VELEIDADES E VAIDADES OLÍMPICAS…

RecuperaImagemRecortada-003P1010350P1010246-1P1010002-1

 

Um recorde, um mês sem postar artigo, algo inédito para mim em doze anos de Basquete Brasil, mas, honestamente, não me abalei, pois pude avaliar com calma e sem injunções, o quanto esse humilde blog influenciou, ou não, o grande jogo em nosso imenso e injusto país…

País este que se deparará com uma realidade da grandeza de uma olimpíada, para a qual, jamais deveria ter empenhado seus parcos recursos desviados de suas mais urgentes necessidades, a saúde, a educação, a segurança, básico tripé para a formulação de políticas voltadas ao futuro das gerações necessárias ao progresso sustentado, democrático e justo das mesmas…

Uma base que será gravemente atingida em nome de uma aventura irresponsável, totalmente voltada aos interesses de empreiteiras, empresários, políticos e falsos desportistas, mancomunados a um corporativismo absurdo e criminoso no avanço por sobre suadas verbas públicas, fruto de nossos mais suados ainda impostos, os mais altos do mundo…

Porém, foi um mês profícuo, pois pude atestar a ainda grande procura pelos artigos antigos do blog, principalmente os de fundamentação técnica, os fundamentos individuais  e coletivos, provando mais uma vez o quanto carente de informações se mantêm no âmbito dos técnicos e professores mais jovens, num universo praticamente voltado ao desporto de alto nível, numa inversão proposital, que omite e esconde tal carência em nome de um corporativismo abjeto pela continuidade do que ai está escancarado, na defesa de um nicho econômico de domínio de poucos apaniguados e protegidos…

Também pude acompanhar decisões na Liga Ouro, NBB e NBA, quando pude atestar nunca ter estado afastado do que aqui venho publicando a mais de uma década, após ter estado “lá dentro” por outras cinco, estudando, pesquisando e trabalhando arduamente em todas as faixas etárias, no feminino e masculino, onde sempre propugnei pelo inusitado, ousado e realmente diferente do que ai está, pasteurizado, formatado e padronizado, num processo autofágico que só apresentou um mérito, a mediocridade, a mesmice endêmica que nos esmaga e humilha…

Agora mesmo a nova geração feminina, a sub 17, disputa um 13o lugar num Mundial onde perdeu até para o africano Mali, utilizando os mesmos sistemas de jogo emanados das elites, muito mais voltadas à preparação física “científica”, do que os básicos fundamentos individuais e coletivos, que por si só, se bem planejados e executados valem muito mais em esforço do que testes e exercícios com aparelhos e geringonças importadas, que roubam um tempo precioso na aprendizagem efetiva do grande jogo, principalmente nas seleções de formação, relevando consensualmente o verdadeiro papel dos técnicos, que se curvam a esses falsos messias que teimam em induzir o conceito de que antes do jogador vem o atleta, transformando-os em robôs velozes, saltadores e bitolados, em vez de dominadores da arte de jogar, dominar e compreender as sutis nuances de uma esfera inquieta e escorregadia, e os mais sutis ainda  princípios do drible, do passe, da finta, da defesa, do rebote, e da arte maior do arremesso, princípios colimados e irmanados pelo coletivismo tático, onde o correr como velocista, saltar para enterradas, e trombar (a moda atual) define o avatar proposto pela comunidade da preparação física, que aufere a si a chave do jogo, para vermos os resultados expostos nas modalidades coletivas, onde atletas substituem os jogadores de verdade, aqueles que encestam, chutam, cortam, lançam, defendem e vencem usando muito mais o cérebro do que os músculos, incutidos, no caso de nossa seleção olímpica masculina, através uma comissão de dezenove (19!!) membros (4 técnicos, 3 médicos, 1 fisiologista, 2 fisioterapeutas, 3 preparadores físicos, 1 nutricionista, 1 psicóloga, 2 mordomos, 1  supervisor), fora os dirigentes e aspones de praxe, advindos de uma confederação rica, ou querendo parecer rica (Esse artigo do Balassiano destrincha essa pretensão), destinando ao técnico chefe uma missão que eu, honestamente, jamais admitiria, como detentor do real objetivo do jogo, de seus conceitos, de sua estratégia. Aliás, creio ser esse o real motivo da minha covarde e pusilâmine marginalização no grande jogo…

No NBB vimos algum progresso pela já difundida utilização da dupla armação e dos três homens altos transitando pelo perímetro interno (minha luta desde sempre, no blog e nas quadras), levando o Flamengo, reforçado por uma defesa mais presente nos dois perímetros a uma vitória inconteste, frente a um Baurú travado pela mesmice emanada por sua prancheta midiática e repetitiva, num discurso de via única…

Na Liga Ouro, a mesmice do sistema único imperou absoluta, sem maiores comentários técnicos, a não ser a entrevista do diretor vascaíno discorrendo sobre suas contratações para o NBB, posicionamento de jogadores e formas de atuação, seguido pelo candente agradecimento do técnico escolhido pela magnanimidade do dirigente, pois afinal de contas, o sistema vigente, o único que conhece, será mantido, comportadamente…

Na NBA, foi risível o desnorteio geral dos torcedor.. digo, narradores e comentaristas abalizados, frente a uma possibilidade que desde sempre descrevi nas muitas laudas desse humilde blog, concisas num principio lógico, a de que ante uma supremacia ofensiva sempre emerge uma resposta defensiva, e vice versa, e que essa alternância delega o progresso ao jogo, depreendendo a certeza de que o Curry, com toda sua fabulosa velocidade de arremesso, encontraria uma resposta contestatória no devido tempo, que foi o que ocorreu mais cedo do que pensava, ao se ver travado no solo pela extrema proximidade defensiva em seu quadril, que impossibilitado de girar livremente anulou em muito sua capacidade de concluir os arremessos, obrigando-o às penetrações, onde foi vitima de bloqueios impiedosos, principalmente através um enraivecido LeBron. A turma midiática, que já havia estabelecido “a era de um novo jogo”, literalmente ficou pendurada na broxa, mas quem sabe, para 2017?  Aliás, nem Curry, nem LeBron aparecerão por aqui, para tristeza e muchocho de uma turma que sequer desconfia do enorme amor que os dois, e os demais americanos tem pelo Brasil, para os quais a capital é B.Aires…

No Sul Americano vemos um Alexandre se impor, como o fez na decisão do NBB, no entanto, quem mandou não ser o presidente da associação dos jogadores, que é passaporte cardinalício olímpico?

Nunca estive ou fui a uma olimpíada, e nesta em nosso país somente contará com minha presença em alguns jogos que consegui entradas, caríssimas (mesmo as de idoso), que irei com meu filho, como num torneio da FIBA, e não de um COB, que me negou credencial de jornalista que sou, academicamente, mas que jamais calará meu permanente e perene combate ao que pretendem estabelecer como algo que fará evoluir o desporto nacional, afastado coercivamente da iniciação básica, nas escolas, principio atendido pelas maiores nações que aqui comparecerão, para abiscoitar os prêmios e curtir a festança patrocinada por nossa ambiguidade e profundo equivoco do que venha a ser desporto, como produto na formação de um povo, e não instrumento de veleidades e vaidades regadas e alimentadas pela pobreza imposta pela ignorância  aos jovens deste desassistido e desigual país…

Que os deuses (olímpicos ou não) nos protejam.

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.



4 comentários

  1. Pedro Saes 08.07.2016

    Brilhante artigo, como de praxe.

    Espero que o número de comentários não corresponda ao de leitores, pois tal brilhantismo deve se espalhar como luz.

  2. Basquete Brasil 08.07.2016

    Obrigado, prezado Pedro, sua audiência, por si só, já justifica o presente artigo. Um abraço, Paulo Murilo.

  3. André Silva 21.07.2016

    Baquete Brasileiro comandado pela sede Rio continua o mesmo, brigas de torcidas e teremos esse ano ainda Flamengo x Vasco no Estadual desse Estado, sai Grego entra Carlinhos na CBB com sede no Rio, continua a panela dos filhos de ex jogadores pegando vaga de promessa e continua a panela na seleção corta-se https://www.facebook.com/NBB.Oficial/videos/1203584076342455/
    Larry Taylor para dar vaga a um Peixe vindo da Família Luz chamado Rafa Luz, para mim basquete brasileiro esse ano é ver o Oscar com o seriado Família Schmidt no Fox Sports. vou ver é NBA, Euroliga, etc…

  4. Basquete Brasil 22.07.2016

    Prezado André, sem duvida alguma passamos por um logo inverno, sem tréguas,cansativo e o pior, repetitivo, que parece não ter fim. Mas sou um perene otimista, acreditando que sairemos desse impasse, desse intolerável limbo. Precisamos acreditar em dias melhores para o grande jogo entre nós. Um abraço, Paulo Murilo.

Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8