AS DÚVIDAS DO VAREJÃO…

Ao término da fase classificatória do March madness universitário americano (único torneio de lá que habitualmente assisto), já posso tirar algumas conclusões sobre o momento ianque de jogar o grande jogo, o mais próximo possível das regras internacionais, um pouco menos conflitante do que o modo NBA de praticá-lo, ou mesmo, transformá-lo num produto altamente rentável, e não um desporto comum a todo o restante deste planeta, unido em torno das regras da FIBA, se constituindo na exceção que as justificam. Sem dúvida alguma é um outro jogo o praticado na matriz, sendo a NCAA um ponto de passagem entre as duas evidências, mas ainda tendendo ao exclusivismo paternal de uma modalidade que vê negado o universalismo além de suas fronteiras…

É um outro jogo, porém com um princípio indivisível e comum ao restante do mundo, a forma de dominá-lo através fundamentos bem ensinados, exemplarmente treinados, e aplicados com maestria dentro dos sistemas ofensivos e defensivos adotados por professores e técnicos bem formados neste mister, apesar da maioria avassaladora dos mesmos se utilizarem do sistema único ofensivo, em contrafação aos flexíveis e variados sistemas defensivos, que diferem em forma, mas comungam dos princípios enérgicos e incansáveis aplicados durante todas as partidas, numa prova coletiva de comprometimento e entrega defensiva a serviço da equipe em seu todo…

Com poucas exceções, as equipes atacavam da mesma maneira, mesmo em dupla armação, onde passes de contorno, espaçamento gerador dos embates 1 x 1, corta luzes fora do perímetro, e trocas muito rápidas de passes visando os arremessos de três (são 30 seg de posse de bola em vez dos 24 seg da regra internacional), se constituíram no lugar comum a ser alcançado, num desperdício físico considerável num torneio de tiro curto como esse, onde a era dos massudos pivosões definitivamente deixou de existir, dando lugar a outros mais velozes, flexíveis e aptos ao jogo interno, como ao externo também, assim como mais versáteis no manejo dos fundamentos básicos do grande jogo. Mesmo assim, não vimos sistemas diferenciados, a não ser o emprego da defesa zonal por poucas equipes, com sucesso relativo, porém suscetíveis aos longos arremessos, responsáveis pela artilharia desferida por muitas das equipes, adotando o estilo Warrios, mas sem a eficiência dos mesmos…

Se quisesse destacar um jogo em especial nessa primeira fase do torneio, Duke 77 x 76 UCF, seria o escolhido, pois representou a afirmação de quebra da mesmice tática por parte do coach K, com sua equipe errática, porém azeitada em quadra, onde uma dupla competentíssima de armadores, alimentava alas pivôs fortíssimos que transitavam dentro e fora do perímetro, com seu grande jogador Zion atuando indistintamente dentro e fora do mesmo, ( o jogo foi vencido através um curto arremesso dele, seguido de um lance livre) defendendo com enorme vigor, principalmente nos rebotes, contra uma equipe dentro dos padrões atuais, contando inclusive com um pivô, Tacko Fall, de 2,29m enfiado no garrafão e dominando defensivamente sua cesta, e um atacante, Dawkins, especialista nas bolas de três, que foi o maior marcador do jogo, mas que no entanto viu sua equipe perder por um ponto, numa partida exemplar pelo confronto direto entre o antes e o depois técnico tático estabelecido no atual panorama do basquetebol de seu país…

Acredito que pouca coisa mudará nas semifinais e grande final deste grande torneio, onde a utilização do atual sistema ofensivo de jogo será mantido, garantindo a continuidade técnica e tática da liga maior, agora mais bem alimentada pela participação de jogadores universitários com um ano somente de frequência escolar, garantidora de sua contínua e inesgotável renovação, num mercado bilionário, e por isso mesmo, cruelmente disputado…

Sobre essa realidade no basquetebol profissional americano, vale a pena ler a entrevista que o jogador Anderson Varejão concedeu ao blog Bala na Cesta do jornalista Fábio Balassiano, da qual pincei alguns e esclarecedores pontos:

-(…) Cara, o jogo é outro. Totalmente. É outro esporte. Tudo muito rápido, todo mundo chutando de fora, muitas trocas nos bloqueios. Você não vê mais aquele jogo de cinco contra cinco, bola no pivô, essas coisas(…)

-(…) O que vejo hoje, e me questiono muito se é eficiente, é que todos os times tentam se igualar na forma de jogar ao que o Golden State Warriors e o Houston Rockets fazem para ter chance de ganhar. Mas será que esse é o caminho? Ou será que o ideal seria fazer algo de diferente pra machucar os caras? No momento é isso aí – correria, chute de três, muita transição, jogo sem tanta defesa agressiva…(…)

-(…) Hoje é um caminho sem volta. Pode ser que em 2, 3 anos a gente volte a conversar e o negócio tenha mudado. Mas hoje é assim(…)

Como vemos, um jogador com larga experiência no basquetebol europeu e americano, em sua liga maior por mais de dez anos, tem sérias dúvidas sobre a realidade que ora se apresenta no âmago do grande jogo, principalmente quanto a sua exequibilidade sistêmica em nosso país, não como um utente negligenciado em sua atuação pontuadora dentro do perímetro, mas sim, como um observador detalhista e consciencioso dos caminhos que se apresentam ao grande jogo em seu desenvolvimento futuro, em bases sólidas  e possíveis de serem trilhadas com conhecimento e competência…

Como acabamos de testemunhar na fase classificatória do march madness da NCAA, da fase classificatória aos playoffs do NBB, das competições sul americanas, assim como o dia a dia dos intermináveis jogos da NBA, a mesmice endêmica técnico tática corre solta e livre, assim como a desenfreada hemorragia das bolas de três impera mundialmente (muito mais por aqui mesmo, em terra tupiniquim), vítimas que somos do colonialismo atávico advindo das matrizes, e que é sutilmente mencionado pelo grande jogador ao responder a uma pergunta direta do Fábio – (…) Você gosta ou é o que é? Não tem muito o que escolher. A vida te leva pros caminhos e você tem de fazer parte disso (…).

E é neste ponto que insiro dois artigos antigos publicados aqui neste humilde blog, cuja leitura em muito poderá auxiliar na plena compreensão do testemunho do Varejão, pois explicita com sobras os porquês de não adotarmos formas diferenciadas de jogar o grande jogo, e mais ainda os porquês da não continuidade das minhas propostas teóricas e práticas quando na direção fugaz do Saldanha da Gama no NBB2, dez anos atrás, a não ser acolhimentos pontuais por determinados técnicos pela dupla armação, ferozmente combatida desde aquela época por blogueiros, jornalistas, comentaristas e palpiteiros, hoje plena e aplicada por todas as franquias, até extrapolando em triplas armações, assim como a substituição dos massudos e lentos cincões, por alas pivôs mais atléticos, ágeis e velozes, que hoje povoam nossas quadras, todos, porém, ainda longe do coletivismo alcançado por aquela emblemática equipe, fruto de uma experiente e qualificada pedagogia de ensino por muitos anos pesquisada, e muito mais ainda distante da compreensão e domínio dos imediatistas estrategistas que as comandam, ao negarem, por muito pouco conhecerem, da importância do árduo treino dos fundamentos individuais e coletivos para seus graduados e nominados jogadores, tornando-os aptos e receptivos a sistemas atípicos às suas monocórdias realidades, dando início a um novo ciclo de aprendizagem e conhecimento pleno do que venha a ser jogo coletivo e verdadeira e consistente leitura de jogo a qualquer momento de uma partida (ápice de um competente treinamento), dispensando o encordoamento manipulador que exercem de fora para dentro da quadra, em descerebrados marionetes fantasiados de jogadores…

Os artigos em questão – Dupla o que?

                                    – Fazendo pensar

Poderiam culminar com um artigo ( O desafio…artigo 1000) que muito explica e esclarece uma inglória luta aqui travada desde sempre, e que hoje responde em alto e bom som as dúvidas externadas pelo Anderson Varejão em sua entrevista, num repto por mim lançado e que pouquíssimas respostas foram elaboradas a respeito, fora e dentro das quadras, escancarando o verdadeiro absurdo do meu coercitivo afastamento do grande jogo, talvez o único profissional com coragem e independência para dar continuidade ao belo e exemplar trabalho iniciado no Saldanha da Gama no NBB2, e que após ser varrido para baixo do tapete da história, se vê canhestra, débil e sutilmente copiado sem o conhecimento, domínio e profundidade do original, que em caso contrário, teria desencadeado soluções teóricas e práticas que naturalmente  evoluiriam estrategicamente na direção do questionamento inquisidor do Anderson – (…) Ou será que o ideal seria fazer algo diferente pra machucar os caras? (…).

Que eu diria e afiançaria diferenciado, proprietário, exclusivo em termos nacionais, da base a elite, democrático, forte e consciente, independente, criativo e responsável, e acima de tudo, nosso…

Durante esta semana assisti de tudo, NCAA, NBB, Euroliga, e até um pouco de NBA, mas para dar um tempo nas mesmas críticas sobre erros e mais erros de fundamentos, cascatas de bolas de três, chiliques e poses ao lado das quadras, pranchetas vazias de idéias e conhecimento real do grande jogo, transmissões e comentários apocalípticos, jogadores americanos deitando regras e comandos nos jogos, ginásios e arenas semi desertos, peladas disfarçadas de clássicos, num NBB formatado e pasteurizado pela mediocridade fruto da teimosia corporativa de seus mentores, é que nada comentarei, no momento (quem sabe nos playoffs), sobre jogos que expõem a triste realidade técnico tática que tanto preocupa o Varejão, e não só ele, e sim a todos aqueles que amam de verdade o grande, grandíssimo jogo…

Amém.

Nota – Atentem nos excelentes comentários agregados aos artigos sugeridos.

Fotos – Reproduções da TV. Clique duplamente nas mesmas para ampliá-las.

  



Deixe seu comentário

Comentários Recentes


    Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 7

    Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/paulo/public_html/blog/wp-content/themes/paulomurilo/functions.php on line 8