COMO O PREVISTO…

P1080756-001P1080763-001P1080766-001P1080771-001P1080780-001

E não deu outra, quase uma extensão do artigo de ontem, quando três dos semifinalistas, dois na justa medida e um aproximado, partiram para uma convergência atroz, onde números não conseguem amenizar uma realidade que se impõe velozmente, sinalizando um caminho, que se implantado, cobrará juros de monta mais adiante, principalmente nas divisões de base, que se espelham nessa elite equivocada e midiaticamente comprometida…

 

Nos dois jogos em Bauru, 36/106 bolinhas foram disparadas (33.9%), contra 73/136 arremessos de dois pontos (53.6%), com praticamente 20% a mais de precisão, com 63 erros de pontaria, menor que os 70 de três, num desperdício lamentável de tempo e esforço grupal. Os lances livres apresentaram um melhor índice, com 78/107 tentativas, ou 72.8%. No entanto, os erros de fundamentos permaneceram na assustadora marca de 49, que em jogos de marcação para lá de frouxa (permitindo a avalanche dos três), preocupa muito no critério “qualidade de jogo”…

 

Bauru, mesmo vencendo acima dos 40 pontos, e sem a mais remota necessidade do “chega e chuta”, já que tinha o domínio absoluto dos garrafões, se permitiu um 13/34 de três contra 21/33 de dois, que segundo as continhas que venho pregando, se substituísse metade das bolas perdidas de fora do perímetro por tentativas de dois pontos, agregaria no minimo mais 20 pontos, dando oportunidade para que seu jogo interior se firmasse em situações reais, fator importante na rodagem dos novos valores que deveriam atuar  “lá dentro”…

 

No segundo jogo, a convergência às avessas, onde uma equipe do tradicional modo argentino de jogar, adotou a emergente “estratégia tupiniquim”, ante um Mogim apático na defesa externa, cometendo um 15/28 de dois pontos e 13/35 de três, enquanto seu adversário se continha mais em  22/39 e 9/26, respectivamente, suficientes numa vitoria apertada no tempo extra, quando a bola decisiva do Shamell se constituiu num quase sempre esquecido DPJ frontal…

 

Destas duas experiências práticas, poderemos depreender um raciocínio primário, fundamentado em continhas, simplórias continhas aritméticas, onde vencerá a final de amanhã aquela equipe que se dispor a agir com energia defensiva fora do perímetro (contestando mais para alterar a trajetória dos arremessos, que o bloqueio dos mesmos…), sem recear as penetrações, que se bem monitoradas, encontrarão anteposições no miolo defensivo, onde o 1 x 1 defensivo deva ser levado com competência e técnica ( na verdade, defender exige 90% de técnica e 10% de suor e esforço, e não ao contrario como a turma do “vamo lá” apregoa…), e que no ataque privilegie a precisão que é alcançada na medida que as distâncias se reduzam, provocando faltas e rebotes ofensivos mais bem posicionados, deixando as bolinhas restritas a conclusões oriundas de passes de dentro para fora do perímetro, permanente e pacientemente, na busca do momento ótimo e oportuno, e não midiático e falsamente eficiente, para de 2 em 2, 1 e 1, e eventualmente de 3, consiga o laurél desejado…

 

São fatores técnicos e táticos verossímeis, planejáveis e treináveis à luz do bom senso e da inteligência prática, muito além das ininteligíveis pranchetas proprietárias, ou divididas por nervosos dedos no afã de determinar razões e pontos de vista, nas quais se confundem conhecimento e engôdo, numa proporção aritmética, também…

 

Amém.

 

 

 



Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8