RESPONDENDO O ÓBVIO…

 

P1130045-003

 

Paulo, sei que você anda meio ressabiado com o nosso basquete, mas como você agiria nessa final entre Flamengo e Bauru amanhã em Marília? Acredito que alguns técnicos jovens gostariam de ouví-lo a respeito, o que acha?

Foi um email que recebi ontem de um desses jovens técnicos que, vez ou outra, me escrevem levantando questões técnico táticas que interessam aos mesmos, na grande vontade que têm de evoluírem no grande jogo, e que na opinião deles tenho sempre algo a acrescentar…

Pessoalmente acho um pouco exagerado esse interesse pelo pouco que sei, mas como sempre costumo responder a quem me escreve, vamos lá:

Inicialmente, ao esclarecer que nada do que fazem os estrategistas atuais, como dar pinotes, corridinhas, gestuais imitando voos ou cercando aves em galinheiros ao lado da quadra, berrando, assoviando (isso mesmo, já orientam jogadores com assovios, como bichinhos amestrados…), chutes em cadeiras, arremessos de pranchetas, palavrões, muitos palavrões, cavernosos gritos, intimidadores rugidos, e mais palavrões, forçando e adentrando câmeras e microfones que veiculam para milhares de lares (ainda muitos mais milhares agora com a TV aberta) suas lastimáveis continências verbais e gestuais, dirigidas, não só a seus jogadores, como, e principalmente às arbitragens, álibis perfeitos para justificar suas falências, enganos e equívocos brutais, produtos do mais tenebroso corporativismo que implantaram no basquetebol de nossa terra, tudo somado a uma forma de ver e aplicar sistemas idênticos de jogo, invencionices de ocasião grafadas em ridículas, porém mais do que midiáticas pranchetas, verdadeiras vitrines de suas sapientes qualidades de estrategistas que pensam ser, de verdade, mas não são, e jamais o serão se continuarem por esse caminho, que os qualificam  como produtos de um marketing exógeno interessado e voltado a uma conveniente formação dos jovens e futuros líderes desse enorme, desigual e injusto país.

Pois bem, ao pensar, ser e atuar em antítese do que acima expus desde sempre, somente poderei agregar um posicionamento, o de nada, absolutamente nada, comungar com e como o fazem, de forma nenhuma, pois propugno pelo diálogo franco, pela pesquisa utilitária, transparente e discutida meticulosamente no treino, democrática, onde o “eu quero” sempre cede lugar para o preparo, o trabalho consensual, o sacrifício grupal e não de uns poucos, na busca do coletivismo, o verdadeiro, pois aceito, e não o pastiche do que julgam ser um conceito de equipe, onde o dedo em riste impera (ou pensa imperar…) absoluto (o último jogo da Liga Ouro bem demonstrou isso), mas até quando meus deuses?

E embalando esse triste roteiro, o aceite e a “compreensão” da mídia televisiva, e até a impressa, desse monstrengo comportamental repetitivo, monocórdio, cansativo, vicioso, comprometedor, sem que nada seja feito para expurgá-lo, e tudo isso sem falar nos comportamentos técnicos e táticos, nos sistemas adequados, nas estratégias corretas ao soerguimento do grande jogo entre nós…

Por tudo isso, é que se torna impraticável expor, frente ao que ai está descrito, o que e como agiria neste jogo do playoff final, a não ser, num hipotético exercício afirmar que, atuaria em permanente dupla armação, tripla e incisiva movimentação interior, com sucessivos corta luzes, trocas, passes curtos, e mais curtos ainda arremessos, no âmago da defesa adversária, em zona ou anteposição pessoal, com eventuais voltas de bola para o perímetro exterior, onde os arremessos longos poderiam ser exercidos com maior eficiência por terem tempo hábil para posturas equilibradas dos especialistas nesse especialíssimo arremesso, e mais eventuais ainda penetrações dos armadores, para finalizações em DPJ, mais difíceis de serem contestadas, para de 2 em 2 e 1 em 1, garantir contagem otimizada pela garantia de percentagens maiores resultantes de arremessos mais precisos pelas distâncias menores, com colocação reboteira automática pela presença dos três homens altos permanentemente dentro do perímetro interior, e mais, garantindo, pela formação utilizada, eficiência e velocidade defensiva na linha da bola, com permanente defesa dos pivôs à frente, sempre, obrigando o adversário às penetrações, concedendo ao mesmo possíveis conclusões de 2 pontos, ao se verem contestados nas tentativas de fora do perímetro…

Mas claro, todo esse hipotético exercício somente seria factível através uma preparação mais antítese ainda do que ocorre maciçamente na realidade do nosso basquetebol, onde o rachão ainda é deveras prestigiado, e onde a prática dos fundamentos não encontra a plena aceitação que deveria ter, como a ferramenta básica para a prática do grande jogo, da formação de base até a elite, indistintamente…

Então prezado leitor, me desculpe não emitir opiniões técnicas e táticas por sobre o que apresentam as duas equipes finalistas, a não ser pelo viés do que eu não faria, somente isso. Aliás, e a respeito do que aqui mais uma vez afirmei, recebi, como em todos os NBB’s anteriores, um formulário de votação para os melhores do NBB8, onde a pré escalação posicional já vinha estipulada em armador, dois alas e dois pivôs, além de outras escolhas, como sexto homem, melhor isso ou aquilo, mas de saída indo de encontro ao que acredito ser o correto, dois armadores, e três alas pivôs hábeis, velozes e elásticos, que defendi e emprego a mais de quarenta anos, e que aos poucos vai sendo aceito mundialmente, inclusive, por equipes da NBA. Não respondi…

Amém.

Foto – Reprodução da TV. Clique na mesma para ampliá-la.

 

 

UM POUCO DE MIM (DESDE 1960)…

IMG_0130-002OLYMPUS DIGITAL CAMERAIMG_0139IMG_0126IMG_0237IMG_0127IMG_0125BWEquipeDF1IMG_0124IMG_0114IMG_0116IMG_0123aIMG_2215DSCN0077_MG_9255_002P1010108P1010033

Um pouco de mim desde a década de sessenta aos dias atuais, respondendo

a alguns que negam e tentam denigrir o meu humilde trabalho, na formação

de base, em seleções, masculinas e femininas, até as primeiras divisões,

além das palestras e conferências internacionais, formulação e fundação de

associações de técnicos, e divulgação de técnicas e discussões sobre o grande

jogo através esse blog nos últimos doze anos, concomitante a uma

carreira acadêmica em todos os níveis de escolaridade, culminando no ensino

superior na UFRJ, UFF, UERJ, Castelo Branco e FMH/Lisboa. Foi o que pude

meritóriamente realizar em mais de 55 anos de profícuo e sacrificado trabalho pela

educação do nosso imenso, desigual e mal tratado país.

Pois bem, apesar de também ser jornalista formado, e ser editor deste blog, sequer recebi

uma resposta ao pedido de credenciamento às finais do NBB8, numa atitude incompreensível

da liga e do comitê de imprensa do CR Flamengo, mesmo comportamento adotado pelo COB a

respeito da Rio 2016. Triste e lamentável. Mas essa trincheira continuará de pé, queiram ou não…

 

Amém.

Fotos  Arquivo pessoal. Clique nas mesmas para ampliá-las.

 

TUTELA x CRIATIVIDADE…

 

 

Começou a decisão da Liga, num playoff de cinco jogos que, desconfio, não  ultrapassem quatro,dada a superioridade carioca num único requisito perante a mesmice tática perpetrada por ambas as equipes, o fato inconteste de que se em  um determinado momento da partida uma delas ousa mudar, simples assim, mudar a forma de atacar, como foi a opção carioca, abrindo mão de inconsequentes bolinhas e investindo no jogo interior, onde a velocidade dos seus grandões (com a dupla Meyinsse e Alexandre em alta) ao superar a menor agilidade dos paulistas, sempre se dará bem, pois não encontra nestes reciprocidade por apostarem cegamente no jogo exterior, e os números atestam a opção, com17/32 de dois pontos e 9/28 nos três dos paulistas, contra 23/40 e 6/21 respectivamente de seu oponente, que venceu por seis pontos, e que poderia ter alcançado margem maior se trocasse a metade dos erros de três por tentativas de dois (as primarias continhas…), mais precisas e eficientes, e ainda tendo a seu favor os nove lances livres perdidos do Bauru…

No entanto, algo ainda preocupa bastante, o elevado número de erros de fundamentos, 23, sendo 14 da equipe vencedora, sendo que a maioria deles foram de perdas de bola nos dribles, através alas que desconhecem a ambidestralidade (que tal treiná-los?), e passes interceptados, fatores capitais dentro de um sistema de jogo que prioriza o 1 x 1, antítese do coletivismo que muitos pregam e sequer desconfiam dos porquês de não funcionar…

E por que não funciona? Porque os técnicos que ai estão insistem na tutelagem, não admitindo a criatividade espontânea de jogadores cada vez mais descerebrados por um sistema equivocado de jogo, encordoados de fora para dentro da quadra, como marionetes manipuladas por todo o tempo de uma partida, com frenéticos técnicos determinando ações praticamente dentro da quadra (acho que ambicionam serem o sexto jogador na pesquisa da Liga…). Nos tempos pedidos, pranchetas os induzem a movimentações que se convenientemente bem treinadas as dispensariam de vez, aspecto que assombraria a corporação dos estrategistas, que seriam privados de sua vitrine midiática, colocando-os ante a realidade de um jogo, o grande jogo, que em sua maioria só conhecem através da mesma, e que vai muito além de suas “concepções filosóficas”…

Agora mesmo que redijo esse artigo, assisto o massacre do Thunders sobre o Warriors, não que tal vitória neste terceiro jogo de uma serie de sete, determine a derrota definitiva da equipe californiana, mas onde um fator se destaca sobre todos aqueles que definem o jogo, a possibilidade de defesa sobre o Curry, sobre o Thompson, sobre uma equipe que a nossa mídia especializada afiança ter modificado a forma de encarar e jogar basquetebol, como uma nova era, etc, etc e tal…

O grande jogo ainda se manterá como uma experiência de criatividade bem acima de outras modalidades, onde jogadores se bem iniciados, treinados e irmanados em torno de um bem comum, produzem arte, a arte de bem jogar, estimulados e orientados nos treinos, e auxiliados pontualmente nos jogos, por técnicos experientes e preparados na arte da liderança, ajudando e incentivando-os quando necessário nas partidas, e não tentando manipulá-los por todo o tempo, numa pantomima que atinge seu ápice através os rabiscos ininteligíveis de suas empregadoras pranchetas.

Mas acredito que sairemos, não sei bem quando, mas sairemos, dessas amarras, deste limbo intolerável…

Amém.

Em tempo – Recebi ontem esse comentário no artigo A Escola Carioca de Basquete depois de 54 anos que tive o Eddy como jogador na mesma. Uma formidável lembrança.

  1. Eddy HallockYesterday· 

    Joguei no primeiro time formado pelo Prof Paulo Murilo. Jogamos como Escola Carioca de Basket e depois no Vila Isabel. Foi um tempo maravilhoso. O meu amor pelo basket dura ate hoje, aqui nos EUA depois de 52 anos – tinha 17 na epoca e agora com 69. Se o nosso querido tecnico ler essas palavras, me escreva. Grande abraco. Eddy Hallock

  2.  O Eddy é o segundo em pé da esquerda para a direita.

 

BASQUETE, PRANCHETAS E VAIDADES…

P1000629-001

Tenho estado fora do blog por algum tempo, já bem prolongado, mas não ausente do entorno do grande jogo, mesmo que me negue a descrevê-lo pela mediocridade que o envolve desde sempre, numa inamovível triste realidade que, salvo raras exceções, mantêm nosso basquetebol no patamar de uma mesmice endêmica de arrepiar…

E poe mesmice nisso, técnica e taticamente, onde o volume de erros de fundamentos chega a uma média aproximada de mais de 25 por partida nos playoffs (façam as continhas, por favor), números que constrangem numa liga maior, princialmente nas fintas com drible por parte de alas que somente tem olhos para os lances de três, e nos passes, por conta de armadores que visam as finalizações ao preço que for. Taticamente, novos chifres e punhos dão as caras, que agora são largos, especiais para baixo, para o lado, e aonde não sei mais, mas que, invariavelmente, não funcionam, a não ser nas superfícies lustrosas e delirantes das midiáticas pranchetas, verdadeiros e lamentáveis biombos entre estrategistas e jogadores, afastados e dicotomizados personagens de um desencontro sem prazo de validade…

E uma constatação, triste constatação, a de vermos monocordicamente a exibição de vastos conhecimentos táticos através estrategistas que clara e diretamente enviam seus rebuscados, rabiscados e ininteligíveis recados para uma tripla audiência, a mídia que os deificam, dirigentes que os contratam e um público que pensam ser suscetível a tanta sapiência, mas que aos poucos vão se dando conta de tamanho engôdo.  No entanto, como ficam os jogadores cassados das informações mais vitais, aquelas que deveriam ser passadas nos treinos, isso mesmo, nos treinos, que se bem assimiladas dispensariam as “atualizações pranchetadas”?  Omitem informações básicas (terreno exclusivo para quem realmente conhece o grande jogo…) sobre o comportamento defensivo dos adversários, suas brechas individuais e coletivas, suas opções ofensivas (e ai vale o peso do treino defensivo voltado às suas próprias falhas…), tudo relevado a lamentáveis  atitudes, como a “falta tática”, artifício rasteiro e comprometedor de quem não sabe, sequer desconfia do que venha ser defesa, dominar suas técnicas e minúcias, substituídas pela atitude vazia e indefensável da absoluta falta de conhecimento, ausente e trocado pelas “estratégias pontuais”, que em hipótese alguma são treinadas “exaustivamente” como afiançam os comentários televisivos, substituídas pela criação improvisada nas e em cima das coxas, berço das mágicas, midiáticas e fabulosas estrelas do jogo, por que se assim não fossem, dispensariam o gratuito e risível espetáculo que engendram…

20150214-3pt-stephshoot3-004

Mas um outro algo tem me chamado profundamente a atenção, o extremo conhecimento do basquete NBA por parte de nossa imprensa jovem, que vai muito além da crítica pura e simples do que veem pela TV, indo a detalhes técnicos e táticos “admiráveis e profundos, profundíssimos”, muitos dos quais sequer domino após mais de cinquenta anos de batente, no que avalio ser a diferença de alimentação, vacinação, sei lá, dessa geração precoce e antenada numa rede (onde está tudo lá, bem mastigadinho…) que não frequento, mas se o fizesse, jamais omitiria suas referências, atitude básica ao mundo acadêmico a que sempre pertenci, trocando-as simplesmente pela simplória…quadra, onde as verdades verdadeiras realmente acontecem…

Finalmente algo que mexeu comigo, mexeu mesmo, pela imprecisão e deliberado esquecimento de um fato marcante ocorrido seis anos atrás em Vitoria, quando dirigi a equipe do Saldanha da Gama por 11 jogos (tão poucos, meus deuses!) no NBB2, numa ação de 49 dias (todos aqui reportados) de muito trabalho, sérios imprevistos, mas plenos de inovações técnicas e táticas que, queiram ou não os analistas jovens ou veteranos, influem até a presente data no nosso basquetebol (a confraria corporativista nega isso, mas eu sei,,,), e que se lá tivessem tido continuidade em muito as teriam acelerado (lá se vão seis temporadas…), pois seriam desenvolvidas por quem as criou, treinou e praticou, à imagem daqueles desprestigiados e subestimados (até hoje o são…) jogadores, e por mim, afastado compulsoriamente até hoje, numa inexplicável ação varrida para baixo do tapete dessa curta história da Liga. E o motivo que me incomodou foi um trecho da entrevista dada ao Globoesporte, pelo dirigente Alarico Duarte, quando afirma em um dos parágrafos da mesma:

(…)Quando nosso time saiu da Liga (Saldanha da Gama), algumas pessoas até gostaram, que sobraria mais dinheiro para outros esportes. Mas hoje de mim, amanhã de ti. O Estado ajudava aqui com transporte e tudo, mas não era possível contratar um time competitivo. O time não tinha dinheiro, tinha alguma estrutura, como tínhamos. Mas não tínhamos o salto de qualidade quando o NBB cresceu. Quando todo mundo era igual, ganhamos do Flamengo lá dentro, do Brasília, do Pinheiros. Mas depois, os outros estados evoluíram e ficamos no mesmo – recorda(…).

P1030919-002

 Impressionante tais declarações, pois a equipe em questão, que foi montada por ele mesmo (a peguei no returno daquele campeonato),  era composta de muito bons jogadores, que frente aos resultados alcançados no restante da competição, exatamente por se diferenciar tática e tecnicamente das demais equipes, pela propriedade de sistemas diferenciados de jogo, daria o salto mencionado de qualidade no NBB3, sem dúvida alguma, pois, apesar do desmonte provocado por ele mesmo após os dois bons resultados em São Paulo (quando afastou três importantes jogadores, dois dos quais titulares), enfrentou a corajosa e dedicada equipe duas semanas de derrotas que poderiam ter sido contestadas se tivesse sido mantida completa, mas que mesmo a frente de tantos obstáculos, conseguiu  ascender a uma condição técnico tática admirável, mesmo restrita a uma rotação dos nove experientes jogadores remanescentes. Logo, bastaria ter mantido a equipe, com no máximo duas novas contratações de jogadores sem muita projeção midiática, mantendo a mim e a mini comissão técnica existente, para que o salto fosse dado. Preferiu uma parceria fracassada com uma equipe paulista que  visava a posse da franquia, que somente aproveitou dois jogadores daquela bela equipe, ficando na lanterna do paulista, provando a fraqueza do projeto, e mais adiante, preferiu investir no sistema único de jogo (fator que anulava o tal salto de qualidade…),amealhando derrotas de mais de 50 pontos, mesmo contando com alguns jogadores remanescentes da equipe do NBB2, negando a qualidade do meu trabalho inovador. E quando digo inovador, podemos avaliá-lo por conceitos que aplicamos e publicamos na época, e que vem sendo utilizados pela maioria das equipes atuais, como a dupla armação e a utilização de três homens altos ágeis e velozes, mas claro, muito longe da forma como jogávamos (e aqui vai um exemplo), pois os princípios didáticos utilizados na implementação daqueles sistemas, o ofensivo e o defensivo, continuam inalcançáveis pelos estrategistas que ai estão, quando simplesmente trocam um ala por outro armador, mantendo, no entanto, o sistema único intocado, principalmente na tutela rígida e excludente de jogadores às jogadas impostas de fora para dentro do campo de jogo, e que por conta disso vemos aumentar vertiginosamente desobediências técnicas e táticas por parte daqueles jogadores mais inconformados, ou simplesmente, mais esclarecidos…

Sinto muito pela omissão depreciativa do Alarico, a quem fui leal ao não aceitar, na sua presença, a um convite de uma das maiores franquias da Liga, o que lastimo profundamente hoje, ao aprender como funcionam as engrenagens do desporto de alto nível em nosso infeliz e injusto país. Mas no fundo o compreendo, e um jogo esclarece muito sua posição, quando num ginásio repleto em Vitoria, o classificado nos playoffs e eterno rival Vila Velha, perdeu para seu Saldanha por 30 pontos, dirigida por um veterano professor e técnico que, (in)felizmente teve seu nome aclamado pela torcida em cena aberta (está no vídeo), num gesto espontâneo de agradecimento pelo trabalho realizado, mas mortal quando a vaidade é posta em jogo…

Em tempo – O Flamengo ao vencer o Mogi na quinta partida do playoff, se classificou à final com o Bauru, também para um outro melhor de três. Venceu uma partida em que ambas as equipes privilegiaram o jogo interno, mais seguro e eficiente, não exagerando nas bolas de três, e atuando ambas em dupla armação e velocidade no perímetro interno, com uma única exceção, o Paulão, pivô estilo cincão que, com sua baixa velocidade propiciou ao Flamengo um domínio nas táboas sempre que o mesmo estava em quadra, a tal ponto que os cariocas, numa decisão, somente arremessaram 3/5 lances livres. Velocidade contra massa não se discute mais, ah, mais uma das lições do Saldanha do Alarico no NBB2…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las, e nas palavras em negrito para acessar multimídia.

 

DEVAGAR, QUASE PARANDO…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Tirei mais um tempo, afinal o que poderia escrever, expor, discutir, argumentar, contrargumentar, exemplificar, talvez, quem sabe, ensinar o pouco que sei, o muito pouco que amealhei em tantas décadas de dedicação ao magistério, à técnica, à competição, ao entendimento do grande jogo, onde aprendi mais do que ensinei desde sempre…

Devagar, muito devagar foi se desvanecendo a ardorosa áurea que me deslumbrou por tanto tempo, me levando a caminhos ásperos, tortuosos e imensamente sacrificados ao encontro de um saber que muito poucos aceitam, admitem, sequer se interessam, numa realidade onde o consumo imediatista, midiático e superficial, se impõe acima de valores  tão esquecidos, como o mérito, a competência, o talento, a entrega, o comprometimento indissolúvel com o processo educacional, base estrutural da cultura de um povo, na vida, no estudo, nas artes, no esporte…

Como aos 76 anos de laboriosa vida, mas ainda saudável, lúcido e coerente com meus valores, poderia ir de encontro a essa realidade artificial e  lúdica que paira sobre o grande jogo, iludido com as benesses comerciais, circenses, exibicionistas, porém afastada do cerne fundamental para sua exequibilidade como desporto de alta competição, somente plausível com um projeto de base estruturado e factível dentro de nossa parca realidade, assim como a propriedade de novos sistemas de jogo, audazes, corajosos, inovadores, única oportunidade que temos de reconquistar e soerguer a modalidade em nosso país? …

Dias atrás, o comentarista do sportv mencionou o meu nome como o introdutor de um sistema de dupla armação e três pivôs, aplicado no NBB2 pela equipe do Vitória (na realidade foi no Saldanha da Gama), e que não me foi dada a oportunidade de sedimentá-lo, no que talvez acelerasse o seu entendimento, que hoje, no NBB8 é aplicado de forma superficial, com algum sucesso, por equipes do mesmo, seis anos após sua corajosa introdução na maior liga do grande jogo no país. O comentarista Renato do sportv e o jornalista Giancarlo Gianpietro do blog Vinte Um, foram os únicos até hoje a comentarem sobre minhas tentativas de atualizar taticamente o basquete nacional, uma luta que somente me obsequiou dirigir onze partidas no NBB2…

Mesmo defenestrado, continuei a peroração neste blog, inatingível pelo corporativismo existente, para sua aplicabilidade, como algo que poderia sacar a modalidade do limbo que a impuseram com o sistema único, com seus chifres e punhos canhestros, de uma pobreza técnico tática autofágica profundamente lamentável e retrógrada, originando em seu bojo a inefável sangria das bolinhas de três, onde dez de cada doze jogadores de uma equipe se acham especialistas nas mesmas…

E o mais emblemático, lamentável e comprometedor aspecto, a vitrine das midiáticas pranchetas, onde a maioria dos estrategistas as utilizam através apresentações risíveis e patéticas, à cores e HD, num pretensioso domínio estratégico de um jogo que vai muito além, muito além mesmo de suas arrogantes e vazias demonstrações…

Hoje, frente a uma realidade cada vez mais aceita internacionalmente, a qual ousei aplicar  seis anos atrás depois de a desenvolver por mais de quarenta anos, correm todos estabanadamente na busca do primado vencedor, somente esquecendo, ou melhor, suprimindo por ignorância o como fazer dois armadores e três pivôs agirem, interagirem, fluindo em uníssono, no ataque e na defesa, criando e improvisando em torno de um tema em comum, arte de quem conhece as bases e os fundamentos didático pedagógicos para a consecussão de um projeto de tal envergadura, e não tão somente escalando dois armadores e três pivôs, distribuindo-os nas controladas e estanques jogadas do sistema único, onde chifrar é o tema a ser seguido coercitivamente, senão…banco!

Devagar, quase parando é como me sinto, triste de não poder participar de um processo pelo qual dediquei toda uma vida, todo um ideário no âmago do grande, grandíssimo jogo. Mas de vez em quando analisarei algum jogo, desenvolverei alguns artigos técnicos, comentarei assuntos inerentes à profissão, quem sabe atingindo os 1500 artigos publicados nos últimos doze anos de existência dessa democrática e inexpugnável trincheira, humilde trincheira…

Amém.

Foto – Última equipe que dirigi na Supercopa, Cabo Frio, sozinho com oito jogadores, e ainda vítima de calote. Clique na mesma para ampliá-la.

 

MUDOU O JOGO, OU…

Heat vs. Warriorssailors_242013-002165058_b_ball_Naismith355x325-001

 

 

(…) o basquete não pode ser dividido, fatiado. Você avalia se um atleta é bom pelo que ele produz dos dois lados da quadra, tira a média e pronto.(…), trecho de uma postagem do Fabio Balassiano justificando a desigualdade ofensiva e defensiva do Huertas agora no Lakers.

Desculpe o jornalista, mas o “não pode ser dividido, fatiado” é premissa severamente discutível, pois o basquete tem de ser dividido, é dividido em ações defensivas, fatiadas em individuais e coletivas, da mesma forma que as ofensivas, inclusive para ser ensinado, basicamente fundamentadas na premissa primordial, de que se trata de um jogo coletivo de ataques e defesas, no qual indivíduos bem preparados, treinados, se defrontam física, mental e psiquícamente em busca de um resultado que, ai sim, refletirá suas prestações nos dois lados da quadra, que quanto  mais equânimes técnica e taticamente forem, mais se aproximarão de um desfecho favorável, e onde tiradas de médias produtivas individuais falsearão o resultado almejado, quando um ou dois elementos bons “lá na frente” e medíocres, falhos “atrás”, jamais serão compensados pelos seus companheiros, por melhores que sejam. Técnicos de alta qualidade (mesmo…) sabem muito bem tirar partido dessas desencontradas médias, como estamos fartos de testemunhar quando os enfrentamos na alta, verdadeiramente alta competição, ponto…

Um outro comentário do Marcel em seu blog, descortina um pouco do que vem ocorrendo com a influência Curry na NBA, e no mundo, por que não, valendo muito seu testemunho de grande arremessador que foi:

 

(…)Esse negócio do Curry chutar com 43% de mais de 8 metros de distância é o que os norte-americanos chamam de “curve ball”, ou seja, alguma coisa que ninguém estava esperando.

Stephen, que já estava fazendo das suas na temporada passada, nesta realmente pegou todo mundo com as calças nas mãos.

Muita gente me pergunta se ele trouxe de volta o basquete “de um passe e um arremesso” que minha geração perpetrou com vantagens inusitadas.

Um certo revanchismo pairou no ar, mas não é nada disso. Curry criou um novo jogo.

O basquete tinha virado um esporte de isolamento, com jogadores altamente especializados.

Uns controlavam o jogo e mantinham a posse de bola até o último instante.

Outros, especializados no P&R, passavam o tempo todo a procurar alguém para fazer um corta-luz.

Reboteiros nascidos assim, pouco se importavam com outra coisa senão irem atrás da bola assim que ela fosse arremessada.

Tudo isso regado a jogadas e sistemas que mais que valorizarem, justificavam essas especialidades. Ao passar a linha de meio campo e se tornar uma ameaça real à defesa, Curry abre o campo e facilita o sistema de jogo de sua equipe, além deixar a defesa adversária sem opção “estudada” previamente.

Sim, afirmo e pergunto: Como defender um jogador assim? A NBA se especializou em buscar jogadores com físico privilegiado e especializá-los em alguma das categorias já citadas acima.

Curry não é nada disso.

Quem vence manda.(…)

Bem, cabe aqui algumas reflexões, a começar pelo fato inconteste de que retrata em detalhes o sistema único que tanto reprovo, repetitiva e incansavelmente reprovo, mas ressalvo que os fatos apontados na armação prolongada, a busca incessante dos picks, a ação lixeira dos reboteiros na busca das sobras dos arremessadores, ah, os arremessadores, os longos arremessos, que ele próprio confessa ter pertencido a uma geração que os “perpetrou com vantagens inusitadas”, são frutos de uma formação de base, após esse período que vivenciou,  pecando exatamente pela especialização, onde, por exemplo, um(a) adolescente de elevada estatura era restrito(a) aos rebotes e sobras, situação que enriqueceu muito currículo daqueles que mais tarde vieram a dirigir a elite, que sempre foi seu objetivo, salarial inclusive, do que formação de base, trabalhosa e que exigia, exige e sempre exigirá muito estudo, pesquisa, árduo trabalho e, acima de tudo, talento e competência…

O Curry, parece que vem reabilitar o “passe e um arremesso”, no que discordo, pois domina uma arte precisa e sofisticada, que inclusive comentei aqui recentemente, arte essa restrita a uns poucos, muito poucos, e que foi exercida com brilhantismo pelo comentarista, hoje também na TV, mas que infelizmente está adotando o comportamento festeiro da turma midiática, que nada acrescentará de realmente importante e decisivo ao grande jogo nesse terrível estágio em que se encontra, a continuar nesse caminho…

E foi indisfarçável o constrangimento nos comentários da turma do Sportv durante a derrota do Warriors para o Lakers, onde o Curry foi correta e severamente marcado, com um defensor fungando em seu cangote por todo o tempo, demonstrando que “toda evolução ofensiva gera sempre outra defensiva”, fator primordial ao progresso do grande jogo, em todo o lugar em que for praticado com dedicação e comprometimento mesmo entre equipes em pontas opostas na tabela…

Um outro exemplo defensivo contra a artilharia exterior foi a derrota inconteste do gatão(30 anos?…) LeBron para a “esfacelada equipe dos Grizzlies,  “onde defender dentro e fora do perímetro se fez presente por toda a partida, provando que contestação enérgica limita em muito a sede pelos longos arremessos, remetendo para dentro do perímetro a decisão de uma partida equilibrada, exemplo que é muito pouco levado a sério em nosso país, onde a cada dia que passa mais especialistas “lá de fora” aparecem, sob o amparo dos estrategistas em permanente plantão, senão vejamos:

Como analisar por qualquer parâmetro que se escolha um jogo tido como “brilhante, empolgante, altamente técnico”, como o disputado entre Mogi e Brasilia quando foram disparados 68 (68!!!) arremessos de 3 (8/38 para Mogi e 10/30 para Brasilia), contra 23/39 3 16/32 de 2 respectivamente, e 31 erros de fundamentos (11/20), numa inconcebível autofagia de bolinhas irresponsáveis, mas que foi decidido por um jogador atuando “dentro” do perímetro no quarto final, como respondendo positivamente à insânia que se instalou nos três quartos anteriores, inclusive por ele mesmo com seus 1 / 6 arremessos de três, e que bem espelha a formação de base que a maioria dos jogadores tiveram, equivocada e profundamente falha, onde a convergência toma ares de uma catástrofe que poderá nos criar grandes problemas na olimpíada caseira, Shamell venceu o jogo num momento de clarividência, atuando em oposição ao que ele e sua equipe vinham fazendo, assim como seu adversário, numa “chutação” desenfreada que surpreendia até o comentarista da TV, o emblemático Marcel…

Enfim, foi uma semana repleta de “causos”, nem sempre agradáveis, mas que elucidam, aos poucos, a real situação em que nos encontramos, uma profunda fenda nos separando de uma história rica em conquistas, a uma realidade ambígua e descerebrada, fruto de um corporativismo , que a ser continuado, sem dúvida alguma, nos levará para bem mais fundo de um poço que parece não ter fim, não só pelo nefasto e perene aspecto administrativo, mas muito, muitíssimo mais pelo aspecto técnico, responsável direto por tudo que aí está graniticamente implantado…

Temos saída? Somente se implantarmos didaticamente uma profunda reforma no ensino do grande jogo na formação de base, orientado e gerido por quem realmente domina as sutis nuances do mesmo, por quem domina a arte do ensinar a ensinar, criativa e democraticamente falando, para num médio longo prazo alcançarmos um patamar de excelência que nos permita voltar ao que eramos, ao que sempre fomos, e não esse pastiche que nos afoga e denigre…

O Curry não mudou o jogo, assim como Jordan e LeBron não o fizeram, honra esta somente estabelecida por Hank Luizetti da Stanford University, que em 1936 mudou o jogo por completo ao incluir o Jump Shot em sua história. Jordan e LeBron, e agora Curry somente expuseram maravilhosas técnicas e habilidades, mas que jamais alteraram as básicas regras iniciadas e implantadas por Naismith em Sprigfield no inverno de 1891. Luizetti foi a única exceção.

Amém.

Fotos – Reprodução da TV, e do Wilkpedia. Clique nas mesmas para ampliá-las.

 

ANDREA…

Um pouco da arte da minha filha, como bailarina, professora e coreógrafa Andrea Raw, no Dia Internacional da Mulher:

 

 

HD Videos – Paulo Murilo

TER RAZÃO, O QUE IMPORTA?…

P1010118

Publiquei este artigo em 2009, e nenhum comentário foi postado, o que não me surpreendeu nem um pouco, pois se tratava de algo nada relevante para o mundo do basquete que se praticava na época. Passaram sete anos e o republico agora, para quem sabe, ser alvo de algum comentário, ou depoimento sobre aquele algo que hoje se impõe na maioria das equipes do NBB, a dupla armação e a reavaliação e reposicionamento dos homens altos no perímetro interno. Claro que pouco, muito pouco espero, mas quem sabe…

 

DA ARTE DE SER CHATO…

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009 por Paulo Murilo- Sem comentarios

Que semana meus deuses, não bastassem as tristes noticias de falecimentos que nos levaram a Michelle e o Adilson, enchendo de tristeza todos os basqueteiros, ainda temos de suportar as cartas marcadas da próxima eleição da CBB, quando tudo ficará como agora, pois os candidatos são compadres de longuíssima data, e que darão gargalhadas( se é que já não as estão dando…) ao final de um pleito viciado e vicioso, onde a termo “mudanças” causa calafrios aos mesmos só em mencioná-lo.

Some-se a esta realidade a outra, mais evidente, da continuidade da mesmice técnico tática que vigorou, vigora e vigorará por ainda um longo tempo em nossas equipes ditas de elite, e suas influências capitais nas divisões de base, para as quais servem de espelho. E para sustentar um pouco tão preocupante quadro, me reporto a um comentário do leitor que se assina Do Sul sobre o artigo Déjà vue, publicado na semana passada aqui no blog:

·Do sulToday·

“Tu é chato hein Professor. Só sabe falar na tal de dupla armação. Baby fazendo 28 contra o minas e tu metendo o pau e dizendo que o grande negócio é jogar com dois armadores. De que adianta dois armadores se a maioria dos times não conseguem ter um que cumpra seu papel com louvor.Veja os armadores do pinheiros,veja o armador americano do bauro… Em certos momentos parece que o senhor que acabar com a posição número 5.Não é esse o caminho”.

Como vemos nesse comentário , em muitos artigos em blogs e na imprensa, e mesmo nas opiniões de analistas televisivos, sem contar com a opinião maciça da garotada, já que imposta pela maioria dos formadores de jovens praticantes, onde a onipresença do sistema único de jogo com sua nomenclatura posicional de 1 a 5, dão ao mesmo o rotulo de verdade absoluta dentro do contexto empobrecido e canhestro do nosso basquetebol.

No comentário, o fato do Baby ter marcado 28 pontos contra o Minas, caracteriza a vitoria do “cincão” dentro de um quadro técnico onde os mesmos, segundo muitos e muitos “entendidos” do grande jogo, são a base de uma equipe, onde os demais jogadores gravitam em torno do mesmo. Engraçada uma constatação, basicamente no jogo em questão, contra o Minas, onde o Baby, marcado infantilmente pelos dois pivôs adversários, o Murilo e o Alexandre, somente deslanchou na quadra quando os armadores Fred e Helio atuaram juntos, pois antes, o consagrado pivô se viu a frente de duas atiradeiras que se revezavam nas finalizações, os irmãos Machado. Com a dupla armação “de verdade”, as assistências ao mesmo se avolumaram, e se mais pontos não marcou foi pelo fato da enxurrada de arremesso de três pontos disparados por seus colegas, inclusive o outro ala pivô que o assessorava.

Como vemos, a equipe do Flamengo somente desenvolve seu jogo interior quando submetido à dupla armação, inclusive reforçando substancialmente seu sistema defensivo, principalmente nas dobras, o que não ocorre de forma alguma quando o jogo exterior é levado às raias do inimaginável pela  presença dos irmãos juntos. É uma constatação cristalina, e só lamento que os “entendidos” não vislumbrem essa realidade, a qual já se manifesta em outras equipes de primeiro nível, que melhorarão progressivamente no momento que nossos armadores sejam treinados convenientemente por quem realmente entenda de formação de jogadores, e não uma turma que pula de jogador para técnico ( sempre uma solução mais econômica para as equipes que se negam ao pagamento justo dos verdadeiros profissionais), e inclusive acessando seleções brasileiras de base. Por esse quadro devastador é que não prevejo muito sucesso aos nossos jovens selecionáveis, já que afastados das bases fundamentais e clássicas do jogo, aproximados e criminosamente integrados a sistemas técnico táticos que são de única e absurda propriedade de seus mentores e suas pranchetas mágicas, e para os quais sem a base e essência da técnica individual para assimilá-los, transforma-os em meros macacos de imitação, encordoados como marionetes de teatros mambembes.

Na atualidade do basquete mundial, e que antecedemos algumas décadas atrás, onde nosso maior jogador de todos os tempos percorreu todas as posições antes de se firmar como o magistral armador que foi, Amauri, hoje entronizado no Hall da Fama da FIBA, mostrou do alto de seus 1,90 m, o caminho da polivalencia técnica, que foi a grande arma do nosso basquete em suas conquistas históricas. O despertar dos Big Centers , com suas conotações guerreiras e de choque, além da variável étnica e racista, fatores que enchiam os ginásios dos irmãos do norte durante as três décadas de lutas pela igualdade racial, já encontram nos tempos atuais a contrapartida dos novos pivôs, mais altos, mais rápidos, atléticos e flexíveis, elementos físicos que os tornam mais adaptados às exigências dos fundamentos do jogo, praticando-os, que renascidos na Europa, encontram eco no país do basquetebol, que após os fracassos internacionais se renovam através a paciente catequização do grande Coach K., que provou essa evidência ao treinar e fazer jogar uma equipe vencedora olímpica sem a figura do anacrônico 5.

Quando preconizo com veemência a dupla armação, é pelo fato de que atuando desta forma não só o pivozão, mas como os outros integrantes da equipe, os quais denomino alas pivôs, terão a garantia de serem servidos continuamente no perímetro interno, e também servirem com maestria e inteligência àqueles realmente especialistas nos longos arremessos fora do perímetro, eliminando a figura centralizadora, e por isso mais facilmente controlada do pivô, e os arremessos tresloucados de pseudo especialistas dos três pontos, mais ainda facilmente marcados se levados com habilidade e técnica para dentro de uma zona de influencia, onde as trajetórias de seus arremessos ( que geralmente seguem uma norma repetitiva) possam ser alteradas e não bloqueadas. Alterar a trajetória de quaisquer arremessadores os tornam ineficientes e pouco produtivos ( Dica gratuita…). Aliás, os velhos, eficientes e formidáveis formadores de jovens de antanho dominavam estes fundamentos, que são de completo desconhecimento de muitos que se transformam em técnicos da noite para o dia.

Por tudo isto caro Do Sul (gostaria de tratá-lo pelo nome, mas pelo menos não foi um anônimo…), e muitos dos leitores que não aceitam alguns temas que abordo, mas confesso, sempre divergindo com educação e respeito, que não posso ser contra a posição 5, se ela simplesmente jamais existiu para mim e muitos dos técnicos, magníficos técnicos que conheci e convivi, e pela constatação , a cada dia de competições sérias internacionais, do desaparecimento irremediável desta figura criada à partir de uma setorização e especialização absurda, naqueles nichos retrógados e discutíveis dentro do carrossel chamado NBA.

Mas num aspecto você tem a mais absoluta razão, a de eu ser um cara chato, muito chato, ao abraçar sem limites uma luta pelo soerguimento do nosso basquete, principalmente quanto ao ensino massivo, responsável e serio dos fundamentos, sem os quais nossos jovens sequer aprenderiam a contar de 1 a 5, transformando-os em dias, semanas, meses, anos, e às vezes décadas, onde educação e esporte, de mãos juntas esculpiriam um caráter e uma vida produtiva. Obrigado pelo comentário, e desculpe se não o respondi a contento.

Amém.

Foto – O chato desde sempre…

 

 

 

A MESMICE VENCEDORA (?)…

P1120980-001

 

Enfim o hermano falou, e muito, sobre a equipe olímpica de sua inteira responsabilidade a mais de cinco anos, revelando pormenores esclarecedores sobre sua influência no basquete tupiniquim bastante sérios, e até mesmo, contundentes, como – (…) Hoje,a liga nacional do Brasil está fazendo um bom trabalho, mas não dá para pensar que pode tirar um atleta olímpico agora. Pode tirar, daqui, futuros atletas olímpicos que acabarão sua formação fora dessa competição. (…) Ou seja, ele não vê a liga e seus clubes filiados com qualidade tática e técnica para suprir as seleções com jogadores com a qualidade exigida para as grandes competições, o que soa comprometedor, pois nos muitos anos de sua influência profissional, pouco ou nada fez para mudar esse panorama para lá de sombrio, preferindo apostar na turma de fora, que para sua desdita, patina na suplência de suas equipes, fora as contusões de praxe, e como agora, a cirurgia no Spliter. Pouco pode acrescentar no panorama europeu, a não ser as exceções do Benite e do Augusto Lima, tendo de enfrentar a realidade nacional, a mesma que compete numa liga incapaz (para ele…) de formar um atleta para a olimpíada caseira…

Porém, a mais importante e comprometedora ainda apreciação se deu ao responder a pergunta sobre o estilo Warriors de jogar – (…) Eles têm seu estilo. Seguramente, como acontece sempre,chegarão treinadores tratando de imitar, mas, para isso, têm de ter o mais importante: Curry, Thompson, Green, todos, Acho que nem todo mundo tem isso.(…) E o mais importante (…) O basquete FIBA vai continuar do jeito que se vê jogar. (…) Ou seja, para ele o sistema único deverá se manter por muito tempo ainda, afinal, é o que usa em nossa seleção, seu emprego regiamente pago, e sem perspectivas de vê-lo inovar para algo diferente, atrevido, instigante, permanecendo nos chifres, punhos, e congêneres praticados por todos os nossos adversários, com a vantagem de dominarem os fundamentos muito melhor do que nós, logo…

Porém, o que soa pior é uma sua colocação quanto aos novos valores que se bandearam precocemente lá para fora (por conta de vivíssimos agentes…), e por que não, aqueles que ainda se encontram por aqui  - (…) Eu prefiro que jogue numa equipe muito importante do basquete Fiba. Gosto muito mais da formação. Mas tem que ser um clube com pretensões, que jogue um nível de basquete em que o jogador possa desenvolver tudo o que tem.(…) Em outras palavras, não vê em nosso país nenhum clube que ofereça tais condições, aquelas que julga imprescindíveis à plena formação dos mais jovens. Então, por que não liderou, de sua posição de medalhista olímpico, um movimento de apuro técnico entre os formadores nacionais, claro, formulando didáticas mais compatíveis a um basquete diferenciado do que aí está implantado, onde inclusive, seus assistentes mais diretos o praticam da forma padronizada e formatada possível em suas equipes, a fim de que mudanças pudessem acontecer a médio prazo, evitando seu queixume de agora, ainda mais quando em tempo algum (e lá se vão mais de cinquenta anos) vi técnicos de seleções brasileiras adultas liderarem mudanças táticas e preparação de jovens entre os técnicos do país, através o incentivo a associações de técnicos, ou cursos de aperfeiçoamento, à imagem do que americanos e europeus o fazem a décadas. Como técnico estrangeiro e dedicado exclusivamente à seleção, por mais de cinco anos, acredito que muito poderia ter feito neste sentido, a não ser que possa ter sido obstado a fazê-lo…

Conclui afirmando – (…) Eu achava que, depois de voltar a estar nos Jogos Olímpicos, nosso basquete ia dar um pulo muito importante. Isso não aconteceu. Mas eu, pessoalmente, trato de fazer o melhor. Parece que o basquete se acaba em 2016. Só que o Brasil vai continuar jogando basquete. Por isso, tento jogar com muita gente nova (…) E enfático – (…) Sem a matéria-prima é muito difícil, mas vamos continuar lutando. Não tem jeito. (…) Acredito que não tenha feito o melhor, pois jamais abriu mão de algo que fugisse de sua formação técnico tática (onde a rigorosa formação de base argentina o embasou decisivamente), excluído o fato de aceitar o reinado das bolinhas, antítese de seu ansiado coletivismo, e que se tivesse sido substituído por um sistema solidário que incentivasse o jogo interior, mais preciso  e menos exaustivo que a correria externa em busca de posições, certamente o salto que almejou teria sido dado, mesmo com jogadores menos nominados, porém saudáveis e afeitos ao sistema Fiba, em vez dos remendados e pouco participativos jogadores em suas próprias equipes na liga maior, no que teria sido a sua maior contribuição ao nosso tão judiado basquetebol, legando com seu exemplo na seleção o fator novo a ser, não copiado, mas desenvolvido pelos demais técnicos, que, possivelmente, abdicariam de um sistema inócuo, e aprofundado-os no estudo e estabelecimento de novas formas de desenvolver a formação de base, e até, quem sabe, aposentando o horrendo biombo que os separam de seus jogadores, a pequena e midiática prancheta-vitrine em que exibem seus vastos conhecimentos táticos, suas estratégias de absolutamente nada…

Dentro de muito pouco tempo, nosso hermano se deparará com uma realidade tupiniquim, não uma portenha, onde tudo está a espera de ser feito e realizado, onde seu prestígio e competência em muito poderia ter sido potencializado em prol de algo revolucionário, mas que não o foi, e nem será, infelizmente, a não ser que se opere um milagre, que absolutamente não merecemos, pela omissão de muitos, de muitos que poderiam ter ajudado nas mudanças, na evolução, na contra mão de um asfixiante e mortal corporativismo que nega o novo, que nega o instigante, e onde se inseriu, lastimavelmente nosso medalhado hermano.

Gostaria de ter esperanças para algo melhor, mas assistindo dias atrás uma partida do NBB que reunia duas equipes nas pontas de classificação, Ceará e Caxias, horrorizado testemunhei os seguintes números: 12/27 nos dois pontos e 10/32 nos três para o Ceará, e 13/28 e 8/29 respectivamente para o Caxias, perpetrando  ambas 30 erros nos fundamentos (19/11), numa claríssima alusão à realidade técnico tática em que nos encontramos a poucos meses de uma olimpíada caseira. Sinceramente, temo pelo pior.

Amém.

Foto – Reprodução de O Globo. Clique na mesma para ampliã-la.

 

ANATOMIA DE UM ARREMESSO VI…

P1120957-001

 

O basquetebol, o grande jogo, surpreende até quando não está tão popularizado assim em terra tupiniquim, inclusive na teimosa e insistente dependência tática ( técnica nem pensar) de um único sistema de jogo, mesmo que tente dinamizá-lo substituindo um dos alas por um armador de ofício, e ensaiando aposentar os massudos pivôs, trocando-os por jogadores mais ágeis e flexíveis, mais velozes, enfim…

Por tudo isso, evoluímos um pouco na concepção de jogo, apesar de nos mantermos patamares abaixo no que se refere aos fundamentos, inclusive, e basicamente, nos arremessos, onde a maioria de nossos craques se consideram especialistas, principalmente nos de longa distancia, ai incluídos os pivôs, já que sem muitas oportunidades de serem acionados no perímetro interno, vão lá para fora exercerem suas habilidades, deixando os rebotes para, quem sabe, seus estrategistas de pranchetas em punho os disputarem…

E por conta dessa enxurrada de “talentos” na dificílima arte dos longos arremessos, ainda mais motivados pelas exibições galáticas dos Warriors, com o Curry no timão, é que uma prestigiosa Veja, publica uma matéria (vide fotos), onde um especialista discorre sobre as técnicas do grande jogador, concluindo ser seu maior trunfo a longa trajetória em seus arremessos, ultrapassando os maiores defensores, além, é claro, do melhor ângulo de penetração das tentativas, exatamente pela elevada trajetória que emprega nas mesmas…

P1120785-001P1120787-001P1120788-001P1120789-001

Legal, esclarecedor, bastando executar “jornadas nas estrelas”, como o Bernard, para se situarem no patamar de um, por exemplo, Curry…

Nesse ponto da explanação, exemplifico um pequeno conceito de precisão balística, reportando ao lançamento de um daqueles monstruosos foguetes Titãns que foram à lua, quando toda aquela força impulsionadora sofreria um baque fatal se um pequenino instrumento em seu bojo falhasse, o giroscópio, o reloginho que o mantêm equilibrado em sua trajetória ascendente e depois elíptica no preciso caminho de seu destino lunar…

Assim como os grandes foguetes, o arremesso também necessita de um controle, por assim dizer, giroscópico, no controle do eixo diametral em que a bola gira inversamente em torno do mesmo após o lançamento, e que se estiver o mais paralelo possível do nível do aro, e equidistante de seus bordos externos, mais preciso será o seu direcionamento, pois de nada valerão grandes trajetórias, alavancas e forças musculares se o mesmo não se encontrar alinhado o melhor possível ao aro destinatário. Logo, arremessar com eficiência não se trata somente de “treinamento extra”, milhares de tentativas, mas sim um pleno conhecimento das ações que compõem a grande arte do arremesso…

Sugiro, antes de concluir, que o leitor leia o artigo aqui publicado, Anatomia de um arremesso IV, onde as diversas formas de empunhar a bola visando um efetivo controle de direção da mesma é mostrado e exemplificado, tornando o conhecimento mecânico bem mais acessível. Leiam e prossigam, se interesse houver…

20150214-3pt-stephshoot3-004P1120957-002Curry-shoots-over-Melo-001P1120956-002

Então, podemos regressar ao Curry na sequencia de fotos retiradas de arremessos durante jogos oficiais, logo, desprovidos de ajustes pictóricos e retoques gráficos. Podemos então observar que o jogador emprega a pega M3 que exemplifico e discorro no artigo sugerido, que foi retirado da primeira tese de doutoramento sobre o assunto no mundo (1992), Estudo Sobre Um Efetivo Controle Da Direção Do Lançamento Com Uma Das Mãos No Basquetebol, que defendi na FMH/UTL de Lisboa, na especialidade de Ciências do Desporto, e que teve muito poucos estudos extensivos desenvolvidos dai em diante, quem sabe, por ter realmente explorado, qualificado e quantificado o gesto estudado, sem deixar muitas margens para dúvidas, quem sabe…

Somente um básico detalhe ficou sem registro (talvez uma foto lateral da pega poderia esclarecer), o fato dele retrair o dedo médio, alinhando-o ao indicador e anelar, para aplicar toda a potência possível nos lançamentos, sem possibilidade de desvios, principalmente aqueles mais longos e velozes…

Logo, e concluindo, o grande jogador, assim como seu companheiro Thompson, que arremessa empunhando de forma semelhante, ao manter um rígido controle do eixo diametral da bola, em seu paralelismo e equidistância do nível do aro da cesta, alcança números de acertos assombrosos, facilitados pela longa e alta trajetória, possíveis pela sólida base tripla de lançamento, otimizados pelos mínimos desvios laterais como resultado de seu quase perfeito controle de direção, sem o qual, trajetória nenhuma o faria alcançar seu alto grau de eficiência…

Bem, caros leitores, também existe tecnologia e conhecimento em nossa terra, mas que infelizmente, tende a ficar pelos caminhos antagônicos ao mérito, mérito este que a turma lá de fora reconhece e recorre, mesmo que escrito em português…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV e da Revista Veja. Clique nas mesmas para ampliá-las.

Referências – Anatomia de um Arremesso

                          Anatomia de um Arremesso II

                         Anatomia de um Arremesso III

                         Anatomia de um Arremesso IV

                        Anatomia de um Arremesso V