POR QUE FUNDAMENTOS, POR QUE?…

P1010215

O basquetebol continua a inspirar cuidados, muitos cuidados, e o que vemos acontecer (?) beira ao improvável, ao impossível de ser resolvido se não houver um mínimo (que deveria ser o máximo) de resoluções realmente inovadoras, arejadas, cristalinas, justas e ponderadas ante situações viciadas e viciosas desde sempre, herdadas de administrações calamitosas e até certo ponto criminosas, escoradas pelo escambo, pelas trocas e favores políticos, pelo protecionismo e pelo domínio centralizado, padronizado e formatado de um conceito técnico tático colonizado e implantado por um corporativismo antítese das verdadeiras raízes do grande jogo em nosso país, que nos último 30 anos nos lançou ladeira abaixo no cenário internacional, e que hoje, frente a mesmice técnico tática endêmica em que nos encontramos ainda teimamos em buscar soluções no âmbito fechado e estagnado do que aí está, perigando seriamente restabelecer os mesmos erros, as mesmas razões dos contumazes fracassos que se repetem ano após ano, década após década, numa monocórdia ação assustadora…

Téc…digo, estrategistas anunciam estarem estudando e assistindo jogos internacionais para se situar na primazia de uma indicação para seleções nacionais, outros ganham viagens para estagiar na matriz com a mesma intenção, mais alguns recebem apoios importantes por serem jovens e promissores, outros por terem agentes influentes, enfim, uma miríade de possibilidades e influências, porém, todos alinhados ao sistema único, rigidamente alinhados, no qual a uniformidade padronizada de jogadas atinge a formatação máxima, mudando uma ou outra denominação, porém uníssonos nos resultados finais, que como temos constatado, beiram ao desastre frente a países que também se utilizam do sistema, com uma radical diferença, compostas suas equipes por jogadores infinitamente superiores a nós nos fundamentos básicos do jogo, fruto de uma bem planejada e concretizada formação de base, e manutenção dos mesmos nas divisões de elite…

O que adianta assistir jogos, tentar adquirir conhecimentos táticos pelo processo osmótico junto a luminares, se debruçar por sobre pranchetas projetando jogadas, tais como coreografias a serem realizadas por encordoados jogadores/marionetes, descerebrados, desconectados com a dura realidade do confronto defensivo direto, que é o fator deles sonegado nas exposições gráficas de seus estrategistas ( que deveria denominar de coreógrafos), numa triste e monótona repetição tempo após tempo pedidos, numa encenação midiática de demonstração de profundos conhecimentos, como uma vitrine de saberes e ostentação, que pode enganar a neófitos, jamais aqueles que conhecem e entendem os meandros do grande jogo…

Treinar sistemas se ampara no pleno conhecimento, por parte dos jogadores, de como exequibilizá-los através suas competências individuais e coletivas, pelo domínio dos fundamentos, sua mais autêntica e segura ferramenta de trabalho, praticada todos os dias, exaustivamente, todos, e não só aqueles que auferem admiração, como os arremessos, omitindo os demais, como o exasperante, difícil e cansativo jogo de pernas defensivo, nada glamouroso, porém fundamental numa equipe de verdade, para estarem preparados às nuances e sutilezas da mecânica exigida para a consecução plena dos sistemas, inclusive o único, cabendo ao técnico de verdade, tornar realidade todas estas exigências, que somente a longa e dura experiência o tornará apto a direção de seleções, melhor ainda se desenvolver e aplicar novas concepções sistêmicas, e não repetir colonizada e osmoticamente o que anota, ou computadoriza, como conhecimento absoluto…

Estudar, pesquisar, ensinar, treinar e dirigir jogadores no grande jogo é uma arte difícil e seletiva, denota muito tempo de preparo, numa caminhada sofrida e pedregosa, não sendo admitido o erro contumaz de exigir o que o jogador se sente incapaz de realizar, como um determinado fundamento, inviabilizando um sistema, forçando-o a um inconsequente improviso, bem diferente daquele outro que, por suas qualidades fundamentais, improvisa no bojo do mesmo, conscientemente, fator este que nos desqualifica frente a países mais bem formados, e que nos cobra seriamente pelos resultados negativos, pois na nossa equivocada concepção, estrategistas, ou coreógrafos, não se detém na direção de jogadores que julgam falhos nos fundamentos, trocando-os por outros e outros, numa ciranda sem fim a cada temporada finda, atestando sua incapacidade de treinar, ou mesmo admitir  ensinar fundamentos, que desconfio seriamente não saberem fazê-lo, o que numa seleção se torna ainda mais letal que numa franquia, ainda mais na teimosa e suicida insistência pelo sistema único, o único que professam, certamente o único que conhecem pela prática e pela ausência da teoria, antigas ou novas, porém indissociáveis da prática, claro, para os que realmente sabem, ou não?…

Busquem esses técnicos/professores, onde estiverem, neste enorme e injusto país, pois em contrário continuaremos a deslizar fundo abaixo, inexoravelmente…

Amém.

Foto – Praticando os fundamentos em divisão de elite, necessidade vital para um embasamento sistêmico. Clique duplamente na mesma para ampliá-la.



2 comentários

  1. walter Carvalho 22.09.2017

    Professor Paulo,

    O controle dos fundamentos basicos do esporte e imperativo para a pratica do basquetebol moderno de alto-nivel sem estar preso a posicoes de 1 a 5.

    Pois se todos os jogadores desde a base forem treinados a serem especialistas do esporte estes poderao entender melhor a fluencia de bola e homem na defesa e no ataque em um esquema que nao necessitara de coreografias previsiveis.

    Tudo de bom!

  2. Paulo Murilo 23.09.2017

    Pena Walter que a grande maioria dos nossos técnicos não pense dessa forma, o que explica com sobras, o por que de estarmos tão inferiorizados nos confrontos internacionais de que temos participado nos últimos vinte anos, realmente uma pena. Um abraço. Paulo.

Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8