fotos – Reproduções do O Globo (30/9/16). Clique nas mesmas com as teclas control-maiúsculas-+ simultaneamente para ampliá-las, e control-maiúsculas-_ para voltarem ao normal.

 

P1140078-001P1140077-001

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8