TWO GUARDS,TWO FOWARDS,ONE CENTER…

Foi preciso um técnico universitário de prestígio assumir a seleção americana, para desmistificar o endeusado sistema NBA de jogo, aquele que rotula jogadores em 1, 2, 3, 4 e 5, com suas posições estabelecidas sob rígidos padrões técnicos, comportamentais e ética específica.

O coach K, retornou solenemente ao principio histórico de seu basquetebol, inicialmente com a escalaçõa clássica de two guards, two fowards, one center, a saber, Jason Kidd, Kobe Bryant, LeBron James, Carmelo Anthony e Dwight Howard, para o jogo com a Turquia. E foi mais longe, evoluindo para um jogo com três armadores, e finalizando com uma armação onde sequer um pivô estava em quadra. Em pinceladas bem reais, optou o coach K em jogar com dois armadores e três alas-pivôs ( o que chamo de pivôs móveis), ágeis, atléticos, pontuadores, reboteiros, e principalmente, extremamente rápidos na defesa, ponto fulcral para a tentativa de anulação dos arremessos de três pontos, arma letal de todas as equipes européias mais a grande equipe argentina.

“Se você olhar os outros elencos, os times não tem tantos jogadores grandes. São mais alas do que pivôs, exatamente como nós. Nas Olimpíadas, o que importa é como você joga. Não estamos preocupados com altura”, disse Dwight Howard, que será o pivô titular norte-americano.( Reportagem de Bruno Doro, publicada no UOL-Basquete de 31/07/2008).

“Não muda muito o papel. Jogando como 3 (ala) ou 4 (ala-pivô) acaba dando na mesma. O que importa é executar os esquemas de jogo e estar livre para pontuar”, afirma Carmelo Anthony.

“Nós perdemos antes porque os rivais estavam bem da linha dos três pontos. Então, estamos nos focando nesse ano justamente na defesa do perímetro”, explica Howard. Nesse aspecto, Kobe Bryant será fundamental. Cestinha dos Lakers e atual MVP da NBA, ele deve abdicar de algumas funções ofensivas para ser o especialista em defesa do time, conclui o repórter.

Logo após o Mundial, onde os americanos fracassaram seriamente, o coach K afirmou que eles tinham de aprender a jogar com o resto do mundo, com suas regras, e não se encastelarem em uma redoma, como se fossem absolutos no jogo. E nesta seleção, o competente técnico de Duke, muda todo um conceito pétreo de jogo, voltando às raízes que os tornaram respeitados e imbatíveis antes da era NBA, com seus princípios monopolizadores, voltados ao marketing e aos lucros estratosféricos.

Veremos uma seleção americana, composta de jogadores da mais alta técnica no domínio dos fundamentos, atuando o mais próximo possível dos sistemas europeus e argentino, com seus dois armadores e alas de técnica similares, e pivôs com performance mais próxima de um ala, num embate em que, ao abrirem mão do sistema NBA, em função de um outro que ressalta o mais absoluto coletivismo, como numa transfiguração imposta pela realidade de fatos incontestáveis, nos farão testemunhas de sua capacidade adaptativa, somente possível por força de uma qualidade técnica insuperável, base de toda a tradição de seu basquetebol.

Vencendo ou não a Olimpíada, já nos legaram uma verdade negada pela maioria de nossos engessados técnicos, aquela verdade de que sempre existirão maneiras díspares de se jogar o grande jogo, bastando para tal, muito estudo, pesquisa e coragem em inovar, que é a característica marcante das grandes equipes e dos grandes técnicos.

E pensar que sempre treinei e preparei minhas equipes utilizando dois armadores e três pivôs móveis, remando solitário pela contra-mão de uma realidade estratificada e aceita passivamente, rotulado de sonhador e utópico, mas fiel ao principio de sempre incutir nos jogadores a importância do ato criativo, do improviso responsável, já que lastreado na técnica e domínio dos fundamentos, pela busca incessante do inalcançável limite, que mesmo o sendo, tem de ser tentado sempre, pois desta tentativa advirá a excelência de seus atos e de seus comportamentos, tanto no plano individual, como no coletivo.

Coach K enfrenta toda uma concepção de jogo, que de tão poderosa se tornou um mito. E para desmistificá-lo aposta todas as suas fichas num principio básico de sobrevivência – Se o inimigo é muito forte, alie-se ao seu modo de agir e jogar, e lá estando explore suas bem camufladas fraquezas, que podem ser mínimas, mas que existem, e lá estão para serem convenientemente exploradas, e vencidas. Se conseguirá, logo veremos. Mas desde já nos preparemos para testemunhar o quanto de transmutação serão capazes de realizar em tão curto espaço de tempo, numa experiência única e absolutamente imperdível.

Quem viver verá.

Amém.



4 comentários

  1. Fábio Guedes 01.08.2008

    Oi Paulo,

    ‘Cadeiras em quadra, fintas, giros, transições rápidas entre pivô e alas e dois armadores agéis e rápidos…’
    Que saudade desses treinos, mas é com grande prazer que vejo esse sistema ao qual tive grande prazer de participar com o Senhor, ser empregado nos astros da NBA. Que nos concedam ótimos espetáculos em Pequim.

    Abraços

  2. Basquete Brasil 02.08.2008

    Prezado Fabio,assim como você saudades também tenho daquelas duas equipes talentosas que tinhamos no Barra de Tijuca,treinando numa quadra de cimento com as medidads minimas de 24x13m, ou num ginásio com somente 90 minutos de tempo para treinar.Mas contando com a boa vontade de todos, e grandes doses de criatividade e coragem na tentativa de irmos o mais longe que fosse possivel.Infelizmente foi um sonho abortado, dos muitos que o são nesse país injusto e desigual.E hoje só restam as saudades, o que já é alguma coisa.Um abraço, Paulo Murilo

  3. Gil Guadron 04.08.2008

    PARA ENTRENADORES DE EQUIPOS DE FORMACION.

    — Ideas sobre defensa individual en 1/4 de la cancha —

    “JAMAS LE TEMA A COMETER UN ERROR YA MENTAL O FISICO EN LA DEFENSA. PUES EL UNICO ERROR QUE USTED PUEDE COMETER ES EL NO PONER O DAR TODO SU ESFUERZO”.
    Mike Krzyzewski.

    1- Siempre este en la posicion defensiva ( rodillas flexionadas, pies separados etc. ).
    2- Deben tener siempre bajo su campo visual la pelota.
    3- Hable , Hable siempre en la defensa, con eso usted avisa a sus compañeros, de las acciones ofensivas.
    4- Defensivamente reajuste su posicion constantemente.
    5- Jamas disminuya la intensidad defensiva.
    6- Insista en la importancia de ganar el “rebote defensivo”.
    7- Cuando esta marcando al jugador Poste y esta siendo derrotado, obligelo a que tire de “jump shoot”. No dunk o lay-up o bandeja.
    8- Siempre insista en que sus jugadores conozcan la “linea imaginaria” que va desde un aro al otro, y cuya funcion principal es guiar a los jugadores defensivos para posicionarse adecuadamente ya en el Lado de la Pelota o mpor el contario en el Lado de ayuda. En el ejm. que describo mas adelante encontraran que nuestros defensas #1, # 3 y #5 estan en el ” lado de la pelota “. Nuestro defensores #2 y #4 estan en el ” Lado de Ayuda “.
    9- El estar en la posicion adecuada lo hara un jugador mucho mas rapido de lo que realmente es.
    10- Jamas se descansa cuando se esta jugando defensa.

    Una posible situacion.

    El ataque sale con una formacion de dos Guards #1 y # 2,( el cargado hacia la izquierda tiene la pelota # 1) sobre el lado izquierdo tienen a :un ala #3 ,y un Poste medio #5. Sobre el lado derecho tienen a un ala # 4 un tanto cercano a la linea base o final.

    El defensor sobre el “Guard” #1 que tiene la pelota, lo marcara obligandolo a ir hacia el lado izquierdo ( recuerde, debemos –sacar — la pelota del medio ).

    Tan pronto el Guard # 1 pasa la pelota y esta sale de sus manos el defensor sobre este “salta” en direccion al pase ejecutado, obligando al Guard # 1 a –cortar– a la espalda del defensor ( evita la concrecion de la maniobra ofensiva llamada : el pasar y cortar ).

    El Guard del lado derecho # 2, se desplaza en diagonal hacia la posicion del ” triangulo plano ” ( ya discutido previamente ), para estar en condiciones de o dar ayuda a #3 en caso de ser derrotado ,y para marcar la linea de pase del ala hacia el Guard al que marca.

    El defensor sobre el Ala #3 tan pronto el Ala atacante recibe la pelota, pasa de la posicion de “marcar la linea de pase ” a marcarlo para no permitirle el drible ni el pase hacia el medio. Obligarlo a que vaya driblando hacia la linea final, o un pase al “cabezal del area pintada” pero dos o tres metros arriba de esa posicion. Es decir alejado de la posicion que permita el — normal flujo del ataque–.

    Con la pelota en el Ala #3,el defensor sobre el Poste#5 marcara la –linea de pase –, es decir entre la pelota y su jugador.

    Nuestro otro Ala #4 estara en el medio de nuestra area pintada, tambien en posicion de “angulo plano” ya para dar ayuda sobre un pase globeado del Ala #3 atacante al Poste #5, para marcar la linea de pase del Ala #3 en en lado izquierdo hacia el ala asignado a el #4. Ademas para evitar el posible “corte cruzando nuestra area pintada del #4” para recibir un potencial pase del #3.

    Atentamente.

    Gil Ovidio Guadron Herrera

  4. Basquete Brasil 04.01.2010

    Oi Gil, dando uma revisada de inicio de ano me deparo com este seu comentário sem resposta minha, desculpe. Sua exposição define com precisão o fato de podermos treinar defesas e ataques em 1/4 de quadra, na contra mão da maioria de nossos técnicos, para os quais treino sem coletivo quadra inteira são fundamentais. A realidade pode ser diferente, sempre assim considerei. Um abraço e mais uma vez desculpe a demora.( Em 04/01/2010). Paulo.

Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8