O ESPECIALISTA (From Dublin)…

         Neste último dia de Europa, aqui do aeroporto de Dublin, aguardando o voo de volta para casa, me veio a ideia de tornar a discutir o que venha a ser um especialista nos longos arremessos de basquetebol, assunto este que suscita tantos debates, num momento em que estamos jogando fora do perímetro praticamente em mais da metade do tempo de jogo, numa temerária aventura que nos tem levado ladeira abaixo no concerto mundial, e que na continuidade, nos manterá fora de um futuro vencedor, como a turma adepta do “chega e chuta” nos ilude em alcançar…

No artigo passado, algumas colocações foram comentadas por pessoas ligadas profundamente ao basquetebol, mas uma em particular, um real especialista nos longos arremessos (em sua época ainda não existiam os arremessos de três pontos), o grande Sérgio Macarrão, medalhista olímpico, tio de outro especialista, o Marcelo, grande campeão do NBB, jogando pelo Flamengo…

Vale a pena ler seu comentário no artigo em questão, pois define com precisão a real importância dos arremessos de três pontos, sob a ótica precisa do bom senso, pela priorização que obrigatoriamente deve ser dada ao especialista, e somente a ele…

Bem, sou agora chamado ao embarque, e se possível continuarei durante o voo, até já…

Estando de volta, a 11km de altura, continuemos o raciocínio, definindo uns poucos conceitos, começando pela precisão nos lançamentos, ou como define o Sérgio, “só arremessa de três quem mete bola”, sugerindo de saída uma questão – “o que torna um jogador num metedor de bola?” Será o mesmo espontâneo ou treinado? Em meus mais de 50 anos de quadra, conheci poucos reais e autênticos “metedores de bolas”, e o Sérgio foi um deles, outros mais como o Dutrinha, o Pecente, Waldir Bocardo, Wlamir, Rosa Branca, Vitor, Chuí, Oscar, Marcel, e mais uns poucos que me falham na lembrança, fizeram com que me orientassem à pesquisa dos porquês eram tão eficientes, originando minha tese doutoral, da qual pincei detalhes publicados nesse humilde blog, na série Anatomia de um Arremesso de I a VI, facilmente encontrada digitando no espaço Buscar Conteúdo…

Claro que não testei nenhum dos acima mencionados, mas outros pertencentes às equipes nacionais de Portugal, quando desenvolvi a pesquisa na Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa, onde pude relacionar a precisão na direcionalidade dos arremessos com os diversos tipos de pegas sobre a bola, num trabalho que, com a mais absoluta fidedignidade, define quem realmente domina a arte dos longos arremessos, garantindo serem muito poucos, derrubando fragorosamente a tese modal de que qualquer jogador pode ser eficiente nas grandes distâncias, bastando se sentir livre e autorizado a fazê-lo…

Vale a pena ler os artigos, para entender de forma definitiva o quanto de desperdício e eficiência temos alcançado, nessa estúpida e selvagem hemorragia em que estamos transformando o grande jogo, onde técnica e tática se prostituem substituídas por arrivismos, aventuras e irresponsabilidade proposital, em nome de um pretenso e falacioso “conceito moderno de basquetebol”, que nada mais é e representa do que uma mesmice endêmica institucionalizada, aceita por técnicos, jogadores, dirigentes e muito da dita mídia especializada, alheios a verdadeira essência do grande jogo, onde em nome do espetáculo (e que rapidamente vem se transformando em autêntica palhaçada), tudo deve ser permitido, inclusive quanto às regras (que é uma realidade bem conhecida na NBA), e que vem sendo adotado por aqui também…

Longos arremessos à parte, outros fatores merecem atenção de todos aqueles que amam o basquetebol de verdade, como a falibilidade nos fundamentos básicos, a forma semelhante e pasteurizada de jogar das equipes da liga, espelhando negativamente na formação de base, em exemplos que nunca e em hipótese alguma deveriam ser continuados, assim como descontinuado deveria ser esse caudal autofágico em que vem sendo transformado o grande jogo, através a artilharia absurda e descerebrada dos três pontos, das narrações e comentários que não refletem a realidade da competição, sem que, em nenhum momento algo de inovador possa ser admitido por um corporativismo inamovível e terminal…

O Sérgio tem razão, pois só mete bola quem sabe fazê-lo, assim como só planeja, pesquisa, estuda, ensina, treina e compete, quem conhece o grande jogo no seu cerne, sem esgares e dancinhas, sem coerções e agressividade gratuita, despidos de marketing e poderosos Q.I.s, sem midiáticas pranchetas, e sem rezas para que as bolinhas caiam, nacionais ou estrangeiras…

Daqui a pouco chego ao Rio, com muitas saudades de casa, porém temeroso do que se avizinha do nosso tão amado e judiado basquetebol…

Amém.

Foto – Arquivo pessoal.

O CHEGA E CHUTA NÃO PODE CONTINUAR (From Lisboa)…

Joao, eu e o ex-técnico da seleção portuguesa José Curado, na bela Lisboa.

    Tive problemas na conexão com as emissoras de Tv que transmitiram o jogo final entre Flamengo e Franca, aqui em Lisboa. Falhou o programa que as disponibilizariam pela internet, ficando somente com as estatísticas para tentar compreender um jogo tão importante como esse…

Sei que nada substitui a observação direta, mas pelo que conheço do grande jogo praticado no país, com sua mesmice enraizada desde sempre, ouso tecer alguns comentários tornados muito claros, a luz de alguns números que se repetem teimosamente a cada jornada, sejam quais forem os campeonatos disputados, e este, certamente não seria diferente, a começar, pela marcante evidência de ter sido mais uma pelada onde o chega e chuta se revelou assustador, pois ambas as equipes perpetraram um 25/58 arremessos de 2 pontos, e 21/64 de 3 (13/41 para o Flamengo e 8/23 para Franca), diferença para menos que deu a vitória a Franca, sem margens para qualquer tipo de discussão, pois se torna absolutamente inadmissível que uma equipe da elite do basquete tupiniquim, se submeta a números escrachantes, como arremessar 25 bolas de 2 e absurdos e comprometedores 41 arremessos de 3, mesmo convertendo 13 deles, com seus dois armadores, aqueles que deveriam abastecer ao extremo seus bons alas pivôs no jogo interno, ação inteligente de Franca com seus 18/33 nos 2 pontos, contra 11/25 do Flamengo (sim, estrategistas de plantão, se vencem jogos de 2 em 2 e 1 em 1), para cometerem um 3/16 devastador (2/7 para o Balbi, e 1/9 para o Derek), e ai vai mais uma continha sempre e sempre esquecida pelos mesmos, pois bastaria os dois substituírem a metade de suas tentativas perdidas de 3 pontos (8 tentativas), optando pelas de 2 pontos, em DPJ’s ou penetrações visando faltas ou assistências curtas para seus alas pivôs, que venceriam o jogo, pois ao contrário do analista do jogo semifinal, apontando o Derek como um especialista nos longos arremessos, mencionando o fato de que estando livre sua eficiência era absoluta, fica mais do que evidente que uma performance de 1/9 não o gradua como especialista, que na realidade nunca foi, e sim um bom armador…

Concluindo, Franca investiu corretamente no jogo interior (arremessando 18 bolas de 3 a menos do que seu oponente), provocando mais possibilidades de sofrer faltas pessoais, convertendo 17 lances livres contra 12 do Flamengo, vencendo por 4 pontos a partida e o torneio, ao contrário de seu oponente que optou pela artilharia desenfreada e descerebrada de fora, indo para as calendas gregas, carpir erros inadmissíveis a uma equipe montada para “vencer todas as competições em que participaria”, segundo declarações de seu estrategista quando a assumiu, e que a cada competição mais aposta e libera o chega e chuta cada vez mais institucionalizado neste imenso, desigual e injusto país. O croata deve estar com as barbas de molho ante tal e brutal evidência, e com a companhia de dois dos maiores adeptos de tanta insânia, como seus auxiliares técnicos, mais ainda…

Que os deuses nos socorram para as importantes competições que nos aguardam, pois de minha parte, se nada for radicalmente mudado, teremos sérios problemas…

Amém.

Almoço com o José Curado e o filho Joao

UM EXERCICIO HIPOTETICO EM 2011 (From Dublin)…

Saiu a convocação inicial da seleção masculina para os jogos contra o Uruguai, com a esmagadora maioria de jogadores que atuam no NBB, numa iniciativa alvissareira do técnico croata, a muito tempo aguardada, e de extrema importância para o futuro do grande jogo entre nós, ansiosos e esperançosos em dias melhores para o nosso combalido basquetebol. Revendo antigos artigos aqui publicados e largamente comentados, sugiro a releitura deste, de 2011, onde num hipotético exercício respondo a um questionamento colocado pelo excelente jornalista Giancarlo Gianpietro sobre uma situação convocatória análoga a de hoje, num instigante exercício de futurologia, quando a menção de dupla armação e três alas pivôs atuando no perímetro interno, soava como algo sacrílego e absurdo. Quem sabe já não se pense daquela forma, quem sabe…

UM EXERCÍCIO HIPOTÉTICO…

quarta-feira, 1 de junho de 2011 por Paulo Murilo

  • ·  Giancarlo (Ontem).

Olá, professor,

Consegui acompanhar os últimos dois jogos da final do NBB, perdendo os demais por incompatibilidade de horários. Mas segui seus comentários aqui, não sem alguma surpresa. De Franca eu até esperaria alguma cautela ofensiva, algum tutano. De Brasília, não mesmo.

Pois aí veio essa avalanche do jogo derradeiro, sem surpresa alguma, claro. E acho que chegou a hora de se botar os pingos nos ‘is’, como sua pergunta no artigo sugere.

Não estamos falando de garotos intempestivos. São veteranos incontroláveis, mesmo. Não tem jeito. Que espécie de disciplina é necessária para enquadrá-los? Já foram vários os técnicos que passaram no comando, e nada de conter esse ímpeto desenfreado de atirar toda e qualquer bola para a cesta, não importando o contexto da partida, a posição em quadra.

Do trio Nezinho-Alex-Giovannoni, o único que se segurou em quadra foi o Alex, alguém que dá bastante trabalho fora dela pelo jeito ‘brabo com muito orgulho’ de ser. No fim, porém, essa atitude ao menos o torna um marcador muito bom, por não temer o confronto com ninguém, não importando sua estatura, mas, sim, a agilidade, força e, especialmente, seu empenho e coragem.

Os outros dois? Vejo problemas sérios, incorrigíveis, embora de naturezas diferentes.

Especialmente no caso do ‘armador’. Quando os holofotes estão acesos, como no caso de uma final de NBB, ele não se controla. Adora o jogo mano-a-mano, massageando a bola sem parar, numa postura que lembra até mesmo os pretensos jogos And-1. Quer ser o cara, quer dar show e, no fim, o pior: não vai para a cesta, não vai desafiar os marcadores lá dentro, contentando-se com os arremessos completamente tortos (em sua forma) e desequilibrados a dois passos da linha de três pontos. Um (em uma dúzia) cai, e basta para ele se realizar. Espero que Magnano não caia nessa barca furada mais uma vez. Pois, sem a turma da NBA, o Huertas vai precisar pontuar mais e precisará de um segundo armador ao seu lado capaz de lhe dar um descanso e de facilitar sua vida também. Penso que o argentino valorize a velocidade do Nezinho, pensando na marcação pressionada de quadra inteira ou meia-quadra, mas, se ele resume o substituto de Huertas a esse papel, nosso Eric Tatu cumpre com essas funções com muito mais eficácia.

Quanto ao Guilherme, não é de hoje… Sua vocação é de cestinha, de pontuador. Não há dúvida de que tenha um arremesso de três invejável, regular, dificilmente ele muda os movimentos, o que mostra muito treino da sua parte. Porém, é um desperdício de seu jogo de pés e movimentos internos, que não encontraram resposta da defesa francana em muitas ocasiões. No fim, seu talento, tal como o do Marcelo Machado (não cabe mais o ‘inho’, né? soa estranho para alguém há tanto tempo na cena), sobra, o que cobre qualquer pecado. Em jogos mais equilibrados, contudo, ficamos deficitários. Por isso, pensando na composição de uma seleção brasileira, tenho minhas dúvidas quanto à sua compatibilidade com nossas ‘estrelas’. Penso que ele se torna um jogador que também para muito a bola. Que vai pensar sempre primeiro em arremessar do que no passe, impedindo qualquer fluência ofensiva. Não sei se precisamos de (mais um!) jogador desses no time. Se ele aceitasse jogar em doses homeopáticas, com poucos minutos e funções delimitadas, talvez pudesse funcionar. Mas não creio que sua personalidade (não estou falando de caráter) permitiria esse tipo de ajuste. Imagino que o Arthur, na função de um arremessador para quebrar defesas por zona, para situações delimitadas, serviria melhor ao time. Embora, viajando mais, o Márcio, de Franca, seja ainda melhor arremessador e, que idade que nada, segure mais as contas na defesa.

Gostaria de propor um exercício hipotético ao senhor: se não tivesse em mãos os jogadores da NBA – nem mesmo o Tiago, que já afirmou que seu destino está atado às negociações contratuais entre os donos e a associação dos jogadores -, qual seria hoje sua seleção brasileira? Imagino que nossos leitores se divertiriam, e aprenderiam também, como de praxe, com esse exercício.

Um abraço,

Giancarlo.

Esse foi o comentário do Giancarlo Giampietro, jornalista dos bons, sobre o artigo aqui publicado em 25/5/11, A Vencedora Incoerência…, onde argumenta com propriedade sobre realidades do nosso basquete, e ao final me propõe um exercício hipotético sobre como formaria uma seleção brasileira que não contasse com os jogadores da NBA, visando o pré olímpico que se avizinha na Argentina, e como técnico que sempre fui, só poderia responder como tal, como um técnico. Então, vamos lá…

Iniciando o exercício, proponho de imediato uma releitura dos artigos O que nos falta treinar I, e O que nos falta treinar II, publicados em 2005, nos quais reitero convicções e princípios de jogo, que apliquei cinco anos mais tarde no Saldanha da Gama, sem tirar nem por, rígida e pragmaticamente, obtendo alguns resultados relevantes, como esse jogo exemplar veiculado no blog em 23/3/2011, Pensando o Futuro…o Grande Jogo, assim como dois artigos que elucidam o sistema defensivo – Sistemas I- Defesa Linha da Bola e o ofensivo- Artigo 500-Falemos um pouco de táticas e Sistemas III.

Pronto, eis um retrato teórico prático do que faria numa seleção brasileira, quando algo de muito novo apresentaríamos a um universo engessado pelo sistema único que será desenvolvido por “todas” as seleções envolvidas no pré olímpico, onde adoraria ver como reagiriam a algo antagônico ao que fazem e aplicam desde sempre, com seus modelos pautados em posições de 1 a 5, e jogadas sinalizadas de forma idêntica, trocando somente os idiomas usados, num exercício explícito de previsibilidade técnico tática.  Seria formidável e instigante testemunhar tal confronto ante uma equipe cuja imprevisibilidade de ações seria sua tônica.

Ah, os jogadores que convocaria para os treinamentos? Pois não, ai está a lista inicial de 18 convocados, prezado Giancarlo:

Armadores : Valter, Benite, Helio(Franca), Rafael(CETAF),  Andre (Joinville) e Fúlvio. Para 4 vagas.

Por qualquer impedimento inicial: Eric e Raul, nessa ordem.

Alas : Teichmann, Guilherme, Alex, Douglas, Alexandre, Marcos para 4 ou 5 vagas.

Por qualquer impedimento inicial: Arthur e Alex(Bauru), nessa ordem.

Pivôs: Fiorotto, Morro, Murilo, Rafael Mineiro, Tischer, Cipolini para 4 ou 3 vagas.

Por qualquer impedimento inicial: Estevan e Probst, nessa ordem.

A equipe seria reduzida a 14 jogadores após o treinamento intensivo nos fundamentos do jogo( sem os quais nenhum sistema de jogo ofensivo ou defensivo prosperaria), até os jogos preparatórios, quando então seria definida para a competição oficial.

E estaria delineado o sistema de 2 armadores e 3 alas/ pivôs, com jogadores que aqui jogam, sem interferências, desculpas ou exigências de caráter administrativo, de saúde, ou mesmo de marketing, desenhando um momento do basquete brasileiro na busca de seu soerguimento, e servindo de referencia pontual para as gerações que os sucederiam, claro, se bem trabalhadas por quem realmente entende do grande jogo, e não a confraria que ai está.

Uma única exceção deveriamos considerar, o inegável acréscimo de qualidade que um Huertas daria ao grupo em treinamento, se o mesmo pudesse atender as datas e prazos como os demais, pois sempre demonstrou interesse e real participação nas seleções a que foi chamado, sem estrelismo e exigências descabidas. E só.

Bem, como um exercício absoluto e irreversivelmente hipotético até que estaria de bom tamanho para os sistemas propostos, prezado Giancarlo, já para o indefectível, presente e imutável sistema único, o famigerado basquete internacional, quaisquer outras alterações, ou mesmo total reformulação serviriam, pois se adequariam ao prèt a porter que servil e colonizadamente nos acostumamos a praticar, para o júbilo e alegria daqueles que o utilizam muito melhor do que nós, graças a uma base de alta qualidade, nossos adversários no Pré.

Será que nuestro hermano Magnano compraria, pelo menos, a idéia da imprevisibilidade técnico tática? Bom seria, não? Torço para que sim, pois aumentaria, em muito, as nossas chances.

Amém.

6 comentários

  • Victor Dames
  • 03.06.2011
  • Seria sem dúvida uma experiência de grande valor. De meu conhecimento absolutamente leigo, me atreveria a enumerar 14 selecionados:
    Armadores: Valtinho, Benite, Helinho e Fúlvio.
    Alas: Teichmann, Guilherme, Alex, Olivinha, Marquinhos e Marcelinho.
    Pivôs: Morro, Murilo, Rafael Mineiro e Tischer.
    Apenas incluiria o Marcelinho por acreditar que seu talento como arremessador, se bem dosado, pode ser útil. Fora isso, gostaria muito de ver um sistema de jogo como o senhor prega, baseado na dupla armação + o jogo interno dos alas/pivôs.
    Abraços!
  • will denio
  • 03.06.2011
  • Eu quando vejo uma lista eu já fico me coçando p/ dizer quem devia sair e quem deveria entrar, mas devo admitir q pensando o quão melhor poderia ser a sua lista fiquei sem grandes observações.
    Como o Vitor Dames cito os meus, 18 iniciais como “vc”, mas tento ser mais mente aberta e tentar algo mais “crú”, no entanto com mais potencial(assim eu espero).
    Aqui está a lista(seguindo a linha do 2 armadores 3 ala-pivôs:
    armadores:
    Benite,
    Raulzinho,
    Valtinho,
    Rafinha *(vi ele jogar e me chamou atenção, apesar de ñ ouvir nada sobre ele, ao lê-lo na sua lista aquela impressão minha deve ter algo),
    Felipinho *( CETAF ele é eletrizante, excelente arremesso e ágil, só falta uma PITADA de equilíbrio no ataque)
    Erick Tatu *(ñ sou fã dele, mas tenho que me render ao trabalho dele nessa temporada e eu tenho que ser justo caom tamanho crescimento)
    Alas:
    Marquinhos *(estar anos-luzes mais experiente e focado),
    Guilherme,
    Alex,
    Douglas *( adorei “vc” por ele de ala ),
    Luciano Matão (ñ sei se o conhece, mas se “Vc” conhecer seu jogo eu “suplicaria” p/ alguém com o seu conhecimento falar sobre suas carcterísticas, estava no Assis e fiquei extasiado com seu fluente arremesso e com seu foco na defesa, tem 1,98 é rápido e àgil),
    Luís Gruber *( 2,06m canhoto com invergadura impactante e q tem um potencial ainda a aparecer e sua posição é ala mesmo)
    Pivôs:
    Murilo,
    Morro,
    Tisher,
    Alex Passilongo *( estava no Vitória é um legítimo 2,12m de 25 anos q é agil e q tem nos rebotes e defesa seu foco, com o treinamento certo é um jogador que ñ temos aqui ),
    Hátilla *( sei q suas requisições mais irredutíveis é o comprometimento, e embora ele seja criticado pelo seu foco no jogo eu ñ consiguo ficar sem me comover com seu talento atlético, deixo as questões mentais p/ “vc” como treinador. RSRSRS! )
    Erick *( CETAF, talvez ele ñ seja um pivô exatamente, mas ele tem um arremesso fácil e preciso p/ sua altura cairia perfeitamente na sua tática: 2 armadores 3 alas-pivôs)
    Adoraria ler uma resposta sobre os mais controvésos nomes citados por min.
    Vindo de alguém com seu conhecimento seria um presente.
    Desculpe pelo imenso comentário, mas me empolgo em ter algo escrito por min analisado por “vc”
  • Basquete Brasil
  • 03.06.2011
  • Se de uma lista aqui apresentada você somente inclui mais um jogador, no caso o Marcelo,prezado Victor, é uma prova substancial de que não nos situamos longe da verdade, da nossa realidade.
    Não incluí o Marcelo pelo inconteste fato de que ele, frente às suas características de pontuador extremo,não se adequaria de livre vontade a um sistema que prioriza, e muito, os arremessos de curta e média distâncias, ainda mais numa posição para a qual não demonstra muita habilidade, a de armador, e de ser centralizador em demasia.
    No sistema único ele se inseriu com propriedade, mas no que proponho, dificilmente se adaptaria. Mas como se trata de um exercicio hipotético, praticamente irreal ante a realidade dos fatos, ficam estes posicionamentos vagando na esfera do que poderia ter sido tentado, mas não o foi nem será.
    Um abraço Victor, Paulo Murilo.
  • Basquete Brasil
  • 03.06.2011
  • ·
  • Prezado Will, avalie suas escolhas, junte-as às minhas, e teremos um retrato bastante fiel de uma realidade que muitos, muitos mesmos negam existir, a de que possuimos jogadores que aqui jogam, e que poderiam formar uma forte seleção nacional, bastando uma preparação de alto nivel, focando a melhoria dos fundamentos defensivos e ofensivos, e principalmente, adotando sistemas diferenciados da mesmice endêmica de que somos possuidores vitalícios, fruto de uma infeliz opção aos padrões de centros mais desenvolvidos, cujas realidades econômicas se situam décadas à nossa frente.
    Por tudo isso, é que venho propondo, desenvolvendo e aplicando sistemas de jogo diferenciados, que priorizam e enfatizam a técnica e dominio dos fundamentos, dos arremessos mais precisos, do coletivismo dinâmico, da defesa intransigente e antecipativa, fatores estes que encontram naqueles jogadores mais depreciados os mentores ideais para concretizá-los, dotando-os de algo exclusivo, único e transferível na medida direta de seus sucessos em quadra.
    Quantos outros mais jogadores poderiamos incluir nessa lista, Will, quantos mais, espalhados por esse imenso país?
    Com suas inclusões, creio já ter a resposta…
    Um abraço, Paulo Murilo.
  • will denio
  • 03.06.2011
  • · Muito obrigado,
  • É sempre um prazer trocar algumas palavras com alguém com conhecimento do esporte.
    Fico feliz de ver alguém, realmente dentro do basquete, que se debruça sobre as possibilidades do nosso jogo( o jogo brasileiro de basquete ) sem ser engessado pelos mesmos nomes de sempre, e tirando as algemas das “táticas” feitas baseadas em “outros”(Pq Ñ?). Desalgemando-nos p/ a procura das nossas possibilidades(tantas possibilidades!).
  • Basquete Brasil
  • 04.06.2011
  • Será sempre um prazer debater com você Will. Um abraço
    Paulo Murilo.

Deixe seu comentário

Logado como Basquete Brasil. Logout »

Comentário: 

Assine o Feed

Receba por E-mail

IMPROVAVEL OU IMPOSSIVEL? (From Dublin)…

“ Que grande jogo teremos aqui na Arena 1, completamente lotada, demonstrando a força do NBB”…

Assim começou a transmissão do jogo Flamengo e Corinthians pelo Super 8 pelas vibrantes palavras da jovem repórter televisiva, numa discutível afirmativa frente a uma arena olímpica desfigurada e com um público ridículo frente à sua desnudada grandeza…

Foi este o assunto do blog Bala na Cesta nesta semana, pertinente aliás , perante o vendaval midiático por sobre um”NBB como nunca se viu” , porém esvaziado de um público bairrista, regionalista, outrora fiel, agora substituído por um outro, errático e inconstante das agremiações de camisa, quase que totalmente composto por torcedores de futebol, com conhecimento próximo de zero em se tratando do grande jogo, carregando para as arenas, olímpicas ou não, toda sua tradição de violência, irascibilidade a oponentes, e acima de tudo, insegurança para todos aqueles que compareciam as mesmas com suas famílias , no firme propósito de torcerem limpa e vibrantemente por equipes e jogadores que conheciam integralmente, próximos que eram, e não esse enxame de estrangeiros (agora podem somar quatro por cada franquia), que qual “peças ” automotivas, equipam num carnavalesco rodízio equipes tão ou mais desfiguradas a cada temporada, como as arenas em que atuam…

Nosso glorioso basquetebol sempre pertenceu aos clubes regionais, com seus acanhados ginásios , com um ou outro de dimensões generosas, porém integrados a seus admiradores, pais, mães , filhos, tios, avós, e simpatizantes, pertencentes àquelas comunidades regionais, bairristas, agremiações estas em declínio acentuado, muitas agonizantes, outras terminais. Eram nossas high schools na formação de base, sem a grandeza esmagadora do exemplo ao norte do hemisfério, na matriz, e que mesmo sem a continuidade formativa universitária daqueles, galgou os píncaros entre os grandes do basquetebol mundial, num passado não tão distante assim…

Eis que de repente (somente quatro décadas ), no caso carioca, numa criminosa e imposta fusão interestadual (nos roubaram inclusive o democrático e constitucional direito ao plebiscito popular), quando deixamos de ser o segundo estado mais rico, para ostentar hoje a condição de miserável, corrompido e favelado, causando o empobrecimento municipal e populacional, onde os clubes deixaram de ter a importância agregadora e familiar de seu gentio, que somado ao declínio proposital e politico de suas excelentes escolas, hospitais referências no pais, transportes simples porém eficientes, e níveis controláveis de violência, praticamente selaram o destino destrutivo do esporte básico e de elite, deixando o reinado absoluto com Sao Paulo e suas formidáveis cidades (as quais os bairros  cariocas se assemelhavam), com quem dividíamos a liderança do esporte nacional, o grande jogo inclusive…

Tijuca TC, Grajau TC, Grajau CC, Riachuelo TC, Sampaio SC, EC Mackenzie, AA Florenca, Botafogo FR, Fluminense FC, CR Vasco da Gama, AA Vila Isabel, EC Aliados, Jacarepagua TC, Olaria AC, America FC, Sao Cristovao FR, Clube Sirio e Libanes, Clube Municipal, AABB. Clube Professorado, todos no Estado da Guanabara, que somados ao Canto do Rio FC, Gragoata , Icarai, Petropolitano, Grumari, Liga Angrense, São Gonçalo , todos do Estado do Rio de Janeiro original, nos abasteciam de jogadores bem formados, competitivos pela diversidade clubistica e regional, pela qualidade de seus professores e técnicos, que juntos a pujança paulista e outros estados desenvolvedores esportivos, como Minas Gerais, Goiás , Rio Grande do Sul, Paraná , Pernambuco, Bahia, Ceara , Para , no caso do basquetebol, davam ao nosso pais uma pequena, porém qualificada imagem do que de melhor faziam as escolas e universidades americanas, alimentando a elite em suas seleções e as iniciantes ABA e NBA…

O Maracanãzinho, a verdadeira capital do basquetebol brasileiro, onde foram conquistados um vice e um campeonato mundial, congregava as finais daqueles saudosos e grandiosos tempos, comungando inclusive, com as seleções nacionais em torneios internacionais, com assistências de 25 mil pagantes, hoje transformadas numa arena elitista para 12 mil, onde grandes jogos aconteciam em paz e muita vibração, entre equipes realmente qualificadas, onde jogadores estrangeiros tinham vagas se realmente fossem muito, muito bons, e não essa leva de terceira categoria, sobras das mais de quinze ligas de alguma qualidade existentes no mundo, fazendo o que querem em quadra, sob a permissividade de muitos estrategistas descomprometidos com a essência do grande jogo, restrito e enclausurado em pranchetas absurdas rabiscadas hieroglificamente…

Hoje, postam nas redes midiáticas e televisivas que a grandeza será retomada através o marketing profissionalizado, com patrocínios de grandes empresas, CEOs e administradores grifados, publicidade focada nas franquias com seus trabalhos comunitários, suas merchandaizes, modelo NBA, espetáculos pífios nos intervalos, beijos televisivos, brioches lançados a plebe, digo, povo, cadeiras de quadra para famosos, geralmente vazias, inclusive de famosos, e cada vez mais, intensos, horripilantes, ridículos , risíveis urros após enterradas, tocos e bolinhas de três , entonados por narradores sem  amígdalas , comentaristas compromissados com o belo, perfeito, inenarrável e mágico trabalho de jogadores formidáveis e da mais alta qualidade, impar e absoluta, mas que mantêm a média das equipes de 24,25 erros de fundamentos por partida, 48,6% nos arremessos de 2 pontos, 32,6% nos de 3, e razoáveis 75,3% nos lances livres, somente nos ate agora agora quatro jogos disputados pelo Super 8 do NBB…

Olha minha gente que ama o grande jogo de verdade, muito antes de grandes arenas, estrangeiros ostentando qualidades para lá de duvidosas, onde as poucas exceções não devem ser esquecidas, como todos os armadores da região platina que aqui estão, e dois ou três bons americanos, deveriam com a máxima e inadiável urgência, CBB, LNB e LFB, centrarem seus esforços e parcos recursos, numa forte e bem planejada retomada da formação de base, sugerindo e orientando aqueles ainda existentes e resistentes clubes regionais e municipais, para cederem em convênio suas instalações a escolas públicas onde inexistem quadras, num esforço conjunto de dotar um lugar seguro e educativo para os jovens praticarem o desporto, com as grandes empresas ajudando na manutenção dos professores e técnicos nesses locais, organizando competições bem formuladas e voltadas a qualidade, movimentando e integrando as famílias de volta as quadras de seus pequenos e históricos ginásios , onde nascem, se criam e se desenvolvem futuros campeões , e melhores cidadãos, como outrora, otimizando os grandes pátios de estacionamento de grandes mercados nos horários vagos, alguns cobertos, para quinzenal ou mensalmente promover torneios de mini basquetebol (a Europa abusa dessa ideia , e por isso vence…), verdadeira escola para o grande basquetebol, e não um 3×3, refúgio daqueles que não tiveram oportunidades nas equipes de quadra inteira, numa modalidade plenamente voltada ao confronto individual…

Na verdade, nossas arenas continuarão semi desertas, enquanto o espírito desportivo e agregador dos antigos admiradores do grande jogo se mantiverem ausentes, principalmente na qualidade do jogo em si, bem e tecnicamente praticado, coletivo, envolvente e solidário , através a arte de bons e solidamente bem formados jogadores em seus fundamentos básicos, somente adquiridos numa responsável e qualificada formação, orientada por bons e muito bem formados professores e técnicos , não a imagem das escolas e ricas universidades americanas, antítese de nossa pobre e precária realidade, que teima em transladar para cá uma inalcançável realidade, a deles, com seus dólares duelando em desigualdade brutal com nossos minguados reais…

Enquanto isso, vendo aqui de longe os jogos do Super 8. constatamos sem surpresa absolutamente nenhuma, que tudo está no mesmo patamar de ontem, anteontem, a perder de vista, técnica e taticamente, porém sabedores todos nós de quantas cidades os narradores e comentaristas conhecem nesse imenso, injusto e desigual país , que estremece pelos seus urros e ufanismos de  viajados jornalistas midiáticos, turísticos e televisivos, numa prova inconteste de que o grande, grandíssimo jogo, se torna liliputiano para a maioria deles, exceto uns poucos que se encolhem ante tantos likes, compartilhamentos e verborragia insana, que nada ajuda no soerguimento do basquetebol tupiniquim, entupindo-o de informações chulas e vazias …

Peço aos deuses todos os dias, a cada artigo aqui publicado neste humilde blog, que concedam uma réstia , minúscula que seja, de bom senso a todos que um dia prometeram cuidar do grande jogo, mas que resolveram atrela-lo a interesses que não nos dizem respeito, esquecendo os bons exemplos de formação e técnicas diferenciadas e inovadoras, que renegavam ações medíocres e mesmices institucionalizadas, num recente passado, que não era perfeito, mas sim conduzido por quem entedia com precisão e sabedoria o que vinha a ser basquetebol de verdade, mesmo sob administrações equivocadas e algumas vezes reprováveis, acertando, errando, porém estudando, trabalhando e formando jogadores, muitos e bons jogadores, quase sempre em solitárias lideranças, onde ter assistente responsável para carregar e entregar servilmente uma prancheta seria algo absolutamente improvável , melhor ainda, impossível …

Amém .

Em tempo – Acabo de assistir o quinto jogo do Super 8, definindo o primeiro finalista, entre Franca e Minas, numa partida com 26 erros de fundamentos (16/10), na qual a vencedora Franca (83 x 79) arremessou 20/37 bolas de 2 pontos e 10/25 de 3, convertendo 13/17 lances livres, enquanto Minas arremessou 15/31 e 11/35 respectivamente, convertendo 16/20 lances livres, deixando no ar uma questão – Como uma equipe pretende chegar a uma final convergindo de forma tão irresponsável, chutando mais de 3 pontos do que de 2, tendo bons alas pivôs, e armadores competentes, como? Quem sabe os americanos não estavam numa boa noite no chega e chuta de praxe…

O IMORAL STEP BACK (From Dublin)…

Pegamos um trem e fomos até Howth, uma cidade pesqueira não muito distante de Dublin, e que apesar do frio intenso se revelou surpreendente, por seus estaleiros, marinas, pesqueiros e veleiros abarrotando o cais, numa visão do quanto representa o oceano para esse povo, e claro, provando a culinária local, um bacalhau defumado com fritas. Tocante a homenagem da cidade a seus marinheiros perdidos no mar, num monumento exemplar. Foi um belo e instrutivo  passeio apesar do vento cortante do Atlântico Norte…

A noite, a ceia de Natal na casa da Jolanta, noiva do meu filho João David, na companhia de seus familiares, num convívio alegre para ser guardado nas boas lembranças dessa inesquecível viagem…

Mas como nada é perfeito, cai na tentação de assistir pela ESPN (o João conseguiu antenar a emissora em português} o Natal NBA, para até a metade do terceiro jogo sofrer um massacre de recados e lembranças de  metade da população tupiniquim, através narradores e comentaristas mais ligados ao social do que ao jogo em si, que aliás , e aí o segundo massacre, serem de uma mediocridade assustadora, exceto um ou outro bom jogador, mais voltado a seus recordes pessoais, do que contribuir com o coletivo de suas equipes, com jogos coalhados de andadas (o tal de step back é uma afronta as regras e ao jogo em si), passes errados e conduções de bola raiando ao absurdo, e todos eles rodeados de milhares de torcedores mais interessados em exibir roupas e chapéus berrantes e coloridos, comendo, bebendo e dançando a valer, entremeando beijos televisivos e outros rapapés que tentamos importar para nossas quadras, no momento ocupadas com algumas torcidas de camisa mais preocupadas em” homenagear”  árbitros, e manterem exclusividade no mando de campo, excluindo os indesejáveis rivais. Alias, cabe ressaltar enfaticamente a nova moda do “vai tomar caju” aceita por comentadores e narradores avalizando o palavreado de alguns estrategistas em seus pedidos de tempo, e até justificando que depois de terem sido instados a “tomarem caju”, jogadores de uma equipe retornaram com outra atitude, virando o jogo, numa afronta direta aos telespectadores, merecedores de uma transmissão em nível um pouco mais elevado que o usual. Mudei de canal, e fui assistir um bom filme, salvando o fim de noite de um quase perdido ótimo dia…

Paulo, isso é um sacrilégio, trata-se da NBA, a maior liga, com os mais formidáveis jogadores do mundo, inclusive brasileiros (bem, sabemos que não jogam, mesmo que suas equipes estejam a cinco minutos do final 20 pontos a frente, perdendo então…mas estarão lampeiros a serviço da seleção brasileira com suas constrangedoras minutagens ), considerado seu maior espetáculo , e você malha? Não só malho como abjuro, por não se constituir em assunto que nos diz respeito, pois jogam um outro jogo, nada somam para a melhoria e desenvolvimento técnico e tático do mesmo entre nós , vendendo uma mercadoria lucrativa em via única, rateando as sobras entre países e torcedores deslumbrados que as disputam como alimento divino, sem em momento algum se darem conta do engodo mercadológico a que se submetem agrilhoados e colonizadamente. No dia em que, como no resto do mundo, atuarem sob as regras da FIBA,  talvez torne a assisti-los, mas até lá, sigo na trilha de um grande jogo, aquele que nos diz respeito, por inserido universalmente no concerto das nações, e não enclausurado sob a égide de um world championship basketball de mão única …

Quando uma equipe com dois dos maiores ególatras de uma liga hegemônica, Harden e Westbrook, perde para uma outra sem três de seus titulares absolutos, o Warriors, alguma coisa está errada, no universo de uma modalidade coletiva, sendo levada de roldão para o mais absurdo individualismo, com steps backs absolutamente imorais. James Naismith e os grandes técnicos que o sucedeu e já se foram, devem estar se revirando em seus túmulos frente ao desmonte de seus geniais legados sobre os fundamentos básicos do grande jogo, no caso, o drible em particular. Por mais um pouco estaremos jogando handebol, e não mais basquetebol. Lamentável …

Amém.

Fotos – Acervo particular.

Video – Youtube.

JUSTO E OBJETIVO (From Dublin)…

No artigo de ontem, veiculei um video de um jogo de dez anos atrás, no NBB2, Joinville x Saldanha da Gama, tendo como resposta imediata um email do amigo fiel e inquisidor perguntando – Qual é Paulo, saudosista de algo que ninguém se lembra mais? Que tal virar o disco?…

Uau, essa foi na veia cara, mas, se você não percebeu bem, tinha endereço direto, justo e objetivo, num lembrete que, refutando sua pergunta, faço a mais absoluta questão de responder aos porques da vetusta partida de um jogo singular. Vamos a eles:

– Porque daquela data aos dias de hoje, repleta de “jogos emocionantes”, como nunca se viu, com transmissões em 100% das partidas, narradores ensandecidos pelos maravilhosos espetáculos que tronitruam em seus microfones, comentados por experts tão ou mais empolgados com a “redenção do basquetebol nacional”, através confrontos da mais alta qualidade, onde enterradas, tocos e  bolas de três reinam absolutas, emocionando plateias (um tanto ausentes das quadras, mero detalhe…), bem vindas e ansiadas prorrogações prolongando o prana generalizado, num NBB apoteótico…

– Porque durante todos estes anos nada de inovador e criativo foi visto por quem entende, por pouco que seja, do grande jogo, inclusive em seleções de todas as categorias, a não ser enxertos copiados daquela esquecida equipe capixaba, como a dupla armação e os alas pivôs em constante movimentação dentro do perímetro (pelo menos cinco anos antes da era Warriors e Curry), cópias canhestras adaptadas ao monocórdio e estratificado sistema único de jogo, promovendo suas estrelas doble triple a cada rodada, não importando se vencedoras ou não suas equipes, afinal seguem o modelo NBA, onde a cada temporada o coletivo cede espaco vital ao individualismo rapinador, na querência máxima de transformar um jogo coletivo em individual, ao preço que for, desde que as cifras cheguem a estratosfera…

– Porque a reboque dessa tragédia, flui a esmagadora maioria das franquias a partir de interesses mercadológicos, em contra ponto as nossas reais e emergentes necessidades, a fim de nos reentroduzirmos no cenário internacional de verdade…

– Porque, se realmente quizermos avaliar o peso dos porques anteriores, e dispendermos um tempinho revendo este vetusto video, poderemos ter uma grata, apesar de perdida no tempo, surpresa ao vermos e constatarmos o quão  injustos fomos com aquela surpreendente equipe, atuando sem os rompantes vocais de narradores que veem e imaginam um outro jogo, avalizados por comentaristas que o imaginam surreais, porém atuando como equipe, una e indivisível, atacando em bloco, lá dentro, bem dentro da cozinha adversária, e defendendo numa irrepreensível linha da bola, flutuando lateralmente, jamais longitudinalmente, a ponto de raramente ter um jogador excluido pelo limite de faltas, dominando os rebotes com maestria e se antepondo aos longos arremessou com decisão e competência. Uma equipe que não deveria ter sido aniquilada como foi, em duas etapas, uma logo ao início do trabalho no segundo turno, quando teve afastados três de seus melhores jogadores, depois ao não ser mantida para o NBB3, trocada pela mediocridade, séria e perigosamente  ameaçada pela mesma se continuada, voltando a ser o saco de pancadas de quando a encontrei, treinei e competi no mais alto nível, Realmente lamentável e inglório o seu fim…

Revendo-a jogar, última classificada na competição, mas vinda de duas vitórias exuberantes, contra a líder do campeonato, Brasilia, e Vila Velha, enfrentando a quinta colocada, Joinville, num grande e repleto ginásio, que a aplaudiu no final, com uma comissão técnica aquietada e tranquila em seu banco, em oposição a uma frenética e agressiva do outro lado, pedindo somente um tempo num jogo difícil, delegando iniciativas previamente treinadas com seus experientes jogadores, sérios e dedicados uns para com os outros, ajudando-se permanentemente, errando minimamente nos fundamentos, e principalmente, jogando em harmonia, como deve ser jogado o grande jogo, coletivamente…

Atuar coletivamente, objetivo inalcançável por nossas equipes, da base a elite, por uma única razão, não são ensinadas, treinadas e orientadas para alcança-lo, porque primeiro não existe interesse, segundo porque não sabem, os estrategistas, como faze-lo, sendo mais fácil e palatável trocar “peças” a cada temporada, dá menos trabalho, e como todos os corporativados seguem a mesma cartilha, que vença o mais equipado com pecas importadas e uma ou outra nacional, chutando de três, dando tocos monumentais, e monstruosas enterradas, para o encantamento de todos…

Que bom teria sido ver aquela humilde equipe jogar uma temporada completa, mas vale a pena assistir seu basquete enxuto, técnico, correto, equilibrado, e acima de tudo, proprietária, por pouco tempo, bem sei, do coletivismo até hoje inalcançável pelas demais franquias e mesmo seleções, passados dez anos de estrada…

Assistam, deleitem-se com o grande jogo bem jogado, sem histerias vocais e comentários ufanistas, claro, se houver interesse no que venha a ser basquetebol coletivo. Um abração a todos, feliz Natal e um 2020 repletos de esperanças, principalmente para o grande, grandíssimo jogo.

Amém.

Foto – Arquivo pessoal.
Um oportuno adendo clicando aquihttp://www.coracaoemquadra.blog.br/2010/04/02/joinville-63-x-71-saldanha-da-gama/.

COMO FAZER? (From Dublin)…


    Apesar do frio incessante, continuo na descoberta de Dublin, com seus museus e parques magníficos, e sua culinária diferente e atrativa. Seu serviço público de transportes, sem nada de especial, da conta nos deslocamentos, mas tendo extremo cuidado nas travessias de ruas e avenidas com seu fluxo ao contrário do nosso…

    Sobra algum tempo em casa para um bom e aquecedor café, e uma abreviada consulta nos emails que chegam, inclusive a do amigo fiel com suas colocações ponderadas e cobranças pertinentes, afinal como um dos poucos leitores desse humilde blog, se sente no pleno direito de contestar, comentar e situar perguntas e dúvidas sobre os artigos aqui postados. E uma que me chega é impactante – “ Paulo, como fazer uma equipe adulta jogar coletivamente, dentro de alguns parâmetros que você insistentemente menciona em seu artigos, repetitivos em muito casos, que sem serem cansativos ecoam fundo em quem os leem, porém sem compreender como realmente funcionam, ou como fazer para que funcionem. Pergunto então, como fazer Paulo?..

    Boa pergunta, com respostas a granel no bojo dos mais de 1600 artigos publicados, que como você bem afirma, sendo longe de cansativos, ecoam fundo em que os leem, mesmo sem saberem como fazer um sistema de jogo funcionar coletivamente. Sim, é difícil, extremamente trabalhoso, acurado e detalhista, porem compensador ao final de cada ciclo de aprendizagem e treinamento, e mais ainda compensador em seus resultados nas competições…

    Então, vamos por partes, iniciando com o trabalho fundamental, aquele que define qual caminho escolher, estruturando o trabalho nos fundamentos, tendo como parâmetro a obrigatoriedade da participação de todos em seus exercícios individuais e coletivos, jamais setorizando trabalhos específicos para qualquer posicionamento de jogadores, altos e baixos, ou com diferentes morfologias, tendo todos de trabalhar igualmente os fundamentos do jogo, aprendendo e desenvolvendo habilidades, uns mais velozes do que outros, obedecendo seus ritmos de execução, mas tentando todo o tempo alcançar padrões similares entre si, numa benéfica rivalidade e troca de experiencias, descobrindo valores tecnicos individuais, compatibilizando-os com os demais, aprendendo a observar qualidades e defeitos ao seu redor, em si mesmos, capacitando-os na adequação de seus conhecimentos aos demais e vice versa, dando partida na busca do coletivismo futuro, baseado no pleno conhecimento dos fundamentos, agora e mais adiante sob o controle consciente de todos, fator básico na consecução do mesmo…

    Difícil de entender? Creio que não, na proporção direta de seu maior ou menor conhecimento do que e como ensinar os fundamentos do grande jogo, e aí neste pormenor aconselho uma rigorosa revisão dos muitos artigos aqui publicados, sugerindo começar com a série – O que todo jogador deveria saber, com seus dez capítulos, e o artigo Treinando os fundamentos (acesse-os digitando-os no espaço Buscar conteúdos)…

    A seguir, com o pleno conhecimento das habilidades e graus de criatividade de cada jogador, estipule um sistema ofensivo a ser aplicado, assim como um defensivo, que serão ensinados e treinados simultaneamente, visando essa etapa dos exercícios, e com uma particularidade completamente oposta aos hábitos de treinamento no país, a mais completa ausência de “ coletivos”, os tradicionais “rachões”, onde se cristalizam erros jamais corrigidos, onde cada jogador se considera completo e imune a críticas, apostando na repetição para sua melhora técnica, assim como deve-se coibir horas incontáveis em academias, pois a intensidade na prática dos fundamentos suprirá o condicionamento físico, com a mais importante característica, a proximidade permanente com sua ferramenta básica de trabalho, a bola, e não somente halteres, e máquinas descerebradas. Se mais adiante houver a necessidade de uma compensação de ordem articular ou muscular, tais máquinas poderão complementar o preparo, e não se situar como a cereja do bolo do processo de preparação da equipe, vício contumaz que assaltou o basquetebol nacional, onde fisioterapeutas, fisiatras e preparadores físicos passaram a determinar que e quais tipos de treinamento deveriam ser implantados na preparação das equipes, inclusive como  e quanto as cargas dos mesmos, numa apropriação indébita do verdadeiro gestor e administrador de todo o processo, o técnico…

    Na fase dos exercícios especiais, o sistema deverá ser fracionado em ciclos progressivos, que vão do 1 x 1, 2 x 2, até o 5×5, sempre em meia quadra, para total visualização sistêmica do projeto. Pouco a pouco as partes, os ciclos, vão se juntando, agregando progressivamente novos e detalhados comportamentos, que ao serem compreendidos por todos, indistintamente, vai se materializando no mais importante fator a ser alcançado, a coletiva compreensão do sistema, caminhando das partes para o todo, tanto ofensiva, como na incentivada percepção defensiva de como anulá-lo, e por conseguinte descobrirem novos caminhos para a exequibilizacao do mesmo (um sistema jamais deverá ser treinado e compreendido para dar certo quando aplicado, e sim para que seja capaz de provocar reações defensivas que, quanto mais previsíveis forem, maior será a efetividade do mesmo, fatores estes que de pronto anulam as interferências projetadas em pranchetas, escravas de sistemas imutáveis e repetitivos a serviço de coercitivos estrategistas), sob as mais diversas situações de jogo, fator primal para a correta leitura de jogo, feita por todos, e não alguns mais ligados na problemática tática que reveste a consciente prática do grande jogo…

    Todo esse processo foi descrito em 49 artigos aqui publicados na preparação da equipe do Saldanha da Gama no NBB2, a partir da segunda fase da competição, dez anos atrás. (Série de artigos iniciada a 6/2/2010, com acesso no espaço Buscar conteúdos, digitando O Primeiro Dia). Na continuidade, acontecem as confrontações 5 x 5, ainda em meia quadra, com trocas constantes de ações ofensivas e defensivas, na troca de jogadores, na permissividade controlada de ações defensivas mais enérgicas, até faltosas, provocando situações típicas e atípicas de jogo, aguçando as leituras e improvisações necessárias para elevar o sistema ao patamar coletivo tão ansiado por todos. Nunca será demais esquecer que paralelamente a esta fase, deverão ser mantidos os exercícios de fundamentos, exatamente para fixar na mente, no corpo e no comportamento de cada integrante da equipe, a importância de praticá-los sempre, fora ou dentro de uma temporada, fixando-os como fator básico em sua preparação ate o encerramento de suas carreiras…

    A importância desta fase semi final é da mais absoluta importância, pois defronta frente a frente, atacando e defendendo, jogadores proprietários de sistemas próprios, do conhecimento de todos em suas fundamentações  básicas, logo aparentemente vulneráveis pelo conhecimento de seus detalhes, propiciando improvisações conscientes dos mesmos, no intuito de torná-los eficientes ante contestações previsíveis e imprevisíveis, exatamente pelo exercício constante entre contendores que conhecem a si mesmos e a todos que ali estão comungando o mesmo objetivo. Jogos amistosos são desnecessários dentro desta realidade diferenciada de treinamento, e quando, ao final do programa de preparação e treinamento acontecer coletivos, estes serão completamente diferentes do comportamento inicial de toda a equipe, já que municiados e equipados de auto e pluri conhecimentos da equipe em seu todo e minúcias…

    Claro que se trata de uma forma absolutamente diferenciada da mesmice endêmica e limitada eficiência, já que dirigida, ou pseudamente dirigida de fora para dentro da quadra, ferreamente implantada em nosso basquetebol, onde o conhecimento sistêmico do jogo é de total conhecimento, e consequente aceitação de toda a equipe, jogadores e técnicos, tornando-os proprietários de um sistema e responsáveis pelo seu desenvolvimento pleno no campo de jogo, onde pedidos esporádicos de tempo somente se tornarão necessários para análises conjuntas, e não tentativas de imposições normalmente grafadas em pranchetas midiáticas e de eficiência de zero para baixo, na melhor das análises. Foi nessa equipe que aplicamos consensualmente o sistema de dois armadores e tres alas pivôs rápidos e atléticos, defesa individual e zona ocasional na linha da bola com flutuações lateralizadas, todas inéditas na época no basquetebol nacional (assista um jogo e julgue os resultados)…

Concluindo, devemos deixar bem clara a necessidade básica do pleno conhecimento técnico/tático do professor e técnico, fundamentada em muitos anos de estudo e trabalho, desde a formação de base ao adulto, que são indiscutíveis exigências ao exercício profissional, responsável no planejamento e preparação de jogadores e equipes em qualquer dos níveis existentes, sem atalhos e provisionamentos politicos…

    No congresso de técnicos que sucedeu o NBB2 em Campinas, um técnico famoso me arguiu do porque ou raramente pedia tempo nos jogos. Respondi simplesmente que ensinava e treinava arduamente a equipe para depender de mim o mínimo possível nos jogos, nada mais…

    Amém.

Fotos – Arquivo pessoal.

A CHUTACAO QUASE CENTENARIA, UMA CONQUISTA (From Dublin)…

Dublin, cidade onde vive o Joao David, filho mais novo, a dez anos. Antiga, geralmente nublada, e muito, muito fria, onde o vento constante lança a temperatura ao congelante, como no belo passeio pelos Gardens, curtido em um terço pelo vento cortante, deixando no gélido ar o quão impactante seja num ensolarado dia de verão, ou primavera. Ser conhecida como a Ilha Esmeralda faz justiça a uma Irlanda verdejante a não mais poder, mesmo num inverno mais do que rigoroso. Porem, a breve convivência com o filho caçula compensa as baixas temperaturas, onde um bom vinho é sempre bem vindo…

Compensações existem, como as tecnologias instaladas em sua casa, e com as quais trabalha no PayPal, dando a mim a oportunidade de estar ligado a qualquer momento com o Brasil, e mesmo poder assistir em alta definição as programações de nossa TV e os jogos de basquetebol que desejar analisar neste humilde blog…

Assisti uns poucos e medíocres jogos, onde a mesmice endêmica que se instalou definitivamente no pais se faz presente sem cerimonias, mas foi num relatório de jogo, Paulistano x Sao Paulo, que tive a mais absoluta certeza de que dificilmente conseguiremos emergir do abissal fosso em que meteram o grande jogo, da forma mais absurda e suicida, e para dirimir quaisquer duvidas, ai vão os terríveis e inacreditáveis números, num jogo com uma prorrogação e placar final de 98 x 92 para o Paulistano:

– Nos 2 pontos – 18/41 para o Sao Paulo é 17/27 para o Paulistano.

– Nos 3 pontos – 14/38 para o Sao Paulo e 17/55 para o Paulistano.

– Temos então – 35/68 nos arremessos de 2 pontos e 31/93 nos de 3 pontos, numa conclusiva definição do fracasso defensivo e ofensivo em que caminha no fio de uma navalha o grande jogo tupiniquim. Triste e vergonhoso que estrategistas disfarçados de técnicos imponham ao basquetebol uma fraude nominada de “ basquetebol moderno”, onde estrangeiros, agora em numero de quatro por franquia, façam e desfaçam técnica é taticamente o que querem em quadra, e claro, seguidos pelos nacionais que os suplementam, sob o aplauso consentido daqueles que deveriam incutir preparo fundamental e sistemas de jogo decentes, criativos e coletivistas, e não esses espetáculos onde a mediocridade seria elogiosa demais. Inadmissível que se chegue perto de 100 arremessos de 3 pontos numa partida de basquetebol, mesmo prorrogada, num testemunho vivido e constrangedor da mais absoluta pobreza de técnica individual e coletiva, irmanada a pobreza muito alem de miserável de um “NBB como nunca se viu”, o que realmente concordo com a apeladora definição, porem acrescentando …de tão ruim, ridiculo e descaracterizado do que venha a ser um verdadeiro jogo de basquetebol”, como nunca deveria ser visto num pais de tantas tradições no grande jogo…

Afinal, o que querem provar com tanta ausência, omissão e descompromisso para com o basquetebol, esse fechado e inóspito corporativismo que se apossou do mesmo, em nome de um deletério “sistema moderno de jogo”? O que querem meus deuses? Mata-lo de vez?…

Agora mesmo o inenarrável Confef, faz uma parceria com a CBB para preparar técnicos para a nova modalidade de 3 x 3, admitida na Olimpiada de Toquio, e aqui faço a pergunta primal – Com que competência legal e técnica um absurdo conselho de educação física se considera apto na formação de técnicos desportivos, função de caráter superior em escolas superiores de educação física, e não por conselhos destinados originariamente as observâncias trabalhistas dos que denominam profissionais de educação física? Quer dizer que de agora em diante teremos um Confef e seus Crefs estaduais formando técnicos esportivos em cursos (?) de alguns dias para depois “provisiona-los” como tem feito por todo este imenso, injusto é desigual pais desde sua fundação? E qual será o próximo passo, o Bacharelato e a Licenciatura? Com que direitos, e quais leis federais o autorizam? Um conselho criado a mais de vinte anos e que é gerido em sucessivas eleições por uma única pessoa desde sua fundação, não pode ser levado a serio, assim como o gestor semi eterno, destituído do COB agindo da mesma forma, e prestes a ser cobrado e investigado pelas fraudulentas empreitadas na organização e realização das competições mundiais aqui realizadas recentemente. ..

“Oficializar” a formação de técnicos, seja em que esporte for, através reuniões e palestras inócuas em um ou mais fins de semana é um engodo que tem trazido o mais devastador prejuizo ao grande jogo, técnica, tática e na mais básica de suas necessidades, a formação de base…

É tempo de se por a limpo as finalidades de um conselho que interfere exclusivamente na educação fisica, disciplina curricular desde o ensino de primeiro grau ate o universitário, nao se conhecendo conselhos nas demais disciplinas em nenhum desses niveis de escolaridade. Por que so a educação fisica, porque? Ou sua importância na estruturação mais do que presente da industria do corpo, com seus bilhões movimentados a cada ano, na qual os futuros bacharéis prestam seus estágios nas holdings gestoras das milhares de academias a preço vil?…

Honesta é sinceramente pergunto – Qual o verdadeiro interesse de um conselho de educação fisica na formação de técnicos de basquete excedendo suas funções perante a lei?…

Pobre basquetebol brasileiro sob tantas e negativas influencias. Torco para que os deuses o possam ajudar, mas tenho la minhas bem pensadas e solidamente embasadas duvidas,,,

Amem..

Fotos – Arquivo pessoal e divulgação CBB.

VAMOS FALAR SÉRIO, MINHA GENTE (From Bolonha)…


    De carro percorremos, eu e os dois filhos, estradas vicinais daqui de Veneza ate Bolonha, melhor caminho para conhecer o interior rural e vinícola desta zona nortista italiana, com sua exuberância, mesmo em inicio invernal, porém de uma riqueza histórica e tradicional que choca aos olhos de tão bela e profunda. Parreirais a perder de vista contrastam com indústrias modernas numa coexistência dividindo um solo antigo porém renovado pela tecnologia de ponta. Sem dúvida alguma um belo passeio e melhor ainda, um aprendizado inesquecível…

    Chegando em Bolonha, uma rápida estada no hotel e partimos para conhecer um pouco desta bonita cidade, menos elétrica como as anteriores, porém suntuosa em suas igrejas, parques e ruínas pré históricas. Na volta, acesso a internet para saciar a curiosidade sobre o basquetebol brasileiro, me deparando com os resultados e números de duas partidas : Unifacisa 99 x 83 Mogi, e Franca 87 x 88 São Paulo. Checo os números, que mantendo a mesmice crônica que tem dominado o NBB, somente capitalizou minha curiosidade para quatro itens: – 33/68 nos arremessos de 2 e 29/66 para os 3, no primeiro jogo consultado, e 32/61 e 26/54, respectivamente, no segundo, números estes que bem explicam e expõem a dura realidade do grande jogo, retratada fielmente num numero final: – 65/129 de 2, 55/130 de 3 nos dois duelos, ou seja, uma convergência absoluta entre arremessos de 2 e 3 pontos, tendência essa que vai se avolumando a cada rodada, antevendo um futuro para lá de sombrio para esse triste e violentado basquetebol brasileiro…

    Tinha algumas e esperançosas dúvidas de que algo poderia melhorar, ser reconsiderado, ajustado, corrigido, mas não, piora a cada etapa, como uma virose letal de insensibilidade que se alastra como num rastilho de pólvora, num ““deixa pra lá, para ver como fica” atroz e descerebrado, até certo ponto, doentio. ‘É um absurdo cruel que técnicos (?), não, estrategistas, se permitam admitir convergências sem uma contrapartida a altura, como por exemplo, ensinar, treinar e aplicar defesas mais fortes e presentes nas contestações ao tiroteio descabido de equipes que enfrentam, até mesmo no comportamento da sua, pois tanto descalabro ofensivo somente se torna possível pela mais ausente presença defensiva, quando jogadores sequer desconfiam da existência de técnicas posicionais e blocantes contra dribles e, principalmente, arremessos, e uma das técnicas mais primárias ‘é a de se antepor frontalmente aos homens posicionados próximos à cesta, adiando passes incisivos com consequente volta para o perímetro externo, mantendo o homem da bola pressionado por todo tempo que a tenha sob domínio, assim como a técnica primária da flutuação lateralizada (detalhes ilustrados aqui), que difere da longitudinal em tudo e por tudo do que empregam solenemente como conquista definitiva de defesa. Que ponham em suas cabecinhas pranchetarias, que passes provocados em elipse são contestados automaticamente, pois um defensor se deslocando linearmente consegue chegar antes ou simultaneamente ao destino de qualquer passe dado daquela forma, mantendo-o no foco posicional e equilibrado ante o atacante destinatário do mesmo. Simples não? Mas exige treinamento, duro, persistente e detalhista, onde o “ deixa que resolvo” não pode ser admitido, e sim “ o sei como fazer”, antítese do que temos visto nas quadras, onde o arrivismo e o descompromisso vagueiam solene e regiamente, ocasionando o que aí está, uma permissividade consentida e adotada por ambos os contendores, os de dentro e, principalmente os de fora da arena de circo que criaram, gerando as tão sentidas convergências…

    Preocupam-me sobremaneira os duros enfrentamentos que teremos pela frente a nível mundial, onde defesas contestatórias ganham terreno a cada temporada, enquanto as nossas regridem numa progressão aritmética assustadora, para gáudio de narradores ensandecidos pelas bolinhas, pelas enterradas e pelos tocos monumentais, ignorando o verdadeiro sentido do jogo, que é defensivo/ofensivo na mesma medida, sem atalhos e perdas de tempo, acompanhados por alguns comentaristas a serviço de uma popularização do grande jogo (muito pequeno para eles…), baseada no “ espetáculo”, nos números de likes e assistência, enquanto os ginásios e arenas se mantém desérticos, ecoando seus berros e esgares ridículos, e não como deveria sê-lo, pela alta técnica individual e coletiva, e por sistemas de jogo que revelassem habilidades e não histrionismos oportunistas e interesseiros…

    Creio que é chegada a hora, quase tardia hora, de trabalharmos os fundamentos como devem ser trabalhados, os ofensivos e os defensivos, ferramenta básica de todo jogador que se preza, e de toda equipe que se propõe a ser grande na acepção do termo, e não essa mixórdia que estão apresentando como o “ NBB como vocês nunca viram”…

    Pelo menos eu e alguns verdadeiros desportistas já vimos basquetebol carradas de vezes muito melhor, o verdadeiro grande, grandíssimo jogo, aqui mesmo, em terra tupiniquim, com somente transmissão radiofônica, ginásios abarrotados em todas as categorias etárias, onde apreciávamos jogadores de verdade, técnicos da mais alta qualidade, e resultados internacionais irretocáveis. Porque perdemos o trem da historia? Respondam vocês, PHD’s do nada…

    Amém.

Fotos – Arquivo pessoal.

A ABSURDA AUSÊNCIA DOS FUNDAMENTOS BÁSICOS (From Veneza)…


    Veneza é uma cidade diferente, enigmática em sua clausura histórica, repleta de signos, piazzas, pontes e canais, alguns mal cheirosos, outros cortando-a como veias e artérias pulsantes de vida e tradições, cercada por um mar encapelado e varrido por um vento frio e cortante, num todo que atrai visitantes de todo o mundo em busca de algo inusitado e místico, de uma persona refletida em suas máscaras carnavalescas, primorosamente elaboradas,  senhoras de segredos e mistérios. Sem dúvida, uma cidade única em sua diversidade clássica…

    Foi no impacto deste cenário que pude, pela primeira vez nessa viagem, acessar um jogo do NBB pelo facebook, Ceará 67 x 71 MOGI, cujo impacto foi o reverso do sentido pela descoberta de Veneza, sem mistérios, enigmas, tradições, inovações, somente gerando uma única questão, numa simples e objetiva pergunta – Como pode uma equipe auferir qualquer possibilidade de vitória arremessando 9/43 bolas de 3 pontos e 14/28 de 2 (Mogi venceu com 16/65 e 31/72 respectivamente), numa atitude inverossímil e comprometedora para sua direção técnica, que permitiu  tal comportamento arrivista e destituído de qualquer princípio taticamente lógico, demonstrando uma brutal ausência do mais primário sentido de coletivismo, primando pelo individualismo radical e anárquico?…

    Somemos a tudo isso o expressivo e lamentável numero de 29 (11/18) erros de fundamentos, para termos uma nítida imagem de um jogo que gerou alguns comentários de um ex jogador, tais como: – “Se você ficar preocupado com os erros, você não joga”. – “ Você precisa tirar da cabeça a possibilidade de errar. No basquete se erra mais do que acerta”. Vindo de um ex jogador cuja especialidade era o arremesso de fora, numa frequência elevada de erros e acertos, e que em mais um de seus comentários, ao ver um dos americanos do Ceará concluir uma cesta chargeado fortemente, definiu ser aquela uma das grandes qualidades daqueles  jogadores, concluir pontos mesmo sob forte pressão, mantendo o nível de direcionamento da bola sob total controle, mesmo desequilibrado, aspecto esse que não mencionou, por desconhecimento de tal tecnicismo, ausente em toda sua carreira por jamais ter sido direcionado às técnicas para tal comportamento, pelos técnicos que o formaram e treinaram através os muitos anos de quadra, fator maior que explica a fragilidade dos nossos arremessadores quando contestados de verdade, forte e proximamente. No momento em que se tornar íntimo conhecedor dessas técnicas de empunhadura, para o controle do eixo diametral da bola, fator originário de sua rotação inversa em torno do mesmo, mantendo-o paralelo e equidistante dos bordos externos do aro após seu lançamento,  sejam quais forem os impactos corporais sofridos pelo arremessador em suas tentativas, na curta ou longas distâncias, poderá formular e emitir comentários que muito ajudarão na compreensão de certos erros técnicos, e quem sabe reconsiderar a sua assertiva de que “ Se você ficar preocupado com os erros, você não joga”, pois não se tratará de não errar, e sim saber com precisão porque errou, conhecimento este que diminuirá em muito a frequência dos mesmos…

Erros de fundamentos tem explicações óbvias quando considerarmos  seriamente o que venha a ser o controle exercido sobre o instrumento básico de trabalho de um jogador de basquetebol, a bola, com seu comportamento instável e errático, sujeita a desvios e rotações insuspeitadas, exigindo um treinamento direcionado a perfeição em seu domínio, no drible, no passe, na finta, nos arremessos, movimentos esses em perfeita harmonia com os deslocamentos do corpo imbuído de velocidades variáveis, equilíbrios e desequilíbrios controlados e controláveis, coordenação e absoluto domínio de dois centros de gravidade, do corpo e da bola, unidos e indivisíveis em seu todo, numa simbiose que quanto mais perto da perfeição estiverem, maior a definicao da habilidade real de qualquer jogador treinado e senhor de sua movimentação em quadra, a serviços pleno de sua equipe, através o conhecimento também pleno de suas potencialidades…

Quem sabe um dia treinaremos nossos jovens, e porque não, nossos adultos nessas técnicas, para enfim retornarmos ao cenário internacional do grande jogo, ao qual já pertencemos, exatamente porque os treinávamos nessas técnicas, hoje  esquecidas, minimizadas, trocadas por “sistemas avançados e modernos de jogo”, para gáudio e auto promoção de uma geração de estrategistas mais preocupados com suas pranchetas midiáticas e titulos, do que ensinar o grande jogo no que ele tem de real importância, mas que dá um trabalho danado de chato e demorados “ resultados”…

Amém.

Fotos – Arquivo pessoal.