DEVAGAR, QUASE PARANDO…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Tirei mais um tempo, afinal o que poderia escrever, expor, discutir, argumentar, contrargumentar, exemplificar, talvez, quem sabe, ensinar o pouco que sei, o muito pouco que amealhei em tantas décadas de dedicação ao magistério, à técnica, à competição, ao entendimento do grande jogo, onde aprendi mais do que ensinei desde sempre…

Devagar, muito devagar foi se desvanecendo a ardorosa áurea que me deslumbrou por tanto tempo, me levando a caminhos ásperos, tortuosos e imensamente sacrificados ao encontro de um saber que muito poucos aceitam, admitem, sequer se interessam, numa realidade onde o consumo imediatista, midiático e superficial, se impõe acima de valores  tão esquecidos, como o mérito, a competência, o talento, a entrega, o comprometimento indissolúvel com o processo educacional, base estrutural da cultura de um povo, na vida, no estudo, nas artes, no esporte…

Como aos 76 anos de laboriosa vida, mas ainda saudável, lúcido e coerente com meus valores, poderia ir de encontro a essa realidade artificial e  lúdica que paira sobre o grande jogo, iludido com as benesses comerciais, circenses, exibicionistas, porém afastada do cerne fundamental para sua exequibilidade como desporto de alta competição, somente plausível com um projeto de base estruturado e factível dentro de nossa parca realidade, assim como a propriedade de novos sistemas de jogo, audazes, corajosos, inovadores, única oportunidade que temos de reconquistar e soerguer a modalidade em nosso país? …

Dias atrás, o comentarista do sportv mencionou o meu nome como o introdutor de um sistema de dupla armação e três pivôs, aplicado no NBB2 pela equipe do Vitória (na realidade foi no Saldanha da Gama), e que não me foi dada a oportunidade de sedimentá-lo, no que talvez acelerasse o seu entendimento, que hoje, no NBB8 é aplicado de forma superficial, com algum sucesso, por equipes do mesmo, seis anos após sua corajosa introdução na maior liga do grande jogo no país. O comentarista Renato do sportv e o jornalista Giancarlo Gianpietro do blog Vinte Um, foram os únicos até hoje a comentarem sobre minhas tentativas de atualizar taticamente o basquete nacional, uma luta que somente me obsequiou dirigir onze partidas no NBB2…

Mesmo defenestrado, continuei a peroração neste blog, inatingível pelo corporativismo existente, para sua aplicabilidade, como algo que poderia sacar a modalidade do limbo que a impuseram com o sistema único, com seus chifres e punhos canhestros, de uma pobreza técnico tática autofágica profundamente lamentável e retrógrada, originando em seu bojo a inefável sangria das bolinhas de três, onde dez de cada doze jogadores de uma equipe se acham especialistas nas mesmas…

E o mais emblemático, lamentável e comprometedor aspecto, a vitrine das midiáticas pranchetas, onde a maioria dos estrategistas as utilizam através apresentações risíveis e patéticas, à cores e HD, num pretensioso domínio estratégico de um jogo que vai muito além, muito além mesmo de suas arrogantes e vazias demonstrações…

Hoje, frente a uma realidade cada vez mais aceita internacionalmente, a qual ousei aplicar  seis anos atrás depois de a desenvolver por mais de quarenta anos, correm todos estabanadamente na busca do primado vencedor, somente esquecendo, ou melhor, suprimindo por ignorância o como fazer dois armadores e três pivôs agirem, interagirem, fluindo em uníssono, no ataque e na defesa, criando e improvisando em torno de um tema em comum, arte de quem conhece as bases e os fundamentos didático pedagógicos para a consecussão de um projeto de tal envergadura, e não tão somente escalando dois armadores e três pivôs, distribuindo-os nas controladas e estanques jogadas do sistema único, onde chifrar é o tema a ser seguido coercitivamente, senão…banco!

Devagar, quase parando é como me sinto, triste de não poder participar de um processo pelo qual dediquei toda uma vida, todo um ideário no âmago do grande, grandíssimo jogo. Mas de vez em quando analisarei algum jogo, desenvolverei alguns artigos técnicos, comentarei assuntos inerentes à profissão, quem sabe atingindo os 1500 artigos publicados nos últimos doze anos de existência dessa democrática e inexpugnável trincheira, humilde trincheira…

Amém.

Foto – Última equipe que dirigi na Supercopa, Cabo Frio, sozinho com oito jogadores, e ainda vítima de calote. Clique na mesma para ampliá-la.

 

MUDOU O JOGO, OU…

Heat vs. Warriorssailors_242013-002165058_b_ball_Naismith355x325-001

 

 

(…) o basquete não pode ser dividido, fatiado. Você avalia se um atleta é bom pelo que ele produz dos dois lados da quadra, tira a média e pronto.(…), trecho de uma postagem do Fabio Balassiano justificando a desigualdade ofensiva e defensiva do Huertas agora no Lakers.

Desculpe o jornalista, mas o “não pode ser dividido, fatiado” é premissa severamente discutível, pois o basquete tem de ser dividido, é dividido em ações defensivas, fatiadas em individuais e coletivas, da mesma forma que as ofensivas, inclusive para ser ensinado, basicamente fundamentadas na premissa primordial, de que se trata de um jogo coletivo de ataques e defesas, no qual indivíduos bem preparados, treinados, se defrontam física, mental e psiquícamente em busca de um resultado que, ai sim, refletirá suas prestações nos dois lados da quadra, que quanto  mais equânimes técnica e taticamente forem, mais se aproximarão de um desfecho favorável, e onde tiradas de médias produtivas individuais falsearão o resultado almejado, quando um ou dois elementos bons “lá na frente” e medíocres, falhos “atrás”, jamais serão compensados pelos seus companheiros, por melhores que sejam. Técnicos de alta qualidade (mesmo…) sabem muito bem tirar partido dessas desencontradas médias, como estamos fartos de testemunhar quando os enfrentamos na alta, verdadeiramente alta competição, ponto…

Um outro comentário do Marcel em seu blog, descortina um pouco do que vem ocorrendo com a influência Curry na NBA, e no mundo, por que não, valendo muito seu testemunho de grande arremessador que foi:

 

(…)Esse negócio do Curry chutar com 43% de mais de 8 metros de distância é o que os norte-americanos chamam de “curve ball”, ou seja, alguma coisa que ninguém estava esperando.

Stephen, que já estava fazendo das suas na temporada passada, nesta realmente pegou todo mundo com as calças nas mãos.

Muita gente me pergunta se ele trouxe de volta o basquete “de um passe e um arremesso” que minha geração perpetrou com vantagens inusitadas.

Um certo revanchismo pairou no ar, mas não é nada disso. Curry criou um novo jogo.

O basquete tinha virado um esporte de isolamento, com jogadores altamente especializados.

Uns controlavam o jogo e mantinham a posse de bola até o último instante.

Outros, especializados no P&R, passavam o tempo todo a procurar alguém para fazer um corta-luz.

Reboteiros nascidos assim, pouco se importavam com outra coisa senão irem atrás da bola assim que ela fosse arremessada.

Tudo isso regado a jogadas e sistemas que mais que valorizarem, justificavam essas especialidades. Ao passar a linha de meio campo e se tornar uma ameaça real à defesa, Curry abre o campo e facilita o sistema de jogo de sua equipe, além deixar a defesa adversária sem opção “estudada” previamente.

Sim, afirmo e pergunto: Como defender um jogador assim? A NBA se especializou em buscar jogadores com físico privilegiado e especializá-los em alguma das categorias já citadas acima.

Curry não é nada disso.

Quem vence manda.(…)

Bem, cabe aqui algumas reflexões, a começar pelo fato inconteste de que retrata em detalhes o sistema único que tanto reprovo, repetitiva e incansavelmente reprovo, mas ressalvo que os fatos apontados na armação prolongada, a busca incessante dos picks, a ação lixeira dos reboteiros na busca das sobras dos arremessadores, ah, os arremessadores, os longos arremessos, que ele próprio confessa ter pertencido a uma geração que os “perpetrou com vantagens inusitadas”, são frutos de uma formação de base, após esse período que vivenciou,  pecando exatamente pela especialização, onde, por exemplo, um(a) adolescente de elevada estatura era restrito(a) aos rebotes e sobras, situação que enriqueceu muito currículo daqueles que mais tarde vieram a dirigir a elite, que sempre foi seu objetivo, salarial inclusive, do que formação de base, trabalhosa e que exigia, exige e sempre exigirá muito estudo, pesquisa, árduo trabalho e, acima de tudo, talento e competência…

O Curry, parece que vem reabilitar o “passe e um arremesso”, no que discordo, pois domina uma arte precisa e sofisticada, que inclusive comentei aqui recentemente, arte essa restrita a uns poucos, muito poucos, e que foi exercida com brilhantismo pelo comentarista, hoje também na TV, mas que infelizmente está adotando o comportamento festeiro da turma midiática, que nada acrescentará de realmente importante e decisivo ao grande jogo nesse terrível estágio em que se encontra, a continuar nesse caminho…

E foi indisfarçável o constrangimento nos comentários da turma do Sportv durante a derrota do Warriors para o Lakers, onde o Curry foi correta e severamente marcado, com um defensor fungando em seu cangote por todo o tempo, demonstrando que “toda evolução ofensiva gera sempre outra defensiva”, fator primordial ao progresso do grande jogo, em todo o lugar em que for praticado com dedicação e comprometimento mesmo entre equipes em pontas opostas na tabela…

Um outro exemplo defensivo contra a artilharia exterior foi a derrota inconteste do gatão(30 anos?…) LeBron para a “esfacelada equipe dos Grizzlies,  “onde defender dentro e fora do perímetro se fez presente por toda a partida, provando que contestação enérgica limita em muito a sede pelos longos arremessos, remetendo para dentro do perímetro a decisão de uma partida equilibrada, exemplo que é muito pouco levado a sério em nosso país, onde a cada dia que passa mais especialistas “lá de fora” aparecem, sob o amparo dos estrategistas em permanente plantão, senão vejamos:

Como analisar por qualquer parâmetro que se escolha um jogo tido como “brilhante, empolgante, altamente técnico”, como o disputado entre Mogi e Brasilia quando foram disparados 68 (68!!!) arremessos de 3 (8/38 para Mogi e 10/30 para Brasilia), contra 23/39 3 16/32 de 2 respectivamente, e 31 erros de fundamentos (11/20), numa inconcebível autofagia de bolinhas irresponsáveis, mas que foi decidido por um jogador atuando “dentro” do perímetro no quarto final, como respondendo positivamente à insânia que se instalou nos três quartos anteriores, inclusive por ele mesmo com seus 1 / 6 arremessos de três, e que bem espelha a formação de base que a maioria dos jogadores tiveram, equivocada e profundamente falha, onde a convergência toma ares de uma catástrofe que poderá nos criar grandes problemas na olimpíada caseira, Shamell venceu o jogo num momento de clarividência, atuando em oposição ao que ele e sua equipe vinham fazendo, assim como seu adversário, numa “chutação” desenfreada que surpreendia até o comentarista da TV, o emblemático Marcel…

Enfim, foi uma semana repleta de “causos”, nem sempre agradáveis, mas que elucidam, aos poucos, a real situação em que nos encontramos, uma profunda fenda nos separando de uma história rica em conquistas, a uma realidade ambígua e descerebrada, fruto de um corporativismo , que a ser continuado, sem dúvida alguma, nos levará para bem mais fundo de um poço que parece não ter fim, não só pelo nefasto e perene aspecto administrativo, mas muito, muitíssimo mais pelo aspecto técnico, responsável direto por tudo que aí está graniticamente implantado…

Temos saída? Somente se implantarmos didaticamente uma profunda reforma no ensino do grande jogo na formação de base, orientado e gerido por quem realmente domina as sutis nuances do mesmo, por quem domina a arte do ensinar a ensinar, criativa e democraticamente falando, para num médio longo prazo alcançarmos um patamar de excelência que nos permita voltar ao que eramos, ao que sempre fomos, e não esse pastiche que nos afoga e denigre…

O Curry não mudou o jogo, assim como Jordan e LeBron não o fizeram, honra esta somente estabelecida por Hank Luizetti da Stanford University, que em 1936 mudou o jogo por completo ao incluir o Jump Shot em sua história. Jordan e LeBron, e agora Curry somente expuseram maravilhosas técnicas e habilidades, mas que jamais alteraram as básicas regras iniciadas e implantadas por Naismith em Sprigfield no inverno de 1891. Luizetti foi a única exceção.

Amém.

Fotos – Reprodução da TV, e do Wilkpedia. Clique nas mesmas para ampliá-las.

 

ANDREA…

Um pouco da arte da minha filha, como bailarina, professora e coreógrafa Andrea Raw, no Dia Internacional da Mulher:

 

 

HD Videos – Paulo Murilo

TER RAZÃO, O QUE IMPORTA?…

P1010118

Publiquei este artigo em 2009, e nenhum comentário foi postado, o que não me surpreendeu nem um pouco, pois se tratava de algo nada relevante para o mundo do basquete que se praticava na época. Passaram sete anos e o republico agora, para quem sabe, ser alvo de algum comentário, ou depoimento sobre aquele algo que hoje se impõe na maioria das equipes do NBB, a dupla armação e a reavaliação e reposicionamento dos homens altos no perímetro interno. Claro que pouco, muito pouco espero, mas quem sabe…

 

DA ARTE DE SER CHATO…

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009 por Paulo Murilo- Sem comentarios

Que semana meus deuses, não bastassem as tristes noticias de falecimentos que nos levaram a Michelle e o Adilson, enchendo de tristeza todos os basqueteiros, ainda temos de suportar as cartas marcadas da próxima eleição da CBB, quando tudo ficará como agora, pois os candidatos são compadres de longuíssima data, e que darão gargalhadas( se é que já não as estão dando…) ao final de um pleito viciado e vicioso, onde a termo “mudanças” causa calafrios aos mesmos só em mencioná-lo.

Some-se a esta realidade a outra, mais evidente, da continuidade da mesmice técnico tática que vigorou, vigora e vigorará por ainda um longo tempo em nossas equipes ditas de elite, e suas influências capitais nas divisões de base, para as quais servem de espelho. E para sustentar um pouco tão preocupante quadro, me reporto a um comentário do leitor que se assina Do Sul sobre o artigo Déjà vue, publicado na semana passada aqui no blog:

·Do sulToday·

“Tu é chato hein Professor. Só sabe falar na tal de dupla armação. Baby fazendo 28 contra o minas e tu metendo o pau e dizendo que o grande negócio é jogar com dois armadores. De que adianta dois armadores se a maioria dos times não conseguem ter um que cumpra seu papel com louvor.Veja os armadores do pinheiros,veja o armador americano do bauro… Em certos momentos parece que o senhor que acabar com a posição número 5.Não é esse o caminho”.

Como vemos nesse comentário , em muitos artigos em blogs e na imprensa, e mesmo nas opiniões de analistas televisivos, sem contar com a opinião maciça da garotada, já que imposta pela maioria dos formadores de jovens praticantes, onde a onipresença do sistema único de jogo com sua nomenclatura posicional de 1 a 5, dão ao mesmo o rotulo de verdade absoluta dentro do contexto empobrecido e canhestro do nosso basquetebol.

No comentário, o fato do Baby ter marcado 28 pontos contra o Minas, caracteriza a vitoria do “cincão” dentro de um quadro técnico onde os mesmos, segundo muitos e muitos “entendidos” do grande jogo, são a base de uma equipe, onde os demais jogadores gravitam em torno do mesmo. Engraçada uma constatação, basicamente no jogo em questão, contra o Minas, onde o Baby, marcado infantilmente pelos dois pivôs adversários, o Murilo e o Alexandre, somente deslanchou na quadra quando os armadores Fred e Helio atuaram juntos, pois antes, o consagrado pivô se viu a frente de duas atiradeiras que se revezavam nas finalizações, os irmãos Machado. Com a dupla armação “de verdade”, as assistências ao mesmo se avolumaram, e se mais pontos não marcou foi pelo fato da enxurrada de arremesso de três pontos disparados por seus colegas, inclusive o outro ala pivô que o assessorava.

Como vemos, a equipe do Flamengo somente desenvolve seu jogo interior quando submetido à dupla armação, inclusive reforçando substancialmente seu sistema defensivo, principalmente nas dobras, o que não ocorre de forma alguma quando o jogo exterior é levado às raias do inimaginável pela  presença dos irmãos juntos. É uma constatação cristalina, e só lamento que os “entendidos” não vislumbrem essa realidade, a qual já se manifesta em outras equipes de primeiro nível, que melhorarão progressivamente no momento que nossos armadores sejam treinados convenientemente por quem realmente entenda de formação de jogadores, e não uma turma que pula de jogador para técnico ( sempre uma solução mais econômica para as equipes que se negam ao pagamento justo dos verdadeiros profissionais), e inclusive acessando seleções brasileiras de base. Por esse quadro devastador é que não prevejo muito sucesso aos nossos jovens selecionáveis, já que afastados das bases fundamentais e clássicas do jogo, aproximados e criminosamente integrados a sistemas técnico táticos que são de única e absurda propriedade de seus mentores e suas pranchetas mágicas, e para os quais sem a base e essência da técnica individual para assimilá-los, transforma-os em meros macacos de imitação, encordoados como marionetes de teatros mambembes.

Na atualidade do basquete mundial, e que antecedemos algumas décadas atrás, onde nosso maior jogador de todos os tempos percorreu todas as posições antes de se firmar como o magistral armador que foi, Amauri, hoje entronizado no Hall da Fama da FIBA, mostrou do alto de seus 1,90 m, o caminho da polivalencia técnica, que foi a grande arma do nosso basquete em suas conquistas históricas. O despertar dos Big Centers , com suas conotações guerreiras e de choque, além da variável étnica e racista, fatores que enchiam os ginásios dos irmãos do norte durante as três décadas de lutas pela igualdade racial, já encontram nos tempos atuais a contrapartida dos novos pivôs, mais altos, mais rápidos, atléticos e flexíveis, elementos físicos que os tornam mais adaptados às exigências dos fundamentos do jogo, praticando-os, que renascidos na Europa, encontram eco no país do basquetebol, que após os fracassos internacionais se renovam através a paciente catequização do grande Coach K., que provou essa evidência ao treinar e fazer jogar uma equipe vencedora olímpica sem a figura do anacrônico 5.

Quando preconizo com veemência a dupla armação, é pelo fato de que atuando desta forma não só o pivozão, mas como os outros integrantes da equipe, os quais denomino alas pivôs, terão a garantia de serem servidos continuamente no perímetro interno, e também servirem com maestria e inteligência àqueles realmente especialistas nos longos arremessos fora do perímetro, eliminando a figura centralizadora, e por isso mais facilmente controlada do pivô, e os arremessos tresloucados de pseudo especialistas dos três pontos, mais ainda facilmente marcados se levados com habilidade e técnica para dentro de uma zona de influencia, onde as trajetórias de seus arremessos ( que geralmente seguem uma norma repetitiva) possam ser alteradas e não bloqueadas. Alterar a trajetória de quaisquer arremessadores os tornam ineficientes e pouco produtivos ( Dica gratuita…). Aliás, os velhos, eficientes e formidáveis formadores de jovens de antanho dominavam estes fundamentos, que são de completo desconhecimento de muitos que se transformam em técnicos da noite para o dia.

Por tudo isto caro Do Sul (gostaria de tratá-lo pelo nome, mas pelo menos não foi um anônimo…), e muitos dos leitores que não aceitam alguns temas que abordo, mas confesso, sempre divergindo com educação e respeito, que não posso ser contra a posição 5, se ela simplesmente jamais existiu para mim e muitos dos técnicos, magníficos técnicos que conheci e convivi, e pela constatação , a cada dia de competições sérias internacionais, do desaparecimento irremediável desta figura criada à partir de uma setorização e especialização absurda, naqueles nichos retrógados e discutíveis dentro do carrossel chamado NBA.

Mas num aspecto você tem a mais absoluta razão, a de eu ser um cara chato, muito chato, ao abraçar sem limites uma luta pelo soerguimento do nosso basquete, principalmente quanto ao ensino massivo, responsável e serio dos fundamentos, sem os quais nossos jovens sequer aprenderiam a contar de 1 a 5, transformando-os em dias, semanas, meses, anos, e às vezes décadas, onde educação e esporte, de mãos juntas esculpiriam um caráter e uma vida produtiva. Obrigado pelo comentário, e desculpe se não o respondi a contento.

Amém.

Foto – O chato desde sempre…

 

 

 

A MESMICE VENCEDORA (?)…

P1120980-001

 

Enfim o hermano falou, e muito, sobre a equipe olímpica de sua inteira responsabilidade a mais de cinco anos, revelando pormenores esclarecedores sobre sua influência no basquete tupiniquim bastante sérios, e até mesmo, contundentes, como – (…) Hoje,a liga nacional do Brasil está fazendo um bom trabalho, mas não dá para pensar que pode tirar um atleta olímpico agora. Pode tirar, daqui, futuros atletas olímpicos que acabarão sua formação fora dessa competição. (…) Ou seja, ele não vê a liga e seus clubes filiados com qualidade tática e técnica para suprir as seleções com jogadores com a qualidade exigida para as grandes competições, o que soa comprometedor, pois nos muitos anos de sua influência profissional, pouco ou nada fez para mudar esse panorama para lá de sombrio, preferindo apostar na turma de fora, que para sua desdita, patina na suplência de suas equipes, fora as contusões de praxe, e como agora, a cirurgia no Spliter. Pouco pode acrescentar no panorama europeu, a não ser as exceções do Benite e do Augusto Lima, tendo de enfrentar a realidade nacional, a mesma que compete numa liga incapaz (para ele…) de formar um atleta para a olimpíada caseira…

Porém, a mais importante e comprometedora ainda apreciação se deu ao responder a pergunta sobre o estilo Warriors de jogar – (…) Eles têm seu estilo. Seguramente, como acontece sempre,chegarão treinadores tratando de imitar, mas, para isso, têm de ter o mais importante: Curry, Thompson, Green, todos, Acho que nem todo mundo tem isso.(…) E o mais importante (…) O basquete FIBA vai continuar do jeito que se vê jogar. (…) Ou seja, para ele o sistema único deverá se manter por muito tempo ainda, afinal, é o que usa em nossa seleção, seu emprego regiamente pago, e sem perspectivas de vê-lo inovar para algo diferente, atrevido, instigante, permanecendo nos chifres, punhos, e congêneres praticados por todos os nossos adversários, com a vantagem de dominarem os fundamentos muito melhor do que nós, logo…

Porém, o que soa pior é uma sua colocação quanto aos novos valores que se bandearam precocemente lá para fora (por conta de vivíssimos agentes…), e por que não, aqueles que ainda se encontram por aqui  - (…) Eu prefiro que jogue numa equipe muito importante do basquete Fiba. Gosto muito mais da formação. Mas tem que ser um clube com pretensões, que jogue um nível de basquete em que o jogador possa desenvolver tudo o que tem.(…) Em outras palavras, não vê em nosso país nenhum clube que ofereça tais condições, aquelas que julga imprescindíveis à plena formação dos mais jovens. Então, por que não liderou, de sua posição de medalhista olímpico, um movimento de apuro técnico entre os formadores nacionais, claro, formulando didáticas mais compatíveis a um basquete diferenciado do que aí está implantado, onde inclusive, seus assistentes mais diretos o praticam da forma padronizada e formatada possível em suas equipes, a fim de que mudanças pudessem acontecer a médio prazo, evitando seu queixume de agora, ainda mais quando em tempo algum (e lá se vão mais de cinquenta anos) vi técnicos de seleções brasileiras adultas liderarem mudanças táticas e preparação de jovens entre os técnicos do país, através o incentivo a associações de técnicos, ou cursos de aperfeiçoamento, à imagem do que americanos e europeus o fazem a décadas. Como técnico estrangeiro e dedicado exclusivamente à seleção, por mais de cinco anos, acredito que muito poderia ter feito neste sentido, a não ser que possa ter sido obstado a fazê-lo…

Conclui afirmando – (…) Eu achava que, depois de voltar a estar nos Jogos Olímpicos, nosso basquete ia dar um pulo muito importante. Isso não aconteceu. Mas eu, pessoalmente, trato de fazer o melhor. Parece que o basquete se acaba em 2016. Só que o Brasil vai continuar jogando basquete. Por isso, tento jogar com muita gente nova (…) E enfático – (…) Sem a matéria-prima é muito difícil, mas vamos continuar lutando. Não tem jeito. (…) Acredito que não tenha feito o melhor, pois jamais abriu mão de algo que fugisse de sua formação técnico tática (onde a rigorosa formação de base argentina o embasou decisivamente), excluído o fato de aceitar o reinado das bolinhas, antítese de seu ansiado coletivismo, e que se tivesse sido substituído por um sistema solidário que incentivasse o jogo interior, mais preciso  e menos exaustivo que a correria externa em busca de posições, certamente o salto que almejou teria sido dado, mesmo com jogadores menos nominados, porém saudáveis e afeitos ao sistema Fiba, em vez dos remendados e pouco participativos jogadores em suas próprias equipes na liga maior, no que teria sido a sua maior contribuição ao nosso tão judiado basquetebol, legando com seu exemplo na seleção o fator novo a ser, não copiado, mas desenvolvido pelos demais técnicos, que, possivelmente, abdicariam de um sistema inócuo, e aprofundado-os no estudo e estabelecimento de novas formas de desenvolver a formação de base, e até, quem sabe, aposentando o horrendo biombo que os separam de seus jogadores, a pequena e midiática prancheta-vitrine em que exibem seus vastos conhecimentos táticos, suas estratégias de absolutamente nada…

Dentro de muito pouco tempo, nosso hermano se deparará com uma realidade tupiniquim, não uma portenha, onde tudo está a espera de ser feito e realizado, onde seu prestígio e competência em muito poderia ter sido potencializado em prol de algo revolucionário, mas que não o foi, e nem será, infelizmente, a não ser que se opere um milagre, que absolutamente não merecemos, pela omissão de muitos, de muitos que poderiam ter ajudado nas mudanças, na evolução, na contra mão de um asfixiante e mortal corporativismo que nega o novo, que nega o instigante, e onde se inseriu, lastimavelmente nosso medalhado hermano.

Gostaria de ter esperanças para algo melhor, mas assistindo dias atrás uma partida do NBB que reunia duas equipes nas pontas de classificação, Ceará e Caxias, horrorizado testemunhei os seguintes números: 12/27 nos dois pontos e 10/32 nos três para o Ceará, e 13/28 e 8/29 respectivamente para o Caxias, perpetrando  ambas 30 erros nos fundamentos (19/11), numa claríssima alusão à realidade técnico tática em que nos encontramos a poucos meses de uma olimpíada caseira. Sinceramente, temo pelo pior.

Amém.

Foto – Reprodução de O Globo. Clique na mesma para ampliã-la.

 

ANATOMIA DE UM ARREMESSO VI…

P1120957-001

 

O basquetebol, o grande jogo, surpreende até quando não está tão popularizado assim em terra tupiniquim, inclusive na teimosa e insistente dependência tática ( técnica nem pensar) de um único sistema de jogo, mesmo que tente dinamizá-lo substituindo um dos alas por um armador de ofício, e ensaiando aposentar os massudos pivôs, trocando-os por jogadores mais ágeis e flexíveis, mais velozes, enfim…

Por tudo isso, evoluímos um pouco na concepção de jogo, apesar de nos mantermos patamares abaixo no que se refere aos fundamentos, inclusive, e basicamente, nos arremessos, onde a maioria de nossos craques se consideram especialistas, principalmente nos de longa distancia, ai incluídos os pivôs, já que sem muitas oportunidades de serem acionados no perímetro interno, vão lá para fora exercerem suas habilidades, deixando os rebotes para, quem sabe, seus estrategistas de pranchetas em punho os disputarem…

E por conta dessa enxurrada de “talentos” na dificílima arte dos longos arremessos, ainda mais motivados pelas exibições galáticas dos Warriors, com o Curry no timão, é que uma prestigiosa Veja, publica uma matéria (vide fotos), onde um especialista discorre sobre as técnicas do grande jogador, concluindo ser seu maior trunfo a longa trajetória em seus arremessos, ultrapassando os maiores defensores, além, é claro, do melhor ângulo de penetração das tentativas, exatamente pela elevada trajetória que emprega nas mesmas…

P1120785-001P1120787-001P1120788-001P1120789-001

Legal, esclarecedor, bastando executar “jornadas nas estrelas”, como o Bernard, para se situarem no patamar de um, por exemplo, Curry…

Nesse ponto da explanação, exemplifico um pequeno conceito de precisão balística, reportando ao lançamento de um daqueles monstruosos foguetes Titãns que foram à lua, quando toda aquela força impulsionadora sofreria um baque fatal se um pequenino instrumento em seu bojo falhasse, o giroscópio, o reloginho que o mantêm equilibrado em sua trajetória ascendente e depois elíptica no preciso caminho de seu destino lunar…

Assim como os grandes foguetes, o arremesso também necessita de um controle, por assim dizer, giroscópico, no controle do eixo diametral em que a bola gira inversamente em torno do mesmo após o lançamento, e que se estiver o mais paralelo possível do nível do aro, e equidistante de seus bordos externos, mais preciso será o seu direcionamento, pois de nada valerão grandes trajetórias, alavancas e forças musculares se o mesmo não se encontrar alinhado o melhor possível ao aro destinatário. Logo, arremessar com eficiência não se trata somente de “treinamento extra”, milhares de tentativas, mas sim um pleno conhecimento das ações que compõem a grande arte do arremesso…

Sugiro, antes de concluir, que o leitor leia o artigo aqui publicado, Anatomia de um arremesso IV, onde as diversas formas de empunhar a bola visando um efetivo controle de direção da mesma é mostrado e exemplificado, tornando o conhecimento mecânico bem mais acessível. Leiam e prossigam, se interesse houver…

20150214-3pt-stephshoot3-004P1120957-002Curry-shoots-over-Melo-001P1120956-002

Então, podemos regressar ao Curry na sequencia de fotos retiradas de arremessos durante jogos oficiais, logo, desprovidos de ajustes pictóricos e retoques gráficos. Podemos então observar que o jogador emprega a pega M3 que exemplifico e discorro no artigo sugerido, que foi retirado da primeira tese de doutoramento sobre o assunto no mundo (1992), Estudo Sobre Um Efetivo Controle Da Direção Do Lançamento Com Uma Das Mãos No Basquetebol, que defendi na FMH/UTL de Lisboa, na especialidade de Ciências do Desporto, e que teve muito poucos estudos extensivos desenvolvidos dai em diante, quem sabe, por ter realmente explorado, qualificado e quantificado o gesto estudado, sem deixar muitas margens para dúvidas, quem sabe…

Somente um básico detalhe ficou sem registro (talvez uma foto lateral da pega poderia esclarecer), o fato dele retrair o dedo médio, alinhando-o ao indicador e anelar, para aplicar toda a potência possível nos lançamentos, sem possibilidade de desvios, principalmente aqueles mais longos e velozes…

Logo, e concluindo, o grande jogador, assim como seu companheiro Thompson, que arremessa empunhando de forma semelhante, ao manter um rígido controle do eixo diametral da bola, em seu paralelismo e equidistância do nível do aro da cesta, alcança números de acertos assombrosos, facilitados pela longa e alta trajetória, possíveis pela sólida base tripla de lançamento, otimizados pelos mínimos desvios laterais como resultado de seu quase perfeito controle de direção, sem o qual, trajetória nenhuma o faria alcançar seu alto grau de eficiência…

Bem, caros leitores, também existe tecnologia e conhecimento em nossa terra, mas que infelizmente, tende a ficar pelos caminhos antagônicos ao mérito, mérito este que a turma lá de fora reconhece e recorre, mesmo que escrito em português…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV e da Revista Veja. Clique nas mesmas para ampliá-las.

Referências – Anatomia de um Arremesso

                          Anatomia de um Arremesso II

                         Anatomia de um Arremesso III

                         Anatomia de um Arremesso IV

                        Anatomia de um Arremesso V

JOGANDO A TOALHA?…

P1120720-001P1120890-001P1120891-001P1120896-001P1120898-001P1120899-001P1120900-001P1120901-001P1120902-001P1120903-001P1120904-001OO

 

 

Como  é Paulo, jogou a toalha? Quase um mês de silêncio numa hora em que muita coisa para lá de importante vem acontecendo? Desembucha cara…

Olha, seriamente pensei, e ainda penso, não de jogar a toalha, jamais o faria, jamais o fiz, mas me dar um tempo para cumprir um trato que fiz com meu filho basqueteiro, o André, designer desse humilde blog, de concluir um livro sobre histórias do grande jogo, com alguns artigos aqui publicados, e muitos outros inéditos, todos vividos e intensamente vivenciados por mim nos últimos cinquenta anos, dentro e fora das quadras…

Sim, você tem razão, muitas coisas importantes estão acontecendo, e outras mais importantes acontecerão nesse ano olímpico em nosso jardim (para os nossos visitantes), triste quintal para nossas irreais, equivocadas e arrogantes douradas aspirações, resultantes de uma mais irreal ainda pátria educadora…

Então, vamos lá – Foi num recente jogo pelo NBB, que o comentarista do SportTv, mencionava ser o novo técnico do CEUB um fan da dupla armação, fator preponderante em sua equipe, fazendo jogar dinamicamente seus três homens altos dentro do perímetro, decrescendo bastante o jogo externo com as temerárias  bolinhas, e exercendo uma fluidez de jogo a “la Warriors”, que é uma “tendência mundial”, claro, agora reconhecida e aceita por vir da matriz, quando por aqui mesmo, e já por um longo tempo o desenvolvi e empreguei na teoria e na prática, mas, sabe como é amigo, santo de casa… ainda mais sendo eu…

Seguindo, jogo das estrelas americano, que não assisto mesmo, exceto o desafio de habilidades, o único momento sério das festividades juntamente com a competição de arremessos, que me interesso em particular (falo sobre ele no próximo artigo) e que em  momento algum, sequer passa pela cabeça de ninguém, cabalar a disputa, por exemplo, nos dribles, bem ao contrario do que vem ocorrendo sistematicamente no desafio tupiniquim, cujo maior vencedor “cabulou” sempre que venceu. Analisem as fotos atentamente, e tirem suas conclusões. Espero que no desafio desse ano as coisas afeitas às regras melhorem, e haja justiça nos resultados…

Também na internet, um vídeo que muitos consideraram ser a “enterrada”mais impressionante do ano, feita por um jogador colegial, que se eleva no ar por duas vezes, passando com o tronco acima do aro e por cima, literalmente, de seu marcador, realmente numa cena que impressiona. Mas, se analisarmos detidamente a sequencia (observem as fotos), vemos que o esperto atacante, ao investir para a enterrada frontal, se depara com um defensor que, para se proteger do inevitável impacto, cruza firmemrnte os braços protegendo o plexo, e o encara. Nesse momento, o atacante situa sua perna no peito do defensor, travando o joelho na interseção da clavícula e do pescoço de seu oponente,fixando seu pé direito nos braços firmemente cruzados do mesmo, catapultando-se em pleno salto para um outro em pleno ar, dando a impressão de uma elevação bem acima dos padrões aceitáveis de impulsão, porém de forma absolutamente irregular e perigosamente faltosa, não punida pelos árbitros, mesmo estando o defensor fora do semicirculo abaixo da cesta, fator que sequer camuflou o expediente utilizado…

Uma última observação, o fato inconteste do teimoso reaparecimento, e em grande, das convergências, principalmente em equipes que ponteiam o campeonato, numa nítida constatação de que o vício dos longos arremessos, incentivados pela ausência consentida das defesas continuam numa dolorosa evidência, e num momento em que nossos mais representativos jogadores na liga maior atuam cada vez menos, se machucam, são trocados, e não se encontrarão bem física e tecnicamente para a seleção olímpica, cujos futuros integrantes daqui mesmo se perdem na autofagia das bolinhas, dos armadores aos pivôs, numa demonstração tácita de incompetência interior, muito mais motivada pela ausência de sistemas de jogo que o desenvolvesse, e facilitada pela aberração defensiva que praticamos, tudo isso emoldurada por pranchetas multicoloridas e midiáticas, manejadas pela quase totalidade de nossos estrategistas, veteranos e brand news, na arte da competição de elite, que como vemos, definitivamente, não é para qualquer um, e logo mais adiante, com a direção de um hermano com as barbas de molho, veremos a consequência de tanta insensibilidade e  equívocos, o que nos espera na arena olímpica. Espero estar mais uma vez errado, mas nestes doze anos de Basquete Brasil, nunca errei, infelizmente…

Se não inovarmos técnica e taticamente, na tentativa de equalizarmos estrategias que enfrentaremos, temo por algo decepcionante e constrangedor, porém, la no fundo, com uma tênue esperança, torço honestamente para o melhor, ou pelo menos, para o aceitável, que vem no contraponto dessa desvairada orgia dos três, cujo expoente maior, o Curry, já começa a ser contestado. No próximo artigo desvendo um pouco os porques…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas. Notar que na sétima foto, no inicio da legenda leia-se Segundo.

 

ALICERCES…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

O Basquete Brasil já se encontra no seu milésimo trigésimo sétimo artigo  nos doze anos de sua sacrificada existência, e assunto é que não falta, apesar de me sentir um tanto cansado de trombar com a mesmice endêmica que se instalou na modalidade de forma devastadora…

E pensar que logo em seu início já vislumbrava o que haveria de acontecer, fundamentado em argumentos publicados no artigo que hoje repriso, os mesmos que explicam um hoje absolutamente inaceitável, frente ao que sempre representou o grande jogo no cenário desportivo e educativo de uma pátria que cada vez mais se apequena à sombra de uma farsa educadora, pátria educadora, mentirosa e corrompida…

Segue o artigo.

O QUE NOS FALTA REALMENTE?

sábado, 13 de novembro de 2004 por Paulo Murilo- Sem comentários

Este é vigésimo primeiro artigo que publico,e depois de abordar diversos assuntos técnicos e situações politico administrativas creio que apresentei alguns,porém sólidos argumentos para, de uma forma objetiva apresentar conclusões e sugestões visando a melhoria técnica e administrativa de nosso combalido basquetebol.

Falta-nos,prioritariamente união. Quando técnicos aceitam influência,orientação,método, sistemas e técnicas de uma única matriz,tomando-a como verdade absoluta, e impondo-a, inclusive, na formação das divisões de base, estereotipando as ações dos futuros jogadores em modelos voltados à especialização (jogador 1,2,3…etc), limitando-os a papeis manipuláveis de fora da quadra, escravizando-os em coreografias que se tornaram padronizadas pelas equipes brasileiras,repito,quando os técnicos agem dessa forma, prevejo poucas chances de fugirmos a médio prazo da mediocridade em que nos encontramos. Torna-se urgente o desligamento da matriz NBA, do sonho subserviente de lá vencer como jogador, ou de lá se especializar como técnico ou dirigente,e mesmo se espelhar como torcedor de um esporte que somente eles praticam, e que inteligentemente importam estrangeiros para torná-los propagadores de suas ideias absolutistas em seus países de origem. Agora mesmo os brasileiros que lá jogam estão relegados à reserva de suas equipes, de onde dificilmente sairão. No entanto são festejados como aqueles craques que levarão a seleção brasileira ao patamar olímpico.     Da equipe argentina, campeã olímpica, somente um dos jogadores atuava na NBA,e como estrela absoluta, e os outros o faziam na Europa, principalmente na Itália, onde, pela força da dupla cidadania de seus jogadores aperfeiçoavam um método de jogar antagônico ao da NBA,  e totalmente condizente à realidade das regras internacionais negadas pelos norte americanos. Foram campeões por sua extraordinária inteligência ao perceberem que venceriam se explorassem a fragilidade dos americanos perante a crueza das regras internacionais.  Para nos restou a pseudo e estúpida aceitação do que chamam”basquete internacional”,numa prova cabal de quase total ausência de amor e respeito por nossas raízes culturais e passado brilhante na forma de jogar, forma esta que nos fez imbatíveis em nosso continente. Hoje nem em divisões de base vencemos os irmãos argentinos, que fugiram do exclusivismo perante o modelo NBA. Resta-nos a união pela discussão, pelo embate das ideias, pela fundação de associações estaduais de técnicos, que discutam a modalidade em função de suas regionalidades para, ai sim,em torno de uma associação nacional reencontrar o caminho perdido nos últimos 20 anos. Caberia a CBB encorajar esse caminho,e não se situar como principio, meio e fim na busca das soluções para os graves e terminais problemas que nos afligem.Houve uma época em que fundávamos uma ANATEBA, uma BRASTEBA, que nos reuníamos em pequenos, porém encontros técnicos para técnicos, onde discutíamos e discordávamos, mas sempre concluíamos algo de interesse do basquetebol. Divergíamos porque não utilizávamos em nosso trabalho uma única fonte inspiradora. Tinhamos até”escolas”como a paulista,a carioca,a mineira, como outras,que ao se enfrentarem nos campeonatos nacionais definiam os caminhos de evolução técnica a serem percorridos. Hoje o que apresentamos é uma única forma de atuar, calcada no modelo NBA, que nos chega de enxurrada pela TV,pelos jornais e revistas, em matérias regiamente pagas, em contraponto à nossa pobreza. Só sairemos dessa penúria no momento que nos reunirmos em encontros como os que aconteciam aos sábados na USP, onde mais de 100 técnicos assistiam palestras de colegas, e depois as discutiam, ou aqueles que aconteciam no Rio, no RGS e em Minas, dos que tenho conhecimento, e que eram levados a sério pela CBB, que hoje simplesmente omite qualquer manifestação que não compactue com suas orientações exclusivamente de cunho político continuístas, onde inexiste discussão aberta sobre as técnicas da modalidade que representam. Um exemplo? Em 1971,quando exerci a função de coordenador do Laboratório de Tecnologia do Ensino da EEFD/UFRJ  propus a realização de um filme de média metragem semi profissional em 16mm sobre o Campeonato Mundial Feminino realizado aqui no Brasil. Juntos,EEFD e CBB levantamos uma pequena verba para a compra e a revelação dos negativos, e realizei, filmando, roteirizando, editando e gravando o único filme técnico sobre basquetebol feito em nosso país. Cópias foram distribuídas até no exterior, como Austrália e Portugal,e outras que até recentemente faziam parte do acervo de duas escolas de Ed.Fisica quando se deterioraram pelo passar do tempo.Quatro anos atrás descobri os negativos de imagem e de som do mesmo e corri para um laboratório especializado de cinema para tentar salvá-lo.O orçamento foi de seis mil reais aproximadamente. Como não dispunha dessa quantia fui a CBB tentar que me ajudassem a salvar aquele único documento da extinção. Resultado? Até hoje o material mofa em um refrigerador da LABOFILMES,e nem sei se ainda existem.O único filme de basquetebol feito no Brasil e documento de um Mundial aqui realizado, patrocinado pela CBB não teve dela a menor ajuda em sua restauração.Uma entidade esportiva que não preserva sua história não está cumprindo sua função de guardiã das técnicas do passado, quiça as do futuro. O que resta? A reação daqueles que são os verdadeiros artífices do jogo, aqueles que em suas funções de professor e técnico mantêm viva a modalidade.Enfim,  aqueles que compõem o cerne e a alma do basquetebol, os Técnicos. Unamo-nos e levaremos o basquetebol de volta ao cenário mundial.

Em tempo – Consegui salvar o filme, relatado no artigo Enfim Salvo aqui publicado.

Amém.

 

VERGONHA NA CARA…

basquete3-001

 

Tenho visto jogos, alguns jogos pelo NBB, mais por teimosia, e uma vaga esperança de que algo de novo exploda de uma vez por todas essa mixórdia implantada pelo sistema único, com seus chifres, polegares, punhos, ombros, camisas, tudo misturado e unificado por jogadores destituídos de criatividade, algemados que estão pelas exigências táticas de pranchetas midiáticas, empunhadas por técnicos veteranos e novatos, como lanças medievais que os caracterizam, a ponto de vermos armadores superarem seus marcadores na armação inicial de jogadas, e absurdamente retornarem para viabilizarem os sonhos quiméricos dos estrategistas que os comandam (?), quando estabeleciam superioridade numérica de 5 contra 4, uma das bases fundamentais do grande jogo, claro, aquele bem pensado e jogado, e não esse que aí está, preso a uma mesmice endêmica de se lamentar desde sempre…

Como no jogo de ontem entre Flamengo e Bauru, classificado de exemplar pelo técnico vencedor, mas que contou com com uma enchente de 20/49 nos arremessos de três e nada menos que 25 erros de fundamentos, entre outros senões, como a mais completa inabilidade ofensiva da equipe paulista, que lastima ter sido forçada ao jogo 5 x 5 (como denominam os ataques coletivos de meia quadra), quando seu forte é o contra ataque e o jogo 1 x 1, omitindo entretanto sua maior falha, a ausência defensiva nos perímetros, o que liquidou suas pretensões…

E capitaneado pela sempre mencionada mesmice endêmica, vai nosso basquete se afundando cada vez mais, tática e tecnicamente (principalmente nos fundamentos individuais e coletivos), no momento em que deveria estar convincentemente lastreado e preparado, a fim de enfrentar as agruras de uma olimpíada caseira que se avizinha celeremente…

Foi então que relendo alguns artigos aqui publicados, sugiro um em especial, pois bem poderia ter sido escrito hoje, sem perder um parágrafo, uma simples vírgula, na confirmação do que passamos, continuamos a passar, e passaremos até um dia que reconheçamos que o que nos falta é vergonha na cara, até quando?…

Amém.

Foto – Divulgação LNB

 

O INÍCIO PROMISSOR (?)…

IMG_0130-002

CapaCoaches-148x84

 

Paulo, para variar, uma pergunta inédita – Como você projeta o nosso basquete para 2016, o ano olímpico aqui em nossa casa?

Olha cara, não o projeto, e sim prevejo densas nuvens de continuidade do que ai está, desde sempre…

Claro, com algumas novidades no pedaço, como a enxurrada de novos head coaches credenciados no nível III pela exigente e qualificada ENTB (aquela dos cursos de 4 dias…), no comando de equipes da elite do LNB, e que após observar a maioria deles em alguns jogos do NBB, posso, com alguma precisão, defini-los como reais continuadores da atual escola brasileira, a do sistema único formatado e padronizado em todas as faixas etárias do basquetebol em nosso país, onde:

- Os jogadores continuam a ser definidos em posicionamentos de 1 a 5, vício enraizado unilateralmente pelos “conhecedores” da modalidade, avalizada por uma mídia especializada que teima em rotular posições e habilitações técnico táticas sobre algo que definitivamente pouco entendem, nem poderiam, pois quase nada conhecem do verdadeiro grande jogo, atrasando, bloqueando até, o seu natural desenvolvimento, já que influentes na formação de opiniões “conceituais” junto aos que se iniciam na prática, ou mesmo na apreciação da modalidade;

- Jogadas padrão formam o arsenal de todos eles, onde chifres pluridirecionais, punhos idem, camisas, picks com ou sem rolls, infinitos passes lateralizados, polegares para cima e para baixo, bloqueios afastados do perímetro, defesas 2-3, 3-2, algo que definem como mistas, transições que não encontram qualquer embasamento técnico que as definam, ah, e as pranchetas midiáticas que tudo espoem a uma boquiaberta plateia de incautos jogadores e telespectadores a pretensiosa magia que julgam possuir através os equivocados e ininteligíveis garranchos nelas grafados,e tudo isso envolto pelo ridículo e comprometedor gestual ao lado da quadra, acompanhado pela sempre presente pressão aos árbitros, numa ode aos que os antecederam na nobre posição de líderes e comandantes que todos julgam ser e  merecer por mérito (?);

- Nos jogos assistidos, nada, absolutamente nada de inovador nos sistemas táticos foi sequer esboçado, nos levando à constatação óbvia de que, por força do corporativismo vigente, nada mudará, nada evoluirá no nosso indigitado basquetebol, a não ser a colossal mesmice em que se debate;

Então, como nada mudou , tanto de fato, como de direito, continuamos na tentativa de implantar um autofágico reinado, o das bolinhas, uma tendencia exercida por muito poucos especialistas nas grandes equipes mundiais, inclusive na NBA, mas que em terras tupiniquins se tornou regra geral, em que todo jogador, desde a base (?), se auto define como expert no mais difícil e seletivo dos fundamentos, o longo arremesso, aquele que exige o mais alto, preciso e estrito grau de direcionamento, com tolerância próxima aos 0,2 graus de desvio, fator que define o especialista do arrivista…

Quanto aos técnicos atuantes, veteranos e novos, sugiro a releitura do artigo 1000 publicado nesse humilde blog, onde os desafiei, e continuo a desafiar (lastimavelmente não me é permitido competir com os mesmos…), a mudarem algo no grande jogo que teimam em manter, numa aterradora mesmice técnico tática, que, infelizmente se fará representar na competição olímpica desse ano, na qual nossos experientes representantes na  liga maior, a NBA, mais trajam elegantes ternos ao lado dos bancos do que atuam, e os mais jovens são remetidos à Liga D, todos com muito poucos minutos de quadra, exatamente quando necessitariam estar em forma para a competição olímpica caseira. O hermano vai ter uma trabalheira daquelas, fator que os agentes da turma estrelada se lixam, na medida que os dólares 4/1 encham seus bolsos…

No feminino, no qual atuei a muitos anos atrás, tendo sido técnico campeão nacional de seleções adultas e formação de jovens, optei pelo masculino por ter sido no mesmo toda minha formação básica, teórica e prática, o que não retirou de mim a capacidade analítica em ambas as categorias, tornando-me perfeitamente apto a tecer comentários sobre as mesmas. Então, posso dizer o seguinte sobre a crise que se abateu entre a CBB e a LFB –  Trata-se de uma antiga disputa de egos, onde uma comunidade especialíssima, a da formação de base feminina, trabalhando a décadas nas condições mais precárias, se vê,mais uma vez (lembrem-se da imposição técnica da CBB do Brito Cunha no Mundial 94 e sucedânea Olimpíada) submetida aos caprichos políticos e de escambos, justamente na vitrine olímpica caseira, onde resultados cedem espaço precioso a currículos de técnicos com fortíssimos QI, garantidores de bons empregos quando cessam os esgares pós olímpicos, pois mais adiante outros acontecerão, e se repetirão as injustiças, até um dia que se unam de verdade, todos os responsáveis pelo feminino, todos os responsáveis pelo masculino, a fim de botar para correr esse insidioso corporativismo que esmaga e humilha o grande jogo em nosso país, e para o qual, mérito é algo a ser combatido e posto de lado, desde sempre…

Amém.

 Fotos – Reprodução LNB e arquivo pessoal.