COMO EU GOSTARIA…

P1010118

De ver descrito num artigo publicado por qualquer um dos blogueiros de basquetebol, qual sistema de jogo foi trocado por uma equipe, por exemplo, depois de uma partida perdida de semifinal, visando a seguinte, detalhando a escolha, suas partes, seu escopo, ou mesmo o que foi adaptado ou substituído por seu estrategista, a fim de não se limitarem ao chavão – “ao mudar seu sistema de jogo, conseguiu a vitória”…-   claro, se realmente conhecer o sistema em questão, ou outro qualquer, o que duvido…

Quem sabe, esclarecer ao ignaro público as movimentações “chifre”, “punho”, “polegar” etc, etc, que compõem o genérico e ultra limitado repertório do único sistema utilizado em nosso país, a fim de que o mesmo, esclarecido, possa avaliar o que ocorre de verdade numa quadra, e não fazer menções mais genéricas ainda de que – “o jogo de 5 x 5 não está funcionando”, ou, “o 1 x 1 está sendo a opção de um ou outro jogador, individualizando o jogo”, ou mesmo, -”por que não abrir o ataque em leque para expandir espaços, facilitando as penetrações” – opiniões estas fundamentadas em que princípios táticos inerentes a uma equipe dirigida e orientada por outrem? Quantos treinos preparatórios foram presenciados para que chegassem a palpites dessa ordem, quantos? Estes são os fatores que tornam o áudio dos pedidos de tempo tão ansiados por todos eles,,,

Creio que estes questionamentos se tornam óbvios frente a uma evidência simples e objetiva, a de que assim agem, comentam e publicam, pelo singelo fato, que aponto, discuto e publíco desde sempre, de que frente a uma estabelecida padronização e formatação tática existente desde as categorias de base a elite, pouco ou nada têm de ser acrescentado de novo em quaisquer mudanças efetuadas, seja por qual equipe for, frente a mesmice endêmica de que são fielmente servidoras, onde qualquer resquício de mudança real é prontamente debelada em nome e proteção ao status quo vigente, sacramentado e aceito por todos, todos mesmo, onde exceções, ou uma única que seja, justificam a impositiva regra…

Um exemplo recente e prático? O terceiro jogo de ontem da Liga Ouro, entre Joinville e Botafogo, onde a equipe carioca ao abrir mão do corriqueiro duelo dos três pontos, centrando seu jogo dentro do garrafão, e sem mudar uma única movimentação tática, a mesma usada por Joinville, com todos seus apetrechos de chifres, punhos, polegares, venceu um jogo importante simplesmente reduzindo drasticamente as bolinhas (3/12 de 3 e 22/50 de 2 com Joinville arremessando 11/29 e 12/38 respectivamente) em nome de uma primária eficiência, mesmo sob o domínio do sistema único. Mas nada dessa oportuna eficiência pode mascarar o baixíssimo índice técnico de uma partida onde foram cometidos incríveis e absurdos 39 erros de fundamentos (21/18), numa lamentável constatação de como se encontra o grande jogo neste imenso, desigual e injusto país…

Este é o dantesco panorama do basquetebol tupiniquim, que agora, sustada a suspensão da CBB pela FIBA, face ao planejamento de radicais mudanças na esfera administrativa, financeira e  de gestão,  se defronta com a verdadeira e inadiável mudança, aquela que a qualifica como responsável pela divulgação, organização e popularização da modalidade no país, a profunda e básica mudança na sua área técnica, exigindo a implantação de novos parâmetros técnicos e de formação de base, de uma reestruturada ENTB, com novas lideranças substituindo de vez a mesmice endêmica lá instalada nas últimas três décadas de triste e constrangedora memória, com seu corporativismo unilateral, ditatorial e continuísta, no exato momento em que se faz necessária a escolha dos novos técnicos nacionais, das equipes adultas às de base, desencadeando, ou não, a tão e estratégica mudança que definirá o futuro do grande jogo no âmbito internacional, ao refletir decisiva e coerentemente as verdadeiras mudanças no plano nacional…

Ao olharmos detidamente os nomes lembrados pela mídia dita especializada, vemos que representam, com mínimas exceções, a realidade espelhada nas acima mencionadas três décadas de derrocada e retrocesso técnico tático do basquete brasileiro, algo disfarçado por algumas conquistas ditas de ponta, na preparação física, e em pretensos e oportunistas estudos de cunho psicológico, ambos fragilizados pelos pífios e dolorosos resultados alcançados, principalmente na formação de base, relegada e despida do mais importante fator para sua consecução técnica, o ensino e consistente aprendizado dos fundamentos básicos do jogo, substituídos pela precoce e falseada introdução dos sistemas táticos coercitivamente padronizados e formatados, que antecedendo  a aprendizagem massiva dos fundamentos, pouco ou nada representaram  para a nossa evolução técnica frente a países bem mais desenvolvidos pedagógica e didaticamente que o nosso, retratando com precisão o estágio em que nos encontramos. Se estes nomes modificarão seu posicionamento pedagógico, técnico e tático? De forma alguma, pois em caso contrário se chocariam frontalmente com o corporativismo que ajudaram a implantar desde sempre, restando então uma única e corajosa definição de rumo, a reforma radical, dando voz aos professores e técnicos que se mantiveram abertos a inovações e metodologias diametralmente contrárias ao estabelecido cenário que aí está, trilhando novos e instigantes caminhos, na recriação de um pouco, por esquecimento proposital, do que era praticado, estudado, ensinado anteriormente a custa de muito trabalho, exemplos e ética profissional, estabelecida pelo mérito e pela competência reconhecida, jamais pelo QI hoje institucionalizado e profundamente antiético…

A caminhada para o soerguimento será árdua, porém repleta de esperanças, na medida em que envolva mentes e idéias novas, mesmo em corpos maduros, daqueles que nunca renegaram o estudo, a curiosa inteligência, sempre pronta ao inovador, ao instigante, incentivando os jovens neste caminho, difícil e pedregoso, porém oposto ao fácil, ao indesculpável e  preguiçosamente copiado, despido de criatividade, de improvisação consciente, sob a orientação de seguros e competentes professores e técnicos, cônscios de sua importância no treino e sua exemplar conduta no jogo e na comunidade do grande jogo, sem esgares, teatrais representações, pressões e discursos pretensamente enérgicos, eivados de desrespeitosos palavrões, colimados em desconexos rabiscos em midiáticas, retrógradas e mentirosas pranchetas. Chegaremos lá? Não tenho a resposta, mas sim uma certeza, a de que nada alcançaremos a continuar o engodo e a falsidade do que aí está, sacrificando seguidas gerações de jogadores, porém alimentando e engordurando currículos á custa dos muitos deles que ficam covardemente pelo caminho, abandonados e desestimulados pelo péssimo ensino a que fizeram jus…

Como sempre, fico na torcida pelo futuro, inveterado otimista que sou, apesar da realidade nem sempre se fazer presente a este honesto, porém cada vez mais desgastado sentimento.

Que os deuses nos dêem uma mãozinha, por menor que seja, o que talvez ajude, de verdade.

Amém.

Em tempo – Uma leitura sugerida postada em 2010 com relevantes comentários – Um email do Felipe

Foto – Arquivo pessoal. Clique duplamente na mesma para ampliá-la.

 

O DEPOIS DO AMANHÃ…

P1000629-001

Ontem publiquei o artigo O Amanhã, contrito e esperançoso em dias melhores para o grande jogo entre nós, porém, me mantenho receoso para o depois do amanhã, no caso de teimarmos em dar continuidade ao cenário técnico tático que aí está graniticamente instalado, formatado e padronizado, rebuscado em pranchetas midiáticas, sombrias e absolutamente vazias de conteúdo confiável, da formação de base a elite, codificado e alinhado genericamente, como algo destinado a um único objetivo, imutável e ditatorial, onde jogadas padrões são emuladas por todos, onde ordens e decisões unilaterais se tornaram um lugar comum na relação técnico/jogadores, calando coercitivamente quem joga, e dando voz a quem comanda ou pensa comandar, num espetáculo gratuito e grotesco de inflados egos, que se manifestam nas exigências expostas graficamente nas sempre onipresentes pranchetas, que na esmagadora maioria das vezes são depositárias de invenções e palpites de ocasião, pois se assim não fosse, jamais se fariam presentes, ou mesmo existentes, se tudo aquilo que canhestramente projetam, tivesse realmente sido “exaustivamente treinado”, o que jamais ocorreu de verdade, ainda mais “exaustivamente”…

Se entendessem de uma vez por todas que, jogadas, e mesmo sistemas que funcionam seguida, automática e frequentemente, somente o fazem frente a ausência parcial ou completa de uma oposição defensiva, mais ou menos parecido quando treinam sem oposição da mesma, ou a instruindo para facilitar o fator coreográfico das jogadas, do sistema enfim, talvez “exaustivamente” como apregoam, na dolorosa e proposital negação de um princípio imutável, o de que ações ofensivas jamais se repetem, jamais, anulando o ideário ilusório de todos aqueles que insistem burramente em torná-las sempre presentes, repetíveis, justificando suas pretensiosas e marqueteiras genialidades…

Sistemas e suas inerentes jogadas não são criados, estudados, treinados e praticados  para darem certo, e sim para desencadearem situações e atitudes nos adversários, que, quanto mais previsíveis forem, mais eficientes se tornarão, pois fruto de leitura presente de jogo, sua compreensão, e por conseguinte, sua aplicabilidade situacional, criativa, origem básica das estratégias, individuais e coletivas, onde o fator aleatório se faz permanentemente presente, através uma consciente improvisação, e em definitiva oposição ao passo marcado, característica da repetição coreográfica de um predeterminado movimento sem o entrave defensivo, mais aleatório ainda por sua inerente imprevisibilidade…

Parágrafo acima de difícil compreensão? Creio que não para todos aqueles professores e técnicos que realmente entendem o que venha a ser praticar um jogo em que ataques e defesas professam o imponderável, o instintivo, o antagônico, o imprevisível, o aleatório, o criativo, todos fatores que levam ao domínio consciente da arte maior, da arte de improvisar, pois só o exercem quem realmente sabe, quem domina sua arte, seus fundamentos, seu instrumento de trabalho…

O grande jogo assim o é por tudo aquilo acima descrito, por tudo aquilo que nos remete a grande verdade, a de que pouco sabemos, mas suficiente para se estar também um pouco a frente dos que nada sabem, ou pensam saber…

Amém.

Um bom artigo de apoio – Mestres do olhar e do movimento.

Foto – Reprodução da TV. Clique duplamente na mesma para ampliá-la.

 

 

O AMANHÃ…

P1150269

E o NBB9 chegou ao fim, com a equipe do Bauru vencendo o Paulistano por 92 x 73, num quinto jogo clone dos outros quatro, e de muitos outros, praticamente todos deste campeonato, onde a mesmice endêmica técnico tática imperou absoluta, sob o manto avalizador da liga e seus circundantes, dirigentes, técnicos, digo, estrategistas, jogadores, narradores, comentaristas, culminando numa festa onde um Billy Cristal tupiniquim desandou a emitir comentários e piadas, quase sempre sem graça e de péssimo gosto, atrapalhando e por pouco  quase estragando uma festa que deveria ser de basquetebol, e não de um desastrado vaudeville chinfrim, e que premiou uma seleção composta numa formação do sistema único, com um armador, dois alas e dois pivôs, afirmando e confirmando como “devemos jogar”, num recado bem claro aos jovens que se iniciam, porém sobraçando uma imensa incoerência, a de que a grande maioria das equipes atuaram com dupla e muitas vezes tripla armação, e os pivôs clássicos rarearam bem próximos a extinção, como que premiando a formação básica do sistema único, atuando com suas jogadas punho, polegar, chifre, etc, etc, num hibridismo lamentável…

Esqueceram, no entanto, de premiar com justiça, a chutação de três que atingiu neste NBB o sublime patamar da convergência endêmica, futuro objetivo maior de nossas seleções a continuarem sob a direção da turma corporativada que aí está a 30 anos, intocável e absoluta, com suas pranchetas midiáticas e absolutamente idiotas, mas “que falam”, segundo alguns, mas que na realidade nada dizem, a não ser serem a prova cabal do que ainda entendemos como comandar e liderar equipes tendo nas mãos uma caneta hidrográfica, palavrões, pressões nas arbitragens, chiliques ao lado das quadras, e não o verdadeiro conhecimento aplicado no treino, na preparação, no planejamento prático e inteligente, no estudo e na pesquisa responsável, no posicionamento ético para com o grande jogo e sua ascendência histórica, na busca permanente pelo novo, produto do passado, promessa para o futuro, somente alcançado pelo mérito, e não pelo QI institucionalizado refletido em sua trágica e pranchetada imagem…

Agora mesmo a CBB teve sua suspensão encerrada pela FIBA, quando terá pela frente a sublime tarefa de soerguer nosso tão maltratado basquetebol, onde ao largo da enorme tarefa de sanear suas finanças, projetos e organização administrativa, terá pela frente sua maior luta, a da busca pela excelência técnica, competitiva, vencedora, que jamais será alcançada com o que foi até agora implantado coercitivamente na formação de jogadores, professores e de técnicos, com resultados desastrosos e comprometedores, fruto de compadrios e escambo interesseiro, e que precisa ter um fim, um freio permanente e definitivo, gerando espaço a novas e sérias lideranças, onde o mérito e o longo trabalho gerador de experiência e conhecimento seja convocado para a grande discussão técnico tática e de formação de base, começando estrategicamente pela ENTB, chave absoluta do processo de soerguimento do grande, grandíssimo jogo entre nós.

Amém.

Foto – Reprodução da TV. Clique na mesma duplamente para ampliá-la.

A TRISTE CONSTATAÇÃO…

Curry-shoots-over-Melo-001

Paulo, teremos o jogo final do NBB daqui a pouco e você nada comentou, o que houve? Esse amigo não me dá trégua, e o pior, nada comenta pelo que posto aqui nesse humilde blog, mas cobra assiduamente posicionamentos, comentários e até futurologias, que sistematicamente me nego a expor, pois fruto de uma longa aprendizagem no ontem, e no presente doloroso que aí está, deixo aos poucos leitores as indagações e projeções futuras, cabendo a mim somente o exercício da provocação responsável e desafiadora, sobre ações e atitudes tomadas e vividas por toda uma vida dedicada ao ensino acadêmico e ao grande jogo em particular…

Pensei em nada escrever sobre o assunto cobrado, no entanto, dois momentos bem recentes me tentaram a fazê-lo, um único e solitário comentário do Walter no último artigo aqui publicado, e a entrevista do Marcel no programa do Bial. Eis o comentário recebido hoje: walter CarvalhoToday

Professor Paulo,

Sinceramente nao entendo os números do jogo. É INACEITÁVEL! 68 arremessos de 3? Total maior do que de 2 pontos? É um crime a matemática do jogo.

Outra coisa, A média de arremessos tentados (65), mostra que as equipes estão, também, perdendo oportunidades de produzirem mais arremessos durante o jogo devido ao alta média de erros de fundamentos.

Que basquetebol e esse? Nao entendo! E este o caminho e o espelho que os nossos poucos jogadores em formação estão expostos?

Acho que é hora de sacudir a toalha e começar tudo de novo! A NBA está prestando um desserviço para a formação de novos jogadores nos EUA e no mundo! Isto ja confirmado por vários técnicos Universitarios e de HS.

Até breve.

Walter Carvalho

 

Como podemos interpretar o comentário do Walter, professor e técnico brasileiro radicado nos Estados Unidos, onde mantém uma academia de basquetebol em Birmingham no Alabama, depois de longos anos de trabalho no Oriente Médio, tendo sido jogador, professor e técnico formado em nosso país? Creio que o teor do mesmo não deixa dúvidas e polêmicas em torno da realidade do grande jogo entre nós, ou deixa?…

Bem, acredito que a entrevista do Marcel ao Pedro Bial reacende a discussão em torno da volúpia dos três pontos, das bolinhas de fora, ainda mais com o advento vitorioso do Warriors na NBA, com uma artilharia digna de uma armada escatológica, porém não decisiva, como muitos de seus admiradores tentam impor como argumento definitivo, e contra argumento de volta, senão vejamos – Primeiro, a constatação imbatível da fraqueza defensiva fora ( e muitas vezes dentro também) dos perímetros, o que justifica as contagens centenárias daquele playoff final, aspecto ligeiramente comentado pelos especialistas televisivos, receosos de darem suas mãos à palmatória do que realmente acontecia dentro da quadra, onde os duelos de fora se sucediam em todas as partidas, sombreando as jogadas decisivas de cestas nas penetrações, as de média e curtas distâncias que advogam estarem em extinção, principalmente as do Duran, para realçar os longos petardos, mantendo suas exponenciais opiniões técnico táticas…

Porém, esquecem algo que teimam em não expor, explicar, esclarecer, quem sabe até ensinar, os fatores básicos e fundamentais exigidos para a execução e consecução dos tão idolatrados arremessos, remetendo-os ao território do imponderável, da coragem e audácia para realizá-los, como que uma conquista obrigatória para qualquer jogador dentro de uma quadra, ou mesmo, como resultante de milhares de tentativas realizadas pré, durante e pós treinos, numa odisséia de sacrifícios e repetições sem fim, onde somente uns poucos atingem numerário de acertos razoavelmente estáveis, mas muito longe do que atingiriam se treinados com conhecimento pleno do que intentam pelo aspecto científico e de alta tecnologia, e não somente pela repetição milenar de um movimento de via única. Sim sem a menor margem a dúvidas existem trabalhos científicos que provam ser os longos arremessos propriedade de muito poucos jogadores no mundo, principalmente na efetividade e estabilidade de resultados, fator este que destina aos arremessos de curta e média distâncias a chave vencedora entre embates entre grandes equipes, pois sua efetividade é bem mais vantajosa, mesmo valendo dois pontos, do que a alta percentagem de erros advindos dos longos arremessos, onde as poucas exceções justificam a regra existente,,,

Na entrevista, ficou bem patente a justificativa pela predominância e endeusamento das bolinhas de três, em uma partida totalmente atípica, a começar pela honesta declaração do brilhante jogador, de que a equipe tinha a certeza da derrota, só não sabendo por qual contagem, mas que ante a real e prática constatação da inabilidade defensiva fora do perímetro da equipe americana, desencadearam uma feroz ofensiva de fora, vencendo uma partida memorável, partida esta que estabeleceu, daí por diante, a autofagia delirante das bolas de três em nosso basquetebol, originando um quase abandono da prática dos demais fundamentos, dispensáveis quando o jogo fica concentrado fora do perímetro, e o mais trágico, como somente ser possível sua utilização massiva pela ausência defensiva no mesmo, foi aceito por todas as equipes, como num acordo inter pares, originando os famigerados duelos, onde contestações inexistentes o alimentaram até os dias de hoje, desde as categorias de base, tornando tal e fatal estilo de jogar a cereja do bolo para a mídia escrita e televisiva, onde enterradas, tocos e bolinhas estabeleceram a preferência no aprendizado do jogo, omitindo e quase extinguindo o ensino e a prática permanente dos dribles, passes, bloqueios, rebotes e posicionamentos defensivos, originando este lamentável cenário a que assistimos consternados e cada vez mais saudosos dos verdadeiros e brilhantes professores e técnicos que tínhamos (ainda os temos, infelizmente segregados…), substituídos pelos estrategistas sobraçando suas inenarráveis e absurdas e nulas pranchetas midiáticas…

Mas o Bial, que foi muito bom jogador de basquete, fechou a noite com algo assustador, pela força de sua influência no ideário de muitos de seus admiradores e seguidores, quando mencionou ser pai de um futuro jogador de 13 anos, ao qual incentiva paternal e tecnicamente – Chute de três, sempre e quando puder…

Amém.

 

Em tempo – Pela pesquisa que realizei para a obtenção do doutorado na FMH da UT de Lisboa, defendida em 1992, com a tese “Estudo sobre um efetivo controle da direção do lançamento com uma das mãos no basquetebol”, única até os dias de hoje que aborda a temática do controle do eixo diametral da bola nos arremessos de basquetebol, constatei matematicamente que os desvios direcionais variando de 0,5 a 2 graus em relação às distâncias em que são realizados os arremessos, os inviabilizam se não controlados conscientemente, daí a origem dos inúmeros “air balls” que assistimos corriqueiramente em nossos campeonatos, mesmo sem contestações efetivas. Logo, a prática sistemática dos longos arremessos nas divisões de base iniciantes, se torna perigosa ao substituir no interesse dos mais jovens, os fundamentos realmente básicos para a aprendizagem do grande jogo. PM.

Foto – reprodução divulgação FIBA. Clique na mesma para ampliá-la.

O IMPROVISO DO ALEX…

P1150233

P1150234Quarto jogo, 27/63 arremessos de 2 pontos e 21/68 de 3, assim contabilizados: 12/35 de 2 e 9/33 de 3 para o Paulistano,  15/28 e 12/35 respectivamente para Bauru, numa generalizada e convergente chutação, que bem espelha a quantas andam o nosso basquetebol de elite, noves fora os 26 erros de fundamentos (13/13), confirmando a média no campeonato, porém repleto de paixão e emoção a não mais poder, que segundo os entendidos, é o suficiente para a sua popularização, no que discordo desde sempre…

Numa entrevista após o jogo, o Alex afiança que no quinto jogo, praticamente em casa (Araraquara dista poucos quilômetros de Bauru) sua equipe vai com tudo para cima do Paulistano, forçando-o a improvisar, para vencer o jogo, e o título…

Sem dúvida uma estratégia inteligente, forçar o adversário a sair da segurança de seu jogo ofensivo coordenado, o tão badalado 5 x 5, oscilando para o improviso, que segundo a análise do competente jogador, em muito facilitaria defensivamente sua equipe, bem mais experiente e rodada, quebrando a confiança e a determinação de seus jovens oponentes…

E é nesse ponto que se manifesta a minha perplexidade, exatamente focada na premissa de que a quebra do sistema ofensivo de uma equipe que atua rigorosamente igual a de seu experiente oponente, assim como todas as demais do NBB, num sistema padronizado e formatado pelos estrategistas que as dirigem, e mesmo pela maioria daqueles que se propõem atuar na formação de base no país, espelhando o exemplo da elite, se torna a meta a ser atingida, pois, segundo o que divulgam, o provocado improviso facilita e concorre para a quebra do sentido coletivista, determinando sua derrota, certeza e afirmativa estas que discordo com a mais absoluta veemência de quem, por décadas, propugnou exatamente o que condenam, a prevalência da improvisação como o ápice técnico tático de um sistema realmente eficiente de ação ofensiva, mas claro, somente acessível para jogadores muito bem preparados nos fundamentos, e mais bem preparados ainda na concepção coletivista,  baseada num sistema de jogo proprietário, onde todos participam, desde sua montagem e mútuo entendimento, até sua viabilização no treino e no jogo, fator diametralmente oposto ao que praticamos da forma mais manietada e codificada de fora para dentro da quadra, onde esquemas e ordens são exaradas através pseudas e ilusórias táticas rabiscadas em pranchetas mágicas, que “até falam”, segundo ufanistas narrações, por estrategistas absolutamente convictos de que dominam as incontáveis facetas do jogo, as arbitragens, e de quebra, seus incautos e incrédulos jogadores, frente a tanta hermenêutica midiática, que extasia os menos esclarecidos interessados no grande jogo, porém se mostram risíveis para os que o entendem de verdade…

Por alguns anos neste blog, venho repetidamente tentando divulgar e esclarecer fatos vividos praticamente dentro das quadras e os aspectos teóricos e históricos que referendam tanta e solitária teimosia sobre essa transponível barreira, a consecução da coletiva fluidez ofensiva de uma bem treinada e orientada equipe, em direção a um jogo onde o improviso se impõe, exatamente pelo fato de ser o sistema admitido e duramente treinado, a amálgama que une todos os componentes de uma equipe, pelo estrito conhecimento que cada integrante tem de si próprio e de seus companheiros sobre suas capacidades individuais e coletivas no domínio dos fundamentos, capacitação esta exigida para a exequibilização do (e de qualquer) sistema de jogo escolhido, treinado e aplicado por todos, determinando enfaticamente sua natural fluidez, atingindo seu ápice exatamente pelas improvisações que emanam do seu perfeito entendimento por todos, através setorizadas etapas, sem atropelos, numa conjunção coletiva que prancheta nenhuma se fará necessária, sequer existente, frente ao inquestionável poder do treino, onde as dúvidas são dirimidas e aceitas por todos, ao encontro do campo de jogo, onde as verdades verdadeiras acontecem, vencendo ou perdendo, sem acusações, desculpas ou subterfúgios… 

Muitos, a maioria bem sei, acharão ser tal comprometimento a um sistema proprietário uma quimera, bastando o que aí está pranchetado e refém da autofagia das bolinhas de três, das enterradas e dos tocos cinematográficos, emoldurados por dançarinas, shows e atrações chinfrins extra quadra, bem ao gosto dos fissurados pelo que fazem e promovem nossos ricos irmãos do norte, mas nunca esquecendo que, se jogam da forma brilhante com que alguns lá o fazem deve-se as enormes e inesgotáveis capacidades de improvisação de que são possuidores,  pelo competente domínio dos fundamentos do grande jogo, mesmo atuando no sistema único, que é o fator que não dominamos, e o pior, não nos esforçamos em ensinar da forma mais abrangente possível, nos contentando com as táticas canhestras, estas sim improvisadas,  em midiáticas pranchetas…

Voltando ao depoimento do Alex, lembro ser sua maior característica ofensiva, exatamente a individualizada improvisação nas velozes penetrações e nos insistentes arremessos de fora, o que torna um tanto incoerente sua colocação sobre a equipe que enfrentará na final de sábado, e lembro mais ainda um jogo que sua equipe campeã no NBB2, perdeu uma partida para a última colocada naquele longínquo campeonato, atuando com um sistema proprietário, onde o improviso era a marca de seus jogadores dentro da fluidez de seus movimentos, quando provou que o coletivismo era possível sim, mesmo dentro da rigidez granítica que imperava, e continua a imperar entre nós. Saudosismo meu? Não, fato, que o próprio Alex testemunhou

Amém.

Fotos – A prevalência das bolinhas. Reproduções da TV. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.

Vídeo – Jogo completo entre o Saldanha da Gama e Brasilia no NBB2.

TRÊS PARÁGRAFOS…

13062009009

Fiquei sem internet ontem, agora corrigida, com pouco tempo (são 12:30hs) para maiores comentários sobre o quarto jogo entre Paulistano e Bauru, mas que em quase nada mudaria a partir do artigo anterior, onde somente um fator poderia ser analisado, o de que, segundo o depoimento de um dos estrategistas envolvidos nessa decisiva partida, a semana de intervalo teria sido importante para aprimorar a sintonia fina de seus sistemas de jogo, no que depreendi serem, pela milésima vez aprimorados os chifres, punhos, polegares e tudo o mais que compõem o repertório de todas as equipes do NBB, sem que nada de realmente inovador tenha sequer a mínima chance de ser instaurado, pois não passa, também sequer de raspão na cabeça pensante (?) de qualquer um deles, inovações que não lhes dizem respeito, muito mais pela aceitação tácita da mesmice endêmica que patrocinam em concordância unificada, do que a libertadora coragem de injetar algo realmente impactante, renovador, autêntico e proprietário, derrubando de vez a mediocridade niveladora das equipes da liga. Exatamente por essa realidade implantada nestas três décadas de declínio técnico tático, é que assistiremos o mesmo do mesmo, mas claro, recheado de emoções, bolinhas em profusão, tocos mirabolantes, e os “monstros” transcendentais de praxe. Porém, uma fresta de esperança poderá se tornar realidade, na medida que uma das equipes, pelo menos, cadenciar e conter sua volúpia chutadora, atuando pacientemente no perímetro interno com insistência e perseverança, mas me parece que seria pedir demais por sobre um cenário estratificado e engessado existente desde sempre…

Leio que CBB e LNB aos poucos vão encontrando meios de convivência pacífica, partindo de acôrdos sobre a organização de campeonatos a muito esquecidos pela mentora master da modalidade, como os das categorias de base, fundamentais para o soerguimento do grande jogo, até agora mantido em razoável evidência pela LNB com seus NBB´s e a LDB (sub 22). Resolveram setorizar seus esforços destinando a LNB os campeonatos já estabelecidos do NBB e da LDB, e os das sub´s 14 até 19 com a CBB, além da Liga Ouro, divisão de acesso ao NBB, e por último reintegrar a LFB a CBB. Somente uma importante reparo a mencionar, no caso de que realmente essa combinação de tarefas seja levada a sério, como deveria sê-lo, o de que pelo lado da CBB fosse implantada, conjuntamente com a ENTB, uma completa e radical reforma de princípios técnicos e administrativos em suas concepções, fugindo de vez com a padronização e formatação imposta pela turma que habita o mundo NBB, dando forma e oportunidade a outros profissionais de todo o país esquecidos pelo corporativismo técnico lá existente, originando um novo patamar de excelência na formação de técnicos e jogadores polivalentes, em que o merecimento meritório se sobreponha aos interesses dos muitos que empobreceram o nosso basquetebol, a tal ponto que se viu brecado pela FIBA, num precedente doloroso e de difícil, mas não impossível, superação. Uma CBB que ressurja na busca de uma melhor e justa formação democrática inovadora de base, fornecendo bons e equilibrados valores para uma Liga Ouro, uma renovada LFB e excelentes seleções de base, dirigidas por técnicos experientes de verdade, em tudo e por tudo justificaria sua existência, honrando seu passado brilhante e vencedor. Menciono um trecho de uma matéria publicada no O Globo de 5/6/17 na coluna Conte algo que não sei, do entrevistado Adam Lowe, que afirma: (…) Objetos feitos há centenas ou milhares de anos podem mudar o jeito de pensar no presente e têm potencial para orientar comportamentos no futuro.(…)

Me perguntam ao telefone o que achei, ou estou achando das finais da NBA entre o LeBron e o Curry. Respondi – Nada, não me diz respeito, pois por conhecer de muito aquela liga, me convenci que nada tem a nos acrescentar de factível, a começar pelo aspecto econômico, fator delimitador para a não incursão aos demais fatores, como o técnico, formador de base e tático também. Por ser um outro jogo, somente jogado lá, e infantilmente sendo tentado ser estabelecido entre nós é que me faz ausente de suas reais intenções neste imenso, desigual e colonizado país.

Amém.

Foto – Arquivo pessoal.

OPORTUNA FREADA…

P1150220

Pisou no breque, arremessou 12 bolas a menos de 3 do que seu oponente (8/23 por Bauru e 12/35 por Paulistano), priorizou o jogo interno (27/33 contra 16/39), deixando a insidiosa convergência a cargo da turma da capital, e por conta desse óbvio e adiado expediente, venceu Bauru o terceiro jogo, reacendendo suas chances de permanecer na disputa com reais chances de levantar o caneco, a não ser que a equipe da capital resolva seguir a mesma fórmula, no que se beneficiaria bem mais, por ter uma formação mais eclética, apesar da juventude, e possuir um poder de rebote bem mais amplo do que seu adversário, principalmente nos de ataque, muitas vezes inaproveitados pela ganância da chutação de fora, que em algumas oportunidades se repetiam duas ou três vezes no mesmo ataque, num desperdício juvenil e inconsequente, imperdoável numa decisão de campeonato…

E sob estes fatores, se sobressai a ainda falseada qualidade de alguns jovens armadores, imaturos no domínio dos fundamentos, substituindo sua segura aplicabilidade por uma voracidade individualizada que os cegam na leitura espacial do jogo, onde a visão angular, que os guiam de encontro as enormes barreiras defensivas que os antepõem, anula a fundamental e estratégica visão periférica, a arma mais poderosa na distribuição correta das assistências críticas em espaços diminutos, habilidade que os qualificam como verdadeiros e eficientes executores dos sistemas ofensivos de uma bem treinada equipe, sem, no entanto, prejudicar suas capacidades pontuadoras, que deveriam ser seletivas e rigorosamente inerentes aos sistemas em si. O que vemos, preocupados, é o nascedouro de uma nova geração de “mosquitos elétricos”, sempre a frente, por sua irrefreável e nem sempre inteligente velocidade dos demais componentes de suas equipes, um pouco menos velozes pela estatura e porte físico, onde a fluida sincronia que os deveriam unir, se rompe pela assincronia motivada pelo descompasso de sua errática armação. São jogadores corajosos e impulsivos, que agradam os torcedores e narradores, mas que, de forma bem ampla, arrastam sistemas de jogo a limites de impraticabilidade se não forem muito bem orientados, principalmente na adequação lógica e coerente de seus velozes deslocamentos às verdadeiras necessidades de suas equipes, e não as de si mesmos, exigindo treinamento intenso, e acima de tudo, absolutamente competente…

Então, rumando para o quarto jogo no sábado vindouro, com a equipe de Bauru já tendo quebrado um pouco a insânia dos três, vencendo por conta disso o jogo que o manteve na disputa, tem agora o Paulistano de seguir algo correlato, fugindo o quanto puder da convergência que tanto o desgasta física e emocionalmente, agindo coerentemente pela valorização de cada ataque, reforçados pela boa defesa que vem empregando, fator também aplicado por Bauru neste jogo em particular que venceu, para quem sabe, possamos assistir um verdadeiro jogo de basquetebol, e não o pastiche ´praticado até agora, por todas as quinze equipes deste NBB9, onde a desenfreada “artilharia de fora” e os “monstros” midiáticos de ocasião, o marcaram seriamente como peladas consentidas por todas, que contrapõem a seriedade exigida por uma liga de tal importância, noves fora as lastimáveis, e mais midiáticas ainda, pranchetas, que “não falam”, mas poluem sobremaneira a dignidade do grande, grandíssimo jogo, nesse enorme e injusto país…

Amém.

Foto – Reprodução da TV. Clique duplamente na mesma para ampliá-la.

A SÉRIA PREOCUPAÇÃO II…

P1150124

P1150125O primeiro jogo da série final no NBB9 foi no sábado, e pelo que vi não me deu vontade nenhuma de escrever, pois de nada adiantaria analisar uma partida que a mídia classificava de brilhante, vibrante, de alto nível, resgatando o verdadeiro basquetebol brasileiro, com uma garotada abaixo dos 21 anos jogando como veteranos, como estrelas, deixando a certeza de que o futuro que se avizinha será uma grata realidade, e a dura constatação do que assisti constrangido e temeroso pela falsa e ufanista imagem da tal grata realidade…

Pensei então do que tem adiantado minhas análises, perdidas num mundo artificial e enganoso de situações técnico táticas, que de forma alguma referendam tanta e fartamente documentada evolução do grande jogo entre nós, onde a palavra absoluta de ordem é o desvario convergente dos arremessos de dois e três pontos, a mesmice larga e endemicamente implantada pelo sistema único de jogo, com suas padronizadas e universalizadas jogadas, idênticas para todos, equipes, jogadores, téc…digo, estrategistas e mídia especializada, com o aval de dirigentes, agentes, empresários e torcidas em geral, irmanados na crença de que é assim que devemos atuar, da formação de base até a elite, já que, na certeza de todos, é a maneira que se joga no mundo, principalmente pela matriz, que investe pesado nesse modelo hegemônico, deixando sua marca na mente perversamente colonizada de seus iludidos seguidores, principalmente os mais jovens…

No entanto, teimosa e solitariamente, prevejo uma catástrofe de dimensões bastante graves para o soerguimento sustentável e possível do grande jogo no país, pois a base garantidora desse processo se esvai na continuada mediocridade arrivista e aventureira de muitos, quase a maioria, dos responsáveis que ainda se mantém no comando do mesmo, absolutos, e que não encontram, ou não deixam florescer toda e qualquer tentativa de renovação autêntica e independente, face ao forte corporativismo que exercem livremente, quando se situam como começo, meio e fim de todo o processo, eliminando toda e qualquer possível dissidência…

E teimosamente lembro que, nesse “magnífico e fantástico” jogo foram cometidos 29 (15/14) erros dos fundamentos mais básicos, acima da média de 27,2 nesse campeonato, e que assombrosamente as duas equipes convergiram em seus arremessos, quando o Paulistano perpetrou 12/27 nos de 2 pontos e 13/37 nos de três, ficando Bauru com seus 17/36 de 2 e 7/32 de 3, perfazendo as duas juntas 29/63 nos 2 pontos e 20/69 nos 3, ou seja, foram perdidos 34 tentativas de 2 e (isto sim é absurdamente lamentável|) 49 de 3!!! Em outras palavras, foi o mais autêntico “tiro aos pombos” em vez de um jogo de basquetebol, fato que previ com sobras nos dois artigos antecedentes a esse, e em muitos outros nestes 13 anos de Basquete Brasil…

Um outro e emblemático fator deve ser levado em alta conta, o de serem os dois estrategistas dessas equipes finalistas, apontados como o créme de la créme da nova geração nacional, ambos que foram assistentes do hermano na seleção nacional, juntos ao do Flamengo, os responsáveis confessos nesta hemorragia autofágica dos arremessos de três, claro, consentidos pela ausência de defesa exterior organizada, abrindo os duelos, onde vence o que acertar a última bolinha, para depois apagar as luzes e levantar o caneco, maldade esta que desafio ser concretizada quando, segundo seus proclamados desejos, estiverem, juntos ou não, dirigindo a seleção nacional, frente a seleções internacionais de peso, que de forma alguma negarão o direito de intervir fortemente com suas eficientes defesas dentro, e principalmente fora de seus perímetros, forçando nosso deficiente e primário jogo individual, refém dos 27,2 erros em média nos fundamentos na liga principal (imagino a média na formação de base, seja ela masculina ou feminina), a um confronto desigual, como o que vem ocorrendo sistemática e repetidamente nas competições de vulto em que temos participado desde muito, fator que inviabiliza a consecução de qualquer sistema de jogo, por mais simples que seja, pelo singelo fato de que de há muito relegamos ao mínimo o básico e estratégico ensino dos fundamentos, trocando-os por sistemas e jogadas tuteladas de passo marcado, peladas disfarçadas em treinos de “ritmo de jogo”, enterradas e bolinhas de três, ah, não esquecendo jamais as midiáticas pranchetas, alter ego e convenientes álibis da turma de estrategistas jovens e veteranos, que aí está, torcendo, gesticulando e aplaudindo de fora quando as bolinhas caem, coagindo e pressionando arbitragens quando elas se negam a cair, mas muito pouco preocupados com os erros contornáveis (se corrigidos, ou mesmo ensinados) de seus jogadores, mas que serão solucionados trocando-os por outros na próxima temporada, pois onde já se viu ensinar adulto a dominar os fundamentos, onde? Para isso existem e pululam os agentes, os empresários, muitos dirigentes, para os quais o objetivo maior é o campeonato, independentemente de quem se mata lá dentro para conquistá-lo…

E por cima disso tudo, vem um representante da nóvel ATBB, que sucede a APROBAS, ambas associações de técnicos e direção majoritariamente paulistas desde sempre, reivindicando liderança nacional, cobrar da nova administração da CBB um anterior ajuste com a direção que se foi, de que caberia a mesma a organização técnica e formulação de material didático da ENTB, exatamente para manter sob domínio o rígido e unilateral corporativismo que tanto discuto aqui pelo Basquete Brasil, onde a palavra final das técnicas e sistemas de preparo de equipes do país, assim como a formação técnico, tática e pedagógica dos futuros técnicos em níveis de I a III, continue em seu domínio, com seus cursos formadores de 4 dias, responsáveis pela pobreza e mediocridade do que implantaram desde sua criação, que ao ser inaugurada foi presidida por um preparador físico, e não um professor e técnico de basquetebol, como deveria ter sido, para desenvolver um projeto diversificado, plural e democrático…

São situações anacrônicas como estas que colocam e dimensionam o grande jogo, num patamar tão inferiorizado ante o concerto internacional, de onde está afastado pela FIBA, com fortes e sérios argumentos de gestão, entre vários, onde se inclui a baixa qualidade da ENTB, sem atuação desde 2014, quando já era dirigida pela mesma turma que volta a reivindicar sua continuidade diretiva, o que seria um inqualificável erro de percurso, onde ironicamente, até a experiência hermana de trinta anos é mencionada, como algo a ser copiado, esquecendo serem outros e diversificados os parâmetros sócio administrativos e educacionais que nos diferenciam. Já se faz tardia uma mudança radical desta liderança trintona, dando oportunidade a outros e novos posicionamentos, originando o princípio do contraditório, porta de entrada do salutar processo democrático de que tanto precisamos, para o soerguimento técnico sustentável do grande jogo neste enorme, desigual e injusto país.

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.

Video – Facebook.

 

 

 

 

A COZINHA QUE DEFINE…

Saldanha_x_Universo_6Saldanha_x_VV_20_002

Saldanha_x_VV_1904saldanha-1case-saldanha_da_gama-foto_gilson_borba-f5fotoagenciaSaldanha_x_VV_16Criou-se no mundo do grande jogo no país a premissa de que, fora do sistema único que empregamos sofregamente a três décadas, nada mais viceja, a não ser a confirmação sistemática de tudo que emana da matriz do norte que deve ser conceituada como palavra final, como diretriz de via única, custe o preço que for, da formação de base a elite, nada podendo ser contestado, seja no âmbito técnico das equipes, seja na esfera da crítica, todos mergulhados de cabeça e de espírito no que de melhor convier para o progresso da modalidade, claro, na opinião formatada e padronizada de todos eles, menos e solitariamente, da minha…

Que, dando de frente a um parágrafo do artigo do jornalista Fabio Balassiano publicado em 22/5/17 no blog Bala na Cesta, a seguir mencionado:

(…)Sem a menor cerimônia, Bauru fechou o garrafão para impedir as cestas “de pertinho” e deu o perímetro para o Pinheiros arremessar. Como que dizendo “aqui dentro você não entra, então se quiser pontuar na gente vai ter que chutar de fora”.(…).

Fez com que me reportasse a uma curta, curtíssima, porém bem sucedida experiência que tive no Saldanha da Gama no NBB2, quando no oitavo treino de meia quadra 5 x 5, interrompi o duelo furioso entre defesa e ataque, para enfatizar a todos os que atacavam naquele momento – Guardem bem, e não esqueçam ou se omitam  de que é bem aqui, dentro, no miolo, no coração da defesa que farão os ´pontos decisivos, entendendo agora o porquê de tantos exercícios de dribles, passes e arremessos que realizaram, e muito realizarão dentro desse exíguo espaço, na cozinha do adversário, onde as conclusões são mais seguras, de 2 em 2 e de 1 em 1 pontos, pois nada arrefece e desbasta uma defesa do que se vê liquidada e vencida “ aqui dentro” e “bem de pertinho”, minando sua moral e auto reconhecida solidez…

E assim foi feito e entendido, por todos, sem exceções, ao som dos choques corpóreos, das inevitáveis pancadas, com um dos lados atacando com dois armadores e três homens altos permanentemente enfiados lá, “na cozinha”, numa louca, porém disciplinada movimentação aleatória e ao mesmo tempo consciente dos valores da improvisação, degrau mais alto do conhecimento técnico que exerciam dentro de seu sistema proprietário, enquanto do outro, tudo faziam, a meu pedido, para tornar estéril toda e qualquer movimentação dentro do sistema ofensivo que optamos desenvolver, como que nos adiantando ao comportamento defensivo de nossos futuros adversários, e por se tratar de um sistema híbrido, por ser o mesmo utilizado tanto contra defesas individuais, como as zonais, indistintamente, talvez variando somente quanto ao ritmo de jogo, e que para ser desenvolvido e treinado exige grande conhecimento técnico, tático, e coragem suficiente para aplicá-lo em toda sua essência inovadora, nada mais…

Infelizmente, depois de um belo recomeço em São Paulo, viu-se a equipe alijada de três de seus melhores jogadores, para enfrentar duas semanas de derrotas, algumas delas que não aconteceriam se sua unidade não tivesse sido quebrada daquela forma, mas, que um pouco adiante, reformulada em seus limitados recursos humanos, pode mostrar a muitas das poderosas equipes daquele segundo campeonato da liga, inclusive a campeã, como defender dentro e fora dos perímetros, dentro da mais irrestrita linha da bola, flutuando lateral e jamais longitudinalmente à cesta, e atacar com força e inteligência, jamais ultrapassando o limite seletivo dos 10/15 arremessos de 3, concluindo a maioria de seus pontos de 2 em 2 e de 1 em 1, “lá dentro” e “bem de pertinho”…

Duvidam? Então vejam, e não esqueçam, se realmente se interessam pelo grande jogo, aquele que foi jogado um dia de forma diferenciada em nosso país, de verdade, lamentando somente me ter sido vedada a continuidade do mesmo. Por que? Por quais motivos? Saberão responder?

Vencendo as limitações de um grande jogo.

Pensando o futuro – O grande jogo. toda sua essência inovadora

Uma data para recordar.

O desafio.

Me despedindo.

Amém.

Fotos – Minha homenagem aos grandes jogadores do Saldanha da Gama no NBB2, a quem tive a grande honra de dirigí-los. Clique duplamente para ampliá-las.

 

 

 

AS PELADAS MONUMENTAIS…

P1150101

P1150102P1150108Foram dois jogos praticamente iguais, o terceiro e o quarto disputados do playoff, quando a equipe de Bauru empatou a série com o Pinheiros, mesmo tendo iniciado com duas derrotas, adiando o resultado final para o quinto jogo, de uma forma previsível, menos para seu oponente, que simplesmente se deixou abater ao aceitar duelar nas bolas de três, naqueles momentos em que o jogo interno deveria se impor, como a solução mais primária naquelas circunstâncias em que ambas as equipes tentaram subir suas defesas a fim de contestarem mais efetivamente os longos arremessos…

Bauru empatou a série convergindo com 18/33 nas bolas de 2,  e 15/32 nas de 3 no terceiro jogo, quando o Pinheiros atingiu as marcas de 20/35 e 6/23 respectivamente, com a defesa externa da turma do  interior se mostrando bem mais eficiente que a da capital, quando pudemos observar que as efetivas 9 bolas de 3 a mais pesaram bastante no resultado de um jogo em que perderam 10 lances livres contra 3 de seus oponentes, e onde ambas as equipes cometeram 32 erros de fundamentos (16/16), retratando um jogo de baixo índice técnico sob quaisquer argumentos que possamos evocar. Pois bem, veio o quarto jogo e o que vimos foi a repetição do que ocorreu no anterior, onde a teimosa insistência pelo jogo externo pautou a partida, porém com algo bem específico, comum em toda a série, a mais completa ausência de um jogo coletivo interno coerente e bem planejado para espaços menores, e claro, treinado por ambas as equipes, o qual se restringia a abertura de quatro, e muitas vezes dos cinco jogadores, a fim de terem espaço para as penetrações do mais alto caráter individual, visando as bandejas, e raramente os arremessos de média e curta distâncias, os tão esquecidos DPJ´s, e onde se faziam sentir os drásticos efeitos da ausência técnica nos fundamentos do drible, das fintas e das conclusões sob forte anteposição (haja vista os 31 erros nos fundamentos 14/17), e em situações básicas, como a de finalizarem uma bandeja ou um curto arremesso, com a mão mais próxima do aro, quando deveria ser a mais afastada, como definem as boas execuções dos fundamentos de arremessos, principalmente para os mais altos, numa falha primária, produto de uma formação deficiente de base, nunca corrigida, ou minimizada nas categorias adultas, como se fosse proibitivo aprender os fundamentos do jogo…

O vencedor da série enfrentará no torneio final o Paulistano, cuja equipe também se destaca pelo apetite voraz nos 3 pontos, sendo estas equipes, junto com a eliminada do Flamengo foram as líderes convergentes deste NBB9, e desde já podemos antever um “tiro aos pombos” desenfreado, a não ser que, num rompante corajoso e evolutivo (o que duvido que ocorra), uma delas opte por jogar organizada e preferencialmente dentro do perímetro interno, reservando os arremessos externos para aqueles momentos e situações em que o equilíbrio e razoável liberdade, torne a execução passível de alto controle por aqueles jogadores que realmente são especializados no mesmo ( não os que o adversário “paga para ver”), e que a contar nestas equipes, são muito, muito poucos…

Defesa externa contestatória, interna bem situada à frente dos pivôs, e melhor ainda nos rebotes, e ataque primando pelo sentido coletivista com passes de fora para dentro, visando pivôs em constante movimento, assim como todos os demais componentes da equipe, ocupando e mantendo junto os defensores com seus deslocamentos, origem de espaços necessários às penetrações, e consequentes passes de dentro para fora do garrafão, são os pontos básicos a toda equipe que realmente se candidate a ser campeã,  e não estabelecendo o caos ofensivo e defensivo que nos tem brindado a maioria das equipes, em peladas monumentais eivadas pelos 26,7 erros de média nos fundamentos por partida, e a hemorragia crônica de bolinhas, originando convergências absurdas, emoldurando um cenário que em hipótese alguma deveria representar um basquetebol de tanta tradição de qualidade quanto o que foi praticado por tantas gerações que engrandeceram o grande, grandíssimo jogo entre nós.

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.

Nota esclarecedora – Por falha de edição, o texto ontem publicado tornou incompreensível alguns parágrafos, fato para o qual peço desculpas aos leitores. PM.