DUPLA O QUE?…

Toca o telefone, e o amigo Pedro do lado de lá da linha me alerta –Paulo, até que estão inovando, pois estão jogando com dois armadores… Pera lá Pedro, substituir um ala por um armador dentro do imutável, rígido, ciclópico sistema único pode ser tudo, menos jogar em dupla armação. E para conseguí-lo, uma mudança estrutural tem de ser desencadeada na forma de se situar e ler o jogo, pois atuar em dupla exige dos armadores um completo domínio das possibilidades oferecidas por um perímetro externo amplo e desafiador, onde a visão periférica se expande no mais amplo sentido criativo, alimentando pluridirecionalmente um perímetro interno sutil, ou escancaradamente habitado por alas pivôs velozes, ágeis e em permanente movimento, ferindo a defesa em seu âmago, e não contornando-a através óbvios e inócuos passes destituídos de objetividade e precisão, culminando em arremessos apressados e desequilibrados.

Mas o pior de tudo é a constatação de que nomes, por si só, não definem uma boa seleção, a começar por uma opção técnico tática compromissada com um sistema de jogo em tudo e por tudo absolutamente equivocado. Sim, tínhamos dois armadores em quadra, um Nezinho dito de ofício, e um Benite gravitando entre equipes na busca incessante e imatura de uma posição permanentemente confrontada com sua tendência anotadora, a mesma de seu companheiro “armador”, que por conta disso desandaram nas bolinhas, no individualismo crônico, negligenciando o jogo com seus pivôs, relegando-os ao notório papel de “apanhador de sobras”.

Bem, isso tudo no plano ofensivo, porque no defensivo meu amigo, algo de muito, muito sério está grassando em nosso basquete, o mais absoluto desprezo pela ação no perímetro externo, por onde os paraguaios (meus deuses, aonde chegamos…) fizeram uma festa do arromba nas bolinhas, jamais contestadas, sequer tentadas através um simples e singelo movimento defensivo, como num trato inter pares, já sedimentado em nosso dia a dia, o de quem acertar a última, ganha.

Pedro, garanto a você, e bem sei que pensa o mesmo, de que temos melhores e mais comprometidos jogadores que lá não estão na maioria das posições, porém, inominados que são, ao gravitarem por equipes menos midiáticas, se perdem no injusto e perverso anonimato de um basquete anacrônico e desleal.

Numa coisa tenha a mais absoluta certeza, não se adquire conhecimento e sabedoria no grande jogo por osmose, como alguns pensam ao gravitarem em torno de um campeão olímpico. Tempo, estudo e experiência ainda ditam as regras do comando, da liderança, da ousadia, do livre pensar, da real e comprovada competência, enfim.

Quem sabe um dia acordaremos para a realidade do grande jogo, um dia…

Amém.

Foto – Divulgação CBB. Clique na mesma para ampliá-la.



29 comentários

  1. Ricardo 19.06.2012

    67×63 contra o Paraguai!!! Não precisa de mais analises…….

    Vão ter que jogar muito mais pra ter alguma chance contra o Uruguai hoje.

  2. Rodolpho 19.06.2012

    Não sou fã do Nezinho. Muito pelo contrário. Mas uma coisa tem que ser dita e, principalmente entendida: a culpa não é dele, e sim de quem o convoca. Até quem conhece quase nada do jogo sabe o que esperar do Nezinho. E é isso que ele sempre apresentou e continuará a apresentar por mais alguns anos. Nunca deu certo pela seleção (e nunca dará certo), mas enquanto o basquete brasileiro tiver a mentalidade atual, Nezinho sempre colecionará títulos, pois é um ótimo peladeiro.

    Benite é um armador pontuador. Nada de errado nisso. Numa seleção em que os pivôs são fraquíssimos e pouco acionados, Benite atenua nosso vergonhoso desempenho contra seleções medíocres. Ou alguém acha que algum dos pivôs dessa seleção tem capacidade técnica de pontuar 21 pontos contra o Paraguai? Talvez nem contra a Bolívia.

    Se os pivôs são fracos e se contentam com sobras é porque não só foram programados a isso como se conformaram com tal função. É dever do atleta, mesmo quando não é acionado, ter o domínio dos fundamentos básicos do jogo, ou ao menos da posição em que atua. E esse não é o caso dos nossos pivôs. Duvido muito que ao menos um deles consiga acertar 5 ganchos seguidos num exercício básico, sem marcação.

    Portanto, meus caros, creio que o problema não é a forma como jogam que é o foco do problema e sim o que os levaram a jogar assim. A caminhada é muito mais importante (e recompensadora) do que a chegada. E nossa caminhada (a formação dos jogadores, em todos os sentidos) é manca e cega.

    E levar menos de 20 pontos do Uruguai hoje tá de bom tamanho.

  3. Basquete Brasil 19.06.2012

    Não só jogar muito, mas inovar com pleno conhecimento de causa, e não adaptações desprovidas de conteúdo e conhecimento.
    Um abraço prezado Ricardo. Paulo Murilo.

  4. Basquete Brasil 19.06.2012

    Na mosca prezado Rodolpho, principalmente em seu último parágrafo, quanto a formação de base. Esse é o real e verdadeiro caminho, mas…cadê a competência?
    Um abraço, Paulo Murilo.

  5. João Caetano Camargo 20.06.2012

    Boa tarde Professor.

    Realmente os seus textos são muito bem elaborados, as ideias têm coerência, parabéns pelos textos bem aprofundados sobre o basquete.
    Porém, o Sr. não acha que poderia passar esse conhecimento amplo para alguma equipe?
    Do jeito que o Sr. fala, que praticamente está tudo errado no basquete brasileiro, eu penso que seria “barbada” a obtenção de títulos e mais títulos no seu currículo, já muito bem anotado, academicamente falando.
    O Sr. não teme que suas ideias nunca se realizem, e nunca provem que realmente são boas ideias, além da teoria?

  6. Basquete Brasil 20.06.2012

    Primeiramente, obrigado por sua audiência, prezado João. Concordo plenamente com seu questionamento, e para esclarecê-lo, sugiro que no espaço “Buscar Conteúdo”, acima e a direita do blog, digite “Vamo Lá”, um dos artigos aqui publicados, onde veiculei três jogos do Saldanha da Gama no NBB2, equipe por mim dirigida naquela ocasião. Neles estão contidos todos os conceitos técnico táticos que defendo desde sempre. Também, acesse o item “Sobre” na estrada do blog, onde um curriculo limitado expõe, não só minha vida acadêmica, como um pouco da minha experiência desportiva.
    Pronto, estando devidamente apresentado a você, espero que ter respondido ao seu educado questionamento, acreditando que possa aceitar a evidência de que pude até hoje (e lá se vão mais de 50 anos de trabalho)conciliar teoria e pratica no grande jogo.Somente sinto que o mesmo não tenha tido a continuidade desejada, por motivos que independem da minha vontade, já que coibido por aqueles que comandam o desporto nacional. O porque? Navegue pelo blog e descubrirá.
    Paulo Murilo.

  7. Douglas Gaiga 21.06.2012

    Olá, professor.

    Realmente, para se fazer inimigos, basta expor nossos pensamentos.

    Abraços.

  8. Basquete Brasil 21.06.2012

    Que continuarão a ser aqui expostos e discutidos de forma democratica, responsavel e devidamente assinados, nesta trincheira onde não conseguirão jamais nos fazer calar e impedir que nos indignemos.
    Prezado Douglas, podem até tentar enterrar a verdade, matá-la, nunca.
    Um abraço, Paulo Murilo.

  9. João Caetano Camargo 21.06.2012

    Bom dia professor Paulo,
    obrigado por sua resposta.
    Sempre acompanho o basquete e havia acompanhado, mesmo que de longe, a sua passagem pelo Saldanha.
    Já havia visto jogos de seu time.
    Porém eu vim aqui questioná-lo sobre fazer mais.
    Afinal, foram apenas 60 dias.
    60 dias em uma vida toda dedicada ao jogo é muito pouco, não concorda?
    Vi que o senhor tem passagens por diversos clubes cariocas em categorias de base, não falo disso.
    Falo do basquete de alto rendimento, jogo este que é televisionado e está disponível para um número infinitamente maior de pessoas.
    Foi neste ponto que eu quis chegar ao lhe questionar no comentário anterior sobre realizar um trabalho ao invés de apenas escrever.
    Sinceramente, acho pouco. Assim como o Sr. acha pouco vários trabalhos feitos por aí em alto nível.
    Não é por isso que eu não possa ler o seu blog.
    Também não é por isso que sou seu inimigo, tal qual o fulano Douglas Gaiga mencionou acima.
    O que esse sujeito precisa entender é que não há problemas em questionar sobre algum assunto.
    Não é por isso que eu sou seu inimigo.
    Afinal, o senhor também utiliza o blog para “detonar” tudo o que não concorda.
    Penso que também tenho o direito de discordar e questioná-lo.
    Ao Douglas Gaiga: seu pensamento é pequeno. Qual o problema de eu expor minha opinião? É um absurdo o que você disse no seu comentário, dando a entender que não tenho o direito de discordar do que você pensa, que sou inimigo. É nazista? rs.

  10. Rodolpho 21.06.2012

    Categoria de base agora é menos importante do que a categoria adulta, a “profissional”!?

    Se o basquete brasileiro tivesse voz, certamente agora teria gritado “Socoooooorro”.

  11. João 21.06.2012

    Buenas …Dupla armação + Pivôs móveis,…….tá difícil do meu povo aceitar isso daí ,não é caro Professor?… deixa o jogo muito mais dinâmico e interessante ,mas não é bixo de 7 cabeças, basta a vontade em implementar a idéia…demora algum tempo para os atletas entenderem…necessita principalmente que tenham bons fundamentos técnicos/táticos para o sucesso. Vejo que, na sua maioria as equipes estão presas realmente ao sistema único de jogo que esta matando um dos grandes alicerces do basquete , o jogo interior. Ficou cômodo jogar sempre da mesma maneira …para a grande maioria dos técnicos de equipes profissionais então nem se fala…arriscar o trampo com essas novidades, porquê!!??… mas se repararmos bem , a própria qualidade técnica do basquete vem decrescendo. Tem gente que credita isto a criação da linha de 3 , o que realmente não procede. Mas para o basqueteiro mais atento podemos observar aprendendo sistemas, que no próprio baloncesto espanhol temos estudo relacionado com algo parecido ao seu sistema proposto…” el juego de los 3 pivots”. …abraço.

  12. Douglas Gaiga 21.06.2012

    Respondendo ao João Caetano Camargo:

    Todos os meus comentário aqui no blog são nominais, para os que já me conhecem daqui isso não é novidade, talvez para você, seja. Se o seu nome não foi citado na postagem, com toda certeza ela não foi direcionada a você. Com base no que foi dito anteriormente, a postagem foi direcionada ao professor e a frase escrita por ele na resposta a você: “… Somente sinto que o mesmo não tenha tido a continuidade desejada, por motivos que independem da minha vontade, já que coibido por aqueles que comandam o desporto nacional. O porque? Navegue pelo blog e descubrirá.”. Ou seja, como ele expõe suas ideias aqui no blog e essas não se adequam ao padrão existente no basquete atual, ele conseguiu muitos inimigos no âmago do basquete nacional, sendo tolido em sua empreitada “NBBística”. No mais, seja muito bem vindo às discussões desse blog e as mantenha em alto nível, como ele merece.

    Abraços!

  13. João Caetano Camargo 21.06.2012

    Rodolpho,
    Se a língua portuguesa, mais precisamente no assunto “interpretação de texto”, tivesse voz, certamente agora teria gritado “Socooooooooorro”. Rs
    Fico impressionado que você não conseguiu entender o motivo do meu pedido para que o professor Paulo faça um trabalho com o alto rendimento.
    Porém, vou te ajudar, repetindo a explicação que eu dei acima para justificar a minha sugestão ao dono deste blog:
    “…jogo este que é televisionado e está disponível para um número infinitamente maior de pessoas.”
    Espero que desta vez eu tenha conseguido te explicar melhor sobre meus argumentos, pois percebi que tivestes dificuldades.
    percebo, lendo estes comentários, que há muitos que adoram, amam criticar, porém ficam furiosos e cegos quando são criticados, mesmo que indiretamente.

  14. João Caetano Camargo 21.06.2012

    Douglas Gaiga,
    Desculpe pelo mal entendido.
    Realmente havia imaginado que você tivesse se referido ao meu comentário.
    Abraços.

  15. Giancarlo 21.06.2012

    Oi, João Caetano,

    Lendo os comentários de uma só vez aqui. Minha dúvida: sua pergunta ao professor é mais um desafio, uma sondagem ou um lamento?

    Pelo que ele expõe aqui no blog com frequência, ao autor do blog nunca faltou a vontade de trabalhar com o basquete de “alto rendimento”, muito menos com o de base. Mas, por diversos motivos, ele e muitos profissionais competentes estão bloqueados, esquecidos pelo mercado. Para alguém poder aplicar suas ideias, trabalhar, é preciso, antes, uma chance, não?

    Então a pergunta poderia ser: por que o basquete brasileiro não permite mais que essas ideias sejam aplicadas? Foram 60 dias de sucesso, e ninguém lá fora pensa ao menos em tentar?

    Abs,
    Giancarlo.

  16. Douglas Gaiga 21.06.2012

    Olá, Giancarlo.

    Como o próprio professor Paulo Murilo já expôs aqui no blog, a mesmice encontrada no basquete nacional protege quem já está inserido nela, e oprime aqueles que vão contra a mesma. É um sistema de retro-alimentação, mais ou menos como o que acontece na política nacional, onde os nobres deputados se beneficiam de suas regalias dentro do circuito fechado (perceba que são sempre os mesmo rostos nas eleições), por exemplo. Quem está no “poder” jamais iria aprovar algo que demonstraria suas deficiências, que não iria beneficiá-lo de alguma forma. E tudo que o professor Paulo Murilo pensa, e coloca em prática como demonstrado no Saldanha da Gama, vai contra esse sistema implementado. Um exemplo claro que tivemos há pouco tempo da vontade da continuidade do sistema já implementado: Franca disse que iria se renovar, e como demonstração de renovação contratou Lula Ferreira, um profissional que há muito tempo sabe-se que dará continuidade ao basquete que é jogado aqui no Brasil, dado os seus trabalhos passados, inclusive na ENTB. Então onde será a renovação: nos atletas. Contratarão outros para continuarem jogando do mesmo jeito. Assim ninguém precisa pesquisar, estudar, desconstruir para construir melhor, é só manter, mantendo-se todos em suas zonas de conforto. E se perderem, se forem demitidos? Amanhã serão contratados por outro clube nacional, ou quem sabe a CBB o contrata para um cargo na ENTB, seleções de base, etc, e assim tudo continua igual e quem fizer a última cesta de 3 ganha a partida.

    Abraços!

  17. João Caetano 21.06.2012

    Douglas e Giancarlo,
    Desculpem-me, mas nao consigo concordar plenamente com ambos.
    Para mim, esta história de que há uma “conspiração”, um grupo fechado que busca sempre se auto beneficiar, isto está mais parecido com uma sociedade do porte da maçonaria do que do cenário do basquete brasileiro atual.
    Na minha humilde opinião, isto parece mais uma espécie de desculpa de profissionais que não conseguem colocação no mercado de trabalho.
    Em todas as profissões há gente desempregada, e não é por isso que vamos criar uma teoria que sempre são os mesmos porque agem de comum acordo para que estes sempre ganhem no final.
    Sinceramente, acho que faltam profissionais qualificados no mercado, porém não há um bando de excluídos como vocês alegam.
    É só pensarmos no número de clubes com divisões de base e equipes adultas pelo Brasil. Há muito lugar para trabalhar e com certeza, se esse trabal for bem feito, aparecerá.
    Aparecerá tanto para o público quanto para a diretoria de outros clubes maiores, que irão atrás de um técnico que ofereça bons resultados.
    Da maneira que vocês escrevem, parece que nem assim essas pessoas seriam reconhecidas.
    Que mesmo apresentando um trabalho vitorioso em clubes menores (teoricamente mais fáceis para ingressar), evitariam convidá-los pelo simples fato de manterem a lei dos que adoram se ajudar, pois assim não exporiam suas deficiências (???).
    Todos querem ganhar, isto é o que manda.
    Quem ganha mais, quem tem mais vitórias, é quem consegur maior visibilidade na mídia, e como consequência, obtém melhores patrocínios e mais reconhecimento.
    Se alguém chegar e demonstrar que consegue proporcionar isto ao diretor do clube, com certeza conseguirá seu espaço.
    Em tempo, Lula Ferreira foi para França pois, resumidamente, “cansou” de fazê-los fregueses no início da década passada, e não porque está no “grupo” de pessoas que se auto beneficiam.
    Abraços.

  18. Claudio Carvalhaes 21.06.2012

    Prezados,

    Respondendo a seus questionamentos, João Caetano, vou me basear em frases ditas por você mesmo no seu comentário:

    “É só pensarmos no número de clubes com divisões de base e equipes adultas pelo Brasil. Há muito lugar para trabalhar e com certeza, se esse trabal for bem feito, aparecerá.”

    Pois é. Mas você reparou que são sempre os mesmos que estão nessa dança das cadeiras?

    Paulo Murilo fez, sim, um trablho bem feito no NBB 2 com o Saldanha da Gama e nem por isso “apareceu”, como você diz. Como se explica isso?

    Para facilitar, vejamos a situação prática disso tudo: Na seleção brasileira, no fundo do poço em que chegou o basquete brasileiro, Hélio Rubens técnico, sucessor Lula Ferreira. No Franca, para a nossa surpresa (ou não), exatamente o mesmo ciclo. Resultado disso na seleção: Brasl fora de 3 Olimpíadas (16 anos) e para “solucionarmos”, recorremos, vejam só, a um argentino.

  19. Douglas Gaiga 21.06.2012

    João Caetano,

    Apenas conseguirão demonstrar suas qualidades aqueles que tiverem espaço para isso. No caso do professor Paulo Murilo, lhe foi dada a devida possibilidade, foi demonstrada uma perfomance absolutamente superior, comparada ao trabalho anterior (lembremos que foram apenas 2 meses, um tempo irrisório para o total entendimento da dupla armação, do treinamento de fundamentos para torná-la exequível, já que os nossos jogadores vêm da base muito crus, entre outros problemas que esse pequeno tempo causou) com vitórias maiúsculas em cima de clubes que estavam no topo da tabela (estive presente no jogo contra o Paulistano, sentado atrás do banco do mesmo, e João Marcelo não sabia o que fazer para parar os três pivôs móveis, nem como atacar uma defesa na linha da bola, quando seus jogadores apenas davam passes abaloados e lateralizados), apesar de uma série de problemas administrativos relacionados a estrutura para trabalho (problemas com a quadra, materiais esportivos, etc), pagamentos aos atletas, alimentação em hotéis, entre outros, que me lembro quando acompanhei na época o Saldanha da Gama. Apesar do bom trabalho, foi impossível tirar a equipe da lanterna do campeonato. O professor pagou por essa lanterna? Creio que não, já que quando houve a saída de Hélio Rubens do Franca e a promessa de renovação, um dos nomes mais comentados por aqueles que acompanham basquete informalmente foi o dele, o que representa um resquício do bom trabalho feito na memória dos basqueteiros do meu Brasil. Veja só como é antagônico, um senhor com a idade que possui, na mente dos amantes do bom basquete, ser um dos únicos que representariam tal renovação. E qual o por quê de não conseguir nova recolocação? Como bem ele disse, leia o blog e verá. Ele diz exatamente o que está errado, dá nome aos bois, propõe melhorias e formas de executá-las, porém isso ofende quem defende a mesmice, e no momento quem pratica a mesmice é quem está no poder. Sendo assim, o professor fica aqui, marginalizado, escrevendo em seu blog, tentando motivar uma mudança da forma que lhe é possível.

    Não vejo seu trabalho em vão, já que muitos jovens técnicos conseguem enxergar que o mais do mesmo não os farão melhores, e aqui vêem um oasis para aprendizado de algo novo e motivação para mudar. E esse vasto conhecimento em uma outra forma de jogar basquete, diferente da ditadura dos números de 1 a 5, que o professor possui, é passada e talvez executada, se houver perseverança e crença de que assim é, pelo menos, diferente e será surpreendente para os adversários.

    Com relação à necessidade de vitórias, muitas vitórias, é mais um problema para o re-ingresso do professor no mercado. Para implementar as mudanças necessárias para jogar como ele acha melhor, é necessário um trabalho em longo prazo, e talvez as vitórias não venham tão rapidamente assim. Agora, pergunte para qualquer jogador do Brasil, onde jogará daqui 2 anos. Nenhum saberá lhe dizer. Contratos são fechados por campeonato e a volatilidade é enorme. Jogou um bom NBB, é o maioral. Jogou um mal, será banido do universo. Veja o jovem Benite, por quantos clubes ele já passou em uma carreira tão curta? Falta estruturação, visão de futuro. E isso, vejo eu, que atrapalha até mesmo a capitação de dinheiro. Você colocaria seu dinheiro em algo que não tem uma mínima previsibilidade? Complicado…

    Em tempo, não recrimino a contratação de Lula Ferreira, apenas não o vejo como representante dessa tal renovação prometida por Franca. Realmente, no basquete de cegos que fazemos há 20 anos(16 deles sem ir a uma olimpíada, consagrando a total ineficácia internacional do que está sendo feito por aqui), ou até um pouco mais já que a natureza não dá saltos e essa mudança foi fluídica, apesar de rápida, Lula foi o ciclope que uma série de títulos ganhou.

    Desculpe-me ter me alongado tanto, mas é um assunto bem complexo e não eu não consegui ser menos prolixo.

    Abraços!

  20. João Caetano 21.06.2012

    Claudio,

    Quanto ao seu comentário, tenho meus argumentos:

    Paulo Murilo fez, sim, um trablho bem feito no NBB 2 com o Saldanha da Gama e nem por isso “apareceu”, como você diz. Como se explica isso?

    Explico da forma mais simples possível, aliás, está no meu primeiro post. 60 dias é muito pouco tempo para que um trabalho seja reconhecido. Se foi realmente um bom trabalho, e se tivesse sido de, no mínimo, 1 ano, não duvido nem 1% de que seria chamado para algum outro clube. Já que você disse que o trabalho foi bem feito, então está claro para mim que o “culpado” da exclusão do professor do mercado de trabalho foi o tempo, ou a falta dele. Em 60 dias muita gente não pode acompanhar a evolução. Repito: todos querem ganhar, é para isso que constroem os times!

    Para facilitar, vejamos a situação prática disso tudo: Na seleção brasileira, no fundo do poço em que chegou o basquete brasileiro, Hélio Rubens técnico, sucessor Lula Ferreira. No Franca, para a nossa surpresa (ou não), exatamente o mesmo ciclo. Resultado disso na seleção: Brasl fora de 3 Olimpíadas (16 anos) e para “solucionarmos”, recorremos, vejam só, a um argentino.

    Não sou procurador do Lula, mas posso afirmar que não o acho um técnico medíocre. Tanto que teve, como já citei acima, seus áureos tempos com o COC de Ribeirão e apresentou um bom trabalho, muitas vezes em cima de Franca. Foi por isso que Franca o chamou, pode ter certeza. Pode não ser o melhor de todos, mas também não é dos piores.
    Dias atrás eu li uma entrevista que ele concedeu e um ponto me chamou a atenção. Compartilho aqui com você: quando questionado sobre todo este tempo que o Brasil ficou de fora das olimpíadas, ele respondeu algo assim:
    “Admiro muito o trabalho que o Magnano fez aqui e em toda a sua carreira. O Brasil apresentou um jogo muito consistente e mereceu a vaga. Quanto à minha passagem pela seleção, realmente não fomos às olimpíadas, mas gostaria de deixar apenas uma informação, e quero que não soe como mera desculpa: quando eu dirigi a equipe, os Estados Unidos não haviam sido campeões mundiais e portanto disputavam uma das 2 vagas conosco e com a Argentina, em sua geração mais talentosa de todos os tempos. Neste último ciclo olímpico, os Estados Unidos levaram o mundial e se classificaram antecipadamente, sobrando 2 vagas para os outros times da América.”

    Acho que isto é algo que nunca ninguém pensou, nem eu havia pensado, até ouvir da boca dele.

    Abraços@

  21. Rodolpho 21.06.2012

    João Caetano,

    Talvez, se mais educado, seus comentários fossem mais respeitados e debatidos, ao invés de terem criado animosidades por aqui.

    E isso não é resultado da falta de domínio do português por nenhum comentarista do blog.

    Talvez ai, defender ou atacar o trabalho de de um profissional seria o foco, ao invés de ataques às pessoas que executam as mesmas ideias.

    Eu mesmo sou um que não gosta do sistema proposto pelo prof. Paulo Murilo. Sou contra dupla armação, sou contra 3 pivôs móveis, mas jamais o ridicularizei por isso. Pelo contrário, pedi referências (a resposta foi a mesma que lhe foi dada), entendi a filosofia de jogo do professor, tanto no nível da base quanto adulto, mas continuo com minhas preferências.

    Talvez agora, já que todo mundo te entendeu errado, o debate no mais alto nível possa voltar a ser o foco, proposta esta infinitamente repetida pelo editor do blog.

  22. Rodolpho 21.06.2012

    E, João Caetano, “conspiração, grupo fechado que busca se auto beneficiar”, é algo que passa longe da maçonaria. Repetir tolices profanadas ao longo dos séculos pode nos deixar tão tolos quanto aos inventores das tolices. Mas, como é algo que passa ao largo do grande jogo, melhor deixar de lado e não me estender no assunto, abrindo portas pra discutirmos o que todos aqui temos um comum, que é a paixão pelo jogo.

  23. João Caetano 21.06.2012

    Rodolpho,

    eu não ridicularizei o Paulo em nenhum momento, apenas lhe expliquei o meu ponto de vista, a minha opinião, tanto que ele me respondeu normalmente.
    Aliás, não me indispus com nenhum comentarista do blog, apenas expus minhas opiniões com argumentos, nada mais.
    Aposto que Douglas entendeu, bem como o amigo Cláudio.
    Um debate é feito por opiniões divergentes também.
    Nunca fui mal educado por aqui, se fui, quero que me mostre onde fui.

    Agora, você é um outro caso.
    Tem falha na interpretação de texto sim. Isto não é um xingamento, é uma constatação.
    Se fosse uma prova, você teria errado a resposta, se assim posso me fazer entender.
    Pois bem, se não entendeu ainda, vou lhe explicar com todas as letras possíveis:

    Meu texto:
    “Vi que o senhor tem passagens por diversos clubes cariocas em categorias de base, não falo disso.
    Falo do basquete de alto rendimento, jogo este que é televisionado e está disponível para um número infinitamente maior de pessoas.”

    Seu texto:
    “Categoria de base agora é menos importante do que a categoria adulta, a “profissional”!?
    Se o basquete brasileiro tivesse voz, certamente agora teria gritado “Socoooooorro”.”

    Solução (Conclusão):
    No meu texto, começo o pensamento dizendo que gostaria de vê-lo dirigindo uma equipe de alto rendimento e logo após exponho o motivo, qual seja, o jogo de alto rendimento é televisionado e o seu sistema de jogo seria visto por uma gama infinitamente maior de pessoas, podendo ser muito mais discutido do que na categoria de base, que está inserida em um universo muito mais restrito, no que tange ao público, plateia, torcida, etc.
    Em algum momento proferi alguma palavra que pudesse levar a entender que eu teria discriminado a categoria de base, colocado a categoria de base em um lugar menos importante?
    NÃO! Em nenhum momento!

    Portanto, meu caro, sua resposta está errada para esta questão.
    E como resposta, utilizei das mesmas palavras proferidas por você, com o mesmo tom de ironia…

    Minha resposta a seu comentário errôneo:
    “Rodolpho,
    Se a língua portuguesa, mais precisamente no assunto “interpretação de texto”, tivesse voz, certamente agora teria gritado “Socooooooooorro”. Rs”

    Vejo que não gostou de ser tratado do mesmo jeito que me tratou.
    Que pena, às vezes as pessoas pecam neste sentido… Cometem atos que não desejam para si.

    Pelo pouco que pude perceber do que você já escreveu por aqui, acredito que não vai assumir o erro diante de todos os leitores.
    Tudo bem, pelo menos acho que agora consegui destrinchar tudo para você.

  24. Rodolpho 21.06.2012

    João,

    Não é preciso a sua genialidade pra interpretar o meu português. Uma interpretação medíocre já percebe minhas falhas.

    Também não é necessário lançar pérolas aos porcos.

    E que seus comentários aos meus fiquem no limite do blog, que refere-se ao grande jogo.

    Enquanto me atacas o basquete brasileiro leva 20 pontos da Venezuela. Seria melhor discutirmos isso, ao invés da sua ironia ou o meu domínio da língua.

  25. Basquete Brasil 21.06.2012

    Pessoal, vamos dar um tempo, vamos racionalizar o que foi e o que não foi dito por todos, por mim em particular nos últimos 7 anos que publico artigos neste humilde blog. Todos vocês tiveram (e terão sempre) a plena liberdade de expôr suas opiniões, pontos de vista, sugestões, criticas, sempre que assinadas e responsabilizadas, como deve ser um debate honesto e leal. Jamais tive a pretensão de me fazer dono de qualquer verdade, a não ser aquela em que depositei mais de meio século de dedicação, e muito trabalho. Acredito e sempre acreditei na força do estudo, da pesquisa, da transmissão incondicional do conhecimento, da troca permanente de experiências, e acima de tudo no poder de objetivos bem traçados e trilhados pelos duros caminhos que a vida nos impõe, mas sempre sob a égide da ética, principio mantenedor do progresso cultural e educacional de uma comunidade estratégica para qualquer nação que pretenda evoluir e progredir no concerto das nações, os professores.
    Testemunhei a discussão, e em nenhum momento pressenti desvios de cunho ofensivo, e sim apaixonado, exteriorizando contidos sentimentos, reprezados pela pouca oportunidade oferecida àqueles que realmente amam o grande jogo e sua natural vontade de discutí-lo e debatê-lo à luz do comedimento e do bom senso.
    Parabenizo a todos pela sinceridade e interesse pelo meu trabalho, e peço a todos que nos detenhamos daqui para diante em focar o grande jogo pelos seus aspectos técnicos, táticos e de formação, que são os pontos fulcrais dessa trincheira que é de todos vocês também.
    Um abraço a todos. Paulo Murilo.

  26. João Caetano 21.06.2012

    Rodolpho,

    eu não te ataco.

    Isto é apenas uma reação ao seu comentário irônico e errado sobre meu comentário.
    Se vocÊ não tivesse feito aquela primeira ironia, nada disso estaria acontecendo.
    Agora, não se sinta a vítima da situação, dizendo que te ataco, por favor.
    Se formos levar por este lado, quem me atacou foi você, com aqueles dizeres.

  27. Fábio 21.06.2012

    Prof. Paulo,

    Gostaria imenso de que houvesse a realização de um congresso técnico/tático de basquetebol, em que vários técnicos expusessem as opções áticas que acreditam, poderíamos ter o Marcel e o Beegu explanando sobre os triângulos, o senhor sobre a dupla armação e os três pivôs móveis, outros sobre o sistem FLEX, outros sobre o passing game, outros sobre o sistema todo voltado aos pick n´ rolls, outros sobre os isolamentos individuais, etc, etc…

    Uma pergunta técnica sobre os dribles: quando deve-se usar o giro (reversão)? e quando usar o drible por trás das costas?

    Obrigado de novo, pelo espaço e pela liberdade de consultá-lo, continuo estudando o jogo e tenho um arsenal de dúvidas, sempre.

    Abç

    Fábio/SP

  28. Giancarlo 22.06.2012

    João,

    Quando alguém dirige o lanterna da liga e comanda uma reviravolta em sua campanha, mesmo com a saída de jogadores importantes do elenco no decorrer do curso, isso nos diz algo, não? O argumento de que 60 dias é pouco só torna o sucesso daquele time algo ainda mais surpreendente e digno de nota, na minha opinião. E, se mesmo depois de resultados desses – amplamente divulgados pelos sites e veículos especializados na época, diga-se –, o técnico em questão não tem seu contrato renovado e, depois, nem recebe convite para trabalhar em qualquer outra equipe grande, medíocre, ou abaixo da linha da mediocridade, isso não lhe parece, no mínimo, estranho?

    Essa pergunta, repetida, é, ao meu ver, justamente a resposta para suas colocações Sinceramente, não vejo qual o mistério aqui. O técnico em questão não teve a chance de dar continuidade ao seu trabalho, mesmo sendo elogiado pela crítica. Simples assim. Coincidentemente, o time, no ano seguinte, voltou a ser saco de pancadas, como antes. Os adversários viram de perto os resultados, e… Não aconteceu nada. Não creio em conspiração. Mas acredito em temor de arriscar, comodismo e/ou conformismo.

    Seu conceito sobre meritocracia faz todo o sentido na teoria, mas há coisas no basquete nacional que desafiam qualquer lógica. “Visibilidade de mídia” certamente não pesou para o Paulistano efetivar o Gustavo, por exemplo, ou para contratar João Marcelo. Se formos pegar o currículo dos atuais técnicos do NBB e os destrincharmos, não estou tão certo sobre quantos troféus vamos encontrar.

    PS: Sobre a história do Lula e jejum olímpico: sou jornalista, e atesto que isso é o que ele alega desde sempre, não há surpresa. Agora, se temos sempre de nos atentar a esse detalhe importante sobre a presença EUA, também não podemos convenientemente esquecer que, em 2007, perdemos da Argentina desfalcada de Ginóbili, Nocioni e Oberto e para Porto Rico também. Ou que, em 2003, não ficamos só atrás de EUA e Argentina, como também de Porto Rico, Canadá, Venezuela e, se não bastasse, México. http://en.wikipedia.org/wiki/FIBA_Americas_Championship_2003. Isto é, estaríamos fora de qualquer jeito, atrás na fila.

    Abs,
    Giancarlo.

  29. Basquete Brasil 22.06.2012

    Prezado Fabio, a ideia de um Congresso é realmente muito boa, mas como realizá-lo sem um incentivo econômico, como? Na semana passada terminou o II Congresso Brasileiro de Dança Moderna, organizado por minha filha Andrea (http://www.facebook.com/congresso.danca.moderna) cuja organização somente foi possivel com o patrocinio da Prefeitura do Rio de Janeiro, com grande sucesso e repercussão no meio artistico nacional. Então pergunto como poderemos realizar um de basquete sem um patrocinio por menor que seja? Recentemente aconteceu o III Congresso de Tecnicos da LNB, que só contava com a presença dos técnicos do NBB, quando poderia ser aberto, ao menos como ouvintes, aos jovens tecnicos e por que não, aos veteranos também. Mas como toda entidade corporativista, somente eles se reuniram, e ainda aguardaremos por um longo tempo os relatorios e palestras dos mesmos, claro, se vierem à publico.
    Mesmo assim Fabio, tentarei algo à respeito, quem sabe consigamos algo.
    Quanto às suas perguntas-
    – A reversão, sempre e obrigatoriamente com troca de mãos, deve ser empregada basicamente em duas situações: Quando sob intensa pressão defensiva o atacante provoca uma maxima proximidade com o corpo do defensor, revertendo sobre o mesmo que, pela critica proximidade se vê impossibilitado de evitar a progressão do atacante. Outra é aquela motivada por uma progressão à cesta rente à linha final, quando uma reversão para dentro da quadra põe o atacante praticamente de frente para a cesta.
    – Agora, o drible por tràs do corpo, por sua grande amplitude e largo ângulo, somente se torna factivel se realizado num ângulo de 45o com relação à cesta, pois em caso contrario deixará o executante completamente ao largo da mesma.
    Bons treinos e melhores jogos Fabio. Um abraço, Paulo.

Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8