DUAS HISTÓRIAS DO VELHO TOGO

08012012191Vindo do bairro da Sulacap em direção de Jacarepaguá passo por um pequeno conjunto de bem cuidados apartamentos e o que leio na parede ao lado da portaria de entrada me fez voltar no tempo. Lá estava em letras majestosas-Condomínio Togo Renan Soares- o velho e inesquecível Kanela.De imediato me veio a lembrança de que no pequeno auditório da CBB foi entronizado o nome de James Naismith e não o do bicampeão mundial Kanela.Para nós brasileiros homenagear um estrangeiro,mesmo da importância do inventor do basquetebol,se sobrepõe ao mais laureado de nossos técnicos, numa imperdoável injustiça. Mais adiante no trajeto para casa lembrei-me de
duas pequenas, porém elucidativas histórias sobre a polêmica personalidade daquele técnico genial.A primeira vez que ví o Kanela foi numa decisão do campeonato de aspirantes entre o Flamengo e o Grajaú TC no ginásio do Tijuca em 1958. Jogo duríssimo,ginásio lotado e uma tensão elevada,não só pelo calor reinante, como pela atuação intimidadora sobre a arbitragem por parte do Kanela.Na metade do 2°tempo, com
o jogo empatado observo uma figura que sorrateiramente se aproxima por trás do banco de reservas do Flamengo empunhando um imenso megafone azul.Trememos na base ao reconhecermos na figura que se aproximava do banco o Sergio Maluco,o auto elegido chefe de torcida do Grajaú.Por trás do Kanela,num movimento rápido,retira de dentro do megafone um porrete e desfere certeiro golpe na cabeça do desditoso,mas agitado e vociferante Kanela.Foi um momento de estupefação em todo o ginásio,com o Kanela caído e sangrando e o Sergio Maluco engolfado pela torcida do Flamengo ali presente.A confusão se estabeleceu e o jogo foi interrompido.Para satisfação geral o golpe não causou maiores estragos,a não ser uns poucos pontos aplicados na enfermaria do Tijuca.Quanto ao Sergio,um pouco machucado foi salvo da furia flamenguista pelos policiais presentes ao jogo.Dias depois, com os portôes fechados ao público o Grajaú sagrou-se tri-campeão da categoria. Ao conhecê-lo naquelas circunstâncias não pude deixar de admirar um técnico que suscitava tantas e díspares opiniões, tantos sentimentos opostos e conflitantes.Cinco anos mais tarde,no Campeonato Mundial realizado no Maracãnanzinho, assistí o reverso do jogo do Tijuca,
no intervalo da partida entre o Brasil e a União Soviética, também um jogo duríssimo e indefinido até aquele momento.O arbitro uruguaio,que vinha se destacando no mundial
e que dirigia o jogo,se retirava para o vestiario quando o Kanela dele se aproximou e sem maiores explicações desferiu uma bofetada que foi ouvida até por quem estava sentado no último degrau da arquibancada. Correu um frisson no estádio, ninguem poderia entender aquela atitude, naquele momento de intervalo de um jogo bem disputado por todos.Kanela foi expulso e o Brasil venceu a partida.Dois anos mais tarde fui convidado por ele para ser técnico das equipes infanto e de juvenís do Flamengo, onde iniciei uma relação respeitosa mas não ausente de boas e até duras discussões, não só técnicas, como administrativas.Num belo dia,sentados no restaurante da Gávea perguntei a ele sobre os dois momentos que eu havia testemunhado
anos antes, e ouvi do velho Togo as seguintes respostas: No jogo contra o Grajaú a agressão daquele maluco evitou que eu influisse decisivamente sobre a arbitragem ao tentar lançar a torcida sobre ela. Sem a torcida, já que a conclusão da partida foi com os portões fechados perdemos o jogo e o campeonato. No jogo do Mundial, o fato é que ele estava apitando bem demais, e isso não nos interessava. Ele precisava errar um pouco, de preferência a nosso favor, por isso gerei nele o peso da dúvida de que não era tão bom como imaginava,por isso dei a bofetada.Mas na verdade Paulinho,ele era bom demais.Eu só não queria que ele o fosse naquele jogo,o decisivo.Se alguem me perguntasse se essa era a verdadeira imagem do Kanela eu responderia sem medo de errar que,aquela era uma de suas muitas facetas,que transitavam entre o bem e o mal, mas que em sua totalidade atendiam, em sua especialíssima concepção,aos mais altos interesses de seu querido Flamengo e da Seleção Brasileira.Muitas outras passagens testemunhei e de alguma forma participei,e quem sabe um dia escreverei a respeito e com respeito.Mas uma me vem a cabeça,e que gostaria de repartir com o leitor.Era o último jogo do campeonato juvenil daquele ano,1965,com o Botafogo já campeâo e o Flamengo vice-campeão.Mas o Botafogo estava invicto e era o ano do quarto centenário do Rio de Janeiro.O jogo, na Gávea, se anunciava espetacular
e havia rumores de que a feroz torcida do Botafogo ensaiava uma possivel confusão se perdesse a invencibilidade.Disse ao Kanela que tinha uma idéia para anular uma possivel agressividade botafoguense, que era oferecer ao final do jogo um jantar para os atletas e técnicos no excelente refeitório que atendia todos os atletas na Gávea.O Kanela aprovou e telefonei para o Epaminondas Leal,técnico do Botafogo, convidando a equipe para o jantar após o jogo.Foi uma batalha inesquecível e que vencemos com méritos quebrando a invencibilidade do campeão.Veio o jantar e a invasão
de muitos torcedores do Botafogo e pais de atletas. Mas na maior paz possível aconteceu a confraternização com discursos e troca de flâmulas.No dia seguinte fui chamado pelo presidente Fadel Fadel que me apresentou uma conta dos mais de 70 jantares extras que haviam superado a cota autorizada de 30 jantares.Já começava a calcular o rombo em meu salário do mês quando o velho Togo intercedeu a meu favor junto ao presidente, e a dívida foi perdoada com a argumentação de que se tivesse havido confusão, muitos prejuízos físicos e materiais superariam o valor das refeições.Como bom comerciante libanês o presidente aceitou as explicações. Ambos,Flamengo e Botafogo eram os clubes da vida do Kanela, e ele não esqueceu disso ao presenciar dois ferrenhos inimigos juntos em um jantar de encerramento de um brilhante campeonato juvenil.Assim era o inesquecível Togo Renan Soares.Em tempo,no ano seguinte,com a situação invertida no ginásio do Mourisco o jogo terminou antes do final por causa de uma briga colossal.Nesse dia não fez fumaça na cozinha do Botafogo.Coisas do esporte.

Amém.



5 comentários

  1. demetrio vecchioli 27.07.2007

    Caro Paulo Murilo,

    Sou estudante de jornalismo da Faculdade Cásper Libero de São Paulo e estou escrevendo meu TCC, que é a história do basquete brasileiro, focando na época gloriosa de Wlamir, Amaury e Kanela.

    Encontrei no seu blog algumas coisas sobre aquela época e uma me chamou a atenção: um papo que você teve com o Kanela e ele explicou o “Tapa Cívico” contra o juiz Uruguaio.

    Eu gostaria de saber se voce confirma essa história, me permite colocar aspas suas no livro contando ela e se tem algumas outras estórias interessantes para contar.

    Abraço

    Demétrio Vecchioli

    meu mail é demetrioprado@yahoo.com.br

  2. Basquete Brasil 27.07.2007

    Prezado Demétrio,respondi hoje via email ao seu pedido.Um abraço,
    Paulo Murilo.

  3. Anonymous 14.09.2007

    Digam ao professor que o verbo é entronizar e não intronizer como ele escreveu.

  4. Basquete Brasil 14.09.2007

    Atento anônimo,assim como errei na digitação grafando intronizar em vez de entronizar,sua correção apontou intronizer em vez de intronizar.Como vê ambos erramos.Acontece com qualquer um,inclusive você.
    Paulo Murilo.

  5. fernando 02.06.2010

    mucho bueno

Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8