A TRISTE CONSTATAÇÃO…

Curry-shoots-over-Melo-001

Paulo, teremos o jogo final do NBB daqui a pouco e você nada comentou, o que houve? Esse amigo não me dá trégua, e o pior, nada comenta pelo que posto aqui nesse humilde blog, mas cobra assiduamente posicionamentos, comentários e até futurologias, que sistematicamente me nego a expor, pois fruto de uma longa aprendizagem no ontem, e no presente doloroso que aí está, deixo aos poucos leitores as indagações e projeções futuras, cabendo a mim somente o exercício da provocação responsável e desafiadora, sobre ações e atitudes tomadas e vividas por toda uma vida dedicada ao ensino acadêmico e ao grande jogo em particular…

Pensei em nada escrever sobre o assunto cobrado, no entanto, dois momentos bem recentes me tentaram a fazê-lo, um único e solitário comentário do Walter no último artigo aqui publicado, e a entrevista do Marcel no programa do Bial. Eis o comentário recebido hoje: walter CarvalhoToday

Professor Paulo,

Sinceramente nao entendo os números do jogo. É INACEITÁVEL! 68 arremessos de 3? Total maior do que de 2 pontos? É um crime a matemática do jogo.

Outra coisa, A média de arremessos tentados (65), mostra que as equipes estão, também, perdendo oportunidades de produzirem mais arremessos durante o jogo devido ao alta média de erros de fundamentos.

Que basquetebol e esse? Nao entendo! E este o caminho e o espelho que os nossos poucos jogadores em formação estão expostos?

Acho que é hora de sacudir a toalha e começar tudo de novo! A NBA está prestando um desserviço para a formação de novos jogadores nos EUA e no mundo! Isto ja confirmado por vários técnicos Universitarios e de HS.

Até breve.

Walter Carvalho

 

Como podemos interpretar o comentário do Walter, professor e técnico brasileiro radicado nos Estados Unidos, onde mantém uma academia de basquetebol em Birmingham no Alabama, depois de longos anos de trabalho no Oriente Médio, tendo sido jogador, professor e técnico formado em nosso país? Creio que o teor do mesmo não deixa dúvidas e polêmicas em torno da realidade do grande jogo entre nós, ou deixa?…

Bem, acredito que a entrevista do Marcel ao Pedro Bial reacende a discussão em torno da volúpia dos três pontos, das bolinhas de fora, ainda mais com o advento vitorioso do Warriors na NBA, com uma artilharia digna de uma armada escatológica, porém não decisiva, como muitos de seus admiradores tentam impor como argumento definitivo, e contra argumento de volta, senão vejamos – Primeiro, a constatação imbatível da fraqueza defensiva fora ( e muitas vezes dentro também) dos perímetros, o que justifica as contagens centenárias daquele playoff final, aspecto ligeiramente comentado pelos especialistas televisivos, receosos de darem suas mãos à palmatória do que realmente acontecia dentro da quadra, onde os duelos de fora se sucediam em todas as partidas, sombreando as jogadas decisivas de cestas nas penetrações, as de média e curtas distâncias que advogam estarem em extinção, principalmente as do Duran, para realçar os longos petardos, mantendo suas exponenciais opiniões técnico táticas…

Porém, esquecem algo que teimam em não expor, explicar, esclarecer, quem sabe até ensinar, os fatores básicos e fundamentais exigidos para a execução e consecução dos tão idolatrados arremessos, remetendo-os ao território do imponderável, da coragem e audácia para realizá-los, como que uma conquista obrigatória para qualquer jogador dentro de uma quadra, ou mesmo, como resultante de milhares de tentativas realizadas pré, durante e pós treinos, numa odisséia de sacrifícios e repetições sem fim, onde somente uns poucos atingem numerário de acertos razoavelmente estáveis, mas muito longe do que atingiriam se treinados com conhecimento pleno do que intentam pelo aspecto científico e de alta tecnologia, e não somente pela repetição milenar de um movimento de via única. Sim sem a menor margem a dúvidas existem trabalhos científicos que provam ser os longos arremessos propriedade de muito poucos jogadores no mundo, principalmente na efetividade e estabilidade de resultados, fator este que destina aos arremessos de curta e média distâncias a chave vencedora entre embates entre grandes equipes, pois sua efetividade é bem mais vantajosa, mesmo valendo dois pontos, do que a alta percentagem de erros advindos dos longos arremessos, onde as poucas exceções justificam a regra existente,,,

Na entrevista, ficou bem patente a justificativa pela predominância e endeusamento das bolinhas de três, em uma partida totalmente atípica, a começar pela honesta declaração do brilhante jogador, de que a equipe tinha a certeza da derrota, só não sabendo por qual contagem, mas que ante a real e prática constatação da inabilidade defensiva fora do perímetro da equipe americana, desencadearam uma feroz ofensiva de fora, vencendo uma partida memorável, partida esta que estabeleceu, daí por diante, a autofagia delirante das bolas de três em nosso basquetebol, originando um quase abandono da prática dos demais fundamentos, dispensáveis quando o jogo fica concentrado fora do perímetro, e o mais trágico, como somente ser possível sua utilização massiva pela ausência defensiva no mesmo, foi aceito por todas as equipes, como num acordo inter pares, originando os famigerados duelos, onde contestações inexistentes o alimentaram até os dias de hoje, desde as categorias de base, tornando tal e fatal estilo de jogar a cereja do bolo para a mídia escrita e televisiva, onde enterradas, tocos e bolinhas estabeleceram a preferência no aprendizado do jogo, omitindo e quase extinguindo o ensino e a prática permanente dos dribles, passes, bloqueios, rebotes e posicionamentos defensivos, originando este lamentável cenário a que assistimos consternados e cada vez mais saudosos dos verdadeiros e brilhantes professores e técnicos que tínhamos (ainda os temos, infelizmente segregados…), substituídos pelos estrategistas sobraçando suas inenarráveis e absurdas e nulas pranchetas midiáticas…

Mas o Bial, que foi muito bom jogador de basquete, fechou a noite com algo assustador, pela força de sua influência no ideário de muitos de seus admiradores e seguidores, quando mencionou ser pai de um futuro jogador de 13 anos, ao qual incentiva paternal e tecnicamente – Chute de três, sempre e quando puder…

Amém.

 

Em tempo – Pela pesquisa que realizei para a obtenção do doutorado na FMH da UT de Lisboa, defendida em 1992, com a tese “Estudo sobre um efetivo controle da direção do lançamento com uma das mãos no basquetebol”, única até os dias de hoje que aborda a temática do controle do eixo diametral da bola nos arremessos de basquetebol, constatei matematicamente que os desvios direcionais variando de 0,5 a 2 graus em relação às distâncias em que são realizados os arremessos, os inviabilizam se não controlados conscientemente, daí a origem dos inúmeros “air balls” que assistimos corriqueiramente em nossos campeonatos, mesmo sem contestações efetivas. Logo, a prática sistemática dos longos arremessos nas divisões de base iniciantes, se torna perigosa ao substituir no interesse dos mais jovens, os fundamentos realmente básicos para a aprendizagem do grande jogo. PM.

Foto – reprodução divulgação FIBA. Clique na mesma para ampliá-la.

Deixe seu comentrio