TRÊS PARÁGRAFOS…

tatiane_brasil_e_turquia

 

 

- Fizemos um primeiro tempo bastante intenso e com muita qualidade, no qual colocamos em prática um basquete bastante coletivo. Como o Brasil é uma equipe mais baixa, não conseguimos manter o mesmo ritmo no segundo tempo e demos uma caída na condição física e na tática do jogo. Mas conseguimos fazer um trabalho de revezamento da equipe e foi uma experiência maravilhosa – analisou Zanon.(Globoesporte.com).

Jogando contra a seleção da Turquia hoje, a equipe feminina brasileira, que se prepara para o Mundial, perdeu por 66 x 48 (19 x 18, 14 x 13, 18 x 6 e 15 x 11, perdendo todos os quartos) convertendo 31 pontos no primeiro tempo e 17 no segundo, ou sejam, 48 pontos em uma partida internacional, e o técnico ainda o classifica como “uma experiência maravilhosa”? Só pode estar brincando, e o pior, com coisa muito séria, uma seleção nacional, onde divide sua genialidade com a equipe masculina do S.José, numa dualidade de competências inimaginável a um trabalho sério e responsável. Como vemos e atestamos, mérito (ou QI) é isso ai…

 P1060712-001

No torneio da Eslovênia, a equipe brasileira masculina venceu a equipe da casa na prorrogação, por 88 x 84, num jogo eivado de oscilações, bem ao estilo de uma equipe sem personalidade coletiva, mas que apesar de tudo tenta manter seu forte jogo interno no ataque, e lampejos defensivos de boa qualidade. Rodando seus três pivôs nebebianos, em conjunto com os alas Marcos e Marcelo, e eventualmente o Alex, dentro do perímetro interno, que apesar do frágil apoio de armadores que pouco se entendem fora do mesmo, quando se perdem em infindáveis dribles e sinalizações desconexas, ainda conseguem se impor pela voluntariedade e presença física nos rebotes, hoje presentes (14/28), superando os eslovenos que conseguiram 33 (5/28), num embate que decidiu a partida onde deveria ser decidida, lá dentro, embaixo da cesta apesar de um lastimável 14/31 nos lances livres e 6/16 nos três pontos, em tudo compensados pelos 28/56 dentro do perímetro nas bolas de dois. E nesse ponto é que residem as chances da equipe na Copa Mundial, que seriam reforçadas se uma dinâmica e permanente movimentação dentro do perímetro fosse implementada, assessorada por uma dupla armação de verdade, trabalhando em proximidade, principalmente nas levadas de bola vindas da defesa, ponto em que as equipes mais categorizadas explorarão no caso de usarmos um único armador, com certeza. O fato de baixarmos um pouco a estatura da equipe, seria bastante compensada pelo maior e mais eficiente confronto defensivo, o que ocorreu hoje, principalmente no segundo quarto, mas que não foi levado adiante, pelo simples fato de não termos levado, ou convocado, jogadores melhores e mais aptos para essa função, prejudicando em muito a rotação nesse importante e fundamental setor. Enfim, uma réstia de luz apareceu no fim do túnel, não como uma esperança campeã, mas sim, uma busca de encontro ao bom senso técnico e tático, tão esquecidos ultimamente.

 basq-derrickrose-josebarea-eua-portorico-get

Finalmente, após o jogo da seleção americana contra o Porto Rico, fica no ar uma pergunta que direciono aos “estrategistas” do grande jogo do país – Qual, ou quais, os sistemas de jogo adotados pelo técnico americano em sua impactante equipe? Sistema Único, Motion Offense, ou simplesmente Fundamentos individuais e coletivos? Acertou quem apontou esse último, base de tudo no grande jogo, e suficiente para vencer e derrubar qualquer sistema que não conte com o pleno conhecimento e domínio dos mesmos, e que nos é vetado por um significativo número de prancheteiros e patéticos performáticos midiáticos de beira de quadra, onde as poucas exceções não contam…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV e do Globoesporte.com. Clique nas mesmas para ampliá=las.

 

 

 

 

 

A CLÁUSULA PÉTREA…

Não percamos mais tempo analisando o óbvio, que aliás, foi muito bem exposto pelo Giancarlo Gianpetro em seu Vinte Um, num artigo penetrante e lúcido, ao qual poderia somente agregar a cláusula pétrea que dá nome a esse complementar artigo.

E qual seria, prezado Paulo?

Observem detidamente as fotos aqui postadas, e confiram, ou mesmo contestem a dita cláusula, mas não omitam ou esqueçam que, a dias do inicio da Copa Mundial, a terra de ninguém em que foi transformada a perene distância que separa, oblitera e divide armação e movimentação interna, somadas a um exasperante imobilismo, criador de uma desabitada zona ofensiva (?), se petrifica, imutável em sua existência a cada dia mais presente, como numa realidade sem volta, pois carece de um mínimo de correção, aquela que poderia exequibilizar a tão almejada fluidez entre jogadores permanentemente conectados e calibrados em seus deslocamentos, bloqueios, cruzamentos, trocas de direção, paradas e partidas, dribles, fintas e arremessos bem escolhidos, equilibrados e amparados por um posicionamento estratégico nos possíveis rebotes, preenchendo com suas presenças aquela grotesca terra em que vem sendo transformada e dicotomizada as ações externas das internas, como que um enorme abismo sendo aberto entre esses dois espaços, que deveriam ser, na realidade, um só, indivisível, correlato e interdependente.

O preenchimento do mesmo, através a dinâmica e permanente movimentação técnica e tática, é o óbice, talvez o maior em que nos deparamos, pois situa em dois polos distintos e afastados o elemento mais crucial relacionado à fluidez de uma equipe, a ocupação permanente do espaço, trazendo para o mesmo, e também em constante movimentação, a defesa adversária, que somente poderá ser batida e contestada se deslocada, e não tê-la permanentemente como assistente privilegiada de nossa fraca e estéril realidade ofensiva.

Creio que defensivamente a seleção compromete bem menos do que seu tatibitati ataque, distante, desintegrado e comprometido pela cláusula pétrea de sua formação, o imobilismo…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e ter acesso às legendas.

 P1060670-001P1060674-001P1060678-001P1060684-001P1060688-001

O GIL ESTEVE LÁ…

 

O Gil Guadron esteve no jogo do Brasil contra os Estados Unidos em Chicago, e a meu pedido fez algumas considerações a respeito do que considera ser básico na pratica do grande jogo, mesmo a nivel de seleções nacionais. Ei-las:


20140817_180214_Tiago-Splitter_gde-660x369

La  importancia  de  los  fundamentos.

 

Asisti  al  ” United  Center ” con  mi  nieto

 de  13  años  de  edad,  y  la  pasamos   muy  bien.

 

Me  llamo  poderosamente  la  atencion   la   explosividad  en  los  movimientos ,  y  dominio  de  los  fundamentos  del  equipo  de  USA .

 

Sobre  los  fundamentos  , me  atrevere  a  mencionar   algunas  ideas  para  fortalecerlos  sin  importar  el  nivel  de  basquetbol  en  el  que  usted  entrene :

 

1  -  Los  fundamentos  no  son  parte  del  basquetbol….  son  el  basquetbol !!

 

Solamente  atraves  del  dominio  del  tiro, el  drible, la  vision  perisferica, los  deslizamientos  defensivos , equilibrio  etc.  se  puede  llegar  a  tener  un  buen  equipo  de  basquetbol.

2  -  Haga  que  todos  los  jugadores  entrenen / dominen   los  fundamentos  del  basquetbol.

Como  entrenador  debe  hacer  que  sus  jugadores  trabajen / entrenen  en  todos  los  fundamentos  ;  pues  si  un  jugador puede  hacer  solo  una  cosa  excelente…  es  apenas  un  jugador  de  basquetbol  incompleto.  Ese  joven  jugador  alto  un  tanto  descoordinado, haga  que  practique  el  drible  y  demas  fundamentos.

 

 

3  -   Que  los  ejercicios  tengan  aplicacion  en  un  partido.

 

Tan  pronto  el  jugador  pueda  ejecutar  un  movimiento, vaya  a  ejercicios  que  combinen  varias  destrezas  que  reproduzcan  realidades  del  partido.

 

4  -   Corrija  inmediatemente..  mantenga  la  calma, ofrezca  informacion  de  como  hacer  las  cosas !!! .

 

Jamas  permita la  ejecucion  equivocada  de  un  fundamento   y  utilize las  tecnicas  de  correccion  inmediatamente; para  ellos  es  sugerido .

 

No  pierda  el  tiempo enojandose  con  el  jugador !!!…  en  lugar  de  eso :

 

1  -  Felicite  al  jugador  por  lo  que  hizo  bien, por  el   esfuerzo ,

 

2  -  Digale  al  jugador  como

debe  de  ejecutar  el  movimiento, y

 

3  -  Despidalo  con  palabras  de  aliento.

5  -  Practica  continuada.

 

La  destrezas  motoras  se  aprenden  practica

ndo  y  no  escuchando  largos  discursos .  Sea  breve  en  sus  intervenciones  de  retroalimentacion…  no  trasforme  un  entreno  de  60  min.  en  uno  de 35  min.

 

6  -  Practiquelos  a  la  velocidad  del  partido.

 

La  rapidez, la  explosividad  en  la  ejecucion  de  los  ejercicios  debera  ser  parte  de  estos , y  usted  como  entrenador  deben  estar  atento  a  que  los  ejecuten  con  la  correcta  postura  corporal …  pieza  fundamental  en  la  explosividad  /  rapidez  de   los  movimientos.

Respetuosamente.

 

Gil  Guadron

Bastante sintomático, não?

Amém.

Foto – Divulgação LNB.

 

O DISCURSO COLETIVISTA…

Num jogo em que o Marcelo e o Guilherme entraram e saíram da quadra sem que ninguém no ginásio os notassem; que os armadores perdessem todos os duelos 1 x 1 com os americanos e atuassem pifiamente no apoio logístico ao jogo interno; que o Marcos em momento algum disputou uma bola sequer embaixo das cestas, ou tivesse chance de disparar suas bolinhas de fora; que por mais uma vez os grandes pivôs viessem jogar fora do perímetro, atuando isolados, e mesmo assim pontuassem com relevância, e que nossa defesa se situasse abaixo do mínimo permitido em um jogo de tal importância, é que podemos aquilatar o quanto de problemas enfrentará o hermano para tentar equacionar, principalmente quanto a uma rotação seriamente comprometida pela falha convocação, ao deixar para trás jogadores que, ao menos, poderiam somar para a equipe no plano físico, frente a fragilidade nesse aspecto por parte de alguns veteranos, nitidamente convocados pelos nomes e pressões midiáticas.

O tão decantado discurso de que o confronto se situaria entre o coletivismo brasileiro e a individualidade americana, ruiu exatamente pela coletividade americana, onde seus jogadores se complementavam através o enorme domínio que ostentam nos fundamentos do jogo, os individuais e coletivos, enquanto os nossos se perdiam em individualizações equivocadas e premidas pelo baixíssimo conhecimento daqueles mesmos fundamentos ostentados por seus oponentes, que se atuassem em pleno, como o farão certamente na Espanha, teriam levado o placar para muito mais do que os 20 pontos de diferença alcançados…

Enfim, creio que tenham ficado bem expostas as grandes dificuldades da seleção, a ausência de uma fluidez ofensiva que una e torne interdependente as ações fora e dentro do perímetro, através uma constante e dinâmica movimentação de todos os jogadores, e o sentido de cobertura defensiva, somente possível a esse nível, com a execução de flutuações lateralizadas à linha da bola, nunca longitudinais a cesta, propiciando as ajudas fundamentais ao sucesso de um sistema defensivo de qualidade, ainda mais com a presença de bons pivôs, ainda muito dispersos no jogo de rebotes, onde as mútuas ajudas os tornariam verdadeiramente eficientes.

No entanto, como imagens explicam mais do que palavras, acompanhem as aqui postadas para compreenderem o quanto de trabalho terá de ser dispendido em treinamento (e não rachões…) até o inicio da grande competição mundial. Assim torço e espero…

Amém.

 

Fotos – Reproduções da TV. Cloque nas mesmas para ampliá-las e acessarem as legendas.

P1060621-001P1060623-001P1060625-001P1060626-001P1060628-001P1060635-001P1060639-001P1060640-001P1060642-001P1060643-001

QUE O ÚLTIMO APAGUE A LUZ…

P1060610-001

O pivô que entra livre de frente para a cesta, um espaço enorme à sua frente para tentar algo mais seguro e eficiente, faltando ainda 6seg, nem pisca e manda o seu recado de fora, e erra…

 

Esse é o espírito coletivista de uma seleção que enfrentará os americanos em casa no próximo dia 16, com uma semana de treinos a realizar, para que se encontrem, se ajudem, se agrupem, e acima de tudo, que tentem jogar como uma verdadeira equipe, mesmo a segundos de um jogo ganho, mas em equipe, sempre…

 

Conseguirão? Torço para que sim, senão…

 

Amém.

Foto – Reprodução da TV. Clique na mesma para ampliá-la.

 

 

 

FALANDO DE FLUIDEZ…

P1060589-001P1060590-001P1060593-001P1060606-001

 

 

P1060607-001

Não me parece ser tão difícil, ou complexo assim, analisar o jogo em Buenos Aires, se nos pautarmos por um argumento, ou melhor, uma evidência que salta aos olhos de quem entende, ou procura entender, minúcias técnico táticas do grande jogo, a começar pelo aspecto consistência de equipe…

 

Que honestamente falando, pouco existe, e que varia brutalmente conforme são escalados alguns jogadores, que ora ou não se entendem, mesmo sob a égide de um sistema de jogo, que creio fortemente treinado, porém, fraca e convincentemente entendido e aceito…

 

São armadores que fogem sistematicamente do foco das ações ofensivas, se perdendo em passes lateralizados ou se escondendo atrás da defesa oponente, assim como pivôs indo ao perímetro externo armar jogadas, numa inversão de valores preocupante, pelo primário fator de que a existência de um sistema organizado peca pelo básico, a inconsistência, gerando por conseguinte, uma ausência de fluidez que precede o imobilismo tático…

 

Escolhi cinco, das muitas fotos que captei da transmissão televisiva, que demonstra tal imobilismo, preocupante às vésperas da grande competição, e que não poderá ser sanado somente pela disputa sequencial de amistosos, nem sempre favoráveis, e sim pelo forte e dinâmico treinamento em busca da fluidez desejada.

 

Poderia também discorrer sobre os platinos, sua forma harmônica de atacar e defender em massa no garrafão, assim como sua constância e firmeza no jogo externo, principalmente na precisão de seus arremessadores, mas creio ser o mais importante nos reportarmos aos nossos óbices, pois será na correção dos mesmos que poderemos alcançar o patamar de lídimo concorrente a um bom posicionamento em um torneio mundial, mesmo que se autoconvidando a um preço elevado, fora os seguros nebebianos…

 

No entanto, ao considerarmos que agora temos na equipe os jogadores longamente reclamados pelos aficionados do grande jogo, principalmente seus grandes pivôs, mesmo não relacionando outros bons jogadores esquecidos na convocação, e mantendo outros que já não ostentam condições técnicas para lá se encontrarem, podemos avaliar o quanto de trabalho ainda deverá ser estabelecido e praticado, a fim de que a equipe, num todo, consiga chegar na Espanha com uma razoável margem de coletivismo, necessário e vital para os enfrentamentos que se deparará em escala crescente e sem volta, se desejar estabelecer uma continuidade até onde puder, ou tiver competência para ir…

 

E se fluidez tática é o nosso objetivo primal, reporto-me a uma entrevista que o jornalista Fabio Balassiano do Bala na Cesta fez comigo em 3/3/2010, por conta de minha ida para a direção da equipe do Saldanha da Gama no NBB2, onde justifico o sistema de jogo utilizado, com dupla armação e três pivôs móveis, respondendo, inclusive, a uma questão colocada sobre os atuais pivôs que defendem a seleção para esse mundial, deixando no ar uma idéia, agora bem real, do que poderia  ser adaptado, ou utilizado pela mesma, em se tratando de fluidez sistêmica, que sugiro ser vista e analisada através o video que apresentei na época, de um dos jogos daquela equipe, e o quanto poderia inspirar a seleção sobre o fator que tanto vem sendo discutido, o da fluidez ofensiva, conseguida através um sistema proprietário e até agora único, já que coercitivamente esquecido…

 

Nele, podemos aquilatar como o comportamento entrosado e de mútua ajuda de armadores, pode influenciar decisivamente no municiamento de pivôs em constante movimentação, ora abrindo, ora se infiltrando no âmago defensivo de seu adversário, complementando arremessos seguros, pois de curta distância, e uns poucos de longa, e sem limitar as ações vindas do perímetro externo (nesse jogo, contra Joinville, o armador Muñoz fez 28 pontos, sem deixar em nenhum momento de exercer sua função armadora…), e onde a característica de unidade se materializa na fluidez de um sistema bem treinado, assimilado, discutido e aceito por todos, indistintamente (e só foram 49 dias…), através jogadores de pouca projeção midiática, deixando no ar a seguinte pergunta – Como seria com os nominados e talentosos jogadores que aí estão vestindo nossa outrora gloriosa camisa, como?…

 

Colocada a questão, que tal responderem ao desafio que fiz no artigo 1000 desse humilde blog?…

 

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e terem acesso às legendas.

 

 

 

O COLETIVISMO CAPENGA…

Chego ao Maracanãzinho depois de 12 anos de ausência, cruzo na entrada com o Bial que me cumprimenta e menciona o mar de gente que nos lembrava os tempos antigos, lá mesmo, no atual “Templo do volei”, que um dia foi o do basquete…

Ficou bonito e confortável, ficando eu e meu filho prontos para o espetáculo prometido…

Que não aconteceu, e o pior, por pouco não terminava em derrota para uma desfalcada e muito nova equipe argentina, que se perdeu ironicamente pela ação intempestiva de seu mais veterano e graduado jogador, o Nocioni, que a poucos minutos do término do quarto final, propiciou seis lances livres seguidos do Leandro (converteu 5) motivados por duas técnicas suas, além da falta pessoal. Estabelecida a diferença crucial, bastou a equipe nacional administrar o ritmo para vencer o confronto, que…

Meus deuses, ainda vai custar muito para ocorrer um arremedo de coletivismo, principalmente por parte da turma que atua no perímetro externo, totalmente comprometida pelo individualismo (e sem a fundamentação exigida pelo mesmo), e equivocada na leitura e escolha dos arremessos mais precisos, quase sempre optando pelas bolinhas, que não caíram como desejavam (foram 3/18)…

Dentro do perímetro, perdemos a enorme e rara chance de fazer deslanchar efetiva e decisivamente os bons pivôs que temos, e inclusive preparar aqueles mais novos (como fizeram os hermanos) num confronto bastante intenso e duro, mesmo com a ausência do Scola, por dois e contundentes motivos. Um, pelo individualismo exacerbado do Larry, Leandro e Raul, tendo somente o Huertas como foco das poucas assistências dadas aos pivôs, vide as inúmeras vezes em que os mesmos ocupavam a armação bem fora de suas posições no interior do perímetro, para eles mesmos “armarem” situações de ataque. Por outro lado, a trinca de alas, Marcelo, Marcos e Alex, se esbaldou na chutação de fora, quando poderia, ao penetrar mais fundo, propiciar arremessos mais precisos e assistir os pivôs com mais frequência.

Mas para tanto, obrigatoriamente deveria haver uma movimentação de todos, assíncrona ou sincronicamente agindo, obrigando o permanente deslocamento dos defensores argentinos, o que propiciaria espaços mesmo na zona pretensamente congestionada do garrafão, e não alguns se situarem estaticamente como assistentes privilegiados ou corners players, muito em moda hoje em dia, para aqueles que se consideram especialistas nos longos arremessos, e que na realidade não o são, além de não dominarem o drible e as fintas em progressão, o que talvez explique suas opções em sempre se situarem bem lá fora. O pior, é termos jogadores que assim agem com mais de 2 metros, que poderiam ser valiosos nos rebotes ofensivos, além, é claro, de converterem preciosos 2 pontos de cada vez se assim os tentassem, pois de 2 em 2 poderiam esticar o placar, e não se perderem em 15 tentativas de suados ataques aventurando-se nas famigeradas bolinhas…

Somemos a tudo isso, as inúmeras perdas de curtos arremessos por parte, principalmente do Spliter, pelo fato de finalizar suas tentativas com erros de direcionamento motivados por sua falha empunhadura, fator que o diferencia de seu companheiro no Spurs, o Duncan, perfeitamente alinhado no domínio do eixo diametral da bola no momento final que a lança a cesta. O pior, é não vermos dentre os 14 membros do batalhão altamente especializado nas minúcias do grande jogo que envolve a seleção, um sequer que corrija tal deficiência, que aliás é de razoavelmente fácil solução…

E poderíamos ir muito mais além nessa análise, mas prefiro que aqueles poucos que prestigiam esse humilde blog, percorram com aguçado interesse as imagens que virão a seguir, as quais mostram muito do que ainda precisamos conquistar para regressarmos a elite do basquete internacional, começando com um melhor critério nas convocações, pois alguns que lá estão irão comprometer seriamente o desenvolvimento da equipe, exatamente pelo seu comprometimento com a mesmice endêmica que nos tem assaltado desde sempre, sustentada muito mais pelos seus nomes, do que pelo real dominio técnico, a começar pelos fundamentos do grande jogo…

Torço enormemente para estar enganado, mas desconfio que não…

Amém.

 

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e terem acesso às legendas.

 DSCN3017DSCN3018DSCN3022DSCN3025DSCN3026DSCN3027DSCN3035DSCN3039DSCN3040DSCN3041DSCN3014

O ÁPICE DA CONVERGÊNCIA…

“Pôxa Paulo, o sul americano comendo solto e você nada, nadinha?

Olha amigo, com tanta “fera” comentando até minúcias que honestamente desconheço, que falta faço? E mesmo que tentasse me ombrear com a “especializada”, que mais poderia acrescentar, senão, talvez, uma ou outra colocação escrita, ou gráfica, com a minha proverbial ranzinzice de veterano que não aceita (e jamais aceitou) tanta mediocridade que afoga o grande jogo, injusta e renitentemente?

Mas velho, pelo menos uma pincelada, monocrômica até, de leve…

Tá bem, vamos lá, mas só uma pincelada…

Não vi os jogos contra a Argentina e a Venezuela (estava ajudando minha filha Andrea em seu IV Congresso Brasileiro de Dança Moderna, algo bem mais técnico e belo que as peladas institucionalizadas que imperam por aí…) , mas analisei os números, manjados, os de sempre, principalmente quanto a eterna hemorragia, jamais estancada das bolas de três, como numa afronta deliberada e profundamente estúpida, burra até…

Consegui assistir(?) o do Uruguai, que foi uma lástima, pois em absoluto percebi algo que se comparasse a uma equipe treinada, organizada, minimamente preparada para uma competição internacional, e com uma retumbante novidade, um sistema com dois pivôs e três armadores, numa clara, direta e incisiva, pois deliberada, opção pela convergência, pela priorização das bolinhas de três, que nessa partida consumou 18/25 de dois pontos e inacreditáveis 6/28 de três, e que irônicamente conseguiu vencer em duas esporádicas finalizações embaixo da cesta no minuto final da partida, numa tácita confirmação de ser esta a concepção tática de seu trei…,digo, estrategista…

Também foi tentado o sistema de dois armadores e três pivôs, assim como em toda a partida sempre estavam em quadra dois armadores, numa claríssima demonstração de “inovações” pretendidas, porém profundamente equivocadas, pois desenhar, ou pranchetar tais formações que exigem um profundíssimo conhecimento do “como” fazer uma equipe se comportar coletiva e harmonicamente dentro dessas concepções avançadas de jogo, e que são, com a mais absoluta certeza, desconhecidas por essa geração de estrategistas ligada xipófogamente ao sistema único. E quando afirmo não conhecerem o “como” fazer jogar, basta o simples fato de vermos o resultado dos especializados testes, treinos físicos e de força, além dos rachões de praxe, resultarem na bagunça, triste e lamentável, que temos visto acontecer em nossas seleções, para avaliarmos com isenção e muita certeza que, com tal liderança estaremos roubados para 2016, com ou sem os “detalhes” previamente inseridos nos espertos álibis premonitórios que já se desenham no horizonte…

Somemos a este sombrio cenário ao pavoroso ensaio que se desenrola nos mais sombrios ainda, bastidores do nosso tecnicamente indigitado basquetebol, sobre a efetivação de uma associação de técnicos, que segundo o técnico Lula Ferreira “existe, mas não funciona”, e que logo para mim, se não funciona, inexiste, e sendo que a mesma jamais foi prioridade para nenhum dos luminares que se apossaram do controle técnico do grande jogo, mas que se afigura como um politico instrumento, mais um, na busca do domínio completo da modalidade, na forma de um clubinho entre amigos comprometidos com o que aí está, sacramentado e cristalizado, quando deveria ser amplamente discutida em caráter nacional, ocupasse o tempo que fosse necessário para sua consecução, já que estrategicamente básica e fundamental. No entanto, vejo o velho e acalentado sonho, que tentei por duas vezes tornar realidade, começar a se transformar em mais um instrumento da mesmice endêmica em que foi transformado o basquetebol, em sua organização de base e em sua formulação técnico tática desde sempre.

Voltando ao jogo em si, e suas anárquicas e equivocadas “soluções” táticas, acompanhem as fotos que ora posto, como prova inconteste do muito que ainda temos de aprender sobre a grande arte de formar, treinar e fazer jogar uma verdadeira equipe, em toda a sua dimensão de coletivismo e produção individual, totalmente voltada ao bem comum, no qual estará inserida se orientada e comandada por quem realmente entende o que está fazendo, de verdade, de verdade mesmo, e não apoiado sob o manto do corporativismo vigente…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e ter acesso às legendas.

 P1060538P1060539-001P1060540-001P1060546-001P1060550-001P1060557-001P1060564-001P1060565-001P1060566-001P1060567-001

A TRISTE REALIDADE…

 

454_27.27.2013_37977_ef_20130612-660x400

 

 

 

 

 

Conversando com meu filho pelo skype desde Dublin, ele me relata a manchete do Times local – “Alemães constroem escolas, hospitais e ainda fazem goals”-

Igualzinho ao que fazemos aqui, exceto os goals…
Tragédia, tsunami, fim dos tempos? Não, somente incúria, arrogância, impostura, corrupção, omissão, e acima de tudo, covardia e uso de um povo privado de educação, saúde, segurança e cultura, bens que se assegurados e desenvolvidos bloqueariam muito do que o faz sofrer em seu sacrificado dia a dia.
Numa competição esportiva de tal magnitude, não tivemos o básico, os jogadores, competentes técnicos, estratégia, sistemas de jogo, preparação e treinamento compatível ao seu patamar de grande vencedor de outras copas, mas sobraram os desperdícios, os desvios, os megálomanos projetos, a política rasteira, a mentira, a triste e dolorosa mentira…
Daqui a um pouco mais teremos uma Olimpíada, calcada no mesmo cenário, só que multiplicado por tantas modalidades que se defrontarão em nosso solo, financiadas por nossas parcas e suadas riquezas, desviadas de seus cidadãos para os bolsos de oportunistas e ladrões, onde o planejamento desportivo se perde e esvai pelos ralos da incompetência e criminosa apropriação de recursos negados aos seus jovens, em saúde, educação e cultura.
Sem dúvida faremos uma enorme e deslumbrante festa, para os outros, que aqui aportarão em busca das medalhas resultantes de suas políticas voltadas ao desporto como fator e vitrine de seu desenvolvimento, e não uma prova cabal de nossa ignorância e arraigada colonização, mantida por aqueles que nos vendem e aviltam desde sempre.
Também daqui a dois meses, compareceremos a um Mundial onde compramos uma vaga, eliminados que fomos vergonhosamente sem uma vitória sequer, dando continuidade a um projeto técnico que nos arrasou e humilhou de duas décadas para cá, sem vislumbre de que algo pudesse ou teria sido feito na formação de base, muito ao contrário, servindo-a de moeda de troca e compadrio político no preenchimento de currículos tão mais falsos e enganosos como todos aqueles que se locupletam com ela.
Duas classificações a mundiais foram recente e bisonhamente perdidas para os famigerados “detalhes”, figura mítica ligada ao fracasso que nos tem perseguido, fruto do corporativismo vigente entre aqueles que decidem técnica e taticamente o preparo de nossas seleções de base, e somente possível ante a inexistência de uma forte, presente e técnica associação de técnicos, de técnicos, e não provizionados profissionais de não sei o que, pois de basquetebol pouco ou nada sabem que extrapole de suas midiáticas e lamentáveis pranchetas…
Agora mesmo, o técnico para o sul americano menciona numa reportagem do Databasket de 5/7/14: “É muito bom ver que os movimentos das jogadas estão saíndo quase que naturalmente. É importante que os jogadores continuem lendo os diagramas com as jogadas para que elas sejam cada vez mais assimiladas. Gostei muito dos treinos e vamos continuar aprimorando na próxima semana”. Como vemos, “jogadas saindo quase naturalmente” tornam-se sinônimo de eficiência, mas que na realidade são de pleno conhecimento de todos os jogadores, selecionáveis ou não deste país, pertencentes a que divisão for, nos âmbitos municipais, estaduais e nacionais, e mais ainda, em ambos os sexos, já que presentes no sistema único conhecido e praticado por todas, onde chifres, punhos, camisas, ombro, pinquerrols, compõem um monocórdio repertório que se repete ad infinitum, mudando uma ou outra denominação para parecer diferente…
Tal afirmação vem provar o quanto de dependente terá de ficar a equipe aos cadarços manipuladores de fora para dentro da quadra, sistematicamente manobrados através o gestual teatralizado e as incursões pranchetadas, quando a mesma deveria se comportar responsavelmente pelo conhecimento e leitura do jogo, nos momentos em que as jogadas acontecem, e que nunca se repetem, como resultante de ações voltadas a criatividade e tomadas de decisão, tornando factível os sistemas adotados e baseados no pleno dominio dos fundamentos do jogo, sem os quais os mesmos e prancheta nenhuma neste mundo poderá exequibilizar.
Mas pera lá, fundamentos? Ora meu caro Paulo, o negócio é Academia, malhação, ou você está por fora?
Desculpem, mais sempre ‘me situo como técnico, professor, antiquado, bem sei…
Mas o impactante desta semana no mundo do grande jogo foi a declaração do técnico/presidente de uma equipe da LNB: “Nao conseguimos dinheiro para contratar um treinador. Sendo assim, o torcedor terá que aguentar o Rinaldo como técnico por mais uma temporada, no mínimo”…
No entanto sobrou dinheiro para três americanos, e quem sabe lanche e banho no hotel, em caso de uma derrota fora do esperado…
Finalmente, Uberlândia monta um time a imagem de seu supervisor, para depois contratar um técnico espanhol vindo do Paraguai para dirigí-lo, ou administrá-lo?
Amém.

SE AGITOU, DECRESCEU E PERDEU…

P1060126P1060145P1060152P1060154P1060157DSCN2671DSCN2679DSCN2734

O NBB6 chegou ao final, e a equipe do Flamengo foi sua lídima vencedora, a qual parabenizo pela conquista, mas no entanto, continuo a discordar da forma como joga, idêntica a de suas adversárias em sua maioria, vencendo-as por ter nas posições de 1 a 5 melhores jogadores que as mesmas, fruto de maiores investimentos, principalmente em jogadores estrangeiros de qualidade.
Laprovittola e Meyinsse fizeram a grande diferença, principalmente o grande pivô, que quando acionado (infelizmente muitas vezes trocado por bolinhas pretensamente eficientes, que foram nesse jogo 8/26, com 16/28 de dois pontos, num clara convergência propiciada por seu oponente…) decidiu alguns importantes jogos com seu impressionante domínio das fintas, do drible e dos arremessos firmes e seguros perto da cesta, sem falar de seu potencial defensivo e reboteiro. Sem esses dois jogadores, a equipe carioca dificilmente levaria o campeonato, pois seus jogadores patrícios se equivalem aos das outras equipes nas qualidades, e principalmente nos defeitos, basicamente os defensivos, já que taticamente atuam no sistema único presente na realidade de todos, em português e espanhol…

Mas algo saltou aos olhos atentos desse curtido professor, e que no afã torcedor da mídia dita especializada, deixou de ser comentado, sequer apontado, a primariedade opcional da equipe paulista nesse jogo em particular, o decisivo, que, apesar do equivoco, quase o levou de vencida.
E no que falhou? Na teimosa e pouco inteligente permissividade pelos longos arremessos, quando vinha eficientemente se comportando muito bem nas ações de 2 em 2, utilizando seus bons pivôs, inclusive pendurando o Meyinsse no terceiro quarto, e cuja continuidade ofereceria a grande chance de vencer uma partida possível, porque não?
Sabedor de que a equipe carioca, pelos jogadores que possuí, que não abrem mão de suas “convicções” pontuadoras, principalmente de fora (vide o Marcos, o Marcelo e o Alexandre), e por isso pouco utilizando seus pivôs, optou o Paulistano pelos arremessos também de fora (5/21) e pelo tico-tico de seus americanos, também abandonando o jogo interno, que comparecia em alta (21/40). Numa simples continha aritmética, em um jogo que perdeu por cinco pontos nos dois minutos finais da partida, se tivesse trocado a metade dos erros nos três pontos (16 tentativas) por tentativas de dois, teria a sua disposição 16 pontos possíveis e mais precisos, logo…
Mas seu técnico, o melhor da temporada (?), assim como seu oponente, ambos da seleção brasileira, preferiram, desde sempre, fazer presenças coercitivas sobre a arbitragem, do momento que a bola subiu para o início do jogo, até seu final, sem serem coibidos como determina a lei do jogo, por juízes mais voltados ao estrelismo, falseando sua única e básica função, aplicá-la com rigor e isenção.
E ao preferirem tal situação, perderam, como a maioria dos técnicos perdem ( e nesse ponto, um comentário do analista da TV de que TODOS os técnicos reclamam da arbitragem, conotando uma inverdade midiática, mas que parece ser bem vinda como “parte do espetáculo”, o que é lamentável…) a fantástica oportunidade de entrarem no âmago do grande jogo, através a minuciosa comparação de seu projeto de preparação com a realidade da competição, nos detalhes, aqueles ínfimos, porém determinantes detalhes técnicos, táticos, e acima de tudo estratégicos de seu trabalho, pois serão melhores profissionais na medida em que diminuam a distância entre diagnose e retificação de suas ações e intervenções técnicas, táticas, comportamentais, afetivas e interpessoais numa equipe de alta competição, aprendizagem essa iniciada na formação de base, e na percepção do quanto representa essa diminuição na real, pois adquirida, compreensão do que ela representa em sua árdua profissão de educador e técnico.
Enfim, mais uma etapa pelo soerguimento do nosso querido basquetebol completou seu ciclo, no entanto, ainda muito aquém de nossas necessidades, principalmente tão próxima de 2016, numa constatação bastante evidenciada, a de que nosso grande óbice no grande jogo percorre o caminho das carências técnicas, onde uma escola como a ENTB de forma alguma prefacia mudanças, mais sim endossa o que aí está, e onde o primado da meritocracia cede seu estratégico lugar ao compadrio e a mesmice endêmica que asfixia o grande jogo entre nós.
Gostaria imenso que investíssemos em novos sistemas de preparo de base e do jogo em si, e que fosse dado mais espaço de mídia às nossas realidades regionais nesse imenso e injusto país, em vez de vermos a cada dia que passa a solerte e maliciosa imposição de uma cultura absolutamente impraticável em nosso país, pois alimentada por quantitativos astronômicos, muito longe de nossa realidade econômica e social, porém muito próxima de uma turma que ama o que não consegue, e que segue teimando por migalhas advindas de sua consentida colonização.
Amém.

Fotos – Paulo Murilo e André Raw. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.