DE CIMA PARA BAIXO.

Em nosso país,onde inexiste a massificação esportiva,todo e qualquer sistema de jogo sempre emanará das seleções nacionais representativas de cada modalidade.No caso do basquetebol,que a cada ano vê cair o número de praticantes,essa imposição tática de cima para baixo vem se tornando asfixiante,pois desde as catagorias básicas o sistema do Passing Game é unanimemente adotado por todos os técnicos e professores,como uma crença monoteística a ser seguida e adotada sem discussão.Por causa dessa imposição auto-consentida pela maioria dos que ensinam o jogo,é que vimos e agora constatamos a
decadência técnica de nossos jogadores em alguns dos mais elementares e importantes
fundamentos do jogo,basicamente o drible,as fintas,e a ação conjunta das equipes.Já se torna comum assistirmos ataques em que após a troca de passes um,e às vezes dois jogadores agem enquanto os demais observam quase imóveis o desenrolar da ação,como compartimentos estanques e não vasos comunicantes,como deveria ser.Ações em que os atletas envolvidos correm de um lado a outro da quadra ofensiva em trocas de cinco até oito passes,geralmente para trás ou paralelos à linha final,que é um dos erros mais crassos em qualquer tipo de ofensiva, contra qualquer tipo de defesa.E ao final da correria tentam arremessos de três pontos executados muitas vezes pelo pivô da equipe!E tudo isso dentro dos 24 segundos permitidos de posse de bola,que é claro,se torna insuficiente para tanta ação inconsequente e pouco inteligente,pois substitui a menor distância entre dois pontos por curvas, elipses e circulos executadas por exauridos atletas de meio-fundo e não jogadores de basquetebol. Vemos corta-luzes serem permanentemente confundidos com simples cruzamentos, na maioria das vezes faltosos,pelo mais obscuro desconhecimento do que venha ser um corta-luz,que é uma ação lenta na armação e rápida na conclusão,detalhes rítmicos que visam confundir os defensores,e que visa primordialmente estabelecer uma superioridade númerica naquele setor onde ele está sendo executado.E se o mesmo pode ser realizado por dentro ou por fora da defesa nem ousem perguntar a qualquer jogador o que significa,pois ficarão mudos,assim como muitos de seus técnicos.O PG simplificou e empobreceu o jogo,já que defenestra alguns dos movimentos fundamentais da técnica individual e coletiva.Tornou-se importante a frenética troca de passes,a correria e a conclusão em arremesso longo onde todos brecam seus caminhos e assistem a audição de um deles. O problema se torna incontornável quando uma das equipes,num rasgo de inteligência se posta nas mais do que previsiveis linhas de passes e rompem com a esfuziante coreografia ensaiada em”punhos”,”chifres”,”postes altos e baixos”,etc,etc…obrigando os atacantes a tomarem atitudes não ensaiadas e não treinadas, desencadeando um festival de andadas, conduções faltosas de bola, dois dribles, sem contar quando tropeçam na bola ou a perdem por não saberem controlá-la. São nesses momentos próximos dos 24 segundos que ocorrem os mais estapafurdios e desequilibrados arremêssos, quando muitas vezes sequer têm tempo de concretizá-los.Todo esse processo vem sendo perpetuado pelo exemplo dado pelas seleções nacionais, tanto as principais,como as de base,repito, como crença monoteista que deve ser cegamente seguida.Cursos que são dados pelo país sedimentam a crença, tornando-a uma verdade
inquestionável. “O basquete internacional” como é definido esse sistema, e que deveria,para ser honesto ser chamado de “Sistema NBA”,que é fartamente patrocinado pela mídia, gerando muito dinheiro para a turma da 5ªAvenida,e para seus pressupostos
tupiniquins,fará qualquer coisa para manter o status quo tão arduamente conquistado,
incluindo no processo seu poder econômico na mídia,sites,revistas,televisões e bem
possivelmente na politica desportiva do país. Se a Microsoft se mete,por que não a
NBA? Se não rompermos essa influência tão cedo retomaremos nosso lugar no cenário
internacional,pois eles não precisam de adversários,e sim de consumidores. Temos de
tomar vergonha na cara e volver à luta que abandonamos 20 anos atrás. Temos que voltar a ver nossas seleções representarem o melhor do trabalho feito na base,e não
serem as repetidoras de um sistema que nada tem a ver conosco, e que impõem de cima
para baixo,na mente e nos corações de nossos jóvens.



Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8