PADRONIZAÇÃO/FORMATAÇÃO, O LASTIMÁVEL EQUÍVOCO…

015

DSCN0654-002Aproxima-se a data chave para o basquetebol brasileiro, 10 de março, quando saberemos qual o futuro que aguarda o grande jogo neste imenso, desigual e injusto país…

A chapa vencedora terá pela frente um rol de exigências de assustar, a começar pela imensa dívida acumulada pela administração atual, com todas as inferências advindas da mesma, mas nada que se compare a verdadeira e hercúlea tarefa de soerguer tecnicamente o grande jogo no país, da formação de base a elite, com todas as implicações logísticas inerentes a tão relevante e difícil tarefa…

E nenhuma delas transcende em importância vital como a formação adequada e minuciosa dos técnicos e professores que serão responsáveis pela retomada séria e criteriosa da modalidade, tão mal tratada e minimizada por mais de trinta anos de incúria, compadrio, protecionismo, corporativismo, e ignorância técnico tática…

No momento que atravessamos, em que técnicos brotam do solo, quase como geração espontânea, diretamente na elite, sem a formação primordial e obrigatória nas divisões de base, em um desporto altamente complexo como o basquetebol, me reporto a um artigo remetido pelo professor Gil Guandron, radicado a décadas em Chicago, a fim de tentarmos conceituar da forma mais básica possível o que venha a ser um verdadeiro professor e técnico do grande jogo. Começo pelo email recebido a algum tempo do Gil, o qual transcrevo a seguir:

Paulo,

Me  es  bien  dificil  comprender ,  como  en  Brasil  se  permite  la  formacion  de  tecnicos  de  basquetbol ,  sin  bases  psicopedagogicas  adecuadas,  y  con limitaciones  tecnico / tacticas ….  en  el  basquetbol  el  elemento  tecnico ,  es  el  mas  importante….

Como  professor  ,  me  lastima  que  los  jovenes  estudiantes (  los  jugadores  de  basquetbol  son  estudiantes ), no  reciban  la  capacitacion  adecuada  a  sus  intereses.

Cuente  conmigo  en  su desinteresada   tarea   por  la  superacion  pedagogica  de  los  entrenadores  brasileños.

Si  lo  considera  adecuada, publique  este  articulo,  en  function  del  articulo  de  su  pagina.

Abrazos.

Gil

Mike  Krzyzewski  

Gil  Guadron

Claro  que  es  importante  lo  que  usted  conoce  como  entrenador, pero  lo  que  es  mucho  mas  importante  es  lo  que  sus  jugadores  aprenden  y  como  lo  aplican   en  la  realidad  del  partido , y   al  establecer   esa  conexión   muestra  su  calidad  como  profesor.

Una  de  las  metas  de  los  entrenadores  es  desarrollar  un  sistema  de  juego  sobre  el  que  usted  pueda  construir, entonces  usted  debe  de  evaluar  y  re-evaluar  su  sistema  para  asegurarse  que   esta  ajustado  debidamente  a  las  habilidades  tanto  físicas  como  mentales  de  sus  jugadores.

Claro  que  nosotros  podemos  ir  por  ahí  diciendo   a  los  cuatro   vientos  que  nuestros  jugadores  son  estúpidos, pero  en  la  realidad  podría  ser  que  los  verdaderos  estúpidos  seamos  nosotros  por  no  analizar  nuestros  sistemas  para  saber  si  lo  que  estamos  enseñando  a  nuestros  jugadores  es  demasiado  difícil  para  el  nivel  de  comprensión  de ellos. Es  importante  que  cuando  usted  decide  plantear  un  sistema   de  juego  tiene  que  tomar  en  cuenta  las  habilidades  físicas  y  emocionales  de  sus  jugadores  y  planear  sus  estrategias  metodológicas  basándose  en  esa  realidad.

En  mis  primeros  años  de  mi   carrera  fui  bien  rigido  en  mi  filosofía  y  en  mis  planes  de  entreno. Mis  entrenos  eran  bien  precisos  pero  demasiado  aburridos  para  los  jugadores. He  cambiado  bastante  desde  entonces. claro  que  sigo  utilizando  una  defensa  personal  y  en  el  ataque un  Motion  Offense, pero  ejecuto  dichas  cosas  dentro  de  mi  personalidad. Los  ejercicios  que  practicamos  concuerdan  con  mi  manera  de  pensar. El  éxito  que  hemos  tenido  en  Duke  University  se  debe  a  la  calidad  de  jugadores, pocas  lesiones, y  que  siempre  hemos  sido  consistentes. Algunas  veces  los  entrenadores  practican  un  sistema  enseñando  ciertos  habitos  para  que  el  siguiente  año    o  temporada  lo  cambian  totalmente  y  enseñan  habitos  completamente  diferentes  y  contrarios  a  los  que  habían  enseñado  la  temporada  previa. Los  cambios  que  hemos  hecho  en   Duke  University  de  un  año  para  el  otro  son  bien  sutiles.

Cuando  usted  intenta  desarrollar  un  sistema , usted  debería  de  experimentar, pero  debería  iniciar  con  un  sistema  dominante  sobre  el  que  se  pueda  construir  posteriormente. Un  ejemplo  personal  de  experimentacion  me  ocurrió  cuando  trate  de  tener  una  defensa   secundaria  a  nuestra  defensa  personal  y   me  decidi  por  una  defensa  de  zona  en  Match-Up  que  me  había  impresionado  cuando  se  la  vi  jugar  a  la  Universidad  de  Fresno  State. La  utilize  ese verano  en  nuestra  gira  por  Europa  y  al  inicio  de  nuestra  temporada  regular. Los  resultados  fueron   horribles. Lo  que  encontré  es  que  yo  buscaba  utilizarla  en  5%  del  tiempo  del  partido, pero  yo  esperaba  que  funcionara  tan  bien   como  nuestra  defensa  personal  que  normalmente  la  utilizamos  el  95%  del  tiempo. Las  cosas  estructuradas de  esa  manera  no  funcionan. Bueno  el  siguiente  año  jugamos zona  2 – 3 , realmente  no  la  practicamos  mucho. La  única  vez  que  nuestro  primer  equipo  la  utilizo  fue  cuando  nuestro  segundo  equipo  practico  el  ataque  contra  ella. Claro  que  teníamos   muy  buenos  jugadores  y  les  explique  que  defendieran  al  atacante  en  su  zona  como  si  fuera  defensa  individual. Si  su  atacante  designado  abandona  su  area, avisele  a  alguien  y  no  permita  ninguna  penetración.

Una  de  las  razones  por  la  que  utilize  la  defensa  de  zona  2 – 3  fue  para  cambiar  el  — momentum — . Y  por  esa  razón   estaba  dispuesto  a  aceptar  las  consecuencias  en  el  caso  de  que  algún equipo  ejecutara  el  ataque  de  manera  correcta. No  estoy  vendiéndole  la  defensa  de  hombre  a  hombre  ni  el  Motion  Offense, pues  he  sido  derrotado  por  equipos  jugando  defensa  de  zonas  y  por  formidables  ataques  contra  mis   defensas  zonales. Lo  que  estoy  tratando  de  insistirles  es  en  la  necesidad  de  evaluar  sus  sistema.

Otro  factor  importante  en  desarrollar  su  sistema  es  saber  con  los  recursos  con  los  que   usted  cuenta:  Cuantos  entrenadores  asistentes  tiene ?, Tiene  materiales  como  Toss-Back, Rebounder, cuerdas  pesadas  de  salto  etc.  ?,  Dispone  de  un  Gimnasio  solo  para  su  equipo ?,  Por  cuanto  tiempo  entrena  diariamente ?, Cual  es  el  tiempo  de  entreno    antes  del  inicio  de  la  temporada  ?   Si   tiene  12  jugadores  y  dos  canastas  como  hace  sus  ejercicios  de  Breakdown (  deglosamiento  o parcialización )  ?, Habla  con  un  jugador  y  dejar  a  los  demás  11 jugadores  sin  su  dirección ?,  De  cuantas  pelotas  dispone  ? etc.

Existe  una  idea  generalizada  en  el  cochaje  que  entre  mas  alto  es  el  nivel  , mejor  es  el  nivel  del  cochaje. Discrepo  con  esa  afirmación  pues  he   visto  extraordinarios  cochajes  en  el  nivel  de  High  School  además  de  observar  excelentes  entrenos  en  ese  nivel. La  calidad  del  buen  entreno   es   cuestión  de  enseñar  de  manera  organizada.

Dentro  de  su  sistema, van  algunas  destrezas  que  lo  acompañan  y   la  única  manera  de  lograr  que  esas  destrezas  se  instauren  en  el  vocabulario  motor  del  jugador , que  sean  aprendidas,  dominadas  , automatizadas   por  los  jugadores , practicando   acciones  repetitivas   las  que  paulatinamente  usted  las  va   acercando  a  las  realidades    a  las  que  los  jugadores  se  enfrentaran   en  el   partido. Las  acciones  psicomotores  deben  de  ser  enseñadas  y  practicadas  por  los  jugadores  una  y  otra  vez,  una  y  otra  vez.

Cuando  usted  hace  ejercicios  individuales, usted  desea  que  los  jugadores  ejecuten  la  destreza  10  o  15  veces  pero  al  mismo  tiempo  no  desea  perder  la  atención  del  resto  del  equipo, usted  entonces   hace   que  los  jugadores  no  involucrados  en  el  ejercicio  que usted  supervisa  practiquen  tiros  libres  u  otras  tareas. Si  tiene  un  entrenador  asistente  que  sus  jugadores practiquen  otras  destrezas  con  el, pues  esto  le  permitirá  a  usted  hacer  una  mejor  tarea  de  enseñanza. La  estrategia  de  —  trabajo  por  estaciones  —  constituye  una  buena  opción  metodológica.

Los  entrenos  en  Duke  consisten  de  un  30%  de  ataque, 30%  de  defensa  y  el  10%  de  preparacion  física  y  situaciones  especiales.

Como  entrenador  usted  se plantea  varias  preguntas,  entre  ellas : Tiene  que  tener  su  sistema  ya  implementado  al  inicio  de  la  temporada, o  se  dara  la  oportunidad  de  irlo  mejorando  conforme  la  temporada  de  vaya  desarrollando ?.  Desde  mi  punto  de  vista  usted  tiene  que  construir  un equipo  que  va  mejorando  y  mejorando  conforme  la  temporada  progresa. Yo  no  trato  de  poner  el  sistema  en  su  totalidad  al  comienzo  de  la  temporada. Nosotros  colocamos  nuestra  defensa  básica  de  hombre  a  hombre  y  el  Motion  pero  le  vamos  agregando  cosas  conforme  la  temporada  progresa.  Usted  no  entrena  de  la  misma  manera  en  Febrero  como  los  que  tuvo  en  Noviembre.

En  Febrero  solo  entrenamos  por  45  minutos, claro  que tenemos  pre-entreno  y  post- entreno,  pero  la  duración  del  entreno  regular  es  de  solo 45 minutos. Los  jugadores  no  sienten  los  periodos  de  pre  y  post  entreno  como  si  estuvieran  entrenando  y  eso  es  excelente  pues  muestra  que  están  motivados, por  lo  consiguiente  en  esas  situaciones usted  obtiene  una  mayor  atención  y  mas  trabajo  de  parte  de  los  jugadores, puesto  que   a  ellos  les agradan  las  actividades, principalmente  si   ven  las  conexiones  con  la  realidad  de  un  partido.

Nosotros  no   hacemos  ningún  ejercicio  de  5  contra  5  por  mas  de  10  minutos  de  duración , podríamos  hacer  un   ejercicio  similar    por  10  minutos  en otra  etapa  del  entreno,  pero  no  por  20  minutos  continuados , pues  la  intensidad ,  el  foco   de  la  atención de  jugador  disminuye  poco  a  poco  conforme  la  temporada  avanza.

El  cambiar  de  ejercicios ( drills )  de  manera  constante mantiene  a  sus  jugadores  atentos  y  motivados, partiendo  del  hecho que  sus  entrenos  son  adecuadamente  planificados. Dentro  de  ese  contexto  usted  siempre  necesitara  cierta  flexibilidad  en  sus  entrenos, pues  el  basquetbol  es  un  deporte  en  donde  hay  que  realizar   ajustes  constantes, además  le  sugiero  que  sus  entrenos  deben  tener  algo  que  cambien el  momentum  de  la  situación  por  ejm.  el  entrenar   situaciones  que  podrían  darse  en  un  partido.

Trate  que  sus  entrenos  reproduzcan   lo  mas  cercano  posible las  situaciones  a  las  que  sus  jugadores   se enfrentaran  en  un  partido  oficial, deseo  mencionarles   que  los entrenos  de  Duke  University   son  mas  elaborados  en  los  inicios  de  la  temporada  que  cuando  esta  ya  esta  avanzada.

Agregar  que   hay  que   colocar  a   los   jugadores  en  situaciones  diferentes , cambiantes, y  muchas  veces  desconocidas  para  ver  de  que  manera  ellos  tratan  de  resolverlas . Esto  enmarcado  en  que  el  basquetbol  es  un  juego  cambiante  que  requiere  de  adaptaciones  y  modificaciones  constantes  y  nuestra  tarea  es  preparar   al  equipo  para  enfrentarlas  sin  caer  en  el  desespero.

El  entrenador  constantemente  esta  enseñando, orientando  el  aprendizaje  de  nuestros  jugadores, esa  es  nuestra  tarea  principal.

Este excelente artigo do Gil , que em conjunto dos muitos por mim publicados traçam uma linha expositiva e explicativa do “como” formar professores e técnicos, profissionais altamente capacitados, em contraste da formação de “estrategistas” que tanto empobrecem o desenvolvimento do grande jogo entre nós, sempre na cola da matriz, com seu modo específico e particular de jogar, designando uma modalidade que sequer reconhece a FIBA, inclusive nas regras…

Então, sobre sai uma pergunta, a que não nos permite omitir, sequer calar – O que realmente formamos (ou promovemos, inventamos, criamos, projetamos, incensamos, deificamos, publicamos, adjetivamos…) para a difícil e complexa tarefa de educar, orientar, dirigir e liderar nossos jogadores, desde a formação a elite, os de ascendência meteórica advindos do bojo viciado da mesmice endêmica que oprime e minimiza o grande jogo, sem o aprendizado e a formação básica exigida para tão relevante tarefa, ou aqueles que se propuseram percorrer a longa estrada pedregosa do estudo, do sacrifício em busca do saber, da formação correta e objetiva, pesquisando e trabalhando desde a formação de base, seria e competentemente, progredindo pelo mérito, e não pelo corporativismo exacerbado que aí está, padronizado e formatado a mais de trinta anos?

E nesse momento recebo um telefonema de um amigo de longa data, perguntando na lata – Paulo, vai ficar em cima do muro sobre a eleição de sexta feira na CBB?

Penso rapidamente e respondo – Quatro anos atrás recebi aqui em casa a visita do Carlos Fontenelle e do Alcyr Magalhães, que vieram expor para discussão um esboço de projeto para o basquetebol brasileiro, inclusive publiquei o encontro aqui no blogMais recentemente recebi por email o projeto pronto pela equipe do candidato Gui Peixoto, onde pontifica o Carlos Fontenelle, e constatei que algumas das sugestões discutidas quatro anos atrás aqui em casa foram consideradas, e claro, aprimoradas pela equipe do candidato, que não conheço pessoalmente, mas que bem sei de sua trajetória no grande jogo. Então, como dois são os candidatos na eleição, sendo que um deles foi participante da atual e caótica administração, apoiado por presidentes de federações que comungam com suas idéias, e que inclusive veiculou a seu nome a marca Basquete Brasil (Amarildo Rosas Basquete Brasil), sugerindo minha aquiescência a seu nome, o que é falso, e outro que também é apoiado por presidentes de federações dissidentes, mas que no entanto nunca fez parte da direção da CBB, e que através de um de seus maiores apoiadores apresentou e discutiu comigo soluções técnicas para o soerguimento da modalidade no país, sem que eu jamais soubesse a quem estaria apoiando, nome esse que o próprio Carlos não revelou quando do nosso encontro no meio tempo de uma partida durante a Olimpíada, devo concluir num momento de absoluta franqueza, que gostaria que vencesse um pleito onde meu voto é impossível pela legislação existente, aquele que vem de fora do sistema, mesmo apoiado por alguns de dentro, mas que de uma forma corajosa e inovadora, desejam inverter (assim espero…) os papeis manchados e pardacentos que se acumularam na sede da Rio Branco. Espero que vença e mude algo no grande jogo.

Amém.

Fotos – Gil Guadron, a esquerda, num de seus cursos de aperfeiçoamento na De Paul University, e o encontro aqui em casa com o Carlos Fontenelle e o Alcyr.

Clique nas mesmas duplamente para ampliá-las.

EXPLICAR O QUE?…

P1030908-001

Sento em frente a uma boa TV, neste sábado calorento, para assistir em rede aberta a um dos jogos de maior rivalidade no NBB, Franca e Bauru, ainda mais valendo a quarta colocação. Parodiando a mídia especializada e ufanista, jogo quente, brigado, emocionante, porém com  pobre e sofrível técnica (28 erros de fundamentos), taticamente absurdo e inconcebível por parte de Baurú, e quase lá por parte de Franca, não fosse sua opção acertada em alguns momentos pelo forte jogo interno, suficientemente efetivo (22/48 nos 2 pontos, contra 11/27 de seu oponente), mas que quase foi comprometido pelo excesso de bolas de 3 (8/25), que foi a perdição de Bauru com seus inconcebíveis 10/42  arremessos insanos de fora, numa clara opção de seus jogadores, acompanhada pelo seu estrategista ao determinar o famigerado “jogo com os quatro abertos”, atitude corriqueira na maioria das equipes, quando se sentem impotentes no desenvolvimento do jogo interno, fruto do mais absoluto desconhecimento tático e técnico de como desenvolver, treinar e aplicar tal tipo de ação ofensiva, que é totalmente dependente do pleno domínio dos fundamentos individuais, principalmente os do drible, das fintas e dos passes utilizados em pequenos espaços, daí a opção pela “abertura territorial”, compensando(assim pensam…) pela velocidade, a notória deficiência da grande maioria de nossos jogadores no manejo de seu instrumento básico de trabalho, a bola, que para muitos atrapalha suas decantadas e midiáticas performances…

No próximo fim de semana das estrelas, quando da competição de habilidades, agora no formato de duplas, onde a velocidade será predominante, poderemos atestar o quanto de “arranjos” serão aplicados pelos duelantes a fim de vencer as etapas, quando contornar as sutis exigências dos fundamentos do jogo auferirá ganhos em tempo e distância, principalmente no drible, fintas e mudanças de direção com a bola sob domínio. Se no formato individual que regeu as competições anteriores, muitas foram as irregularidades não coibidas pelos árbitros fiscalizadores, imaginem agora quando a disputa será em duplas com confronto direto? Será a prova contundente do que vemos nos jogos oficiais, onde a má execução, e mesmo desconhecimento das técnicas básicas dos fundamentos será escancarada a todos, e cuja punição será relevada para não comprometer o aspecto festivo do encontro, e quem lá estiver ou acompanhar pela TV testemunhará com um largo sorriso de satisfação em oposição ao que aqui afirmo, sem o menor temor de errar, por saber e conhecer um pouco mais do grande jogo, do que muitos dos que se aventuram no mesmo, mas nada que não possa ser regiamente compensado com um show do Jota Quest, afinal é necessário fidelizar um público específico, que necessariamente não precisa entender de fundamentos, técnicas, táticas, e insignificâncias afins…

Voltando ao jogo, como admitir, aceitar que uma equipe que ponteia a competição, estando entre as quatro primeiras colocações, se permita convergir absurdamente para menos seus arremessos (repetindo, 11/27 de 2 e 10/42 de 3) abdicando do confronto interior defensivo com seu adversário, aceitando a armadilha do “deixa chutar”, onde seu maior arremessador, Jefferson, perpetrou um constrangedor 3/13 nos 3? E como seu estrategista permite tal descalabro, ainda mais sendo um dos pretendentes a seleção nacional, como alguns outros que vem professando tão absurdo sistema de jogar o grande jogo? Como ser isto possível, para onde querem nos levar nesse inqualificável modismo, que bem mais depressa como brotou, se esvairá rapidamente, a começar pelas artilharias ao norte do hemisfério, que começam a perder seu poder do fogo através as cada vez mais presentes contestações fora do perímetro, fator este que, mesmo por cópia pura e simples, como é comum aqui nas terras tupiniquins, ainda demorará um bom tempo para aqui aportar, pois afinal de contas, o estrago ainda não atingiu as metas propostas por todos aqueles que, por não entender a essência do grande jogo, ousam tentar se apoderar de sua grandeza, sendo punidos magistralmente com a negativa ao seu pleno conhecimento, restando os pretensiosos e arrogantes garranchos em midiáticas pranchetas, como testemunho inconteste do nada, do absolutamente…nada, e que rapidamente começam a ser contestados por seus próprios jogadores, quem sabe, na busca de algo que os orientem e ensinem para valer…

Amém.

Foto – Reprodução da TV. Clique duplamente na mesma para ampliá-la e acessar a legenda.

ENFIM, CONSEGUIRAM…

 

7_-_img_1948Custaram, perseveraram, se esmeraram ao máximo, insistiram, batalharam, e por fim…venceram (?), deram o grito primal, urraram de satisfação e orgasmo mental, e mudaram a estética, o modus faciendi de jogar o ex grande jogo (para quase todos eles…), mas que continua grande, grandíssimo para mim, apesar de derrotado frente ao novo tempo, ao Novo Basquete Brasil da convergência definitiva, do reinado absolutista das bolinhas, do abandono defensivo do perímetro, numa aceitação inter pares de uma competição de tiros irresponsáveis, estilosos, desqualificados, aceito por todos dentro de um sistema padronizado e formatado pelo estúpido e boçal corporativismo implantado coercivamente em todas as categorias, num sentido de jogo descerebrado dentro das quadras, e mais descerebrado ainda ao lado das mesmas, nos esgares, caras e bocas, gesticulação circense, coações explícitas, auto presença impositiva nos tempos e nos garranchos pranchetados, sem os quais, no discurso padrão da comunidade de comando, nada aconteceria de importante e decisivo na quadra, numa triste constatação de um falseado poder decisório, somente alcançado única e exclusivamente na arte do treino, quando o mais saber, o preparo, a vivência e a insubstituível experiência sempre dará as cartas nesse jogo específico para quem o domina, não para aquele que julga e pensa dominar, fruto do marketing, da arrogância, da troca, do escambo, jamais pelo mérito, jamais…

Caminhamos celeremente para a convergência dos arremessos de 2 e 3 pontos, não mais por parte de uma das equipes, e sim por ambas a cada jogo disputado, demonstrando a aceitação do que ousam implantar, já implantando nesse estágio inicial da lamentável mudança que se avizinha, solerte, capciosa, impositiva, como nos recentes Ceará x Mogi e Vitória x Mogi, quando no primeiro perpetraram 21/70 arremessos de 3 e 33/66 de 2, e no segundo, 18/65 e 25/60 respectivamente, e mais, a brilhante marca de 30 e 24 erros de fundamentos, mantendo a média da competição que é de 26 erros por jogo, um número realmente lastimável. A cada rodada, a cada partida, com umas poucas exceções, o que assistimos contritos é um desfile pré agônico de uma modalidade outrora brilhante, técnica, tática e sedimentada em bons fundamentos, preparada, orientada e dirigida por técnicos de verdade, e não o que aí está, escancarado, através cada vez mais falsos especialistas de três, arrivistas e oportunistas de ocasião, o mais abertos possíveis no ataque a fim de obterem espaços compensatórios às suas gritantes deficiências nos fundamentos de drible, fintas e passes, a maioria em busca do brilhareco midiático, frutos de exemplos recentes de jogadores individualistas se locupletando de um jogo coletivo, onde os duplos e triplos duplos é a meta pretendida, mesmo a custa dos esforços da equipe, sendo a vitória muitas vezes descartada na medida do brilho individual das  estrelas, para a satisfação máxima dos que as empregam e agenciam…

O fruto dessa irracional busca pela glorificação individual, é manifesta pela explosão no cerne das equipes do desejo da maioria de seus componentes alcançarem o estrelato também, daí a chutação desenfreada de quase todos que as compõem, dolorosamente chancelados pelos permissivos estrategistas que as dirigem, ou pensam dirigir, bem mais torcedores do que aqueles que se encontram nas bancadas, quando uma atuação técnica, racional, estratégica se faria urgente e necessária, pois resultante da observação arguta e precisa, fruto de sua vasta experiência, onde o binômio diagnose/retificação (*) se impõe soberano, ação essa anulada ou minimizada pela cega militância praticada, na pretensa busca da vitória a qualquer preço…

Mas conseguiram o que tanto perseguiam, emular o exemplo da  matriz que, se observarmos bem, chutam de três menos do que aqui, e mesmo assim somente através seus poucos especialistas de verdade, exceto por duas ou três equipes no seu vasto e rico universo de trinta, isso nos profissionais. Mas o que realmente importa por aqui é a busca pela genialidade, principalmente ao lado da quadra, e nesse pormenor somos realmente imbatíveis, ao conseguirmos formar técnicos de “altíssima qualidade” com dois ou três anos de experiência na liga maior, a que incentiva a convergência, a que ignora a defesa exterior, a que se lixa para os fundamentos, porém a que exalta as pranchetas em vez do treino, do treino de verdade, da longa e laboriosa vivência, da larga experiência adquirida nas derrotas e vitórias, da necessária participação na base formadora, das longas estradas de pedras percorridas, base estrutural do mérito, do grande jogo. Mas como todos jogam da mesma forma sistêmica, vence aquele que chuta a última e apaga a luz…

Parabéns a todos, afinal conseguiram implantar o novo conceito convergente de jogar, onde a relação custo/benefício…ora o que isso importa, quando o que passa a valer é a bola de três, a enterrada monstro e o toco fenomenal, ou não?…

Que os deuses nos ajudem, pelo menos, se uma nova administração reabrir a ENTB, reestruturando-a como deve ser uma escola de verdade, numa iniciativa que poderá vir a ser válida na corajosa tentativa de reverter tão triste quadro…

Amém.

(*) – Diagnose/Retificação – A capacidade didática de diagnosticar falhas, erros e omissões técnicas em ações individuais e coletivas e suas decorrentes correções, onde o espaço temporal entre ambas define a maior  ou a menor qualificação do professor/técnico, conceito não muito difundido entre estrategistas, principalmente os menos experientes…

Foto – Divulgação LNB. Clique na mesma duplamente para ampliá-la.

A ANSIADA VOLTA DO BOM SENSO…

P1140569Estamos em plena efervescência pós olímpica, curtindo ao máximo o gigantesco legado a que fizemos jús na contrapartida dos bilhões que nos foram surrupiados por uma máfia desportiva (?) que numa época próxima ou distante terá de se haver com a lei, bandidos que são…

Desde o Pan, passando pelo Mundial de Futebol, e desaguando nos Jogos Olímpicos, muitas são as ruínas que outrora foram estádios, pistas, piscinas,velódromos, arenas, centros de controle disso e daquilo, monumentais, ciclópicas, que fizeram a riqueza de muitos “abnegados desportistas”, e que daqui a bem pouco farão outras fortunas para os especialistas em desmontes e sucatas, onde até as medalhas desbotam e desmancham, tal a precariedade de sua fabricação, claro, a peso de ouro, não o olímpico, mas o dos tolos que acreditaram  e avalizaram o butim histórico, muitos dos quais ainda não viram a devolução dos valores dos ingressos revendidos, se é que verão…

P1140528-001

 

P1140526E quando o maior dos legados foi a nossa transformação em nação olímpica, praticante em massa dos desportos, nas escolas, clubes e universidades, segundo as afirmativas da bandidagem que perpetrou todo esse desperdício, tripudiando das reais necessidades de um povo ignorante e semi alfabetizado, utente das mais variadas bolsas, que não são Vuitton, mas que adora uma novidade tutelada, vemos agora sendo implantada uma nova realidade importada da matriz, que aos poucos vai nos conquistando, comendo pelas beiradinhas, sem pressa, através do idioma dito “universal”, de sua forma de entender a dimensão política do desporto, da música, das artes, da cultura, exportando-os, porém mantendo e defendendo essa mesma dimensão em suas fronteiras, tendo o apoio pago, e muito bem pago da mídia tupiniquim, vide essas duas páginas inteiras sobre o caviar desportivo deles, o absurdo e medieval football jogado com as mãos, onde a regra é a conquista de espaços em jardas (?), o que sempre fizeram, fazem e farão mundo afora até o fim dos tempos, restando-nos uma pergunta – Afinal, quem é Tom Brady?…

 

NBA, NFL, e outras ligas bilionárias lá de cima, ditando hábitos e caminhos que devemos trilhar, afinal de contas o velocíno de ouro está aqui, na forma da água, do petróleo, dos minérios raros e da floresta, ou não?…

P1140570

Aqui entre nós, iniciamos o combate a corrupção, que se os deuses quiserem chegará a educação, aos desportos, já atingindo a saúde, as infraestruturas, aos políticos, aos entreguistas e traidores, as nossas dilapidadas riquezas, e quem sabe, poderemos vislumbrar a salvação de futuras gerações de jovens, abandonados e desorientados nesse mar de crueldade e indiferença…

Mas até que esse dia chegue, continuaremos a lutar pelo que nos toca, aprendendo a administrar nossa injusta pobreza, tentando melhorar o que temos, como o basquetebol, que aí está se debatendo num mar de incertezas, de incúria, afogado pelo corporativismo, pela pétrea mediocridade, pela negação do mérito, mas enlevado pelos oportunistas, sempre prontos aos voos personalistas do “se colar, colou…”, dos “EUs” totalitários, onde conceitos didáticos e pedagógicos inexistem desde sempre:

(…)- Eu acho o seguinte: eu realmente me encontrei como técnico. Isso é fundamental. O prazer que eu tive de ser jogador e o prazer de ser técnico são coisas surreais. E com isso vem o entusiasmo. Quando eu falo hiperativo, eu sou um cara que é entusiasmo puro. E eu gosto do que estou fazendo, principalmente ali. Aquilo ali me mantém no jogo. Tem muita gente que me olha de fora e pensa que é um desespero, mas estou totalmente ciente do que o time precisa fazer. Mas, principalmente no fim do jogo, eu sou o inverso, sou mais cauteloso, mais calmo porque sei que precisa de tranquilidade para fechar o jogo nos minutos finais – explicou Dedé sobre seu jeito peculiar no banco do Vasco da Gama.(…)

( Trecho de uma matéria publicada pelo globoesporte em 7/2/17).

Vendo os vídeos dos pedidos de tempo finais de um jogo “de alto nível  técnico”, onde o primeiro estabelece uma relação impessoal com os jogadores utilizando uma linguagem cifrada e impessoal, e outro, perdendo por um ponto, a nove segundos do final, inventa uma jogada, bastando uma cesta de dois pontos para vencer a partida, concluída brilhante e disciplinadamente pela equipe, se entende bem o porquê de estarmos no fundo de um poço sem fim…

 

Indo mais um pouco além, constatamos a continuidade da mesmice endêmica técnico tática que nos tem sufocado, sem qualquer esperança de uma retomada qualitativa que nos redima, vendo a cada rodada da liga maior nacional crescer o número de erros de fundamentos, hoje na média de 26 por partida, com picos absurdos como os 38 de Brasília x Vitória, e os 36 de Minas x Ceará e Vasco x Macaé, sem contar as convergências entre arremessos de 2 e 3 pontos, cada vez mais presentes no campeonato transformando-o numa competição de tiros de fora e de egos inflados dentro e ao lado das quadras, emulando para bem pior o exemplo da matriz, fartamente veiculada por aqui, com seus Curry’s pontuais, que muito em breve estarão superados pela natural evolução defensiva que já se faz notar no hemisfério lá de cima…

Brevemente, em 10 de março próximo, uma nova (ou não) direção assumirá a CBB, falida e desmoralizada, que exigirá um trabalho hercúleo para soergue-la,  financeira e administrativamente, mas que terá algo maior a realizar, o soerguimento técnico, razão básica  de sua existência confederativa, que precisa ser radical, pontual, cirúrgica em todos os sentidos na sua atual liderança e agregados recursos humanos, sem contemplações, a mínima que seja, pois tiveram mais de vinte anos de “projetos e eficiência” que nos levaram ladeira abaixo, porém abrindo as portas à discussão democrática e plural, na busca de novos caminhos, novas idéias, novos rostos, respeitando o regionalismo deste gigante país continente, buscando líderes pelo mérito de seus sacrificados estudos e trabalhos na educação através do desporto, do grande jogo, afastando de vez o protecionismo, o escambo, o maléfico corporativismo que aí está refestelado na impunidade e no mais dos abjetos descasos junto a nossos jovens, e porque não, na elite também…

Torço, como sempre torci pela volta do bom senso, o que já seria uma grande plataforma de relançamento do verdadeiro basquetebol brasileiro, e não esse pastiche que aí está, e que mesmo assim já se posta na mira dos ladinos e chacais travestidos de basqueteiros, o que nunca sequer pensaram em ser, pedindo aos deuses que nos protejam de todos eles…

Amém.

Fotos – Reproduções de jornais. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.

O QUE COMENTAVAM EM 2010…

454_27.27.2013_37977_ef_20130612-660x400

Nosso basquete está em alta, dizem os especialistas, subindo em audiência e presença (claro que na Arena da Barra não conta…), com transmissões nas TVs aberta e fechada, na WEB, em blogs (proporção de 20 -1 para a NBA), e até em alguns artigos na mídia impressa, ensaiando aqui e acolá um movimento de reconquista pelo segundo lugar na preferência popular, ainda precoce, mas que impressiona bastante…

Um destes veículos informativos, exatamente aquele incluído no painel da LNB, o  Territõrio NBB, que discutia e reportava os aspectos técnicos e táticos das equipes, com suas seleções da rodada, entrevistas e editoriais, deixou de circular, sendo substituído por uma página denominada Chuá, graciosa e popularesca, mas que soma muito pouco, ou nada, para o desenvolvimento técnico do grande jogo, num momento pós olímpico decisivo para o crescimento da modalidade no ciclo que se inicia para 2020…

Tenho postado teimosa e seguidamente aqui nesse humilde blog, artigos técnicos, dos fundamentos às táticas, aos sistemas defensivos e ofensivos de jogo, sempre preconizando pelo novo, pelo inusitado, pelo criativo, pelo corajoso, levantando uma premissa, uma bandeira, defendendo a tese de que somente voltaremos ao cenário internacional no momento em que passemos a jogar de forma diferenciada do basquete globalizado e pasteurizado que aí está, largamente difundido pelas redes comprometidas com o modelo NBA, como se fosse o mesmo o supra sumo do jogo, quando o é pelo fator comercial e financeiro, poderoso e hegemônico, tornando-o inalcançável sob esses padrões…

Mas muito além das postagens aqui publicadas, um outro fator as enriqueciam, o fator prático em quadra sucedendo teorias estudadas e pesquisadas por muitos e muitos anos, em equipes de base e adultas, sempre divulgando e ensinando suas aplicações práticas, divulgando-as na medida do possível, pois tecnologias custam caro, estando além dos limitados recursos de um professor. Por isso, a página técnica da LNB faz tanta falta, pois de gracinhas bastam as transmissões e comentários da grande maioria da turma que pensa estar transmitindo um jogo, quando na realidade o tem transformado em um “alegre” momento de descontração, bem típico do pouco que entende e domina os meandros do grande jogo…

E foi numa das páginas daquele espaço perdido, que reencontrei uma matéria, sobre o até hoje, sete anos depois, único sistema de jogo que ousou quebrar a mesmice endêmica que já se instalava no NBB2, que é mantida, e agora, profundamente sedimentada, com pouquíssimas exceções, em nosso indigitado basquetebol, vítima indefesa dos estrategistas com suas infames pranchetas, da praga autofágica dos arremessos de três, da busca desenfreada pelas enterradas “monstros”, do corporativismo que elimina toda a possibilidade de quebra do que aí está implantado, mas que tenta copiar, ou adaptar, ou mesmo inventar soluções canhestras do que foi experimentado naquele NBB2. Estamos no NBB9, e pouco ou nada foi mudado de verdade, a não ser o olho gordo na vaga do hermano que se foi, para, enfim, gloriosamente inaugurar a era  Curry entre nós, especializados que pensamos ser na fina arte do arremesso de fora, aquele que nivela talentos com medíocres, aqueles que transformam o grande jogo num concurso de tiro aos pombos, pela incapacidade de dominar os fundamentos, o drible, os passes, as fintas, os rebotes, a defesa, as corridas e paradas pluridirecionais, os bloqueios, o coletivismo, o conceito de equipe, e não do estrelismo a que estão levando o basquetebol, através daqueles que ainda teimam transformar um jogo coletivo em individual, era inaugurada no pós pan americano de Indianápolis, e hoje venerando sua continuidade “via Curry”. Por que preocupações com “detalhezinhos” como os tais fundamentos, se lá de fora tudo pode ser resolvido, ou não? Claro, claríssimo que se a grande maioria das equipes pensa dessa forma, a relação erro/acerto se torna bem distribuída, gerando esses monstrengos apelidados de “emocionantes e sensacionais” jogos, onde a técnica, noves fora…

Enfim, se esse é o caminho que a confraria corporativada destina para o nosso infeliz basquetebol, jamais o foi, e jamais será o meu, fato que um dia remoto de 2010 o Território NBB reconheceu ao publicar esse artigo lapidar…

E inserido no texto duas outras matérias são mencionadas e publicadas, que valem a pena recordar, junto a uma outra do Bala na Cesta , e essa outra que publiquei desafiando a turma a mudar nossa maneira de jogar, no que fui solenemente esnobado, mas “lembrado” com a adoção da dupla armação e os alas pivôs móveis, adaptados ao sistema único, bastante diferente à fluidez original que testei naquele NBB2. e que infelizmente não me foi permitido dar continuidade a um trabalho realmente inovador, que teria ajudado bastante no desenvolvimento tático do grande jogo em nosso pais, antecipando em cinco anos o que aplaudem hoje nas performances do Warriors no  quesito fluidez ofensiva, porém sem a orgia dos três, que avidamente herdamos. Duvidam?   Eu não, jamais, e o provei…

Amém.

Foto – Divulgação CBB, Clique na mesma duas vezes para ampliá-la.

 

 

O INDEVASSÁVEL LIMBO…

P1140503

Nos últimos 60 anos assisti e participei de inúmeros jogos entre Vasco e Flamengo, em todas as divisões, da base a elite, em ginásios acanhados e grandes arenas, sempre bem disputados, quentes, aguerridos, mas jogados dentro das regras do jogo, dentro e fora das quadras, com torcidas participantes, mas nunca agressivas, como as de hoje, produtos diretos do futebol, com sua delinquência marcante e perigosa, acoitadas e apoiadas por dirigentes interessados politicamente nas mesmas, coercitivas e voltadas aos interesses continuístas daqueles que as patrocinam desde sempre. Invadiram os ginásios, com sua insânia despropositada, porém voltadas aos resultados positivos a qualquer preço, incentivadas a pressões sobre as arbitragens e aos adversários por técnicos comprometidos com a vitória, e somente a vitória, ao preço que for…

Então, assistimos com transmissão televisiva aberta e fechada (um luxo…), numa arena para 16 mil pagantes, a duas das mais representativas equipes “de camisa” do país, se defrontarem no maior campeonato nacional para…ninguém, absolutamente ninguém em suas suntuosas bancadas, por obra de um grupo criminoso incluso profundamente nas “torcidas organizadas”, afastando jovens e famílias do convívio desportivo, numa apropriação miliciana de um direito democrático a que todo amante e apreciador do esporte sempre teve o direito de participar…

Solução? Sim, somente uma, a responsabilização e afastamento deste câncer das quadras, juntamente com os que os patrocinam, conhecidos que são, de longa data, punindo determinados técnicos e dirigentes que os insuflam durante os jogos, com a desculpa de que mobilizam o “sexto jogador” em quadra, recurso manjado e perigoso para aqueles que não enxergam nada além do que a vitória nem sempre justa e merecida…

Houve um tempo, de que participei, em que faltas técnicas eram endereçadas a torcidas beligerantes, e que quase sempre freavam seus ímpetos agressivos, que poderiam causar a perda do jogo para sua equipe, hoje restritas a objetos lançados a quadra, se reconhecida sua origem…

Recentemente, nas olimpíadas aqui no Rio, assisti a um jogo explosivo entre Brasil e Argentina, numa arena completamente tomada por ardentes torcedores de ambos os países, creio, inclusive, com mais argentinos que brasileiros, e que transcorreu dentro dos padrões da mais alta competição, não havendo sequer uma agressão entre os torcedores, num belo exemplo de civilidade e educação desportiva. Dias atrás, numa arena vizinha, ocorreu exatamente o inverso, já que vazia e triste, para um espetáculo mais vazio e triste ainda, protagonizado pelas equipes alcunhadas pela marca do “clássico das multidões”, irônico, não?…

Nosso infausto basquetebol pena para valer seu limbo indevassável, agregando cada vez mais seu monocórdio destino, atrelado firmemente a mesmice endêmica técnica e tática, onde a média de erros de fundamentos  já ultrapassa os 27 por partida, e a avalanche incontrolável dos arremessos de três raia ao inconcebível, como no recente Paulistano x Mogi, com os seguintes números – 12/24 arremessos de 2, e 12/37 de 3 para o Paulistano, contra 16/24 e 11/35 respectivamente para o Mogi, vencedor da pelada por 78 a 77. Por que pelada? Exatamente pelos 30/52 arremessos de 2 e os inacreditáveis 23/72 de 3, numa prova cabal de absoluta falta de comando, estratégia e tática primária de jogo numa liga maior, onde o primado básico da defesa inexiste, assim como a capacitação técnica arremessadora mais ainda, lamentável…

Finalmente, e mais ainda comprometedor ocorrerá no próximo dia 2 de fevereiro na sede da FIBA na Suiça, onde dirigentes atuais e futuros da CBB serão arguidos sobre o amanhã do grande jogo em nosso enorme e injusto país, que infelizmente vê seu comando contestado pela federação maior, atestando toda sua incúria e capacidade diretiva eivada de equívocos e comprometedoras gestões, beirando a desonestidade, compadrio e corporativismo até certo ponto criminoso. Quem sabe, sob nova direção possamos alçar novos voos, se observarem uma regra primária de administração, o envolvimento e comprometimento com o realmente novo, dirigentes, ações, gerências, sistemas e estratégias, não dando guarida aos vícios, aos viciosos e oportunistas, todos aqueles que se escondiam e ainda se escondem sob o manto do anonimato político, do apoio interesseiro, falsas eminências pardas prontas para o bote ao butim, e sim prestigiando aqueles que sempre propugnaram pelo novo, pelo corajoso, pelo audacioso, embasados pelo estudo, pela pesquisa séria, pelo trabalho inovador, pelo conhecimento teórico e prático, pela honestidade, de cara lavada, sempre, e acima de tudo, pelo mais autêntico e inabalável amor e respeito pelo grande, grandíssimo jogo.

Amém.

Foto – Reprodução da TV. Clique na mesma duplamente para ampliá-la, na dimensão exata de sua contundente realidade e crueza.

O ESCATOLÓGICO ACHISMO…

165058_b_ball_Naismith355x325-001

Eis-me de volta para mais um ano de presença ante o grande jogo, para satisfação de uns poucos, e muita raiva e desprezo da maioria, principalmente daqueles que consideram a data de seus nascimentos coincidentes com o do basquetebol, negando o pequeno espaço de tempo que os separam de um certo James Naismith que o inventou um pouquinho antes, em 1893…

Pois é, já fazem treze anos que aqui estou nesse humilde espaço, teimando em pesquisar, estudar e reverenciar os que me antecederam na estrada de pedras, depois de a percorrer por mais de 50 anos, aprendendo muito mais do que ensinando, perdendo mais do que ganhando, trabalhando muito além do exigido, como todo professor e técnico que se preze, ainda mais quando natural de um país que não o valoriza, relegando-o às sobras de verbas gastas em suntuosidades megalópicas, onde o roubar se tornou endêmico, onde a ignorância é imposta como projeto político, onde os valores culturais e a ética se tornaram dispensáveis…

Então, creio ter justificado alguma ausência no espaço, não pela idade que alcancei, mas pela mais absoluta falta do que mais prezo, e sempre propugnei, apliquei e desenvolvi fora e dentro das quadras, a permanente e incansável busca pelo novo, pelo inusitado, pelo desafio, única forma de manter a mente e o espírito alertas, desde sempre, não só em mim, mas principalmente, nos alunos e atletas, que os tive a perder de conta, porém lembrados e cultuados, cada um deles, dos quais tenho imensas saudades…

Vamos então a alguns fatos, mesmo aqueles que me desagradam, que ferem o bom senso, que magoam os sentidos, que ofendem o grande jogo:

– Comecemos com o NBB, onde a insânia dos três pontos nunca esteve tão presente, fruto da inexistência defensiva fora do perímetro, preocupados que estão estrategistas e jogadores com a evolução dos atuais homens altos dentro do mesmo, quando defendê-los pela frente, numa verdadeira e lateralizada linha da bola, criaria o equilíbrio de forças necessário à contestação dos longos arremessos, fator técnico de difícil e complexo aprendizado, sendo por isso mesmo o grande prêmio a ser alcançado pelos verdadeiros praticantes do grande jogo, tanto os que aprendem, como os que ensinam. Alguns números emprestam a relevância a esse princípio, como os acontecidos em jogos recentes, onde num Ceará x Bauru, 23/68 foram os arremessos de dois pontos, contra 28/70 de três, ou num Mogi x Ceará, com 29/60 de dois e 31/78 (isso mesmo, 78 arremessos de três!!!!!), e muitos jogos com mais de 50 tentativas de fora, numa autofagia indescritível de ruindade basquetebolistica, tudo somado a média absurda de 25 erros de fundamentos por jogo, salvo muito poucas exceções. Duvidam? Façam as contas, por favor…Ah, um exemplo derradeiro? Paulistano x Vasco, 29/63 de dois, 20/55 de três e 25 erros de fundamentos. Definitivamente tem algo de errado com nosso basquetebol…

– Em dois meses acontecerá a eleição na CBB, onde duas chapas já declaradas e oficializadas se defrontarão dentro de regras estatutárias, retrógradas e viciadas, porém com um fator novo, o de uma delas ser composta por pessoas fora do contexto da casa, que garantiu anos e anos de um continuísmo destruidor de tudo aquilo que garimpamos duramente por anos e anos de trabalho, formada por pessoas ligadas a modalidade, mas não pertencente a situação, que se vencedora for, quem sabe, impulsionará o grande jogo a tempos melhores e mais sadios, se além de se ater ao implemento de modernas técnicas gerenciais e de desenvolvimento massivo, se dedicar ao verdadeiro óbice que nos estrangula a quase três décadas, o fator técnico, que no frigir dos ovos, é a verdadeira função confederativa, dolosamente esquecida e vilipendiada pela política do escambo, do apadrinhamento e do corporativismo de uma minoria lá encastelada, onde os interesses pessoais e econômicos se sobrepõem ao jogo em si, ao grande jogo…

Finalmente, não posso nem devo deixar passar uma preocupante tendência, a da elevação de um outro jogo, com regras próprias, com interesses hegemônicos, não só esportivos, como comerciais, políticos até, de outro país, junto a nossos jovens, com promessas de transmissões em rede aberta, eivado de comentaristas amparados e escorados por toneladas de computadorizadas informações, nas TVs e na internet, onde comentam “a fundo” o que absolutamente não conhecem no sentido prático, num escatológico achismo que fere de morte o nosso ainda cambaleante NBB, este sim, tão necessitado de discussões opinativas visando seu desenvolvimento técnico e tático, e que pertence a uma realidade antítese daquela que tentam nos empurrar a fórceps, bem sabendo que é um produto de outra espécie de sociedade, resultante de políticas educacionais e culturais inexistentes aqui, numa forçação de barra profundamente irresponsável e até certo ponto, perigosa…

Conheço a NBA desde os anos sessenta, quando lá estive estudando, e desde aquela época concordava não ser aquele o caminho que deveríamos trilhar, pois totalmente fora da nossa realidade esportiva, educacional, econômica, cultural e política, não fosse àquela época, em plena convulsão racial, ser nomeada embaixadora americana para os países do mundo a equipe dos Harlem Globetrotters, na tentativa governamental de atenuar os graves efeitos da integração no plano socioeconômico fora de suas fronteiras, pois somente o basquetebol tinha penetração mundial, e não os restritos football (o deles), baseball, ice hockey. Hoje os interesses são outros, todos de bases mercadológicas, sem dúvida alguma…

Bem, fico por aqui, prometendo ser mais presente aqui no blog, já que grandes eventos nos aguardam, mas que não sejam jogadas monstros, tocos, e hemorragias dos três. O grande jogo merece coisa melhor, bem melhor…

Em tempo – Agora mesmo assisti a partida Mogi x Bauru, descrita como da mais alta técnica, incensada e comentada como o verdadeiro basquete brasileiro, mas que apresentou ao seu final estes inacreditáveis, comprometedores e constrangedores números – 36/52 arremessos de 2 pontos e, acreditem, 19/72 de três, com a equipe perdedora do Bauru perpetrando 13/19 de 2 e absurdos 10/42 de 3, sendo que num dos pedidos de tempo o técnico da equipe pediu jogo mais no interior do perímetro, sendo demovido pelos jogadores que optaram pela artilharia insana de fora, tudo isso emoldurado por 24 erros de fundamentos. Inacreditável…

Amém.

Foto – Foto captada na internet. Clique na mesma para ampliá-la.

 

A MESMICE CONFRONTADA…

P1040088-001

E de repente já não me sinto tão sozinho nessa inglória luta, depois de garimpar o texto abaixo do técnico Marcus Hygino curtido pelo Miguel Palmier (dois que jamais se esconderam ou se camuflaram no anonimato) no Facebook, fazendo eco ao que publico a anos nesse humilde blog, apontando o verdadeiro fator que nos tem levado ladeira abaixo nas competições internacionais de relevo, e não esses torneios meia boca contra equipes que se encontram em aeroportos, jogando em ginásios semi desertos, num carrossel de mesmice técnica que bem reflete nossa realidade, da base a elite, onde a criatividade, o improviso consciente e o coletivismo baseado nos fundamentos, nos sistemas corajosos e inovadores, se perdem na mediocridade e ausência quase total de sólidos conhecimentos sobre o grande jogo, por parte de uma geração de estrategistas com suas midiáticas pranchetas que expõem o seu real, confiável e convincente domínio dessa complexa modalidade, ou seja, muito, muito pouco, quase nada…

Somemos a essa indiscutível evidência o apoio indesculpável de uma mídia surda e cega aos palavrões cada vez mais frequentes nos pedidos de tempo, acompanhados de gritinhos e esgares “motivacionais”, folclóricas dancinhas ao lado das quadras, insufladas e propositais pressões nas arbitragens, levando um perigoso e irresponsável recado a torcidas cada vez mais agressivas, completamente ao largo dos princípios éticos esportivos inerentes ao grande jogo desde sempre. E nesse ponto, vamos ao texto do Marcus:

O que acontece com os técnicos de basquete que atuam no Brasil? Pude ver, praticamente todos os jogos do NBB, tanto na Band, quanto no Sportv. Não sei se algum de vocês escutaram falar do termo, “TUDO JAPONÊS”, pois é, as equipes da NBB, com raríssima exceção por causa de um ou outro jogador, utiliza muito bem esse jargão! Que isto? Se mudar todas as equipes de camisa, vamos observar que todos, mas absolutamente todos fazem a mesma coisa. Não se vê um contra ataque, não se vê uma transição bem feita, não se vê nenhum jogo sem bola, não se vê nenhuma equipe abrindo espaço no 5 x 5, só se vê finalizações descabidas e totalmente erradas pro momento do jogo, equipes em quadra sem tesão de jogar, pivot toda hora saindo pro chute, feio, tudo muito feio! Com raras exceções( por isto que o Marcelinho Machado jogará até os 60 anos), jogador não sabe nem utilizar o passe adequado, driblam em demasia e todo final de ataque, digo TODOS OS FINAIS de ataque são fechados em 1 x 1! E para finalizar, avisem a todos os técnicos que a utilização da “PRANCHETA”, não é obrigatório, é um recurso de auxílio em situação especial! Passa a ser ridículo e cômico, como em todo tempo técnico, só passam orientações na dita cuja!

Creio que nada mais precisa ser dito…

Amém

Foto – A imagem do caos. Reprodução da TV.

 

A ARTE DE ENSINAR…

Falando de fluidez em ações e movimentos, situações que devem e podem ser treinadas, ensinadas por quem realmente as dominam didática e praticamente, eis um exemplo de alta qualidade na dança moderna, que pode e deve ser emulado, por exemplo, no ensino do drible, das fintas, dos passes, dos arremessos, da defesa, enfim, dos fundamentos no basquetebol, em vez de exigi-los através rabiscos desconexos numa primária e descerebrada prancheta. Que fique o exemplo de competência na arte suprema de ensinar.

https://www.facebook.com/andrea.raw/videos/10211329942546598/

Com a palavra os “estrategistas” de plantão…

Amém.

Video – Clique no link acima, amplie para a tele cheia e aprecie o que venha a ser um sequenciamento didático visando a fluidez de movimentos.

CONSTATANDO, LAMENTANDO, SUGERINDO…

RecuperaImagemRecortada-003

Finalmente aconteceu o que nunca deveria ter acontecido, na medida em que toda aquela “ gente” escondida e escamoteada pelo anonimato nas mídias “ especializadas” da modalidade jamais teve a coragem de lutar aberta e responsavelmente pelo grande jogo, dando as suas abençoadas caras aos tapas da dolorosa realidade que agora expõe e fragmenta nosso indigitado basquetebol, finalmente lançado ao colo de um COB voleibolista, e de um ME absolutamente incompetente, ambos politicamente alinhados ao desporto de “ alto nível”, em um país que ainda discute se a educação física deve ou não pertencer ao currículo básico das escolas no país. Agora mesmo, a Finlândia acaba de estabelecer seu currículo básico, tornando somente três disciplinas obrigatórias, a linguagem, a matemática e a educação física, claro, por não ser uma nação de primeiro mundo, como o nosso imenso,desigual e boçal país…

Se até o momento do desenlace dessa imensa tragédia, coube ao COB e ao ME financiarem a permanência da atual administração da CBB, injetando vultosas verbas, garantindo a incúria e descalabro lá existente, tornando por isso impossível sua capacidade de retornar ao lugar de segundo desporto no gosto popular do brasileiro, lugar este tomado desde a perda política do patrocínio do BB, fator crucial na escalada técnica do vôlei, feita e concretizada por excelentes técnicos de quadra, inteligentemente voltados ao alto nível, e distantes da formação massiva de base, já que regiamente forrados de verbas federais…

Muitos poucos lutaram às claras contra toda essa enxurrada de desacertos e incúrias administrativas, capitaneadas por elementos despreparados e totalmente voltados aos seus interesses pessoais, monetários principalmente, lá colocados por um colégio eleitoral fechado e comprometido com as benfeitorias irmãmente distribuídas, todos garantidores, por suas incapacidades, do domínio e reinado quase absoluto da nova “ paixão” do povão, o voleibol, que na recém finda olimpíada somente alcançou a quinta posição na preferência da torcida brasileira, mesmo sendo campeão, vendo o estraçalhado basquetebol na terceira…

Muito bem, o grande jogo estará até 2020 nas mãos da FIBA, do COB e do ME, ou seja, em nada evoluiremos em projetos de base, de massificação, de desenvolvimento escolar, pois sequer o MEC estará presente, ausente que teima em estar quando frente a desafiadora indústria do corpo, maleficamente instalada nesse imenso e desigual país, quando a perda da sua monumental clientela juvenil jamais poderá ser colocada em jogo, com projetos de educação física em escolas e universidades, jamais, pois é muita grana a ser conquistada, ao preço que for, mesmo que às custas da ignorância de seu povo…

Mas algo, mesmo emergencial, ainda poderia ser tentado, antes que pudéssemos dar o definitivo salto para dias melhores, que hão de vir, que terão de vir, sob o preço de afundarmos definitivamente no terceiro mundismo, algo que poderíamos fazer para dirimir, ou mesmo equilibrar a votação federativa espúria e de cartas marcadas, que tanto empobrece o cenário desportivo nacional, tornando realidade a possibilidade de indicarmos verdadeiros representantes, que elegeriam o poder confederativo de uma forma mais evoluída e equânime, já que democraticamente mais estável, o aumento da massa votante, dando às associações de técnicos estaduais, que deveriam ser estabelecidas sob a égide e orientação técnico administrativa por uma de caráter nacional, também votante, somadas a dos árbitros, todas fazendo companhia a dos jogadores, que faz parte do colégio eleitoral confederativo. Teríamos os atuais 28 votos acrescidos de mais 29 regionais mesmo, criando o salutar equilíbrio de forças atuantes no soerguimento do grande jogo no país…

Sexta feira agora, dia 25, a ABTT fará realizar em São Paulo, no Hotel São Paulo Inn Loft, das 10:00 às 14:00hs, um congresso para discutir as questões mais determinantes para o soerguimento da modalidade, e, se tivesse sido convidado, seria a proposta acima que exporia naquele plenário. Mas como bem sei que não o serei, sugiro que ao menos estudem a proposta acima, que garanto ser perfeitamente realizável, tendo como precedente condição o direito a voto da associação de jogadores, e nada mais objetivo e plausível que, no espaço temporal que nos separa de 2020, quando cessará a intervenção tríplice, não tenhamos a oportunidade e competència de termos uma associação de técnicos organizada nos 27 estados da federação, que somadas a nacional e a existente dos árbitros, duplicássemos o colégio eleitoral, dotando-o do equilíbrio fundamental ás escolhas geridas pelo mérito, pela experiência e pela comprovada competência.

Seria essa a minha colaboração aqui publicada neste humilde blog.

Amém.

Foto – Reprodução da TV. Clique duas vezes na mesma para ampliá-la e acessar a legenda.