OBVIEDADES…

Vai prosseguindo o NBB4 e seus playoffs, onde pudemos ver pela TV três jogos, dois do Flamengo com São José, e um do Pinheiros com Brasília, e pela primeira vez aqui no blog me recuso a comentá-los como sempre fiz, pois o que testemunhamos não merece maiores análises técnico táticas, e muito menos estatísticas.

Mas Paulo, pelo menos o segundo jogo do Flamengo foi empolgante, com um São José arrancando uma vitória na prorrogação, e isso não conta? Claro que conta, e o efeito de tal vitória se estendeu ao terceiro jogo de forma contundente.

Então o que faltou acontecer para que um comentário mais abrangente pudesse ser feito? Vejamos:

– No segundo jogo da serie, o Flamengo que iniciou com uma excelente opção de jogo interior, comandou a partida, que teria tudo para ser facilitada, dada a inconsistência defensiva do Pinheiros ante um jogo próximo à sua cesta eficiente e objetivo, além de se defrontar com uma defesa disposta às contestações fora do perímetro, ponto fortíssimo dos paulistas. De repente, numa prevista recaída a partir do terceiro quarto, os cariocas voltaram ao seu jogo tradicional, e deu no que deu.

– No terceiro jogo, inicio carioca com o jogo interior, mas com um Caio visivelmente lesionado, sendo repetidamente substituído por um oscilante Vagner, e tendo um Kammerichs se desgastando progressivamente, sem que os outros dois bons pivôs da equipe, o Teichmann e o Átila fossem acionados na rotação. Resultado? Voltaram ao jogo tradicional centrado no Marcelo, dando a grande brecha por onde os paulistas penetraram com competência, virando a série em 2 x 1. Até agora não consegui entender o não acionamento de todos os pivôs da equipe carioca, ainda mais num momento decisivo do campeonato, assim como a quebra de um sistema que provava ser  eficiente, pela teimosia de alguns jogadores voltados às suas performances, e não as da equipe  num todo. Os resultados ai estão.

– No segundo jogo entre Pinheiros e Brasília, a equipe candanga, por ter perdido o vôo, não apareceu para jogar. Espero que no terceiro apareça, afinal, trata-se de um playoff, e a mesma tem um título a defender.

Espero poder contar um pouco mais na próxima rodada, por que estas duas somente refletiram a mesmice endêmica que teimosa e persistentemente nos assola desde sempre. Fortes emoções, prorrogações, ginásios transbordantes, velam sutilmente a dura verdade do nosso momento técnico tático, no umbral de uma decisiva competição olímpica. Temos de evoluir.

Amém.

Foto – Divulgação GloboEsporte



5 comentários

  1. Rodolpho 21.05.2012

    Hélio – 11/30 (36%)
    Jackson – 11/26 (42%)
    Duda – 5/21 (24%)
    Marcelinho – 17/64 (27%)

    Helio + Jackson – 22/56 (39%)
    Família Machado – 22/85 (26%)
    Total – 44/141 (31%)

    Os números acima poderia ser parte de um filme de terror, mas são os reais números com relação as bolas de 3 pontos do Flamengo nas finais do NBB4.

    Impressiona (sic) o fato de Duda chutar quase o mesmo número de bolas de 3 pontos que Jackson e Helio, mesmo jogando muito menos do que um terço de tempo dos titulares. Duda, ao lado de Bruno Mortari, é o jogador mais convergente do NBB.

    Os irmãos Machado precisaram de 31 arremessos a mais do que a dupla Helio/Jackson pra converterem o mesmo número de cestas.

    O técnico Gonzalo nada faz para que isso mude.

    E a torcida flamenguista vai sofrendo com um basquetebol que não orgulha o maior clube do país…

  2. Rodolpho 21.05.2012

    Onde lê-se 31, favor considerar 29. O que ainda é mais do que um quarto inteiro de bolas de 3 desperdiçadas.

  3. Basquete Brasil 21.05.2012

    Pronto Rodolpho, agora o artigo está completo, explicitado, escarafunchado, mostrando a realidade que, por mais uma vez, me neguei a mostrar, daí o título do mesmo,Obviedades…
    Esse é o grande problema do Flamengo, e por que não, do basquete tupiniquin. Fazer o que depois do que passamos agora mesmo no sulamericano sub 15, imitação canhestra do que ocorre, e você bem demonstrou e enumerou, na divisão de elite? Fazer o que, meus deuses? Essa dura e cruel realidade tem de ser revertida, e bem que tentei no NBB2, mas o corporativismo foi, e continua, poderoso demais. E querem que o Magnano o faça? Vai ser dificil, muito dificil.
    Um abraço, Paulo Murilo.

  4. Rodolpho 22.05.2012

    Professor, torço pra ver, ao mesmo tempo, Nenê, Anderson e Tiago em quadra ao mesmo tempo, em Londres.

    Apesar de ser um admirador do jogo mais ágil, com alas jogando no pivô e não pivôs nas alas, não há como negar que o talento e força física dos 3 acima citados é a melhor coisa que temos a mostrar.

    E ainda sonho com a abolição da linha dos 3, não pela regra, e sim por imposição dos técnicos das categorias de base do nosso país. E que a matemática básica seja ensinada antes do arremesso de longa distância.

    No mais, não perca a esperança. Seu trabalho é muito bem reconhecido e admirado. Se não pelo NBB, por muitos educadores, atletas e admiradores do grande jogo, do basquete bem jogado.

  5. Basquete Brasil 22.05.2012

    Some-se a estes três o Murilo, o Guilherme e o Cipolini, e teriamos a possibilidade de numa condição de n fatores entre eles, termos uma táboa permanentemente fornida e de boa qualidade, além, claro, de tê-los proximos à cesta para de 2 em 2 enfrentarmos qualquer um. Com uma armação dupla competente, e por que não, complementarmente pontuadora, mais concistência alcançariamos, sem falar numa forte e equilibrada defesa. Se nos atermos ao fato de que a maioria dos armadores e alas europeusa e americanos se equivalerem na estatura, os mismathes da vida estariam equiparados, naquele ponto em que uma equipe dessa formação sofreria algum desgaste frente a jogadores mais baixos e velozes.
    Bem, são projeções que podem parecer utópicas para muitos, mas não o suficiente para serem avaliadas como algo inusitado e corajoso, que são duas condições básicas dos autênticos vencedores. No nosso caso, são utópicas de verdade, pois iremos de sistema único com certeza.
    Um abraço, Paulo Murilo.

Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8