POR QUE CONVERGIR, JÁ NÃO BASTA?…

A seleção está na final do pré olímpico, na casa da equipe tida como favorita, a Croácia, ontem eliminada pela Alemanha, que decidirá logo mais o título com a equipe que aplainou seu caminho, pulverizando a anfitriã, que de forma alguma digeriu a derrota por larga margem para uma seleção em processo de formação e profundas mudanças na forma de atuar, mas que ainda oscila bastante entre a mesmice técnico tática estabelecida nos últimos trinta anos, por um corporativismo daninho e retrógrado, e uma proposta radical de um croata, que num misto de teimosia e paciência, parece estar conseguindo avanços, tidos como improváveis pela grande maioria dos “encardidos entendidos” que teimam em se manter absolutos (?) no cenário tupiniquim do grande jogo…

Estabelecer uma permanente e corajosa dupla armação, mantida em rotação entre quatro armadores convocados, talentosos e criativos, sem dúvida alguma é uma baita evolução, pois acelera, não o ritmo de jogo, e sim, a quantidade e qualidade de opções ofensivas de fora para dentro do perímetro, atacando-o longitudinalmente, e não lateralizando passes e mais passes, que somados a posicionamentos estratificados de “corner players” destinados aos longos arremessos, de saída destinava aos pivôs, quando de posse da bola, o papel constrangedor de combater toda uma defesa sem qualquer auxílio ou apoio, ou catadores de rebotes resultantes da enxurrada de bolas de três, que pouco a pouco, porém de forma contínua, inaugurou a era da convergência entre as tentativas de dois e de três pontos, num frenesi descerebrado dos “grandes especialistas”, na forma mais insana de jogar o grande jogo, apoiada, deificada e defendida pela esmagadora maioria da mídia dita como “especializada”, e grande parte dos técnicos de uma elite auto transformados em estrategistas, ferrenhos defensores do sistema único emanado de uma NBA bilionária e globalizada, cuja realidade se situa mil anos distante da nossa, deficitária e carente, que abandonou tradições e história, entregando-se a uma quimera inalcançável…

Sim, evoluímos um pouco, a dupla armação é a prova disso, porém, esbarramos no imobilismo dentro do perímetro interno, ainda muito limitado por anos e anos de equívocos na forma de atuar e pensar por parte de nossos pivôs, advindos de peneiras onde a altura e a massa muscular ditavam as preferências nas escolhas orientadas às categorias de base, que somadas as preferências pelas defesas zonais, auferiam sucesso instantâneo ao currículo de muitos técnicos, preocupados e focados nas divisões superiores, onde o ganho monetário os atraiam, transformando o trabalho na base como um momento transitório a ser percorrido o mais rápido possível, numa quebra de aprendizagem com sérias cobranças mais adiante. Na fase mais importante da formação de um jogador, onde o ensino, compreensão e prática sistemática dos fundamentos básicos do jogo são desenvolvidos, grande parte dos técnicos os omitiam, substituindo-os pelos sistemas de jogo, teoricamente eficientes em suas pranchetas, porém ineficientes na prática ao passar dos anos, pela ausência e quase desconhecimento das técnicas necessárias ao domínio dos fundamentos pela maioria dos jogadores, cada vez mais expostos na ascensão às divisões superiores…

Quando chegam às seleções, o grande problema se avulta, e muitos deles, por suas qualidades físicas e atléticas se voltam para outros países, onde, de certa forma, adquirem mais preparo técnico, mas bem distante dos longos anos em que deixaram de praticar contumazmente sua ferramenta de trabalho, os fundamentos, substituindo-os pelos hoje superestimados arremessos de três pontos, bastando observar os exercícios de aquecimento das equipes nacionais, de qualquer divisão ou sexo, onde os arremessos de longa distância são os majoritáriamente preferidos. O resultado de todo esse despreparo se reflete na ausência de conhecimento integral do jogo, defensiva e ofensivamente falho, e principalmente, confiável…

Então, ante os pequenos, porém bem vindos avanços, bem mais ofensivos do que defensivos na seleção se tornarem referência, poderemos dizer que, se tal trabalho influenciar positivamente as divisões de base, aos técnicos e professores das mesmas, um bom caminho já será bem trilhado, faltando somente um bem planejado e gerenciado programa de massificação voltado às escolas e aqueles clubes que ainda não fecharam suas atividades, para aí sim, vislumbrarmos dias melhores para o grande jogo nesse imenso, desigual e injusto país…

Voltemos então para a seleção que está em Split tentando a classificação olímpica, com seus altos e baixos, idas e vindas pelos hábitos adquiridos no amadurecimento bastante precário e segmentado de seus jogadores, destacando-se o da frenética e viciada compulsão aos arremessos de três pontos, fruto das péssimas marcações e contestações que enfrentaram em sua escalada de muitos anos, assim como pela tentadora exposição midiática, patrocinada por uma mídia, que em sua maioria não está nem um pouco interessada e informada na maturação técnica, prolongada e sacrificada dos jogadores, mas sim do que os mesmos possam alavancar sua busca cada vez mais dramática, pelas audiências e promoções individuais, infelizmente simples assim…

A seleção, que na vitória contra os donos da casa, soube equilibrar priorizar arremessos curtos e médios, mais precisos e confiáveis, em vez dos longos, com seus 40% de aproveitamento tidos como padrão de eficiência, na partida contra o México, equipe tremendamente falha na defesa, mas perigosa nos arremessos de três atraves seus especialistas Cruz e Stoll, somados ao eficiente e pontuador pivô Ayon, voltou ao duelo nas bolinhas (18/34 contra 8/32 dos mexicanos, com ainda 17/32 contra 21/35 nos 2 pontos) numa demonstração tácita de como fácil e habitualmente se comporta ante defesas frágeis, numa atitude que em muitos e bem conhecidas ocasiões, nos deixaram em maus lençois em partidas importantes e decisivas. Em síntese, as duas equipe apresentaram números que fazem pensar seriamente no que, e para onde desejamos nos encaminhar no cenário internacional, quando as duas seleções arremessaram 28/67 bolas de 2 pontos e 26/66 de 3, numa convergência quase absoluta, que no caso das bolinhas, totalizando 40 erros, não ser preciso voltar a lembrar as continhas aritméticas de sempre, para atestar a  colossal perda de energia dispendida nos erros, que poderia ser canalizada a acertos óbvios e de mais impacto jogando de 2 em 2 e 1 em 1, por que não?…

No jogo decisivo de hoje, contra uma Alemanha forte na defesa, contestadora e boa de perímetro interno, sem contar, é claro, com dois bons arremessadores de fora, deveríamos focar preferencialmente na defesa antecipativa, fortíssima nos rebotes, e principal e decisivamente na ofensiva interna, pois a reposição de jogadores altos alemães é inferior em qualidade aos da nossa seleção, para de 2 em 2, com pontuais arremessos de 3, não os tornando prioritários, numa atuação semelhante com a realizada com a Croácia, para vencermos com uma boa diferença de pontos, abrindo passagem para Tóquio, resultado importante ao ressurgimento e soerguimento do grande jogo entre nós. Assim torço e espero…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV.



4 comentários

  1. Alex 04.07.2021 (4 weeks ago)

    (…) e como o coach Henrik Rodl, que de inocente e inexperiente não tem nada, sabedor que o basqueteiro brazuca, na média, se exaspera quando é ferozmente marcado no perímetro não tem dirble pra infiltrar e ir pra bandeja ou fintar o adversário e ir pro Jump Shot sem contestação, fez um ferrolho no perímetro e reduziu o ataque do Brasil a pó.

    Moral da história:

    Vamos assistir mais uma Olimpíada pela TV (já que nem o 3X3 e as garotas conseguiram a vaga).

  2. João 04.07.2021 (4 weeks ago)

    Concordo Alex…e lamentávelmente o principal cenário para o progresso do nosso basquete que é a escola está completamente abandonado..os dirigentes escolheram um rumo errado..estamos vendo o que esta acontecendo…a base é a chave.Como quando o garoto não é alfabetizado, então não será um bom aluno, a alfabetização de excelência no basquete é um passo de vital importância.

  3. […] ou mesmo arriscar impor um ação interior decisiva, optando pelo escancarado vício que expus no artigo anterior, na crua abordagem da formação básica de jogadores que são os menos culpados de tanta […]

  4. João 04.07.2021 (4 weeks ago)

    ..quando digo “alfabetização” no basquete refiro a aprendizagem dos fundamentos

Deixe seu comentário