OS INOMINADOS…

P1030919-002

Paulo, os playoffs do NBB se encerraram e você mocó, por que, resolveu ignorar?…Não, claro que não, mas, agora quem questiona sou eu, comentar uma mesmice perene e inamovível, mesmo cercada de emoções a mil, e recheada de erros de fundamentos que assustam para valer?…

             E mais, assistir incrédulo americanos meia boca “encerarem” a quadra, monopolizando a bola a seu bel prazer, sob a passividade defensiva fora e dentro do perímetro, numa permissividade inadmissível sob qualquer critério técnico que se escolha, mas que aufere vitórias e classificações improváveis, dignas de um basquetebol tatibitate, e que ainda engatinha à sombra de uma forma de jogar, que celeremente vem sendo substituída por algo ainda negado por aqui, arraigados que estamos ao sistema único, ao 1 x1, às bolas de três, à frouxidão  consensual defensiva, na contra mão da busca pela velocidade, habilidade e criatividade, que são a resultante de um enorme domínio dos fundamentos individuais e coletivos do jogo por todos os jogadores, e não um ou outro diferenciado, como os meia bocas mencionados, numa carreata liderada por estrategistas que se repetem ad nauseum em pranchetas midiáticas e absolutamente inexpressivas técnica e taticamente, num carrossel de repetições e lugares comuns, de coisíssimas nenhumas…

E o pior, assistirmos a dissolução de equipes derrotadas pela má gestão técnica, pela escolha de “nomes” valorizados por espertos agentes, esquecendo no limbo da história jogadores realmente importantes, veteranos ou não, para uma equipe, para um sistema de jogo coletivista, diferenciado, ao largo da mesmice implantada de forma absurda e profundamente burra por um corporativismo que visa a manutenção do que ai está, imexível e garantidor de um  mercado de trabalho tão, ou mais medíocre que suas anacrônicas capitanias hereditárias…

É duro saber de antemão o destino de bons e úteis jogadores que se matam numa Liga Ouro para classificar suas equipes, sabedores que sucedendo a classificação serão trocados por outros mais “ranqueados” para o NBB, segundo a “altamente qualificada” opinião de agentes, dirigentes e estrategistas de plantão, claro, todos afinados com a mesmice endêmica que defendem com o denodo de “donos do pedaço” que julgam ser…

Pena que nossa educação e conhecimento desportivo, do grande jogo em particular, seja tão canhestra, tão ignorante, fatores estes que poderiam ser decisivamente confrontados se ao menos uma equipe, bastaria uma somente, mesmo sem muita verba, sem muito apoio midiático, porém formada por jogadores de verdade, repito, veteranos ou não, competentes em seu labor, valentes e corajosos o suficiente para adotarem novas formas de jogar, de se comportar, de acreditar em algo inteligente e desafiador, reunidos em torno de um técnico que exigisse comprometimento nivelando a todos em torno dos movimentos básicos, como um barco onde remam numa mesma direção, com humildade de aprender, e o mais importante, reaprender e apreender ações e movimentos individuais e coletivos, para um pouco mais além, abraçarem um sistema de jogo proprietário, e não um decalque estúpido e retrogrado do que ai está implantado desde sempre…

Mais duro ainda é o fato de testemunharmos os comportamentos da grande maioria dos técnicos ao lado da quadra, nos pedidos de tempo, numa mistura de proposital teatralidade, ferocidade no trato com jogadores, ingerência desproporcional junto as arbitragens, ao não reconhecimento dos erros, sempre direcionados a equipe, aos juízes, nunca ao sistema que usam e abusam com seus chifres, polegares e canetas hidrográficas, todos pertencentes a elite do lugar comum em que nos encontramos, inclusive os brand news…

Mas como não há mal que sempre dure, quem sabe emergirá dessa densa penumbra, uma agremiação corajosa, sem medos de inovações, propensa a um passo além da mesmice vigente, que adote os fundamentos como base física e técnica no seu preparo, que resolva jogar muito além de um sistema único retrógrado e acomodado, que converse e discuta seus passos no dia a dia, onde os jogadores se respeitem ao trabalharem igualmente, numa permanente troca de valores e conhecimentos, quando descobrirão o portal de entrada na constituição de uma verdadeira equipe, que acerta e erra junto, paciente e madura, humilde e brilhante…

Paulo, você realmente acredita na possível existência de uma equipe assim? Claro que sim pois já dirigi por 49 dias uma desse naipe no NBB2, e que ainda poderia ser reunida, pelo menos alguns de seus componentes, afinal de contas as equipes midiáticas não querem, ou se interessam pelos jogadores que a compuseram, espalhados que estão pelo país, mas que se reunidos dariam um trabalho imenso para serem derrotados, e disso tenho a mais absoluta certeza, e sabe porque? Porque são muito bons, apesar de opiniões contrárias dos estrategistas de plantão…

Amém.

Foto – Do autor. Clique na mesma para ampliá-la.

 

A LIBERDADE CRIATIVA…

P1100502-001P1100507-001Ficou engraçado ouvir os diversos comentáristas televisivos discorrerem sobre as equipes no March Madness da NCAA, pois de uma forma geral contrariavam seus notórios posicionamentos técnicos e táticos, rigorosamente sedimentados no sistema único (o tal das posições de 1 a 5 e suas jogadas padronizadas…), frente a uma realidade que contrastava seriamente os mesmos dentro do campo de jogo, onde suas arraigadas convicções ruiam uma a uma, a tal ponto que, num determinado momento do jogo Kentucky e Winsconsin, um deles afirmou constrangido que esta equipe fazia um jogo com cinco abertos, quem sabe para a chutação de três (fixação do mesmo…), quando o entra e sai de jogadores e bola no perímetro interno era o que se via com uma clareza ímpar, numa forma de jogar jamais aceita, não só por ele, mas pelos demais especializados, adeptos desde sempre dos cincões, das bolinhas do 1 x 1, e das esterradas “monstro”…

Por mais que neguem, uma revolução está em andamento como jamais imaginaram, centrada em jogadores acima dos 2,12m capazes de conduzir, fintar e progredir com a bola em perfeito domínio, assim como se deslocarem em todos os sentidos, dentro e fora dos perímetros, ágeis, lépidos e combativos, mais pelo posicionamento do que pelo físico, e tudo e por tudo semelhantes aos armadores, cada vez mais criativos e autônomos (poderiam ser mais, não fosse a resistência controladora de ainda muitos técnicos presos a dogmas, e como aqui, a pranchetas midiáticas), que inexoravelmente irão de encontro a liberdade criativa, queiram ou não os “estrategistas”, daqui e de lá tembém, afinal, a proposta evolutiva do Coach K também encontra resistências, pois vultosos investimentos estão em jogo…

Por aqui teimamos na cópia canhestra de uma mesmice endêmica e cada vez mais hermética, fruto do corporativismo de um grupo que se apoderou do controle do grande jogo, blindado que se encontra a qualquer manifestação contraditória a seus princípios. marginalizando a qualquer um que tente estabelecer algo do novo, de “diferente”…

No entanto, podem tentar enterrar a verdade, matá-la nunca, e as provas ai estão escancaradas, ironicamente vindas da matriz  que incensam e idolatram colonizadamente, e tanto, que não se apercebem das profundas e radicais mudanças que lá eclodem com firmeza e sem volta…

Desde muito tempo preconizo esses novos tempos, pelo estudo, pesquisa, aplicação e desenvolvimento dessa “nova” forma de ver, sentir e jogar o grande jogo, e esse blog é a prova definitiva desse posicionamento, queiram, ou não reconhecer, todos aqueles que sempre negaram aceitá-lo, mas que já se preparam para recepcionar e patrociná-lo como de suas verves, afinal, está vindo do oráculo, única origem que aceitam e copiam desde sempre…

Bem, logo mais teremos a grande final entre Duke e Winsconsin, divisora, agora no âmbito colegial, entre a antiga e nova visão da modalidade que mais evolui dentre os desportos coletivos, e que por essa razão exige a máxima dedicação à formação de base, e permanente desenvolvimento de sistemas diferenciados de jogo na elite, onde a liberdade criativa seja desenvolvida e preservada desde sempre.

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.

 

A ENDEUSADA E MIDIÁTICA MESMICE…

P1000629-001

Um dia Nelson Rodrigues afirmou que “toda unanimidade é burra”, no que parece ser hoje a mais autêntica das verdades quando o tema é basquete brasileiro. Loas e unanimes ovações pipocam na mídia especializada situando o grande jogo como um produto em plena ascensão junto ao público, com competições cada ano mais acirradas e equilibradas, crescente vinda de estrangeiros dentro e fora das quadras, patrocínios mais fidelizados, retomando aos poucos o domínio continental, mesmo ainda muito carente naquele fator divisor de águas junto a realidade competitiva internacional, o fator técnico…

Sim o fator técnico é o nosso sempre exposto tendão, doloroso e incapacitante, na medida de nossa já estabelecida mesmice endêmica, implantada à sombra do sistema único calcado na NBA, e “enriquecida” com a aceitação de um reinado, o das “bolinhas”, que estabelece a convergência como padrão a ser copiado e seguido, inclusive, e de forma lastimável, pela formação de base em todo o país…

Hoje, lideres de nossa liga maior, vencem jogos atrás de jogos convergindo copiosamente, como ontem, quando Bauru derrotou Mogi (97 x 75) perpetrando 19/38 bolas de três e 14/24 de dois, com um dos seus pivôs, Hettsheimeir arremessando 6/14 lá de fora, e o ala armador Alex 7/10 da mesma distância, ante um sistema defensivo anacrônico e profundamente equivocado por parte de Mogi, pois mesmo enfrentando um sistema de jogo usado por todas as equipes da liga, inclusive ela mesma, com seus idênticos chifres, punhos, camisas, e correlatos, bastaria ter utilizado uma engenharia reversa do mesmo, na formulação antecipativa de um bom e eficiente modelo defensivo, no qual tentativas de bolas de três ao serem contestadas, opcionariam  defensáveis penetrações e bolas de dois pontos, equilibradas que seriam se a recíproca se baseasse também no princípio de que de 2 em 2 se vencem partidas, com mais segurança, eficiência e precisão, e não através de insanos duelos de bolinhas e mais bolinhas…

Mas o que se pode atestar com grande margem de segurança, é a generalizada aceitação, utilização e monocórdia presença de uma realidade, triste realidade, aceita por todos, jogadores, agentes, dirigentes analistas, jornalistas e, principalmente, os técnicos, todos estrategistas do caos existente e de muito difícil solução, a não ser que se adapte, pela incapacidade criativa de todos, algo diferenciado, ousado, corajoso, revolucionário, à imagem do proposto pelo Coach K após os sucessivos fracassos de seu país em mundiais e olimpíadas, hoje uma realidade que todos reconhecem pelos resultados alcançados em seus campeonatos nacionais e competições internacionais, onde um novo paradigma se faz presente, com uma proposta antagônica às rígidas posições de 1 a 5, marca indelével do sistema único, onde uma sempre presente dupla armação coordena as ações de três alas pivôs transitando permanentemente no perímetro interno em grande velocidade, agilidade e destreza nos fundamentos básicos, não esquecendo, inclusive, de algumas outras soluções encontradas, estudadas e aplicadas em outros países, inclusive o nosso, infelizmente aqui sufocada e varrida para baixo do tapete da história, pela descomunal força de um corporativismo insano e discriminatório, implantado desde algum tempo entre nós…

Enfim, ao patinarmos descontroladamente no bojo de uma sistematização anacrônica e tristemente limitadora, acrescida de uma “filosofia convergente”, onde bolinhas e enterradas se constituem no “ápice do basquete”, conforme a midiática opinião dos “entendidos de plantão”, em seu proposital, senão ignorante, desconhecimento do grande jogo, omitindo do mesmo os básicos fundamentos, como a estrutural condição de sua existência, coisificando-o ao nível de suas “convicções técnicas e táticas”, ausentes fatores estratégicos que explicam e justificam sua letal e estupida omissão…

Temo pelo futuro do basquetebol entre nós, que apesar de sua falseada grandeza midiática, não consegue, por mais que tente, esconder a falsidade maior, a de que aos poucos, porém irremediavelmente, involui naquele básico fator, o técnico, o fundamental, que o eternizou como o grande, grandíssimo jogo…

Amém.

Foto – Reprodução da TV. Clique na mesma para ampliá-la.

 

SEMANA DEMAIS…

P1100362-001P1100317-002P1100353-001P1100356-001

 

 

Nesta semana e meia que nada postei no blog, tive a oportunidade de testemunhar alguns fatos bem importantes que passo a relatar:

- Primeiro, a significativa e bem vinda redução da artilharia de fora nos jogos do NBB, e claro, como alguns irão patrocinar, por influência direta das transmissões do March Madness da NCAA, onde predomina em essência o fortíssimo jogo interno, destinando os longos arremessos aos poucos especialistas de cada equipe, e jamais através a longa campanha emanada dessa humilde trincheira sobre a temerária validade dos mesmos, como o vemos e praticamos em terras tupiniquins…

Não importando a origem reducionista, é algo alentador assistirmos jogos onde a assistência interna vai se impondo aos poucos, incluindo os pivôs nas concepções ofensivas, e não somente como arrecadadores de rebotes originados pela sanha autofágica de um sistema de jogo absurdo e deplorável, mas que ainda está muito longe de uma autêntica mudança de hábitos, que necessitará de algum tempo para ser convincente e competentemente ensinados e auferidos…

- No entanto, tornasse um exercício aterrador sermos bombardeados por comentários televisivos raiando o inacreditável, quando em belos e bem disputados jogos da NCAA, nos deparamos com verdadeiras encíclicas de auto promoção, vaidades, ironias, piadinhas e outros penduricalhos perfeitamente dispensáveis, numa enxurrada de achismos e pitacos pouco críveis e de questionável seriedade, e que passam a kilômetros do que testemunhamos ao vivo e a cores, principalmente quanto a verdadeira revolução técnico/tática por que vem passando o basquete americano, principalmente em sua colossal base colegial, cerne inquestionável de seu poderio, liderado não mais pelo solitário Coach K, agora acompanhado maciçamente por seus colegas, muitos passando dos 65 anos, provando de forma magistral que experiência e rodagem ainda dão as cartas quando o assunto é o grande jogo, mas que ainda encontra no seio de nossas carpideiras, televisivas inclusive, saudades e menções sobre “cincões” e “bolinhas”, sem as quais não se ganham jogos, entre outras discutíveis e lamentáveis opiniões…

- Mas, eis que de repente, surge na telinha o presidente da novíssima ( pena que restrita) ATBB (ou ASBRATEC), discutindo aridamente com um trio de arbitragem, demonstrando a todos seus filiados (até agora parece que são 15, todos do NBB…) como deve se comportar éticamente um técnico nivel III galardoado pela ENTB/CBB, junto às arbitragens em jogos do NBB, que é o parâmetro para os técnicos de todas as divisões da modalidade no país, num irretocável exemplo para todos do que façam o que faço…

- E pela enésima vez assisto num jogo feminino o técnico insistir – “Sem utilizar o sistema não tem jogo…” Mas como fazê-lo se as jogadoras encontram na bola e no domínio de seus corpos os maiores obstáculos? Como jogar se não dominam o básico, os fundamentos, como?…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

 

LÁ E CÁ…

regata-minas-23-640x457
P1100319-001

Ficar doente é bastante desagradável, e mais ainda quando um importuno nervo ciático teima em não ceder na velocidade que desejamos, incomodando para valer. Mas, tem o lado compensatório pela imobilidade forçada, a de por em dia a papelada acumulada, e poder assistir toneladas de jogos de basquete, da LNB, ENDESA, Euroliga, WebNBB, NCAA, NBA, ufa, é jogo demais, e nem sempre satisfatórios técnica, e mesmo taticamente…

Mesmo assim, ainda dá para exercitar conceitos de jogo, comparando, entendendo e analisando-os, na medida do possível,  através a ótica do que melhor poderíamos aprender com os mesmos, técnica, tática,  administrativa, e mesmo, politicamente…

De saída salta aos olhos uma inevitável comparação, até mesmo por se tratar de uma faixa etária similar, a que se encontra entre os 18/22 anos, como no caso da LDB e a NCAA…

O brutal contraste existente, como um profundo fosso separando as duas ligas na porta de entrada das divisões de elite de seus países, não deixa dúvidas do enorme caminho que ainda teremos de percorrer para chegarmos um pouco mais perto daquela paquidérmica competição universitária, se é que algum dia lá chegaremos…

A começar pelos investimentos materiais, pessoais, acadêmicos e de apoio midiático, fora o mais importante de todos, a formação de base, como o advindo de uma realidade escolar muito bem implantada, contrastando com a inexistência de uma simples política educacional e desportiva entre nós, que de saída nos deixa irremediavelmente fora de qualquer simplória comparação…

Escola e universidade são a base cultural americana, mantenedora das tradições, da pesquisa e da cidadania, apesar de algumas contradições (vide o artigo anterior aqui publicado), apresentadas em seu sistema democrático, fatores estes muito diferentes da nossa realidade, onde educação e desporto são negligenciados a beira do descaso, da criminosa omissão…

Então, vemos uma competição master, apresentando o melhor de seus jogadores,em estádios e arenas sempre cheias, entre os quais alguns poucos seguirão a carreira profissional, e a grande maioria, de posse de uma formação superior, seguirá em sua caminhada cidadã, na produção de saber, riqueza, e prosperidade para seu país…

Enquanto isso, num campeonato totalmente patrocinado pelo estado, em pequenos ginásios sempre vazios, clubes deficitários apresentam equipes semi profissionais, carentes de estudo e formação acadêmica, e apresentando às claras o enorme fosso que os mantêm longe da turma do hemisfério de cima, a acachapante distância que os separam na técnica e leitura do grande jogo, o domínio absoluto dos fundamentos, fruto de uma competente formação  de base, naquele ambiente em que se encontram os jovens, a escola…

Infelizmente é um obstáculo quase intransponível, pois são realidades opostas, educacional e culturalmente falando, e quando muito poderíamos diminuir um pouquinho se apresentados a uma real e factível politica nacional de educação, onde o desporto estaria representado, dentro de nossa realidade material, porém lastreada por objetivos bem esquematizados, realísticos e dentro de nossas possibilidades sócio econômicas, num projeto a médio/ longo prazo, como devem ser desenvolvidos projetos sérios e responsáveis, e não essa correria de última hora patrocinada por quem, em tempo algum, se preocupou com base, educação e cultura de um povo, e sim pela lucrativa indústria das obras faraônicas e dos legados fajutos…

Vendo os universitários americanos, altos e baixos, largos ou atléticos praticando o grande jogo com técnica e conhecimento tático, e comparando-os com nossos sub 22, podemos, sem muito esforço, compreender a enormidade do fosso que os separam, e lamentar profundamente a não existência de um mínimo de vontade politica para que nossos jovens tenham a oportunidade de vivenciar em pleno o incomparável universo que representa um ensino de qualidade, que é um direito constitucional deles, negado desde sempre neste enorme, desigual e injusto país…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.

 

O SISTEMA…

P1100312-001P1100313-001P1100314-001GAS_57561-640x427

 

 

 

Convenhamos, já temos nossa forma de jogar, e vencer, campeonatos internacionais, e de uma maneira inédita, inovadora, única no contexto mundial, realmente impactante, o sistema convergente e seus pivôs de três…

Nas duas rodadas finais da Liga das Américas, Bauru simplesmente arremessou 37/61 bolas de dois pontos, e 20/70 de três, e seus pivôs de três, Murilo e Hettsheimer anotaram 3/12 lá de fora, mesmo…

Venceu o campeonato, e será nosso representante na Copa Intercontinental contra o campeão da Euroliga no segundo semestre, tentando repetir o feito do Flamengo no ano passado…

Porém, antes terá pela frente a dura competição do NBB, onde lidera junto a Limeira, equipe bem próxima de sua opção tática, a preferência pelas bolinhas de fora, de que distância e ocasião forem, inclusive nos contra ataques, apesar de possuírem, ambas, um naipe de excelentes pivôs, dos melhores da liga, e muito bons armadores também, fatores que os capacitam a sistemas internos de jogo eficientes, mais seguros e confiáveis…

Mas não, a demanda de fora, das hetérias bolinhas, mágicas, midiáticas vem se tornando uma verdadeira epidemia em nossas quadras, e o pior, desde a formação de base, numa aventura que avalio o desfecho, quando as defesas se conscientizarem do poder da marcação realmente individual, sem as ajudas nas penetrações, que valem dois pontos, e que se tecnicamente bem contestadas os atenuam, e até os evitam, e sem faltas pessoais, como muitos técnicos induzem a cometê-las, originando o nulo combate exterior, incentivo maior e absoluto para a grande orgia dos três…

E tal permissividade defensiva ajudou, e vem ajudando o estabelecimento desse novo sistema de jogar, sem envolvimentos com dribles sofisticados demais, fintas complicadas, passes geométricos, todos fundamentos simplificados pelas bolinhas, longinquas peças de um puzzle incensado por quem não sabe jogar, compreender e amar o grande jogo, enciumados pela sua doce complexidade, minimizando-o ao nível de sua concepção rasteira de um grande jogo, desconhecendo ironicamente que as tais bolinhas se situam no mais alto patamar da técnica, ao se constituir no mais preciso e refinado dos fundamentos, terreno para muito poucos, mas que coisificado parece pertencer a todos, indistintamente, numa trágica encenação de como não jogar, individual e coletivamente…

Mesmo assim foram campeões, com inteira justiça, exceto pelo fato de apresentar no proscênio mundial uma forma de atuar autofágica e irreal, e que foram salvos pelos momentos, importantes momentos em que atuaram “lá dentro”, com a força de seus bons pivôs, e pela maestria de seus melhores ainda armadores. Pena que seu melhor arremessador de três, realmente um especialista, o Robert Day, tivesse sido despejado de sua condição e posição por um…isso mesmo, um pivô, o Hettsheimer…

Me preocupa, de verdade, se essa nova “filosofia de jogo” vingaria na seleção, quando enfrentaria defesas de verdade, e não esse pastiche defensivo apresentado na LDB, e continuado no NBB…

De qualquer forma, parabenizo o Bauru, e seu guerreiro técnico pela conquista.

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

 

HABLANDO DE FRACASSOS…

P1100281-001P1100286-001P1100290-001P1100292-001P1100311-001(…) – Se vocês me perguntarem se estou triste, é claro que sim. Mas de maneira nenhuma estamos nos sentido fracassados. Fracassado tem que se sentir quem não consegue chegar até aqui (…).

( Trecho da matéria publicada no Globoesporte.com)

Sem duvida uma arrogante declaração de quem simplesmente “se acha”, mesmo perante evidências de falhas que não admite reconhecer, quiça corrigir, pois foram falhas repetidas ao longo do torneio, principalmente no aspecto estratégico ao considerar seu adversário um franco atirador sem pressões para jogar, o que se mostrou um erro colossal…

Os mexicanos com seus bons americanos vieram para vencer, como o haviam vencido em Cancún, de uma forma que não deixou margens para dúvidas quanto a sua intenção de faturar o troféu, com ou sem pressões de qualquer ordem, e para tanto apresentou suas armas de saída, forte defesa exterior, contestando com energia as metralhadoras rubro negras ( 6/28 de três pontos), e maior ainda combatividade interior, frente ao único pivô que por lá se aventurou, o Meyinsse, solitário, porém eficiente, mas pouco, muito pouco acionado, principalmente no quarto final e prorrogação, quando a grande estrela adversária, o pivô Keenan, atuou com quatro faltas pessoais, sem ser pressionado à quinta falta, ou mesmo na facilitação de conclusões a curta distância…

Fracassou de saída na escalação inicial com o Marcos em dupla armação com o Laprovittola, pois o enorme ala nem de raspão pode ser qualificado tecnicamente para a função, pois sua ambidestralidade é discutível, assim como seu drible progressivo pela esquerda, tornando-o acéfalo na função, se comparado com o Benite, ou mesmo o Marcelo…

Fracassou no frágil estabelecimento do jogo interior, com seu pivô isolado, sem o apoio direto de seus companheiros, confiando na artilharia exterior, e nas esporádicas penetrações dos armadores, ambas as situações muito bem contestadas pelos “franco atiradores de plantão”…

Fracassou ao permitir a convergência nos arremessos de sua desequilibrada equipe (22/30 de dois e 6/28 de três), numa perda de esforço físico, quando bastaria tentar a metade dos erros de três em tentativas de dois, mais seguras e eficientes, para ter vencido a partida, numa simplória continha aritmética…

Finalmente, fracassou ao ainda permitir que sua formidável equipe cometesse 17 erros de fundamentos num jogo de tal porte, provando que a importância absoluta que aufere às suas táticas e sistemas, superam em muito a dos fundamentos básicos, que claro, é da responsabilidade exclusiva dos jogadores, e não de um estrategista que se coloca acima de fracassos, que ficam por conta dos que lá não chegaram…

Amém.

 

MASTER PIECE…

P1100137-001P1100138-001P1100140-001P1100142-001P1100156-001P1100159-001P1100160-001P1100164-002Surpreendentemente, Bauru jogou “lá dentro” para valer, fez 40 pontos dentro do garrafão (Corrientes fez 18), num total de 24/40 arremessos de 2 pontos (13/26 dos argentinos), e 7/26 de 3, contra 11/26, cobrando, por força do jogo interior 21/24 lances livres, contra 11/15 dos hermanos, e ainda dominando os rebotes (37 contra 20) de forma inconteste. Pena que nos seis minutos finais tenha voltado ao jogo externo, com muitos erros, senão teria vencido com para lá de 100 pontos…

Num outro jogo de baixo índice técnico, o Pioneros venceu quando e como quis um São José desfalcado e apático, e obrigando o veterano Valter a jogar os 40min da partida, já que seu substituto Rafinha, mesmo estando uniformizado no banco, sequer participou, talvez tendo se machucado no aquecimento, único motivo para não entrar em quadra, ou não…

Foi um jogo tão ruim, que num determinado momento o comentarista da Tv disse que estava parecendo um campeonato de arremessos de três, tal a volúpia que ambas as equipes se entregavam às bolinhas…

No mais (ou menos…) um novo enfoque de pranchetas, onde uma estabelece um momento reflexivo antes de ser freneticamente rabiscada, outra, uma obra prima de concisão e clareza (vejam as fotos)…

Amém.

 Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

A IMPOSITIVA CONVERGÊNCIA…

P1100123-001P1100124-001P1100125-001

 

Os vinte segundos finais dessa partida, em tudo e por tudo define o “novo estilo” que se impõe em nosso basquetebol, a convergência, imposta e aceita como algo inovador, como algo que deva ser seguido e adotado por todos, a base incluída, e já já serão colhidos os exemplos emanados da elite por parte de muitos jogadores da LDB, que iniciam nesse domingo mais uma etapa de seu campeonato, numa retomada saudosista da era Oscar, para nosso deleite ou preocupante destino…

Com dois pontos de vantagem para Limeira, parte a equipe de Bauru para o tudo ou nada, através uma tentativa de três do Alex, falhada, mas ante a passividade defensiva de Limeira perdendo o rebote, mais uma tentativa de três, agora através o Fisher, que mesmo contestado de muito perto, e algo desequilibrado, acerta a bola salvadora, prontamente recebendo a alcunha de “killer” pela tonitroante mídia especializada…

Mas Paulo, foi um jogo espetacular, emocionante, decidido na última bola, o que criticar então, o que?…

Quanto a espetacularidade e emoção, nada, mas quanto a uma perigosa realidade que vem se apossando de nossas equipes mais representativas, tudo, absolutamente tudo…

Com o advento galopante da convergência (nesse jogo Bauru arremessou 15/31 de três e 16/30 de dois pontos, e Limeira 11/25 e 19/34 respectivamente), fruto do declínio defensivo externo, preocupado nas dobras e coberturas internas, e falhando nas duas vertentes, ficaram abertos os caminhos para os longos arremessos, assim como se fecharam as possibilidades de assistências voltadas ao jogo interior, fruto do desconhecimento técnico voltado ao preparo dinâmico dos homens altos nessa estratégica área de jogo, e da não utilização de defesas com flutuações lateralizadas, e sim as verticalizadas de uso constante, que são permissivas aos passes, pois não se situam na linha da bola, já que dirigidas à massificação defensiva próxima a cesta…

Por conta de tais deficiências, viceja a decorrente aventura de fora, onde os embates físicos pouco acontecem, mas em caso contrário, a possibilidade dos três pontos se mantêm nos lances livres, “vantagens” estas que atraem até os pivôs, ansiosos em pontuar, já que minguadas são as oportunidades de fazê-lo em suas posições interiores…

Devemos somar ainda, e por conta do novo estilo, o decréscimo acentuado no domínio dos fundamentos básicos do jogo, já que para disparar bolinhas, dribles e fintas em progressão deixam de importar sobremaneira, assim como passes incisivos pois os de contorno são fundamentais para as conclusões de fora…

Então, e mais do que de repente, nos confrontamos com uma assustadora realidade, a de que, face a esta absurda e modal evidência, estamos alcançando números de erros inaceitáveis em divisões de base, quanto mais na elite, exemplificando – Nos quatro últimos jogos da Liga NBB/NBA, foram perpetrados os seguintes números : Minas/Paulistano -38 (20/18) – Franca/Rio Claro – 43 (27/16) – Uberlândia/Sorocaba – 33 (15/18) e Bauru/Limeira -24 (14/10), apresentando uma média de 34,5 por jogo, que tal?

Sem dúvida alguma ainda assistiremos jogos com tal carga de emotividade, e galopantes enxurradas de fora, onde convergências e bisonhos erros, muitos erros, acontecerão, assim como midiáticas pranchetas se tornando estrelas de primeira grandeza, pois tentam justificar, visual e graficamente, os conhecimentos táticos de quem as rabiscam, os estrategistas, muitos daqueles  mesmos que omitem importância a erros de fundamentos, repetidos à exaustão pelas equipes que dirigem e afirmam orientar, mas que são os primeiros a criticar as falhas individuais e os detalhes das derrotas, exatamente, pela ausência de conhecimento do básico, claro, por parte…dos jogadores.

Mas o assunto que mais me chamou a atenção neste fim de semana carnavalesco, foi a matéria do Giancarlo Gianpetro no seu Vinte Um, realizada em New York às vésperas do All-Star Game da NBA, quando arguiu o grande jogador e pivô da equipe do Spurs, Tim Duncan, sobre jogar com o Spliter num duplo pivô. Vale a pena ler o que respondeu, e sabendo-se que sua equipe normalmente atua em dupla armação, tirem vocês, meus poucos leitores, as devidas conclusões…

Amém.

 Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

ESCOLHAS QUE DECIDEM…

P1100075-001P1100081-001P1100082-001P1100086-001

 

Quando uma equipe se vê privada de seu mais icônico e bem pago jogador da liga, punido por indisciplina, e dispara seu coletivismo liderado em dupla armação, e de sobra, assiste seus homens altos produzir internamente um sólido jogo, e de quebra, vê seu sistema defensivo atuar com uma energia antes velada e inconsistente, deve estar raciocinando pelo que esperar com a sua volta, provavelmente na próxima partida…

Por enquanto, vai enfrentando e vencendo seus adversários, liderada pelos armadores Laprovittola e Benite, que ao mesmo tempo que assistem a turma de dentro (15 assistências os dois), pontua de dentro e de fora com relativa eficiência (5/10 os dois nos 3 pontos), complementados na artilharia de fora pelo Marcos (4/5) e Hermann (2/4), e pelo enérgico jogo interior de seus pivôs…

Foi contra essa equipe.agora mais equilibrada, que o Palmeiras foi à quadra para desafiá-la, e que só não venceu pelo fato de seus armadores,ao contrário dos cariocas, se voltarem mais para as finalizações, do que assistirem seus bons pivôs mais assiduamente, quando Stanic e Neto arremessaram juntos 5/15 bolas de três, e distribuiram 11 assistências, quatro a menos que seu adversário, que venceram por 4 pontos…

Como vem ocorrendo em muitos jogos do NBB, quando a artilharia de fora é deflagrada pelas duas equipes em confronto, por conta da frouxidão defensiva, ou mesmo o “pagar para ver” tão em moda, as definições, geralmente, ficam para acontecer no quarto final, onde o duelo se definirá, e onde um pouco de bom senso se faz ausente para uma. ou ambos os oponentes, pois bastaria que um deles se bastasse na ofensiva que privilegiasse os curtos e médios arremessos, para  vencer, até mesmo com folga, pois suas tentativas alcançariam menores perdas, de esforço e de pontos…

No entanto, partem para o confro direto, pondo de lado a precisão e a eficiência, somente alcançadas quanto mais próximo da cesta estiverem, principalmente por obra e graça de seus armadores voltados ao coletivismo, e não aos arroubos adolescentes em momentos de decisão…

Aconteceu com a equipe paulista, e tornará a acontecer em outras mais, até o momento em que, vindo do duro e preciso treinamento, jamais de uma midiática prancheta, o sutil hábito de ler, entender e compreender o grande jogo no momento da verdade, quando o suntuoso e midiático gesto cede seu espaço ao fundamento básico, simples, preciso e despido de maquiagem, porém mais do que suficiente para vencer jogos, quiça, campeonatos…

Amém.

 Fotos – Reproduções da WEB. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.