LIÇÕES DO NORTE…

Com o término da fase classificatória para o torneio dos dezesseis finalistas da Loucura de Março da NCAA, podemos tirar algumas oportunas conclusões, pois com as facilidades das transmissões via internet, praticamente pude observar todas as 64 equipes que dela participaram.

Após tantos e tantos jogos, em quatro dias de intensa atividade, com belos e grandes ginásios permanentemente cheios, disciplinadamente irretocáveis, público e jogadores, de saída algo ficou claro e cristalinamente exposto, a uniformidade técnico-tática de todas as equipes participantes, jogando rigorosamente iguais em seus sistemas de jogo. Com o tempo de posse de bola de 35 seg. essa similitude ficou ainda mais patente, pois o jogo de armadores, de posse de bola driblada, e de construção de jogadas visando basicamente os arremessos de três pontos, foram comuns a todas as equipes, tanto as de pequena tradição, como as grandes e ranqueadas. Uma ou outra se diferenciava somente no aspecto dinâmico, com o incremento da alta velocidade nos contra-ataques, ao contrário da grande maioria que preferencialmente cadenciava o jogo. O tradicional jogo de pivôs não encontrou nessas finais o mesmo apelo e preferência de temporadas anteriores, numa tentativa de aproximação da forma de jogar e atuar das equipes européias. As declarações do Coach K, após o fracassado campeonato mundial, quando afirmou que os Estados Unidos precisava aprender a jogar como os europeus, por que dessa forma poderia vencê-los no futuro pela força de sua base de formação de grandes valores, bastando somente se adaptar ao jogo cadenciado do velho mundo.

E então o que vimos e constatamos, foi uma atitude de consenso por parte dos técnicos dessas universidades, fazendo suas equipes atuarem da forma mais cadenciada possível, onde a ação dos armadores nunca foi tão decisiva como nesses novos tempos de adaptabilidade e aprendizado, como uma aposta num futuro, no qual a reconhecida capacitação nos fundamentos do jogo tornarão as futuras equipes americanas plenamente igualadas às da Europa, com um diferencial a mais a seu favor, a inquetionável supremacia nesse campo.

No aspecto defensivo, nunca se viu tanta variação entre defesas individuais e zonais, assim como sua tradicional tendência às pressionadas quadra inteira, por parte de todos, como um bem orquestrado projeto visando a retomada da supremacia histórica de seu basquete no mundo, e que foi perdida pelo isolacionismo espontâneo e a arrogância de muitos que se escudaram na supremacia da era NBA, com seus astros milionários, imbatíveis e míticos. Com as perdas irreparáveis nas últimas grandes competições internacionais, uma luz de alerta foi acionada, deflagrando um movimento de soerguimento, que só poderia ser exequibilizado pela estrutura que fundamenta todo o basquete americano, inclusive a NBA, o desporto de base, tanto o escolar, como o universitário.

Nesses primeiros dias de competição classificatória, sobressaíram os armadores, responsáveis pelo apelo da cadencia tática, os arremessadores de três pontos, e a ressucitação da jogada clássica, drible, parada e jump de dois pontos, jogada essa quase extinta pelo advento dos pivôs de força com seu jogo interior, além do já mencionado jogo visando basicamente os três pontos. Em tudo e por tudo o mais próximo possível da forma de jogar européia, com uma e definitiva diferença, motivada pela posse de bola de 35 seg., a capacitação técnico – pratica dos armadores, que são a alma do basquete europeu, onde atuam em duplas, quando, ante ao prolongado tempo de posse de bola, se vêm forçados a uma concentração mental bem superior se estivessem sob o regime de 24 seg. de posse da mesma. Trata-se de uma atitude inteligente e perspicaz, pois forçando os armadores a um exercício de domínio mental, torna-os mais efetivos quando da mudança aos padrões da regra internacional, iguais aos da NBA quanto ao tempo de posse de bola. Paralelamente a essa tendência, nota-se um aumento significativo na qualidade dos arremessadores de três pontos, largamente empregados nessa fase de classificação.

Enfim, mais uma vez os técnicos universitários americanos dão um exemplo de uniformidade técnico-tática, atendendo às necessidades de modificações na forma de preparar e fazer jogar os jovens que serão os responsáveis pelo futuro daquele tradicional e brilhante basquetebol.

Enquanto isso, aqui na terra de Macunaíma, mantemos a forma de jogar, copiada ao extremo do conceito NBA, e que nem mais os mesmos aceitam jogá-lo, e que aguardam as novas gerações de universitários para definitivamente se equipararem, e possivelmente vencerem os europeus e argentinos. Assim pensam e assim agem, uniformemente em torno de um objetivo comum, baseado na formação de novos valores, através o único dos sistemas válidos, o domínio integral e decisivo dos fundamentos.

Quanto a nós, nos perdemos em testes de exaustão “yoyo”, aplicados em púberes de 13-14 anos. Que os deuses nos ajudem.

Amém.

CONCEITOS X FUNDAMENTOS II

A Loucura de Março do basquete universitário americano realmente transcende a nossa percepção do que venha a ser basquete organizado em todos os sentidos. Mais agora, que pela internet podemos acessar todos os jogos, ao vivo e à cores. Dá gosto ouvir comentários de quem realmente entende do riscado, enxutos e objetivos, feitos por quem convive com uma realidade muitos furos acima da nossa. E por conta desse espetáculo anual imperdível, por pouco deixei passar uma notícia dada no Databasket intitulada “Testes físicos ajudam comissão técnica da sub-15 masculina”, publicada no dia 19 desse mês.

Custei a acreditar no que estava lendo, incrédulo e profundamente preocupado. Por longos e longos anos me dediquei à categoria Infanto-Juvenil, hoje chamada de cadetes, e que sucedia a de Infantís, com idades entre 13 e 14 anos, exatamente na faixa da atual Sub-15. Se no Infanto, a minha preocupação maior era a de ensinar e treinar jovens em uma fase decisiva em sua maturação como indivíduo, situado a meio caminho da puberdade, com suas drásticas modificações morfológicas e psicológicas, e sua propensão ao confronto com as gerações mais adultas, maior ainda eram minhas preocupações quanto àqueles jovens infantis, principalmente perante uma realidade competitiva, para a qual sua constituição física e nervosa ainda se encontrava em plena maturação. Por estes motivos, sempre me coloquei contra a competições de caráter nacional para as mesmas, aceitando com ressalvas as de caráter regional e estadual, assim como, sempre defendi a adaptação de algumas regras do jogo, a fim de adequá-las às características daquelas fases de maturação. Posse de bola mais extensa e participação obrigatória de todos os jogadores das equipes nos jogos, eram algumas das propostas que sempre defendi.

Em suma, sempre propugnei pelo ajuste de algumas regras no intuito de proteger e desenvolver a evolução técnica dos jovens, guardando os princípios de sua maturação e ritmo orgânico e mental.

Pois bem, está lá na matéria publicada : “Fizemos alguns testes para identificar o tipo físico, ossatura, envergadura, velocidade e impulsão dos atletas(?) e ver quem tem o perfil ideal para o basquete. Na verdade, nos dias de hoje, não é o atleta que escolhe o esporte, é o esporte que escolhe o atleta. Os resultados apontam as características morfológicas e motoras, dando subsídio para identificar talentos e aprimorar determinados aspectos. Vamos fazer um relatório, que será entregue aos atletas e seus clubes para que possam trabalhar os detalhes necessários”, explicou o preparador físico Fábio Ganime.

Ou seja, tenta-se voltar ao tempo da DDR, República Democrática da Alemanha, da República Popular da China, e mesmo da URSS, com seus testes em massa de jovens escolares, em busca de “talentos” que foram reduzidos a pequenas máquinas voltadas à propaganda de suas políticas, onde até a menarca de suas meninas era retardada em função de um pseudo desenvolvimento técnico nas quadras, piscinas e pistas do mundo, comprovando a excelência de seus projetos políticos e de educação. E todos sabemos no que deu tão estúpida e selvagem aventura. Muitos daqueles “atletas” ainda hoje padecem daquele “tratamento científico”. E como afirmei , não acreditei no que estava lendo, ainda mais por se tratar de uma seleção púbere. Revolta-me em particular a afirmativa de que nos dias de hoje não é o atleta que escolhe o esporte, é o esporte que escolhe o atleta. Esqueceram-se de um detalhe fundamental ao definir tal absurdo, o de que não se trata de atletas, e sim adolescentes, com seus sonhos e ídolos.

E foram mais sofisticados : “Realizamos o teste de velocidade com dispositivo de fotocélula para ver o tempo de deslocamento do atleta em cinco e 20 metros. Isso serve para identificar aqueles que podem puxar os contra-ataques, por exemplo(…)”.

Meus deuses, segundo eles, ser velocista caracteriza o puxador de contra-ataques, e não aqueles que dominam o drible e os passes velozes, fatores que independem de velocidade física, e sim percepção espacial em particular.

“(…)Os saltos verticais com plataforma verificam a impulsão dos atletas e nos mostram os que têm mais chances de garantir os rebotes(…)”.

E eu que sempre pensei que capacidade reboteira é uma qualidade fundamentada principalmente no domínio do binômio tempo-espaço, que em muitos casos transforma jogadores não muito altos em excelentes reboteiros, que ai sim, no caso de os reconhecermos, uma atividade de incremento de impulsão, na medida que a mesma não estabeleça uma quebra do binômio, sempre será admissível, mas nunca perante a ótica inversa como a proposta pelos testes mencionados, ainda mais em se tratando, repito, de jovens de 13 a 14 anos.

“ (…) Utilizamos o teste do “yoyo”(?) para verificar a resistência cardiovascular do atleta. Ele consiste em correr de um determinado ponto a outro, conforme o som emitido pelo aparelho. O intervalo entre um “bip” e outro vai diminuindo, levando o atleta a exaustão(…)”.

Exaustão? É isso mesmo que li, exaustão? Então está tudo errado no mundo da preparação física em nosso país, já que levamos jovens de 13 a 14 anos a estados de exaustão, numa fase em que seu corpo se encontra em evolução em todos, todos os sentidos, físico, estrutural, nervoso e psicológico, não tendo maturidade para enfrentar intromissões que violentem o ritmo evolutivo de seu organismo, o que poderá ocasionar sérios danos no futuro.

E concluindo, para o técnico Christiano Pereira, essa avaliação é um dos pontos fundamentais para o trabalho da equipe técnica. “Esse feedback é importante para a comissão técnica na hora de selecionar os doze jogadores para defender a seleção brasileira nos campeonatos internacionais. Com os testes, temos conhecimento do que cada um pode render em quadra e como podem ser úteis ao nosso esquema tático. Às vezes ficamos com dúvida em relação a dois atletas e nessa hora, o conceito físico nos ajuda a tomar a melhor decisão”, comentou Christiano.

Como vemos, para a seleção dos futuros jogadores do país, o que importa é o fato de serem úteis ou não ao esquema tático da comissão, que para o caso de dúvida sobre quem deverá ou não prosseguir na equipe, os testes dirimirão as dúvidas. Inaceitável, absurdo, comprometedor já seria se estivessem preparando equipes sub-19, e até sub-16, e não uma sub-15! No artigo anterior que publiquei, Conceitos x Fundamentos, em 3 de março desse ano, conclamei e desafiei a comissão técnica a transformar seus treinamentos numa inovadora clinica de fundamentos, que são os elementos básicos do jogo, e que qualifica os jogadores para os sistemas ofensivos e defensivos , dos mais simples aos mais complexos, onde aprenderiam as verdadeiras finalidades do jogo, e onde aprenderiam a amá-lo, por conhecê-lo no que apresenta de mais belo, o domínio do mesmo.

Quanta pretensão a minha, que por muito mais de 40 anos ensinei , não só os jovens jogadores, mais também jovens professores e técnicos a observarem o preceito mais primário do esporte, o respeito permanente e rígido aos limites de cada faixa etária, preparando-as para os degraus da evolução, que devem ser galgados com a calma e a precisão dos vencedores, não só nas quadras, como também na vida.

Estamos colhendo os efeitos nefastos da transferência das licenciaturas de Educação Física da área das Ciências Humanas para a da Saúde, com seu pragmatismo exacerbado e desconhecimento quase absoluto do humanismo, elemento fulcral das políticas educacionais de um país. Em 1972, quando essa mudança foi estabelecida, fui um dos pouquíssimos professores que se insurgiram contra a medida, prevendo exatamente o que vem ocorrendo nos dias de hoje. Vai ser difícil, mas não impossível, reverter tal quadro, ainda mais quando se trata de uma indústria, a do corpo, que segundo o Atlas da Ed.Física do Comte.Lamartine , movimenta 12 bilhões por ano no país.

No entanto, e por enquanto, sugiro aos pais de todos os jovens abaixo dos 15 anos que exerçam uma vigilância enérgica quanto à preparação técnica de seus filhos, seja em que modalidade for , exigindo que a mesma obedeça e respeite faixas etárias e princípios educacionais, principalmente quando se tratar de seleções representativas, municipais, estaduais e nacionais, pois somente dessa forma evitarão despropósitos e aventuras, nem sempre estéreis.

E que os Deuses protejam nossos sub-15 remanescentes.

Amém.

ARTIGO 400 – UM PREITO AOS QUE MERECEM…

Na semana passada recebi um régio presente com o envio de Portugal da única cópia existente do documentário que fiz sobre o Campeonato Mundial Feminino de 1971 em São Paulo, com sedes em Brasília e Niterói. Foi um filme em 16mm co-patrocinado pela ENEFD/UB (atual EEFD/UB), e a CBB. Filmei, editei, editorei e narrei-o numa aventura impensável nos dias de hoje. Mas foi feito e correu mundo, até que seus originais foram se deteriorando num canto de um lugar qualquer. Encontrei-os e corri para um laboratório profissional na tentativa de salvá-los. O orçamento foi de 6,500 reais em 2002, e por conta dessa quantia vultosa para meus padrões pedi ajuda da EEFD e da CBB, não encontrando disponibilidade financeira na primeira, e qualquer receptividade na segunda. Deixei os originais no laboratório e praticamente desisti de salvá-los. Com a copia recebida, voltei no laboratório e encomendei uma telecinagem pelo bom estado da mesma, e terei salvo o único documentário de técnica de basquetebol até hoje realizado no país. Soube que os originais foram enviados para a cinemateca do MAM, onde irei para a semana tentar, mais uma vez, salvar a obra.

Leia mais »

PREZADO MONCHO…

“Prezado Moncho, quero em nome de todos os técnicos brasileiros recepcioná-lo em nosso país, desejando sucesso em seu trabalho” – Foi com essa declaração que o técnico-comentarista, ou comentarista –técnico interrompeu o apresentador do programa Bola na Área da Sportv, no limiar das apresentações de praxe, deixando-o desconcertado. Com o pseudo aval da desunida comunidade técnica nacional, bem que poderia ter desejado os votos no seu nome em particular, antes de expor como auto denominado líder, uma opinião que não é unânime, e muito menos sua, apesar de reinvidicá-la sempre que de posse de um microfone. Logo a seguir imprensa por longos minutos o entrevistado, colocando-o ante suas concepções técnico-táticas no afã de vê-las referendadas e aceitas pelo espanhol, no que foi delicadamente contestado por posicionamentos sutilmente contrários ao que advogava, principalmente quanto à formula granítica de denominação de jogadores em 1,2,3,4 e 5. Foi nesse momento que o apresentador, didáticamente, explicou à massa ignara que aquela classificação numérica atendia a uma escala de altura dos jogadores, do mais baixo, o 1, ao mais alto, o 5 ! Realmente trágico, senão definitivamente constrangedor, e em rede nacional e à cores. Defendeu o técnico entrevistado, quase em tom inaudível, com uma tradução simultânea em off perfeitamente dispensável ante a afirmativa do mesmo que poderia se exprimir em português, que uma de suas concepções preferidas é a de atuar com três homens não muito altos, porém hábeis e velozes, e dois homens altos enfiados no garrafão, dando inclusive seus nomes preferidos, encabeçados pelo armador Huertas que se sobressai em sua terra natal. Nesse exato momento, o outro técnico-comentarista intervêm com uma colocação de transcendentalimportância para o futuro do nosso basquetebol – “Para você Moncho, qual a posição do Leandro, 1 ou 2 ?” – Com um sorriso de Gioconda, mal escondendo sua decepção faz o sinal da paz com os dedos, 2! Substituindo a palavra pelo gesto dimensionou a profundidade da pergunta, respondendo-a com o silêncio, através o sinal dos surdos.

Leia mais »

TRISTE,PORÉM PREVISTO,DESTINO.

Quantos de nós técnicos, pelo menos uma vez na vida, gostaríamos de treinar e fazer jogar uma equipe num ginásio condigno, tecnicamente adequado, com um piso, senão flutuante, pelo menos uniforme e aplainado, dando aos jogadores a firmeza e a certeza de que contusões poderiam ser minimizadas ante as exigências da intensa e brutal movimentação nas paradas bruscas, nos saltos sucessivos, nas intensas rotações, no arrastar antiderrapante de seus tênis, nas corridas com permanentes mudanças de direção, enfim, evoluírem num piso estudado e construído com esmero para eles? Pois é, por um pequeno lapso de tempo, numa arena gigantesca, nosso mal amado basquetebol pode privar de um solo em tais condições, ali num cantinho do autódromo do Rio, como se escondendo de sua destinação preconcebida por aqueles que o destinaram, não ao desporto, ao basquete em particular, mas aos shows, romarias, cultos de diversas religiões, e sabe-se lá quantas outras atividades que lá serão perpetradas.

Que técnico permitiria que uma senhora, do alto de seus abundantes quilos, calçando estiletes nos pés, distribuísse mossas pelo piso flutuante e macio, pelo simples fato de lá comparecer para idealizar formas de espetáculos nada desportivos, conforme atesta uma reportagem no suplemento Barra de O Globo, em 24 de fevereiro desse ano, num espaço que cálculos estimam em 2000 pessoas, que equipadas com estiletes iguais aos seus, o destruiriam numa única apresentação? E como avant-premiére da hecatombe que advirá, nem mais as demarcações de quadra subsistem, emoldurado pelos 15000 lugares em torno, como, não mais uma quadra de jogo, e sim um picadeiro de circo romano, para o Panis et Circenses que lá se instalará.

E já foi instalado, e continuará a sê-lo, pois em momento algum esse monumento ao desperdício, construído à sombra de verbas super faturadas, num total de 260 milhões, quantia essa suficiente para equipar todas as escolas públicas da cidade com um pequeno espaço coberto, uma piscina de 25 metros e uma mini pista de atletismo, equipamentos mínimos necessários em um país que se diz comprometido com a educação de qualidade, e projetos de força desportiva para o futuro.

Mas isso não interessa a elite de megalômanos que se apossou do esporte brasileiro, unindo suas vaidades aos interesses de construtoras, empresários do culto ao corpo e especuladores dos bens públicos, que são repassados aos mesmos por ninharias, gerando lucros que jamais reverterão ao interesse da população carente.

Onde estão as melhorias de transporte prometidas e que fundamentaram os projetos do Pan, e que voltam descaradamente à baila nos projetos do Mundial de futebol em 2014 e Olimpíada em 2016? A quem mais querem enganar, sentados nos refrigerados espaços do verdadeiro palácio em que se instalaram na Avenida das Américas, em meio ao estrangulado e caótico transito daqueles que tentam chegar ao trabalho todas as manhãs, órfãos dos transportes de massa prometidos e convenientemente esquecidos? Quando serão freados, antes que desencadeiem mais um crime contra a população, em nome de um absurdo progresso que passa a léguas de distância das mais básicas necessidades de nossos jovens em suas precárias e abandonadas escolas? Quando?

Mas, à sombra do que já foi feito, maquiavelicamente bem planejado, e magnificamente realizado, subsistem alguns detalhes que passam ao largo da compreensão do jovem desportista comum, aquele para o qual praticar, na medida do possível, uma atividade esportiva, nem sempre, ou quase sempre, im possível, principalmente dentro de suas carentes escolas, e que perenemente se torna vitima inocente da gangue do culto ao corpo. Já adulto, torna-se cliente de um sem número de academias, algumas tão gigantescas que se tornaram holdings no mega negocio, que seria inviabilizado em sua dimensão se existisse orientação de qualidade nas escolas, aspecto fundamental à cidadania, direito constitucional de todo jovem brasileiro.

Quanto ao basquetebol, do qual foi retirado o direito de ostentar o orgulho de ter o Ginásio Gilberto Cardoso, o Maracanãnzinho, como seu palco original e principal, por força de ter sido construído para o Mundial de 1953, e onde, dez anos mais tarde se sagrou Campeão Mundial, e que ostenta o nome do grande presidente do Flamengo, morto ao assistir uma final de basquete do campeonato carioca, que de conformidade com a declaração de um prócer do COB, ligado ao voleibol, passou a ser o palco de sua modalidade à partir do Pan-Americano, numa apropriação despropositada e provocativa, além de imerecida.

Não foi à toa que a Arena do Autódromo não recebeu um nome ligado ao basquete, como o complexo aquático ao lado, batizado de Maria Lenk, assim como em tempo algum, e de forma nenhuma, o COB jamais intervirá na auditoria das contas da CBB, que somente este ano alcançou a quinta cifra do montante destinado a todas as confederações, mais de 1 milhão de reais. Interessante, que por força de alguns de seus mandatários, ligados à natação, o complexo Maria Lenk passará a ser administrado pelo COB, legando a grande arena aos interesses empresariais. Ou será que, nenhuma chance deverá ser dada ao basquete, que por longos anos foi o segundo esporte no gosto do brasileiro, relegando o voleibol a uma posição secundaria, o que explicaria a bem vinda permanência do grego melhor que um presente à frente ad perpetuam da CBB?

Em verdade, quanto mais se estender o domínio da atual direção da CBB, mais amplo se constituirá o monopólio do vôlei entre nós, pois a par de sua inegável qualidade técnica, e de seus dirigentes e técnicos de ponta, a ausência de uma concorrência de peso, como foi outrora o basquetebol, sedimentará seu domínio, não só desportivo, como político-econômico. Logo, a declaração do grego melhor que um presente de que ainda mandaria no basquete por longos anos, se tornou conveniente a muitos olímpicos, não desejosos de riscos econômicos, políticos e de projeção de mídia, garantidos pela inépcia e irresponsabilidade do mesmo.E o pior, mesmo sabedor dessa conveniência, se mantêm, a qualquer custo no poder, pouco importando a qualificação da outrora brilhante modalidade, até o momento em que se tornar irreversível seu soerguimento, para tranqüilidade daqueles que já detêm o mando da maioria dos ginásios brasileiros, forrados com piso sintético, que senhora nenhuma calçada com estiletes ousaria pisotear. C’est La vie.

Amém.

DEBATES – OS CORTA-LUZES.

Encerrando essa serie Debates, abordaremos os corta-luzes, tendão de Aquiles da maioria dos jogadores brasileiros que o executam da forma mais primaria que se possa admitir, e que constitui quase uma unanimidade na forma mais primaria ainda de ensiná-lo. Sempre afirmei que no nosso país os corta-luzes são treinados, e jamais ensinados, originando nessa inversão de aprendizagem, uma situação híbrida, constituída de ignorância somada a arrogância daqueles que se imaginam dominadores de suas sutis técnicas, tanto por jogadores, como, e é lamentável, por muitos técnicos .

Seria interessante um debate profundo sobre essa técnica, responsável pelo sucesso, ou insucesso, da maioria dos sistemas táticos existentes.

E dando o tapinha inicial, republico o artigo que escrevi em 24 de junho de 2006:

O QUE TODO JOGADOR DEVERIA SABER 10/10

Que executar um corta-luz ou um bloqueio requer bons conhecimentos de mecânica corporal, sentido espacial,e principalmente atitude tática.Se deslocar com os braços juntos ou cruzados ao corpo, sugerindo ausência de intenções à faltas pessoais, mas deslocando o corpo no sentido do adversário visando cortar seu caminho, caracteriza não somente o ato faltoso, como anula qualquer vantagem conseguida por seu companheiro de jogada, pois a supremacia numérica no desenlace do movimento deixa de existir. A atitude mais comum em nosso basquete, e já bastante generalizada em todas as categorias, é a saída rápida de um dos pivôs para a além da linha dos três pontos, ao mesmo tempo em que o armador ou ala de posse da bola cruza com o mesmo em um movimento também muito rápido, no momento em que o pivô exerce um movimento blocante quase sempre em movimento, sobre o marcador do companheiro que dribla. Dois são os erros cometidos, o da movimentação do pivô se caracterizar em falta pessoal, e o armador seguir em frente marcado após a troca. O corta-luz corretamente executado propicia o bloqueio duplo dos dois defensores envolvidos na jogada, originando o escape livre do driblador, ou a fuga do bloqueador para a recepção do passe, e muito aquém do que se tornou lugar-comum, os movimentos podem, e muitas vezes devem ser lentos na construção do corta-luz, e rápido em sua finalização. Em outras palavras, o driblador deve encaminhar seu marcador lenta e pacientemente numa direção, ou local, em que ocorrerá o encontro com seu companheiro, de tal forma que o mesmo numa movimentação de pés em compasso, tanto prenda o marcador de seu companheiro, como junte ao mesmo o seu próprio marcador. Para tanto, o driblador ato antecedendo ao bloqueio mudará de direção, de tal forma que passe rente ao seu companheiro, originando dessa ação duas variáveis.A primeira, quando em velocidade de explosão mantiver os dois defensores atrás de si, permitindo sua livre investida à cesta. A segunda, raramente utilizada entre nos, quando o bloqueador ao se situar entre os dois defensores investir ele mesmo em direção à cesta concomitante ao passe executado por seu companheiro por cima daqueles. O primeiro corta-luz denomina-se “por fora”, o segundo, obviamente “por dentro”. São movimentos que não necessitam velocidade inicial, e sim em seu desfecho. O domínio espacial nesses sutís movimentos constitui o cerne do corta-luz bem executado, pois não são todos os jogadores que o possui, e quase nenhum sequer sabe utilizá-lo e desenvolvê-lo. O posicionamento futuro dos defensores em um trecho da quadra de jogo é o fator predominante para o sucesso de um eficiente corta-luz, e cabe em grande parte aos dois atacantes envolvidos no mesmo o direcionamento dos defensores no sentido da ação pretendida. O ponto futuro tão importante nos passes encontra na construção de um corta-luz sua dimensão maior, pois envolve destreza no drible, na finta, no bloqueio e no passe. O movimento em forma de compasso exercido pelo responsável nos bloqueios será sempre antecedente à movimentação do driblador, e nunca concomitante, pois dessa forma estará se movimentando no momento do bloqueio, o que caracteriza a falta pessoal. Por essa razão, o domínio espacial se torna fundamental, pois antecede a jogada que está sendo conduzida pelo driblador. Outrossim, essas movimentações podem e devem ser estabelecidas quando o corta-luz for realizado por dois jogadores sem a posse de bola. Jogadas do lado contrário a posição da bola deveriam SEMPRE obedecer a mecânica dos corta-luzes, sejam por dentro, ou por fora. Uma equipe bem organizada e treinada executará com eficiência, e muitas vezes ao mesmo tempo corta-luzes em situações antagônicas, dando a mesma um poder de ataque em que os marcadores dificilmente possam flutuar defensivamente, preocupados pela constante movimentação à sua volta. O bloqueio simples difere num ponto dos corta-luzes, ele é sempre realizado por dois jogadores sem a bola, geralmente no âmago do garrafão, e quase sempre em movimentação sagital à cesta. A função do bloqueio é a de retardar por uns momentos a ação defensiva, e não a anulação da mesma. Esse retardo pode propiciar um bom passe de fora para dentro do garrafão, e muitas vezes um bom atacante pode se utilizar de um outro marcador desvinculado visualmente de si para, num breve,porém rápido deslocamento lançar seu próprio marcador nas costas do mesmo, obtendo dessa forma de bloqueio espaço para sua jogada. O principal elemento técnico para quem exerce o corta-luz é o amplo posicionamento, o maior possível, de seu corpo e pernas, no intuito de oferecer um maior obstáculo aos marcadores, assim como, a maior qualidade que se exige ao driblador, ou não, envolvido na ação, é o de aproveitar ao máximo as possibilidades que em frações de segundo se apresentam em sua consecução. A atitude tática envolve basicamente o perfeito controle que possa ser exercido por sobre as variações nas velocidades de deslocamento, antes, durante e após o corta-luz, que se aproximará da perfeição quando construído com lentidão, desenvolvido com inteligência e concluído em velocidade. Mas, a maior qualidade dos corta-luzes para uma equipe, é grande possibilidade que os técnicos têm de desenvolver bons e efetivos exercícios aproveitando suas particularidades técnicas, as quais representam o ápice dos conhecimentos fundamentais do jogo, sem os quais nenhum jogador pode se considerar efetivo para sua equipe. Com esse artigo encerro essa série sobre fundamentos básicos. Oxalá tenham um bom proveito em seus treinamentos.

posted by Basquete Brasil @ 6/24/2006 10:47:00 PM

CONCEITOS X FUNDAMENTOS…

“Estamos iniciando uma nova geração nas categorias de base. O Sul-Americano Sub-15 classifica para a Copa América Sub-16 de 2009 que, por sua vez, garante vaga para o Mundial Sub-17 em 2010. Assim, temos que trabalhar essa geração com cuidado e antecedência, pois são muito jovens e inexperientes. Esta será a primeira de três etapas de treinamento, e os objetivos dessa fase inicial são desenvolver a parte física e introduzir os conceitos ofensivos e defensivos, para que assimilem bem o conteúdo. Além disso, convocamos um número bastante amplo de atletas para observarmos o potencial de cada um e desenvolver um trabalho a médio e longo prazo – explicou o técnico Christiano Pereira”.

Com este relato e posicionamento, o novo técnico das seleções de base da CBB inicia seu ciclo de influência na mais importante das categorias, aquela que definirá ao longo dos próximos anos o futuro da modalidade em termos nacionais e internacionais. E do alto de sua larga experiência, estudos e pesquisas, lastreado que está pela outorga que lhe foi designada pelo alinhamento político da FEBERJ com a CBB, delineado nas últimas eleições, quando o histórico estado opositor da situação confederativa, foi defenestrado, passando para a esfera de influência continuista da mesma. Como prêmio pelo bom e condescendente desempenho, é premiada com o comando da seleção Sub-15 masculina, a pedra de toque fundamental ao soerguimento do basquete no país.

E nosso experiente técnico inicia bem sua caminhada, que aliás, em seus primeiros passos, se alinha aos princípios técnico-táticos impostos de cima para baixo pela comissão sênior, como se fez corriqueiro nos últimos anos. Uma frase define esse propósito: “(…) Esta será a primeira de três etapas de treinamento, e os objetivos dessa fase inicial são desenvolver a parte física e introduzir os conceitos ofensivos e defensivos, para que assimilem bem o conteúdo (…)”. Ou seja, tudo aquilo que se pretende incutir de sistemas ofensivos e defensivos, disfarçados de conceitos, que se tornou marca registrada de todos os técnicos que assumiram nossas seleções nos últimos vinte anos, colocando-as dentro de amarras a serviço de concepções de propriedade absoluta dos mesmos, no auto-proclamado “princípios do basquetebol moderno” ( leia-se sistema NBA…), e que retira e afasta de saída aqueles jovens jogadores que não se adequarem a esse terrível critério. Anunciou-se a convocação de 39 jovens de vários estados, alguns deles de pouquíssima tradição em convocações, mas que contarão bons votos em futuras eleições e um ou outro convite para mudarem de estado. E o mais emblemático é que nenhum convocado pertence a equipe e ao clube do novo técnico.

Claro, que no decorrer da fase inicial de assimilação dos conceitos ofensivos e defensivos, somente aqueles egressos dos melhores centros, nos quais os fundamentos são levados um pouco mais à sério, continuarão na liça, sem maiores implicações de ordem técnica e ética para o corte dos demais, cumpridores de suas funções técnico-políticas.

Meus Deuses, mais uma vez se repete o que vem ocorrendo em outras convocações de divisões de base, onde a prioridade absoluta é a manutenção e imposição dos conceitos ofensivos e defensivos do jogo, e não a massiva prática dos fundamentos, formativos e corretivos, independendo de posições, estaturas e estados de origem, dados por competentíssimos mestres na arte de lidar com a bola, com o corpo, com a mente, para depois das fases planejadas, construir-se sistemas de jogo, sistemas de defesa, em concordância e adequação às características dos selecionados finais, e dos preteridos também. Nada mais absurdo do que sistemas apriorísticos, propriedade sufocante de uma geração de técnicos descompromissados com a dureza irreconhecida do ensino lento e gradual dos fundamentos, mas adeptos incondicionais dos resultados advindos de sistemas padronizados e pseudamente testados pela esmagadora maioria deles, e que mais do que claro, postos em prática em jogadores “peneirados”, fruto do trabalho dos trouxas da formação (parece inverossímil, mas existem…), exatamente dentro dos critérios que vem sendo adotado pela CBB e suas comissões de cunho político.

Desafio a novel comissão a adiar seus conceitos ofensivos e defensivos, trocando-os por uma histórica clínica, de preferência com a presença dos técnicos daqueles convocados, na qual ensinariam como se treinam os fundamentos, individuais e coletivos, suas minúcias, suas aplicabilidades genéricas e setoriais, dando aos jovens jogadores e seus técnicos a suprema oportunidade de aprenderem e apreenderem a arte dos fundamentos, deixando para a parte final o ensino dos sistemas, obviamente criados e adequados à luz da evolução técnica dos convocados em sua formação final. O contrário disso cheira a queima oportuna e descompromissada dos menos dotados tecnicamente, e a exposição pré-profissional dos mais talentosos, numa repetição tediosa e repetitiva do que vem ocorrendo sistematicamente por anos a fio. Os resultados desalentadores das divisões de base brasileiras é a prova mais do que cabal do fracasso dessa política protecionista e de nepotismo político, que substitui criminosamente o mérito pelo Q.I.

Lembro que, independendo de categorias e faixas etárias, seleções nacionais é tarefa para os melhores, os mais experientes, os mais reconhecidos pelos seus pares, principalmente nas de base. É a norma vigente naqueles países que lideram as modalidades esportivas no mundo.

E se vierem afirmar que treinarão conceitos ofensivos e defensivos num horário e fundamentos em outro, ainda assim mantenho o critério extensamente aplicado, estudado e pesquisado de que em categorias de base essa dualidade é didático-pedagogicamente inaplicável, pois denota aquisição de hábitos e rotinas díspares, e pré-dependentes, ou seja, só pratica com razoável precisão conceitos de jogo, aqueles com embasamento alicerçado nos fundamentos, e nunca o contrário. O resto é conversa fiada de quem sempre afirma que não tem tempo a perder com detalhes. É o campo fértil e onipresente das pranchetas de plantão, com seus inefáveis conceitos e soluções prét a porter.

Amém.

CAÇANDO MARAJÁS…

Para todos aqueles que não estão levando muito à serio o fato de que a Comissão do Congresso Americano para o controle do doping não esteja chegando nos calcanhares das duas ligas profissionais que mais resistem ao mesmo, a NHL e a NBA, ai está um artigo publicado no NYT de ontem, no qual o David Stern se sai com essa perola de cinismo – “Esta é uma área onde a legislação federal não é necessária”. Vamos ver até onde conseguirá protelar as investigações, que demoliram o futebol americano e o beisebol, sem contar com o atletismo, caçando medalhas olímpicas e recordes alcançados desleal e desonrosamente. Ai está a matéria:

Stern Urges Congress Not to Pass Testing Law

http://graphics8.nytimes.com/images/2008/02/28/sports/28hearing.span.jpg

Doug Mills/The New York Times

The commissioners and top union officials of the major professional sports leagues testifying at a House hearing on drug testing.

Parte superior do formulário

Parte inferior do formulário

Parte superior do formulário

E-Mail

Parte inferior do formulário

Article Tools Sponsored Byhttp://graphics8.nytimes.com/ads/fox/JUNO_88x31_10K_ANIMATED_1.23.8.gif

By THE ASSOCIATED PRESS

Published: February 28, 2008

WASHINGTON (AP) — N.B.A. Commissioner David Stern was not about to back down.

Skip to next paragraph

Related

Investigation of Clemens Is Sought (February 28, 2008)

Reporters Seeking Reaction From Clemens Receive Brushback (February 28, 2008)

http://graphics8.nytimes.com/images/blogs/bats/bats163.gif

http://graphics8.nytimes.com/images/blogs/bats/bats75a.gif

Keep up with the latest preseason news on The Times’s baseball blog.

Go to the Bats Blog »

M.L.B.

Yankees

Mets

Enlarge This Image

http://graphics8.nytimes.com/images/2008/02/28/sports/29hearing2.190.jpg

Doug Mills/The New York Times

Donald Fehr, left, the head of the major league players union, with Commissioner Bud Selig.

Summoned to Capitol Hill to discuss whether Congress should legislate drug testing in the major professional sports leagues, Stern took exception Wednesday to lawmakers’ remarks and stood up for his colleagues from the N.F.L., the N.H.L. and Major League Baseball.

“This is an area where federal legislation is not necessary,” Stern told the House Energy and Commerce Subcommittee on Commerce, Trade and Consumer Protection.

The hearing was upstaged by another panel. The Committee on Oversight and Government Reform asked the Justice Department to investigate whether Roger Clemens lied when he denied using steroids and human growth hormone at a sworn deposition Feb. 5 and at a hearing Feb. 13.

Wednesday’s hearing produced the rare appearance of the four commissioners sitting side by side with their sport’s union chiefs: Bud Selig sat near Donald Fehr, and Stern was next to Billy Hunter. Then there was the N.F.L.’s Roger Goodell and Gene Upshaw, and the N.H.L.’s Gary Bettman and Paul Kelly.

All tried to convince skeptical lawmakers that their leagues had taken steps to thwart steroid use and were awaiting a dependable way to detect human growth hormone, preferably through a urine test and not a blood test.

“In spite of the fact that they want to pronounce that they have it under control, I still think that it’s not fully under control,” said the subcommittee’s chairman, Representative Bobby Rush, Democrat of Illinois. “And we have to do more.”

Baseball had the most to prove, having implemented a stringent steroids policy only in the past few years. The N.F.L. began addressing the problem two decades ago, and the N.B.A. and the N.H.L. said steroid use was virtually nonexistent in their sports.

All four leagues have toughened their drugs policies since 2005, when many of the same witnesses — including Stern — testified before the same subcommittee. Several bills were introduced in the House and the Senate after that session, but none came close to becoming law.

“Let’s get it right this time,” Representative Joe Barton, Republican of Texas, said. “Let’s go ahead and get something into law that is acceptable. It’s no fun having this hearing every two to three years.”

That was when Stern interrupted, breaching protocol to point out the progress that had been made. “The sports leagues have gotten it right in the intervening three years,” he said.

Representative Marsha Blackburn, Republican of Tennessee, said: “Mr. Stern, I would suggest that we have not gotten it right enough. If we had gotten it right — if you all had gotten it right — we would not be here again today.”

Blackburn said the leagues should be doing more to stem substance abuse at the grass-roots level, and her comment to the witnesses that “you all have been very well coached” piqued Stern further.

“Enormous progress has been made,” said Stern, who referred to the “voluminous, uncoached record” of material made available to the subcommittee.

The commissioners and the union heads agreed that collective bargaining was the best way to address the drug problem, rather than a law from Congress that would apply to all sports.

Rush disagreed, saying the subcommittee would continue to pursue legislation. But he was not specific. “At the Olympics, they deal with a multitude of sports,” Rush said. “And they seem to come up with a pretty good way of looking at the differences but also the similarities.”

Selig said he met with Fehr and a group of players to discuss the recommendations of George Mitchell’s report. Selig said he hoped the “ongoing” talks produced a more transparent and flexible drug-testing program.

Rush said he was “extremely disappointed” that Vince McMahon, the World Wrestling Entertainment chairman, declined an invitation to testify. “Steroid abuse in professional wrestling is probably worse than in any professional sport or amateur sport,” Rush said.

A second panel included officials from the United States Olympic Committee, the United States Anti-Doping Agency, the National Thoroughbred Racing Association and the N.C.A.A. president Myles Brand.

More Articles in Sports »

TEORIAS…

At 11:12 PM, Anonymous Anônimo said…

“Prezado Prof.Paulo Murilo,

Hoje fiquei perplexo do que escutei durante o jogo Flamengo x Vasco, primeiro apesar de ser mengão vi o técnico de Brasília dar um show(…) Mas o que me causou perplexidade foi a informação que o Neto assumiu o Ulbra de SP, com dedo da CBB, com o seguinte missão de levar o filho do Manteiga para o nacional e caso venha ser o técnico da seleção ou da comissão levar o filho do cara para seleção. Joguei contra ele aqui no Rio, ele é bom jogador mas dai ir para seleção esta longe, ainda que ficou quase um ano sem jogar. Adivinhem quem vai dançar? começa com N…..O. Adivinhem qual será a justificativa? Estou começando agora no basquete estou perplexo com o mínimo que tenho presenciado de comentários abertos nos ginásios.

Gustavo Silva”

Esse comentário foi postado no artigo ETECETERA E TAL… que publiquei no dia 21/11/2007, por um dos mais assíduos leitores do blog, e que apesar da postagem constar como anônima, fato que inviabiliza a publicação, segundo critério de não aceitar comentários apócrifos, vem assinado ao término do mesmo, corrigindo uma falha de acesso, não só do missivista, como de alguns outros que encontram a mesma dificuldade técnica para personalizar os comentários.

Aceito o comentário, apesar de ácido e de contundência marcante, temos de admitir que muito além de se tratar de uma menção fundamentada na teoria da conspiração, tem muito a ver com uma outra teoria, a do boato progressivo, aquele que reflete opiniões desencontradas, mas que projeta possibilidades insuspeitadas, o sempre presente Vox populi,Vox dei, principalmente o referente à equipe da Ulbra, senão vejamos e analisemos: Ontem foi publicado um ofício daquela instituição universitária, que conveniada com o Clube de São Bernardo disputou o campeonato paulista, se sagrando vice-campeão, para logo a seguir desfazer o convênio ( e aqui cabe um adendo, a Ulbra é uma universidade sulista, e que se situa no rol dos adeptos da atual presidência da CBB…), e refazê-lo com a equipe de Rio Claro, que passará a partir de hoje a competir no campeonato nacional, quando os demais clubes envolvidos na competição já disputaram cerca de dez rodadas! ( Como é possível uma equipe participar de um campeonato nacional somente à partir da décima rodada? Como?) No ofício citado, o contencioso da instituição descobriu (por que somente agora?…) que um item contratual com a SPORTV proíbe que uma equipe dispute dois torneios de caráter nacional no mesmo ano( E quem define isso é uma emissora de TV e não a CBB? ), e por isso a valorosa universidade, junto ao clube rioclarense, estaria alijada da primeira competição da nova Associação de Clubes de Basquete, reunindo os oito clubes fundadores, incluso o recém desmembrado Ulbra-S.Bernardo, que sem equipe, já que transferida para Rio Claro, se vê literalmente pendurado na brocha.

Mas um dado inquisitivo situa o boato progressivo mencionado pelo leitor Gustavo em seu comentário, num patamar constrangedor, o de que o técnico da equipe camaleônica é o mesmo já apontado, oficiosamente, como o assistente do espanhol contratado pela CBB, e que sua nova equipe, ao disputar o torneio nacional, será aquela única equipe paulista, capaz de ceder técnicos, jogadores e dirigentes para comporem a seleção brasileira, que disputará as competições internacionais deste ano, Pré-Olímpico inclusive. Quanto às demais equipes paulistas, vigorando o critério que afastou e liquidou a NLB num passado recente, ficariam fora do processo referente às seleções. Lembremo-nos mais uma vez, que por força desse critério, testemunhamos uma das transferências mais esdrúxulas de que temos noticia, por parte de um jogador, que ao trocar um clube da NLB por outro aliado à CBB, garantiu sua convocação para a fracassada seleção do mundial e pré-olímpico de 2007, igualzinho ao que vemos se repetir agora, só que um pouco mais ampliado, já que envolve, não só jogadores, como clube e técnico. E não será surpresa nenhuma uma “saudável” corrida de jogadores para se candidatarem à nova equipe, inclusive os ligados a clubes da ABCB, apaniguados e oportunistas, sem esquecermos os de Q.I. elevado e base de interesses políticos e pessoais inquestionáveis, se confirmadas as teorias, torcendo para que não passem de inocentes especulações.

Será um gostoso exercício aguardarmos o desenrolar dos fatos, para então concluirmos quais teorias podem representar algo de factível, se a da conspiração, ou a do boato. Por mim fico com a sabedoria popular, em latim ou português, Vox populi, Vox dei, a voz do povo é a voz de Deus.

Amém.

FALANDO DE SELEÇÃO…

“E ainda tem gente que escreve e comenta que o basquete brasileiro está acabado, e que os melhores jogadores estão atuando lá fora. Não é o que estamos vendo nesse campeonato, com jogadores de ótima técnica e grandes atuações. Que formidável jogo o que estamos assistindo”, afirmava o comentarista da ESPN Brasil na transmissão da final paulista.

Concordo com ele, e vou um pouco mais além, quando proponho que seja constituída uma seleção brasileira com somente jogadores que atuem no país, para treinarem de março até julho visando o Pré-Olímpico. Reunindo-se em fins de semana, e nos intervalos dos campeonatos, até que pudessem se concentrar nos treinamentos integrais dois meses antes da grande competição. Seria um desafio às qualidades técnicas e didático –pedagógicas do técnico espanhol escolhido para aquela difícil tarefa. Com hérnia ou sem ela, com assistente brasileiro ou não, se comunicando em espanhol, portunhol ou checheno, não importa, mas com razoável tempo para elaborar um bom plano de jogo e uma boa sincronia de equipe. Se não pudesse assumir tal tarefa, já que apalavrado e compromissado com os nomões de plantão, que um dos bons técnicos brasileiros fosse escalado, para este, que na minha humilde opinião, é o único modo plausível de se preparar uma seleção que tivesse como alvo uma difícil classificação olímpica.

Quanto aos delfins e cardeais, somente disponíveis e recheados de exigências e disposições nem sempre condizentes a atletas em suas melhores condições físicas e técnicas, que ao se apresentarem um mês antes do embarque(se é que poderiam atender às convocações aqui em sua terra…), disputariam democraticamente suas vagas em uma equipe razoavelmente treinada e ajustada, onde os mesmos (acredito que uns cinco no máximo…) poderiam somar suas qualidades e experiências para o reforço da seleção, e, o mais importante, contribuindo decisivamente para o desaparecimento, que se faz tardio, dos celebres e negativos “grupos fechados”, que tanto prejudicaram o nosso basquete nos últimos torneios internacionais.

Armadores como o Valter, Helio, Mateus, Fúlvio, Alfredo, Fred, somados a alas como Di, Marcio, Rogerio, Biro, Felipe, e a pivôs ágeis e moveis como Druri, Probst, Estevão, Maozão, Bambú, e outros que completassem uma lista inicial de vinte jogadores, plenos de vontade e determinação em defender a seleção, constituiriam o núcleo básico desse trabalho ao longo dos quatro meses mais importantes e decisivos para as nossas pretensões no restrito universo freqüentado pelas potencias do basquete internacional, ao qual pertencemos num passado não muito distante, e do qual nunca deveríamos ter saído.

Mas claro, que se trata de uma abstração aqui do velho técnico, que à margem e fora do circulo mandatário dos destinos do grande jogo, se mantém, exatamente pela distância de tão absoluto poder, a cavaleiro de situações espúrias e viciadas pela mais abjeta política desportiva de que temos noticia nas últimas duas décadas, manchadas e vilipendiadas por indivíduos descredenciados e despreparados dos mais ínfimos princípios diretivos e éticos, e que somente tem os estrábicos e míopes olhos voltados para seus intumescidos umbigos e egos convenientemente voltados às maiores ou menores vantagens que possam vir a auferir, política e economicamente.

A equipe de Franca, mesmo longe de repetir a última partida em seus domínios, teve suficientes trunfos para levar de vencida a de São Bernardo, dando continuidade ao renascimento do jogo veloz, sem deixar de ser controlado, da defesa na linha da bola, com os pivôs adversários tendo de fugir de suas posições pela marcação à frente que enfrentavam, da dupla armação de qualidade, da reescrita historia de um ala veterano, e principalmente, da contenção e objetiva direção de um técnico veterano, que aposentou a impessoal e fria prancheta, substituindo-a pelo dialogo olho no olho, e pela coerência diretiva ao exigir o que foi realmente treinado. Parabenizo a todos pelo muito bom e honesto trabalho.

Amém.