A ARTE MAIOR DA IMPROVISAÇÃO…

 

A algum tempo atrás publiquei o artigo que mais adiante coloco para todos aqueles leitores (ou não…) que daqui a uma hora assistirão o inicio de mais um NBB, onde situações táticas e técnicas oscilarão em torno de um compendio de mesmices, que de tão batidas e repetidas nos NBB’s antecedentes já se tornaram moveis e utensílios do que qualificam de “basquete moderno, ou internacional”, numa pasteurização, não só de termos, mas de ações, ilógicas e equivocadas em sua maioria, em torno de chifres (pra cima, pros lados, abaixo…), cabeças, camisas, calções, high/low, 2 pra baixo (e claro, pra cima…), pick’s de varias matizes (que só funcionam nas pranchetas…), e outras mais denominações de jogadas “exaustivamente” treinadas, mas de tanta “complexidade” que necessitam ser constantemente revisadas e rabiscadas nas benditas….Isso, luminosas e midiáticas pranchetas…

P1050763

 

 

Então, vamos ao artigo, esperando que agora, com a proximidade intervencionista da poderosa NBA, possam nossos estrategistas pensarem um pouco sobre uma realidade para a qual a maioria esmagadora deles sequer desconfiam, quanto mais, preparados, de verdade…

 

 

IMPROVISANDO…

 

sexta-feira, 29 de maio de 2009 por Paulo Murilo-

 

Em 3 de outubro de 2004 publiquei o artigo SÓ IMPROVISA QUEM SABE , onde traçava um paralelo entre o estilo musical do jazz e o comportamento de jogadores de basquetebol no ato de improvisar em torno de um tema central definido no caso musical, e nas ações decorrentes de um sistema básico de jogo e suas infinitas possibilidades de jogadas fundamentadas no conhecimento comportamental dos adversários e no perfeito domínio dos fundamentos.

 

Leia com atenção, e depois acesse o site a seguir para deleite de uma brilhante exposição do músico Winton Marsalis, o mesmo que estabeleceu a pesquisa de opiniões contidas e discutidas no artigo acima indicado.

 

Video: Rhythms of Basketball and Music

 

E agora, você que é técnico, professor, jogador, jornalista, ou mesmo um simples entusiasta do grande jogo, reflita com isenção e espírito desarmado, o quanto de belo e complexo define um jogo que em hipótese alguma pode ficar limitado e acorrentado a esquemas coreográficos e de rigidez técnico comportamental, exercidos por técnicos que se definem através de equivocados comandos, explicitados confusamente em prosaicas pranchetas e seus hieróglifos rabiscados.

 

E que de uma vez por todas deixem fluir a criatividade alcançada através exaustivos treinamentos, conhecimento real do processo técnico tático, e do mais profundo domínio dos fundamentos básicos do jogo, que são os autênticos e indiscutíveis fatores para a constituição séria e confiável de uma verdadeira equipe.

 

Claro que não é para qualquer um ter de assumir tal responsabilidade, pois como afirmei no inicio, só improvisa quem sabe.

Amém.

Foto – Reprodução da Tv. Clique na mesma para ampliá-la.

 

 

2 comentários

 

  • Gil Guadron 31.05.2009·

  • Como amante de la musica Jazz ,y Winton uno de sus mejores exponentes, me agrado el planteo. — solo improvisan los grandes, los maestros de los fundamentos –.

  • Abrazos.

  • Gil

  • Basquete Brasil 31.05.2009·

  • Oi Gil, então somos dois os amantes do Jazz, e ainda mais, amantes e defensores do pleno dominio dos fundamentos, que é o argumento definitivo dos grandes improvisadores. Um abração, Paulo.

O NOSSO PRESENTE…

 

fotojump©nelsontoledo-9484-660x404

fotojump©nelsontoledo-9676-660x389

No ano passado, quando da temporada da LDB, teci fortes comentários sobre a deficiência brutal nos fundamentos do jogo por parte da esmagadora maioria dos jogadores, numa idade em que já deveriam apresentar pleno conhecimento dos mesmos, e a caminho do seu mais completo domínio, fator que naquela altura não se fazia presente, tendo, inclusive, publicado números aterradores, como a média de todos os jogos em erros fundamentais, que alcançaram a cifra absurda de 28 por partida realizada…

Agora, bem no começo de uma nova temporada, por curiosidade numérica, já que privado de assistir a qualquer um dos 10 jogos diários (pelo menos 2 poderiam ser veiculados pela internet, a um preço perfeitamente coberto por parte da verba oficial, em vez de alocá-la em equipes que lá estão perdendo de 40 pontos, ou mais, praticamente em idade adulta, num desperdício de tempo e técnica), mas atento às estatísticas diariamente publicadas, onde, mesmo me privando de qualquer análise de sistemas de jogo, constato que aqueles mesmos erros de fundamentos apontados a um ano se repetem, e de forma ascendente, bastando uma simples continha percentual sobre 27 jogos iniciais do torneio, onde a media alcança absurdos e imperdoáveis 36,9 erros de fundamentos por jogo!!

Frente a tão clamoroso número, fico me perguntando como ser possível que ainda possam existir pranchetas sendo rabiscadas freneticamente com pseudas e “exaustivamente” treinadas jogadas, na vã e quase ingenuidade infantil de que surtam efeito pratico, se na consecução das mesmas se encontram jogadores que não sabem driblar, passar, fintar, bloquear, marcar, saltar e arremessar com relativa precisão, a fim de exequibilizar, pelo menos, um simples corta luz, um básico dá e segue, uma cobertura na linha da bola, um passe no tempo certo, um arremesso pensado e equilibrado, um bloqueio não faltoso, uma mudança assíncrona de direção, uma anteposição corporal, e não visual, em um rebote, um domínio das visões angulares e periféricas, num todo de fundamentos coletivos, que se presentes, os equipariam com as ferramentas necessárias e exigidas pelos sistemas ofensivos e defensivos de jogo, sejam de que escolas e estilos que fossem, para que funcionassem efetivamente…

Mas não, o “preparo tático” tem de prevalecer, sendo, inclusive, a bandeira maior dos técnicos da elite, aquela que pauta os comportamentos da turma que se inicia, jogadores e aspirantes a técnico, numa espiral às avessas de todo um processo de qualificação do grande jogo, aqui, hoje, minimizado em sua grandeza, trocado no escambo do imediatismo suicida e autofágico da mesmice endêmica em que se encontra, bastando como cruel comprovação a realidade obtusa de 36,9 perdas, em media, de bola por jogo, naquela exigência básica e fundamental para todo aquele que anseia jogá-lo para valer…

Acredito que, se somarmos a tantos erros e equívocos no conhecimento, ensino, aprendizagem e prática dos fundamentos, às doses letais das perdas nos longos arremessos, que se tornou um cultuado feitiche midiático, assim como as enterradas, ambas consideradas o ápice do basquetebol, por aqueles que nada, absolutamente nada, entendem do grande jogo, e mais uma generosa pitada de como não defender tecnicamente falando (para alguns, defender é ter 90% de vontade e 10% de técnica, quando na realidade, é exatamente o contrário), para termos o exato retrato de como nos situamos interna e externamente perante o apaixonante, complexo e altamente técnico universo do grande, grandíssimo jogo…

Amém.

Fotos – Divulgação LDB. Clique nas mesmas para ampliá-las.

PERDENDO UM JOGO GANHO…

P1080373-001P1080384-001P1080387-001P1080394-001P1080396-001

Dediquei um tempo para assistir a estréia do CEUB na Liga Sul Americana contra a equipe do Sporting do Uruguai, e confesso que me arrependi pela escolha do que já sabia de longa data, o fato de que absolutamente nada de novo assistiria, e o inusitado, pior frente ao que era…

 

Uma equipe que atuando dentro do perímetro converte 28/40, rivalizando com um oponente que produz um sólido 29/54, que o faz arremessar 37/42 lances livres, e que de uma forma absurda se concentra num 8/27 de bolas de três (os uruguaios tentaram 4/7), perde um jogo exatamente por propiciar um desperdício infantil e irresponsável de 20 bolinhas, onde a simples atitude de substituir, pelo menos, a metade delas por arremessos lá de dentro, a faria vencer o jogo com alguma folga, apesar dos 16 erros de fundamentos (como se enrolam quando pressionados quadra inteira), com os orientais errando 17…

 

Mas não, os “especialistas” das longas e quase sempre imprecisas bolas não admitem, sequer, serem contestados em suas decisões, repito, infantís e irresponsáveis, faltando somente um pormenor, o de terem (ou não?) a anuência de seu técnico para tanta e descabida hemorragia…

 

E por ai vamos de jogo em jogo, de uma mesmice apavorante, mas agora bem mais recheada de mídia e presença televisiva, que nos presenteia com uma convergência de arrepiar, num segundo jogo, onde a forte equipe de Bauru enfrentava uma outra de aeroporto colombiano, fraca e desconjuntada, apresentando solenemente 23/33 arremessos de dois pontos e 13/33 de três, sinalizando com propriedade o que assistiremos daqui para frente, a cores e som estereofônico…

 

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

 

 

 

P1080402-001

O “APRENDIZADO”DE 40 PONTOS…

P1080341-001P1080346-001P1080348-001P1080354-001P1080355-001P1080365-001P1080368-001P1080369-001

“Não me lembro de quando foi a última derrota do Flamengo por uma diferença tão grande. Mas sabemos que a experiência de ter vindo jogar aqui na NBA faz isso ficar um pouco de lado. Sabíamos do poder físico e defensivo do time do Memphis e vimos isso hoje em quadra. Eles não deixaram a gente jogar”, analisou o técnico flamenguista José Neto.

 

“Não perdemos nada aqui na nossa passagem pelos Estados Unidos, pelo contrário. Nós ganhamos em experiência, em qualidade e temos que ver tudo pelo lado positivo. Mesmo com uma derrota como essa que tivemos tem muita coisa que podemos levar para o bem e para a nossa temporada que está só começando”, completou o comandante rubro-negro.

 

Autor de 17 pontos, com direito a cinco bolas certeiras da linha de três pontos, o experiente ala Marcelinho Machado liderou o ataque flamenguista e deixou a quadra como o cestinha da partida. Com 14 e 13 pontos, respectivamente, o ala Marquinhos e o pivô norte-americano Jerome Meyinsse foram os outros bons pontuadores do time rubro-negro. Quem também merece destaque é o armador Gegê, responsável por nove pontos e seis assistências.

 

“Ninguém gosta de perder, ainda mais pela diferença que foi. O lado físico pesa muito quando você joga contra um time norte-americano e isso complicou muito nosso o trabalho. Eles tiveram o domínio dos rebotes. Mas a experiência foi muito boa, não só para o Flamengo mas como todo o basquete brasileiro”, declarou o cestinha Marcelinho.

 

(Matéria publicada no site da LNB em 18/10/14)

 

Pois muito bem, como vemos acima, são declarações curiosas e imaginativas, quando um técnico afirma não ter o adversário permitido que seu time jogasse, pelo seu poder físico e defensivo mostrado em quadra, como se não soubesse o que iria enfrentar, como se não tivesse tido acesso a históricos e vídeos de seus jogos, tendo pleno conhecimento de seus sistemas de jogo. Simplesmente não deixaram sua equipe jogar porque em momento algum se viram agredidos no âmago de sua defesa, e a partir do momento em que passaram a contestar seus armadores (foram 31 erros de fundamentos, 31!!) e os longos arremessos, ( foram 11/32 de 3 contra 5/14 do Memphis) dispararam na contagem, face a uma defesa amorfa e falha em cada posicionamento individual, assim como no grupal, fatores esbanjados a mil por seu adversário…

 

O vigor físico, por si só, não justifica tanta diferença técnica, tanta discrepância tática, a não ser por um enfoque decisivo, o de estar desprovida sua equipe, exatamente de sistemas de jogo diferenciados, pelo menos ofensivamente (o que compensaria um pouquinho a grande falha nos fundamentos), já que utente fiel do mesmo sistema praticado pelo Memphis, e todos os outros que enfrentou neste “périplo de aprendizado”, como agora defende depois de zerar em vitórias…

 

Afirmar que ganharam em experiência, ainda posso admitir, mas em qualidade, como, se falharam bisonhamente nos fundamentos individuais e coletivos também, como? Concordo quando afirma que algo está sendo levado para o bem da equipe, mas que não sejam mais táticas e jogadas para serem coreografadas na prancheta, mas o senso, melhor, o bom senso de admitir que um sério e forte trabalho de fundamentos tem de ser implementado na equipe, exemplificando para as categorias de base a estratégica importância de sua premente necessidade, vital necessidade, pois se eu, numa humilde e desprestigiada equipe capixaba pude fazê-lo com excelentes resultados, por que não ele na equipe que tudo ganhou, menos quando enfrentou a turma de agora? Creio que seja essa a grande lição lá aprendida , que para ser decisiva terá de ser apreendida também…

 

Os dois últimos parágrafos da matéria acima, demonstram com clareza o “pretígio” das pontuações, da artilharia de fora, sem tocarem no aspecto defensivo, a grande falha do atual basquete brasileiro, fruto de uma idealização midiática dos longos, imprecisos e especializados arremessos, irmanados ao “momento mágico” do jogo, as enterradas, ambas somente antagonizadas por defesas eficientes, por defensores eficientes e talentosos, por técnicos que realmente conotem importância vital no preparo de melhores defensores, de melhores sistemas defensivos, como a linha da bola, magistralmente mostrada neste último jogo pela equipe americana, e que a algumas décadas professo e defendo sua utilização entre nós…

 

Por último, me desculpem os mais assanhados com o “momento histórico” vivenciado pelo Flamengo na terra da NBA, pois vejo como inadmissível derrotas de 40 pontos entre equipes de alto nível, a não ser como produto de uma postura de falsa humildade frente a fatores circunstanciais conhecidos por quem conhece do riscado, e não se deixa enganar por factóides em tudo, e por tudo, na contra mão de nossas reais e possíveis necessidades. Urge que evoluamos na preparação da base, o grande segredo da turma do norte com seus high scholls, colleges, universities, alimentando continuamente seu projeto hegemônico do grande jogo em escala mundial, e que somente poderão ser enfrentados com argumentos tão ou mais fortes dos que professam, através a preparação fundamental dos jovens centrados num projeto nacional de educação integral nas escolas, clubes e comunidades, e da busca técnico tática diferenciada do que praticam…

 

Não à toa, quando se sentiram ameaçados pela perda de Mundiais e Olimpíada, foram buscar na universidade aquele mestre que pudesse reconduzir o barco desgovernado, e o fez contradizendo muitas tradições e dogmas cristalizados na maneira de atuar e jogar de jogadores profissionais de seu país, mas que, ironicamente, vemos acontecer aqui, o processo continuista do modo de jogar que abandonam cada vez mais. Infelizmente, continuamos a errar por omissão, e pela não aceitação e reconhecimento de que algo tem de mudar, mas que não mudará enquanto for mantido o corporativismo cruel, formatado e padronizado que nos fazem tão previsíveis e equivocados…

 

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

 

 

 

UMA VEZ MAIS AS CONTINHAS…

P1080298-001P1080310-001P1080311-001P1080312-001P1080316-001

Você viu Paulo, o Marcelo meteu 6 de 3 no Orlando com 50% (6/12) de aproveitamento, que tal?

 

Bem, você está esquecendo de mencionar que esses 6/12 vieram de um total de 9/31, que diminuídos das bolas de 2 da equipe (51-31) perfizeram  20 desperdícios, que se fossem aproveitados a metade por tentativas de 2 estariam num jogo que perderam de 18. Enquanto isso, os Magics somente arremessaram 6/11 de 3 e 36/67 de 2, errando muitas das bolas por ainda estarem em pré temporada, fato comprovado pelos 23 erros de fundamentos contra 21 do Flamengo, totalizando 44 erros num jogo de elite, o que é demasiado…

 

Como vimos, faltou ao ao nosso suit coach, por mais uma vez, elaborar aquelas continhas que conotam vitórias, claro, como base fundamental de um sistema de jogo que as leve em consideração, no qual uma contumaz hemorragia de três não teria lugar em hipótese alguma, mesmo que sua estrela maior pensasse o contrário, que é similar àquelas enterradas cinematográficas com times perdendo de 30, como já vimos muitas vezes acontecer por aqui…

 

Vimos também, uma equipe da NBA professando rigidamente o sistema único, porém convergindo decisivamente para dentro do garrafão, face ao grande domínio que possuem nos fundamentos, enquanto optamos pela artilharia externa, mesmo tendo bons e ágeis pivôs como o Meyinsse, o Felicio e o Hermann, que ficou muitas vezes perdido na armação fora do perímetro, face ao pouco prestígio que professam junto aos especialistas dos três,o que é lamentável…

 

Esse fato faz com que me recorde de uma recente declaração do técnico do São José – (…)  Nas duas primeiras semanas que eu estava fora era pra trabalhar apenas com a parte física e agora era pra estarmos no treino com treino tático. Infelizmente com o problema do Caio, do Dedé e dos americanos que poderiam estar aqui, achei inviável manter a parte tática com os meninos sub-17, devido à diferença muito grande. Então resolvi dar fundamentos com o físico e fazer esses jogos-treino com os sete que tenho aqui. Precisamos dar ritmo de jogo e dar a eles a química do jogo. Foi o que me restou fazer – afirmou o comandante.(…)

 

numa prova cabal do prestígio “quebra galho”que a prática sistemática dos fundamentos tem entre nós, e na elite, quando fico imaginando o que ocorre na formação, e o resultado está sendo mostrado na terra de quem os utilizam a não mais poder, exceto pelos dois argentinos e o americano, que ainda os tem em boa conta…

 

Mas o espantoso ficou por conta dos rebotes, 50 (13/37) para eles e 31 (5/26) para os rubro negros, que não poderiam conseguir números melhores face aos sistemas utilizados, iguaizinhos aos deles, mas com a suprema diferença apontadas acima, num derradeiro confronto de técnicas individuais e singelas continhas aritméticas…

 

Mas o que dói mesmo, e com intensidade, é saber que se aproxima mais um NBB/NBA (?), onde tais continhas e sistemas caóticos e manjados não terão confrontação direta, a não ser por uma pálida esperança de que um Pinheiros, agora dirigido por um Marcel, que desde sempre propugna por algo inovador e corajoso, e pelo qual torço ardentemente, faça acontecer algo novo, e que venha resgatar a mediocridade estabelecida desde sempre entre nós…

 

Ontem foi o dia do professor, minha profissão primeira, absoluta e incondicional, onde o reconhecimento é tardio ou inexistente, por se tratar a educação um investimento a longuíssimo prazo, mas que de vez em quando promove um encontro ou uma pequena lembrança, como a do Washington Jovem, que foi meu assistente no Saldanha da Gama no NBB2 :

Professor Paulo Murilo,

Venho aqui parabenizá-lo pelo dia especial que hoje comemoramos, o  seu dia professor, quero aqui agradecer o convívio mesmo que por tão pouco tivemos, mas que  valeu muito a pena. Aprendi muito e vou levar por toda vida. Fica aqui o meu abraço.

Do seu assistente

 Washington Jovem

   demonstrando que nunca é tarde para sermos um pouquinho lembrados. Obrigado Washington, obrigado professor.

 

Amém.

 

 

 

“INDO ALÉM DA BOLA LARANJA”…

P1080285-001P1080286-001

Nossa mídia basquetebolistica é muito pequena, mas influencia através seus principais blogs, como o Bala na Cesta, o Vinte Um, o Databasket, boa parte dos leitores da modalidade, colocando opiniões e conceitos desencadeadores de muita discussão e debates, porém, passíveis de algumas e boas possibilidades de ampliarmos os mesmos sob uma ótica diferenciada, já que leitor dos mesmos e editor desse humilde blog, torcendo para que novas discussões e debates sejam estabelecidos.

(…) Há um conceito muito claro por trás do jogo, e ele (o conceito) é tão importante quanto as cestas de LeBron James ou Dwyane Wade, creiam nisso.(…)

 

Sem dúvida há um conceito muito claro por trás do jogo, o lucro empresarial e grupal acima de qualquer fator esportivo, e quando a economia lá de cima pende para baixo, tais interesses rapidamente migram para mercados emergentes sensíveis ao consumismo e modas pontuais, tornando-os reféns do “inantingível(porém acalentado) nirvana”, como desde sempre se colocam perante a vassalagem internacional, alimentada pela crença absoluta no simbólico e profético significado do mesmo…

 

loja (…) As lições mais uma vez estão aí. Basta querer aprender e aplicar no país. Só esporte por esporte não fará nenhuma modalidade do Brasil cruzar o cabo da boa esperança em termos financeiros/administrativos.(…)

 

Mas, com certeza, cruzaria em termos de educação, formação de caráter, cidadania, saúde e acima de tudo, amor ao país, ajudando-o a encontrar seu verdadeiro destino, através a escola e suas universidades, e por que não, clubes formadores também, onde o maior e mais rentável lucro seria o maior dos legados, um povo educado e culturalmente independente, sim, com a mais absoluta certeza…

 

(…) Entender que o basquete pode, sim, ser um espetáculo incrivelmente atrativo (indo além da bola laranja, portanto), sim. É a chave para vermos a modalidade enfim dar um salto de qualidade por aqui.(…)

P1080287-001

 

 

O voleibol deu esse salto (lá e aqui) sem tais espetáculos e atrações de quem sempre investiu no aspecto comercial e industrial do esporte profissional, bem distante de sua tradição escolar e universitária, que tanto lá, como aqui, investiu em bons técnicos e melhores formadores (acabaram de se tornar campeões mundiais femininos, e que tem todas as suas integrantes atuando fora de seu país, depois da formação universitária), fortalecendo de forma incontestável o maior dos princípios, infelizmente omitido no âmbito do grande jogo entre nós, a formação e qualificação de nossos  técnicos, para o desenvolvimento harmônico da modalidade, onde os mais antigos, balizadores e experientes foram defenestrados em prol de um corporativismo autofágico e irresponsável, no qual o compadrio e a ação entre amigos determinam as lideranças e capitanias hereditárias vigentes e inabaláveis. Com tal prospecto, claro, é fácil saber quem realmente se prepara para dar as cartas por aqui, sob o aplauso feliz e condescendente  daqueles que ainda não alcançaram o singelo significado do conceito do esporte pelo esporte, como um extraordinário fator educacional e cultural para a juventude deste imenso e injusto país, substituindo-o pelo aspecto mercadológico e de indisfarçável ranço sócio político que envolve esse imenso e poderoso cavalo de Troia, tão grego quanto o outro melhor que um presente e de tristíssima memória, mas infeliz e tragicamente continuada em sua sucessão…

Quanto ao grande espetáculo de técnica e tática, não aconteceu, mas premiou a extasiada audiência com exemplos da mais pura eficiência e logística empresarial, apesar de cometer um simplório engano, o de anunciar o gênio LeBron, que, infelizmente não compareceu (?) por sobre o transladado piso para o país que possuí as melhores madeiras do mundo, que não duvido nada tenha sido lá fabricado com uma delas, já que são os que mais as importam (legalmente, ou não…), mas que não atenuou o magoamento de tantos joelhos milionários nesse primeiro jogo, e fico imaginando como estarão depois de 50, atuando sobre tanta tecnologia…

 

Amém.

Fotos – Reproduções da TV, e divulgação LNB. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

 

 

A LITURGIA DO CARGO…

P1080275P1080274-001P1080276-001

E ai Paulo, o campeão do mundo joga na NBA, a LNB se liga à mesma, e você não comenta nada?

 

Bem, para começo de conversa foi o campeão da Taça Intercontinental FIBA 2014 que jogou contra o Phoenix Suns, num jogo que assisti curioso com o que pudesse ocorrer de inédito tecnicamente, e que beneficiasse o grande jogo entre nós, mas, para variar, não foi o que ocorreu, noves fora o coro quase que uníssono percorrido pela mídia, na menção do fato histórico que testemunhávam  embevecídos…

 

Mas, não foi bem assim, pois enfrentava o bom time rubro negro uma equipe em pré temporada, em seu primeiro jogo, e que demonstrou em toda a partida ainda estar muito longe de uma razoável forma, vide o decréscimo mais do que evidente de sua forma tradicional de jogar, focada na grande velocidade e permanente movimentação, que neste jogo ficou muito longe de acontecer…

 

Mesmo assim, no quarto final, apertando a marcação e buscando um aumento de velocidade, venceu um jogo com 47 erros de fundamentos (26 do CRF e 21 dos Suns), quantidade impensável em um jogo desse nível, principalmente em andadas e passes interceptados, que aliás, foi o fundamento que liquidou as pretensões da equipe carioca, que ao se utilizar rigidamente do sistema único (aquele que vem sustentando a NBA desde sempre…) frente a uma equipe que já não mais o emprega (assim como muitas equipes da grande liga), mas que ao conhecer todos os seus atalhos, dobrou a marcação na armação, provocando interceptações primarias de passes, concluindo cestas fáceis e sem respostas, já que as bolinhas tradicionais, vicio arraigado entre nós, voltaram a não cair ( 6/25 – 24% contra os 8/21 – 38% deles)…

 

Por conta de tantas limitações físicas e técnicas, a turma do Arizona concentrou seu jogo no garrafão (29/53), cadenciando o jogo, enquanto os cariocas o fizeram em 19/44 situações, que poderiam ser maiores se insistissem nos dois bons pivôs que têm, o Meyinsse e o surpreendente Felicio, preferindo, no entanto, as bolinhas de praxe…

 

Foi um resultado razoável, que nada deslustra a qualidade da equipe brasileira em sua realidade tupiniquim, a não ser um fato surpreendente ocorrido ao lado da quadra, onde um técnico corriqueiramente agitado, teatral e pressionador de arbitragens, vestido com um clássico terno e gravata (assim como toda a comissão técnica e agregados…), postava-se marcial e comportadamente como que entronizado na liturgia de um cargo, que espero, ao menos, tê-lo conscientizado de que o basquete que agora lá tem se desenvolvido, passa a léguas de distância de chifres, cabeças, camisas e congêneres, estando mais voltado a diversidade posicional de jogadores, muita movimentação ofensiva, intensidade defensiva, e acima de tudo, mantenedor da maior de suas tradições, os fundamentos básicos, nesse jogo, infelizmente, um tanto comprometidos pelos 21 erros cometidos…

P1080274

 

Vamos aguardar os próximos dois jogos, para termos uma clara visão dos aspectos que nos diferenciam, ou não, deles.

 

Quanto ao vínculo unindo NBA e LNB, uma boa lida em alguns de seus termos ( Uma joint venture por “somente”  50 anos, creio que seja inédito no mundo…) dará a todos a visão e compreensão do quanto de colonizados ainda teimamos em ser e nos comportar, lamentavelmente, e desde sempre…

 

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

 

 

A ENCRUZILHADA DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO TUPINIQUIM…

 

P1080017-001

P1080055-001

Duas semanas atrás saíram na mídia impressa essas duas notícias, que de uma forma bastante direta espelha uma situação anômala e irônica por que atravessa a educação física e os desportos em nosso incongruente país.

Estamos vivendo tempos olímpicos da mais alta complexidade competitiva, onde a realidade desportiva de alta (e baixa também…)qualidade inexiste entre nós, totalmente voltados a que estamos na construção dos cenários, como no Pan Americano de 2007, e recentemente no Mundial de Futebol, com praças e arenas suntuosas, construídas a peso de ouro nem sempre auditadas, dando margem a vultosos desvios e lucros exacerbados a todos aqueles envolvidos no regabofe das verbas oficiais, além de um legado  que nem de longe beneficia a formação de uma cultura desportiva e educacional de nossa juventude, em escolas, universidades e clubes de todo o país, mas que locupleta toda uma poderosa minoria de empreiteiras, empresas (muitas estrangeiras) de hotelaria, turismo, serviços computacionais, e uma plêiade de políticos e empresários, todos unidos em volta da cornucópia milionária dos sacrificados recursos econômicos pertencentes ao povo brasileiro…

Frente a tão hedionda realidade, qual o real e verdadeiro significado das duas notícias acima mencionadas, qual?

Inicialmente, a que constata determinantemente ser a Educação Física a mais procurada área na formação de professores , muito além das demais disciplinas acadêmicas, mas que propriamente não os formam licenciandos, pois uma grande parte, ou mesmo a maioria (o estudo apresentado não define bem esse aspecto) se bacharelam, e que no frigir dos ovos, explica tanta supremacia acadêmica, pois orientados e voltados para a industria do corpo, através as praticas personalizadas e a brutal realidade das holdings que administram a mesma, com suas academias que se avolumam em proporção aritmética por todo o país, e que movimenta em torno de 25 bilhões anualmente, às quais mais do que claramente, não interessa nem de longe a existência regular e constitucional de tais atividades nas escolas e clubes, pois tão lucrativo mercado correria o perigo de ver esvair uma clientela estratégica demais para ser perdida em políticas educacionais voltadas aos jovens deste enorme e injusto país, e a segunda notícia expõe tal realidade com uma clareza exemplar…

Então, frente a tão contundente cenário, onde muitos jovens procuram as escolas de Educação Física na busca de uma compensação financeira e econômica mais imediata, tendo inclusive um conselho regulador em sua permanente cola (nenhuma outra disciplina acadêmica permitiu algo semelhante, tornando-a um instrumento a serviço da industria do corpo, mas que encontra uma sadia e enérgica contrafação às suas permanentes investidas no âmbito escolar, numa afronta à constituição do país…), vêem no mercado existente a resposta, muitas vezes cruel, de suas ambições a uma vida melhor, frente a realidade de um mercado corporativo e totalmente a serviço do lucro e da riqueza…

No entanto, algumas saídas podem ser encontradas a médio e longo prazos, como por exemplo, no campo das definições, já que o Confef e os Cref’s da vida dificilmente largarão o lucrativo osso a que se aferraram, começando por definir o que seria de sua alçada no pseudo controle de qualidade que ostentam realizar junto aos bacharéis e os provisionados, que são aqueles que de livre escolha, se voltam à mencionada industria e alguns desportos profissionais, mas que nunca poderiam se voltar para os licenciados, que deveriam ser da alçada única do MEC, pois formados nas instituições regulamentadas e aprovadas pelo mesmo, diplomando-os dentro das exigências legais e constitucionais do país. Logo, no âmbito escolar dos três segmentos existentes, básico, médio e superior, de forma alguma poderiam ser monitorados por um órgão sem as devidas qualificações acadêmicas para fazê-lo…

Definida tão importante questão, um outro fator tem de ser equacionado, o da volta das escolas de educação física aos centros de formação de professores,  direcionando os currículos de formação de professores de educação física na priorização das modalidades desportivas, no aumento substancial de suas cargas horárias, como existiam anos atrás, antes da anexação daqueles cursos a área biomédica, quando o transformaram numa preparação de paramédicos de terceira categoria hoje existentes, mas que são preciosos no suporte da industria acima mencionada…

Esta radical mudança, propiciaria uma melhor formação nos princípios pedagógicos e didáticos do futuro licenciado, preparando-o melhor no manejo de jovens escolares, assim como num maior e mais qualificado conhecimento das diversas técnicas pedagógicas e didáticas de ensino dos desportos, sem omitir o conhecimento de disciplinas de caráter biomédico e científico, porém num quantitativo de carga horária nunca superior às desportivas, como ocorre atualmente…

Transposto esse patamar, voltaríamos a ter melhores e mais bem preparados professores, propiciando dai para diante um mais eficiente patamar para o incremento e desenvolvimento das modalidades olímpicas de que tanto necessitamos para muito além de 2016, que desde já pode ser considerada uma etapa perdida, e que marcará com bastantes restrições nossa participação na maior de todas as competições, ironicamente a ser realizada em nosso país…

Voltando-se para o basquetebol, poderíamos ir mais longe se porventura uma mudança pudesse ocorrer na administração do grande jogo em nosso país, apesar de ser bastante difícil, frente às legislações que monitoram os poderes federativos e confederativos ora vigentes, mas que poderiam ser atenuadas através duas e fundamentais ações, a existência das associações de técnicos regionais e uma nacional que as coordenassem, e uma completa reestruturação da Escola Nacional de Treinadores, capilarizando-a pelas cinco regiões do país, e reformulando seus objetivos pedagógicos e técnicos, voltando-a à formação progressiva e orientada dos futuros técnicos, onde suas qualificações aos diversos níveis se exequibilizariam pelo estudo progressivo e permanente, e pelos resultados alcançados na promoção de jogadores por eles orientados às categorias regionais ascendentes e seleções municipais, estaduais e nacionais, e não por títulos alcançados, que é um fator distorcido perante a realidade das divisões de formação de base, como hoje é plenamente realizado. Em síntese, a formação técnica iria de encontro a realidade de trabalho dos professores, com suas limitações e óbices, e não o que ocorre, com o deslocamento dos mesmos para sessões de palestras por 4 ou 5 dias, além da utilização maciça da rede informatizada na divulgação de bibliografias, textos, testes e materiais didáticos tecnicamente preparados, a serem utilizados em sua formação. As promoções aos níveis estabelecidos, seriam conquistadas através resultados alcançados no trabalho de formação de uma base solida e permanentemente acompanhada, numérica e estatisticamente, através dados compilados, registrados e guardados nos anais da Escola.

Revistas técnicas poderiam ser editadas nas regiões cobertas pela escola, assim como encontros, fóruns e seminários para a complementação de sua formação, progressiva e eficiente.

No entanto, uma bem formulada política educacional voltada às escolas e universidades, aos clubes também, onde a educação física, enfim, retornaria ao âmbito, controle e supervisão do MEC, como uma das disciplinas básicas na formação acadêmica e do caráter de nossos jovens, ao lado das artes cênicas, da música, da dança, consubstanciando o projeto de ensino integral escolar, tão ansiado pela nação, que não pode adiar, de forma alguma, seu estratégico projeto de qualificar a mão de obra de que tanto necessitamos, para administrar e desenvolver nossas riquezas e potencialidades.

Enfim, chegamos à encruzilhada, não só da Educação Física, mas da Educação na sua forma mais ampla e inadiável.

Nossos jovens ai estão na longa espera, assim como nossos professores, ambos pertencentes à reserva intelectual e técnica de nosso imenso, injusto e desigual país.

Amém.

Notícias – Reproduções do O Globo. Clique nas mesmas para ampliá-las.

 

MORDENDO E ASSOPRANDO…

P1080240-001P1080243-001P1080245-001P1080249-001P1080252-001P1080257-001P1080262-001P1080265-001

“O desequilíbrio psicológico acabou desencadeando um aproveitamento ruim nos arremessos, mas a nossa defesa funcionou e conseguimos jogar de igual para igual com grandes esquipes da Europa. O ataque foi o maior problema. Estou com um gosto amargo e triste por estar indo embora, queria ter ficado mais, mas me sinto muito agradecido por tudo o que essas meninas fizeram. Elas precisam continuar evoluindo e jogando o basquete que o mundo joga, não que é jogado nos seus clubes no Brasil. Falta experiência internacional e intercâmbios para que elas possam crescer ainda mais. São necessários mais tempo com a seleção e mais jogos internacionais” – analisou Zanon.

Esqueceu, no entanto, de mencionar que até bem pouco tempo dirigia uma equipe campeã feminina, onde praticava a forma de atuar que agora critica…

 

“Acredito que elas possam continuar evoluindo até 2016, mas precisa ser a partir de amanhã. Elas não podem voltar para o clube e voltar a praticar um basquete diferente do que o mundo pratica aqui. Não conseguíamos fazer nenhum jogo internacional no Brasil porque ninguém queria sair da Europa. Mas acredito que esse interesse vai aumentar agora que vamos sediar as Olimpíadas. Precisamos ter muito mais tempo de treinamento com a seleção e muito mais jogos internacionais para manter essa visão e esse conhecimento que temos agora. Se houver tudo isso, em dois anos, com outras competições como o Jogos Pan-Americanos, Pré-Mundial e amistosos, podemos levá-las a um lugar que elas nem acreditam. Por que não uma medalha em 2016?” – finalizou.

Mas que lugar seria este, que somente agora descobriu dirigindo e perdendo com uma seleção nacional? O que mudou e se cristalizou em tão pouco tempo de estrada?…

 

“Disputamos o Mundial com nove atletas (entre 12) que nunca tinham jogado essa competição. A gente vai fazer um balanço de tudo, refletir bastante sobre isso que aconteceu. Vamos sentar com ele (Zanon) no mês que vem para fazer o planejamento das Olimpíadas. Esse Mundial não é o fim. A gente vai fazer de tudo para que essas meninas disputem o maior número possível de jogos internacionais, porque no Mundial elas sentiram muitas diferenças, principalmente em relação aos contatos físicos” – disse Mazzuchini.

Que adianta disputar o máximo de jogos internacionais se as jogadoras não detêm um mínimo de conhecimento e utilização dos fundamentos do jogo? Seria essencial começar pelos mesmos, para depois encarar as feras que os aplicam com maestria, não?…

 

“Desde a minha primeira conversa com o Zanon, há um ano e meio, a gente propôs uma primeira situação, que acabava agora no Mundial. Vamos fazer um balanço de tudo, sobre tudo o que aconteceu aqui e devemos sentar com ele já no próximo mês, para alinhar como que vai ser a preparação a partir de 2015, visando as Olimpíadas de 2016. Mas, com certeza, ele faz parte dos planos da CBB” – disse o ex-jogador e diretor técnico da CBB Vanderlei Mazzuchini Júnior.

E realmente acabou, um nono lugar define muito bem o que ocorreu, ou estamos enganados?

 

“Hoje, é muito difícil falar em metas e colocação. A gente vai fazer de tudo para colocar essas meninas em jogos internacionais, porque a gente sente essa diferença física e de intensidade, para que elas se acostumem a esse nível de jogo. E a gente tem certeza que fazendo esse intercâmbio internacional, essas meninas vão melhorar, se desenvolver rapidamente, porque tem idade para isso, e a gente vai chegar com uma equipe mais competitiva. Agora, falar em metas é sempre muito difícil e complicado, já que é uma equipe muito nova” – concluiu Vanderlei.

Média de 25 anos não significa uma geração carente de experiências técnicas, assim como métodos “avançados e científicos” de preparação física não definem perfis específicos de jogadoras, mas sim o conhecimento dos fundamentos básicos, para a consecução de um bem planejado projeto tático e estratégico, que sem os mesmos naufraga a exemplo desse Mundial, e é de responsabilidade de quem as dirige e não o inverso…

 

Como vemos, sutilmente fica colocado que as grandes perdas nesse Mundial deveu-se às jogadoras, pelo nervosismo, com consequente desequilíbrio psicológico, erros nos fundamentos, nos arremessos, pelo fato de serem muito jovens, inexperientes e pouco rodadas em embates internacionais, além do fato de disputarem campeonatos nacionais em seus clubes pouco competitivos, muito diferente da intensidade internacional, etc, etc, etc…

 

Mas nada foi dito ou assumido sobre a parte que  cabia à direção técnica da equipe, a preparação nos fundamentos, e seus sistemas de jogo (“O início do jogo foi inseguro e trouxe a incerteza que as tirou do campeonato. Posso dizer que o ataque foi nosso grande problema, não fluiu como deveria, mas em compensação tivemos boas defesas”, analisou Zanon, que ainda se mostrou satisfeito pela evolução apresentada pelas jogadoras, principal proposta do Brasil no campeonato.), que como sempre, não ofereceu a fluidez desejada originando as derrotas, além de apresentar jogadoras carentes de fundamentos individuais e coletivos, e que podem ser ensinados e treinados independentemente de faixas etárias, como um exercício permanente de aprendizado, assimilação e manutenção das técnicas fundamentais do grande jogo, e que são suas ferramentas básicas de trabalho…

 

No entanto, foram propositalmente omitidos os dois principais fatores do fracasso, a inexistência de um bem formulado planejamento de jogo, onde o trabalho nos fundamentos cedeu prioritariamente  espaço a uma preparação física diferenciada e a  táticas ofensivas de “alto nível”, aliadas a uma defesa que pendurava as melhores reboteiras do time precocemente, onde a agressividade física substituía as técnicas de posicionamento corporal, como também o fato primordial de que, face a tantas deficiências formativas, seu líder ainda se dividia entre duas distintas realidades, na direção de uma equipe da elite masculina e a seleção em questão, ambas desclassificadas para as  fases decisivas…

 

Como vemos, as sutis mordeduras, precedeu assopros como – “Eu queria agradecer a todas essas jogadoras pelo objetivo e o amadurecimento precoce que elas mostraram nesse período do Mundial. Nós sabemos que é difícil jogar uma competição de alto nível como essa”, afirmou o comandante. “Vários aspectos precisam ser corrigidos. Mas de qualquer forma tenho muito que agradecer a toda comissão técnica e nossas atletas que se dedicaram e não desistiram”, finalizou.

 

É um posicionamento claro de estar convicto de que em nada e por nada teve a ver pelo fracasso técnico e tático na competição, quando no comando de uma seleção que descreveu nos depoimentos acima e de própria lavra, e que contou com o tácito apoio diretivo da CBB, dando carradas de razões a uma velha e saudosa amiga e conselheira que tive em boa parte de minha vida, uma mãe afável e crítica, justa e democrática, quando me lembrava – Filho, quem tem padrinho não morre pagão…

 

Creio ser o caso até agora enfocado, e que terá continuidade, infeliz e terrivelmente até 2016. Acredito que nossas gerações mereceriam destino melhor, sem dúvida alguma, porém…

 

Amém.

 

Depoimentos – descritos em matérias publicadas no Globoesporte.com.

 

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

 

 

 

 

 

A OSMOSE E OS DEUSES…

 

bas-clarissa-fibaFui dormir muito tarde por conta do artigo sobre os 400 mil acessos ao blog, ficando em falta sobre o jogo da seleção feminina contra o Japão, que como todos aqueles que o assistiram se reduziu a um enxame de armadoras orientais em volta das enormes pivôs brasileiras, que se fartaram nos rebotes, nas conclusões dentro do perímetro, e no vasto fornecimento de contra ataques indefensáveis pela desproporção física em quadra…

 

Mas olhando com mais presteza alguns números do jogo, vemos que 41, isso mesmo, 41 erros de fundamentos foram cometidos (18/23), não somente por conta de fortes defesas, mas na maioria dos casos por carência técnica também, fatores que facilmente se repetirão quando em confronto com equipes mais talentosas e melhor dotadas fisicamente…

 

A equipe brasileira continua teimando nas longas bolas (7/20) deixando de privilegiar seu forte jogo interior, onde a discrepância de estatura teria de ser forçosamente prioritária em todos os momentos da partida, otimizando cada ataque através a maior precisão propiciada pelos arremessos de curta e média distâncias…

 

Mas isto não ocorreu, não ocorre e dificilmente ocorrerá, pelos graves problemas de formação de algumas gerações que embaralham velocidade e leitura de jogo, limitadas pelos parcos conhecimentos e domínio dos fundamentos, onde as contumazes andadas se rivalizam em número aos passes mal dados e fora do tempo tático da equipe, se é que têm algo parecido…

 

Daqui a um pouco, enfrentam, este sim, o jogo decisivo nessa campanha, contra uma equipe francesa equipada, como a nossa, de jogadoras altas e fisicamente competitivas, porém com um diferencial, qual? Imaginem algo parecido com domínio dos fundamentos, e terão a resposta…

 

Podemos vencer o jogo? Difícil, mas não impossível, se da noite de ontem para o dia de hoje, adquirirmos, por osmose, as técnicas que nos faltam no drible, nas fintas, nos passes, nos rebotes, no posicionamento defensivo e no domínio de algum sistema, mesmo simplesinho, de jogo, para seguir em frente derrotando sua antítese como equipe, que pode (?) muito bem “esquecer” o que sabe e domina, pois afinal, deuses podem ser brasileiros, ou não?…

 

Amém.

Foto – Divulgação FIBA. Clique na mesma para ampliá-la.