OS CONTRAPESOS…

P1150914

Quem já não comprou um bom filé num açougue, sem ter que enfrentar um ilegal contra peso de músculo, que só pode ser incluído com a autorização do comprador, e que mesmo assim, sofre pressão do açougueiro para aceitar a pelanca?  Pois é, cada vez mais vemos contra pesos nacionais complementando trincas de americanos compondo os quintetos básicos de algumas equipes deste NBB10, como imponentes e carnudos filés tendo de suportar dois contra pesos tupiniquins, que de uma forma bem realista, quebram o protagonismo dos mesmos, originando duas equipes dentro de uma, pois os dito cujos atuam dentro de seus conhecidos padrões, onde prancheta nenhuma os fazem mudar de comportamento tático, ainda mais frente a sua inquestionável superioridade de técnica individual sobre a minoria nacional em quadra…

E tome individualidades em pencas, nas penetrações e nas conclusões de fora, sempre prestigiando o conterrâneo, amigo de fé camarada. Pois é o que temos visto rodada após rodada, de um NBB de mãos dadas com uma NBA rindo de orelha a orelha ante tanto servilismo da patota estrategista que se arvora em dona da casa, mídia inclusa, assim como seus vivíssimos agentes…

Quanto aos nossos patrícios, buscar rebotes e ter uma ou outra chance de arremesso, é o que pinga aqui e acolá, numa desproporção assustadora, na medida da quantidade de americanos em quadra, que cada vez mais vai se tornando desejo de muitos ter em suas equipes a trinca salvadora, ou mesmo redentora de seus sonhos de prancheteiros incorrigíveis, para os quais sugiro aos que os assistem pela TV (ao vivo é impossível, mas quem sabe já já  incluam seus brados e estertores no serviço de som das arenas, para a glória de alguns…) tentarem “entender”, ou mesmo acompanhar com um mínimo de compreensão o que expõem freneticamente naqueles pedaços de nada, certamente nada mesmo, informações que os gringos, mesmo arranhando o português, esnobam claramente…

Por tudo que vem ocorrendo num galope de dar medo, é que me impressionou de forma razoavelmente positiva assistir a equipe de Franca no jogo de ontem contra o Mogi das Cruzes, ou melhor, o Cross Mogi, quando perdeu por um ponto de um placar de 72 x 71, num jogo altamente defensivo e bastante contestador na maioria dos longos arremessos, mas que mesmo assim atingiu os absurdos números de 10/30 tentativas para Mogi e 6/26 para Franca nos três pontos, mas que foi decidido mesmo nos curtos arremessos, de 2 em 2, se antepondo a desvairada enxurrada de fora (16/56), demonstração inequívoca do que impera entre nós, na lastimável e ignorante certeza de que somos os “reis e introdutores”  dessa cretina forma de atuar, que já começa a ser atenuada na matriz, digo, filial nesse pormenor, como afirmam patrícios luminares que deram inicio a essa forma de jogar individualmente um jogo eminentemente coletivo, fator determinante na queda e desprestígio de nossas equipes e seleções, em contrapartida de suas premiadas conquistas individuais,,, 

Franca teria feito a partida ideal se tivesse trocado ( de novo as continhas) a metade das bolas perdidas de três pela tentativa de dois, pois seu jogo interno era poderoso, rápido, incisivo e competente, coletivo mesmo, mais do que suficiente para vencer  por boa margem, fator que o Mogi não enfrentaria, pois a trinca jamais aceitaria abrir mão de seu auto determinismo em quadra, até mesmo o fato de somente atuarem para valer no quarto final, como o fazem a maioria das equipes da NBA (é quando suas arenas realmente ficam lotadas)…

Duas contratações estrearão em janeiro por lá, ambas nacionais, em uma equipe que demonstra enorme bom senso quando aposta em jogadores, bons jogadores nacionais, e não em estrangeiros, que exceto uns poucos, nada agregam ao nosso basquetebol, a não ser na explosão salarial que, já vimos acontecer, e que fizeram desaparecer franquias que não aguentaram tais gastos, quando poderiam ter aplicado suas apertadas verbas em valores, mesmo jovens, nacionais, e em técnicos comprometidos com o progresso dos mesmos, e não fantasiados de estrategistas e precursores de uma tendência fadada ao esquecimento, logo que se fizerem impor as contrapartidas defensivas em natural desenvolvimento, até mesmo na matriz…

Franca pode dar partida a essa independência internacional, pois já conta com bons armadores, homens altos, rápidos e de boa técnica, e um técnico que poderá passar a realmente promissor no momento em que se desfizer do biombo que o separa dos jogadores, como no seu último pedido de tempo, quando se perdeu num emaranhado de rabiscos ininteligíveis naquele momento de decisão, enfrentada muitas vezes quando jogador, perante jogadores cansados e ávidos de algo simples e objetivo para os dois pontos, ou mesmo um ponto, colocando a bola na mão daquele que agredindo a cesta provocasse a obtenção dos mesmos, que foi exatamente o que repetiu o Shamell do outro lado, vencendo o jogo…

Precisamos urgentemente repensar o grande jogo, da formação a elite, na busca de uma identidade perdida, de técnicos e professores compromissados e comprometidos com essa tarefa, e não atrelados a midiáticas pranchetas como o que vem parecendo ser, herméticas pranchas de náufragos, e nada mais…

Amém.

Foto – Reprodução da TV. Clique duplamente na mesma para ampliá-la.



Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8