PARA AQUELES QUE QUEREM MUDAR.

Com o término do campeonato paulista,que para muitos espelha o que existe de melhor em nosso país,podemos tirar algumas conclusões, que ao contrário do que poderiamos imaginar,somente aumentam nossa preocupação com o futuro do basquetebol.
Para começar, nunca o estrelismo atingiu a classe dos técnicos como na atualidade,
onde até microfones sem fio foram instalados em seus corpos para que todo o país pudesse acompanhar, não só a côres e ao vivo,como também com vozes, soluços e esgáres suas performances estelares,centristas e profundamente autoritárias.Ficou faltando(pecado capital…)as legendas que elucidariam os intrincados hieróglifos rabiscados em suas pranchetas e um microfone em cada jogador participante, para ai sim, termos uma mais autêntica participação no jogo.Um absurdo que técnicos,pela mais pura vaidade,se permitam expor ao ridículo de serem monitorados em seu mistér,em suas ações,em seu mais sagrado direito,a privacidade no colóquio olho no olho com seus atletas,fonte de inspiração e confiança.Eles não têm o direito de nos impôr tal comportamento,gerando o mais profundo constrangimento.Lamentável!Na concepção técnica e tática o que vimos? Jogadas polegar,punho,coc isso, coc aquilo,executadas por ambas as equipes,idênticamente, e é claro que aquela que antecipasse a defêsa e tivesse mais calma venceria as partidas.Diferenças de 10,15 e até 20 pontos eram tiradas com facilidade,isso porque quando duas equipes jogam em esquemas idênticos(o famigerado”basquete internacional”,ou passing game)basta um ajuste defensivo,com antecipações nos mais do que previsiveis passes,para que em três ou quatro retomadas de bola o equilíbrio fosse restabelecido,sem contar com a limitadíssima técnica na condução e proteção de bola de nossos armadores-cestinhas.
A total ausência de marcação frontal ao pivô,não por alguns instantes,mas permanentemente,com a consequente diminuição de espaços sobre o jogador de posse da bola, inviabilizando os passes perpendiculares à cesta, obrigando aos passes laterais
e de recuo são lugar comum em nossas melhores equipes,e que é exatamente o que as equipes estrangeiras que atuam contra nós empregam,sabedoras de nossas já cansativas deficiências.Mas para o consumo interno é o suficiente, numa demonstração de pobreza cultural e técnica.A alguns anos atrás um menino muito alto surgiu no Fluminense, e que pelas suas qualidades atléticas se anunciava como real esperança para o basquetebol.Nos anos subsequentes seu comportamento técnico se situou em uma penosa
indecisão,ser um pivô ou um ala.Com sua altura(2,11m)e boa mobilidade deveria ter sido orientado a jogar o mais próximo da cesta possível, no entanto o mantiveram na mais total indecisão.Hoje seu ponto razoàvelmente positivo é o arremêsso de três pontos, em uma zona em que suas habilidades de drible deixam muito a desejar.Mas como na movimentação inicial do passing game os pivõs saem do garrafão para se situarem na zona dos três pontos,como arrietes para passes laterais, aos poucos foram
tomando consciência de que poderiam arremessar daquela posição,já que dificilmente era acompanhado por seus marcadores.E deu no que deu,se tornaram”especialistas” nos três pontos,quando acertam,e ausentes dos rebotes,quando erram.Nosso menino do Fluminense foi a primeira vítima desse perverso sistema de jogo, amado e endeusado pela maioria dos técnicos,cégos pela plasticidade dos movimentos,que quanto mais previsíveis,mais os deixam extasiados,numa coreografia dirigida e centrada por seus egos diretivos e impositivos.Sistemas que privilegiam o improviso,por Deus,nem pensar
pois como se justificariam através suas indecifráveis pranchetas e pelos agora introduzidos gadgets eletrônicos,os microfones pessoais.O basquetebol não merece,juro que não.E como não resta muita coisa a comentar, aquele simpático comentarista passa toda a transmissão a mandar abraços e beijos a seus fãns, até que os técnicos passem a transmitir também as instruções dadas ao intervalo,DIRETO do vestiário.A antítese de tudo isto é o que todo técnico deve praticar se quisermos realmente mudar o destino de nosso basquetebol, e enquanto isto não se torna realidade lastimo profundamente pelo futuro de alguns excelentes jogadores,obrigados a jogarem como se pertencessem a uma equipe de ginástica rítmica,prêsos a coreografias cada vez mais rígidas, em detrimento de um basquetebol criativo e magistralmente improvisador que é a nossa vocação, liderados por mestres técnica,cultural e sociológicamente preparados, como muitos que nos fizeram respeitados no mundo inteiro.O que vemos hoje em dia, sem dúvida nenhuma, nos levará mais para o fundo do poço em que nos encontramos a 20 anos.Lamentável!



Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8