UM DIFÍCIL, PORÉM POSSÍVEL CAMINHO…

Enfim, consegui assistir o jogo da seleção brasileira masculina sub 15 no Sul americano no Uruguai, contra os donos da casa, na busca pela classificação às semifinais, com excelente transmissão pela internet, e com a narração e os comentários corretos e contidos, como deveriam ser, sem arroubos e exageros, muito comuns por aqui…

Estava curioso para conhecer na prática esta jovem seleção, muito alta e fisicamente forte para a idade, e que muito pouco pude avaliar no treino tático sem defesa que assisti aqui no Rio, quando de minha visita a Base Aérea dos Afonsos onde treinavam, liderados pela experiente Thelma Tavernari do Clube Pinheiros de São Paulo, conhecida e respeitada formadora de jovens jogadores, mas que nunca tinha tido a oportunidade de vê-la em ação na direção de uma seleção tão importante para o futuro do grande jogo no país…

Bem, o que vi em nada e por nada me entusiasmou, pois trata-se de um filme preto e branco das antigas que tenho assistido ano após ano, sem tirar ou apor absolutamente nada do que apresenta monocordicamente, sem inspiração ou inovação de qualquer monta. Sem dúvida alguma a padronização e formatação que nos foram impostas, em nome de uma pseudo globalização na forma de ensinar, treinar e jogar o grande jogo, cristalizou-se, sedimentando na teoria e na prática a mesmice endêmica que tanto combato, numa inglória luta por todo ciclo olímpico que se inicia, por décadas, e pelo que vejo e testemunho, sem um caminho de volta, ao continuar como está. O sistema único de jogo aí está escancarado e triunfante, agregando mais uma maldade, a idéia equivocada e absurda de que somos os bambas mundiais na artilharia dos três pontos, mesmo antes de acertarmos uma simples e prosaica bandeja, sequer um decente DPJ, ou obtermos um 55,5% nos lances livres (15/27 nesse jogo), mais do que suficientes para vencer se acertassem 4 dos 12 perdidos. E mesmo que observassem as continhas que tanto divulgo, ou seja, optando pelos 2 pontos, onde estavam devastadores, pois obtiveram 18/43 (48,1%) contra 11/30 (36,6%) dos uruguaios, somente com a metade dos erros nos 3 pontos (4/23, ou 17,3%, contra 9/26, ou 34,6% dos orientais) num total de 11 tentativas, para vencer com folga um jogo tão decisivo e importante…

Vencendo logo mais o Equador, irão às semifinais, quando terão mais uma oportunidade de atentar para as evidências que aponto acima, quando não terão mais o direito de errar estrategicamente de forma tão bisonha e óbvia, apesar de ostentar um vício de atuação que a cada dia, mês, ano, décadas, se avolumou de tal ordem, que dificilmente reencontrarão o caminho esquecido, perdidos que estão na quimera de que são os maiorais nos longos arremessos, sem antes aprenderem e aplicarem os mais simples, aqueles que ganham jogos e campeonatos, assim como dominarem a arte maior de se anteporem aos mesmos, dentro e fora do perímetro, no exercício competente de um sistema defensivo aceitável. Fico muito triste e decepcionado em ver jovens armadores correr maratonas cada vez mais velozes, sem pensar e ler o jogo, confundindo pressa com velocidade (como muito bem descreve o Wlamir), e serem cada vez mais induzidos a se tornarem cestinhas, de preferência nos 3 pontos, assim como altos pivôs virem jogar fora do perímetro, e agora também lançando para os 3 pontos, e mais, alas com extrema dificuldade nos dribles e fintas, e o pior nos passes, expostos a quantidade dos mesmos advindos do sistema que utilizam, em estéreis contornos, quando deveriam incidir na direção da cesta, buscando-a naquelas curtas e efetivas distâncias, obcessivamente, pois oferecem um grau de precisão muito maior que os tiros de fora, campo para muito poucos especialistas em condições de liberdade e equilíbrio pleno…

Abrir os quatro no ataque, deixar o solitário pivô num eventual e raro 1 x 1, correria em círculos cada vez maiores, passes em contorno, os 24 seg se exaurindo, concluindo com um arremesso qualquer de fora, ou uma penetração desesperada e quase sempre inócua, é a realidade de como jogamos, com atitudes e movimentos previsíveis, como jogam a maioria das equipes, e que segundo os mágicos preparadores físicos, hoje praticamente os donos do jogo, superável pela velocidade extrema, a capacidade de saltar e duelar fisicamente, onde o pensar e raciocinar se torna dispensável na maioria das ações técnicas, táticas e principalmente, estratégicas de uma modalidade cerebral, e não somente física, como vem ocorrendo, por obra e graça das “academias”, e suas inevitáveis consequências, como a crescente escalada de rompimentos musculares e articulares, nada compatíveis com um preparo consciencioso e responsável, principalmente com os mais jovens…

Dói muito assistir jovens talentosos marcando zona, sem as coberturas somente aprendidas nas técnicas da defesa individual, e por isso mesmo sendo devastados por arremessos de fora absolutamente livres, a exemplo dos dois únicos uruguaios razoavelmente habilitados a executá-los (recordando, foram 9/26, ou 34,6%, contra 4/23, ou 17.3% dos nossos)…

A técnica brasileira é muito experiente, prepara bem os jovens em alguns dos fundamentos básicos, mas peca pela utilização padronizada e formatada do sistema único que nos esmaga e mediocriza a mais de 30 anos, perdendo a oportunidade de quebrar esse estigma na direção de futuros e talentosos jogadores, formulando um novo enfoque de jogar o grande jogo, dando aos mesmos a oportunidade criativa e fundamental de se situar como proprietários de algo realmente novo e desafiador, dando seguimento a já aceita dupla armação, e a existência cada vez mais ampla de jogadores altos, rápidos e flexíveis, todos em busca de um forma realmente inovadora, desafiadora e ousada de pensar e jogar o grande jogo, atuando no âmago da defesa adversária, e não arremessando bolinhas cada vez mais distantes da cesta, por absoluta inacapacidade de aproximação, motivada pela precariedade nos fundamentos do jogo, que é a prioridade absoluta na formação de base, inclusive em seleções…

Espero que mudemos a tempo de enfrentarmos o ciclo olímpico para 2024, e que os deuses nos ajudem.

Amém.

Fotos – Reproduções da internet. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.

UM FUTUROSO JOGADOR…

Estive na manhã de ontem no Campo dos Afonsos, onde treina a seleção sub 15 masculina para o sul americano que se inicia nesta próxima segunda feira no Uruguai. Tive um motivo a mais para lá estar, conhecer pessoalmente o Felipe Motta, neto do Paulo Cesar Motta, a quem ensinei o grande jogo, e filho do também Paulo Motta, que aprendeu a jogar com o agora orgulhoso avô, numa escalada familiar exemplar. O Felipe, nascido na Itália onde vive com os pais, optou jogar pela seleção brasileira, estreando no sul americano sub 14, sendo premiado como o MVP da competição, depois de conquistar o título europeu da categoria pela equipe da Stella Azurra de Roma, onde treina e estuda. Felipe estava machucado num dos dedos do pé, não treinando para ser submetido a intenso tratamento, a fim de poder participar da competição, sendo o excelente jogador que já desponta como uma promissora realidade para o nosso basquetebol, na continuidade de seu esmerado preparo na península itálica…

Conversei um pouco com ele, que ficou surpreso pelo fato de saber que seu avô tenha sido preparado e treinado por mim, assim como seu pai também privou de minha orientação na técnica dos arremessos por duas semanas quando em uma das visitas ao Rio de Janeiro. Observei surpreso sua maturidade aos 15 anos, focado no basquetebol e nos estudos, assim como sua opção em jogar pela seleção brasileira, em vez da Italiana para a qual foi convocado, afirmando que foi uma escolha natural pelos fortes vínculos familiares de onde se origina. Infelizmente, não pude observá-lo em ação presencial, pois já o tinha visto através alguns vídeos postados pelo Paulo na Internet, tendo me impressionado sobremaneira por sua elevada estatura, 1,97 jogando como um ala armador, e que previsivelmente atingirá os 2,10, altura impressionante para um jogador que atua na armação, veloz, ágil, elástico e forte. Torcerei muito pelo seu sucesso, e quem sabe um dia, possa instruí-lo em algumas técnicas de arremesso, como fiz com seu pai, do qual sou padrinho e seu avô, compadre de longa data…

Quanto ao treino, que assisti solitário na bancada, pude atestar o muito bom material humano a disposição da excelente técnica e formadora Thelma Tavernari, que sem dúvida alguma liderará a seleção a mais uma conquista no Uruguai. Foi uma excelente manhã, sem dúvida alguma.

Amém.

Fotos – Arquivo pessoal. Na segunda foto, o orgulhoso avô Paulo Cesar (número 10), jogando pela Escola Carioca de Basquetebol (1962) no Ginasio do Palmeiras em São Paulo, ao lado do Vitor, e agachados, Lourival, Peixotinho e Eddie. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.

OS DOLOROSOS ACHISMOS…

– “A falta é importante porque mostra a vontade de defender”…

– “Se o técnico tem direito aos tempos, devem ser usados”…

– “A falta inteligente deve ser usada para parar um contra ataque, ou para esfriar o jogo”…

– “Se é para fazer uma falta, uma trauletada, mas sem intenção de machucar, deve ser feita, evitando os dois pontos e enviando o adversário para a linha do lance livre, onde pode errar”…

Todas são opiniões da nova geração de comentaristas, pinçadas nas transmissões pela TV e pela internet, que inclusive promove alguns gênios do conhecimento técnico e tático do grande jogo, como uma jovem repórter simpática e falante, que após ser apresentada ao grande jogo uns dois ou três anos atrás, discorre hoje um caudal de conhecimentos que, após 50 anos de engajamento no mesmo, não consigo me equiparar, numa situação muito séria a ser pensada, pois todos eles, de posse unilateral de microfones, em redes nacionais, influenciam jovens por todo o país, com informações, e agora falando muito sério, falsas, errôneas e equivocadas premissas sobre uma modalidade desportiva mais do que centenária, complexa e altamente técnica, que exige muito estudo e pesquisa, e não supostos conhecimentos e chutações descabidas, irresponsáveis? Não sei…

Fala-se muito de defesas, como a do Pinheiros contra o Flamengo, mas “como” defenderam, silêncio total, e se quisessem ou pudessem se estender sobre os detalhes e minúcias, aí seria o caos, pois tais pormenores sequer desconfiam quais sejam, muito menos, como funcionam. Fica mais fácil e palatável a “forte vontade de defender”, cometendo aquelas faltas que a definem, dando as trauletadas necessárias, claro, sem más intenções, e o mais importante, agindo faltosamente com inteligência, pois exercer coletivamente a marcação com a movimentação das pernas, e não dos braços, flutuar de forma lateral e não longitudinalmente a cesta, e contestar em projeção verticalizada (trasformando o deslocamento horizontal em vertical) os longos arremessos, complementando com o movimento em extinção dos bloqueios (bem lembrado pelo Wlamir) nos rebotes, e priorizando, lá na frente, as finalizações de 2 em 2, otimizando todo o tempo de posse de bola disponível, de forma alguma é mencionado, por um único e singelo motivo, não sabem nem conhecem bulhufas do grande jogo, mesmo, mas são os que estão dando as cartas, deixando na poeira aqueles muito poucos que também empunham microfones, mas à sombra consentida dos gênios de plantão, por não ostentarem a imagem marqueteada e midiática que vende o produto NBB/NBA. Some-se a tudo isso o nível absolutamente surreal das ufanistas e tonitruantes narrações, e temos um retrato bem fiel das quantas andam a verdadeira situação do grande jogo nesse imenso, desigual e injusto país. Solução paliativa para mim? Desligar o som…

Agora mesmo, num pré-jogo na Arena Carioca, um dos comentaristas informa em primeira mão a estratégia inicial de uma das equipes que pagarão para ver as bolinhas do adversário, a fim de reforçar os rebotes pela flutuação aos longos arremessos, arriscando tomar alguns pontos, em favor do jogo de transição (?), evitando a segunda bola em rebotes ofensivos. Como vemos, o fator defensivo intenso, básico e presente não entra em consideração, mesmo sob o recente exemplo do Pinheiros vencendo o Flamengo “fungando no cangote” rubro negro o jogo inteiro, como deve ser feito de forma regular, e não esporadicamente…

Enfim, vamos vivenciando essa mesmice irritante e endêmica que sufoca o grande jogo entre nós, agora enriquecido com a prolixidade técnico tática de uma geração de comentaristas, irmanados nos equivocados achismos e pontos de vista, todos absolutamente convictos do que pensam saber e influir a realidade do grande jogo, ou seja, dolorosamente nada…

Amém.

Foto – Reprodução da TV. Clique duplamente na mesma para ampliá-la.

“A LINHA FÓBICA”…

Há muito tempo que não me divertia tanto assistindo um jogo de basquetebol, como o de ontem entre Flamengo e Mogi, principalmente pelos irônicos e bem colocados comentários do Wlamir, que entre jogos do NBB e as novelas, preferia-as sem pensar, ainda mais quando estão em seu final. O institucionalizado “chega e chuta” o assusta demais, assim como a barafunda que os jogadores fazem ao confundir “velocidade com pressa” nas conclusões das mais comezinhas jogadas, das mais primárias finalizações, errando em profusão nos fundamentos básicos do jogo, nos passes paralelos a linha final (provocados quase que automaticamente pelos deslocamentos padrão do sistema único, com seus passes de contorno), nos dribles e fintas, tropeçando naquele elemento que atrapalha muitos jogadores considerados de elite, a bola, e inclusive classificando alguns como “em extinção”, como o posicionamento defensivo e antecipativo nos rebotes, o abandono do simplório, porém eficiente DPJ, o desconhecimento do “giro” pelos pivôs, e o que classifica com propriedade de “linha fóbica”, como aquela que delimita os arremessos para os três pontos, numa genérica ação doentia, que mereceria aprofundados estudos, em que a maioria de nossos jogadores padecem fóbicamente, segundo o grande jogador e professor de primeiríssima linha…

O mais engraçado ainda é a nova tendência de alguns jogadores arremessando “do meio da rua”, anunciados aos berros pelos ufanistas narradores, como se a desenvolvida técnica do Curry se incorporasse na turma da forma mais “natural” possível, bastando para tanto simplesmente chutar, chutar, chutar…

Na véspera, um outro comentarista, ex técnico e conhecido pela vociferação verbal com seus jogadores, elogiando a atitude da LNB não permitindo os microfones nos pedidos de tempo, a não ser no minuto final dos jogos (uma velha e insistente reivindicação aqui desse humilde blog), como uma ação benéfica, pois na maioria das vezes os insultos e palavrório inadequado constrangia mais do que informava os ouvintes, num comentário sutil e revelador…

Todos os comentários, agora mais vastos e obrigatoriamente mais consistentes pela ausência do áudio vindo dos bancos, definirão o quem é quem da crítica e análise do grande jogo, a não ser que desenvolvam aos píncaros o festival de “encheção de linguiça” em que a maioria deles mergulhou na grande rede…

Como disse no princípio, a muito não me divertia tanto num jogo de basquetebol, mas com uma nesga de incredulidade ante os 38 erros cometidos por ambas as equipes (17/21), a chutação “fóbica” sem o mais ínfimo resquício defensivo (foram 19/46 bolinhas…), numa promoção de “tiro aos pombos”, pela maioria das equipes, com o consentimento “evolutivo” dos estrategistas sempre de plantão, na ânsia inconsequente de “modificar o jogo”, a la Curry/Thompson/Durant Company,  como se os possuíssem em suas equipes, numa projeção técnica que raia ao absurdo, e cuja cobrança mais adiante nos mais importantes torneios internacionais, onde as contestações se farão presente, em nada aliviará nossa consentida e equivocada opçao…

No entanto, nem tudo foi “diversão”, pois um debate foi estabelecido pelos comentaristas sobre os reais motivos da não convocação do Marquinhos para a seleção que disputa as eliminatórias para o Campeonato Mundial, e que teve no Wlamir, ao saber pelos colegas que assuntos pessoais indispunham o Petrovic com o jogador, comentou – “O técnico pode perder a confiança na pessoa, não no jogador, que é fundamental para a Seleção” – Discordo caro mestre, o jogador e o homem são a mesma pessoa, indissociavelmente ligados, principalmente a um grupo de trabalho, do qual, ele e o técnico fazem parte, e onde a confiança pessoal, técnica e profissional deve existir incondicionalmente, principalmente numa seleção brasileira, logo…

Amém.  

Foto – Reprodução da TV. Clique duplamente na mesma para ampliá-la.

O POSSÍVEL AMANHÃ…

Desde algum tempo, e face à progressiva decadência do desporto de base no país, me perguntam insistentemente, que providências encaminharia ao poder público, a fim de serem estudadas e analisadas junto a sociedade civil, na busca de soluções factíveis a nossa realidade de país carente de recursos voltados a educação física e ao desporto, como manifestações de extraordinária importância na formação plena de nossa juventude, em conjunto com as disciplinas tradicionais, as artes, a música, o teatro e a dança, que é um direito constitucional de todo cidadão brasileiro, queiram ou não os dirigentes e os políticos deste imenso, desigual e injusto país…

Sendo na Educação Física e o Desporto a minha formação básica, como professor e técnico em todos os níveis e graus de escolaridade, do primário à universidade, face à licenciatura plena, assim como o profundo envolvimento na área clubística, da formação de base até a elite junto ao basquetebol, por mais de 50 anos de árduo trabalho, estudo, pesquisa e ação direta na formação dos futuros professores de educação física na UFRJ, Universidade Castelo Branco, UERJ e UFF, complementando minha educação com o bacharelato em Jornalismo Audiovisual, e o Doutoramento em Ciências do Desporto na FMH/UTL de Portugal, sinto que posso sugerir algumas providências que auxiliariam substancialmente o desenvolvimento da educação física e os desportos no país…

Para tanto, devo me reportar ao início da hecatombe que se abateu sobre a formação dos futuros professores de educação física e desportos, quando em 1972, sob a direção da Profa. Maria Lenk, foi estabelecida a transferência da EEFD/UFRJ do Centro de Filosofia e Ciências Humanas, para o Centro de Ciências da Saúde daquela instituição (eramos na ocasião, eu e o Alfredo Gomes de Faria acessores da Maria Lenk, demissionários pela decisão), com a justificativa de que a educação física somaria um mais elevado status profissional se ligada a área médica, dando início ao ciclo da saúde integral, mais tarde transformada em culto ao corpo, originando o bacharelato e o inacreditável CONFEF/CREF, à imagem do Conselho de Medicina, transformando as escolas de educação física em praticamente centros de formação de paramédicos, pois seus currículos prioritários de créditos de disciplinas desportivas, com suas didáticas específicas, foram sendo minimizados em beneficio de disciplinas biomédicas, justificando o aparecimento do bacharelato na área, fortalecendo e abastecendo a indústria do corpo com mão de obra estagiária barata, hoje largamente disseminada pelo país, com suas holdings de suntuosas academias, utilizando-os a granel e preço baixo, num negócio que já movimenta mais de 20 bilhões anuais, não interessando ao mesmo a implementação e desenvolvimento da educação física escolar, arriscando um mercado de tal monta e estratosféricos lucros, daí suas incursões na área das licenciaturas, origem do professorado, e não somente bacharéis e provisionados, definidos como profissionais de educação física…

Com os currículos minimizados nas disciplinas desportivas, como preparar melhores professores para as mesmas, como desenvolvê-los nas disciplinas da licenciatura com tão poucos e parcos conhecimentos, como? O resultado a longo prazo (e já lá se vão 46 anos desde a trágica opção) se faz sentir com a perda e clara decadência do ensino dos desportos junto aos jovens, nas escolas e nos clubes, pois muitos dos responsáveis por essa básica tarefa, foram sendo transformados dai em diante em “professores” após seu tempo como praticantes, além dos muitos que foram, e continuam sendo “provisionados” pelo sistema CONFEF/CREF por todo o país, que não satisfeito ousa, com algum sucesso político, influir na formação universitária, seus currículos, e nos concursos públicos municipais, estaduais e federais, condicionando o ingresso aos mesmos ao registro no cref, numa atuação diretiva a que não deveria ter direitos, pois teima em investir na área educacional quando estruturado como controlador qualitativo dos “profissionais de educação física”, como tentam definir os licenciandos das escolas de educação física, nivelando-os aos provisionados que avaliza, e os bacharéis, abastecedores do bilionário mercado da indústria do corpo, e que teria de ser alijado da pretensão absolutista do controle qualitativo dos licenciados, dos professores, haja vista a não existência de conselhos nas demais disciplinas dos currículos escolares, gerando a pergunta mais enfática – por que somente existe um conselho federal na disciplina de educação física, por que? Creio que o exposto acima responde com folga a este questionamento, ou não?

Hoje mesmo, o Confef publica em página inteira no jornal O Globo uma publicidade oportunista e falaciosa, pois o eleito presidente da república não é formado em curso superior de educação física, e sim qualificado como instrutor em curso de um ano, quando oficial do exército, pela EEFEx, que forma também monitores quando sargentos, para atenderem as exigências físicas das tropas nos quartéis, onde em muitos deles atendem jovens da periferia e organizam colônias de férias em suas bem cuidadas instalações, muito bem administradas, deve ser dito, e que durante os governos militares também recebiam o registro “D”, equivalente aos licenciados, que os qualificavam para o ensino escolar e universitário, hoje não mais existente. Trata-se a publicação da página do Comfef de uma jogada política oportunista, e que tem como razão maior sedimentar e dar impulso a sua conquista prioritária, o domínio total da indústria do culto ao corpo com seus vultosos lucros, onde o desenvolvimento pleno da educação física e do desporto escolar ao desviar um número significativo de utentes de suas majestosas academias, deve ser mantido no estágio falimentar atual…

Então, como primeiro passo para reencontrarmos o caminho para um melhor ensino da educação física e os desportos nas escola e nos clubes, se torna prioritário e obrigatório a volta dos cursos de educação física para os Centros de Ciências Humanas, berço formador de professores, deixando para trás os Centros da Saúde, que já se locupletaram com o rentável naco da fisioterapia, reintroduzindo prioritariamente os créditos das modalidades desportivas e pedagógicas, como de antanho, assim como reforçando a licenciatura e as práticas de ensino junto a escolas, e não academias. Acredito que num prazo médio obteriamos melhorias substanciais no ensino dos desportos, sem dúvida alguma…

Dada a grande dificuldade politico econõmica para a extinção do anacrônico e impositivo sistema Confef/Cref, que o mesmo se situe no “controle qualitativo” dos muitos e muitos provisionados que patrocinou e registrou por anos a fio, e dos bacharéis não credenciados com a licenciatura, até que o bom senso seja resgatado, que é o fator crucial que difere “profissionais” de professores de educação física, com sua formação avalizada e reconhecida por quem de direito, as universidades e o MEC, responsáveis de direito pela formação e graduação dos professores do país, e a quem cabe definir suas qualificações…

Outro fator de grande importância é o aparelhamento e atualização das dependências desportivas já existentes nas escolas, sem luxos. e sim com parcimônia e realismo, assim como a criação de parcerias com os inúmeros clubes sociais, que desenvolveram por muitos anos o desporto jovem, hoje ausentes do processo social desportivo, com escolas vizinhas desprovidas de instalações desportivas, em horários compatíveis, sem a necessidade de investimentos em locais inapropriados, a não ser a manutenção e melhria dos mesmos, beneficiando a ambos, alunos e utentes.

Outra boa perspectiva no âmbito do basquetebol, seria a de investir qualitativamente na ENTB da CBB, com um planejamento voltado a diversificação regional, atendendo a qualificação de futuros técnicos através o acompanhamento gradual na formação de base, atualizando-os localmente e através informações pela internet, classificando-os anualmente, atendendo a seus progressos no ensino, e não por títulos conquistados, critério este destinado eventualmente aos técnicos das divisões adultas, priorizando o mérito na formação de base, que é o princípio de tudo no desporto…

Finalmente, a reestruturação e despolitização da CBDU e da CBDE, encaixando-as numa política nacional de Educação Física e Desportos, visando o universo estudantil, sem dúvida alguma incrementaria o desenvolvimento de nossos jovens em seu ambiente natural, a escola e a universidade, complementada pela revigoração dos clubes.

Enfim, são soluções viáveis e de oneração compatível a realidade do país, bastando ser estabelecida uma autêntica e objetiva política voltada a educação física e os desportos visando a tão negligenciada juventude deste enorme, desigual e injusto país.

Amém.

Fotos – Arquivo pessoal da participação  feita no Congresso Brasileiro de Justiça Desportiva, realizado em Florianópolis em setembro de 2015, onde expus alguns dos pontos aqui abordados nesse artigo, e reprodução do jornal O Globo. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.

 

QUE OS DEUSES NOS PROTEJAM…

Nessas duas primeiras rodadas do NBB 11, consegui, com a máxima benevolência possível, assistir jogos da maioria das equipes participantes, e como, invariavelmente acontece, me coloco na contramão da mídia dita especializada, pois os comento como professor e técnico de basquetebol em todos os parâmetros exigidos pelas funções, e não como torcedor, consumidor, entusiasta, ou mesmo comentador de uma modalidade complexa e altamente refinada como o grande jogo deve ser encarado e esmiuçado, sem as chutações a que é submetido no processo osmótico daqueles que o foram apresentados outro dia, sem contar as transmissões ufanistas e empoladas em termos “de como dizem os americanos”, como se isto fosse a nossa verdade do grande jogo, num colossal erro de falsa percepção e conhecimento profundo do mesmo…

Impressionante as elucubrações técnico táticas que são lançadas a esmo pela rede, pela TV, pelos blogs, e o que é mais tragicômico, sem um mínimo de autenticidade, pois comentam jogos rigorosamente iguais, praticados por equipes que se emulam freneticamente, onde americanos meia boca ditam suas normas individualistas (pranchetas? Ha, sei…), elevando o sistema único ao patamar supremo da mesmice endêmica a que pertencem, todos, rigorosamente todos, numa incômoda, precária e lastimável repetição do nada a que estão atrelados, dentro, e o pior, fora das quadras, bastando observar estupefatos os desconexos rabiscos nas midiáticas pranchetas desde sempre, a desenfreada hemorragia nas bolinhas consentidas e incentivadas pelos estrategistas, resultantes da ausência defensiva generalizada (logo falseadas), que retomam sua predominância em jogos, como Joinville e Pinheiros, onde 73 arremessos de três foram realizados (30/43), contra 45 de dois pontos (25/20), numa demonstração tácita do descaminho em que enveredamos a cada rodada que passa, realocando na cabeça do Petrovic sua maior preocupação em termos de seleção, de equipe enfim – como encarar de frente essa situação, combatendo-a, ou aderindo, como fizeram  seus colegas estrangeiros que o antecederam? – com os resultados que conhecemos, tristes resultados, e mais tristes ainda, catastróficos, a continuar grassando essa absurda autofagia…

Os erros de fundamentos continuam na faixa dos 27,2 por jogo, com somente uma partida abaixo dos 20 erros, Mogi 97 x 83 Pinheiros com 15 (num jogo de ontem o comentarista mencionou os 20 erros de uma das equipes como uma tragédia, no entanto classificou o jogo como um “partidaço” digno de nossas melhores tradições), sendo que um deles vem se avolumando perigosamente pelas mãos de armadores, categorizados ou não, que “conduzem” a bola abertamente no drible (cometendo a infração de andar com a bola, já que interrompem deliberadamente a trajetória da mesma em direção ao solo) , facilitando e exequibilizando jogadas e fintas mirabolantes, que sem a utilização desse estratagema ilegal, jamais se concretizariam, sem que os juízes os impeçam como deveriam fazê-lo. Aliás, lembremos que num jogo em Mogi do ano passado, a dupla de comentaristas Cadum e Boracin, mencionava aos risos que se as conduções fossem penalizadas, nenhum jogo nosso andaria, relato esse vindo de dois de nossos melhores armadores, inclusive de seleções nacionais…

Mas o mais frustrante, é ter de presenciar o “ritual” em torno do estrategista a cada tempo pedido, quando o mesmo se reúne com seus assistentes confabulando estratégias (que se treinadas dispensaria tais e inócuas reuniões), ter sua cadeira (trono?) colocada por um deles em frente aos jogadores, sua prancheta entregue por outro, para ao fim do discurso e dos rabiscos, devolvê-la, senhorialmente. Simplesmente constrangedor…

Acredito firmemente que, nem tão cedo veremos progressos em nosso infeliz basquetebol, investidor pesado em marketing, imitação (que não deveriqa ser assim) pífia da matriz, penduricalhos disfarçados em lazer, e arenas cada vez mais vazias, esquecendo a mater tarefa para desenvolver de verdade o grande jogo em nosso imenso, desigual e injusto país, o investimento maciço e estratégico na formação de base e de técnicos, entregue a quem tem competência de planejá-lo, orientá-lo e liderá-lo, também na elite, para servir de exemplo balizador aos que se iniciam, priorizando um maior envolvimento com os fundamentos do jogo, e o emprego de sistemas ofensivos e defensivos diferenciados, e não essa mesmice endêmica escancarada, descaracterizada e robotizada da nossa realidade, camuflando-a com um pastiche imitado, servil e colonizado do que, por força de um mercado voltado ao lucro, nos impingem desenfreadamente, e de fora para dentro. Acredito, honestamente, que temos muito mais a mostrar e demonstrar técnica e taticamente no mundo do grande jogo (já fomos grandes, lembram?), que não seja o que aí está, carcomido e absolutamente medíocre, onde nossos melhores prospectos são lançados além fronteiras às feras ainda púberes, com precário preparo estudantil (muitas vezes nem isso…), manipulados por agentes e empresários ávidos por lucros imediatos, a que preço for, tendo o apoio de uma mídia mais ávida ainda do reconhecimento de suas abalizadas, imprecisas e interesseiras projeções, muitas vezes incultas e irresponsáveis, vide o que vem acontecendo com nossos “craques” no mercado selvagem do basquetebol internacional, a começar pela matriz, onde sequer conseguem se manter 5 minutos em quadra, sendo descartados no varejo de um mercado que não perdoa a má formação de base, enquanto por aqui gasta-se muito dinheiro com estrangeiros de terceiro/quarto níveis (uns poucos se salvam, a começar pelos hermanos), participantes de um festim, onde o sistema único nivela jogadores, técnicos, diretores, jornalistas e torcedores, em torno de uma formatação e padronização aceita por todos, pois mantenedora de suas posições, empregos e discutíveis prestígios, se confrontados com a dura realidade internacional…

Sim, consegui com a máxima benevolência possível, assistir jogos da maioria das equipes participantes, e, sinceramente, preferiria não tê-lo feito, a fim de não sentir o triste desprazer de ter postado a matéria acima , mas convenhamos, alguém teria de fazê-lo, principalmente se realmente se interessa e ama o grande jogo bem formado, treinado, discutido e, acima de tudo, bem jogado, pois lá se vão 14 anos de Basquete Brasil, esta humilde e democrática trincheira em defesa de todo um corolário de conhecimentos factíveis e responsáveis, ao largo das chutações e achismos modais, anônimas ou não… 

Que os deuses nos protejam…

Amém.

Fotos – Conferência de abertura do 3o Congresso Mundial de Treinadores de Lingua Portuguesa, Lisboa julho de 2009 (video).

– Divulgação CBB. Clique duas vezes nas mesmas para ampliá-las.

DESDE 2010…

Dando uma boa revisada nos 1482 artigos aqui publicados, me deparo com este de 1/8/2010, um pouco depois de me despedir do NBB, numa curtíssima temporada de 49 dias e 11 jogos, artigo este que preconizava um novo tempo que, passados 8 anos, muito pouco foi modificado em nossa forma de jogar o grande jogo, a não ser por algumas pontuais adaptações, como a agora generalizada dupla armação, e a contratação cada vez mais ampla de alas e pivôs rápidos, ágeis e flexíveis, sem, no entanto, ir fundo na fluidez ofensiva e o emprego de defesas fundamentadas nas flutuações lateralizadas, e acima de tudo, na preocupação estratégica do treinamento integral dos fundamentos individuais e coletivos do jogo, obrigatoriamente, pois se constitui no ferramental  básico para que o mesmo possa ser praticado com firmeza e conhecimento acerca dos sistemas ofensivos e defensivos escolhidos por cada equipe, independente de idade, posição e categoria, inclusive em seleções…

Eis o artigo:

domingo, 1 de agosto de 2010 por Paulo Murilo7 Comentários

A seleção brasileira se sagrou campeã no sul americano, e em cima do tradicional adversário, a Argentina, pena que somente por 10 pontos, quando, se de 2 em 2 pontos poderia ter chegado aos 20-30 de diferença, bastando que para tal tivesse concentrado o jogo no perímetro interno, onde nossos pivôs se impuseram pela velocidade, e não pelo embate físico. A síndrome dos 3 pontos ainda não foi debelada, por puro ciúme dos “shooters” com a dinâmica dos 4 pivôs móveis que se revezaram de 2 em 2, com o Murilo de regente, jogando de frente para a cesta, e não de costas como os pivôs grandalhões e pesados argentinos. E para 3 pivôs móveis faltou pouco, já que o Arthur e o Tavernari também se movimentaram em deslocamentos constantes dentro do perímetro, onde os 2 pivôs ágeis e móveis reinaram absolutos.

E tudo isto fundamentado nas ações de 2 armadores sempre em quadra, nas figuras do Fúlvio, do Nezinho e do Luis Felipe, todos armadores natos, ações estas menos decisivas quando o Duda destoava na função por não dominá-la como os outros 3, daí sua preferência pelos arremessos de 3 sempre que possíveis. E mais, com os armadores sempre próximos, e não como costumavam jogar se escondendo no fundo do ataque.

Tanta mobilidade também acrescentou uma melhora substancial na defesa antecipativa e veloz, falhando só e gravemente nas anteposições dos precisos arremessos longos dos argentinos, quando um posicionamento bem próximo e energico aos mesmos, os instigariam às conclusões de 2 pontos, numa troca de 3 por 2 altamente benéfica para a equipe.

E pensar que quando sempre defendi a utilização permanente da dupla armação no controle do perímetro externo, e da utilização de pivôs de grande mobilidade no interno, fui tachado de teórico e lunático, até o dia em que retornei às quadras e provei com o humilde Saldanha que as possibilidades existiam, e não só com dois pivôs móveis, e sim com três! Mas estamos aprendendo, e depressa. Por isso parabenizo o João Marcelo que conseguiu exequibilizar esse inusitado modo de jogar, com algumas boas adaptações, fruto do que observou também, quando sua antiga equipe do Paulistano enfrentou a minha no NBB2 e perdeu em casa, exatamente pela utilização que fizemos da dupla armação e dos três pivôs móveis que não soube, ou não pode marcar. Agora a Argentina que se cuide daqui para a frente, já que estamos, aleluia, evoluindo técnica e taticamente de verdade.

O engraçado nessa história toda foi a declaração do Magnano em uma entrevista cedida ao jornalista Rodrigo Alves do Rebote em 30/06/2010, sob o título Papo de Mundial – Ruben Magnano, quando declarou –“ No meu estilo não jogo com dois armadores, mas há uma possibilidade tática aberta”.

Acho que a comissão técnica que esteve na Colômbia nesse sul americano optou pela “possibilidade tática” e venceu os conterrâneos do excelente técnico argentino. Mas será ser possível que essa mesma “possibilidade” possa ser empregue no Mundial que se avizinha? E por que não, também, os 3 grandes pivôs?

Não sei se teria a coragem necessária para fazê-lo. Pena, pois seria instigante e revolucionário. Meu humilde Saldanha (hoje acabado…), o provou.

Amém.

 

7 comentários

  • Douglas Stapf Amancio01.08.2010· 
  • Quem assistiu o primeiro jogo contra o Chile, não acompanhou mais nenhum jogo e assitiu o jogo contra a Argentina não acreditou no que viu. Era um outro time vestindo a camisa do Brasil. Os chutes de 3 foram bem menos à esmo e a movimentação que os armadores impuseram deu a certeza que os argentinos iriam correr atrás dos brasileiros o jogo inteiro.
  • Ótimo trabalho da comissão técnica. E é uma pena que apenas o nezinho fora chamado para compor os treinos da seleção principal. O Fúlvio merecia uma chance também. Que venha o mundial.
  • Henrique Lima01.08.2010·
  • Professor Paulo, faz tempo que quero questioná-lo o seguinte.
  • Eu assisti alguns jogos do Boston Celtics, time da temporada 1986.
  • A linha principal era: Danny Ainge, Dennis Johnson, Larry Bird, Kevin McHale e Robert Parish.
  • Quando vi, me lembrei muito do sistema proposto pelo senhor.
  • Muito.
  • Neste vídeo talvez fique mais claro do que meu texto:
  • http://www.youtube.com/watch?v=pnm24AWHeMo&feature=related
  • É apenas um breve vídeo, mas a forma de jogar da equipe é muito interessante.
  • Bird ora no poste alto, ora no poste baixo, raramente recebendo parado a bola. Os outros dois pivôs, em movimentação constante, abrindo para passar se necessário.
  • E dois armadores. Ainge e Johnson, com disposição para os passes e depois sim para a conclusão, praticamente todas dentro do perímetro.
  • O Boston chutava pouquíssimo de três, aliás nesta época, os chutes de três pontos pouco representavam nas partidas, em termos de volume.
  • Isso, se considerarmos que o volume ofensivo de Larry Bird era de:
  • 19 chutes tentados por jogo, apenas 2 da linha dos tres e outros 17 dentro do perímetro.
  • Professor, quando vi, me lembrei e muito do que o senhor propõe.
  • Sei que Bird não é pivô. Não como os pivôs são referenciados hoje, como Shaquille O´Neal ou Dwight Howard. Mas, porque os pivôs não podem ter a qualidade de passe, visão de jogo, drible, arremesso de um Bird ? Porque negligenciá-los ?
  • Porque Kevin McHale e Robert Parish servem neste sistema do Boston como passadores, como definidores de jogadas de todas as formas, mas prioritariamente perto da cesta e recebendo em movimento e alguns outros pivôs de hoje, apenas estacionam e pedem bola parados ?
  • Enfim Professor, era essa minha dúvida.
  • Um grande abraço ! Henrique Lima
  • Henrique Lima01.08.2010· 
  • PS: O link que enviei Professor, não aparece, mas se selecionar o texto, o senhor verá.
  • Basquete Brasil02.08.2010· 
  • Sem dúvida foi uma outra equipe. Só discordo quanto aos arremessos de três, que foram vastamente tentados em detrimento do jogo interior, este sim, devastador. Nossos jogadores que atuam fora do perímetro ainda titubeiam na leitura do jogo, mais preocupados que sempre estão em suas produtividades finalizadoras, já que incentivadas por uma mídia equivocada.
  • Por estes comportamentos, prezado Douglas, torna-se urgente voltarmos aos fundamentos, intensa e dedicadamente.
  • Um abraço, Paulo Murilo.
  • Basquete Brasil02.08.2010· 
  • Sim Henrique, já houve um tempo em que o basquete era jogado magnificamente na NBA. Veja como dois eram os estilos de jogo, com sistemas antagônicos e ambos eficientes.Outras equipes da liga atuavam mais diferentemente ainda, numa profusão criativa e de técnica individual e coletiva refinada.Hoje, a globalização esmagou o bem jogar, substituindo-o pelas Battles under basket, dunks,e muito marketing. Sobrou o que aí está. Mas como sou teimoso, e não saudosista puro e simples, mantenho o sonho dentro de mim, espelhado nas equipes que, teimosamente ainda dirijo.
  • Um abraço, Paulo Murilo.
  • Henrique Lima03.08.2010· 
  • Professor, a parte da tática do passado da NBA é muito mais rica do que a atual.
  • Atualmente, devemos ter umas 20 equipes jogando da mesma forma e várias delas perdendo vários jogos e mesmo assim, ficando na mesmice e algo em torno de 7-10 equipes que jogam um pouco diferente ou com conceitos que não são habituais na NBA.
  • Alias Professor, acho que nunca na liga tivemos tão poucos técnicos excelentes. Tirando Phill Jackson, Popovich, Sloan, Adelman, Don Nelson e talvez mais um ou outro que esqueci agora, o resto não faz parte de uma tradição de grandes técnicos que a NBA tinha ao menos, no começo da década de 90.
  • Isso também contribui para que o jogo seja repetido várias vezes e repensando pouquíssimas.
  • Um abraço, Henrique Lima.
  • Basquete Brasil03.08.2010· 
  • A isto chamam de globalização, artimanha logística que justifica a linearização de uma atividade humana, facilitada e operacionalizada por um poder central. Criar novos caminhos ante tal poder, e que auferem grandes lucros a todos os envolvidos no processo, torna-se um fato raro, e frontalmente combatido pela ameaça de quebra de um monopólio aceito e degustado pela maioria, de técnicos à jogadores, de dirigentes a mídia, como um clube fechado, onde a mediocridade se disfarça de elite, todos em defesa do status quo.
  • O passado de tradições esportivas advindas basicamente do meio escolar e universitário, locais onde o estudo, a pesquisa e as inovações tecnológicos nasciam e se espalhavam, inclusive no âmbito dos desportos, cedeu seu lugar às grandes organizações que visam o lucro, as franquias, onde a pragmatização técnico tática garante o fluxo contínuo da riqueza mantenedora do poder e de seus seguidores.Uns poucos tentam quebrar essa corrente, como os Suns em um passado recente, rapidamente engolfado pelo poder maior.
  • Aqui entre nós, esse exemplo vem se esgueirando sorrateiramente, mas pela insipiência do combustível básico para a sua sobrevivência, o aporte financeiro, ainda existem algumas brechas onde as inovações e atitudes corajosas podem reverter esse provável quadro. Quem sabe aqui em nosso país possamos pelo menos equilibrar tais tendências. A pobreza de recursos pode, quem sabe , retardar a imposição vinda de fora. Talvez…
  • Um abraço. Henrique. 

 

Como vemos, muito pouco mudou de lá para cá, principalmente no aspecto tático do jogo, onde o sistema único prospera a cada dia, adaptando-o a dupla armação e alas pivôs mais velozes, mantendo sua estrutura de comando fora da quadra, através imposições de jogadas “exaustivamente treinadas”, enxurradas de arremessos de três, atenção defensiva pífia, principalmente fora do perímetro, e o pior, fundamentos cada vez mais negligenciados, origem inconteste da ausência crônica da fluidez coletiva, por estrategistas mais ligados às suas midiáticas pranchetas, e pouco, muito pouco interessados em treiná-los, sequer ensiná-los, por um único e decisivo motivo, não saberem, em sua grande maioria, fazê-lo, ficando muito mais fácil trocar “as peças” claudicantes ao final de cada temporada, reiniciando o triste processo ano após ano…

Quem sabe um dia acordemos, quem sabe…

Amém.

Foto – Divulgação CBB. Clique na mesma para ampliá-la.

A INADIMISSÍVEL CEGUEIRA…

Olhando com cuidado e muita atenção a página inteira do O Globo ai do lado, fico imaginando o que estão fazendo com o basquetebol brasileiro, proposital e cirurgicamente, destinado-o ao comezinho papel de “poste”(está na moda…) virtual e presencial de um outro jogo, de uma liga que sequer pratica as regras internacionais, dimensionada à estratosfera de um poder econômico brutal, e um suporte técnico lastreado por uma formação maciça de base em suas escolas e universidades, numa contraposição devastadora frente a nossa realidade educacional, econômica e social, mas possuidora de um emergente mercado a bordo de seus 208 milhões de habitantes, onde um décimo de seus jovens, por si só, viabiliza investimentos em calçados, uniformes e apliques oriundos das franquias da turma lá do norte, e claro, de seus fiéis e colonizados prepostos abaixo do equador…

Honestamente, não vislumbro qualquer vantagem mínima nesse intercâmbio, a não ser para a turma lá de cima, amaciando nossos jovens na inoculação de seus princípios e metas a médio e longo prazos, onde o acesso às riquezas de seu interesse estratégico e político, se tornam factíveis na medida direta da maior ou menor simpatia e admiração de seus valores por parte de uma juventude torcedora da NBA, da NFL, e por que não, do MMA…

O basquetebol, sem dúvida alguma é o desporto mais consumido em todo o mundo, divulgado e estudado de forma científica desde sempre, e aquele que comporta a mais vasta bibliografia acadêmica e popular, o que justifica plenamente o imenso interesse político social dos irmãos do norte, principalmente na inteligente globalização que estabeleceram em sua liga maior, elencando cada vez mais estrangeiros em suas franquias multibilionárias…

Olhando com mais cuidado ainda me pergunto – o que representa o Le Bron, ou o Tom Brady para o nosso país, para nossos jovens, quando nenhum deles jamais poderá ter acesso ao seu status econômico e social jogando basquetebol ou chutando uma bola oval? Quem sabe trocando pancadas numa arena de MMA, como alguns patrícios que, inclusive, sugerem ser a modalidade adotada em nossas escolas…

Triste país, onde nem a direita e nem a esquerda deseja o povo educado. aquela para se manter no poder, esta para usá-lo como massa de manobra para conquistá-lo, como nos últimos desgovernos que nos lideraram, e que ainda teimam em manter o que aí está, vide a ausência dessa estratégica necessidade nos discursos dos que aí estão na reta final das eleições…

E no compêndio educacional e cultural de nosso imenso e injusto país, o grande jogo tem um lugarzinho no coração de nossos jovens, e daqueles que já o foram um dia, nas escolas, nos clubes, nos parques, e nas imorredouras imagens de um recente e brilhante passado, onde venciamos a todos, mesmo aqueles que agora nos impõem regras e comportamentos fora de nossa realidade, mas plenos da certeza de que, pelo poder econômico nos dobraremos a sua cultura e poder hegemônico…

Este é o padrão que está sendo estabelecido por uma liga associada a liga maior, aquela lá de cima, onde os negócios, os patrocínios e os master investidores semeiam a padronização, a formatação de um conceito de basquetebol antítese de nossa realidade de país carente daquele aspecto que tornam seus mentores poderosos, a formação de base, a massificação desportiva nascida na escola e nas políticas governamentais, nos destinando a feéríca ilusão de um espetáculo dentro das quadras que raia ao ridículo atroz, em sua pobreza técnico tática e de formação de base, onde a média de erros de fundamentos, nessa versão 2018 da LDB, alcança os 35.9 por jogo, com partidas, como  UNI 71 x 85 Corinthians, com inacreditáveis 59 erros de fundamentos (29/30) !! E como nos primeiros quatro jogos da primeira rodada do NBB11, quando duas equipes perdem seus jogos arremessando mais de três pontos do que de dois (Paulistano 8/37 e Brasilia 11/38), com um dos técnicos justificando Precisamos defender melhor. Tomamos bolas fáceis. Nós precisamos evoluir muito defensivamente. Isso é o que vai dar força para o time buscar os resultados. Porque com o poder ofensivo que nós temos, vai ser natural o nosso ataque desenvolver bem”- Terrível equívoco este, pois com tal desperdício de tempo e esforço com bolinhas em profusão (11/38), perdendo o jogo por um ponto, bastaria seguir a regra das continhas, trocando metade das bolas de três perdidas pelas de dois, quando venceria com alguma folga. Mas é claro que os jogadores tiveram o beneplácito do técnico na enxurrada de bolinhas, corroborando com a afirmação do mesmo sobre o “poder ofensivo” da equipe, ou não?

Felizmente, parece, ainda de uma forma um tanto tímida, que a hemorragia dos três pontos começa a ser estancada (inclusive na matriz) com contestações mais enérgicas e presentes no perímetro externo, o que será muito bom para o basquetebol tupiniquim, num momento em que as equipes embarcam seriamente na dupla armação, e investem em alas e pivôs atléticos, rápidos e flexíveis, mesmo que ainda falhos nos fundamentos básicos, tornando o jogo mais dinâmico, apesar de ainda muito longe da fluidez necessária para alçar ao patamar competitivo no campo internacional, fator este que exige um didatismo mais elaborado para o ensino e a aprendizagem da mesma, num processo pedagógico exclusivo de uns muito poucos profissionais ainda existentes no país, porém relegados ao ostracismo em prol de uma corporação de estrategistas, pouco ou nada interessada em modificar sua rentável e proprietária zona de conforto no restrito mercado de trabalho ora existente, onde o QI ainda impera absoluto…

E o mais instigante, é a irrefutável constatação, de que a origem de todo este movimento renovador tem sido proposital e politicamente omitido desde o NBB 2, quando iniciei junto ao Saldanha da Gama, com somente 49 dias de trabalho e 11 jogos disputados, tudo o que de forma rudimentar adaptaram no que aí está, demonstrados publicamente através os quatro primeiros vídeos completos de jogos daquela competição (hoje universalizados através redes abertas e fechadas de TV, Facebook e Tweeter), nos quais todos aqueles avanços acima mencionados em conquistas técnico táticas foram divulgadas em 2010, bem antes das mudanças atuais, que estão sendo propagandeadas como as desencadeadoras do “moderno basquetebol”, mas que vem sendo copiadas e empregues sem o mais remoto reconhecimento de como, ou através de quem se iniciaram, numa canhestra apropriação, porém capenga e confusa, pois não conseguem penetrar no âmago de suas concepções, onde o didatismo acima mencionado se torna impenetrável para essa turma que se convenceu que o grande jogo nasceu junto com ela, esquecendo que desde o fim do século dezenove ele já existia, com a complexidade e a grandeza que desconhecem, e sequer se interessam em estudar, dando razão ao Alberto Bial em seu depoimento na matéria do O Globo reproduzida ao lado…

 

Mas duro mesmo é você testemunhar um ala pivô galardoado em seleções nacionais, a cinco segundos do final do jogo entre Corinthians e Franca, partir driblando de frente para a cesta, tentar uma finta com troca de mãos, perder a bola por pura inabilidade fundamental, dando adeus a uma possivel vitoria, numa condensação da dolorosa realidade em que lançaram o grande jogo, numa padronização e formatação absurda, quando inverteram com suas obtusas e midiáticas pranchetas e”filosofias” de jogo a prioridade dos fundamentos, substituídos e minimizados  pelo sistema único, num acordo e conluio inter pares, que nos lançou num poço que parece não ter fim, porém enfeitado e glamourizado com penduricalhos voltados aos poucos frequentadores das enormes e desertas arenas, também transformadas em rinhas de torcidas de camisa, onde o esporte cede vez ao pugilato e gratuitas agressões…

Fico por aqui, mas antes sugiro a leitura a seguir, de um blog de basquetebol de Joinville. elucidativo e revelador, pecando somente em não enfatizar os aplausos espontâneos de sua torcida pelas grandes jogadas da esquecida equipe do Saldanha (que podem ser ouvidos no video), com seu basquetebol fluido e realmente apaixonante, executado por excelentes jogadores, nada valorizados ou mesmo bem remunerados, mas plenos da importância de praticarem um basquetebol proprietário e evoluído, o mesmo que tentam desde então copiar, sem no entanto reconhecer de onde vem o canto do galo. Se quiserem atestar o que aqui exponho, se aboletem na poltrona, curtam, aprendam, e se humildes forem, acompanhem os aplausos da torcida catarinense, num ginásio repleto e pulsante frente a uma forma inovadora de jogar o grande, grandíssimo jogo

Amém.    

Fotos – Reproduções da TV. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.

Video – Arquivo particular.

Outros videos disponiveis no espaço Multimidia deste blog.

RESPONDENDO AO ALEX NETTO…

Um comentário sobre o último artigo aqui publicado, merece, sem dúvida, uma resposta a altura de sua importância:

Alex – Ontem

Por uma incrível coincidência ouço a duas décadas que “foi nos detalhes” ou “faltou sorte na hora H” sempre que somos derrotados para uma seleção de ponta da América do Norte, do Caribe ou da Europa (as européias, em especial as eslavas, que jogam “batendo na defesa”).

Poderia ajudar a desvendar esse mistério professor (o porque essa ‘coincidência’ persiste a duas décadas) ?

 

Vamos lá então, prezado Alex – Comecemos com uma pequena equação de primeiríssimo grau – A qualidade e força de uma equipe está diretamente proporcional ao maior ou menor conhecimento e domínio dos fundamentos do jogo, por parte de todos os seus integrantes, dentro e fora da quadra – verdade indiscutível na prática do grande jogo, e que não apresenta a relevância de sua básica importância na formação de base dos nossos jovens que se iniciam no mesmo. Não se trata de um mistério, e sim de uma brutal realidade no processo de ensino e aprendizagem do basquetebol em nosso país, onde os sistemas táticos antecedem em tempo e importância o ensino dos fundamentos, numa inversão de prioridades que nos tem causado enormes, e até agora, intransponíveis reveses…

Toda essa carência de conhecimentos tem origem a partir do início dos anos 70 com a ida dos cursos de educação física para os centros de ciências da saúde, saindo de sua base educacional dos centros de filosofia e ciências humanas, ocasionando uma radical mudança curricular, onde os seis semestres dedicados ao ensino dos desportos, foram reduzidos a dois, ás vezes um só semestre, trocados por disciplinas da área biomédica, dando início ao ciclo do culto ao corpo, mantido até os dias de hoje, que somado a criação dos bacharelados de educação física, desencadeou e sedimentou a uma indústria do corpo que movimenta mais de 12 bilhôes de reais ao ano, sacramentada pelo sistema Confef/Crefs, avalizador e agenciador da mesma com suas holdings monumentais, onde a educação física e o desporto voltado aos jovens nas escolas e clubes se torna indesejável ante a lucratividade ensejada pela ausência de políticas nacionais voltadas aos mesmos…

Com professores e técnicos mai formados, o aproveitamento de ex jogadores e antigos leigos referendados como “provisionados” pelo sistema Confef/Cref passou a vigorar no país, com a diminuição da qualidade, e mesmo do total desconhecimento didático pedagógico necessário ao ensino qualificado, dando origem ao descalabro que atestamos nos dias de hoje, onde as parcas verbas governamentais se destinam ao topo de uma injusta e absurdamente invertida pirâmide de ponta cabeça, e cujos resultados finais retratam nossas colocações no cenário internacional…

Somemos a tudo isso, no caso do basquetebol, a política e criminosa fusão do estado da Guanabara com o estado do Rio de Janeiro, que até aquela época rivalizava com São Paulo, por ser uma ex capital da república, e ser a segunda economia do país, que a partir daquele trágico momento  foi transformado num violentado e hoje miserável município, espoliado e humilhado no cenário nacional. E o mais trágico é sabermos que mesmo constando um plebiscito na constituição para aprovação da fusão por parte das duas populações envolvidas, nada foi levado em consideração pelo governo militar, que via na mesma a dissolução da eterna e histórica resistência carioca aos governos absolutistas…

Claro que os desportos foram atingidos em cheio, destinando a São Paulo a dominância político educacional dos mesmos, inclusive o nosso amado basquetebol. O resultado aí está, escancarado a todos, com o afastamento radical da influência carioca, que gerava o equilíbrio entre os dois mais importantes pólos de desenvolvimento do grande jogo entre nós, e não vejo a médio e mesmo longo prazo, o reequilíbrio da balança…

Todo esse processo fez nascer o domínio unilateral, por parte de uma geração de técnicos, voltados aos exemplos advindos do hemisfério norte, principalmente dos Estados Unidos e mais recentemente de uma Europa mais organizada e técnica, no intuito de os fomentarmos,  esquecendo porém, que tais e poderosas influências sempre foram fundamentadas numa formação de base colegial e universitária poderosa e massificada, fator este ausente em nosso país, gerando os abissais equívocos com que nos deparamos desde sempre…

Finalmente, o ápice dessa tragédia, foi a decisão absurda e suicida, pela adoção de um sistema único de jogar e ensinar (?) o grande jogo, copiada, formatada e padronizada  ipsi literis da NBA, sem se darem conta, por indesculpável ignorância, flacidez mental e oportunismo preguiçoso, de ao menos, adequá-lo (se isso fosse possível…) a nossa realidade, exposta no texto acima, seguindo a norma arrivista e aventureira do que “se lá dá certo, por que não aqui?”, num lamentável processo colonizado e excuso…

Então, como explicar, ou mesmo justificar as coincidências mencionadas por você Alex? Creio que o exposto dirime suas dúvidas, que poderemos sintetizar afirmando que – Perante um quadro formativo, técnico e tático, onde a ausência quase total de alternativas didático pedagógicas possam ser estudadas, confrontadas e utilizadas, sob o democrático princípio da diversidade e do contraditório, fontes inesgotáveis da criatividade e do consciente improviso, como pretender formar técnicos, professores e jogadores diferenciados e tecnicamente evoluídos, capazes de confrontar as clássicas “coincidências” tão bem formuladas por você Alex, como? Creio que você agora sabe as respostas, logo…

Amém.

Foto – Arquivo pessoal. Clique duas vezes na mesma para ampliá-la.

AMARGA INCOERÊNCIA…

No último artigo aqui publicado, apontei a enorme incoerência que separava a primeira entrevista dada pelo novo técnico da seleção brasileira, Petrovic, da realidade em que se encontra na direção de uma equipe que prioriza os arremessos de três pontos a cada ataque, somente cedendo nas intenções quando contestados fortemente, e mesmo assim, tentam as bolinhas, equilibrados ou não, como num primal impulso impossível de ser refreado. Sem dúvida alguma é o perverso reflexo, adquirido e sedimentado desde uma formação de base mais perversa ainda, pois privilegia o menor esforço e exigências frente à complexa e dificílima aprendizagem dos fundamentos básicos do jogo, substituindo-os pela chutação desenfreada a muitos metros da cesta, aparente e erroneamente protegidos de forte anteposição defensiva, num monumental erro de diagnóstico do que venha a ser o grande jogo e sua perene evolução, e que já começa a encontrar e desenvolver ações que muito mais cedo do que imaginam, inviabilizará a liberdade para empregá-los…

Tal incoerência é perfeitamente visualizada pela foto ao lado, onde a fugaz estatística apresentada na tela, confronta a enorme preocupação de um técnico frente a uma situação real de jogo que, ferindo seus princípios técnico táticos forjados em sua longa experiência européia, se vê refém de uma outra, diametralmente oposta, haja vista seu posicionamento explanado na entrevista mencionada…

Logo, a derrota pode ser perfeitamente explicada, porém não justificada, por contundentes números que conotam injustificadas situações, tais como o fato de ter perdido para uma equipe que convergiu em seus arremessos (19/32 nos 2 pontos, e 14/33 nos 3), pois não foi a sua equipe capaz de contestar a artilharia de fora, aparentemente preocupada com o poderio interior dos canadenses, que espremeram ao máximo a seleção em seu perímetro interno, abrindo totalmente a porteira para seus arremessos externos, e foram 14 bolas de 3, ou seja, 42 pontos dos 85 conquistados, praticamente a metade…

Por outro lado, viu sua equipe arremessar 28/49 de 2 pontos, ação que deveria ter tido continuidade, e amassar o aro num 5/20 de 3 em tentativas, perpetradas por nossos “especialistas”(só o Benite matou 1/7…), num erro de graves consequências, que poderia ter sido contornado se contestássemos os canadenses da mesma e competente forma com que nos contestaram, ocupando os espaços internos e externos com velocidade e estratégicos posicionamentos, técnicas que grande parte de nossos jogadores desconhecem, pois, desde cedo, são direcionados a chutação, e raramente a evitá-la por parte dos adversários, numa autofagia cruel e suicida, e cujos resultados aí estão…

O experiente técnico não pode cometer o erro dos dois estrangeiros que o antecederam, o de adaptar, ou mesmo esquecer seus princípios básicos do jogo, onde somente o conhecimento e a rude prática dos fundamentos poderá instrumentalizar os jogadores na difícil arte de defender, ou mesmo atacar com equilíbrio na busca dos arremessos mais precisos, os esquecidos e minorizados arremessos de curta e média distâncias, reservando os de longa para aqueles especialistas de verdade, e mesmo assim em condições plenas de equilíbrio e liberdade, como uma arma complementar, e não como uma ação prioritária de jogo…

Petrovic tem de se adequar aos seus princípios externados na entrevista inicial, sem exceções, exigindo e aplicando um competente preparo nos fundamentos, para que aqueles sejam exequibilizados nos jogos, e não se tornando refém de uma forma de jogar oposta a seus conceitos, pois em caso contrário não obterá os resultados que tanto persegue, e pelos quais é muito bem pago. Mas para tanto, necessita de competente ajuda, que no caso de seus atuais assistentes, vencedores de um sul americano marcado pela convergência que já se torna endêmica, à imagem e semelhança do sistema único, pouco ou nada frutificará, já que adeptos da chutação nas equipes que dirigem, obrigando-o a uma guinada técnico tática, na busca de algo diferenciado na maneira e forma de jogarmos, começando com a retomada de seus princípios, bem de acordo com o posicionamento inicial em terra tupiniquim. Vai conseguir? Torço para que sim, mas lá no fundo desconfio que não, infelizmente, pois o que vemos na LNB, porta de entrada da nossa elite, onde a incrível quantidade de erros de fundamentos ofensivos e defensivos, e o “chega e chuta” desenfreado, em nada recomendam nossos jovens talentos ao enfrentamento internacional de verdade, órfãos que são dos fundamentos do grande jogo, a começar pela ações mais básicas, como a de defender, passar com presteza, driblar com domínio do espaço, rebotear com firmeza, saber jogar sem a bola, arremessar com pleno conhecimento técnico, e acima de tudo, saber ler o jogo em suas partes e no todo, que são as portas de entrada do coletivismo consciente, todo um vasto arsenal de conhecimentos que têm de ser ensinados, duramente praticados, não importando idade, sexo, estatura, divisões, ou mesmo seleções municipais, estaduais e nacionais, pois se trata do ferramental inerente a prática do grande, grandíssimo jogo, terreno de propriedade daqueles que o conhecem, entendem e o amam…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8