TRÊS PARÁGRAFOS…

13062009009

Fiquei sem internet ontem, agora corrigida, com pouco tempo (são 12:30hs) para maiores comentários sobre o quarto jogo entre Paulistano e Bauru, mas que em quase nada mudaria a partir do artigo anterior, onde somente um fator poderia ser analisado, o de que, segundo o depoimento de um dos estrategistas envolvidos nessa decisiva partida, a semana de intervalo teria sido importante para aprimorar a sintonia fina de seus sistemas de jogo, no que depreendi serem, pela milésima vez aprimorados os chifres, punhos, polegares e tudo o mais que compõem o repertório de todas as equipes do NBB, sem que nada de realmente inovador tenha sequer a mínima chance de ser instaurado, pois não passa, também sequer de raspão na cabeça pensante (?) de qualquer um deles, inovações que não lhes dizem respeito, muito mais pela aceitação tácita da mesmice endêmica que patrocinam em concordância unificada, do que a libertadora coragem de injetar algo realmente impactante, renovador, autêntico e proprietário, derrubando de vez a mediocridade niveladora das equipes da liga. Exatamente por essa realidade implantada nestas três décadas de declínio técnico tático, é que assistiremos o mesmo do mesmo, mas claro, recheado de emoções, bolinhas em profusão, tocos mirabolantes, e os “monstros” transcendentais de praxe. Porém, uma fresta de esperança poderá se tornar realidade, na medida que uma das equipes, pelo menos, cadenciar e conter sua volúpia chutadora, atuando pacientemente no perímetro interno com insistência e perseverança, mas me parece que seria pedir demais por sobre um cenário estratificado e engessado existente desde sempre…

Leio que CBB e LNB aos poucos vão encontrando meios de convivência pacífica, partindo de acôrdos sobre a organização de campeonatos a muito esquecidos pela mentora master da modalidade, como os das categorias de base, fundamentais para o soerguimento do grande jogo, até agora mantido em razoável evidência pela LNB com seus NBB´s e a LDB (sub 22). Resolveram setorizar seus esforços destinando a LNB os campeonatos já estabelecidos do NBB e da LDB, e os das sub´s 14 até 19 com a CBB, além da Liga Ouro, divisão de acesso ao NBB, e por último reintegrar a LFB a CBB. Somente uma importante reparo a mencionar, no caso de que realmente essa combinação de tarefas seja levada a sério, como deveria sê-lo, o de que pelo lado da CBB fosse implantada, conjuntamente com a ENTB, uma completa e radical reforma de princípios técnicos e administrativos em suas concepções, fugindo de vez com a padronização e formatação imposta pela turma que habita o mundo NBB, dando forma e oportunidade a outros profissionais de todo o país esquecidos pelo corporativismo técnico lá existente, originando um novo patamar de excelência na formação de técnicos e jogadores polivalentes, em que o merecimento meritório se sobreponha aos interesses dos muitos que empobreceram o nosso basquetebol, a tal ponto que se viu brecado pela FIBA, num precedente doloroso e de difícil, mas não impossível, superação. Uma CBB que ressurja na busca de uma melhor e justa formação democrática inovadora de base, fornecendo bons e equilibrados valores para uma Liga Ouro, uma renovada LFB e excelentes seleções de base, dirigidas por técnicos experientes de verdade, em tudo e por tudo justificaria sua existência, honrando seu passado brilhante e vencedor. Menciono um trecho de uma matéria publicada no O Globo de 5/6/17 na coluna Conte algo que não sei, do entrevistado Adam Lowe, que afirma: (…) Objetos feitos há centenas ou milhares de anos podem mudar o jeito de pensar no presente e têm potencial para orientar comportamentos no futuro.(…)

Me perguntam ao telefone o que achei, ou estou achando das finais da NBA entre o LeBron e o Curry. Respondi – Nada, não me diz respeito, pois por conhecer de muito aquela liga, me convenci que nada tem a nos acrescentar de factível, a começar pelo aspecto econômico, fator delimitador para a não incursão aos demais fatores, como o técnico, formador de base e tático também. Por ser um outro jogo, somente jogado lá, e infantilmente sendo tentado ser estabelecido entre nós é que me faz ausente de suas reais intenções neste imenso, desigual e colonizado país.

Amém.

Foto – Arquivo pessoal.

Deixe seu comentrio