VENCERAM, E AGORA?…

P1110370-001P1110371-001P1110373-001P1110381-001P1110385-001P1110386-001P1110389-001P1110400-001Terminou, e venceu com méritos e boa sobra, e de tal forma que neste jogo final encontrou equilíbrio para sustar a desesperada reação de uma equipe canadense oscilante e dispersa. A seleção brasileira está de parabéns por dois determinantes aspectos, uma eficientíssima dupla armação, executada por todo o tempo e em todas as partidas, quebrando uma rotina de seu técnico desde que assumiu a direção da equipe de utilizar um único armador, e a convocação e  natural escalação de alas e pivôs ágeis, velozes e flexíveis, que interagiam entre si lá dentro da defesa canadense, brigando por todo o tempo, e municiando os arremessadores com precisos passes de dentro para fora do perímetro, como o certo a ser feito, retribuindo o apoio competente dos armadores no sentido inverso. Defensivamente se ajudaram por todo o tempo, com abnegação e entrega, numa admirável constatação de que é possível defender com mais técnica do que exclusivamente com esforço físico, como apregoam muitos que não simpatizam muito com o verdadeiro esforço, aquele em busca da técnica, acima de tudo. O hermano está de parabéns pelo trabalho, quase missionário, de convencer e preparar um grupo, sem os nomões de praxe, a praticar um basquete diferenciado e eficiente. Só que, a partir desse momento, visando um Pré Olímpico que poderá ser a única chance olímpica, se o impasse FIBA/CBB se mantiver irredutível, veremos como o inteligente técnico argentino constituirá a seleção para tão importante competição, onde encontrará um problemão para resolver, quem escalar para a constituição final da equipe…

Isso porque, tenho sérias dúvidas, e claro, ele também as terá, se jogadores mais rodados e fixados em seus modos, qualidades e vícios, por muitos anos de atividade imutável, se adaptarão a esse novo conceito de jogo, tão bem assimilado e desenvolvido por esse grupo agora campeão, quando uma retroação ao sistema único, em tudo e por tudo, romperia o princípio coletivista alcançado com tanto sacrifício, entrega e comprometimento…

Na armação, agora dupla, fica patente as presenças do Huertas e do Raul, com as duas outras vagas para serem disputadas pelo Rafael, Fisher, Larry e um surpreendente Benite, pois não vejo o Caboclo, que mesmo na NBA, não tem rodagem e técnica para superar a turma acima, e além do mais, o fator “manter o coletivismo” emanado da dupla armação, necessita de jogadores dispostos a adotá-lo, como fez o quarteto do Pan…

No campo dos homens grandes, o verdadeiro pepino para o hermano, e porque pepino? Pelo fato de ser o setor que mais resistirá ao novo conceito, principalmente pela turma da NBA, acostumada ao individualismo que marca aquela enorme liga, onde o 1 x 1 reina absoluto…

Neste Pan, três deles se sobressairam, o Hettsheimeir, o Mendl, e principalmente o Augusto, e com um admirável espírito agregador, o Rafael Mineiro, todos estes em confronto com o verdadeiro batalhão do lado de lá, a saber: Nenê, Spliter, Leandro, Varejão (esse somente para 2016), Alex, Marcos, Bebê, Felício, Faverani…

J.P.Batista, Alexandre e Toledo, me parece com menores chances, frente ao estrelismo do lado de lá, apesar de terem composto com brilho esta lutadora equipe. De qualquer forma, acredito ser o foco do problema, a manutenção do sempre ansiado, e agora presente coletivismo, que deve ser continuado, desenvolvido e ampliado, mas que só será factível se for mantido o sistema agora adotado, com uma dupla e consistente armação, e homens altos dispostos a se movimentar permanentemente dentro do perímetro, com velocidade, agilidade e inteligência, fatores ausentes até este emblemático Pan…

Mas algo se projeta, indiscutivelmente, que a grande revolução veio através a mudança de um conceito estratificado de jogo, substituído por um outro, que tanto insisti em defender, e mesmo utilizar por décadas e num breve, porém significativo NBB2. Que seja competentemente continuado, por ser muito bom e eficiente, talvez o único que se coadune com o justo desejo do hermano pelo jogo coletivo e solidário…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

 

UM CONCEITO DE JOGO DIFÍCIL DE SER IMPLANTADO…

P1110318-001P1110319-001P1110321-001P1110327-001P1110337-001P1110338-001P1110348-001P1110349-001Termina o jogo contra a Republica Dominicana, duríssimo, numa ascendente iniciada contra os Estados Unidos ontem, quando frente a uma equipe montada pela internet, numa mistura de universitários, jogadores que atuam fora do país, e um ou dois que atuam, ou atuaram na NBA, mantiveram em menor escala a pujante exibição contra Porto Rico, e a morna vitoria contra a Venezuela, num ritmo menos intenso, principalmente defensivo, fator que a fez levar 83 pontos, inadmissível para uma equipe que pretende fazer de sua defesa a base de suas vitorias nessa competição…

A se destacar, mais uma vez, a eficiente dupla armação liderada por um Benite preciso nos arremessos, calmo, objetivo e eficiente na coordenação ofensiva e no equilíbrio defensivo, num jogo de placar baixo (68 x 62), exatamente pelo empenho blocante de ambas as equipes, empenhadas na defesa dura e incondicional. Venceu a seleção pelo melhor aproveitamento das bolas longas (5/21 contra 2/16), já que o jogo interior foi absolutamente igual (19/40 e 19/43 para os dominicanos), e perdendo nos lances livres (15/22 e 18/22), confirmando a igualdade pontuadora sob intensa pressão defensiva interna, advindo dai a pequena e decisiva vantagem obtida nas bolas longas, lideradas pelo especializado armador Benite…

No entanto,devemos salientar o quanto tem oscilado a seleção frente a nova maneira de jogar, quando em inúmeras ocasiões um dos pivôs recebe a bola de costas para a cesta e o restante da equipe paralisa sua movimentação, como que esperando o que irá fazer seu companheiro, cercado e pressionado até em dobra, torcendo para que devolva a bola para um longo arremesso, como que uma marca indelével pelos anos e anos de aventura lá de fora…

Nessas situações, mais do que nunca a movimentação deveria ser mantida, dentro e fora do perímetro, numa ação sem a bola, porém fundamental para a abertura de espaços dentro e fora do mesmo, confundindo a marcação e aliviando a pressão no pivô de posse da bola. Trata-se do ponto fulcral do sistema de dupla armação e três pivôs móveis agindo e interagindo dentro e fora das zonas ofensivas, onde todos participam e se entreajudam com e sem a posse da bola…

No entanto, reconheço ser este patamar de difícil aprendizado por uma geração solidamente  estabelecida no sistema único, necessitando de um período reconstrutivo em uma relativamente longa etapa de treinamento, claro, se for este o objetivo a ser alcançado frente ao novo conceito de jogar, onde a criatividade e profunda leitura de jogo dotará a todos de um arsenal de jogadas nascidas de situações pontuais e irrepetíveis, e não pré desenhadas e exigidas através uma prancheta limitadora e coercitiva. Correções podem e devem ser feitas pela direção técnica, porém dirigidas à percepção exógena de ações defensivas e ofensivas dos adversários, não captadas pelos jogadores em quadra no calor das disputas. Sua ação básica e profunda se desenvolve nos treinos, minuciosos, estudados e coerentes…

Finalmente, vamos aguardar o jogo decisivo de hoje, onde uma defesa forte e um ataque solidário terão de ser desenvolvidos para a conquista da medalha, mas para tanto os jogadores terão de se despir dos arroubos individuais e personalistas, trabalhando em conjunto e com solidária entrega…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

 

NOVOS ARES?…

P1110306-001P1110307-001

 

O habito do 1 ao 5 está tão solidamente arraigado na mídia especializada, que o Benite para ela é um ala armador, num clamoroso erro de avaliação, ou mesmo, conhecimento técnico, pois o jovem jogador foi, é e sempre será um armador, e dos bons, mas que migrou por varias equipes no intuito de se firmar na posição, mas pelo seu potencial nos longos arremessos, sempre foi “escalado” como um ala, no máximo como um 2 (no jargão da turma do sistema único), quando seu DNA é de um armador bastante técnico nos fundamentos básicos da posição (o drible, a finta e o passe), além de sua capacidade pontuadora nos longos arremessos, e no tão relegado DPJ…

Nessa fase da seleção, ele estando na companhia de um outro armador de técnica bastante similar (Luz, Larry e principalmente o Fisher ) dota a equipe de um potencial municiador enorme, ainda mais quando os alas e pivôs são dotados de velocidade e agilidade no perímetro interno, que é uma surpreendente realidade nesta safra de homens altos, mais leves, e acima de tudo, de grande mobilidade…

E mais um importante detalhe, trata-se de um armador na faixa dos 1,90m, dotando-o de apreciável capacidade defensiva, principalmente na contestação dos arremessos fora do perímetro, e na briga nos rebotes, faltando somente se conscientizar de que é a posição mais vantajosa frente às suas qualidades físicas e técnicas, que o levarão a um elevado patamar na medida de sua capacitação na leitura de jogo, claro, se se mantiver armador, e não um híbrido ala armador…

E com uma eficiente, técnica e coordenada dupla armação, a equipe brasileira parece querer romper um paradigma aparentemente estratificado, aquele que escravizou, e ainda escraviza nosso basquetebol ao anacrônico, ultrapassado e covarde (por se negar evoluir…) sistema único, aquele do 1 ao 5, que limita jogadores a posições “especializadas”, bitolando-os às mesmas, e que em muitos casos se tornam capitanias hereditárias, inclusive nas seleções…

Enfim, esta seleção dá um passo bastante importante na evolução do grande jogo entre nós, que se qualificará muito mais, na medida em que mantenha a dupla armação e três homens altos velozes, ágeis, hábeis, e acima de tudo, se movimentando contínuamente dentro do perímetro, abrindo generosos espaços para serem municiados de fora para dentro pelos armadores, propiciando conclusões próximas a cesta e devoluções no sentido inverso, para  arremessos de fora livres e bem equilibrados, e também importante, estarem em bom número posicionados para os rebotes ofensivos, fundamentais aos bons resultados…

A equipe brasileira se encontra no portal para atingir esse estágio, bastando manter o foco num sistema de jogo em tudo antagônico ao “único”, o que não é uma tarefa fácil, mas torço para que tente, pois poderá, lá na frente, colher bons resultados, talvez em 2016, e certamente para 2020…

No jogo de hoje, contra uma experiente Venezuela,  todas estas possibilidades ficaram patentes, porém com um senão, um certo distanciamento da intensidade de ontem contra Porto Rico, o que tornou a partida menos impactante, cadenciada e um tanto dispersa, mas mantendo sua nova forma de jogar o grande jogo, atacando em uníssono, defendendo com eficiência, e sem a volúpia dos três pontos (foram 5/12), ações que poderiam ter sido mais amplas se mantido o excelente empenho da véspera. Amanhã, contra os Estados Unidos poderemos atestar, ou não, este novo momento da seleção, que se mantido, dotará a equipe de algo impensável até bem pouco tempo atrás, ser proprietária de uma forma eficiente e diferenciada de atuar. Espero que assim continue…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

 

ALELUIA!…

P1110279-001P1110280-001P1110282-001P1110283-001P1110284-001P1110286-001P1110288-001P1110289-001P1110290-001

Enfim, um time de verdade, mesmo com uma perfeitamente dispensável convergência (18/30 de 2 pontos e 16/34 de 3), quando (e ai a nossa tradicional continha…) bastaria ter trocado a metade dos erros nos 3 (9 tentativas) por arremessos de 2, para ultrapassar em muito os 100 pontos, que seria uma arma psicológica poderosa para os próximos encontros, pois conseguido contra um tradicional e forte adversário como Porto Rico…

E Porto Rico, meus deuses, fincando um pé no seu lado tradicional de peladeiros profissionais, e outro tentando (e não conseguindo) se submeter a uma improvável disciplina universitária de um Rick Pitino, completamente por fora de uma competição antítese da que estabeleceu brilhantemente na NCAA desde sempre…

Os brasileiros, mais leves e soltos, sem mastodontes de plantão (até o JP Batista afinou bastante), puderam combater dentro e fora do perímetro, com a velocidade ansiada pelo hermano de a muito tempo, o que o fará repensar substituir a eficiente agilidade apresentada por alas pivôs realmente atléticos, flexiveis, velozes, pela cavalaria vinda da NBA, e condicionada a exigências contratuais na maioria das vezes draconianas, principalmente perante a realidade de insolvência econômica de uma CBB em estado pré falimentar…

E o que dizer da permanente dupla armação utilizada inteligentemente por um Magnano que, inclusive, já dispara sonoros e cabeludos palavrões a cores e som estéreo, se inserindo na habitual linguagem de grande parte de seus colegas tupiniquins, mas sendo coerente com sua convocação de cinco armadores, tendo sido deixado na mão pelo hipotético melhor deles, o Raul, que se mandou para os braços milionários da NBA, deixando um vácuo na equipe, que sequer pode ser preenchido…

Mas os que ficaram deram conta do recado, saindo, desde pressões quadra inteira, até uma boa distribuição de jogo interior, sem contar a boa pontaria do Benite com bolas recebidas de dentro para fora, deixando-o à vontade para os disparos livres e equilibrados que executou, assim como, agindo como um eficiente armador sempre acompanhado dos outros três, numa combinação de “n” fatores responsável pela fluidez do jogo coletivo, muito bem coordenado…

Os homens altos supriram os dois pontos fulcrais de seleções anteriores dirigidas pelo argentino, a mobilidade defensiva dentro e fora do perímetro, e a velocidade constante nos deslocamentos ofensivos, que poderão ser bastante melhorados no momento que exercerem corta luzes próximos a cesta, um tabu que assombra a esmagadora maioria dos estrategistas nacionais…

Na verdade, temos muito bons jogadores altos, aptos ao jogo veloz no ataque, e mais aptos ainda nas anteposições defensivas, que seria o próximo e definitivo passo para uma evolução técnica de peso, principalmente no exercício de defesas à frente dos pivôs adversários, que é uma ação temida em nosso país, exatamente pela falta de treinamento na formação de base, mas que pode ser revertida na elite, sim senhores, na elite, nas seleções, no que serviria de formidável modelo aos que se iniciam, em vez de enterradas e desvario nos três pontos…

Mas Paulo, no jogo de hoje “destruímos” nos três, ou não?…

Perante um adversário inerte e amorfo na defesa, correto, no entanto, perdemos uma ótima oportunidade prática de substituir alguns petardos de longe, por um jogo interno mais eficiente, a partir do momento em que estabelecemos uma dupla armação fluida e devastadora…

Bem senhores, creio que o jogo de hoje alcançou um parâmetro que custou bastante tempo para ser estabelecido com sucesso, a exequibilidade do jogo coletivo apregoado e perseguido pelo teimoso hermano, que não precisaria realizar romarias aos Estados Unidos e Europa, na busca de apoio de “nomes” mais compromissados com suas belas rendas dolarizadas (a exceção não conta…), do que com os riscos físicos na defesa de nossas seleções, perfeitamente sobre estabelecidos por valores menos marqueteados, porém aptos e habilitados para os suprirem com vantagens, antes insuspeitadas pela maioria de nossa subserviente mídia especializada, mas fartamente apregoadas em humildes trincheiras, dentre as quais este mais humilde ainda blog se insere desde sempre, também…

Mas Paulo, que jogo coletivo é este?…

É aquele praticado por uma equipe através uma competente dupla armação, servindo e abastecendo três alas pivôs rápidos, ágeis e velozes, interagindo no cerne da defesa adversária, e defendendo com as mesmas valências mais uma, especial, única e indivisível, o compromisso e o comprometimento a uma forma diferenciada de jogar, tornando-a proprietária de algo seu, exclusivo, único, e que tão bem conheço em décadas de utilização…

Torço para que assim continue, porém convergindo menos (que é uma ação temerária na maioria das vezes…), sedimentando um caminho para 2016 realmente otimista e perfeitamente factível…

Amém.

Fotos – Reproduções da Tv. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

Nota – Perdoem a deficiência de imagens, pois foram captadas de uma tv analógica.

A FULCRAL (E LETAL) IGNORÂNCIA…

DSCN3817rG5cZaVRwkmXbeupSVCo9w

Saio por alguns momentos da faina de reformador de uma casa de 39 anos, desgastada pelo tempo, mas porto seguro de minha família, e merecedora de uma faxina em regra, claro, na medida de minhas possibilidades de professor aposentado e técnico bissexto, para voltar ao blog um tanto cansado com tanta asneira e ignorância que massacra e denigre o grande jogo tupiniquim…

Começando pelas campanhas do nosso basquete feminino lá fora, no Pan e no Mundial sub 19, onde o resultado das formatações e padronizações técnico táticas impostas pelos estrategistas permanentes e perenes de plantão se fazem sentir pelo seu lado mais sombrio e constrangedor, senão vejamos:

- Na sub 19 em seus dois jogos iniciais na Russia, apresentam números assustadores:

            33/115 nos 2 pontos (28.6%)

            5/24   nos 3 pontos (20.8%)

           26/47  nos L.Livres  (55.3%)

            57 Erros de Fundamentos – 28.5 pj

Ou seja, não dominam os arremessos e muito menos os fundamentos básicos, mas, segundo a comissão técnica, apresentam um bom e disciplinado basquete, com muita raça e dedicação (só contra a Austrália cometeram 32 erros…), que são requisitos naturais a uma seleção nacional, e que não aufere a mesma grandes voos frente às suas carências na ante sala da divisão master, imperdoável em seu abandono do básico em função dos cordéis de fora para dentro da quadra manejados por estrategistas comprometidos e compomissados com um sistema anacrônico de jogo, que de forma alguma poderá funcionar sem o apoio basilar dos fundamentos do jogo…

- No Pan, os números também são deploráveis, após uma preparação de 30 dias, muitos dos quais perdidos nos meandros de “testes científicos”, medições antropométricas variadas, palestras motivacionais, exposições táticas a não mais poder, coletivos para adquirir “ritmo de jogo”, amistosos para adquirir mais ritmo ainda e experiências reais, tudo isso e mais alguma coisa, dissociados da estrutura básica, os fundamentos, e ai estão os números após sua participação em 5 jogos:

               88/216  nos 2 pontos (40.7%)

                22/93   nos 3 pontos (23.6%)

                72/102 nos L.Livres  (70.5%)

                 98 Erros de Fundamentos – 19.6 pj.

Que no frigir dos ovos praticamente repete o vicio da base, num monocórdio carrocel de algo que parece inamovível na preparação de jogadores (as) em nosso país, a progressiva substituição dos fundamentos pelos sistemas de jogo, promovida por pseudos e falseados técnicos (muitos provisionados e “formados” em cursos de 4 dias…), que acreditam piamente no processo osmótico, no qual a proximidade física e visual de bons profissionais é suficiente para suprí-los de conhecimentos que aqueles adquiriram em décadas de muito estudo e trabalho, meritório trabalho, além, e isso se torna mais claro a cada dia e seleções que passam, utentes da fórmula mais letal que cerceia o desenvolvimento do grande jogo, a utilização corporativista do inefável Q.I., arma de morte do nosso infeliz basquetebol…

Por tudo isso, e garimpando comentários na mídia especializada, de “conhecedores” do nosso indigitado basquetebol, me deparo com um deles, lapidar em sua fria ignorância:

Sim, essa seleção é formada por várias atletas sem fundamentos básicos e todos sabem ou deveriam saber que atletas não aprendem fundamentos na seleção adulta. No mundo inteiro é assim: a menina aprende fundamento na base, coloca em prática no clube, se destaca e as melhores chegam à seleção. Aqui no Brasil, os gênios do basquete feminino querem fazer diferente do que o mundo inteiro faz. Não tem como esperar por bons resultados com essa “filosofia genial”.

Por isso.por tudo isso, é que nos encontramos nesse estágio de decrepitude técnica, e por conseguinte, tática também, pois se exercitar, praticar, desenvolver, aprender e reaprender os fundamentos básicos de qualquer atividade desportiva de quaisquer níveis, idade, posicionamento e experiência prática, independe do fator tempo, já que aprender, reaprender e apreender conhecimento é a fórmula imutável de adquirir o domínio pleno de uma atividade humana e inteligente desde sempre…

Amém.

Fotos – Reprodução da Tv e Divulgação FIBA. Clique nas mesmas para ampliá-las.

 

VAMOS FALAR SÉRIO?…

foto21

Passaram alguns dias após o encerramento da Copa America sub 16 feminina, onde a seleção do país conquistou o vice campeonato, mas somente agora me dispus a escrever algo sobre o feito, brilhante, por sinal, com algumas jovens bastante talentosas, porém anárquicas tecnicamente…

Bem, não devemos esquecer que antes de tudo sou um técnico do grande jogo, com larga experiência desde a formação de base, até as divisões superiores, que sempre defendi a fundamentação básica, não importando idades, níveis e posições de jogadores (as), e que considero táticas e sistemas de jogo somente factíveis ancorados em fortíssima preparação dos fundamentos do jogo, sem os quais nada, absolutamente nada acontece, principalmente na elite…

Por sorte consegui sintonizar dois jogos da equipe brasileira na internet, contra os Estados Unidos e o Canadá na final. No entanto, até o jogo com as americanas, coletei alguns dados inacreditáveis acontecidos nos jogos contra a Venezuela, Cuba e Canada, ou sejam:

-  Arremessos de 2 – 69/186 – 37 %

-  Arremessos de 3 – 13/62   - 20.9%

-  Lances Livres      -  39/80  - 48.7%

-  Rebotes              -   59.3 pj

-  Erros                   -  21.3  pj

 

Ou seja, uma equipe que falha bastante nos fundamentos, sendo que no principal deles, os arremessos, simplesmente não o sabem executar com um mínimo confiável de precisão…

Veio o jogo com os Estados Unidos, que claro, de posse destes dados subestimou claramente as meninas patrícias, que valentemente partiram para a mais escancarada pelada, marcou em cima as posudas americanas, que quando acordaram no terceiro quarto para reagir, não o conseguiram, amargando um inesperada e nada prevista derrota…

Porém, algo esclarecedor, a soma do que produziu a jovem equipe nacional neste jogo, com os três anteriores, assim resultando:

- Arremessos de 2 – 95/244 – 38.9%

- Arremessos de 3 – 17/88   - 19.3%

- Lances livres       -  47/93  -  50.5%

- Rebotes              -  220     -  55    pj

- Erros                   -  75       -  18.7 pj

Comparando com a primeira compilação, poucas diferenças aconteceram, onde os dados nos arremessos se mantiveram muito abaixo das médias usuais, assim como o elevado número de rebotes, frutos da volúpia de arremessos pelas equipes, onde defesas inexistiam, exceto nesse jogo por parte das brasileiras, muito mais pelo duro embate, muitas vezes faltoso (as americanas cobraram 16/25 lances livres, contra 8/13 das nossas), que as atordoou de forma decisiva, e uma minima diminuição nos erros de fundamentos, que mesmo assim, para uma seleção nacional (mesmo sendo sub 16), é muito elevado…

Taticamente, um sopro do sistema único foi esboçado continuamente pela prancheta da jovem técnica, mas o passivo comportamento defensivo americano encorajou a jovem seleção a partir para dentro do perímetro interno de uma equipe nitidamente cônscia de que venceria quando quisesse, sendo seriamente punida por isso, apesar dos nossos desnecessários 4/26  nas bolinhas…

No jogo final contra o Canada, as brasileiras perderam por 1 ponto (72 x 71), tentando um absurdo 9/30 nos três pontos, quando poderiam, se bem treinadas nos fundamentos, dar seguimento às 59 tentativas de 2 pontos (foram 16/59, contra 20/58 das canadenses que tentaram 5/19 nos três), que fatalmente traria a vitoria e título, trocado pela insânia juvenil das bolinhas, muito cedo para dar continuidade ao “moderno basquetebol” que pensam praticar, num colossal erro de avaliação para um futuro idêntico ao que aí está implantado, correria e chega e chuta a não mais poder, incentivado pela campanha ignorante de uma certa mídia que preconiza o abaixamento da cesta, a fim de que a essência (para ela…) do jogo, as enterradas e os tocos, e por que não, as bolinhas, definam o nosso modo de praticar o grande jogo, minúsculo para essa turma que não o entende e conhece, mas que teima em fazer a cabeça dos jovens que iniciam em sua prática, além, é claro, claríssimo, do apoio irrestrito de uma geração de técnicos, digo, estrategistas, que não abrem mão dos cordéis com que tentam manipular marionetes em quadra, e não prepará-los (as) para, com o embasamento dos fundamentos individuais e coletivos, irem de encontro ao verdadeiro jogo, aquele do livre pensar responsável, criativo e técnico, que são os elementos fundamentais para a perfeita leitura de jogo, cerne do princípio da ação coletiva e abnegada, caminho para o mais profundo conhecimento do grande, grandíssimo jogo…

Amém.

Foto – Divulgação Fiba America.

 

 

 

O NOVO E O POR QUE?…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA789576_1280x720-660x371

 

Três anos atrás, publiquei o artigo 1000, O DESAFIO, que foi uma forma sintética de englobar todo um pensamento, todo um conceito de como sempre vi, exercitei e pratiquei o grande jogo na função técnica, em paralelo ao grande número de artigos dedicados aos mesmos, com coerência e teimosia em mais de meio século de batente, no afã de sensibilizar a todos aqueles que o amam de verdade, e que anseiam vê-lo soerguido do limbo em que se encontra a duas décadas de desgoverno, protecionismo e brutal corporativismo…

E o que tem acontecido de lá para cá, senão a confirmação do repto, suavizado e adaptado por aqui, porém levado ao extremo na matriz, ou não?…

Pera lá Paulo, você quer dizer que antecedeu os gringos nessa NOVA forma de jogar? E porque não, se o faço na pratica desde sempre?…

Claro, que outros professores e técnicos também o fizeram, semelhantes que são todos aqueles poucos, muito poucos que teimam em não seguir o corriqueiro, adotando a fácil tarefa de simplesmente copiar o que julgam aprovado e comprovado na pratica,  mesmo que destituído de inventividade criativa, aspecto este de somenos importância no mundo da mesmice endêmica que frequentam com ardor e dedicação, afinal de contas não se mexe em time que está ganhando (?)…

No último artigo aqui publicado, um leitor assim comentou:

Andre – Olá, Paulo Murilo, vc já declarou que não se entusiasma com a NBA, mas parece que o novo campeão, Warriors, é um exemplo daquilo que vc repete aqui nesta coluna o tempo todo! Hoje li Balassiano e ele comentou nesta mesma linha. Poderia fazer uma análise mais específica sobre o time do Warriors?

 

Muito bem,  responderei a sua pergunta, afirmando de saída que o farei como professor e técnico e não como comentarista, que até poderia fazer, já que jornalista qualificado, mas prefiro a área eminentemente técnica, aquela que se fundamenta no conhecimento profundo do jogo, adquirido na pratica sistemática do mesmo dentro e fora da quadra, estudando, desenvolvendo, pesquisando e ensinando-o décadas a fio, humildemente aprendendo mais do que ensinando…

Então, o que vimos na recente e brilhante conquista do Warriors na encerrada temporada da NBA, senão a continuidade da ação iniciada pelo Coach K, logo que assumiu as seleções americanas nos últimos mundiais e olimpíadas, com as quebras radicais de paradigmas clássicos do basquetebol de seu pais?…

Pivôs de força, pouca mobilidade e agilidade, foram substituídos por alas pivôs velozes. atléticos e ágeis, com fundamentação próxima aos armadores, arremessando com precisão das mais diversas distâncias, defendendo dentro e fora do perímetro com igual eficiência, colocando em cheque adversários pesados e pouco móveis (o pivozão russo que o diga…), abrindo espaços formidáveis mesmo próximos à cesta, assim como desenvolvendo armadores, sempre em duplas, somando às suas habituais e históricas habilidades um poderio de arremesso em ambos os perímetros, casando tais qualidades aos alas pivôs, num entra e sai da bola no perímetro interno por todo o tempo de jogo, tornando bastante complicada a concepção eficiente de sistemas defensivos, sujeitos às incontáveis soluções ofensivas a serem confrontadas…

Engraçado, sempre usei essa forma de jogar, porta de entrada (e saída…) da improvisação, da arte de ler e interpretar situações sempre mutáveis (e jamais repetidas) de jogo, onde ter um arsenal de 100 jogadas se torna risível perante às “n” e incontáveis possibilidades do jogo pensado, ousado, corajoso, num sistema aberto e profundamente responsável, âmbito daqueles que realmente o sabem jogar, de verdade…

Os Warriors pertencem a NBA, a liga que congrega a fina flor do basquetebol americano, sempre reforçada por jogadores internacionais, que, com honrosas exceções se equivalem aos locais, porém nunca os superando, onde uma renovação constante, advinda de sua fortíssima estrutura colegial e universitária, mantém sua hegemonia técnica mundial, apesar de claudicar bastante no aspecto tático, estruturado e fundamentado no sistema único, largamente comentado aqui no blog, originando esporádicas surpresas como as apresentadas pelos Warriors, seguidores fieis da proposta do coach K, adotadas pelas seleções nacionais por ele dirigida nos últimos anos…

“Sem os arremessos de três nenhuma equipe vence hoje em dia”, afirma categórico um comentarista de TV, deixando no ar o aspecto saudosista que o incentiva para tal afirmativa, que contesto veementemente, pois jogando em permanente deslocamento de todos os jogadores, abrindo espaços sucessivos dentro e fora do perímetro, optar prioritariamente pelos médios e curtos arremessos (com percentuais mais vantajosos), para de 2 em 2 alcançar mais de 90 pontos, mantém os altamente imprecisos arremessos de três (inclusive para os especialistas) para serem utilizados naqueles momentos em que sua execução seja antecedida pelo mais absoluto equilíbrio e razoável distanciamento de possíveis contestações, onde um raríssimo talento como o Curry, quebra um pouco essas regras, mesmo quando erra…

Do lado dos Cavaliers, um daqueles raros jogadores que insistem em transformar um jogo coletivo em individual (temos um belo representante desta escola aqui mesmo, em terra tupiniquim), contestando seu técnico, um reconhecido tático do basquetebol internacional, esquecendo algo essencial para uma verdadeira equipe, alocar sua refinada técnica a serviço de seus companheiros menos afortunados, colocando-os nas definições de jogadas em busca das possíveis vitórias, e não encerrando sua participação no playoff final como o cestinha absoluto, o maior reboteador e…o grande (por mais uma vez) perdedor…

Finalmente, contesto, também, com veemência, afirmativas conclusivas de que jogadores, técnicos, jornalistas e torcedores admitam que o basquete de hoje difere frontalmente daquele jogado 40 ou 50 anos atrás, quando um Boston Celtics de Bill Russel (cujo trofeu com seu nome premia o MVP), o Cibona, as seleções iugoslavas, brasileiras jogavam de forma parecida, em velocidade, agilidade e arremessadores formidáveis, em tudo antecedendo o que hoje alcunham de NOVO jogo, quando na realidade, recria princípios imutáveis do grande jogo, onde o pleno e absoluto domínio dos fundamentos o embasam, e que mais recentemente, no NBB2, um humilde e agora esquecido Saldanha o ousou recriar, tendo como castigo a marginalização, tanto da maioria dos jogadores, como de seu técnico, o mesmo que lançou o desafio acima descrito, e que jamais contou com o mais remoto apoio do mundo fechado do nosso basquetebol, dos técnicos e suas associações à imprensa dita especializada,  na formulação de  uma singela pergunta – Por que o degredo, o que o explica e justifica, por que?…

Amém.

Fotos – Divulgação LNB. Clique nas mesmas para ampliá-las.

 

UMA JUSTA E PREVISTA VITÓRIA…

P1110088-001P1110071-001P1110073-001P1110076-001P1110087-001P1110093-001P1110099-001P1110107-001P1110109-001

Enfim, o NBB7 terminou, e da forma mais previsível se comparado aos campeonatos anteriores, pois os dois finalistas se apresentaram de forma absolutamente desigual, técnica e taticamente, onde um Flamengo ajustado na defesa e exercendo grande mobilidade ofensiva, enfrentou nestas duas partidas finais um Bauru acéfalo na defesa, e anárquico no ataque, não oferecendo grande resistência à inquestionável vitória rubro negra, a quarta na curta história do NBB…

Como na primeira partida desta final, os três primeiros quartos pertenceram a uma equipe fortíssima na defesa, pressionando a armação adversária de forma bastante efetiva, a tal ponto, que retirou da mesma toda a possibilidade de coordenar ações coletivas, restando esporádicas penetrações e as tentativas, bastante contestadas, das famigeradas bolinhas de três…

Do outro lado, frente a uma caótica e omissa defesa, a equipe carioca se fartava no jogo interior e também, nas bolinhas de praxe, perfazendo dispensáveis 8/27 contra 9/29 de Bauru, num 17/56 realmente lamentável, ainda mais pela festa desencadeada no âmago da defesa paulista, que se continuada, e de 2 em 2 pontos, liquidaria a fatura sem ter de enfrentar a reação no quarto final liderada pela dupla americana, Larry e Day com seus chutes afiados de três…

Um fato , entretanto, saltou aos olhos nestas duas partidas, a completa ausência de um sistema ofensivo consistente de jogo por parte de Bauru, que parecia estar absolutamente confiante em sua artilharia exterior, que ao ser contestada por todo o tempo, baixou seus índices de acerto a tal insignificância que a levou a uma derrota previsível, como na primeira partida. Some-se a essa evidência uma passividade defensiva lastimável, e teremos o retrato fiel do que apresentou em quadra nas finais de um campeonato nacional, pouco, muito pouco para vencê-lo…

Mas algo ficou bem patente nessa final, a enorme diferença entre dois conceitos, o de equipe, e o de plantel, fator definidor num campeonato onde ambos determinaram os resultados alcançados pelas franquias em confronto, a maioria delas apostando em planteis repletos de “nomes” para cada posição de 1 a 5 dentro do sistema único padronizado e formatado entre nós, e umas poucas investindo no sentido de equipe, harmonizando na medida do possível, habilidades e comportamentos técnico táticos de seus componentes, tornando e orientando-os a um sentido coletivista mais produtivo e vencedor…

A equipe do Flamengo foi uma dessas poucas, premiada, que mesmo após sérias divergências internas de relacionamento, soube amenizá-las a tempo de enfrentar um final de competição bastante exigente e seletivo, culminando com uma vitoria inconteste…

No mais, dois fatores que se apresentam bastante promissores, a definitiva adoção da dupla armação pela maioria das equipes da liga, assim como a cada vez maior utilização de pivôs rápidos e ágeis interagindo no perímetro interno, mesmo dentro do sistema único vigente, mas que aos poucos preconizam uma busca por sistemas mais dinâmicos, ousados e diferenciados, que é o que nos falta para um salto evolutivo de qualidade. Quem sabe na seleção para o Pan, o técnico hermano inicie este novo estágio técnico tático, pois afinal de contas, em sua convocação quatro foram os armadores selecionados, tendo ainda o Benite, um armador natural, ter sido escolhido como ala. Espero que tal evolução seja estabelecida, no que seria algo de extrema importância para o grande jogo tupiniquim. Torço por isso…

Amém.

 Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

FUNGOU, DESARMOU E…VENCEU…

DSCN3571-001DSCN3576-001DSCN3580-001DSCN3581-001DSCN3587-001DSCN3591-001DSCN3600-001DSCN3603-001DSCN3578-001DSCN3583-001DSCN3605-001DSCN3607-001

Bauru produziu 16/38 de dois pontos, 6/23 de três, e 19/26 de lances livres, ou seja, uma equipe que vinha convergindo assíduamente, não conseguiu ultrapassar os 70 pontos, brecada competentemente por uma situação defensiva que, coincidentemente, ou não, propús no último artigo, quando sugeria “fungar no cangote” na armação de ambas, e como a turma rubro negra partiu na frente, tomando a iniciativa de fazê-lo desde o bola ao alto, quebrou a armação paulista, obrigando-a a improvisações e finalizações (Fisher foi o cestinha de sua derrotada equipe…), e não encontrando semelhante resposta da mesma, que demonstrou mais uma vez sua falibilidade defensiva fora do perímetro, onde as armações são concatenadas, além, óbviamente, de ser a plataforma de lançamento dos petardos de três (produziram 9/30 nos três e 27/40 nos dois pontos, e mais 10/11 nos lances livres…)…

Sem uma armação minimamente coordenada, o jogo interno paulista se esfacelou, pois, pressionada energicamente, perdia muitos preciosos segundos para se desvencilhar do nó górdio que asfixiava seu jovem armador, que frente a dobras se perde com frequência nos dribles com trocas (ainda não aprendeu o passo atrás concomitante à troca de mãos, necessário a obtenção do espaço necessário para a ultrapassagem, e por conseguinte, dando as costas para seu marcador, ficando vulnerável às dobras…), se tornando inoperante frente ao jogo coletivo (sempre sozinho sem o apoio constante e próximo de outro armador quando em quadra), partindo para a individualização bloqueada na maioria das vezes pela forte defesa interna carioca, que se viu beneficiada pela constante fuga dos pivôs adversários da zona interior, ao serem marcados por antecipação e força, e pela ausência forçada de passes mais precisos da armação submetida a uma pressão permanente e combativa fora do perímetro…

Some-se a estes fatores, um outro poderoso, a completa ausência de um sistema de jogo alternativo (o ideal seria que apresentasse outro mais eficiente, ousado, autoral, justificando o vasto e qualificado plantel que possui…), pelo menos para se equalizar a tão ajustado oponente, coletiva e emocionalmente falando (que seria mais eficiente se fora do sistema único…), mesmo quando exacerbou nas bolinhas, num 9/30, que se orientada a metade das tentativas falhadas para os dois pontos, venceria com contagem perto dos 40 pontos de diferença, que seria um fator psicológico poderoso para a próxima e decisiva partida em São Paulo…

Bauru peca pela premissa, agora sobejamente contestada, de que poderia conquistar tudo pela força de sua artilharia exterior, mesmo com um jogo interior medíocre e as vezes praticamente inexistente, onde um especialista de três o Robert Day (0/4), se vê pretensamente ofuscado pelo pivosão Hettsheimeir (2/5), em sua obstinada, porém falsa, aventura de fora, aspecto a ser bem pensado pelo técnico hermano da seleção…

Quanto ao Flamengo, se mentiver a fungação dentro e fora do perímetro, e se abster de aventurazinhas midiáticas nas bolinhas, terá todas as condições de resolver a questão já neste segundo jogo, pois tem mais equipe, time, algo que seu adversário não conseguiu conceber apesar de seu mais nutrido plantel…

Pronto, foi o que pude observar e analisar lá de cima na Arena, quando junto ao meu filho, pudemos dar boas risadas com as iniciativas de bemfeitorias técnicas ao nosso combalido basquetebol, através dançarinas (?) e mascotes americanos de qualidade duvidosa, mas com selo de qualidade da parceria NBA/LNB, e ser testemunha da enorme quantidade de jornalistas especializados em basquetebol presentes, deixando no ar uma questão – para quem escrevem e comentam (a meia duzia que o fazem não conta…), no quase deserto editorial que afoga o grande jogo neste imenso e injusto país, me deixando curioso quanto a quantidade dos mesmos em 2016, noves fora os estrangeiros (e a meia duzia que realmente produz…), claro…

Amém.

Fotos – Paulo Murilo. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

 

FUNGANDO NO CANGOTE…

P1110050-001DSC0043-640x427

Paulo, Paulo, as finais começam amanhã na Arena, e o que você tem a dizer, nada, nadinha?…

Ora muito bem, vamos lá, mas sem invencionices e chutações, simplesmente projetando situações possíveis e previstas, afinal o sistema único estará presente em grande estilo, garantindo previsibilidade permanente, apresentando e assinando embaixo a mesmice endêmica de sempre…

Num aspecto do sistema único, as duas equipes terão algo em comum, a extrema importância da armação das manjadas jogadas, validadas na medida da liberdade de ação dos armadores, que é o que quase sempre acontece. Logo, numa óbvia dedução, se bem marcados, pressionados por todo o tempo possível, muito da efetividade do sistema fica comprometida, originando a quebra do mesmo, e abrindo campo para as ações individuais, mais facilmente controladas…

Então minha gente, aquela equipe que fungar no pescoço da armação com mais insistência tenderá a levar grande vantagem, e se na continuidade da pressão ela se voltar para o passe interior (o que quase nunca acontece) para um pivô marcado pela frente, terá de optar pela possibilidade restante, o passe lateral ou retroativo nas alas, que se estiverem sendo marcadas na linha da bola, anulará de vez qualquer possibilidade de jogo coletivo, restando as individualidades e suas consequências…

A questão se torna limite no caso de ambas as equipes agirem da mesma forma, tirando o máximo de segundos dos 24 possíveis a cada investida de ataque, quebrando o sistema, o principio coletivista, obrigando a improvisação, quase nunca bem sucedida pela imprecisão nos fundamentos do jogo…

Restarão então as famigeradas bolinhas, que se efetiva e teimosamente contestadas, levará fatalmente, e por ambas as equipes, ao jogo interior, obtendo considerável vantagem aquela que o fizer através o constante deslocamento transversal dos pivôs ali infiltrados, anulando em alguns momentos, uma marcação frontal (se existente). e reforçando consideravelmente o rebote ofensivo, até mesmo os resultantes daquelas falhadas bolinhas…

Mas se a armação se mantiver pressionada firmemente, como acontecerão os passes precisos interiores, estando, ou não, os pivôs marcados pela frente, como?…Talvez a saída dos mesmos para o perímetro externo se apresente como uma possibilidade, aliás bem conhecida pelos “pivôs de três”…

Como resultante dessas possibilidades, teremos uma fratura no sistema comum às duas equipes, originando daí um tipo de jogo bem conhecido, o rachão desenfreado que culmina no aventureiro “chega e chuta” ,vencendo o jogo quem acertar a última bola, depois das muitas e muitas lançadas…

Bem, este é o retrato, um tanto fiel, do que temos assistido neste NBB, e no caso dessas finais, o aperto constante e enérgico dos armadores se apresenta como a fórmula ideal para um razoável possível sucesso. Agora, com uma dupla armação de qualidade, como seria?…

Neste caso, minha gente, a fungação teria de ser dobrada, para ai sim, termos a oportunidade de assistir um jogo diferenciado, onde dois armadores ao evoluírem em constante ligação, alimentando pivôs sempre em movimento, superariam as pressões defensivas, mas o detalhamento dessas novas situações deixo à analise dos estrategistas envolvidos, infelizmente agregados a pranchetas midiáticas e constrangedoramente inúteis, além, é claro, pela reza forte ao lado da quadra… pelas bolinhas…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las.