O NOVO E O POR QUE?…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA789576_1280x720-660x371

 

Três anos atrás, publiquei o artigo 1000, O DESAFIO, que foi uma forma sintética de englobar todo um pensamento, todo um conceito de como sempre vi, exercitei e pratiquei o grande jogo na função técnica, em paralelo ao grande número de artigos dedicados aos mesmos, com coerência e teimosia em mais de meio século de batente, no afã de sensibilizar a todos aqueles que o amam de verdade, e que anseiam vê-lo soerguido do limbo em que se encontra a duas décadas de desgoverno, protecionismo e brutal corporativismo…

E o que tem acontecido de lá para cá, senão a confirmação do repto, suavizado e adaptado por aqui, porém levado ao extremo na matriz, ou não?…

Pera lá Paulo, você quer dizer que antecedeu os gringos nessa NOVA forma de jogar? E porque não, se o faço na pratica desde sempre?…

Claro, que outros professores e técnicos também o fizeram, semelhantes que são todos aqueles poucos, muito poucos que teimam em não seguir o corriqueiro, adotando a fácil tarefa de simplesmente copiar o que julgam aprovado e comprovado na pratica,  mesmo que destituído de inventividade criativa, aspecto este de somenos importância no mundo da mesmice endêmica que frequentam com ardor e dedicação, afinal de contas não se mexe em time que está ganhando (?)…

No último artigo aqui publicado, um leitor assim comentou:

Andre – Olá, Paulo Murilo, vc já declarou que não se entusiasma com a NBA, mas parece que o novo campeão, Warriors, é um exemplo daquilo que vc repete aqui nesta coluna o tempo todo! Hoje li Balassiano e ele comentou nesta mesma linha. Poderia fazer uma análise mais específica sobre o time do Warriors?

 

Muito bem,  responderei a sua pergunta, afirmando de saída que o farei como professor e técnico e não como comentarista, que até poderia fazer, já que jornalista qualificado, mas prefiro a área eminentemente técnica, aquela que se fundamenta no conhecimento profundo do jogo, adquirido na pratica sistemática do mesmo dentro e fora da quadra, estudando, desenvolvendo, pesquisando e ensinando-o décadas a fio, humildemente aprendendo mais do que ensinando…

Então, o que vimos na recente e brilhante conquista do Warriors na encerrada temporada da NBA, senão a continuidade da ação iniciada pelo Coach K, logo que assumiu as seleções americanas nos últimos mundiais e olimpíadas, com as quebras radicais de paradigmas clássicos do basquetebol de seu pais?…

Pivôs de força, pouca mobilidade e agilidade, foram substituídos por alas pivôs velozes. atléticos e ágeis, com fundamentação próxima aos armadores, arremessando com precisão das mais diversas distâncias, defendendo dentro e fora do perímetro com igual eficiência, colocando em cheque adversários pesados e pouco móveis (o pivozão russo que o diga…), abrindo espaços formidáveis mesmo próximos à cesta, assim como desenvolvendo armadores, sempre em duplas, somando às suas habituais e históricas habilidades um poderio de arremesso em ambos os perímetros, casando tais qualidades aos alas pivôs, num entra e sai da bola no perímetro interno por todo o tempo de jogo, tornando bastante complicada a concepção eficiente de sistemas defensivos, sujeitos às incontáveis soluções ofensivas a serem confrontadas…

Engraçado, sempre usei essa forma de jogar, porta de entrada (e saída…) da improvisação, da arte de ler e interpretar situações sempre mutáveis (e jamais repetidas) de jogo, onde ter um arsenal de 100 jogadas se torna risível perante às “n” e incontáveis possibilidades do jogo pensado, ousado, corajoso, num sistema aberto e profundamente responsável, âmbito daqueles que realmente o sabem jogar, de verdade…

Os Warriors pertencem a NBA, a liga que congrega a fina flor do basquetebol americano, sempre reforçada por jogadores internacionais, que, com honrosas exceções se equivalem aos locais, porém nunca os superando, onde uma renovação constante, advinda de sua fortíssima estrutura colegial e universitária, mantém sua hegemonia técnica mundial, apesar de claudicar bastante no aspecto tático, estruturado e fundamentado no sistema único, largamente comentado aqui no blog, originando esporádicas surpresas como as apresentadas pelos Warriors, seguidores fieis da proposta do coach K, adotadas pelas seleções nacionais por ele dirigida nos últimos anos…

“Sem os arremessos de três nenhuma equipe vence hoje em dia”, afirma categórico um comentarista de TV, deixando no ar o aspecto saudosista que o incentiva para tal afirmativa, que contesto veementemente, pois jogando em permanente deslocamento de todos os jogadores, abrindo espaços sucessivos dentro e fora do perímetro, optar prioritariamente pelos médios e curtos arremessos (com percentuais mais vantajosos), para de 2 em 2 alcançar mais de 90 pontos, mantém os altamente imprecisos arremessos de três (inclusive para os especialistas) para serem utilizados naqueles momentos em que sua execução seja antecedida pelo mais absoluto equilíbrio e razoável distanciamento de possíveis contestações, onde um raríssimo talento como o Curry, quebra um pouco essas regras, mesmo quando erra…

Do lado dos Cavaliers, um daqueles raros jogadores que insistem em transformar um jogo coletivo em individual (temos um belo representante desta escola aqui mesmo, em terra tupiniquim), contestando seu técnico, um reconhecido tático do basquetebol internacional, esquecendo algo essencial para uma verdadeira equipe, alocar sua refinada técnica a serviço de seus companheiros menos afortunados, colocando-os nas definições de jogadas em busca das possíveis vitórias, e não encerrando sua participação no playoff final como o cestinha absoluto, o maior reboteador e…o grande (por mais uma vez) perdedor…

Finalmente, contesto, também, com veemência, afirmativas conclusivas de que jogadores, técnicos, jornalistas e torcedores admitam que o basquete de hoje difere frontalmente daquele jogado 40 ou 50 anos atrás, quando um Boston Celtics de Bill Russel (cujo trofeu com seu nome premia o MVP), o Cibona, as seleções iugoslavas, brasileiras jogavam de forma parecida, em velocidade, agilidade e arremessadores formidáveis, em tudo antecedendo o que hoje alcunham de NOVO jogo, quando na realidade, recria princípios imutáveis do grande jogo, onde o pleno e absoluto domínio dos fundamentos o embasam, e que mais recentemente, no NBB2, um humilde e agora esquecido Saldanha o ousou recriar, tendo como castigo a marginalização, tanto da maioria dos jogadores, como de seu técnico, o mesmo que lançou o desafio acima descrito, e que jamais contou com o mais remoto apoio do mundo fechado do nosso basquetebol, dos técnicos e suas associações à imprensa dita especializada,  na formulação de  uma singela pergunta – Por que o degredo, o que o explica e justifica, por que?…

Amém.

Fotos – Divulgação LNB. Clique nas mesmas para ampliá-las.

 

ARTIGO 1300 – UMA LONGA E ÁRDUA JORNADA…

P1110032-001P1110033-001P1110043-001P1110046-001P1110048-001P1110049-001P1110050-001P1110055-001

 

Este é o artigo 1300 publicado neste humilde blog. Tem sido uma dura caminhada de mais de 10 anos de presença ininterrupta junto aos que amam o grande jogo, abrindo aos mesmos um espaço democrático e responsável de discussões, onde o anonimato jamais teve ou terá vez, daí ter uma audiência mais seletiva do que numérica, mas que espelha, divulga e divide o conhecimento sedimentado no estudo, na pesquisa, e acima de tudo no trabalho e respeito a todos aqueles que aqui lêem e postam livremente…

Gostaria de oferecer um blog mais amplo, na verdade um site, onde a informação fosse mais a fundo, mais não possuo os meios para exequibilizar este anseio, mas aos poucos, pensada e tecnicamente, irei desenvolvendo situações que envolvam mais colaboradores, como o Gil e o Walter, que desde sempre prestigiam esse espaço com seus conhecimentos e larga experiência internacional…

Prometo, que muito em breve estarei oferecendo novas vertentes editoriais, principalmente voltadas aos jovens técnicos que se iniciam, mas nunca esquecendo os experientes e calejados profissionais que labutam por este enorme e injusto país a fora, valentes que são ante a penúria de que são vítimas permanentes, pela ausência de uma política educacional e desportiva que os ampare e incentive em suas sacrificadas vidas…

Então, vamos em frente, como por exemplo, o jogo de ontem decidindo o segundo finalista do NBB7…

O que vimos já não assusta mais a este veterano professor e técnico, não mesmo, pois, se tornou numa mesmice endêmica vitimizando jogadores, iniciantes e adultos, técnicos, dirigentes, agentes, empresários e jornalistas, todos embarcados na náu dos “monstros”, enterradas, endeusadas bolinhas de três, e o mais apavorante, os chifres (de diversos teores), os punhos (de vários quadrantes), camisas, hanguetens, especiais, cabeças, picks de varias gramaturas, tudo isso “treinado exaustivamente” em rachões transcendentais, porém revisados em jogo através herméticos rabiscos em midiáticas pranchetas, como que representando estratégias, mas que somente se definem como um documento validador  de discutíveis competências perante um neófito público, e dirigentes mais neófitos ainda, captadas por ávidas câmeras, hipnotizadas com tanta sapiência do nada, absolutamente nada, pois refletem a unanimidade de todos, técnicos e jogadores, em torno do sistema único, aquele que premia os 1 a 5 melhores que os 1 a 5 de todas as equipes participantes…

Agora mesmo, se inicia uma corrida para a substituição dos 1 a 5 falhados, por outros 1 a 5 mais azeitados, como se fossem peças de uso imediato pela igualdade tática, economizando tempo de treinamento formativo e reeducativo de jogadores que deveriam estar “prontos”, mas que ao não estarem devem ser substituídos, numa perversa ciranda de mistificações e interesses mais comerciais que técnicos, como acontece de fato…

E este jogo mostrou, escancarou essa realidade em toda a sua dimensão, começando pelo duelo aberto nas bolinhas, entre um desde sempre convergente Bauru (14/26 de dois e 9/34 de três), e um reticente Mogi (18/32 e 5/23, respectivamente), perfazendo um constrangedor 14/57 de arremessos de três, convergindo com um 32/58 de dois pontos, numa gigantesca perda de tempo efetivo de jogo e de esforço físico, o tão badalado cult dos tempos atuais, que tenta impor a superioridade física acima da técnica, do domínio dos fundamentos básicos do grande jogo…

Então, com ambas as equipes agindo em uníssono tático, bastava uma esperta adaptação defensiva para alterar dominâncias, e as duas equipes assim tentaram, variando do individual para a zona, até para uma pequena pressão, mas em tempo alguma fugindo da mesmice ofensiva, arraigada solidamente em suas ações previsíveis e até certo ponto, infantís, ou seja, sistema único contra individual, e quatro abertos contra zona, ambos voltados definitivamente para o jogo exterior, para as bolinhas, deixando o interior abandonado, até que, num clarão ou desespero, uma delas optasse pelos bons pivôs em quadra, e vencesse o jogo e a classificação à final contra o Flamengo…

Foi um jogo com 30 erros de fundamentos (14/16), numero altíssimo para equipes adultas, mas que reflete muito bem o estágio técnico individual de muitos jogadores, inclusive armadores, perdendo bolas no drible, que é algo inadmissível para a posição, e que é um reflexo elucidativo de como são preparados para a competição, infelizmente…

Finalmente, um lembrete, mais um, pequeno, simples, porém fundamental a essa altura em que a LNB se alia a NBA, que seja implementada uma mudança em sistemas de jogo, que não precisa ser geral, pois bastaria que uma ou duas equipes se reestruturassem neste sentido, apresentando algo diferenciado, não necessariamente novo, mas algo que nos propiciasse fugir desta mesmice endêmica asfixiante, bitolada e medíocre, para darmos um salto qualitativo, pela imediata comparação entre sistemas, vencendo ou perdendo, mas abrindo um fresta de progresso individual e coletivo neste cenário tão pobre em que estamos. E já que os técnico que ai estão, alguns em todas as edições do NBB, se negam a mudanças radiacais, dois são os técnicos que podem desenvolver tão importante mudança. Um já está presente numa equipe de ponta da liga, teve um ano difícil, mas deve ser mantido para um trabalho longo e detalhado, depois de mais longa ainda ausência, outro, marginalizado por apresentar e discutir algo instigante e corajoso, aguarda uma merecida oportunidade de tornar a demonstrar ser possível mudanças estruturais de equipes com jogadores pouco valorizados e nada midiáticos, porém cheios de qualidades e experiências de sobra, também à margem das grandes equipes, injusta e covardemente, pois não é para qualquer um ensinar, treinar e os fazerem jogar com um sistema proprietário, corajoso e inovador…

Amém.

Fotos – Reproduções da TV. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

 

ONDE QUANDO TUDO COMEÇOU…

28A8BD83-9D2F-4F19-9310-E1CD1BD06629 (1)ABAA32EE-E1ED-45DE-9620-75A40E56E092P1100641-001P1100653-002

 

Dois dias atrás fiz parte da mesa inaugural do I Seminário Regional sobre Prática de Ensino/Estágio supervisionado em Educação Física, atendendo o convite do Mestrado em Ciência da Atividade Física da Universidade Salgado de Oliveira – Universo – com o tema A Prática de Ensino e a Didática no momento de sua implantação na UFRJ (a primeira a fazê-lo no país), quando os pioneiros daquele momento fundamental da Educação Física Brasileira discorreram suas experiências e vivências, conforme a programação a seguir-

      A UNIVERSO realizará, no dia 15 de abril, de 2015, I Seminário Regional sobre Prática de Ensino / Estágio Supervisionado em Educação Física. O programa está assim constituído: A Prática de Ensino e a Didática no momento de sua implantação na UFRJ, a única universidade existente no Estado do Rio de Janeiro. Prof. Paulo Emanuel da Hora Matta (UFRJ/UERJ); Prof. Dr. Paulo Murilo Alves Iracema (UFRJ),Prof. Dr. Alfredo Faria Junior  (UFRJ/UNIVERSO). A Prática de Ensino e a Didática na Universidade Castelo Branco e na Universidade Gama Filho. Prof. Eugênio Corrêa (UCB) e Profa. Dra. Vera Lúcia Costa (UNIFOA / UCB). A Prática de Ensino e a Didática na Universidade Rural do Rio de Janeiro, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro e na Universidade Federal Fluminense. Prof. Dr. Marcos Santos Ferreira (UFRRJ), Prof. Dr. Evaldo Bechara (UERJ), Prof. Dr. Waldir Lins Castro (UFF). A Prática de Ensino e a Didática na Atualidade: as experiências da UNISUAN, da UNIVERSO e da FAMATH.  Prof. Roberto Santos (UNIVERCIDADE/UNIVERSO), Prof. Dr. Carlos Figueiredo (UNISUAM/UNIVERSO), Prof. Maurício Barbosa (UNIVERSO), representante da FAMATH. Os conteúdos das mesas constituirão os Capítulos de um livro a ser publicado.

Ao final da minha palestra, que brevemente veicularei aqui no blog, assim como a dos demais palestrantes, tive a honra de ser agraciado com uma placa comemorativa pelos longos anos dedicados à Educação Física Brasileira, no que fico lisonjeado e agradecido aos professores responsáveis pelo Mestrado em Ciência da Atividade Física daquela prestigiosa Universidade, na pessoa do Prof. Dr. Alfredo Faria Jr, com quem participei da introdução e os demais professores, quase todos ex-alunos nossos na UFRJ. Pena e muito lamentada a ausência, por motivo de saúde, do Prof. Paulo Emanuel da Hora Matta, um dos pioneiros daquela primeira hora da Didática/Prática de Ensino e Estagio supervisionado da Educação Física Brasileira.

Amém.

Fotos – Andre Raw. Clique nas mesmas para ampliá-las.

Foto de grupo – Professores Roberto Santos, Paulo Murilo Alves Iracema, Alfredo de Faria Jr., Léa Laborinha e Eugênio Corrêa.

 

UMA EXCELENTE INICIATIVA…

11043047_897363143620422_9067229823162838232_n

 

 

 

  • Ginásio da Universidade Celso Lisboa, as 09:00 horas do dia 14 de Março de 2015. Rua 24 de Maio 797, Sampaio.

CONVOCAÇÃO

CONVOCAMOS Á TODOS OS TREINADORES DE BASQUETE DO RIO DE JANEIRO Á COMPARECER A ASSEMBLEIA DE FUNDAÇÃO DA ATEBARJ – ASSOCIAÇÃO DE TREINADORES DE BASQUETEBOL DO RIO DE JANEIRO –

*NO GINÁSIO DE ESPORTES DA UNIVERSIDADE CELSO LISBOA, NO DIA 14 DE MARÇO DE 2015 ÁS 09:00 H*.

Você que trabalha com basquetebol em escola, clube, escolinha, ligas, universidades, projetos sociais, basquete 3 X 3, basquete de rua, participe deste movimento que pretende colaborar com a evolução técnica dos Professores de basquetebol do nosso estado.

Para que possamos ser fortes necessitamos estar juntos em uma entidade, compareçam e tragam as suas idéias.

TODOS OS PRESENTES SERÃO CONSIDERADOS SÓCIOS FUNDADORES.

Divulgo com o máximo prazer essa matéria enviada pelo Prof. Miguel Palmier, sobre uma iniciativa que se fazia necessária ao basquetebol do nosso estado, esperando que a mesma encontre o respaldo dos verdadeiros basqueteiros cariocas e fluminenses.

 

SHILTON, SHILTON, OU A CRONOLOGIA DO DESCASO…

P1090840-001P1090845-001P1090847-001P1090849-001P1090850-001P1090853-001P1090860-001
P1090863-001
P1090869-001P1090870-001

 

 

Foi um jogo que, aparentemente, anunciava algo de novo (?) que se insinuava, ainda de forma débil, na forma de jogarmos o grande jogo, e quando inseri a interrogação acima, é porque a antevi e pratiquei cinco anos atrás no pequeno Saldanha no NBB2, numa ação que não foi bem varrida para baixo do tapete da história, pois um pozinho foi esquecido, e que ameaça se transformar num poeirão, claro, com outros “descobridores e criadores” táticos, para os quais copyrights existem para serem copiados, claro, sem menções de autoria, conceituando melhor, plágios, puros e simples, mas com um fator restritivo muito sério, o de ouvirem (e até gravarem) o galo cantar, sem, no entanto, reconhecerem onde se encontra o poleiro…

Isso posto, vamos aos fatos deste jogo exemplar, onde a equipe carioca resolveu, com acerto, jogar na dupla armação de verdade, com dois especialistas, Laprovittola e Benite, e três homens altos, Meyinsse, Marcos e Alexandre, infiltrados no perímetro interno, em constante movimentação, num entra e sai da bola rápido e incisivo, desmontando a que é considerada a melhor defesa da liga, e implementando uma substancial melhora em seu setor defensivo, face a grande mobilidade e combatividade interior, onde até o Marcos, notório mal defensor, se inseriu no contexto de luta de seus companheiros, aumentando a eficiência defensiva de sua equipe, inclusive, aleluia, nos rebotes, mas que sofreu uma grande queda com as entradas do Marcelo e do Hermann, quem sabe, insatisfeitos com a reserva, ou mesmo, sabe-se lá, com os problemas financeiros da equipe…

A equipe mineira também tentou, mesmo dentro de um rígido sistema único (que o Flamengo também usou, porém agindo mais livre na leitura de jogo) a formula da dupla armação e pivôs transitando no interior, com uma e decisiva diferença, o isolamento e descoordenação dos mesmos, além da inferioridade técnica, se relacionados com os cariocas, além de uma teimosa “obediência tática” que confundia fluidez com passes de contorno, muitos passes, sem a verticalização utilizada com sucesso pelo seu oponente…

Por estas razões, foi um jogo de poucos arremessos de fora (7/17 para os cariocas e 3/17 para os mineiros), que foram menos eficientes nas finalizações interiores (36/32 respectivamente), mas perdendo 10 lances livres contra 4 de seu adversário. e nesse ponto é que devemos ressaltar o fato insólito de toda a torcida rubro negra saldar efusivamente seu ex jogador Shilton pelos 0/7 lances livres perdidos, logo ele um pivô exposto a tal situação em todas as suas atuações na liga, que pela combatividade deveria ser um bom executante de lances livres, e que não o é desde sempre, mesmo passando por três equipes profissionais, fora as que pertenceu na base, sem que, em nenhuma delas tivesse esse problema atenuado, ou mesmo resolvido, exatamente pelo conceito que vigora em nosso basquetebol, de que jogadores da elite não precisam treinar e praticar os fundamentos do jogo, onde os arremessos são a cereja do bolo dos mesmos…

Concluindo, vimos um jogo priorizando o jogo interno, com homens altos transitando continuamente dentro do perímetro, e uma dupla e eficiente armação, que já se tornou uma bem vinda evolução de nosso jogo, somente aguardando que novos sistemas superem o “único”, desgastado pelos polegares, punhos, chifres e outras mais jogadas, que no frigir dos ovos, sempre foram as mesmas, dentro das quadras, ou rabiscadas freneticamente em pranchetas midiáticas e absolutamente estéreis…

Espero que evoluemos, um tanto tardiamente, confesso, porém muito triste e decepcionado por não ter tido a oportunidade de acelerar esse processo do qual fui o introdutor na liga, com todo o conhecimento didático e pedagógico de tê-lo desenvolvido e aplicado por quase 40 anos, não encontrando nesse imposto e coercitivo afastamento, nenhum movimento que o explicasse no âmbito dos técnicos, mas quem sabe agora com a anunciada, já pronta e deliberada ATBB – Associação de Técnicos Brasileiros de Basquetebol (pela sigla, técnicos extrangeiros estarão de fora? Pois se assim for, não se tratará de uma associação voltada prioritariamente à técnica, e sim um pseudo sindicato orientado às garantias empregatícias, o que seria uma pena, um grande desperdício, pois visaria a manutenção do corporativismo existente, vide os 15 magníficos do “mais alto escalão da modalidade no país” que a organizaram, onde a garantia de mercado priorizaria todo seu esforço e interesse, que tenho a mais absoluta certeza dezenas, ou centenas, de técnicos amariam participar de sua formação…), quem sabe poderia explicar “os porquês” de meu silencioso afastamento da profissão, da qual sou, talvez e academicamente, dos mais graduados no país, e uma das provas ai está, transparente e clara na utilização de sistemas de jogo por mim desenvolvidos, e somente lembrados através os artigos e videos deste humilde blog e de um Giancarlo Giampetro do blog Vinte Um, em seu solitário reconhecimento do quem é quem no grande jogo neste imenso, desigual e injusto país…

Mas como muitos dizem e afirmam – vamo que vamo, deixando a memória, o reconhecimento e o mérito para trás, onde devem sempre estar, não importando neste processo a negativa de exercício profissional (por conta de contra partidas?…) a que todos tem direito, se graduados e competentes, mesmo exercendo o contraditório, assim como eu…

Amém.

Fotos – Paulo Murilo. Clique nas mesmas para ampliá-las e acessar as legendas.

 

AS NUANCES DO GRANDE JOGO…

P1090661-001

P1090667-001P1090671-001P1090630-001

P1090645-001

P1090652-001

Semana de muito NBB e a LDA com o Flamengo em Cancun defendendo seu título de campeão, numa campanha que poderia ter sido esmagadora, mas por conta de seu vício nas bolinhas chegou até a perder o jogo final de forma para lá de bisonha…

Trata-se de uma equipe que detém, talvez, o mais forte jogo interior da liga, mas por conta da volúpia de fora de alguns de seus jogadores, normalmente torna difícil jogos que venceria folgadamente se…

 

Se tomasse uma boa ducha de humildade ao reconhecer que lá dentro, onde são imbatíveis, venceriam quase tudo, claro, se os “especialistas” consentissem, e seu técnico se impusesse…

 

Vale a pena mencionar a substancial melhora coletivista da equipe, ao ter de volta na base, o Alexandre, defensor mais gabaritado que o Marcos, e presença determinante nos rebotes e no jogo interno, sendo por essas razões o jogador mais regular da equipe, assim como o acerto do Laprovittola na serventia aos pivôs e nos seus eficientes DPJ’s…

 

Por outro lado, pudemos testemunhar, por mais uma vez, o quanto de caótico se tornam os sistemas de jogo das demais equipes, centradas em americanos ¼ de bomba, e determinados a aparecer no mercado, e que para tanto, nem o sistema único de jogo que praticam desde sempre, obedecem…

 

No NBB, muitos foram os jogos apresentados nas mídias,  porém, para não cansar o leitor, e a mim mesmo, desde que a mesmice endêmica se encontra solidamente mantida, somente destaco o fato de que, aos poucos, a convergência vem cedendo espaço aos arremessos de 2 pontos na maioria das equipes, o que não deixa de ser uma boa noticia, ainda mais se levarmos em conta o fato de que se não mudarmos essa evidência, pouco ou quase nada alcançaremos na busca do soerguimento  do grande jogo em nosso país, refém que se encontra de uma mesmice técnico tática endêmica, e de dolorosa existência…

Mesmice esta, que também vem existindo na meca do grande jogo, os Estados Unidos, e numa escala em muitos valores superiores à nossa, mas, que encontrou num técnico revolucionário, a resposta que se faz necessária, não só no no gigantesco mundo universitário, como nas seleções nacionais, onde conceitos e princípios técnicos e táticos estão sendo quebrados por ele, o Coach K, que agora alcança a incrível marca de 1000 vitórias em sua carreira, feito inédito em seu país, e respeitado por todos aqueles que ainda se encantam e amam o grande jogo…

 

Finalmente, uma grande alegria, na presença de dois dos três jovens advogados num almoço por mim oferecido a eles, como reconhecimento da ajuda que me ofereceram quando do processo de perda de minha casa, aqui relatado no blog, um dos quais, o Frederico Martins (Fred), ex jogador por mim dirigido no Barra da Tijuca, passando às minhas mãos o convite para a sua posse no próximo dia 29 em Brasília, como juiz federal, numa atitude que me deixa orgulhoso e absolutamente convicto do valor dos desportos na formação do caráter e da força motriz dos jovens a eles dedicados, fatores reconhecidos por ele num momento tão importante de sua vida profissional. Parabéns Fred.

 

Amém.

 

 

CACOS…

P1080522-001P1080547-001

Semaninha complicada essa, com muito ego inflado e desvarios recordes nos arremessos, e muito mais, vejamos:

 

Caco 1 – Está ficando na moda técnico culpar jogadores por derrotas, copiando o mote clássico do futebol – Eu ganho, nós empatamos, eles perdem- adaptando ao basquete o cretino – Eu ganho, eles perdem…Porque não se olham  num espelho antes? Ficariam realmente envergonhados…

 

Caco 2 – Vou a um poderoso site para conhecer as equipes e seus jogadores que atuarão no NBB7, percorrendo um a um os escudos, até, que em um único deles me deparo com a foto do técnico, numa exposição bem parecida com a de um outro do volei (só que num ginásio – vide foto), numa explícita ação de culto à personalidade, lamentável em termos desportivos, e educacionais…

 

Caco 3 – A LNB se lança nas transmissões de jogos pela internet, ação louvável, porém um tanto pretensiosa no que se refere ao modus operandi, pois tenta copiar a fórmula das emissoras de TV, num aparato que deveria ser bem mais contido, mais técnico, sem rapapés dispensáveis para quem realmente gosta e entende do grande jogo, resguardando as vultosas verbas para, em videos, disponibilizar os demais jogos, crús, somente com o som ambiente, levando aos muitos interessados imagens importantes para o desenvolvimento da modalidade em todo o país, através os vídeos que são obrigatoriamente feitos em cada partida, e que pelo que consta, são somente veiculados para os técnicos das equipes participantes.

 

No NBB2 veiculei alguns destes videos aqui no blog quando dirigi o Saldanha, e que mostrou a muita gente o que propunhamos e efutuamos junto aquela equipe. Porque não repetir a experiência com todas as equipes, sairia mais barato (o You Tube é uma possibilidade) e muito mais eficiente em termos técnicos e de massificação do grande jogo…

 

Caco 3 – Fala-se e escreve-se muito sobre evolução técnico tática em nosso basquetebol, com técnicos inovando e propondo sistemas universais, defesas estratosféricas, mobilidade rivalizando com o moto contínuo jamais conseguido pela ciência, preparação física monolítica, no entanto, estancar uma hemorragia que afunda cada vez mais o jogo entre nós, nada, nadinha, tendo inclusive os argentinos que se encontram agora em equipes nacionais aderindo à febre desenfreada dos três, das bolinhas salvadoras, autofágicas, como num suicídio coletivo e imparável. No jogo da Liga Sul Americana entre Baurru e Brasilia, foram perpetrados 32/68 daqueles torpedos, sendo que os paulistas sozinhos lançaram um 19/43 inacreditável, contra 14/35 de dois pontos, num jogo que venceram por 95 x 67. Duvido, mas duvido mesmo que o fizessem contra uma equipe com razoáveis defensores, que são quase impossíveis de serem encontrados nestas plagas, ocupados que estão no duelo de quem faz a última. apagando a luz o vencido…

 

Caco 4 – Vou ao Tijuca com meus dois filhos, e batemos com as caras na porta do interditado ginásio, entrando somente eu por ser jornalista, num jogo com duas das melhores equipe do NBB7, Flamengo e Franca. Sento-me numa cadeira de meio de quadra para fotografar melhor, quando recebo a companhia do ex aluno da UERJ e colega da UFRJ Byra Bello, comentarista da Sportv, estabelecendo daí para diante uma conversação deliciosa e estimulante, regada a grandes lembranças de um pujante basquete carioca e brasileiro, dos quais fizemos, e fazemos parte dentro e fora das quadras, como técnicos e professores de gerações amantes do grande jogo e da Educação Física em geral. Um feliz encontro que fez muito bem a nós dois, tenho certeza, esperando que se repita em breve.

 

Quanto ao jogo, que comentamos bastante, foi muito equilibrado, e duramente disputado, com ambas as equipes atuando dentro e fora do perímetro, intensamente, vencendo o Flamengo que conseguiu 32 pontos no garrafão, dez a mais que Franca, no fator que decidiu a partida por 82 x 79.

 

Finalmente, aceitei o convite dos organizadores do 2o Congresso de Direito Desportivo, a ser realizado na UFSC em Florianópolis de 17 a 19 do corrente, para fazer parte da Mesa de Debates Crise no Esporte Brasileiro no dia 18 às 19 hs.

 

Amém.

Fotos – Reproduções da Tv. Clique nas mesmas pra ampliá-las.

 

 

DSCN3069-001P1030731-001

OS 400 mil…

 

P1080214-001

Nesta noite esse humilde blog atingiu a marca de 400 mil leitores, a partir do artigo 500, quando a pagina foi reestruturada e passou a computar os acessos diretos. É uma marca que muito nos deixa feliz, principalmente por se tratar de um blog de basquetebol que enfoca as atividades técnicas, táticas, administrativas e políticas do grande jogo no país, porém sem deixar de mencionar, complementarmente, a modalidade no plano internacional, e ainda reservando um bom espaço a assuntos educacionais e culturais.

Mas a grande e preciosa conquista é que o mesmo somente menciona e publica comentários e colaborações devidamente identificadas, assinadas com responsabilidade e isenção, promovendo debates e discussões de caráter democrático, onde o contraditório pauta o equilíbrio e o bom senso discursivo.

Claro, que por conta destas simples regras de convivência, seria impossível atingir as colossais marcas de acessos que premiam outros blogs da modalidade, que permitem o anonimato em seus comentários, mantendo-os na primazia estatística desde sempre…

Mas algo tem de ser dito ao atingir tão significativa marca, a afirmação de que em nenhum momento nestes 10 anos de atividade, pretendi me situar como dono de verdades, ou sabedor de tudo a respeito do grande jogo, e sim, reportar aos fieis leitores toda uma experiência e vivência de quem se encontra dentro de uma quadra e de uma sala de aula trabalhando, pesquisando, planejando e competindo em todas as etapas, da base a elite, no masculino e feminino, na escola, no clube e na universidade, onde lecionei na formação de professores e técnicos, ao longo dos mais de 50 anos de batente, e que aos 75 ainda me mantenho atuante e trabalhador, acenando irmamente às novas gerações através uma larga experiência e vivência no grande jogo.

Nesta noite, assistindo à premiação da artista Jane Fonda pelo Instituto Americano de Cinema, por sua permanente luta como artista, produtora, escritora e engajada politicamente, guardei de seu discurso de agradecimento essa jóia de pensamento, que de certa forma se conecta com minha forma também de ser e ver o mundo ao redor, disse ela após confessar que o seu maior erro de vida foi o de não ter perguntado o suficiente para aqueles que foram importantes em sua formação, afirmando ao se despedir: “É muito mais importante estar permanentemente interessada, do que ser interessante”…

Sempre afirmei aos meus alunos, de que nível fossem,  não estar ali para sorrir para ninguém, e sim para instruir, ensinar e provocar idéias e reações, que são os aspectos cruciais em suas formações, pedagógicas, didáticas, técnicas, e acima de tudo éticas e de caráter…

Por tudo isso, só tenho que agradecer essa honrosa audiência, prometendo manter esse humilde veículo de idéias ativo enquanto forças tiver, apesar de pouco ainda saber, e muito ainda por aprender, apreender e divulgar, sempre e sempre…

Obrigado a todos.

Amém.

Foto – Clique na mesma para ampliá-la.

 

DE 2006 A 2014, O QUE MUDOU?…

Num momento em que se clama pela implantação de uma política voltada ao desenvolvimento do esporte nacional, principalmente no âmbito escolar, retorno um pouco no tempo, quando do segundo ano de publicação desse humilde blog, para republicar um artigo que bem retratava as deficiências da modalidade dentro de um contexto comum a todas as demais, principalmente quanto a ausência de movimentos associativos que liderassem professores e técnicos em suas jornadas, em vez de conselhos que ousam tutelá-los com vistas estritamente econômicas e de interesses corporativos, atrelados que se encontram com a indústria do corpo que ajudaram desde sempre a implantar.

Nada evoluímos desde aquela época, sendo o nosso país um dos poucos onde associações de técnicos inexistem, deixando-nos de fora de órgãos internacionais que muito poderiam nos ajudar na retomada dos caminhos perdidos para o arrivismo e o apadrinhamento político e injusto. Vale a pena recordar um tempo, não tão distante assim, quando iniciávamos a já longa travessia vista através essa trincheira, pertencente a todos aqueles que realmente amam o grande jogo. E já nos aproximamos do artigo 1200, graças aos deuses que também teimam em amá-lo…

200 ARTIGOS DE LUTA.

quarta-feira, 30 de agosto de 2006 por Paulo Murilo

Em setembro de 2004 iniciei a publicação deste blog, que agora, dois anos depois chega aos duzentos artigos, doze dos quais serão a base do primeiro livro que estou produzindo sobre os fundamentos do jogo. Acredito que tenha ajudado com um pouco da minha experiência nas quadras para o entendimento desta magnifica modalidade esportiva, e na esperança de que a mesma se soerga entre nós. E hoje, um tanto fora do aspecto festivo pelo duo centésimo artigo, tento entender como pessoas que se dizem sérias se deixam levar pela paixão ao emitirem opiniões e testemunhos enganosos. Um subtítulo? FALEM A VERDADE, POR FAVOR.
Assisti perplexo ao programa Arena Esportiva de ontem no Sportv, todo ele dedicado ao basquetebol, no qual ouvi absurdos perpetrados por dois técnicos convidados, sendo um deles o da seleção brasileira. Num momento do programa falou-se sobre a importância da criação de uma associação de técnicos, como as existentes nos países que dominam a modalidade na atualidade.E o testemunho do selecionador nacional foi de um desconhecimento assustador. Afirmou que com o falecimento do Daiuto( na realidade o Prof.Moacir Daiuto, técnico, escritor e diretor da EEFUSP), a associação de técnicos por ele fundada, praticamente deixou de existir, e que só recentemente uma outra associação, a APROBAS, dirigida pelo Tácito(?), tenta se estabelecer, mas que somente uns poucos pagam sua anuidade. Todas ,informações completamente falsas. Quem idealizou, ajudou a fundar e participou na redação do estatuto da primeira associação de técnicos de basquetebol em nosso país, fui eu, quando do Campeonato Mundial Feminino em São Paulo em 1971 . Naquela ocasião, paralelamente à um curso de atualização técnica patrocinado pela FIBA e pela CBB, com a presença de um elevado número de técnicos de todo o país, a idéia lançada por mim teve imediata aceitação, e logo uma comissão designada por todos em votação, da qual fiz parte, foi destacada para a elaboração do estatuto da ANATEBA-Associação Nacional de Técnicos de Basquetebol, que nascia nas dependências do DEFE na Água Branca. Na promulgação do estatuto e da ata de fundação propuseram os técnicos presentes e fundadores que eu assumisse a presidência, a qual declinei com o argumento de que a associação iniciaria seu trabalho em conflito com a direção da CBB, da qual divergia profundamente. Sugeri então o nome do grande técnico Antenor Horta, tendo como vice-presidente o Prof.Moacir Daiuto. O desportista Jack Fontenelle assumiria o setor financeiro e eu, dada à insistência dos técnicos assumiria a secretaria da nóvel entidade. A ANATEBA foi um sucesso imediato, contando de saída com mais de 120 associados, dos mais diversos estados do país. Publicou 5 revistas, e lançou o mini-basquete no Brasil, além de organizar cursos de atualização em vários estados. Mas aos poucos, a CBB minou a associação, que via como concorrente, e que sem sua ajuda logística deixou de existir. Em 1976, quando cursava o mestrado de Ed.Fisica na USP, em um dos sábados desportivos que a EEF organizava para reciclar os técnicos de SP, e na presença de mais de 150 deles, propus, mais uma vez, a recriação da ANATEBA, que foi rebatizada de ABRASTEBA- Associação Brasileira de Técnica de Basquetebol, sendo eleito para a presidência o Prof.Moacir Daiuto, que era o diretor da EEFUSP, ficando comigo a vice-presidência. Seis meses mais tarde, sem que tivesse sido sequer comunicado e sem votação em assembléia, fui afastado do cargo, pois era o único não paulista na direção da associação. Sucedeu ao Prof.Daiuto o Prof. Guilherme Kroll, até o encerramento de suas atividades, pois o suporte logístico dado pela EEF cessou com o falecimento do Prof.Daiuto. Très anos atrás fui à fundação da APROBAS (Associação dos Profissionais de Basquetebol) em São Paulo, como o único carioca presente, doando à nova entidade todo o material que possuia sobre a pioneira ANATEBA. Paguei duas anuidades e jamais recebi um recibo ou carteira que me situasse como sócio colaborador e pagante. Também, nos anos 80 organizei e fundei a Associação de Técnicos de Basquetebol do Rio de Janeiro, que teve como seu primeiro e único presidente o técnico Ary Vidal, e como vice-presidente o técnico Waldyr Boccardo. Logo, não procedem as informações dadas pelo técnico da seleção brasileira, assim como não reconheço nele competência para vir a público inovar com ideias que nasceram, floresceram, e foram aniquiladas pelo perigo que pseudamente representavam para a entidade mater, a CBB, que ora representa,e é apoiado, mesmo após o triste papel que fizeram no mundial, o que jamais ocorreria se entre nós existisse uma associação que promovesse o mérito como fator intrínseco para a direção de nossas seleções, da categoria que fosse. Também tive o desprazer de ouvir comentários oportunistas do outro técnico convidado, que carece de um mínimo de conhecimento sobre muitos dos assuntos ali expostos à discussão por um arguto mediador, e que deixou no ar uma névoa de desconfiança sobre a seriedade de muitas colocações discutidas ao sabor de muita rasgação de seda, no apoio explicito ao continuísmo do atual técnico da seleção, que em sua opinião é o único com competência para o cargo, abrindo vasto campo para futuras composições comissionadas. Salvaram-se as opiniões sensatas e objetivas da grande atleta Hortência, o que veio corroborar quão importante foi sua trajetória e influência para o nosso basquetebol, premiada que foi no Hall of Fame. Sinto, que ao sabor das circunstâncias um tanto nebulosas que pairam sobre o atual momento basquetebolistico brasileiro, começam a emergir falsos e oportunistas lideres, empunhando bandeiras que jamais desfraldaram, tentando assumir papeis que não merecem por despreparo, movidos pela vaidade e pelo princípio do que “se colar, colou”.
Que as boas cabeças pensantes do nosso basquete não se deixem levar por marqueteiros e seus oportunos seguidores, e que saiam de suas redomas e assumam seus papéis de direito, sob pena de nos vermos enredados em mais um longo e tenebroso inverno. Faço, como desde sempre venho fazendo,a minha parte, e espero que façam o mesmo e infinitamente melhor.
PS- Dedico este duo centésimo artigo ao Melk, pelos seus 10 anos de lutas e mais de 500 artigos publicados.Um abração.

9 comentários

  1. Fábio 31.08.2006 ·

    Caro Prof. Paulo

    Concordo com o que diz em respeito à formação de base, seria por ela que as mudanças efetivas e duradouras poderiam surgir para reerguer nosso basquete no cenário competitivo.

    Gostaria de perguntar-lhe se estará participando do Congresso Mundial de basquete que ocorrerá em São Paulo nos dias 08,09 e 10/09, precedendo o Campeonato Mundial Feminino.

    Grato

    Fábio

  2. Basquete Brasil 31.08.2006 ·

    Prezado Fabio,só fui saber do Congresso quando os prazos para a apresentação de trabalhos tinham se esgotados.Mas dando uma olhada nos temas livres que serão apresentados,vi que somente 20% versam sobre o jogo em si,e os restantes 80% praticamente ficaram à cargo de médicos, fisioterapeutas, psicólogos, administradores, etc,etc.Como sempre,falam todos,menos os técnicos.Aliás,as palestras estarão à cargo dos integrantes das comissões técnicas da CBB, o que em nada me interessam.Quem realmente tem algo a dizer sobre basquetebol jamais seriam convidados, ainda mais em um Congresso Internacional.Pena, pois muita gente boa ficará de fora.Mesmo assim,pretendia dar uma passada por lá,mas quando vi o preço da inscrição
    (200,00)tirei meu time de campo. Por esse prêço compro bons livros e não perco o meu precioso tempo.Se tinha algo para falar? Meu Deus,o artigo de hoje é o de nº200, e creio que alguns deles somaram algo de positivo para a causa do basquete.É isso ai caro Fabio,vida que segue.Um abraço,Paulo Murilo.

  3. Renato Padovani Tognolo 31.08.2006 ·

    Olá Professor,

    Parabéns pelos 200 artigos e pela perseverança.

    Não acompanhei o debate no SporTV e também nunca estive perto da história das associações de técnicos do basquete nacional para poder tomar partido na questão colocada.

    Mas acho que o Lula querer colocar o tema nessa hora é um diversionismo inútil, pra enganar trouxas.

    Na hora do vexame sempre aparecem as desculpas e as soluções mágicas. Via de regra estas soluções não têm nada a ver com o problema e chegam pra confundir, não pra explicar: na política está cheio disso, é só ver que cada vez que aparece um escândalo novo de corrupção, ressucita a tal “Reforma Política” (sobre o tema ver excelente artigo de Claudio W. Abramo postado no Blog do Noblat)

    A importância de termos associação de técnicos, assim como o estudo e intercâmbio, é inegável. Mas no contexto do fracasso no mundial, o técnico da seleção apenas desvia o foco do que realmente interessa: os erros cometidos pela CBB e pela comissão técnica comandada por ele na preparação e comando da seleção brasileira.

    Na minha opinião, ao gastar tempo e saliva para estimular e propagar esta idéia, Lula perde a chance de dar uma contribuição real e maior para o basquete nacional, que é a de admitir os erros, pedir demissão, e abrir espaço para que um trabalho na seleção seja conduzido por princípios diferentes dos vigentes. Se fizesse isso, aos meus olhos, cresceria como pessoa e como profissional. Ganhar e perder faz parte do jogo, pouco me importa que tenha voltado do mundial em 14o lugar ou coisa que o valha. Me mata é saber que ele “faria tudo de novo, do mesmo jeito”.

    – Renato

  4. Melchiades Filho 31.08.2006 ·

    Paulo, escrevo para agradecer duplamente. Obrigado pelo blog, um canto precioso que continuo a visitar mesmo depois de me afastar da coluna na Folha, e obrigado pela “homenagem” no final do texto desta semana, que me emocionou bastante. Toda a força para você e para aqueles que resistem e não deixam de questionar os imbecis que treinam (sic) as seleções brasileiras. Quando o basquete vai se livrar desses balofos incompetentes? Até!

  5. Miguel Palmier 31.08.2006 ·

    Niterói, 31 de Agosto de 2006
    Caro Mestre;
    Leitor assíduo de seu Blog, não poderia deixar de parabenizá-lo pelo duo centésimo artigo; Artigos que na maioria das vezes, me fazem repensar conceitos, analisar atitudes e por fim tentar entender um pouco mais do nosso esporte, melhorando a minha prática como Técnico de Basquetebol.
    Peço perdão por ter acompanhado tanto tempo sem ter me pronunciado,(tenho as minhas razões), li por uma ou duas vezes os seus clamores por debate neste blog, mas creia, não sou somente eu que acompanho sem dar opinião, muitos de nós acompanhamos. Tenho por princípio não comentar nada na internet pois esta tem o poder de transformar imbecis e despreparados em gênios, e gênios em pessoas comuns, assim como a televisão.
    Nesta discussão sobre Associações, reuniões, congressos, palestras e grupos de estudos, tenho boas e más recordações. Uma das boas recordações foi lhe conhecer e participar da criação da ATEBERJ em Dezembro de 1984, na Barra da Tijuca, em uma iniciativa sua e do Prof. Paulo Cesar Motta, cujo certificado de participante guardo até hoje com muito carinho.
    Com a minha carreira iniciada em 82 como treinador, com puro empirismo, foi daí que entendi que o Basquetebol é uma “ciência” e que deveria gastar muitas horas estudando para tentar me aprimorar.
    Tenho até hoje as revistas do VIII estágio sul-americano de técnicos em basquetebol realizado em Novembro de 1987 pela BRASTEBA.
    A outra foi quando voltei do meu trabalho em Goiânia onde dirigi o Universo/Ajax, vencendo 33 partidas oficiais das 34 disputadas, conquistando três títulos e sendo demitido logo depois, porque eu não tinha NOME, e nem era ex-jogador da seleção brasileira (quem assumiu o cargo foi o Carioquinha). Naturalmente esta não foi a parte boa, mas me fez crer que era chegada a hora de dar continuidade a sua ideia de fazer um pouco mais, tentar fazer com que todos vissem a nós como profissionais de basquetebol e nos respeitassem, a parte boa foi quando voltei ao Rio de Janeiro e encontrei o Prof. Guilherme Kroll, que me convidou para coordenar junto com ele, com o Prof. Marinho e o Prof. Orlando Asumpção, o Grupo de Estudos de Basquetebol, denominado GEB. Tínhamos uma sala no Maracanãzinho e chegamos a promover várias palestras e clinicas no ginásio de treinamento do Maracanãzinho e depois na Vila Olímpica da Mangueira, inclusive com o Prof. Lula Ferreira, técnico da Seleção Nacional. Por questões pessoais me afastei, e o Prof. Marinho também, ficando somente o Prof. Guilherme Kroll e o Prof. Orlando Asumpção, sozinhos nesta luta.
    Uma das conquistas que eles alcançaram , foi a de no ano de 2004, só poderem dirigir equipes de basquetebol aqueles que tivessem feito o curso em parceria com o CREF, onde se qualificaram vários treinadores que não tinham o curso completo de Educação Física. Sei que o Sr. é contra isto, mas pelo menos foi feito algo.
    Bem, esta introdução foi para mais ou menos o Sr. saber quem esta lhe escrevendo pois creio que não se lembre da minha figura.
    Desde da criação da ATEBERJ, discuto com os treinadores da minha geração a necessidade que temos de nos reunir e discutir basquetebol formalmente, pois só discutimos e nos falamos informalmente, mas vários fatores influenciam nesta questão, e a principal delas é a VAIDADE.
    Tive a felicidade de trabalhar com Miguel Angelo e Flor Melendez, na minha opinião dois dos treinadores com quem trabalhei mais preocupados em discutir basquetebol, e o mais importante disto tudo, eles não tinham um pingo de vaidade de dizer que viam as coisas de uma forma e que através da discussão do assunto passaram a ver de outra forma. Também trabalhei com outros grandes nomes que prefiro não declinar aqui, que não queriam nem saber, faziam o que estavam acostumados, e não ouviam e muito menos debatiam; E é aí que quero chegar. Cheios de si e de vaidade jamais tinham a cabeça aberta para outras opiniões. A MAIORIA DE NÓS TREINADORES É ASSIM. Não discutem porque não tem conteúdo, ou porque estão cheios de sí e acham que já sabem tudo, mas no discurso NÃO, dizem sempre que estão abertos e que estão aprendendo ainda, vai ver no íntimo! Entendo isto como o maior problema dos treinadores de hoje. Na clinica do Obradovich aqui no Rio escutei de um treinador contemporâneo meu, que tudo que ele disse (Obradovich) ele já sabia. Santo Deus. Ouvi e calei-me.
    E assim outras pérolas, que não perderei tempo aqui em declinar.
    Sobre a questão da mais nova associação APROBRAS, sou um dos primeiros filiados, não estive no ato da fundação, mas participei da I Clínica Nacional de treinadores, e realmente, do Rio de Janeiro somente eu e o Prof. Marcio Andrade (Bronquinha) é que estávamos presentes, assim como uma clínica de uma semana, com o recém vice-campeão olímpico Rubem Mangnano em Mogi das Cruzes, depois sumiram, nem um e-mail mandaram, cito isto para mostrar qual o interesse que os treinadores do nosso querido estado, principalmente, tem em se reciclar e aprender. A pouco mais de seis meses o treinador da seleção de Porto Rico, Julio Toro, esteve no Rio de Janeiro de férias, e a Federação de Basquetebol do Rio abriu inscrições para uma clínica de dois dias com ele, requisitos necessários, R$ 50,00 para inscrição e mais de 50 pessoas interessadas. Amplamente divulgada e com tempo hábil para a inscrição, 15 pessoas se interessaram. Será que este treinador não teria nada a nos passar, depois de 20 e poucos anos treinando o selecionado de Porto Rico? Ou nós estamos c… e andando para o basquetebol?
    A verdade é que o basquetebol não tem PLANO DE CARREIRA, enquanto a maioria das profissões tem.
    Não é qualquer um que pode construir uma ponte, não é qualquer um que pode dar atendimento na saúde……
    Traçar metas, objetivos, sustentar uma família sendo treinador de basquetebol!!!!!!!!!!!
    Daqui a dez anos estarei no nível tal e poderei ser treinador senior se eu quiser, ou poderei me dedicar a base!!!!!! Com um salário de mais ou menos tanto!!!!!! Meu Deus, até na mais antigas das profissões se consegue
    ter uma previsão de vida!!!!
    Conosco não. Se quisermos ter acesso a estudos, internet, viajar para clínicas e palestras temos que:1-Ser de uma família rica, 2-Casar com uma mulher rica, 3-Dar aulas de Educação Física em 4 ou 5 escolas, e por aí vai, porque o que ganhamos e projetamos para a nossa carreira dificilmente nos proporcionará isto, e não é só agora, não, isto vem de longe, me contava outro dia, num bom bate papo, outro grande mestre Prof. Waldir Boccardo, que por muitas vezes só tinha na geladeira ovos e arroz pois apostava tudo na sua formação!!!!!
    Não é possível passarmos 30 anos e as coisas continuarem na mesma.
    E não adianta dizer que quem é bom sempre terá emprego, pois aqui, no Basquetebol, quem tem emprego é o amigo do amigo, ou fez um lob tremendo para conseguir este emprego.
    “O BASQUETEBOL BRASILEIRO VAI MAL PORQUE OS TREINADORES VÃO MAL, E PORQUE NOSSOS DIRIGENTES NÃO ENTENDEM NADA X NADA DO ESPORTE”.
    Os dirigentes na maioria são pais de atletas, que passados os anos de jogos do seus filhos somem das quadras, e vão cuidar das suas vidas.
    Ser treinador de basquetebol aqui no Rio de Janeiro de categoria de base hoje é BICO, pois aqueles que estão lá, não se interessam em estudar nada, tampouco ganham suficiente para se interessar por isto, e as aulas no colégio, ou outra atividade qualquer, se tornam mais importantes do que a dedicação ao clube e a sua equipe. A última geração de interessados em estudar e ter prazer de “fazer” jogador foi a minha, onde posso citar de relance quinze a vinte treinadores comprometidos com isto.
    Agora sobre o leite derramado choram os incautos, vem um mix de treinador /comentarista, dizer em alto e bom som na Sportv que TENTOU fazer reuniões e congressos com treinadores, e esbarrou na vaidade, ele só pode estar de brincadeira….. Atirou a esmo e acertou na mosca. Nunca ouvi dizer ou vi este Sr. dando uma clínica para treinadores. Ou ao menos que tenha estado presente em uma. Que tenha chamado tres ou quatro treinadores para uma reunião para discutir basquetebol, pode até ser, mas se houve não foi divulgado e não foi aberto a todos do basquetebol. E mais “BATER EM MORTO” é o que ele está tentando fazer, levantando uma bandeira que NUNCA FOI A DELE.
    Enfim, urge que as Federações e a CBB, tomem as rédeas da formação porque por nós mesmos jamais seremos capazes de chegar a um denominador comum. Uma Federação e uma Confederação com credibilidade, que acredite que o grande “PULO DO GATO” é a capacitação do profissional, e um plano de carreira. Quando digo tomar as rédeas é fazer como na Argentina, na Espanha ou na Itália, que para dirigir uma equipe da 3ª divisão vc. tem que ter um nível, para dirigir uma equipe da 2ª divisão vc. tem que ter outro nível e também assim na 1ª divisão. E só a CBB e as Federações podem fazer isto, pois elas são normativas e fiscalizadoras do nosso esporte, é que dão credenciais para qualquer um dirigir basquete, só um adendo, aqui no Rio tivemos durante um bom tempo um dono de botequim que era treinador, porque financiava seu time!!!!!! E nós que dedicamos as nossas vidas ao Basquetebol?
    Então por esta e outras que afirmo só com uma norma das Federações e Confederação com planos de CAPACITAÇÃO E CARREIRA bem estruturados é que iremos melhorar o Basquetebol brasileiro e responder a pergunta do ex-atleta Marcos Abdala Leite (Marquinhos), na sua coluna de hoje no site Basketbrasil,
    ONDE ESTÃO OS GRANDES TREINADORES?
    Acrescentaria:
    ONDE ESTÃO OS GRANDES DIRIGENTES?
    Não gosto de escrever, porque sou sincero (sem malícia; puro-Dic. Aurélio) sem ser politicamente correto(o que todos os comentaristas/treinadores hoje nas TVs tentam ser), e com isto arrisco meu pescoço e um emprego futuro, é assim que as coisas funcionam Mestre. Se falar um pouco mais abertamente, vc. não presta para dirigir algumas equipes, compreendo meus colegas de profissão. Mas hoje, deixei por um instante, de me calar, e não é em tom amargo, alguns poderiam dizer, mas é em tom de crítica, para que as coisas possam melhorar, não para mim que já estou mais para o final da carreira do que para o início, mas para esta garotada que ainda sonha EM SER TREINADOR DE BASQUETEBOL.
    Era isto que tinha a dizer grande MESTRE. Muito Obrigado.
    Quem quiser ler um pouco mais sobre isto entre no site do Prof. Marinho e leia o Texto:
    “Técnico de Basquete: Profissão madrastra”, texto do dia 19/07/2005.
    site http://www.bbheart.com.br
    Prof.Miguel Palmier.
    Em 1ºTécnico de Basquetebol
    Em 2ºProfessor da rede estadual de ensino.

  6. André Luis 31.08.2006 ·

    Prof Paulo, eu sempre enviava email p/ O MElk e dizia para ele que no basquete ha “herois da resistencia” que lutam contra este continuismo na CBB. Agora pude descobrir o senhor. Parabéns e continue assim

  7. Reny Simão 31.08.2006 ·

    Prezado Professor

    Meus cumprimentos pelo 200º artigo publicado.
    Também assisti o programa com o técnico da Seleção. Como ele disse no início que assumia a culpa e que não iria justificar, mas explicar o que ocorreu, fiquei curioso e acompanhei o programa até o final. Mas, não sei se é pelo fato de eu ser leigo, acabei não ouvindo (ou não entendendo) explicação nenhuma.
    Um abraço

    Reny

  8. GIL GUADRON 01.09.2006 ·

    FELICITACIONES POR EL ARTICULO NUMERO 200.
    ATENTAMENTE.
    GIL OVIDIO GUADRON

  9. Basquete Brasil 03.09.2006 ·

    Prezado Renato,Obrigado pelas felicitações.Você não perdeu grande coisa não vendo o programa do Sportv, com as esperadas e manjadas desculpas.Agora,as associações de técnicos e jogadores são importantes,mas e antes,quando todos eles comandavam o basquete brasileiro,não eram?Tudo papo furado.Continue contestando, é importante.Um abraço,Paulo Murilo.

    Prezado Melk,creio que fiz minhas as palavras de todo basqueteiro que se preze.Uma pequena homenagem para um grande e guerreiro articulista.Ainda nos conheceremos pessoalmente.Um abração,Paulo Murilo.

    Prezado André, agradeço os parabéns.Paulo Murilo.

    Prezado Miguel,sua mensagem me emocionou, pois reflete a grande verdade escamoteada de todos nós,o verdadeiro abismo em que foi lançado o grande jogo.Se essa é a crua realidade dos nossos técnicos,o que esperar de progressos para a modalidade?No entanto
    ,o fato de sua revolta se dar nesse momento crucial por que passamos,gera um sopro de esperança de que dias melhores poderão vir a ocorrer,mas que exigirá de todos nós uma grande carga de trabalho e dedicação.Estamos na luta.Um abraço, Paulo Murilo.

    Prezado Reny,obrigado pelos parabéns,e não se sinta só por não entender as explicações dos participantes do programa, pois ninguém,de sã consciência poderia entender.Um abraço,Paulo Murilo.

    Caro Gil,obrigado,contando sempre com a sua amizade,Paulo Murilo.

 

 

 

MAIS TORTO AINDA…

 

P1040958

Houve uma época em que eu vivia com uma câmera na mão, fosse fotográfica ou cinematográfica, sempre registrando esportes, complementando minha formação acadêmica na educação física. Registrei basquetebol, voleibol com o Paulo Matta, o grande pioneiro do que aí está, não sendo reverenciado, sequer lembrado, e a natação com Roberto Pavel e a Maria Lenk.

Vídeo só fui ter acesso em 1971 no Mundial Feminino de Basquetebol em São Paulo, quando convenci a Fotótica, a grande firma paulista que se rivalizava com a Cinótica, a gravar o jogo contra as coreanas, em um pesadíssimo equipamento Sony, mostrado naquela noite no hotel onde a seleção estava instalada, mas que bem antes do jogo assistiu a um copião em 16mm que montei na Líder Cinematográfica do jogo entre a França e a mesma Coréia realizado na véspera em Brasília, que filmei e peguei carona no avião das delegações vindo sentado no fundo do corredor, e no chão até o Rio, de onde embarquei na mesma noite para SP com o copião na mão.

Tratava-se de um projeto da Assessoria Técnica de Ensino da EEFD/UFRJ, criada e dirigida por mim e pelo Prof. Alfredo de Faria Junior no campus da Praia Vermelha, onde se originou o único filme conhecido de basquetebol feito no país, e que recuperei em vídeo, contado no artigo Enfim, salvo…

            Mas porque tantas reminiscências? Bem, foi uma época em que convivi estreitamente com o voleibol, ajudando o Prof. Paulo Matta em suas incursões cinematográficas pioneiras, das quais um aspirante a técnico, o Bebeto de Freitas, mais tarde grande campeão, inclusive mundial, muito se beneficiou com suas viradas de noite no apartamento do Paulo vendo e revendo filmes em 8mm, super 8mm, 16mm e vídeos em rolo. Hoje, ambos foram devidamente esquecidos e marginalizados pela turma que sempre se encontrava na EEFEx, onde até hoje treina, e conseguindo de forma política não muito bem explicada, reverter o pioneiro patrocínio do Banco do Brasil no basquetebol, num também pioneiro projeto do Prof. Heleno Fonseca Lima, grande técnico daquela modalidade e graduado funcionário daquele banco, fator que catapultou o vôlei, econômica e financeiramente, ao estágio hoje ostentado.

Na mesma época, o hoje poderoso (?) presidente do COB, Arthur Nuzman, fazia palestras para desportistas para assumir a Federação de Volei do RJ, numa jornada em tudo parecida a do Eduardo Viana “Caixa d’Água” da Silva pela Federação de Futebol. Assisti a uma dessas palestras no Instituto Bennet com o Prof. Raimundo Nonato, mais tarde Diretor Técnico da CBB junto ao Prof. Renato Brito Cunha, seu presidente. Nessa palestra o cunho empresarial já era visível no projeto, que se concretizou rapidamente, e se solidificou na Confederação quando do aporte financeiro do Banco do Brasil.

Bem, de lá para cá todos conhecem muito bem o roteiro percorrido, onde o desporto foi transformado em negócio, grande negócio, que infeliz, ou felizmente, vem se tornando público através a mídia de uma forma geral, desnudando um santo que havia sido regiamente paramentado e alimentado com vultosas verbas públicas.

Quando publiquei o artigo O Dedo Torto, foquei um outro lado da questão, o ético, que muito foi deformado frente aos interesses maiores, não só para os dirigentes, mas para jogadores e técnicos também. Foi um chute (ou cortada) no traseiro de uma modalidade que, ao contrario do que sempre foi propalado, não se massificou, e nem pretendeu fazê-lo, para mergulhar de cabeça no universo da alta competição, onde importantes conquistas técnico táticas foram alcançadas, através o talento de ótimos técnicos, e o emprego de muitas e pródigas verbas, inclusive com um Centro de Treinamento também construído com as mesmas, por sobre uma modalidade que em numero de participantes internacionais sequer chega perto do basquetebol, tolhido em seus patrocínios, e aviltado por mais de vinte anos de administrações espúrias e facciosas, numa travessia que tem sido mantida pelos poderosos do vôlei incrustados no comando do desporto nacional, a quem em hipótese alguma interessa o soerguimento do mesmo, única modalidade capaz de superar seu atual e discutível domínio, daí a facilidade com que verbas do Ministério dos Esportes foram e são direcionadas para a manutenção da corriola que lá se encontra, e sempre sob o vetusto manto do grande e poderoso presidente do COB.

Se uma varredura em regra fosse acionada no desporto nacional, muitos dos desmandos e equívocos acontecidos poderiam ser dirimidos, mudando o foco das formidáveis verbas alocadas nos últimos vinte anos, e que fizeram a independência financeira de muita gente auto elegida como importante, secundarizando interesses de uma nação que se debate em tantas  indefinições e precariedade educacional, na saúde, segurança e transportes, onde um desporto saudável, escolar e mesmo clubístico, poderia ajudar a sanar a maioria das mazelas existentes, dando lugar a um país realmente olímpico, e não essa trágica realidade de um país cultuador do corpo para a riqueza avassaladora das holdings que administram academias por todo o país, a quem não interessa o desporto escolar em cima de um universo cada vez mais jovem, seus clientes em potencial, e a quem não interessa, e nunca interessou massificação de atividades lúdicas e pré competitivas voltadas à juventude brasileira, que é um direito constitucional seu.

Se por alguns momentos o leitor considerar que me afastei do assunto central aqui exposto, acreditem, são todos fatores de uma mesma cadeia de interesses, que se sobrepõe desde as escolas, os clubes, e até a formação acadêmica dos futuros professores de educação física (jamais profissionais de ed. física, atrelados que estão a conselhos que viabilizam a indústria do corpo…), e cujas indefinições propiciam o aparecimento e quase perpetuação de indivíduos voltados aos interesses financeiros, jamais os educacionais, mas que pelas ações, veladas ou não, que praticam, ainda podem ser contestados, pois podem enterrar a verdade, matá-la, jamais…

Mais do que nunca, o dedo ficou tão torto…

Amém.

Foto – Reprodução de matéria publicada pelo jornal O Globo em 15/3/2014. Clique na mesma para ampliá-la.