O PROCESSO…

Hora bem ouvir estrelas, enfim, as meninas do Brasil agora tem o melhor em seu comando, mesmo que em sua entrevista mais recente confesse que depois do convite da CBB passou a se interessar pelo basquete feminino, ver mais jogos, conhecer as jogadores, etc etc, ou seja, está num processo de descoberta, que é um fator inédito (mas não tanto, pois já houve outro antecedente, regiamente premiado…) no comando do feminino tupiniquim. Mas um outro processo está, a partir de agora a caminho, claro, sem antes ouvir seus agentes e pessoas mais próximas para o enfrentamento a essa nova realidade profissional, escudada em sua exigência de estruturar uma equipe multidisciplinar com pessoas de excelência para estabelecer o decantado e ansiado processo, sem promessas nem resultados imediatos, pois afinal de contas um processo exige prazos longos para ser estabelecido (ah, e contratos também…), principalmente se confessamente leigo numa categoria especialíssima na prática do grande jogo, em muitos aspectos diferentes do mundo em que viveu e vive, o formatado, padronizado e corporativado masculino…

O certo mesmo é que o basquetebol feminino está a grandes e imensos degraus abaixo do masculino, jogado de forma tosca e descerebrada (é uma dura experiência assistir um jogo da LFB), onde os fundamentos mais básicos são negligenciados, e mesmo ausente no dia a dia de suas esforçadas praticantes, corajosas que são, mesmo perante tantas deficiências em sua formação de base, onde até o ato de arremessar sofre limitações de vulto pelo simples fato de jamais terem sido ensinadas como efetuá-los com as mínimas correções possíveis. Imaginem os demais fundamentos, a começar pelos defensivos, insígne desconhecido para a grande maioria delas…

Um processo? Que tal ensinar desde o princípio a todas elas, na seleção, por que não?Adultos e jovens sempre estarão sensíveis e prontos para a aprendizagem, necessidade fulcral se quiserem espelhar seus esforços para as que se iniciam neste imenso e injusto país, os caminhos que levam ao entendimento e compreensão de sistemas de jogo, seja lá quais forem, bem ao contrário do fajuto e enganador sistema único, que copiam do masculino sem o menor pudor, e com resultados catastróficos, que tal começar por aí?…

E neste ponto fico imaginando um técnico que sempre comandou (?) jogadores nacionais prontos, estrangeiros com grife, jovens revelados em outras praças, tabulando-os em monólogos de prancheta, montando equipes de apoio com verbas além da realidade das demais equipes da liga, num momento em que vitórias e títulos, pouco ou nada representaram para nossa escalada e reentrada no cenário altamente competitivo internacional, onde os vícios técnico táticos inexistem lá fora, e cujos resultados são do conhecimento de todos, escancarados sem retoques, onde o feminino segue em sua rotina constrangedora…

Então, que processo é esse a que se refere para o soerguimento do basquetebol feminino, o da constituição de equipes técnicas multidisciplinares, “grupos de trabalho”, desenvolvedoras de super atletas, que correm mais que os concorrentes, que saltam e trombam com a eficiência que dizem existentes no basquetebol moderno, e para o qual, sem dúvida nenhuma, seguem o rito gerencial da moda, esquecendo, ou parecendo esquecer a realidade técnico tática medíocre e falimentar da maioria de nossas praticantes, da base e da elite, onde os fundamentos não resistem ao mais primário teor qualitativo de análise? Ou um outro voltado ao ensino puro, simples e objetivo dos maiores valores do grande jogo, seus fundamentos, cujos conhecimentos, pleno domínio no ensino e massificação, qualificações que tenho sérias dúvidas não serem do pleno domínio do atual elegido, mesmo amparado por comissões de qualificação profissional que duvido possuírem de verdade, principalmente no mundo do basquetebol feminino, que confessa sem maiores pudores, não ter tido até hoje, contato e experiência direta de ensino, preparo e comando, dentro ou fora de um processo que advoga sem saber do que se trata de verdade, bem lá no fundo, no dia a dia das quadras, onde as verdades verdadeiras acontecem, não são imaginadas e projetadas, operando uma realidade oportunista e, acima de tudo, injusta para com elas, que merecem, não um processo gerencial e comissionado, e sim um projeto bem dimensionado, sério e competente no planejar, ensinar, preparar e orientar as novas gerações femininas na prática e amor ao grande jogo. Projeto é algo para quem conhece, estuda e pesquisa. Processo é outra história, geralmente muito mal contada, mesmo que administrada por comissões profissionalizadas, em que realmente?, em que?

Deuses meus, ajudem se puderem, o basquetebol feminino deste triste país.

Amém.

Em tempo,- Perante a afirmação de ter criado na Gávea uma estrutura e uma mentalidade, uma maneira de sucesso de trabalhar, lembro que lá sempre existiu essa mentalidade, exercida e deixada como legado por um Kanela, Waldir Bocardo, Marcelo Cocada, Tude Sobrinho, Emmanuel Bomfim, Paulo Murilo, Paulo Chupeta, e muitos outros, vencedores, formadores, criativos, com os meios possíveis, e muito trabalho e suor, e sem pranchetas…PM.

Foto e video- Divulgação Globoesporte. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las e accessá-las.



Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8