IGNORÂNCIA E COVARDIA SEM FIM…

Com a enxurrada de basquetebol acontecendo nas TVs, Internet e mesmo em nossos ginásios, deixa a mídia especializada mais seletiva em seus comentários, claro, enaltecendo preferencialmente a NBA, a NCAA e de quebra o NBB, fora uma ou outra matéria sobre nossas seleções, com a feminina ameaçada de ter como seu técnico, um que jamais lidou com o mesmo, nem como assíduo assistente, o que honestamente elas não merecem…

Então, como assunto de rodapé de página interna, faço questão de focar na surra memorável que o Paulistano levou do San Lorenzo na Liga das Américas, por 70x 58, numa partida em que chegou a estar perdendo por quase 30 pontos! Motivo principal? (um dulce de leche a quem acertar…) Na mosca, as bolinhas não caíram, foram 10/40 e 10/36 (como pretender vencer uma Liga América convergindo dessa absurda forma?) de 2 pontos, contra 8/27 e 21/43, respectivamente, dos platinos. Nos lances livres se equivaleram com 8/11 para nosostros e 7/9 para eles, que por conta da mais absoluta fragilidade defensiva dos paulistas, que nem faltas pessoais tiveram a oportunidade de cometer (até mesmo as “famosas e inteligentes” faltas de cunho técnico )…

Explicações? Para que, se os números desnudam tudo e mais alguma coisa, para que? A não ser que, ainda teimem que jogos e campeonatos regionais, estaduais, nacionais e internacionais como esse, se vence com velozes transições (êta definição esdrúxula), tocos, enterradas e chutação desenfreada de três, em que todos envolvidos na equipe (desconfio até dos mordomos e aspones que enxameiam os bancos) se consideram especialistas no mais complexo dos arremessos, fatores pontuais estabelecidos como os definidores de sucesso nas competições…

O grande problema é que realmente se consideram os donos da cocada preta, imunes a críticas que o afastem da verdade suprema que doentiamente veneram, se entregam, a cada treino, a cada jogo, desde sempre, onde a propalada “eficiência”  nos longos arremessos o imbuíssem na busca da verdade suprema do grande jogo, cada vez mais incensada e incentivada por estrategistas/torcedores de beira de quadra, mídia exultante e ufanista, dirigentes e agentes fazendo e desfazendo equipes, levados ao êxtase supremo a cada bolinha que caia, testemunha solitária da mediocridade de suas lideranças…

E não caíram, assim como no jogo mais importante da seleção em sua busca, agora satisfeita, pela classificação ao Mundial, contra o Canadá, quando as ditas cujas também não caíram, e sabem por que? (outro dulce de leche a quem acertar) Isso, foram contestadas, eficientemente contestadas ( nos jogos do march madness da NCAA, aulas contestatórias têm sido dadas em quase todos os jogos, com defesas verticalizadas, onde o objetivo é a alteração das trajetórias, e não o bloqueio puro e simples, e na maioria das vezes faltoso), por uma equipe veloz e determinada na defesa interna e externa de seu campo de luta…

Mas não aprendemos, nem pensar o contrário, afinal de contas somos o poder supremo do “open game”, dos “espaçamentos”, das penetrações de cabeça baixa driblando com a mão preferencial, aliás, a única que dominam, e mesmo assim com sérias ressalvas, onde as reversões naturais são taxadas de geniais, porém dissociadas, na maioria das vezes, do interesse coletivo, oposto aos pontuais estrelismos personalistas…

Ainda temos muito o que aprender, estudar, pesquisar, e acima de tudo, empregar todo esse conhecimento na base da pirâmide, nos seus alicerces, ajudando e preparando nossos infelizes e abandonados jovens em sua penosa caminhada, num país que sempre pautou por um estranho e absurdo dilema, que nos muitos anos por mim exercidos no magistério universitário de formação de futuros professores definia – Conheço muitos países, no entanto esse é o único no qual, nem a direita e nem a esquerda quer o povo educado, a direita para se manter no poder, a esquerda para usá-lo como massa de manobra para alcançar o poder, e ao assumí-lo se bandear para a direita mantendo-o ignorante, frágil, passivo e manipulável, exatamente o que faz a direita agora vencedora, indefinindo e postergando a educação com os mesmos propósitos. Pobre país, pobre juventude, criminosa covardia sem fim…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.



4 comentários

  1. RENY SIMÃO 05.04.2019

    Continua com a ponta dos dedos (para teclar) afiada, hein professor? Muito bom o texto. Um abraço.

  2. joão 05.04.2019

    Parabens Treinador, disse tudo ..abraço.

  3. Basquete Brasil 06.04.2019

    Oi Reny, que bom tê-lo aqui de volta aos comentários, e posso afiançar que as pontas dos dedos nunca estiveram mais afiadas do que agora, num momento chave para o basquetebol brasileiro, que de forma alguma tem mais o direito de cometer os mesmos erros de um passado não tão distante assim, principalmente quanto a formação de base, e as opções técnico táticas estratificadas neste triste cenário que impuseram ao grande jogo, que precisa ser modificado radicalmente, se pensarmos retornar a um tempo no qual éramos realmente grandes, e não o que hoje somos, um mero imitador do que de pior possa existir na matriz. Seremos capazes de sair da fossa em que nos metemos? Espero que sim, ao preço que for. Um abração. Paulo Murilo.

  4. Basquete Brasil 06.04.2019

    Prezado João, e não disse um cem avos do que desejaria bradar aos ventos , com toda a indignação que me afoga numa tristeza infinita. O grande jogo merece um destino melhor. Um abraço, Paulo Murilo.

Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8