O REINO DA PRANCHETA…

P1130045-003

“Estava com saudade das pranchetas, aliás, o público amante do basquete também deve estar”… ( Comentário do narrador da TV, na rodada inaugural do torneio de Fortaleza ontem).
Realmente preocupante tal comentário, onde inermes pedaços de plástico são requestados como protagonistas midiáticos do grande jogo, quando na realidade não passam de soturnos biombos, fortemente situados entre técnicos (?) e jogadores, encobrindo a mais absoluta ausência de conteúdo técnico tático produto de treinamento, ensino e coesão, a não ser aqueles padronizados e formatados em décadas de mesmice e deslavada cópia inter pares, numa espiral que não cessa de ascender, com intervalos catastróficos, como nos recentes e caseiros jogos olímpicos, onde, pela enésima vez, foram grafadas nas mesmas os herméticos hieróglifos advindos de mentes desprovidas do mais comezinho conhecimento do que venha a ser formar,organizar, treinar e fazer competir uma verdadeira, coesa e unida equipe de basquetebol, cujo coletivismo é algo abstrato para a grande maioria dos que ai estão pousando arrogantemente de estrategistas supremos…
Me envergonham os pedidos de tempo, vazios nas mensagens e correções coerentes e fundamentadas, mas repletas de palavrões, esgares e falsas indignações, fruto do acordo comum e corporativo de uma classe que simplesmente emula uns aos outros, nas poses, nas coreografias ao lado e dentro das quadras, nas reclamações, pressões e coerções nas arbitragens, nos discursos, sendo todo esse lastimável espetáculo circense, aprovado e até incensado por comentaristas e narradores compromissados, em sua maioria, com a falsa imagem que passam, de ser todo esse pastiche, pertencente ao espetáculo, que deve ser preservado e ampliado, para incrementar a popularização da modalidade junto aos futuros assistentes e consumidores, no que me parece estar falhando rotundamente, haja vista as ridículas plateias que se perdem nas vastidões de bancadas vazias nas monumentais arenas, de padrão NBA, como apregoam colonizadamente, gerando o eco que nos tem avisado do ridículo posicionamento pelo marketing de uma atividade desportiva que nos fez grandes internacionalmente, não por toda essa enganação marqueteira, e sim pelos altos índices técnicos que ostentávamos na preparação de base, e nas seleções dirigidas e orientadas por técnicos de verdade, e não papagaios osmóticos de pirata, todos ostentando um saber que imaginam possuir, e tendo em seus sovacos pranchetas, que aqui para nós, acredito saberem mais do que eles todos, juntos e corporativados, em torno da capitania hereditária que dominam desde sempre…
Agora mesmo, nascem duas chapas que tentarão assumir a CBB para o ano, sendo que uma delas já desfila com o apoio de 14 federações e mais a associação de jogadores, voto certo na aprovação de contas da mentora, e vagas em seleções, todas elas eleitoras dos que ai estão a décadas, e que, de forma alguma mudarão alguma coisa administrativa e tecnicamente, ainda mais com as verbas governamentais se ausentando, e dívidas a não mais poder, formada pela turma que pratica o principio dos “ cargos de sacrifício” (será?…), e que avalizaram tudo o que ai está, mas preocupada com os excessos da atual e aceita administração, que está pondo em sério risco seu mandatário e exclusivo controle político, não fossem os candidatos a presidente e vice, parte da engrenagem. E nesse ponto urge uma pergunta – Se uma associação de jogadores tem poder de voto, por que não as de treinadores? Já imaginaram 27 associações estaduais e uma nacional incidindo no colégio eleitoral confederativo? Creio que muita coisa mudaria no universo do basquetebol tupiniquim, ou não?…
Mas o preocupante não se refere a administração, que continuará a mesma na atual conjuntura, já que se tornou rotina o que promulgavam nas assembleias para acertos de contas, mas sim o aspecto técnico, que na acepção de termo, é o fator que define em essência a existência de uma confederação esportiva, que justifica a essência do próprio jogo, que muitos aventureiros e arrivistas teimam em transformar em meio de vida, com seus projetos mirabolantes de gestão e publicidade profissional, marqueteiros circenses que são, e que esquecem que na matriz, essas benesses são lastreadas por princípios e bases educacionais voltadas desde sempre a juventude, nas escolas, colégios e universidades, com verbas próprias, berço acadêmico e político de seu inegável poder, assim como em outros países desenvolvidos na Europa e na Ásia. Aqui, o poder do QI ainda impera solene, onde a burocracia partidária e econômica asfixia o mérito, por mais sadio e genuíno que seja, e que não poderia ser diferente no meio sócio desportivo em que estamos doentiamente inseridos…
Entendendo e compreendendo essa estratégica verdade, podemos avaliar com alguma precisão os porquês de nossos repetidos fracassos no mundo do basquetebol internacional, e desde já aceitar o princípio imutável de que, qualquer mudança conjuntural somente será factível pela influência e introdução exógena, pois a endógena está corroída e agônica, sem perspectivas, ao menos, de salvação. A outra chapa será mais do mesmo, apesar de ser liderada por um técnico, que não acredito alcançar a receptividade necessária…
No meu eterno ponto de vista, maturado por meio século de atividade técnica e professoral, o grande nó górdio de nosso basquetebol, ata e desata no fator técnico, em sua concepção e divulgação, tanto na base, como na elite, que é a resultante daquela. Ao nos desvincularmos da influência do hemisfério do norte, com sua política hegemônica, numa realidade antítese da nossa, daremos um enorme passo para reencontrarmos nossa origem desportiva no grande jogo, assim como, ao lutarmos pelo aprimoramento do ensino desportivo nas escolas de educação física, com a reintrodução massiva de conteúdos técnicos e de formação em seus currículos, numa inversão do que ocorreu quando substituídos pelos da área da saúde, resgatando somatoriamente as disciplinas técnicas e didático pedagógicas, onde o ensinar a ensinar retome sua importância perdida nos últimos 30 anos, consubstanciando a real formação do professor e do técnico, teremos de volta a qualidade olvidada e quase perdida para os atuais “ profissionais da educação física”, bacharelados e provisionados por conselhos estaduais e federal, braços armados para o culto ao corpo, viabilizado pelos mesmos em holdings bilionárias que se avolumam por todo o país, a quem não interessa educação física e desportiva nas escolas, principalmente na faixa do ensino médio, clientela a alto, médio e baixo preços oferecidos a mesma, numa cornucópia financeira de valores estratosféricos…
Como descrevi no artigo anterior, somente acredito em alguma substancial mudança, se a mesma vier de fora para dentro, eivada de personagens advindos do grande jogo, como jogadores, técnicos, professores e mesmo dirigentes, todos beneficiários dos aspectos educativos que amealharam em suas formações junto ao mesmo, vivenciando-o e aprendendo a amá-lo desde sempre, e compromissados na tarefa de estender às futuras gerações, os mesmos princípios éticos, morais e físicos de que foram regiamente beneficiados, mesmo que no caminhar por sobre as pedras do sacrifício e da renuncia…
Quem sabe mais tarde, bem mais a frente, saudemos a volta de mais uma temporada, não pela saudade das pranchetas e seus contumazes seguidores, e sim pelo fato de irmos as quadras para testemunharmos a cada dia o surgimento de algo realmente novo, instigante, provocativo, inédito e verdadeiro, nosso, proprietário, e não uma canhestra copia impingida coercitivamente por aqueles que no fundo, bem lá no fundo, odeiam o basquetebol, por não conhecê-lo em toda sua magnitude e profundidade, como se preza a um grande, grandíssimo jogo que é.
Que algum dos deuses em seu eterno plantão, talvez aquele que gostou praticá-lo, inspire um grupo de notáveis (e os temos, com certeza), saídos do anonimato, para formar uma chapa de real qualidade e compromisso, para tentar, ao menos tentar, junto ao mandarinato eleitor, uma terceira via, que nos guie a dias melhores, ao caminho que desaprendemos a trilhar…
Mas também, lá no fundo, tenho a certeza de que dificilmente conseguiremos mudar, pois torna-se inumano lutar contra leis injustas e de caráter unilateral, o que é um eterno desastre, assim como o sistema e a forma única que jogamos…e claro, o império das pranchetas…
Amém.

Foto – Reprodução da TV.

Nota do Editor – Continuamos a lamentar profundamente que uma das chapas mantenha um pretenso vínculo em seu nome promocional com o Basquete Brasil, esse humilde e democrático espaço, mas que nunca se uniu politicamente a quem quer que fosse, e por isso mantendo sua irrevogável independência jornalística e técnica. PM.

FALAR O QUE?…

 

10801580_416056811852694_60297652605880243_n-00210469855_416056868519355_4279503050350214203_n-001

– O basquete chegou ao fundo do poço Paulo, afundou de vez, e até intervenção da FIBA vem por ai, que vergonha, que fracasso, que…

Calma amigo, calma. Para começar, a FIBA não tem poder intervencionista em nosso país, nossas leis comuns e desportivas não o permitem, quando muito vêm se informar “quando” a grana devida deverá ser paga, se o for, e se a nossa gloriosa CBB ainda ostenta um resquício de seriedade para organizar e se responsabilizar por campeonatos internacionais, ou mesmo, simples torneios. E aí é que se espantarão, pois de há muito a irresponsabilidade e incompetência se instalaram solidamente por aquelas bandas, terreno fértil para arranjos, escambos e protecionismos descarados, tudo avalizado por federações que mantêm o grupelho diretivo com seus votos “desinteressados”, pois estão todos auferindo “cargos de sacrifício”, masoquistas que aparentam ser, mas não o são, mesmo!…

Nada, caro amigo, que eu não tenha publicado à exaustão nesse humilde espaço, nesse Basquete Brasil, que um já proclamado candidato à próxima eleição na falida confederação, anexou a seu nome de campanha, numa clara e indevida apropriação de uma marca que a treze anos se dedica ao grande jogo. a fim de ajudá-lo em seu soerguimento no país, através artigos e discussões técnicas, táticas, pedagógicas, didáticas e comentários democráticos desde sempre, e jamais se associando a candidaturas e pretensões políticas…

Mas no fundo, há males que vêm para bem, e quem sabe, essa vergonheira que uns poucos nos impõem venha nos redimir de tanta incúria e omissões, inclusive a de todos aqueles que poluem os blogs da modalidade com suas “abalizadas opiniões”, lastreadas sordidamente pelo anonimato, covardes que são ao não exporem suas “honradas e impolutas” identidades, protegidas e encobertas por trás dos diáfanos véus da pior e mais danosa política de bastidores…

Por isso, muito pouco podemos almejar no campo diretivo, que se repete e perpetua através das últimas décadas, até o dia em que leis forem estudadas, deliberadas e discutidas no intuito de aprimorarmos a legislação desportiva no país, ensejando políticas eficientes e factíveis para seu desenvolvimento harmônico e democrático junto a juventude brasileira nas escolas, clubes…

No entanto, mesmo frente a essa dolorosa realidade, um aspecto de formidável relevância ainda pode ser discutido, estudado, desenvolvido e aplicado com boas perspectivas de sucesso, a discussão técnico tática, que tanto nos empenhamos nos últimos anos nesse humilde espaço, e que de alguma forma balizou alguns comportamentos, algumas modificações, algum e bem vindo progresso, pois depende de todos nós, professores e técnicos, que em todas as passadas épocas, sob bons e maus comandos administrativos, sempre propugnaram pela troca de saberes e informações, propiciando belos trabalhos, excelentes equipes, mais excelente ainda trabalho de base, preparando jogadores bem treinados nos fundamentos, num processo interrompido a vinte e poucos anos atrás, quando foi instalado em nosso infausto grande jogo o domínio do sistema único, emanado de uma NBA, emergindo na mente acomodada de uma geração de técnicos voltados ao “alto nível”, abandonando a formação de base, abdicando dos fundamentos, e aderindo em massa às pranchetas, com sua jogadas de passo marcado, marca registrada dessa geração de “estrategistas”, dessa geração de marqueteiros e oportunistas em sua grande maioria, claro que as exceções, que são muito, muito poucas, não contam, mas também, pouco somam no frigir dos ovos…

E uma cabal prova do que exponho está publicado no site da LNB, onde as estatísticas finais de uma LDB jogada para bancadas desertas oferece uma trágica realidade sobre a última etapa de acesso de nossos jovens jogadores ao desporto de alto nível, e que posso exemplificar de maneira simples e objetiva, a seguir:

– Em 40 jogos de suas etapas, foram cometidos 1510 erros de fundamentos ( sem contar os arremessos), numa média de 37,75 erros por partida, o que demonstra o abissal fosso no preparo dos fundamentos de uma faixa etária que os deveria ter sob controle, como os grandes países que lideram o basquetebol internacional;

– Aconteceram 7 jogos com mais de 50 erros de fundamentos (uma catástrofe), 9 jogos com 40/49 erros (uma aberração), 18 com 30/39 (constrangedor), 6 com 20/29 (nível infanto juvenil), e absolutamente nenhum, zero, entre 10/19 erros, que seria a razoável meta a ser atingida, numa tácita demonstração de incúria e irresponsabilidade no preparo fundamental dos jovens jogadores, alguns já apontados como grandes craques que garantirão o futuro do nosso basquetebol, o que duvido muito. Mas não faltaram rabiscos ininteligíveis nas midiáticas e ridículas pranchetas, onde “sistemas e filosofias” de jogo eram demonstradas aos olhares atônitos de uma jovem geração incapaz de exequibilizá-las, por desconhecimento prático e fundamental de como fazê-lo, pois o que importava era a sapiência tática de uma turma que necessita urgentemente voltar ao estudo, a pesquisa, ao preparo didático pedagógico, ao estágio supervisionado, e não ao princípio de aprendizagem osmótica a que se acostumaram, como todo papagaio de pirata que se preza. Se as escolas de educação física substituíram a maioria dos créditos das disciplinas desportivas pelas da área biomédica, despreparando-os ao ensino das mesmas, transformando-os em paramédicos de terceira categoria, ases de manga da indústria do corpo, torna-se estratégica e urgente a reformulação curricular, claro, sem os entraves e ingerências de um comprometido sistema confef/cref com a mesma…

Mas uma sobrinha restou, a ENTB, que mesmo implantada da forma mais precária possível, ainda poderia reverter sua obscura origem, e se transformar em um veículo realmente eficiente, desde que entregue a uma direção e coordenação voltada a diversidade técnica presente neste país continente, mas profundamente ancorada no ensino dos fundamentos, fruto de uma ampla discussão entre os verdadeiros formadores existentes no país, hoje afastados pelo corporativismo implantado coercitivamente desde muito, muito tempo…

Muitos outros fatores poderiam, e deveriam ser discutidos, mas por quem realmente se dispusesse a discuti-los, de cara lavada, em torno de uma gigantesca mesa, no intuito maior de soerguer o grande jogo entre nós, com lisura, conhecimento, responsabilidade e, acima de tudo, vontade de acertar o que aí está, vilipendiado, carcomido, mal cheiroso, corrompido a não mais poder…

Falar sobre olimpíadas, para que, e por que, se refletiu o que temos e o que somos? Quem sabe para nos penitenciarmos pela ausência de verdadeiros e bem planejados objetivos, omitidos pela pobreza cultural e técnica daqueles que deveriam planejá-los e executá-los, mas que não o fizeram, exatamente, por não saberem como…

Falar mais o que, o que? Fico por aqui.

Amém.

Fotos – Autorais feitas no Congresso Brasileiro de Justiça Desportiva, realizado em Florianópolis em setembro de 2015, onde expus alguns dos pontos aqui abordados nesse artigo. Clique nas mesmas para ampliá-las.

 

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8