SEU GERALDO…

Ele se foi no sábado, aos 99 anos, o grande Geraldo da Conceição…

O vi pela primeira vez aos 10 anos, 1949, treinando lances livres na quadra descoberta do Grajaú Tênis Clube, e de “lavadeira”, quando o arremesso partia abaixo da cintura com as duas mãos, como o Chamberlain, o Cousy, o Alfredo da Motta, o Ruy de Freitas, o Max, certeiros, eficientes, sem respiros, poses, caras e bocas, simplesmente, eficientes, e dentro dos 5 segundos regulamentares…

Foi minha apresentação ao grande jogo, num sol a pino, vendo bola após bola sendo lançadas sem erros, suaves, fascinantes para um pirralho em seu início de vida. E lá se vão 70 anos, que me deram a grande oportunidade de conhecer e privar da amizade daquele atlético e elegante jogador, um pouco mais tarde técnico, meu primeiro técnico, e que técnico…

Nunca o vi alterar sua voz, apreciava seu constante sorriso a cada boa jogada de seus alunos, e palmas, muitas palmas também, no incentivo constante, apesar das cansativas repetições dos movimentos básicos…

Um dia me dei conta de que além de ser o de menor estatura da turma, me interessavam muito mais as técnicas e as táticas daquele jogo formidável, encontrando no Geraldo as respostas para concretizar o sonho de um dia ser técnico também, como ele, não melhor, bastaria ser como ele, e assim foi…

Me ensinou como organizar uma rouparia, como cuidar do material, as bolas em particular, enceradas com sebo de carneiro, tornando-as macias e de pegas seguras. Mostrou-me a importância ambiental de um vestiário, jamais aceitando discussões acaloradas, sempre propugnando pelo diálogo, pela educação, pelo zelo com toda a equipe. Retribui com alguns estudos que fazia numa época sem internet, celulares e vídeos, somente livros, artigos, palestras com um ou outro professor estrangeiro que por aqui aportasse, e um ou outro filme que conseguia na filmoteca da embaixada americana, como o inesquecível Final Game (está no You Tube) que assistimos inúmeras vezes no projetor de 16mm do clube…

Quando entrei na EEFD/UFRJ em 1960, o Geraldo foi para Brasília na primeira leva de funcionários públicos enviados para aquele planalto inóspito onde uma nova capital dava seus primeiros passos. Durante um largo período perdi seu contato, mas sabia que seu amor pelo basquetebol estava tendo continuidade na nova capital…

Nos reencontramos quando me transferi para Brasília em 1967, logo após ter sido o técnico da seleção carioca feminina, vencedora do brasileiro em Recife, na final contra São Paulo. Na capital, após o concurso público para a rede educacional, tive a ajuda decisiva do Geraldo para me manter nos três meses iniciais da nova realidade que se iniciava para mim, ajuda aquela decisiva para minha continuidade no planalto central. O basquetebol fervilhava na cidade, e o Geraldo fazia parte de sua primeira linha, da formação de base ao adulto, trabalhando duro como ele sempre fez em toda a sua vida. Fomos adversários nos torneios e campeonatos adultos até 1969, ele pelo seu querido Dêfele, eu no Iate Clube, depois nas seleções juvenis, quando retornei para o Rio de Janeiro…

Em 1971, durante o Mundial Feminino em São Paulo, o Geraldo fez parte da comissão que elaborou o primeiro estatuto de uma associação de técnicos no país, a ANATEBA, da qual também fiz parte, numa iniciativa exitosa, mas que foi pulverizada três anos depois por parte de uma CBB temerosa em perder o absoluto monopólio do grande jogo no país, numa atitude absurda e retrógrada, sentida até os dias de hoje…

Algumas décadas se passaram, e poucas vezes nos reencontramos, no entanto, continuavamos o trabalho de nossas vidas com empenho e dedicação, intransigentes desportistas que sempre fomos. Recentemente, idealizei uma página a ser publicada aqui neste humilde blog, onde divulgaria depoimentos gravados em vídeo das grandes figuras do basquetebol brasileiro, a maioria esquecida e desconhecida pela mídia modernosa de hoje, e o Geraldo liderava a lista, e inclusive já me preparava para ir a Brasília, onde duas outras importantes figuras seriam entrevistadas, o Pedro Rodrigues e o Heleno Fonseca Lima. Mas o Geraldo se foi, deixando-me com a câmera e o microfone nas mãos, infelizmente…

Do Geraldo guardo uma grande lembrança, uma ensolarada visão de um  treino de lances livres, de “lavadeira”, quando meus olhos de menino de dez anos se apaixonaram perdida e definitivamente pelo grande, grandíssimo jogo de nossas vidas. Até um dia Seu Geraldo, e muito obrigado por tudo aquilo que me foi ensinado e passado por você, inesquecível professor…

Amém.

Fotos – Divulgação LNB e arquivo pessoal.



2 comentários

  1. RENY SIMÃO 16.02.2020

    Bonita homenagem, professor. Me fez lembrar os “Geraldos” com quem convivi desde a adolescência. Considero o meu primeiro técnico de basquete um segundo pai, que me ajudou muito na minha formação. Hoje, com duas próteses nos joelhos, participação em basquete na quadra somente em sonhos, que com frequência acontece, tamanha era a satisfação que eu tinha correndo com e atrás daquela bendita bola laranja. Um abraço.

  2. Basquete Brasil 10.03.2020 (4 weeks ago)

    Lembrá-lo é a melhor homenagem que posso dedicar ao Geraldo desde sempre, merecedor pelo muito que fez pelo basquetebol brasileiro, e a mim pelo permanente incentivo na difícil arte do comando. Que os deuses o recebam com as honras de que sempre foi merecedor.
    Abração Reny.

Deixe seu comentário