DOBRAS E SOBRAS (FROM DUBLIN)… at Basquete Brasil

DOBRAS E SOBRAS (FROM DUBLIN)…

20180519_181230

Estou aqui em Dublin, no pequeno apartamento/estudio de musica do meu filho, cercado de tecnologias por todos os lados, com ate realidade virtual, que para mim, da velha guarda, impressiona pelo realismo e emoção. Mas uma surpresa me foi reservada, uma tv de 55 polegadas onde pude acompanhar ontem o primeiro jogo do playoff final do NBB 10, entre Mogi e Paulistano, com som e nitidez assombrosos, quantificando uma realidade que, perdoem-me a franqueza, lastimo muito, e de a muito tempo…

Na véspera, acompanhei pelo site da LNB, a entrevista coletiva dos técnicos e jogadores das duas equipes, onde obviedades foram mencionadas, como a do técnico de Mogi, ao lembrar o poderio de seu adversário nas bolas de fora, nos rebotes e os contra ataques muito rápidos, além de uma defesa pressionada e forte, absolutamente nada que não seja do conhecimento público sobre aquela equipe da capital, pontos que foram confirmados pelo seu oponente, que num tom de voz baixo e pausado (que nao e o seu de costume), confirma a análise e repete que aquela altura do campeonato muito pouca coisa mudaria, ainda mais se as bolinhas caíssem, como espera que aconteça. Rapapés e mesuras são trocadas, e foram para o jogo…

E minha gente, não é que caíram, aos magotes (16/32 de 3 e 19/31 de 2, contra 9/25 e 17/36 respectivamente do lado de lá), com o Paulistano convergindo como de praxe, marcando forte e levando razoável vantagem nos rebotes (35/31), e o mais impactante, iniciando a partida com seis bolas de três em oito tentativas, numa completa ausência defensiva por parte do Mogi, parecendo que estavam “pagando coletivamente para ver”, numa atitude indefensável e perdedora, que se tornou fatal e irrecuperável no transcorrer do jogo…

Cabe a essa altura, analisar os comentários da mídia sobre o coletivismo do Paulistano, com suas velozes trocas de passes, com a finalidade quase absoluta de gerar espaços para os arremessos de três, além das rapidas saídas em  contra ataque após rebotes defensivos (sem que nenhum jogador alto do Mogi se postasse no bloqueio do primeiro passe, retardando o mais possivel a saida), principalmente aqueles originados nas tentativas  falhas de seus oponentes nos arremessos longos, como temos visto em quase todas as partidas deste NBB, que após dez anos tão pouco evoluiu técnica e taticamente, ao contrário de suas reais conquistas nos campos da sustentabilidade administrativa e mercadológica…

Segundo os comentários gerais, o sistema ofensivo do Paulistano, prima pela grande velocidade nos passes, combinados com algumas tentativas de penetração de seus velozes alas pivôs, com volta imediata dos passes, de dentro para fora do perímetro, com a única finalidade de encontrar jogadores livres para os arremessos de três, mais equilibrados e sem contestação presente. Claro que, a enorme maioria de nossos estupendos estrategistas, confia e exige as dobras defensivas a fim de confrontar penetrações, esquecendo porém, que, contra equipes como a do Paulistano, o ensaio para o pick in roll praticamente determina a dobra adversária, originando a sobra de um atacante aberto motivada pela mesma, pois o princípio técnico da confrontação aos picks, é o de jamais exercer a troca, e sim manter a marcação original, evitando as desproporções de peso e altura, bastando simplesmente exercer deslocamentos laterais e longitudinais sem trocas de qualquer espécie, frutos de um treinamento defensivo intenso nas técnicas individuais de defesa, um dos fundamentos básicos do grande jogo, esquecido por desconhecimento ou incompetência, principalmente na formação de base…

Muito bem, se todos os jogadores (como americanos e europeus em sua maioria), primam por esse preparo, tornam-se mais raros os espaços originados pelas trocas, não que elas ocorram, porém em muito menor quantidade como entre nós, incapazes que somos de manter uma prolongada defesa rígida 1 x 1, sem a necessidade de trocas internas permanentes, que é uma saída oportuna a deficiência postural e mental de quem pretenda exercer uma defesa realmente eficiente. Infelizmente, nossa preparação nos fundamentos peca em muitos pontos, e os princípios defensivos individuais é um deles, daí a preferência que é dada as defesas zonais nas divisões de base (onde a unidade grupal pretensamente compensa as deficiencias individuais) uma garantia a curto prazo de vitórias e acúmulo curricular para técnicos, muito mais preocupados na carreira do que no ensino da base basquetebolista…

Por conta dessa deficiência, vemos com enorme frequência as tentativas de evitar penetrações no perímetro interno com trocas longitudinais, gerando as  tão decantadas sobras, por onde equipes como a do Paulistano destilam com liberdade suas bolinhas de 3…

Se por outro lado, os defensores se mantivessem firmes no 1 x 1, primando pelo combate às penetrações, através as bem ensinadas e aprendidas técnicas da defesa individual, certamente ocorreriam menos sobras ofensivas, que conjuntamente as bem executadas contestações, de preferência no plano vertical, visando a alteração das trajetórias nos arremessos de seus adversários, e não a tomada ou bloqueio da bola, certamente menos bolinhas seriam sequer tentadas, equilibrando os jogos…

Creio no entanto, que ainda estamos muito distantes de vermos nossos jovens bem preparados nos fundamentos, como os de defesa, tão ausentes em nossas equipes, da base a elite, propiciando essa terrível hemorragia de bolas de 3, tão a gosto daqueles que desconhecem o grande jogo em sua essência , onde o domínio dos fundamentos passa bem longe dessa grande mentira que presenciamos em nossas quadras, inflacionadas  com uma chutação desenfreada encobrindo nossas maiores deficiências, num pastiche de jogo que em absoluto representa o verdadeiramente grande, grandíssimo jogo…

Amem.

Foto – Arquivo pessoal. Clique duplamente na mesma para ampliá-la.

 



2 comentários

  1. João 30.05.2018

    Treinador..

    parabens pela postagem..é lastimável ver neste campeonato que a maioria das equipes optou pelo jogo de perímetro mesmo com um péssimo nível técnico dos jogadores, principalmente os nacionais…mas, o que é muito preocupante é ver que nas categorias de base estão incentivando os jovens atletas a utilizarem este tipo de ação em detrimento do trabalho de conjunto e do treinamento arduo de fundamentos..por todo este quadro que estamos vivenciando, contínuo afirmando que, não temos ainda as mínimas condições de figurar entre as principais potencias do basketball mundial, infelizmente….abraço.

  2. Basquete Brasil 02.06.2018

    Obrigado prezado João, e assim como você, lastimo profundamente o que continua acontecendo de tecnicamente negativo com o nosso tão maltratado basquetebol, ainda muito longe de retomar seu lugar entre os grandes praticantes internacionais. Quem sabe, um dia…
    Paulo Murilo.

Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8